quinta-feira, 2 julho, 2020
Home Blog

O avião de transporte Yun-20 da China possui um grande potencial

2

PEQUIM — Desde o início da epidemia de COVID-19, as grandes aeronaves de transporte Yun-20 (ou Y-20) da China, produzidas domesticamente, realizam missões no exterior por muitas vezes, fornecendo sucessivamente suprimentos anti-epidêmicos ao Paquistão, Tailândia e outros países.

Recentemente, o avião fez seu primeiro voo para a Rússia para transportar a Guarda de Honra do Exército de Libertação Popular (PLA) para participar do desfile militar realizado na Praça Vermelha de Moscou. O especialista militar Chen Hong disse que, no futuro, o avião de transporte Yun-20 certamente aumentará significativamente a capacidade de combate das tropas do PLA.

Um sólido apoio à Força Aérea do PLA

Na guerra moderna, com zonas de guerra mais amplas e ritmo de guerra mais rápido, países de todo o mundo estão tentando fortalecer a resposta rápida e as capacidades de entrega de longo alcance de suas tropas, para transportar rapidamente suas tropas e armas para áreas em necessidade urgente e economizar tempo para o reforço das tropas de acompanhamento. Sob essa situação, as forças armadas de todos os países estão ansiosas para adotar aeronaves de transporte pesado em larga escala.

Segundo informações de Tang Changhong, projetista-chefe do Yun-20, o peso máximo de decolagem da aeronave é de 220 toneladas e a capacidade máxima de carga é de 66 toneladas.

“Para construir uma moderna Força Aérea do PLA com forte capacidade de combate, é absolutamente necessário adotar grandes aeronaves de transporte como o Yun-20, cuja velocidade é mais de três vezes a dos trens de alta velocidade e mais de 20 vezes a velocidade do transporte marítimo. Ele pode reunir todas as unidades de combate no menor tempo possível, contribuindo muito para o rápido envio de tropas e aumentando a capacidade de combate”, disse Chen Hong.

Ele ainda possui um grande potencial de desenvolvimento

“O avião de transporte Yun-20 é bastante promissor para desenvolvimento futuro”. De acordo com a introdução de Chen Hong, a aeronave de transporte Yun-20 atualmente é movida por motores russos D-30KP-2, que provavelmente serão substituídos pelo WS-20, o motor a jato de grande escala de nova geração desenvolvido localmente. Cada motor pode fornecer mais de 15 toneladas de empuxo.

“Nos últimos anos, a tecnologia de pesquisa e desenvolvimento de motores de caça da China alcançou um desenvolvimento superior, rompendo os gargalos inimagináveis. Novos motores como o WS-20 também serão usados ​​para equipar as grandes aeronaves de transporte militar da China no futuro próximo e desempenhar um papel mais proeminente”, adicionou Chen Hong.

Além disso, o Yun-20 também pode ser adaptado como avião-tanque ou aeronave antissubmarino. Com uma carga útil de até 66 toneladas, pode se tornar um posto de combustível aéreo, para cooperar com os caças com habilidade nas operações de reabastecimento aéreo. Como aeronave antissubmarino, pode transportar uma variedade de equipamentos antissubmarino leves e pesados. Com suas vantagens de peso pesado, longa resistência e longo alcance, seu desempenho será mais poderoso.

Atualmente, a Força Aérea da China (PLAAF) precisa urgentemente de aeronaves de transporte Yun-20. Chen Hong disse que, tendo em vista o objetivo atual da China de construir uma força aérea estratégica, são necessárias pelo menos várias centenas de Yun-20s. “Isso marca um progresso magnífico na história da Força Aérea da China. Acredito que haverá aeronaves ainda mais avançadas para equipar a Força Aérea da China no futuro”, acrescentou Chen.

FONTE: China Military Online

Typhoons da RAF são acionados pela quinta vez em missão da OTAN

0

Os jatos de combate Typhoon da Royal Air Force baseados na Lituânia foram acionados pela quinta vez para interceptar aeronaves russas na costa do Báltico.

Os Typhoons do 6 Squadron RAF, sediados na RAF Lossiemouth, interceptaram uma aeronave russa IL-78 MIDAS de reabastecimento em voo que estava operando no Mar Báltico e era uma missão de policiamento aéreo da OTAN.

O Wing Commander, Stu Gwinnutt, o comandante da ala aérea da 135 Expeditionary Air Wing, que atualmente está na base aérea de Siauliai, na Lituânia, conduzindo a missão da OTAN, disse:

“A interceptação de hoje, embora rotineira, é um sinal contínuo de porque é necessário implantar a Missão de Policiamento Aéreo da OTAN aqui, para garantir que todos os usuários aéreos nesta região possam conduzir suas atividades de maneira segura e profissional”.

A atual missão de policiamento aéreo do Báltico da OTAN vê a RAF trabalhando ao lado de um destacamento da Força Aérea Espanhola na Base Aérea de Siauliai, na Lituânia, e um destacamento da Força Aérea Francesa na Base Aérea de Amari, na Estônia. Os três Aliados da OTAN são, portanto, capazes de reagir a qualquer violação no espaço aéreo da OTAN a qualquer hora do dia ou da noite.

