segunda-feira, abril 12, 2021

Gripen para o Brasil

Array

Viking para o Uruguai?

Destaques

Guilherme Poggiohttp://www.aereo.jor.br
Membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

A ‘Aviación Naval’ do Uruguai deu início a conversações com Washington para a compra de três ou quatro aeronaves usadas Lockheed S-3 Viking que pertenceram à Marinha dos Estados Unidos informou a site Defensa.

Estas aeronaves estão atualmente estocadas no AMARG e foram recentemente oferecidas para países no cone sul, incluindo o Brasil. Caso se confirme a nota do Defensa, esta seria a primeira vez que a aviação naval do Uruguai operaria uma aeronave a jato.

No entanto, o Uruguai também enfrenta problemas de falta de recursos, reduzindo a disponibilidade de suas aeronaves para voo. As aeronaves atualmente utilizadas pelo Uruguai são de manutenção mais simples e apresentam custos mais baixos que um S-3.

FONTE: Defensa.com

- Advertisement -
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
RJ

Um país que não tem Pota-aviões comprando um avião a jato embarcado que países maiores recusaram até de graça por ter um custo de operação muito alto.

non sense latinoamericano….

André Mendonça

Não entendo, pq o Brasil não compra esses aviões no lugar dos S-2T.
Non sense brasileiro

RJ

André,

o S-3 é muito caro de operar em épocas de petróleo caro. E o Brasil não pretende usar a maior capacidade de carga do S-3, para justificar os custos de se usar o bichão aí (incluindo trocar as catapultas do Opalão).
Defasado por defasado, melhor o defasado barato.

Paulo Renato

Seria melhor ter os S3 modernizados pela Embrare do que o S-2T.
Teria uma vida útil e qualidade melhor.

Abs.

Fábio Max

O Uruguai quer um avião de patrulha de baixo custo de aquisição e estes aí, ao que consta, serão entregues de graça. Pega-se uns 5, usa-se 2 e guarda o resto como estoque de peças, é uma estratégia para quem não tem recursos. O Uruguai adquiriu duas fragatas portuguesas, e busca modernizar suas FFAA com o que tem, isso é louvável. Sua aviação de caça e treinamento avançado está em situação crítica, apenas uns 2 ou 3 Pucarás estão em condições operacionais, mais uns 4 ou 5 A-37. O Uruguai tem um governo de esquerda, que ao contrário dos demais… Read more »

Marcelo Tadeu

Nossa, apesar de gostar da capacidade que tinha o Viking, essa compra é maior furada!! Alguém poderia me informar uma coisa? Os S-3B saíram de serviço na US Navy? Quem os substituiu?

Abraços

Pedro Rocha

Olá senhores! Eu sou um grande fã S-3, mas infelizmente seu tempo já passou! Sua concepção já foi por atender uma pressão política na qual os superporta-aviões deveriam ser multipropósito e apoiar a luta anti-submarino! Para tanto o S-3 é equipado com sonda MAD, sonobóias e radar de vigilância marinha, porém esses sensores estão desatualizados! Se não me falha a memória a ultima atualização foi na década de 80! Pela ótica de sensores e capacidade o S-3 é um P-3 embarcado! Todas as versões do Viking estão muito voadas, inclusive participou das guerras do golfo! Junte-se a isso o fato… Read more »

Marcelo Tadeu

Valeu Pedro Rocha, blog é cultura!!!!

Angelo Nicolaci

Paulo Renato

è melhor usar o s-2 com custo mais compativel com nosso orçamento e repotencializado que os caros s-3

Bruno Rocha

“…esta seria a primeira vez que a aviação naval do Uruguai operaria uma aeronave a jato…” Jesus toma conta. E eu achando que o Brasil anda ruim na rita. ……….Viva la revolución! Ahora sólo tenemos que encontrar la manera de hacerla volar…….. Olá amigos maníacos obcecados por aparelhos de alumínio que voam. Esse avião aí não serve para nada, a não ser para cargas medias de Porta Aviões, facilmente substituídos por helicópteros melhores e de custo médio. Que pena. O negocio lá ta mal também. Pelo menos eles tem alguma coisa para chamar de avião a jato. Coisa que os… Read more »

Bruno Rocha

Quero da um salve para o meu chará d sobrenome, o Pedro Rocha.
daew amigão o/ ta jóia ?! kkkk

Jonas Rafael

A única vantagem é que ele pode ser usado como bombardeiro também. Executou missões de ataque no Golfo. Fora isso será que não seria melhor economicamente(e operacionalmente) para o Uruguai comprar uns P-3 como o Brasil fez?

