segunda-feira, outubro 25, 2021

Gripen para o Brasil

Array

40 anos de EMB-110 Bandeirante

Destaques

Guilherme Poggiohttp://www.aereo.jor.br
Membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

Na semana que vem faz 40 anos que o Avião Bandeirante foi criado. Ele foi o primeiro avião brasileiro a fazer sucesso no exterior e deu origem à uma das maiores fábricas do mundo. A data é festejada com muito orgulho pelo CTA, em São José dos Campos, onde o projeto foi desenvolvido.

O primeiro Bandeirante foi montado em 1968 em um hangar do CTA – Centro Tecnológico Aeroespacial. O projeto começou a ser desenvolvido três anos antes por um grupo de engenheiros do ITA (Instituto Tecnológico de Aeronautica), liderados por Ozires Silva.

“Caminhando… em um determinado dia nós encontramos um buraco no mercado, aviões grandes estavam ocupando todos os espaços e as pequenas cidades passaram a ficar sem transporte aéreo. Então veio a idéia chave, que carrega a Embraer até hoje, de fabricar aviões nas cidades periféricas. Nós brincávamos muito dizendo que nós não conseguiríamos nunca ser cabeça do leão, mas não queríamos também ser o rabo do leão”, conta o empresário.

Segundo o especialista em história da aeronáutica, brigadeiro Maurício Pazini, o sonho de fazer um avião brasileiro seria impossível sem a criação do Instituto, na década de 50.

“O que faltavam eram engenheiros, recursos humanos especializados em aeronáutica em quantidade para sustentar este esforço. Então o ITA formou cerca de 20 turmas, antes que a gente pudesse ter uma solução consolidada, que no caso foi a Embraer.

Foi numa pista dentro do CTA que o Bandeirante decolou para o primeiro vôo, 40 anos atrás. O chão ainda era de terra, e na platéia estavam técnicos e engenheiros que construíram a aeronave.

Imagens feitas no dia 22 de outubro de 1968 mostram a vibração da equipe quando o avião deixa a pista. Celso Dias Ferraz, que até hoje trabalha na Embraer, estava lá.

“É como se fosse ontem. Eu estava lá na cabeceira de terra, na pista do CTA, ele se posicionou lá embaixo, um pouco longe da gente, aí quando acelerou levantou aquele poeirão, e veio roncando deixando poeira pra trás, quando passou por nós já estava naquela altura e ficou todo mundo arrepiado de ver”.

O primeiro protótipo está exposto no Museu da Aeronáutica, no Rio de Janeiro. O projeto se tornou realidade quando a Força Aérea Brasileira fez uma encomenda de quase 100 aviões.

Ozires Silva é quem convenceu o presidente do Brasil, na época o general Costa e Silva, a produzir o Bandeirante. A conversa entre eles ocorreu quando o presidente, que voava para Guaratinguetá, precisou fazer uma parada em São José dos Campos por causa do mal tempo.

“Acho que Deus pôs um nevoeiro lá pra dar uma mãozinha pra nós. Eu disse, meu Deus do céu, manda o homem depressa pra cá. O avião estacionou no nosso hangar, mostramos o protótipo, contamos uma historinha, projetamos uma Embraer de hoje fabricando avião pro mundo inteiro, de tudo quanto é tipo… e o presidente foi se entusiasmando. E quando ele foi embora pra Guaratinguetá ele nos falou: ‘Vamos fazer’”, conta Ozires Silva.

Para fabricar a aeronave, em 1969 foi fundada a empresa estatal Embraer. “A gente no começo tinha um avião, um projeto e centenas de aficcionados, de engenheiros e técnicos trabalhando neste projeto. Hoje a Embraer está presente em todas as regiões do mundo, com dezenas de projetos diferentes, centenas de clientes e milhares de aviões construídos”, diz Pedro Ferraz, responsável pela memória da Embraer.

Em 18 anos foram feitos mais de 500 exemplares do Bandeirante, usados na aviação militar e civil de 36 países. A partir dele a aviação brasileira se desenvolveu, ganhou credibilidade e agora conquistou o mercado com uma moderna linha de jatos executivos.

“A gente não tinha idéia que ia se transformar no que a Embraer é hoje”, diz o funcionário Celso.

“Muita gente considerava uma brincadeira, e essa brincadeira passou dos limites. A Embraer hoje se transformou num projeto fascinante”, se orgulha Ozires Silva.

A Embraer comemora neste domingo (19) os 40 anos de criação do Bandeirante com uma cerimônia fechada a partir das 16h.