O Reino Unido opera em apoio à OTAN para tranquilizar nossos Aliados e faz parte dos compromissos mais amplos da OTAN do Reino Unido na região. Isso inclui liderar o Grupo de Batalha da OTAN implantado na Estônia e fornecer tropas ao Grupo de Batalha liderado pelos EUA com sede na Polônia como parte da missão de Presença Avançada da OTAN.

FONTE: Royal Air Force

737 MAX: FAA e Boeing concluem testes de voo para recertificação

0

A FAA e a Boeing concluíram hoje (1 de julho) os testes de voo de certificação no Boeing 737 MAX.

Durante três dias de testes nesta semana, os pilotos e engenheiros da FAA avaliaram as mudanças propostas pela Boeing em conexão com o sistema de controle de voo automatizado na aeronave.

Embora a conclusão dos voos seja um marco importante, várias tarefas chave permanecem, incluindo a avaliação dos dados coletados durante esses voos. A agência está seguindo um processo deliberado e levará o tempo necessário para analisar minuciosamente o trabalho da Boeing.

Levantaremos a ordem de aterramento somente depois que os especialistas em segurança da FAA estiverem convencidos de que a aeronave atende aos padrões de certificação.

As tarefas restantes incluem:

  • Validação do JOEB e revisão do FSB – O FSB (FAA) e o Joint Operations Evaluation Board (JOEB), que inclui parceiros internacionais do Canadá, Europa e Brasil, avaliarão os requisitos mínimos de treinamento de pilotos. O FSB emitirá um projeto de relatório para comentários públicos, abordando as conclusões do FSB e do JOEB.
  • Relatório final do FSB – A FAA publicará um relatório final do FSB após analisar e abordar os comentários do público.
  • Documentação final do projeto e relatório TAB – A FAA analisará a documentação final do projeto da Boeing para avaliar a conformidade com todos os regulamentos da FAA. O Conselho Consultivo Técnico de várias agências (TAB) também analisará a submissão final da Boeing e emitirá um relatório final antes de uma determinação final de conformidade pela FAA.
  • CANIC & AD – A FAA emitirá uma Notificação de Aeronavegabilidade Continuada para a Comunidade Internacional (CANIC), notificando as ações de segurança pendentes e publicará uma Diretiva de Aeronavegabilidade (AD) que aborda os problemas conhecidos de aterramento. A AD aconselhará os operadores sobre as ações corretivas necessárias antes que a aeronave possa retornar ao serviço comercial.
  • Revogação da ordem de aterramento pela FAA – Isso marca a liberação oficial da aeronave, aguardando a conclusão pelos operadores do trabalho especificado na AD, juntamente com qualquer treinamento necessário.
  • Certificados de aeronavegabilidade – A FAA manterá sua autoridade para emitir certificados de aeronavegabilidade e certificados de exportação para todos os novos aviões 737 MAX fabricados desde o aterramento. A FAA fará análises pessoais e individuais dessas aeronaves.
  • Programas de treinamento para operadores – A FAA analisará e aprovará programas de treinamento para todos os operadores da parte 121.

FONTE: Federal Aviation Administration

Colaboração Real 3 – Episódio 4: O Reabastecimento em Voo

10
O primeiro Gripen brasileiro (clique na imagem para ampliar)

Com mais de 8 milhões de km² de território nacional, o reabastecimento em voo é obrigatório para um caça brasileiro.

O Gripen, por meio das missões de reabastecimento em voo, terá a capacidade de alcançar qualquer ponto do território, além de cumprir com outros requisitos primordiais.

Confira no vídeo abaixo o 4ª episódio da terceira temporada de Colaboração Real.

FOTOS: Terceiro Boeing F-15QA Eagle do Qatar

11

Alex Farwell (@wiavgeek) gentilmente forneceu essas imagens impressionantes do terceiro Boeing F-15QA destinado à Força Aérea do Emirado do Qatar (QAEF – Qatar Emiri Air Force).

O Eagle estava voando com o indicativo RED64 e partindo de St. Louis Lambert International (MO) em 30 de junho de 2020. Foi o primeiro voo do terceiro F-15QA.

O primeiro dos 36 caças multifunção Boeing F-15QA encomendados pelo Qatar chegará ao emirado no início de 2021.

O F-15QA, a versão qatari do F-15E Advanced Eagle, será conhecido como Ababil na QAEF e será baseado em Al-Udeid.

FONTE: Scramble Magazine

FOTO: O armamento dos Sukhoi Su-30MKV da Venezuela

26

primeiro post do Poder Aéreo em 2008, quando o blog foi criado, mostrava fotos dos Su-30MKV venezuelanos operando na Região Amazônica.

A foto acima em baixa resolução, divulgada recentemente nas redes sociais, mostra um Su-30MKV levando armamento ar-ar e ar-solo.

O caça está equipado com mísseis ar-ar AA-10 Alamo (R-27), AA-12 Adder (R-77) apelidado de “Amraamski” – pois é equivalente ao AIM-120 AMRAAM americano –,  mísseis ar-ar de curto alcance R-73 (AA-11 Archer) e mísseis ar-superfície Kh-31, além de bombas.

