segunda-feira, junho 21, 2021

Gripen para o Brasil

Array

Decisão absolutista

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Merval Pereira

vinheta-clippingO deputado Raul Jungmann, membro da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional da Câmara, acha que estamos repetindo no processo de compra internacional dos novos aviões caças da Aeronáutica as mesmas debilidades que se revelaram no processo da compra do sistema de vigilância da Amazônia (Sivam) e também no início desse mesmo processo de compra dos caças, que começou no governo de Fernando Henrique.

“Nós não temos um sistema de grandes compras militares institucionalizado à prova desse tipo de politização, sobretudo quando chega a hora da decisão”, comenta o deputado, diante das declarações absolutistas do presidente Lula, que assume como seus os aviões ao dizer que “daqui a pouco eu vou ganhar de graça” e arroga a si a escolha de quando decidir e a que país dar a vitória nesse leilão personalíssimo.

“Andei estudando esse processo em outros países, e temos muito o que aprender. Como essa não é uma política de governo, mas de Estado, o Legislativo participa de todo o processo de discussão nos Estados Unidos, Espanha, França”. Aqui, ao contrário, “no nosso hiperpresidencialismo”, a exclusividade de escolha é do Executivo.

“Isto é a antítese do que deveria estar acontecendo. Uma decisão monárquica absolutamente inadequada para assuntos de Defesa”, critica Jungmann. Como não temos a institucionalidade do procedimento, analisa, não há dispositivos constitucionais e legais que permitam ao Congresso brasileiro participar desse processo, ao contrário do que acontece nos outros países.

“Não há nenhuma disposição do Executivo para partilhar isto com o Congresso, e o Congresso também não se interessa pelo assunto, por que não dá votos, não dá cargo, não tem emenda”.

Raul Jungmann lamenta que o Brasil esteja tendo um upgrade em termos de potência global, tornando-se um “global player”, e que continuemos com várias debilidades institucionais.”

Não existe qualquer potência regional que não tenha um escudo de defesa compatível, o Brasil está no rumo certo, ressalta o deputado, “mas o Congresso não formou uma comissão externa para tratar do assunto, vai aprovar uma parceria política-estratégica sem entender do que se trata”.

“Não é um problema de 6 bilhões de euros, o que precisa é mais transparência, e o mais grave é que tudo fica ao sabor do hiperpresidencialismo personalista, sobretudo com o Lula”.

Juntamente com a compra dos submarinos, – inclusive um nuclear -, helicópteros e aviões de caça, o Ministério da Defesa está preparando um conjunto de medidas que mudará praticamente todo o arcabouço jurídico do sistema de defesa nacional.

Os diversos projetos de lei que compõem a reformulação do sistema de segurança darão condições para a criação de um complexo industrial-militar. Expedito Bastos, pesquisador de assuntos militares da Universidade Federal de Juiz de Fora, lembra que o acordo que está sendo negociado “é um casamento de no mínimo 40 anos, sem direito a divórcio”.

Ele considera que se o acordo final for mesmo com a França “inegavelmente é um grande passo tecnológico e de modernidade para a Força Aérea, uma nova realidade e sem dúvida atende as expectativas criadas pela licitação”, mas acha que os dois outros concorrentes, Estados Unidos e Suécia, também nos atenderiam muito bem.

O pesquisador apenas adverte que “achar que a França, que gastou bilhões de euros em pesquisas de materiais sensíveis, irá transferir tudo para nós como se fosse um passe de mágica, e não ser apenas mais um grande acordo militar que garantiu empregos lá e uma maior sobrevida de suas indústrias voltadas para estas áreas, continua a ser um sonho imperial tropical”.

Resta agora, diz ele, saber “qual a velocidade de absorção dessa tecnologia de nossa parte, e quanto tempo levaremos para absorvê-la por completo, visto que estamos bem defasados em vários níveis, principalmente em massa crítica, e quanto poderemos aportar financeiramente”.

