terça-feira, abril 20, 2021

Gripen para o Brasil

Sistema de comando por voz para o M-346

Destaques

Guilherme Poggiohttp://www.aereo.jor.br
Membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

m-346-foto-alenia-aermacchi

A Adacel, empresa norte-americana especializada em softwares e simuladores para a área aeroespacial, anunciou na último dia 30 de novembro um contrato com a italiana Alenia Aermacchi S.p.A. para integrar seus sistemas de reconhecimento de voz nos jatos Aermacchi M-346.

A Adacel fornecerá tanto o hardware como o software para integrar o seu sistema dentro do pacote de aviônicos do M-346. O sistema DVI (Direct Voice Input) foi desenvolvido para reduzir a carga de trabalho do piloto. O sistema de reconhecimento de voz permite que o piloto e a aeronave conversem entre si, eliminando uma série de tarefas que exigiriam comandos de acionamento manual por parte do piloto.

A Adacel já desenvolveu programas de comando por voz para diversas aplicações, incluindo os sistemas em uso pelos F-35 Lightning II e pelos Apache modernizados do Exército Americano.

FONTE: Adacel

- Advertisement -

6 Comments

Subscribe
Notify of
guest
6 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Ivan

O M-346 Master ainda vai dar muito o que falar.
Acredito que será o novo LIFT europeu.
Uma versão sua para caça/ataque leve deveria ser considerada com maior seriedade. Os russos, da Yakovlev, já pensaram nisso.

Aeronave bimotora, mas sem pós-combustão, econômica, supercruise (mach 1,2), fly by wire, tomada de ar protegidas (pode operar em pistas remotas), controles Hotas nas laterais da cabine, espaço para um pequeno mas moderno radar, 3 (três) toneladas de carga externa… enfim, um grande potencial.

Que tal um F/A-346???

Ivan.

casag

Ivan,

Sempre gostei desta tua busca da ‘namoarada’ ideal.
Mas, não tenho idéia de quanto custa um 346. Você tem?

Ivan

Ainda não, mas vamos descobrir mais cedo ou mais tarde…

casag

Ivan,

Falam, veja bem, falam, em 20 milhões de dólares a versão LIFT.
Mais uns dez para um caça operacional?

Sds.

Ivan

Casag,

Possivelmente sim. Mas fabricado no Brasil como seria?

Será que teria mercado na América Latina?

Abç,
Ivan.

Ivan

Casag,

Para os debates sobre LIFT / Caça Leve AINDA não é necessário indicar fontes, referências cruzadas e curriculum dos pilotos de testes… he he he.

O debate, como o possível caça, ainda está leve.

Abç,
Ivan.

Reportagens especiais

O AT-26 Xavante, conforme visto (e voado) por Franco Ferreira

  O texto abaixo é de autoria do nosso amigo Gustavo Adolfo Franco Ferreira, tenente-coronel aviador reformado da FAB, especialista em Segurança...
- Advertisement -
- Advertisement -