sábado, novembro 27, 2021

Gripen para o Brasil

Array

EUA ‘profundamente desapontados’ com eliminação de caças na Índia

Destaques

Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

Embaixador dos EUA na Índia pronuncia-se sobre o assunto horas após divulgar informe de que vai deixar o cargo

O jornal The Hindu noticiou que, com a Boeing e a Lockheed Martin falhando em entrar na ‘shortlist’ do programa MMRCA – um contrato que líderes e diplomatas norte-americanos disseram que determinaria a direção das relações estratégicas entre os dois países – os EUA expressaram, nesta quinta-feira, um profundo desapontamento quanto a esse resultado.

Autoridades da Índia disseram que o consórcio europeu Eurofighter e a francesa Dassault foram solicitados a estender a validade de suas propostas comerciais – que expiraram em 28 de abril – para 31 de dezembro de 2011.

O Embaixador dos EUA na Índia, Timothy J. Roemer, disse que estava ‘profundamente desapontado’ ao ser informado pelo governo que as duas aeronaves oferecidas pelos Estados Unidos à Índia não foram selecionadas. Em um pronunciamento divulgado horas após o anúncio de sua desisão de deixar o cargo de Embaixador, ele tisse que a Embaixada estava revisando os documentos que recebeu do governo, e que ‘respeita o processo de concorrência’.

Roemer disse que havia pessoalmente garantido nos mais altos níveis do governo da Índia que o processo de seleção do MMRCA ‘tem sido e continuará sendo transparente e justo’, e expressou confiança de que as aeronaves oferecidas pela Boeing e Lockheed Martin iriam ‘prover à Força Aérea Indiana uma plataforma imbatível com tecnologia comprovada a um preço competitivo.’

A Boeing, segundo o jornal, pronunciou-se que requisitaria e receberia um ‘debrief’ (relatório posterior) da Força Aérea Indiana e, após revisar os detalhes, tomará uma decisão considerando as opções possíveis, ‘sempre tendo em mente o impacto para a Força Aérea Indiana’.

O informe da empresa afirmou que ‘nós acreditamos que oferecemos à Força Aérea Indiana o avião multitarefa de melhor valor para a missão definida. Continuaremos a procurar oportunidades para ajudar a Índia a modernizar suas forças armadas e desenvolver sua indústria aeroespacial’.

Nos últimos anos, os EUA venderam com sucesso diversos equipamentos de defesa, via FMS (Foreign Military Sales) em acordos governo a governo. Por parte da Boeing, isso incluiu 12 jatos VIP Business Jets e 8 aviões de patrulha marítima de longo alcance P8I. A  Lockheed Martin forneceu o primeiro de seis transportes táticos C130J e um novo pedido é esperado. A Índia também adquiriu 12 radares, o navio de desembarque doca INS Jalashwa (ex-USS Trenton), e recentemente a HAL/DRDO assinou um acordo de aquisição de 99 motores GE414 para o jato leve de combate ‘Tejas’.

Além disso, o governo está no processo de finalizar o acordo para aquisição de 10 aviões de transporte Boeing C17 Globemaster, assim como 145 obuseiros da BAE Systems para o Exército Indiano. Há também conversas para aquisição de mísseis antitanques Javelin, e outros armamentos – tudo isso, somado, deverá ultrapassar a marca de 15 bilhões de dólares.

FONTE / FOTO: The Hindu (tradução, adaptação e edição: Poder Aéreo)

NOTA DO EDITOR: clique aqui para ver o informe da Embaixada dos EUA na Índia sobre a decisão de  Timothy J. Roemer de deixar o cargo de Embaixador (texto em inglês). Ele não cita o programa MMRCA, mas faz alusão a algumas das outras aquisições citadas no texto do jornal The Hindu.

- Advertisement -

27 Comments

Subscribe
Notify of
guest
27 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Antonio M

A galera governinsta e congêneres em Brasília estão comemorando a derrota do grande satá do norte…….

edcreek

Olá,

Parabens a India por não esqueçer o passado recente dos Americanos armando seus maiores inimigos.