Pedro Rocha

Senhor Bruno Rocha um salve para você também xará de sobrenome! O nosso sobrenome, ou melhor, nome de família Rocha é de origem francesa (Roche)! Os Roche prestaram relevantes serviços militares para a coroa portuguesa! Portanto está na genética o entusiasmo pelos assuntos de defesa e tecnologia!
Senhores eu acredito que a MB selecionou os S-2 para transporte e AWACS e não para luta anti-submarino! Nada de concreto ainda foi assinado sobre os S-2!

marujo.

Pode haver uma versão AS do S-2?

felix__-

Estimados amigos, eu sou uruguaio e leio com atençao o blog do poder aereo porque acho muito interesante.
Aparentemente a nossa marinha está procurado os S-3 pelos seguintes motivos:

– Recuperar capacidade ASW
– Eles vem de graça, um iria para a MINUSTAH no Haití com o cual o que a ONU pagar vai servir para palear custos de operaçao
– Recuperar capacidad de patrulla marítima
– Adquirir capacidad de ataque naval como misseis

Vale destacar que ainda nao a nada confirmado, sao negociaçoes. Eu nao estou totalmente convencido de que seja o melhor, mas nao sou quem toma decisoes…

Jacubao

Isso mesmo caro felix__-, tem que se aventurar, senão o tempo passa e aí blau, blau…

Bosco

Marcelo Tadeu,
a versão S-3B foi substituído pelos helicópteros SH-60 na função anti-submarino e pelos F-18 na função de ataque de superfície.
Tinha a versão KS-3 que foi substituído pelo F-18 na função de ‘avião tanque’.
O US-3 foi substituído pelo C-2 (versão do E-2C/D) na função de ‘entrega de carga a bordo’ (COD)
O ES-3 que era usado ocasionalmente para Elint-Singit creio que foi desativado e desconheço se foi substituído. Acho que não. Na verdade o ES-3 não fazia parte da ala aérea embarcada.
Um abraço.

GHz

Bosco,

Quem faz Elint/Sigint na USN atualmente são os EP-3E Aries II, baseados em terra.
Talvez o EA-18G Growler, este embarcado, tenha alguma capacidade.

[[ ]]
GHz

RJ

MINUSTAH ? Ah, agora faz sentido. Avião de graça, com operação custeada pela ONU. E assim o Uruguai recupera sua doutrina.

O S-3 não é o ideal para o Brasil, mas para a situação do Uruguai, e com as condições descritas pelo Felix, acredito ser uma excelente aquisição.

Bosco

GHz,
valeu meu caro.
Um abraço.

Walderson

Pessoal,

ao que me conste, o avião ofertado pelo Tio Sam era só a casca. Não viria com os aviônicos, não.
É um avião caro de se operar e para equipá-lo se gastaria uma fortuna.
Um abraço.

Marcelo Tadeu

Valeu Pedro Rocha, blog é cultura!!!!

RJ

Um país que não tem Pota-aviões comprando um avião a jato embarcado que países maiores recusaram até de graça por ter um custo de operação muito alto.

non sense latinoamericano….

André Mendonça

Não entendo, pq o Brasil não compra esses aviões no lugar dos S-2T.
Non sense brasileiro

RJ

André,

o S-3 é muito caro de operar em épocas de petróleo caro. E o Brasil não pretende usar a maior capacidade de carga do S-3, para justificar os custos de se usar o bichão aí (incluindo trocar as catapultas do Opalão).
Defasado por defasado, melhor o defasado barato.

Paulo Renato

Seria melhor ter os S3 modernizados pela Embrare do que o S-2T.
Teria uma vida útil e qualidade melhor.

Abs.

Fábio Max

O Uruguai quer um avião de patrulha de baixo custo de aquisição e estes aí, ao que consta, serão entregues de graça. Pega-se uns 5, usa-se 2 e guarda o resto como estoque de peças, é uma estratégia para quem não tem recursos. O Uruguai adquiriu duas fragatas portuguesas, e busca modernizar suas FFAA com o que tem, isso é louvável. Sua aviação de caça e treinamento avançado está em situação crítica, apenas uns 2 ou 3 Pucarás estão em condições operacionais, mais uns 4 ou 5 A-37. O Uruguai tem um governo de esquerda, que ao contrário dos demais… Read more »

Marcelo Tadeu

Nossa, apesar de gostar da capacidade que tinha o Viking, essa compra é maior furada!! Alguém poderia me informar uma coisa? Os S-3B saíram de serviço na US Navy? Quem os substituiu?