Bastos acredita que haverá, sim, alguma transferência de tecnologia, mas não total, “até porque uma nação não tem amigos, mas sim interesses, e enquanto estes estiverem convergentes haverá uma integração, mas o mundo não é estático e as alianças não são eternas. Tecnologia não se compra, desenvolve-se”.

Clóvis Brigagão, diretor do Centro de Estudos das Américas da Universidade Candido Mendes, vê no acordo com a Franca algo mais “político-estratégico”, com o objetivo de diversificar as fontes para o reaparelhamento das Forças Armadas, uma vez que a posição da Franca, desde De Gaulle, aproxima-se de uma certa característica que o Brasil sempre adotou em termos de independência das grandes potências em matéria de assuntos estratégicos, “ainda mais agora, com a defesa do mar territorial e mais ainda com a perspectiva do petróleo do pré-sal”.

Opinião semelhante tem o professor de História Contemporânea da UFRJ Francisco Carlos Teixeira, para quem o acordo com a França, “mais centrado em ligas e tecnologia de casco do que no reator, exceto sua parte eletrônica, é estratégico, visando autonomizar o campo de tecnologia de defesa”.

Se haverá ou não transferência de tecnologia, avalia Brigagão, “dependerá da capacidade do Brasil de processar essa tecnologia e passar do uso exclusivo militar para a esfera civil”.

Ele dá como exemplo a ser seguido o que houve com o acordo nuclear com a Alemanha, e o percurso feito pelos próprios cientistas e técnicos brasileiros, nos últimos mais de 30 anos, pois o acordo é de 1975. “Mas creio que no patamar em que o Brasil já está pode sim haver transferência de tecnologia e o país ganhar com isso, em termos industriais, com nova geração de empregos”.

- Advertisement -

82 Comments

Subscribe
Notify of
guest
82 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Bruno Rocha

“Tecnologia não se compra, desenvolve-se”

Diga isso ao governo que nunca investem nesse país nessa área. Estamos decadentes, graças a Ditadura Militar, ficamos parados no tempo, encalhados nos anos 70/80 na área militar assim como os russos.

No dia em que o Brasil fabricar seu proprio caça 100% nacional sem copiar ninguém, já estarei velho e caduco de mais para entender isso.

Até lá, espero pelo menos um reequipamento digno de “potência regional”

abraços companheiros, amigos e sofredores,

emerson

ahhhhhh…
Agora esta explicado. Quem deu espaço para Jungmann foi o Merval Pereira.. outro expoente da mídia sobre tudo, principalmente sobre profetizar o passado.

Este blog vem ganhando a confiança de todos aqueles que gostam de assuntos sobre defesa, mas faltou desta vez ao Editor um pouco de sagacidade. Dar espaço a Merval Pereira comentar sobre Jungmann comentando sobre assunto de defesa foi barbaragem (ou má fé)

Alexandre Galante

Emerson, não há má fé alguma. Existe somente a vontade do Poder Aéreo em divulgar também as opiniões divergentes. Não concordamos com tudo o que o Merval Pereira diz, mas acreditamos que a opinião dele merece pelo menos ser lida.
Um detalhe: toda matéria que leva a vinheta CLIPPING é uma reprodução do que foi publicado em outro veículo. Não significa de forma alguma que o Poder Aéreo endosse o que está ali.
Nosso interesse é que outras opiniões sejam levadas em conta, para enriquecer o debate.

Paulo Renato

Caro Wolfpack ,
Concordo contigo.
Ainda precisamos ver o EB, precisamos ver pq o EB está uma sucata é um absurdo o EB ficar de lado nesse momento.

Acredito que deve estar faltando TUDO no EB e foi colocado de lado de forma ridicula

Abs.

mauro dias

olha, de tudo que ocorreu, e sei que nesse meio não existe inocente, nem desinformado.Penso até que ponto, não foi uma jogada de contra pressão, vamos dizer assim, o anúncio do dia 7/9.Assim já que seria uma escolha política, seria uma forma de antecipar o inevitável, a escolha do Rafale,e assim evitar pressões futuras até o comunicado oficial, aproveitando-se a data e tirando-se o foco do acordo dos dos subs e das novas bases navais.
Caso tenha sido isso, jogaram bem , na minha opinião.