É necessario verificar se os Americanos vão mesmo cumprir seus contratos em outros casos para só depois disso concentrar compras com eles.

Essa foi a confirmação de que apenas Rafale e Typhoon passaram nos testes, operacional e tecnicamente falando. Em todo lugar no mundo a politica define as coisas, gostando não os estusiastas.

A verdade vem a tona.

Abraços,

Vader

O embaixador tem que pedir pra sair mesmo. Fracassou retumbantemente. E na diplomacia não existe complacência com o fracasso. Quanto à Índia, sei não, mas ela pode ter atirado a tal vaga no CS da ONU pela janela. Depois dessa duvido que o Tio Sam prossiga apoiando o ingresso de tal país no órgão. Vão entrar porque merecem, mas se depender do Tio Sam isso vai demorar pacas. Coisa interessante. Enquanto o Brasil se vende a tudo e a todos pela tal vaga permanente, toma cusparada na cara e fica quieto, toma patada até de nanico na buzanfa e fica… Read more »

Antonio M

A Índia não esqueceu os problemas com os americanos mas, vão de Poseidon, C117, turbinas GE para o Tejas ?!?!?!?!

Esquecimento seletivo?!?!

Wilson Giordani de Souza

Não sei se ainda há espaço para negociações com a Boeing/Saab no FX-2 mas se houvesse a ausência do SH/NG no short list indiano poderia render alguma coisa.

Wilson Giordani de Souza

… complementando:

ou não?

Antonio M

“…apenas Rafale e Typhoon passaram nos testes, operacional e tecnicamente falando …”

A turbina do Gripen não falhou e um caça como o F18 não passaria nos testes ?!?!?!?

DrCockroach

Tem explicacao de varios tipos p/ escolha: as vezes eh a explicacao eh tecnica e as vezes eh politica/estrategica na imprensa Indiana. Dificil acreditar que tecnicamente o completamente operacional F-18 nao atingiu o “minimo necessario” ( 8) ) p/ ir p/ proxima fase… O Gripen era o azarao nesta competicao. Custos baixos era a vantagem mas nao poderia ser selecioando p/ o mata-mata com esta carta na mao. Mas afinal, um pais com 450 milhoes de pessoas abaixo da linha de pobreza, mais algumas centenas de milhoes de pessoas analfabetas e um PIB per capita de cerca de 1/3 do… Read more »

Nick

Questões ligados à custo não pode ser, visto que o Rafale e o Typhoon são mais caros na aquisição e operação. Desconfiança com relação aos americanos? Mas eles fizeram aquisições pesadas, como a fabricação sob licença do GE-414, 10 C-17, 8 P-8 Poseidon. Qualidade do vetor? o F-18 E é o único com AESA em operação full. Fora que a versão oferecida do F-18 E é o Silent, com mais qualidades furtivas que o block-II. Sobra a questão da tradição, e desconfiança nas ToTs. Tradição por serem clientes tanto da BAE como da Dassault, e desconfiança tendo em vista que… Read more »

Nick

E existem questões de comissões maiores, mas nesse caso, é pura hipótese 🙂

[]’s

DrCockroach

Qualidade do vetor? o F-18 E é o único com AESA em operação full. Fora que a versão oferecida do F-18 E é o Silent, com mais qualidades furtivas que o block-II.

Prezado Nick, e o AESA era condicao na RFP mas, aparentemente, foi flexibilizado e o F-18 nao atingiu o “minimo” em algum dos outros 636 pontos de avaliacao 🙂 Uma avaliacao, provavelmente, “tecnica”.

Gostei muito do seu comentario, ontem, sobre o F2020.

[]s!

Antonio M

“…Enter a avaliacao tecnica deles e a da FAB, fico com a FAB sem nenhuma duvida (mesmo contextualizando p/ condicoes locais). …”

Muito bem colocado, é isso mesmo.