Fonte: Rede Vanguarda

- Advertisement -

57 Comments

Subscribe
Notify of
guest
57 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Almeida

Meus sinceros parabens a todos os envolvidos! Obrigado!

Hornet

Eba! mais um que entrou pro clube dos “enta”…certo Galante?…rs.rs.rs.

abraços

Hornet

pra quem não entendeu o “certo”, eu traduzo: em “manês” (dialeto falado em SP, pelo povo “Mano”, da nacionalidade “Manos e Minas”), a palavra quer dizer: não concorda?, o sr. não está de acordo? etc.

é nóis na fita mano!!! Nóis e o Bandeirante, aviãozinho da hora, mó chegado!!!..rs.rs.rs.

abraços

Jorge

Não dá para segurar senão não sou eu!

Alguém viu alguma TV pública (TV privada só se a Embraer pagasse) mostrar um documentário de uns 60 “minutinhos” (tipo Discovery) sobre o “Bandit” (Bandeirante EMB-110)?

Agora, documentários sobre os “Ches” da vida! Barbaridade, como tem! E toma doutrinação nas nossas crianças.

Se a minha praga pegasse, os ossos do Gramsci e os seus discípulos vivos iriam parar em Betelgeuse!

Baschera

Realmente Deus é brasileiro, porque começar a construir aviões com esta precariedade é algo de emocionar.
Vejam que exemplos não nos faltam, o que nos falta é alguém que corra o risco e bata na mesa. Saudades do Getúlio, que saíu a cavalo, andou mil Km e amarrou-o na porta do palácio e pôs para correr muito rato chique, na sua época. O que não temos são lideres, mas abundam os políticos preocupados somente em levantar vôo seu próprio aviãozinho.
Lamentável.
Sds.

Luciano Baqueiro

Amigos p/ comemorar esta data gostaria de propor um post : quais deveriam ser os próximos passos / projetos da EMBRAER no mercado militar ( p/ nos atermos ao nosso blog ) ? Para começar, minha sugestão UAV/UACV, o que acham ? E só p/ complementar o nome do bicho deveria ser Harpia = Ornit Gênero (Harpia) da família dos Acipitrídeos, no qual se inclui o maior dos gaviões brasileiros (Harpia Harpyia), espécie dotada de duplo penacho na cabeça, bico e garras fortes.

Hornet

Um livro bastante interessante, e que tem tudo a ver com o Bandeirante (mas não só ele) e com a Embraer é esse: Ozires Silva – “A Decolagem de um Sonho: A história da criação da Embraer”. SP: Lemos Editorial, 2002. O exemplar que eu tenho, eu ganhei de um amigo que é engenheiro da Embraer, mas certamente o livro se encontra a venda “nas melhores casas do ramo”. Fica aqui a dica para quem quiser saber mais sobre a Embraer, e por ventura não conheça o livro. É um livro muito bom, leitura obrigatória para quem se interessa pelo… Read more »

FD

Eu tenho um, e o melhor, autografado pelo próprio Ozires!

Muito bom!!!

Vassily Zaitsev

É, foi o Bandeirante que começou toda a História. Depois viria EMB-120, ERJ-145 e família e, por último, EMB-190 + família.

Uma pergunta: os C-95 já estão no fim de suas vidas úteis, e nada de iniciar um projeto de substituição do modelo. Ou a FAB pensa em comprar mais Caravans????????????? A Embraer já falou que não desenvolverá um substituto não. Com isso, as perspectivas de o CASA C-212 virem à ingessar nas fileiras da FAB crescem.

Hornet, Baschera,

O que acham? consideram o C-212 à altura de substituir o C-95???

nunao

Vassily, os C-95 dos últimos lotes provavelmente serão modernizados e imagino que com isso e a compra de mais exemplares de Caravan e Brasília a substituição final do Bandeirante poderá esperar mais um pouco.

Quanto ao CASA C-212, não vou atropelar as opiniões do Hornet e do Baschera e… peraí, estou ouvindo um barulho… parece meu punho fechado batendo na mesa, vou chegar mais perto pra ouvir…

toc toc toc.

Vassily Zaitsev

Nunão, valeu pelo esclarecimento;

Não entendi o trocadilho…………………

Miltonsan

Alguma noticia do C-390 ?