Hornet

Engraçada a posição do Jungmann! Ele, como parte do legislativo, então que escreva um projeto de lei modificando a estrutura do poder executivo no Brasil e leve isso pra ser votado no Congresso. Cabe a esses come-e-dorme do Congresso fazerem isso. E se o Congresso não se interessa por Defesa, fazer o quê? Nós é que precisamos escolher melhor nossos representantes. E isso precisamos mesmo, pois o Congresso está uma zorra total. O acordo com a França foi anunciado e assinado desde o ano passado. Agora que o Congresso acordou?!!! Estavam fazendo o quê até a semana passada? Preocupados com… Read more »

Wolfpack

Concordo com as palavras do Raul Jugmann, a decisão do nosso querido presidente atravessou o samba e passou como um rolo compressor por cima de muita gente, e concordo também que deveria ter mais discussão no Congresso sobre o tema, mas não com estes parlamentares que estão ai. Esta turma está mais interessada em repartir o bolo entre os mesmos do que olhar para o desenvolvimento do País. Desculpe, mas o atual Congresso não têm moral para ser enquadrado na decisão do FX2. Talvez um outro Congresso, como estes que citou da Espanha, Estados Unidos, França, Japão… Arrume a casa… Read more »

Bruno Rocha

Aahh! tinha que ser. ¬¬

Pegasus

Que palhaçada, quando essa besteira vai acabar, sera que nao sao capazes de tomar uma decisao e sustentar?Os americanos, como seria de esperar, estao colocando uma pressao do caramba e agora falam em F-35, estao loucos pra mandar uma ferrari com motor de fuca, um avião que não nos darão transferencia e sem toda tecnologia que o avião deles tem, sera so pra olhar e deixar no hangar.
Ja esta fechado com os franceses e chega, mais ladaria vai mostrar ao mundo que o Brasil é exitante nas suas decisões estratigicas, e exitação é fraqueza nesse muundo de hoje.

MD 11

Axo que fulano nao ta interamenti a apar da questao quando dise que os outros dois jatos tbm atenderiao muito bem Ele considera que se o acordo final for mesmo com a França “inegavelmente é um grande passo tecnológico e de modernidade para a Força Aérea, uma nova realidade e sem dúvida atende as expectativas criadas pela licitação”, mas acha que os dois outros concorrentes, Estados Unidos e Suécia, também nos atenderiam muito bem. axo que ele nao lembra da restricao feita Embraer a venezuela e impreza israelita no processo Indiano nao passa de um pro Ianke ja xorando o… Read more »

Robson Br

A meu ver o título não combinou com o texto.
Aí que está o problema:
“”Não há nenhuma disposição do Executivo para partilhar isto com o Congresso, e o Congresso também não se interessa pelo assunto, por que não dá votos, não dá cargo, não tem emenda””.

emerson

O Junbgmann, ministro de FHC, vem agora e oportunamente se manifesta… sinceramente, senti falta daquela notinha do Editor do Blog alertando sobre quem é Jungmann, para quem ele trabalha e qual seu interesse em aparecer agora.

