domingo, janeiro 23, 2022

Gripen para o Brasil

Corrosão – o inimigo oculto

Destaques

Guilherme Poggiohttp://www.aereo.jor.br
Membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

Entre os dias 6 e 9 de junho, a cidade de Norfolk (Virgínia) será palco do ‘Mega Rust 2011’. Isso não é um encontro de fãs de meia-idade da banda de rock Metallica, mas uma conferência patrocinada pela Marinha dos EUA para reunir especialistas na área de corrosão e discutir as mais recentes estratégias de prevenção.

O Pentágono gasta cerca de 22,9 bilhões dólares por ano de combate à ferrugem, quase o dobro do custo de uma nova aeronave naval e tanto quanto um F-22 Raptor da Força Aérea. Lidar com a corrosão em navios, blindados, aviões e outros equipamentos vão custar cerca de US $ 114,5 bilhões nos próximos cinco anos. A soma supera o valor do corte do orçamento Ministério da Defesa, avaliado em US $ 78 bilhões para o mesmo período. “É certamente uma despesa enorme, e eu acredito que ela vai crescer”, afirma Winslow T. Wheeler, diretor da Straus Military Reform Project do Centro de Informações de Defesa em Washington. “O inventário de equipamentos de todas as Forças Armadas é significativamente mais velho do que costumava ser.”

Para lutar contra o inimigo invisível, o Congresso em 2003 determinou a criação do ‘Corrosion Policy and Oversight Officee’ dentro do Pentágono. “Corrosão é uma ameaça difusa”, diz Daniel Dunmire, líder e diretor do grupo de estudo formado por de quatro pessoas que trabalham a um quilômetro do Pentágono. “Não podemos deixar de fazer alguma coisa sobre este assunto.” Dunmire está otimista de que as novas tecnologias e a manutenção intensificada poderiam reduzir o custo anual da corrosão em cerca de 30 por cento em 20 anos.

Notícias do ‘front’ são encorajadoras. Na Marinha, onde o combate aos efeitos da água salgada é uma tarefa sem fim, um novo método para o revestimento dos tanques utilizados para transportar combustível e água de lastro dos navios poderia economizar cerca de US $ 240 milhões em manutenção nos próximos 10 a 20 anos, diz William Needham, um capitão de mar e guerra aposentado da Marinha, que agora trabalha para a Marinha como engenheiro de corrosão. O que costumava exigir três revestimentos pode agora ser feito com apenas um, diz ele. A ferrugem nos navios da Marinha e aeronaves da Marinha e do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA consome até US $ 6,2 bilhões do orçamento anual do Pentágono dedicado à corrosão, de acordo com dados do Departamento de Defesa copilados pela LMI, uma empresa de consultoria localizada em McLean, Virgínia.

Ted Bates, um técnico da Boeing, diz que a corrosão tornou-se mais um problema por causa da decisão dos militares de prolongar a vida útil dos aviões mais antigos. O bombardeiro B-52H foi projetado pela Boeing na década de 1950 e construído no início dos anos 1960 para operar por 12 a 15 anos. Cinqüenta anos depois, o B-52s ainda estão em serviço. Lutar contra a ferrugem nos aviões, diz Bates, pode exigir a substituição de partes de metal, aplicação de revestimentos, ou projetar e fabricar peças novas. “Não é um trabalho muito sexy”, diz Bates. “É apenas trabalho duro.”

A Lockheed Martin, fabricante do F-22 Raptor e do novo F-35 Joint Strike Fighter, gastou mais de US $ 15 milhões em pesquisa e desenvolvimento de estratégias de prevenção de corrosão nos últimos 10 anos segundo o porta-voz da empresa, Joe Stout, um valor que inclui também subbsídios do governo. A corrosão tornou-se um problema no F-22 logo após o avião ser introduzido em serviço em 2005. A guia para reparos deverá consumir US$ 228 milhões até 2016, de acordo com o ‘Government Accountability Office’.

O Corpo de Fuzileiros Navais, a menor das três Forças Armadas dos EUA, é o único a ter uma queda do custo de corrosão nos últimos anos: de US $ 545 milhões em 2005 para US $ 460 milhões em 2008. Matt Koch, gerente de programa para prevenção de corrosão e controle do Corpo de Fuzileiros Navais, diz que a economia é resultado de uma decisão ocorrida em 2005 para terceirizar a manutenção das aeronaves e veículos. “Há coisas mais importantes que os fuzileiros navais deveriam estar fazendo ao invés de combater a ferrugem”, diz Koch.

Como parte de seus esforços para conter a ferrugem, o Departamento de Defesa está ajudando a financiar o primeiro curso superior voltado para engenharia de corrosão na Universidade de Akron. A inscrição no programa, que já tem um ano, irá crescer gradualmente. Dez alunos concluíram o primeiro ano e há vagas para até 30 alunos no início do próximo outono.

FONTE: Businessweek

- Advertisement -

6 Comments

Subscribe
Notify of
guest
6 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Soyuz

Por falar nisto;

Existe uma versão de que há células de AMX na FAB que não tem mais condições de vôo porque seu estado de deterioração torna economicamente inviável a sua recuperação?

Alguém sabe sobre a veracidade desta informação e quantas células seriam?

Mauricio R.

Não é a história do desumidificador???
Que pifou e qndo viram, umas 10 células de A-1, estavam c/ sérios problemas.

Wagner

Essa é a prova definitiva que o quase onipotente poder imperial americano também enfrenta problemas, ao contrario do que alguns de seus fanáticos seguidores admitem.

Não são só os Migs que estão enferrujando… os aviões de todas as forças armadas do mundo, e não só na Russia, enfrentam esses problemas…

Quem sabe um dia os japas nao inventem um plastico resistente para superar essas coisas….

Soyuz

Não é a história do desumidificador??? Que pifou e qndo viram, umas 10 células de A-1, estavam c/ sérios problemas.

Deixa eu ver se entendi, segundo esta versão uma falha em um desumidificador con

Soyuz

O comentário anterior foi enviado pela metade.

Seguindo;

“segundo esta versão uma falha em um desumidificador condena 10 células de um avião de combate e fica por isto mesmo?

Mauricio R.

Soyuz,

Pelo visto, sim.

Últimas Notícias

Argentina também negocia a compra de caças F-16 da Dinamarca

Segundo o site argentino Pucara.org, as Forças Aéreas da Argentina e da Colômbia estão analisando ofertas para aeronaves Lockheed...
- Advertisement -
- Advertisement -