Hornet

Vassily, só complementando o que o Nunão disse… eu penso assim: o C-212 pode até estar á altura do Bandeirante, acredito que tecnicamente até esteja. Mas isso quando pensamos somente no avião. Agora, tem uma coisa que o CASA C-212, ou qualquer outro avião, não conseguiria substituir o Bandeirante: no papel fundamental que o Bandeirante teve no desenvolvimento da indústria aérea brasileira. Acho que nunca um nome caiu tão bem para um avião como esse, pois ele foi bem isso mesmo, um “bandeirante” da industria aérea nacional. Como eu sempre penso em desenvolver as coisas aqui, antes de comprar lá… Read more »

Hornet

corrigindo: “Ou seja, pra que comprar da Espanha se podíamos estar fazendo aqui mesmo?!!!”

um forte abraço

Vassily Zaitsev

Hornet,

tb concordo com o que disses-te. A Embraer tem plenas capacidades de desenvolver uma aeronave de transporte leve que viesse substituir o Bandeirante. Até agora, não entendi a negativa dessa respeitada empresa para dar continuidade nesse mercado. Parece que ela não quer, ou não acha rentável atuar neste segmento. Vamos esperar e ver no que dá.

obs: a fábrica de Gavião Peixoto estaria plenamente habilitada à montar aparelhos desse tamanho; e, com as necessidades que se avizinham, seria “garantia de emprego” por um bom tempo para centenas de trabalhadores.

Vassily Zaitsev

MiltomSan,

surgiu recentemente na mídia especializada que o projeto C-390 vai ter início neste final de ano. Veja bem, início do projeto; inclusive as asas + leme/profundores seriam bem diferentes do que foi anteriormente divulgado, além de uma seção de carga mais ” larga” para caber cargar maiores. Acho que seria para poder transportar o NOVO URUTU, vai saber!!!!!!!!!!!!!!

Miltonsan

Vassily Zaitsev

Obrigado pela resposta.

Nelson Lima

O Brasil só avança com ousadia.Por isso não podemos desistir do subnuc,do FX2,de um novo MBT e de um novo VLS

Walderson

PARABÉNS PARA A EMBRAER.

Vassily, Hornet e Nunão,

Se não me engano, a FAB abriu um desses ?X para substituir o Bandeirante. O ganhador foi o C-212. Pra variar, pois isso nunca ocorreu, o ?X foi cancelado, e resolveram modernizar o Bandeirante e operá-lo por mais um tempo.
Qto à EMBRAER, ela voltará a desenvolver aviões turbo-hélices. Quem sabe se a demanda for boa não aparece um “sucessor” do nosso Bandeirante.

Um abraço a todos.

Hornet

caro Walderson,

quem sabe?

Tomara que sim…

abraços

Hornet

Walderson,

aliás, vc usou o termo correto: “sucessor”…num caso como este, não me agrada muito a idéia de “substituto”…rs.

é isso aí!

abraços novamente

Baschera

Caro Vassily Zaitsev, O negócio dos C-212 furou, são muito caros para uma nave já superada. Veja que nem mesmo a Embraer quis monta-los aqui, mesmo sendo cerca de 100 unidades. Na minha opinião, a Embraer não estaria disposta a estudar um substituto para os Bandeirantes. Não faz mais sentido para o seu porte de hoje em dia, quando era uma empresa de porte menor, qualquer quantidade destas era importante, hoje ele necessitaria ter um mercado muito maior. Para o C-390 pojeta-se um mercado ocidental de até 700 unidades…. aí é outra coisa. Outra coisa, o problema dos C-105 Amazonas… Read more »

konner

A Força Aérea Brasileira modernizará sua frota de aviões Bandeirante, a robustez da estrutura do Bandeirante fez que se buscasse recuperar as aeronaves. O programa deve contemplar num primeiro momento cerca de 80 Bandeirante. Com a modernização, a frota ganhará entre 20 a 30 anos de vida útil. As inovações nos sistemas aviônicos dos aparelhos será definido até o final deste ano entre um consórcio brasileiro e a Elbit Systems. Os aviões receberão desde piloto automático, displays, sistemas de controle e informação de vôo, um novo projeto de elétrica e eletrônica de bordo e a troca integral dos painéis. Praticamente… Read more »

[…] Bandeirante, o projeto pioneiro da Empresa Brasileira de Aeronáutica (Embraer) e que completa hoje 40 anos de seu primeiro vôo. O programa deve contemplar num primeiro momento cerca de 80 Bandeirante e 60 Tucano utilizados […]

Guerra

Os russos são conhecidos no mercado militar como desenvolvedores a partir de plataformas já testadas em campo. Creio que o Brasil deve seguir o exemplo. Imagino um Novo Bandeirante com blindagem, novos motores turbo, com um canhão rotatório tipo GAU-8/a Avenger 30mm, com seis canos e munição de múltiplo emprego (montado em baixo ou numa das laterais do corpo), com o que há de mais moderno em termos de varredura, medidas e contra-medidas eletrônicas, trem de pouso mais alto para permitir uso de compartimento extra de combustível ou maior diversidade de armamento, capacidade de abastecimento no ar, 2 sono-boias e… Read more »