Hornet

Galante, eu também concordo que o opinião do Merval Pereira possa ser lida aqui no blog. Assim como de outros jornalistas também. Sou a favor de ampliar o leque e não ficar restrito apenas às matérias da grande imprensa. Um cara como o Nassif, por exemplo, tem reflexões muito mais pertinentes (mais embasadas, eu quero dizer) que o Merval e o Jânio de Freitas juntos, e até hoje, salvo engano, nunca vi um post dele aqui. Ao contrário do Merval (que escreve de culinária até caças da FAB, mas daquele jeito, né?) o Nassif tem um portal chamado “Projeto Brasil”,… Read more »

Bruno Rocha

Por muitas vezes disse e repeti que política toma os rumos de uma nação e que a política também implica em assuntos militares/estratégicos que é de interesse de um país. E repito, a política é indispensável para qualquer negociação desse tipo. Entretanto, o que vemos é um governo absolutista onde os que se aderem ao partido “corrupto” tem liberdade para tomar decisões que somente os especialistas deveriam comentar. Mas deixar que engravatados que não entendem minhocas de “política externa”, “geopolítica” e etc, toma conta de uma negociação desse porte, é no mínimo para se ter vergonha de ser desse país.… Read more »

germa

pra mim, o mais interessante no texto é a palavrinha “HIPERPRESIDENCIALISMO”. Pois a figura do presidente no controle do estado e do governo tem que ser como um herói para o povo e isso custa muito caro para a burguesia, então o esquema é desgastar a figura do presidente até que um dia o poder vá de fato aonde é devido, ou seja, para o poder legislátivo e assim o congresso passaria a contribuir nos assuntos militares inclusive. Na verdade a nossa política militar segue bem a maneira do Itamaraty pensar.O Brasil não gosta muito de tomar partido, é +/-… Read more »

RL

Engraçado.

Se fosse de outra forma, também seria motivo de matéria para discussão.
Sendo desta forma, é motivo para ataques e discução.

Caraca.

Oh povo inconformado e descontente.
Isso parece ser eterno, nunca nada esta bom, nada esta a contento.

Melhor assim, do que de nenhuma forma.
Se compram, falam mal, se deixam de comprar falam mais ainda.

Vai entender.

Alexandre Galante

Obrigado, Hornet!

Para falar a favor da FAB e do reequipamento das Forças Armadas, já tem a gente aqui do Blog…rs
Mas vou dar uma olhada no que o Nassif diz sim.

Abraços

emerson

Olá Alexandre,

Peço sinceras desculpas pela minha infeliz expressão. Você tem razão em relação ao “cliping”. E a possibilidade que tive de expressar minha discordância ao Sr. Merval Pereira e ao Dep.Jungmann, o primeiro um palpiteiro e o segundo um oportunista, é a melhor demostração da seriedade com que este blog tem sido conduzido.

De fato, a qualidade das informações postadas neste blog tem mostrado que aqui temos uma das mais confiáveis fontes de informação sobre defesa. Por isso eu o parabenizo.

Por isso peço desculpas pelo desabafo em relação ao Sr.Merval Pereira, e agradeço sua resposta.

Abraços.

Bruno Rocha

RL em 13 set, 2009 às 19:43

RL, não é questão de comprar ou não, é de como fazem isso, se é de intersse estratégico para o Brasil ou de interesse plitico. Sem falar na falta de seriedade do nosso governo.

emerson

Talvez devêssemos estar discutindo qual o interesse de Merval Pereira em dar voz a Jungmann justo agora? Os interesses em 2010 estão claros, e a vontade de jogar areia no FX-2 explícita. Quando Jungmann tenta estabelecer um paralelo entre o FX-2 e o Sivam, me parece que sua intenção é antes de tudo, igualar os dois processos no bem e no mal. Se o atual governo busca a modernização das forças armadas, o governo anterior (que ele fez parte!!!) também fez gastos bilionários. Mas se o governo anterior teve um processo suspeito (inclusive com a queda de ministros!!!!), o atual… Read more »

Alexandre Galante

Prezado emerson, desculpas totalmente aceitas.
Tem horas também que tenho vontade de chutar o balde…rs

tyrion

faz parte do jogo…e aos 45:00 tem sempre alguem tentando uma prorogação.O congresso teve tempo desde a epoca do FHC para participar do processo e nao o fez nem se manifestou agora vem com este papo de coitadinhos “nao fomos convidados para festa”…
e ca entre nos, o legislativo nao sabe e nem entendem nada de defesa, dos comentarios deles na empressa da pra perceber que a maioria so estao ai pelo confete…