Abraços

Pedro Rocha

Olá senhores! Eu sou um grande fã S-3, mas infelizmente seu tempo já passou! Sua concepção já foi por atender uma pressão política na qual os superporta-aviões deveriam ser multipropósito e apoiar a luta anti-submarino! Para tanto o S-3 é equipado com sonda MAD, sonobóias e radar de vigilância marinha, porém esses sensores estão desatualizados! Se não me falha a memória a ultima atualização foi na década de 80! Pela ótica de sensores e capacidade o S-3 é um P-3 embarcado! Todas as versões do Viking estão muito voadas, inclusive participou das guerras do golfo! Junte-se a isso o fato… Read more »

Angelo Nicolaci

Paulo Renato

è melhor usar o s-2 com custo mais compativel com nosso orçamento e repotencializado que os caros s-3

Bruno Rocha

“…esta seria a primeira vez que a aviação naval do Uruguai operaria uma aeronave a jato…” Jesus toma conta. E eu achando que o Brasil anda ruim na rita. ……….Viva la revolución! Ahora sólo tenemos que encontrar la manera de hacerla volar…….. Olá amigos maníacos obcecados por aparelhos de alumínio que voam. Esse avião aí não serve para nada, a não ser para cargas medias de Porta Aviões, facilmente substituídos por helicópteros melhores e de custo médio. Que pena. O negocio lá ta mal também. Pelo menos eles tem alguma coisa para chamar de avião a jato. Coisa que os… Read more »

Bruno Rocha

Quero da um salve para o meu chará d sobrenome, o Pedro Rocha.
daew amigão o/ ta jóia ?! kkkk

Jonas Rafael

A única vantagem é que ele pode ser usado como bombardeiro também. Executou missões de ataque no Golfo. Fora isso será que não seria melhor economicamente(e operacionalmente) para o Uruguai comprar uns P-3 como o Brasil fez?

Pedro Rocha

Senhor Bruno Rocha um salve para você também xará de sobrenome! O nosso sobrenome, ou melhor, nome de família Rocha é de origem francesa (Roche)! Os Roche prestaram relevantes serviços militares para a coroa portuguesa! Portanto está na genética o entusiasmo pelos assuntos de defesa e tecnologia!
Senhores eu acredito que a MB selecionou os S-2 para transporte e AWACS e não para luta anti-submarino! Nada de concreto ainda foi assinado sobre os S-2!

marujo.

Pode haver uma versão AS do S-2?

felix__-

Estimados amigos, eu sou uruguaio e leio com atençao o blog do poder aereo porque acho muito interesante.
Aparentemente a nossa marinha está procurado os S-3 pelos seguintes motivos:

– Recuperar capacidade ASW
– Eles vem de graça, um iria para a MINUSTAH no Haití com o cual o que a ONU pagar vai servir para palear custos de operaçao
– Recuperar capacidad de patrulla marítima
– Adquirir capacidad de ataque naval como misseis

Vale destacar que ainda nao a nada confirmado, sao negociaçoes. Eu nao estou totalmente convencido de que seja o melhor, mas nao sou quem toma decisoes…

GHz

Bosco,

Quem faz Elint/Sigint na USN atualmente são os EP-3E Aries II, baseados em terra.
Talvez o EA-18G Growler, este embarcado, tenha alguma capacidade.

[[ ]]
GHz

Jacubao

Isso mesmo caro felix__-, tem que se aventurar, senão o tempo passa e aí blau, blau…

Bosco

Marcelo Tadeu,
a versão S-3B foi substituído pelos helicópteros SH-60 na função anti-submarino e pelos F-18 na função de ataque de superfície.
Tinha a versão KS-3 que foi substituído pelo F-18 na função de ‘avião tanque’.
O US-3 foi substituído pelo C-2 (versão do E-2C/D) na função de ‘entrega de carga a bordo’ (COD)
O ES-3 que era usado ocasionalmente para Elint-Singit creio que foi desativado e desconheço se foi substituído. Acho que não. Na verdade o ES-3 não fazia parte da ala aérea embarcada.
Um abraço.

RJ

MINUSTAH ? Ah, agora faz sentido. Avião de graça, com operação custeada pela ONU. E assim o Uruguai recupera sua doutrina.

O S-3 não é o ideal para o Brasil, mas para a situação do Uruguai, e com as condições descritas pelo Felix, acredito ser uma excelente aquisição.

Bosco

GHz,
valeu meu caro.
Um abraço.

Walderson

Pessoal,

ao que me conste, o avião ofertado pelo Tio Sam era só a casca. Não viria com os aviônicos, não.
É um avião caro de se operar e para equipá-lo se gastaria uma fortuna.
Um abraço.

Combates Aéreos

Análise: o Poder Aéreo nas Malvinas

A Guerra das Malvinas (ou Falklands), ocorrida em 1982 entre a Argentina e a Inglaterra, colocou em evidência a...
- Advertisement -
- Advertisement -