E a FAB queria o Gripen NG (pelas possbilidades do projeto) ou F18 (melhor compra de “prateleira”),

Nick

Caro Dr Barata,

No caso do radar do F-18 E, entendo que é o único realmente operacional e totalmente desenvolvido. o RBE-AESA apesar de estar entrando em produção industrial, não terá todo os modos logo de cara. O radar AESA do Typhoon apesar de fundeado(com verbas) deverá estar operacional em 2015/16, ou seja mais tempo ainda.

E valeu pelo comentário sobre o FS-2020 =]. Na verdade, Se quisermos a desenvolver um caça mesmo teria ser do começo, e nesse caso eu vejo no FS-2020 uma boa oportunidade. Quem sabe???

[]’s

Guilherme Poggio

O radar AESA do Typhoon apesar de fundeado(com verbas) deverá estar operacional em 2015/16, ou seja mais tempo ainda.

Conversei com o pessoal da SELEX GALILEO que desenvolve o CAPTOR lá na LAAD e eles disseram que a tecnologia já está desenvolvida, mas não há fundos suficientes para bancar o prograna no RU.

Industrialmente este radar poderia estar pronto em poucos meses, mas os recursos foram fragmentados em vários anos fiscais e o cronograma físico teve que ser esticado em função das verbas disponíveis.

Giordani RS

Existem “n” explicações possíveis para tal, porém, elas jamais virão a público. De concreto mesmo, é que mais uma nação avança em seus sistemas de Defesa/Tecnologia, enquanto que o brasil segue a patinar em às margens plácidas…

edcreek

Olá, Antonio M. vejo que os Indianos estão testando os Americanos comprando coisas importantes mas não criticas. Veja que tudo que eles compraram tudo que já tem algo para ficar na reserva. E o Tejas será o caça leve, eles não vão delegar a defesa deles aos gringos tão cedo. Ao meu ver os motivos da derrocada cos caças novamente: 1) Caças Americanos: Pessimo historico com eles; 2) Russos: Grande parte das forças Indianas já estão com eles; 3) O caça Sueco não existe, e se vier a existir(coisa que agora passo a duvidar seriamente) é um caça leve como… Read more »

Nick

Caro Poggio, Estava me referindo a esta nota publicada aqui mesmo: http://www.aereo.jor.br/2011/04/01/luz-verde-para-a-proxima-etapa-de-desenvolvimento-do-captor-e/ “Um porta-voz do consórcio Eurofighter negou qualquer comentário sobre quem irá custear a próxima etapa do programa, mas em um documento publicado recentemente foi dito que “após os nove meses de sucesso no desenvolvimento, as nações que integram o consórcio e o setor industrial continuarão o desenvolvimento do radar AESA. …Confirmamos o ano de 2015 como a data para a entrada em operação do novo sistema”.” Mas sua informação não muda muito, o radar por lá vai demorar mesmo, a não ser que vençam na Índia, mas mesmo… Read more »

Guilherme Poggio

Perfeito Nick

A data de 2015 foi me dita pessoalmente pela equipe técnica da SELEX na LAAD.

PS: inicialmente estávamos conversando com um dos especialistas em radares aerotransportados para vigilância marítima (eles tem proposta para equipar os Bandeirulha também com AESA). Começamos a fazer perguntas técnicas sobre o CAPTOR e ele respondeu “humm… pera aí que eu vou chamar uma pessoa mais especializada sobre este assunto porque estas perguntas de vocês são muito técnicas”.