Harry

Caros
Merval Pereira eh PIADA, hA, hA,

Hornet

Galante, OK, dá uma olhada. Mas não se trata de falar bem ou falar mal da FAB ou coisa do tipo. Até porque isso não tem nada que ver com criticar algo, e sei que vc sabe disso. Falar bem e falar mal é coisa de fofoqueiros (hehe). Isso não tem nada que ver com crítica. Neste portal (do Nassif) existem críticas, sim. Mas bem fundamentadas, bem focadas, com conteúdo significativo, essa é a diferença. Isso é muito diferente da prática de jorgar meleca no ventilador e depois ver o que vai dar, como normalmente fazem certos articulistas da grande… Read more »

jc

O Merval eh um dos poucos na imprensa que ainda nao virou serviçal do governo.
Discordo do Dep Raul em muita coisa, por exemplo o “desarmamento”. Mas ele tem toda razao nesse assunto.

Fato eh que nosso poder legislativo eh um nojo, 90% sao uns canalhas, mas um presidente monarca como tem sido ha muito tempo tambem nao da. Ateh pq o cara soh entende de negociatas, bebidas alcoolicas e futebol.

Harry

cAROS,

Que os Estados Unidos também nos atenderia muito bem.
E pensar que ele foi filiado ao Partido Comunista Brasileiro, o PCB Ha,. Ha,
Mandar esse socialista pra Venezuela o Hugo iria gostar dele.

Nesta reportagen Nassif da um idéia do jogo do Jungman.
http://www.projetobr.com.br/web/blog?entryId=8532

Igual ao Sivam. Tudo no Sivam foi envolto em sigilo.

Ei! Julgman o que você falou quando era ministro do governo FHC para defender o Brasil do que estava rolando na época com o projeto Sivam? NADA

ABS.

athalyba

Só para deixar registrado: sempre tem alguém linkando o Poder Aéreo/Naval nos comentários do blog do Nassif. Até eu já tive comentário destacado, na questão dos submarinos 🙂

Agora, é só esperar o F-X do EB (rs)

Roberto

Hornet, Boa noite, tenho tentado explicar a minha opinião a alguns aqui do site a respeito do F-X2, porém, acho que o pessoal só está interessado em debater coisas com quem conhece…. é lamentavel, porém, vou lhe passar o que acho do projeto F-X2 como um todo…. Como disse acima, infelizmente não temos políticos adequados para tomarem a decisão como um todo. Tomo isto como base e também um fato que está passando desapercebido e temos que escrever e cobrar sim. Pra quando a FAB estava prometendo as análises finais, primeiro, julho, depois agosto, depois setembro e agora outubro….. está… Read more »

KeplerK

Raul Jungmann, mais um paspalhão querendo aparecer.

KeplerK

“…achar que a França, que gastou bilhões de euros em pesquisas de materiais sensíveis, irá transferir tudo para nós como se fosse um passe de mágica…”

Pode transferir sim senhor. Os soviéticos também investiram uma fortuna para desenvolver bombas nucleares e acabaram cedendo a tecnologia para os chineses. Quase de mão beijada. Por quê? Questões estratégicas.

alvespereira

Bom dia, Se a decisão fosse absolutista, não haveria mais comentário de qual vetor será escolhido, estaria sim sendo comentado de que a decisão foi política, que os caças escolhidos não prestam ou outros tipos de comentários, só gostaria de acrescentar que este e o proximo ano é um período muito inóspito para este processo já que se apróxima um ano eleitoral e tudo correrá para isto, o no meu entendimento quanto mais rápido se encerrar este processo, menor será o prejuízo para FAB, que já deveria era estar operando os vetores e não escolhendo, está faltando coragem em alguém… Read more »

