segunda-feira, outubro 18, 2021

Gripen para o Brasil

O futuro está chegando

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br
- Advertisement -

40 Comments

Subscribe
Notify of
guest
40 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
FelipeTP

E nós se _____________ para uma 4ª geração…

Matheusts

Nossa parece uma daquelas aeronaves alienigenas do Endependence Day que voam contra os Hornets.
Esse ai seria de 6ªG?????

Renato

Está mais para o filme “Stealth – Ameaça Invisível”. Imagino se esse aí também resolve se “rebelar” como no filme de 2005.

ezeca

carambassss!!!!
realmente lindo

Esse tipo de aeronave e efetivo em um dogfight?

Bosco

E voa?

A7X

Belo vídeo!

Enquanto isso os russos “correm” pra pôr o PAK FA em operação e no Brasil nem se consegue comprar 36 caças de quarta geração.

Em relação ao X-47B, pelo que sei, ele terá capacidade de realizar missões de reconhecimento, apoio aéreo aproximado, supressão de defesas antiaéreas e ataque tático, podendo carregar 2045 Kg em armas.
Ele voará em velocidade subsônica e terá um alcance estimado em 2400 Km.

As estimativas são de que le entre em operação em 2018, se não me engano.

Abs.

mike

What the hell is this ?

Vitor

Ja que o Brasil nao pode construir misseis balísticos deveria investir em UAVs com alcance superior a 300 Km 🙂 Quem poderia negar isto? Afinal, nao sao misseis, sao avioes. O Brasil deveria entrar nesta nova era o quanto antes para que assim a acensao ao clube dos Global Powers se concretize.

Nick

Se ele for capaz de aterrisar nos PAs com condições meteorológicas adversas, sem piloto….. só faltará desenvolverem um UCAV com alto desempenho na arena Ar-Ar e pronto…. talvez mais uns 50 anos e os pilotos serão uma força de reserva dentro das Forças Aéreas. Um plano B caso consigam desabilitar o link entre a estação controladora e os UCAVs.

[]’s

V.T.G.

@Ezeca – até onde eu sei, os atuais modelos e seus sucessores não têm capacidade para dogfight. Possuem apenas a capacidade de realizar missões de reconhecimento, apoio aéreo e ataque tático. Futuramente pretendem desenvoler o “ataque em enxame”. A tecnologia atual ainda não consegue oferecer ao “piloto de poltrona” (post antigo) todas as informações que ele necessita e no tempo que ele necessita, para o combate. Quando a manobralidade necessária para tal, também acredito que a tecnologia atual não consiga, ainda, atingir o necessário para um VANT combater uma aeronave tripulada ou não. Por sinal, nunca li nada sobre o… Read more »

robert

Alguem sabe o preço de uma belezura dessas?
Qnts vão ser construidos?
Só será usado pela US Navy ou pela força aérea tb?

V.T.G.

PS.: Que venham os “Azes da Poltrona”!!

V.T.G.

Pelo amor do meu português: Ases!!
Desculpem-me.

Giordani RS

Bah…atentem para o nível de desenvolvimento tecnológico que os EUA estão…lá pelos idos de 1980 e picos, li que os EUA estavam a 50 anos à frente do brasil, mas que isto mudaria até o início dos Anos 90…hahahaha…mudou sim! Hoje, eles estão a 100 anos!!!!
Cenas de ficção Científica! Detalhe, tanto Star Trek quanto Star Wars, nunca descartaram o uso de piloto…só o Terminator eliminou a figura humana…

Ivan

A7X, Os russos também ‘correm’ para deixar operacional o MiG SKAT, que é o possível C-VANT (ou UCAV) deles. As missões desta geração de C-VANTs que está em desenvolvimento será basicamente o que vc elencou: * Reconhecimento; * Reconhecimento armado; * Interdição; * SEAD (ou supressão/destruição de defesa anti-aérea); * Apoio aéreo aproximado. Na verdade o apoio aéreo aproximado pode ser executado por CVANTs mais baratos, como os da geração atual (Predador e Rapier p/ex.). Contudo é interessante notar que há missões ar-ar que podem ter uma enorme contribuição desta nova geração de CVANTs. Lembremos que a Consciencia Situacional é… Read more »

luciano

essa é a resposta dos amerianos,do tipo;constroi seu PAK FA dai pra tentar competir com meu F22 que eu construo ese aqui pra brincar com vcs!!!!
– os caras não brincam em serviço!!

rodrigo avelar

fica evidente que os Russos por mais que tentem estão bem atrás dos Americanos. A propósito se visssemos um avião desses voando aqui no Brasil eu duvido alguém dizer que não era uma nave alienigena 🙂

drengair


Comentário perfeito, sem mais.

Capixaba

Os caras são bons.

Vader

É, pois é…

A “decadência” do “Império” é elegante né? “Decadence avec elegance”…

Imaginem se eles não estivessem à “beira da bancarrota”… Pobre mundo… 🙂

Highor

qual é a geração dele?

6º?