[…] avião EMB-110 Bandeirante, da empresa Manaus Aerotáxi, que caiu sábado no rio Manacapuru (AM), provocando a morte de 24 […]

trackback

[…] 1968 voou o Bandeirante, aeronave bimotor turboélice originalmente com capacidade para nove passageiros desenvolvida pelo […]

ruy santana

Que tal um bandeirante monomotor (a la Caravan?). Alem de extremamente racional e útil ficaria muito bonito (já que o ponto mais fraco do design original é o bico algo pequeno). Não sou engenheiro aeronáutico mas tudo o mais está de bom tamanho na maquininha… por exemplo esta fuselagem algo “aquadradada” de muito bom aproveitamento. Teria até maior capacidade de carga. Que tal?…

Almeida

Meus sinceros parabens a todos os envolvidos! Obrigado!

Hornet

Eba! mais um que entrou pro clube dos “enta”…certo Galante?…rs.rs.rs.

abraços

Hornet

pra quem não entendeu o “certo”, eu traduzo: em “manês” (dialeto falado em SP, pelo povo “Mano”, da nacionalidade “Manos e Minas”), a palavra quer dizer: não concorda?, o sr. não está de acordo? etc.

é nóis na fita mano!!! Nóis e o Bandeirante, aviãozinho da hora, mó chegado!!!..rs.rs.rs.

abraços

Jorge

Não dá para segurar senão não sou eu!

Alguém viu alguma TV pública (TV privada só se a Embraer pagasse) mostrar um documentário de uns 60 “minutinhos” (tipo Discovery) sobre o “Bandit” (Bandeirante EMB-110)?

Agora, documentários sobre os “Ches” da vida! Barbaridade, como tem! E toma doutrinação nas nossas crianças.

Se a minha praga pegasse, os ossos do Gramsci e os seus discípulos vivos iriam parar em Betelgeuse!

Baschera

Realmente Deus é brasileiro, porque começar a construir aviões com esta precariedade é algo de emocionar.
Vejam que exemplos não nos faltam, o que nos falta é alguém que corra o risco e bata na mesa. Saudades do Getúlio, que saíu a cavalo, andou mil Km e amarrou-o na porta do palácio e pôs para correr muito rato chique, na sua época. O que não temos são lideres, mas abundam os políticos preocupados somente em levantar vôo seu próprio aviãozinho.
Lamentável.
Sds.

Luciano Baqueiro

Amigos p/ comemorar esta data gostaria de propor um post : quais deveriam ser os próximos passos / projetos da EMBRAER no mercado militar ( p/ nos atermos ao nosso blog ) ? Para começar, minha sugestão UAV/UACV, o que acham ? E só p/ complementar o nome do bicho deveria ser Harpia = Ornit Gênero (Harpia) da família dos Acipitrídeos, no qual se inclui o maior dos gaviões brasileiros (Harpia Harpyia), espécie dotada de duplo penacho na cabeça, bico e garras fortes.

Hornet

Um livro bastante interessante, e que tem tudo a ver com o Bandeirante (mas não só ele) e com a Embraer é esse: Ozires Silva – “A Decolagem de um Sonho: A história da criação da Embraer”. SP: Lemos Editorial, 2002. O exemplar que eu tenho, eu ganhei de um amigo que é engenheiro da Embraer, mas certamente o livro se encontra a venda “nas melhores casas do ramo”. Fica aqui a dica para quem quiser saber mais sobre a Embraer, e por ventura não conheça o livro. É um livro muito bom, leitura obrigatória para quem se interessa pelo… Read more »

FD

Eu tenho um, e o melhor, autografado pelo próprio Ozires!

Muito bom!!!

Vassily Zaitsev

É, foi o Bandeirante que começou toda a História. Depois viria EMB-120, ERJ-145 e família e, por último, EMB-190 + família.

Uma pergunta: os C-95 já estão no fim de suas vidas úteis, e nada de iniciar um projeto de substituição do modelo. Ou a FAB pensa em comprar mais Caravans????????????? A Embraer já falou que não desenvolverá um substituto não. Com isso, as perspectivas de o CASA C-212 virem à ingessar nas fileiras da FAB crescem.