bulldog

Acabei de ver um vídeo do Chaves mostrando e falando de sistemas que acabou de fechar contrato com a Rússia. Entre eles: “un número no determinado de sistemas antiaéreos. Hemos firmado el contrato ya para estos aparaticos”, celebró Chávez mostrando la fotografía de “los sistemas reactivos de 300 milímetros ‘Smerch’” con un alcance de hasta 90 kilómetros. Entre los sistemas antiaéreos que comprará Venezuela, también destacó Chávez el Antey 2.500 y el S-300V.” Comentaram também que para 2010 chegaria 24 ou 36 SU-35BM. É…e por aqui querem engavetar o pouco que se quer comprar. Do jeito que a coisa anda…… Read more »

bulldog

chegariam

Iuri Korolev

Caro Bulldog e Alexandre Galante

O site Poder Aereo poderia comentar esta importante noticia sobre a compra de S300 russos pela Venezuela.
Não este, S300 mas o S400 dizem ter capacidade de atingir até caças stealth.
Abraços

URUTAU

Enquanto o nosso querido BRASIL vacila e muitos aqui se preocupam com os americanos nos invadindo e comendo nossas criancinhas a la estilo finado Michel Jackson rsrsrsrsrssr no Noroeste da America do Sul Chávez confirma projeto nuclear com a Rússia e mais gastos militares 13/09 – 21:05 – EFE ImprimirEnviarCorrigirFale Conosco CARACAS – O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, confirmou neste domingo que o país desenvolve um projeto nuclear civil com apoio da Rússia, nação que concedeu ao governo venezuelano um crédito de US$ 2,2 bilhões para a compra de armamento. “O governo russo aprovou um financiamento de US$ 2,2… Read more »

Hornet

Roberto, sobre os políticos…bem, temos de tudo no Congresso! Temos desde os interessados nas questões de defesa do Brasil (seja do governo ou da oposião), temos os que só querem aparecer (em ambos os lados também) e temos os que ouviram o galo cantar, mas não sabem bem aonde foi (a maioria dos Congressistas, particularmente os de oposição que estão mais por fora do assunto que umbigo de vedete, mas querem fazer barulho na imprensa pra marcar presença de algum modo, mesmo ás custas de encherem os nossos ouvidos com um caminhão de besteiras, ditas umas após as outras…hehehe). No… Read more »

URUTAU

Opaaaaaa umbigo de vedete é da minha epoca …………. as vedetes não mas os umbigos sim rsrsrsrsrs

Forte Abraço

Hornet

Urutau,

hehehe…não é bem da minha época, não…só ouvia minha mãe usar este termo e acho legal, gosto do termo…hehehe

abração

Wilson Johann

E outra coisa, penso que tem muita gente querendo lucrar politicamente em cima desses acordos, tanto em proveito do governo quanto contrário ao mesmo, pois esses projetos na área da defesa estão gerando muitos e bons dividendos para o governo, de um modo geral, e para o presidente Lula, em particular.

Um abraço a todos,

e vive la France!

Felipe Cps

Amaral, consta que o tal de Nassif quase foi preso por sonegação fiscal e, como eu disse, “outras coisinhas” que ele andou fazendo com dinheiro público tomado do BNDES. Ele vive praticamente na condicional desde então, com seus processos suspensos em virtude de acordos firmados com a AGU. Se ele falar mal do PeTralhismo ele entra na mais grossa das canas. Simples assim. Por isso que recebe e cumpre ordens do Planalto (mais precisamente da Casa Civil) a fim de promover o governo PeTralhoucado e suas políticas. Você JAMAIS verá uma única crítica contundente partir dele, ao contrário do que… Read more »