Ivan

A única surpresa do M-MRCA foi a não inclusão do F-18 IN Super Hornet. O MiG-35 não tinha chance e o Gripen NG ainda não estava pronto, e a Índia desejava um caça pronto. Na verdade este é o primeiro motivo da minha surpresa, a Índia desejava um caça pronto, com radar AESA operacional. Os únicos caças concorrentes com radar AESA operacional e testados eram, justamente, os americanos Super Hornet e Super Viper. O segundo motivo da minha surpresa foi a grosseria diplomática, que pode significar coisa pior, em não classificar um dos dois caças americanos para a última etapa.… Read more »

Antonio M

edcreek disse: 29 de abril de 2011 às 10:57 Caro Edcreek A cadeira na ONU não vale a pena não, não temos condições. Confundem em coordenar ajuda humanitária no Haiti com as obrigações de estar em um CS. E não temos e não teremos a curto-médio prazo condições de implementar forças expedicionárias que atuem em qualquer lugar do mundo. Muitos não sabem que membros do CS qdo decisão da ONU, são obrigados a enviar tropas, não é facultativo, é obrigatório. Quanto ao Gripen NG, é a escolha da FAB por causa do projeto e seus benefícios não somente à FAB… Read more »

Ivan

Dr. Barata,

Vc escreveu:
“Protestos sao comuns, mas um embaixador renunciar eh algo muito serio.”

Faço coro ao seu alerta, pois esta é a minha leitura também, como escrevi logo acima.

Abç,
Ivan.

Almeida

É óbvio que, se o critério final era preço e os indianos, por quaisquer motivos, não queriam negócio com os norteamericanos, o Super Hornet deveria ficar de fora da avaliação final. Não tem como EADS e Dassault competirem em preço com a Boeing. Mas aí complicou mais ainda, como desclassificar o vetor mais desenvolvido e com menor custo dentre os caças médios biturbina? Não tem desculpa, esse resultado foi um claro e aberto “não queremos negócio com vocês” por parte dos indianos para com os norteamericanos. E a reação ianque de trocar de embaixador foi à altura. E vem mais… Read more »

Ivan

Nunão, A partir do momento em que Timothy J. Roemer pediu para deixar o cargo de Embaixador dos EUA na Índia (ou foi demitido), se encerra um período diplomático. O que está em andamento continua por inércia, entretanto nada de novo deve surgir. Desta forma, o tempo que demorar para definir sua substituição será indicativo de quanto os americanos sentiram o episódio. É sempre bom lembrar que, embora as vendas militares americanas sejam maiores que as indianas, no restante do comércio internacional a relação não é essa. A Índia vende inclusive serviço para os EUA, aproveitando a língua inglesa comum… Read more »

Antonio M

Ivan disse:
29 de abril de 2011 às 14:05

Não sei se chega a tanto, creio que se trata de pragmatismo mesmo.

Ocorre a mesma coisa nas empresas privadas, se o resultado não foi o esperado o fulano ‘pega o chapéu’ e vai embora, simples assim.

No Brasil só estamos acostumados a ver isso no futebol, com o técnico, pois na política, e em muitas empresas, prevalecem os “círculos de amizade” e etc onde as desculpas são dadas a esmo pois não largam o osso facilmente não ….

Mauricio R.

Algumas notas do Livefist, ilustrando o processo de selação na concorrência MMRCA.
Link p/ o Livefist, vídeo da NDTV discutindo as escolhas do Typhoon e dp Rafale:

(http://livefist.blogspot.com/2011/04/video-ndtv-discussion-on-mmrca-knockout.html)

Mitos derrubados pela concorrência MMRCA:

(http://livefist.blogspot.com/2011/04/top-5-myths-shattered-by-indias-mmrca.html)

E a reação aos problemas causados pelos russos em seus contratos militares c/ a Índia:

(http://livefist.blogspot.com/2011/04/report-india-finally-stands-up-to.html)

Problemas c/ o fornecimento de peças e partes, similares aos enfrentados pelo Brasil em relação ao fornecimento de novos mísseis p/ os unúteis M-2000C, e que afetam diversas aeronaves em serviço na IAF.

Últimas Notícias

Mais fotos dos primeiros caças Gripen E de série para a Suécia e o Brasil

A Saab divulgou mais imagens dos primeiros caças Gripen E de produção em série apresentados essa semana para a...
- Advertisement -
- Advertisement -