Hornet, Baschera,

O que acham? consideram o C-212 à altura de substituir o C-95???

nunao

Vassily, os C-95 dos últimos lotes provavelmente serão modernizados e imagino que com isso e a compra de mais exemplares de Caravan e Brasília a substituição final do Bandeirante poderá esperar mais um pouco.

Quanto ao CASA C-212, não vou atropelar as opiniões do Hornet e do Baschera e… peraí, estou ouvindo um barulho… parece meu punho fechado batendo na mesa, vou chegar mais perto pra ouvir…

toc toc toc.

Vassily Zaitsev

Nunão, valeu pelo esclarecimento;

Não entendi o trocadilho…………………

Miltonsan

Alguma noticia do C-390 ?

Hornet

Vassily, só complementando o que o Nunão disse… eu penso assim: o C-212 pode até estar á altura do Bandeirante, acredito que tecnicamente até esteja. Mas isso quando pensamos somente no avião. Agora, tem uma coisa que o CASA C-212, ou qualquer outro avião, não conseguiria substituir o Bandeirante: no papel fundamental que o Bandeirante teve no desenvolvimento da indústria aérea brasileira. Acho que nunca um nome caiu tão bem para um avião como esse, pois ele foi bem isso mesmo, um “bandeirante” da industria aérea nacional. Como eu sempre penso em desenvolver as coisas aqui, antes de comprar lá… Read more »

Hornet

corrigindo: “Ou seja, pra que comprar da Espanha se podíamos estar fazendo aqui mesmo?!!!”

um forte abraço

Vassily Zaitsev

Hornet,

tb concordo com o que disses-te. A Embraer tem plenas capacidades de desenvolver uma aeronave de transporte leve que viesse substituir o Bandeirante. Até agora, não entendi a negativa dessa respeitada empresa para dar continuidade nesse mercado. Parece que ela não quer, ou não acha rentável atuar neste segmento. Vamos esperar e ver no que dá.

obs: a fábrica de Gavião Peixoto estaria plenamente habilitada à montar aparelhos desse tamanho; e, com as necessidades que se avizinham, seria “garantia de emprego” por um bom tempo para centenas de trabalhadores.

Vassily Zaitsev

MiltomSan,

surgiu recentemente na mídia especializada que o projeto C-390 vai ter início neste final de ano. Veja bem, início do projeto; inclusive as asas + leme/profundores seriam bem diferentes do que foi anteriormente divulgado, além de uma seção de carga mais ” larga” para caber cargar maiores. Acho que seria para poder transportar o NOVO URUTU, vai saber!!!!!!!!!!!!!!

Miltonsan

Vassily Zaitsev

Obrigado pela resposta.

Nelson Lima

O Brasil só avança com ousadia.Por isso não podemos desistir do subnuc,do FX2,de um novo MBT e de um novo VLS

Walderson

PARABÉNS PARA A EMBRAER.

Vassily, Hornet e Nunão,

Se não me engano, a FAB abriu um desses ?X para substituir o Bandeirante. O ganhador foi o C-212. Pra variar, pois isso nunca ocorreu, o ?X foi cancelado, e resolveram modernizar o Bandeirante e operá-lo por mais um tempo.
Qto à EMBRAER, ela voltará a desenvolver aviões turbo-hélices. Quem sabe se a demanda for boa não aparece um “sucessor” do nosso Bandeirante.

Um abraço a todos.

Hornet

caro Walderson,

quem sabe?

Tomara que sim…

abraços

Hornet

Walderson,

aliás, vc usou o termo correto: “sucessor”…num caso como este, não me agrada muito a idéia de “substituto”…rs.

é isso aí!

abraços novamente

Baschera

Caro Vassily Zaitsev, O negócio dos C-212 furou, são muito caros para uma nave já superada. Veja que nem mesmo a Embraer quis monta-los aqui, mesmo sendo cerca de 100 unidades. Na minha opinião, a Embraer não estaria disposta a estudar um substituto para os Bandeirantes. Não faz mais sentido para o seu porte de hoje em dia, quando era uma empresa de porte menor, qualquer quantidade destas era importante, hoje ele necessitaria ter um mercado muito maior. Para o C-390 pojeta-se um mercado ocidental de até 700 unidades…. aí é outra coisa. Outra coisa, o problema dos C-105 Amazonas… Read more »

Últimas Notícias

IMAGENS: Cerimônia do Dia do Aviador e da Força Aérea Brasileira

Por André Magalhães Aconteceu na manhã do dia 22 de outubro, na ALA 1, em Brasília (DF), a cerimônia alusiva...
- Advertisement -
- Advertisement -