Carlos

O Merval Pereira….hum, eu não aplico meu dinheiro em nenhuma dica que venha dele. Ele escreve sob demanda, de uma olhada nisso :
A “irreversível” derrocada de Lula
http://www.viomundo.com.br/voce-escreve/a-irreversivel-derrocada-de-lula/

massa

Pois é, o Brasil se tornou uma potência regional, coqueluches dos mercados internacionais e não há seminário no qual o país não receba elogios de economistas. Assim sendo, nosso “amado” presidente Lula torra bilhões em novas armas e acordos políticos com outros países, muitas vezes claramente mais vantagiosas para eles do que para nós, mas segundo o governo, compensado com um ganho estratégico a longo prazo. Exemplo: acordo estratégico com a Bolivia(Gás), Paraguai(Itaipu) e agora com a França (compra de caças e subs). Pergunto aos senhores, será que temos toda essa “moral” para arriscarmos tanto dinheiro num futuro glorioso enquanto… Read more »

Bosco

Urutau,
“um poderoso sistema antiaéreo” com um número não revelado de foguetes “reativos” ??????????????
A Venezuela comprou baterias de mísseis S-300 e lançadores de foguetes Smerch que são semelhantes ao Astros e MLRS.

URUTAU

Caro amigo BOSCO

Essas são as noticias dadas na imprensa inclusive internacinal não tenho meios de te informar ser ou não verdadeiro o cunho das mesmas caro amigo

Forte Abraço

Wesley

haaa pelo amor o congresso iria mais atrapalhar do que ajudar aff.

Zeke

Parece que as alternativas colocadas são:
Sair o FX-2 e fortalecer o Governo.
Melar o FX-2 e desgastar o Governo.
O que a maioria está preferindo ?
Abraços.

Felipe Cps

Ah, finalmente um assunto inteligente aqui no blog, porque esses últimos tempos tá difícil. Senhores, a verdade é que precisamos criar instrumentos para o controle das grandes aquisições externas de armamentos e tecnologia militar. Algo como um plebiscito não obrigatório (chega de obrigações para o povo) como existe na Suíça, por exemplo. Suponhamos que tivéssemos um plebiscito para a compra dos caças do FX2, ou dos Subs, com todas as despesas do pleito pagas pelas empresas concorrentes. Acho que nestes casos instrumentos de democracia direta funcionariam melhor do que decisão despótica, ainda mais quando tal decisão depende de um cidadão… Read more »

Angelo Nicolaci

Em parte eu concordo com o Jungmann, pois temos uma organização institucional inadequada ao nosso Brasil, onde o congresso deveria ter mais participação em tais assuntos de cunho estratégicos, principalmente os que envolvem projetos de médio e longo prazo que irão passar por diversos governos até sua finalização, o que evitaria muito desperdicio e desmandos, em vista de termos uma politica que se divide em esquerda e direita e que ambas nunca estão em comum acordo visando o objetivo real de nossa politica, que é o bem de nosso país. E mesmo vejo que tais decisões deveriam ser endossadas pelos… Read more »

JC

Massa, concordo c/ vc, o pais eh ruim demais desde que me conheco por gente. Poderia nao ser, bastasse o povo ser decente (uns 10% no maximo o sao), dessa forma os representantes nao seriam tao sujos.
Assim, sobraria…SOBRARIA dinheiro para as forcas armadas, q sao fundamentais a qualquer pais serio.

Angelo Nicolaci

Caro Felipe Cps “Senhores, a verdade é que precisamos criar instrumentos para o controle das grandes aquisições externas de armamentos e tecnologia militar. Algo como um plebiscito não obrigatório (chega de obrigações para o povo) como existe na Suíça, por exemplo. Suponhamos que tivéssemos um plebiscito para a compra dos caças do FX2, ou dos Subs” Vai ser revolucionário assim………………… Pelas barbas do profeta. Já pensou o povão, discutindo entre SH, Gripen-NG, Rafale, uau!! Taí gostei, só que, sem voto obrigatório não tem graça, He, He, Abs. Eu acho que seria valido, desde que nosso povo adotasse a formação politica… Read more »

Reportagens especiais

Do T-6 ao T-37

Por Gustavo Adolfo Franco Ferreira ( fotos de Arquivo de Aparecido Camazano Alamino) O primeiro registro de meu interesse pessoal...
- Advertisement -
- Advertisement -