Fabio Mayer

Será o caça de 6a. geração que entrará em serviço 4 ou 5 anos depois do PAK-FA., deixando o EUA ainda mais na dianteira da corrida…

Junior

highor ele é um UAV aviao nao tripulado

Alecsander

Calma lá pessoal, em primeiro lugar o X-47B não é uma resposta americana ao PAK FA T-50 dos russos, vídeo dessa aeronave já tinha a muito tempo entes dos russos apresentarem o T-50. O investimento de pesquisas para a concepção de VANTs e UCAVs começo no final da década de 80, e a idéia de caças não tripulados existe desde o tempo da 2ª Guerra Mundial. Ou vocês acham que os russos apresentaram o T-50 no começo do ano, e depois os americanos começaram a pesquisar, desenhar, projetar e construir o X-47B em quatro meses? Dêem uma olhada nesses vídeos… Read more »

A7X

Ivan disse:
28 de abril de 2010 às 10:18

Olá Ivan,

Peço desculpas!
Não sabia da existência do MIG SKAT.

Em relação ao uso de CVANTS como plataforma AEW, concordo com o amigo.

Penso que no médio/longo prazo estarão entrando em operação plataformas não tripuladas que tenham manobrabilidade e consciência situacional equivalentes ou mesmo superiores aos caças atuais.

Alecsander

Se fala em construir um caça 100% nacional, a 6ª geração é o caminho certo, qualquer coisa abaixo disso seria perda de tempo e de dinheiro, um 4ª ou 5ª geração nacionais seria como um AMX-2, não valeria a pena.

ezeca

ivan
sou totalmente leigo nesse assunto.
mas sensores passivos e datalink não seria nescessario um
avião de apoio tb para pilotar a distancia?comanda-lo de terra ñ seria
muito risco?

ezeca

V.T.G.
obrigado pela resposta 🙂

Galileu

Concordo com o comentario do Alexsander.
Pessoal, essa idéia de caça não tripulado existe desde a 2 GM, e não foi resposta americana ao pak..hahaha, como se um projeto qualquer, ainda mais de uma aeronave, fosse feito em 4/5 anos……sem cabimento isso de resposta americana.

O tio san investe em tecnologia, isso não significa que, UCAS vão tomar o lugar dos f15/16/18/22/35, vamos com calma ahahahha

Galileu

Bosco, você sabe se esse UCAS necessita de algum novo sensor ou alguma mudança física no NAe, é foda saber não é divulgado, mas se souber diga aew…

Fabio Mayer

Concordo com uma coisa levantada aí em cima]

Se é para o Brasil desenvolver um caça, já o faça pensado em uma 6a. geração. Não adianta nada desenvolver caças de 4a. ou 5a. porque estes, mal ou bem, já estão no mercado e podem ser comprados.

Rodrigo

Acredito que quando os UAV se aperfeiçoarem vão deixar muitos pilotos tristes. Não tem a mesma graça comandar um caça por trás de uma tela de computador…

Ivan

A7X, A Consciencia Situacional para os pilotos de caça se dará pela fusão de dados apresentados a cada um, unindo info de vários sensores ativos e passivos tanto da própria aeronave como de outras, tudo linkado em uma Network Centric Warfare (nome pomposo mais real). Evidentimente para os enlaces seram necessários estações retransmissoras, normalmente instaladas em satélites… ops, a guerra já foi para o espaço sem fazer alarde. Mas voltando aos C-VANTs (Veículos Aéreos Não Tripulados de Combate), estes poderão desempenhar uma função AEW agressiva, sem expor uma tripulação embarcada, fornecendo informações para todo um esquadrão de caças. Neste primeiro… Read more »

Bosco

Galileu, que eu saiba não. Os sensores existentes são mais que suficiente. Na verdade tudo está a mão há algum tempo, o que falta (ou faltava) era juntar tudo num “pacote”. Pelo que sei também não haverá nenhuma mudança estrutural nos NAes que irão operar esses UAVs. Uma coisa que também é claro é que esses UAVs, apesar de poderem ter alguma utilidade ar-ar, não são “caças”. São principalmente destinados a missões sup-ar, seja de ataque/interdição ou reconhecimento. Daí serem subsônicos. Claro que se dotados de radares AESA e IRST além de mísseis ar-ar BVR e WVR terão utilidade em… Read more »

A7X

Ivan disse:
28 de abril de 2010 às 23:05

Ivan,

Agredeço pelos esclarecimentos! 🙂

Num futuro próximo, os C-VANTS serão mais que plataformas AEW.

Com a rápida evolução da tecnolgia militar, logo logo eles terão todas as condições necessárias para substituir os próprios aviões de caça.

Ivan

A7X,

Acredito que os caças ainda serão úteis por muito tempo.
As funções dos CVANTs / UCAVs será complementar aos caças, mas não de substituição total aos caças.
Mas sobre isto o Bosco pode falar muito mais.

Abç,
Ivan.

Ivan

Em tempo,
A futura configuração de uma Carrier Air Wing norte americana pode ser indicativo do futuro.
Embarcará 3 ou 4 esquadrões de caça-bombarderiros e 1 esquadrão de UCAVs X-45B.

Ivan.

Bosco

Correção: onde se lê “São principalmente destinados a missões SUP-AR, seja de ataque/interdição ou reconhecimento” leia-se “AR-SUP”.

Ivan,
você já disse tudo sobre o assunto. Penso igualzinho.rsrsrs
Um abraço.

Bosco

Só agora percebi que tem outro BOSCO no pedaço.
Vale salientar que embora os nomes sejam idênticos eu sou muito mais bonito que ele.
rsrsr..

airacobra

watahell!!!

fazendo jus ao legado deixado pelos irmãos Horten

Últimas Notícias

China testa nova capacidade espacial com míssil hipersônico

O lançamento em agosto de um foguete com capacidade nuclear que circulou o globo pegou a inteligência dos EUA...
- Advertisement -
- Advertisement -