A título de comparação, o radar dos Su-30MKV tem mais que o dobro do alcance do radar do F-5EM da FAB e o alcance dos mísseis também é superior ao dos mísseis BVR Derby empregados pelos caças brasileiros.

Por outro lado, os caças brasileiros têm a vantagem de contar com o alerta aéreo antecipado proporcionado pelos aviões Embraer E-99.

FOTO: Saab Gripen E armado com 7 mísseis ar-ar Meteor

79
Saab JAS 39E Gripen com 7 mísseis ar-ar MBDA Meteor (clique na imagem para ampliar)
Saab JAS 39E Gripen com 7 mísseis ar-ar MBDA Meteor (clique na imagem para ampliar)

Na imagem, o caça Saab JAS 39E Gripen configurado para o modo de superioridade aérea:

  • 7x Meteor BVRAAM sob as asas e fuselagem
  • 2x IRIS-T WVRAAM nas pontas das asas
Míssil MBDA Meteor Beyond-Visual Range (BVR)

Em outubro de 2018, a Saab completou com sucesso um voo de teste de uma aeronave Gripen E com o míssil ar-ar Meteor Beyond Visual Range (BVRAAM) pela primeira vez.

Em 2019 foram realizados os testes de disparo do míssil Meteor da MBDA pelas aeronaves de teste 39-8 e 39-9 no norte da Suécia.

O Meteor é um BVRAAM guiado por radar ativo, superior a outros mísseis de seu tipo, e capaz de atacar alvos aéreos de forma autônoma, dia ou noite, em todos os climas e em ambientes severos de guerra eletrônica.

O sistema de propulsão ramjet do míssil dá ao Meteor seu desempenho de alta velocidade e a energia para derrotar alvos rápidos e em movimento a uma distância muito longa. O Gripen C/D com a Força Aérea Sueca em 2016 foi o primeiro caça do mundo a operar com o míssil Meteor.

Em junho de 2019 o jornal francês La Tribune noticiou que a Força Aérea Brasileira estava prestes a assinar um contrato com a MBDA para a aquisição de 100 mísseis BVR Meteor para equipar seus caças Gripen.

Nota de Falecimento: Tenente-Coronel Gustavo Adolfo Franco Ferreira

12
Gustavo Adolfo Franco Ferreira em 2014, com um exemplar do seu livro “Venturas, Aventuras e Desventuras”. Foto: Alexandre Galante

Nosso amigo e colaborador Gustavo Adolfo Franco Ferreira, Tenente-Coronel Aviador da Reserva da FAB, faleceu no dia 9 de maio. Infelizmente, com a correria da vida e os contatos esporádicos que fazíamos via Facebook, só soubemos ontem do seu falecimento.

Franco Ferreira era especialista em segurança de voo e escreveu inúmeros artigos para o Poder Aéreo e para a nossa revista impressa Forças de Defesa.

Mas foi acima de tudo um grande amigo, com seus conselhos e sua sabedoria.

Compartilho abaixo uma mensagem que está na linha do tempo da página do Facebook do Franco Ferreira. Os que tiveram o prazer de ler os textos dele podem ir até sua página pessoal e deixar uma mensagem de despedida clicando aqui.

 

E-Jet de número 1.600 da Embraer é entregue à Helvetic Airways

14

São José dos Campos – SP, 1º de julho de 2020 — A Embraer celebrou hoje a entrega do seu E-Jet de número 1.600, do modelo E190-E2. A Helvetic Airways, da Suíça, recebeu a histórica aeronave. Companhias aéreas e empresas de leasing de mais de 50 países adicionaram os E-Jets da Embraer às suas frotas desde que a primeira geração destes jatos entrou em serviço, em 2004. A extremamente eficiente segunda geração da família de E-Jets, os E-Jets E2, entrou em operação em 2018.

“É uma honra como novo Presidente e CEO da Embraer Aviação Comercial entregar esta simbólica aeronave. É um imenso marco para o programa de E-Jets e para a história da Companhia”, disse Arjan Meijer. “Ao longo dos anos, estive pessoalmente muito próximo da Helvetic e de seu projeto de planejamento de frota de E-Jets. Todos na Embraer estão extremamente orgulhosos de ver uma companhia aérea tão renomada voando com nosso E-Jet de número 1.600.”

A Helvetic Airways está atualmente em transição de uma frota da primeira geração de E-Jets para os E-Jets E2. A companhia aérea recebeu o primeiro E190-E2 em outubro de 2019 e desde então adicionou mais quatro unidades como parte de seu programa de renovação de frota. A Helvetic configurou suas aeronaves com 110 assentos de classe única em rotas domésticas e internacionais. A companhia aérea tem pedidos firmes para 12 jatos E190-E2 e direitos de compra para outros 12 aviões do mesmo modelo, com direitos de conversão para o E195-E2, elevando o total potencial de pedidos para 24 aeronaves E2.

“Estamos especialmente orgulhosos em receber uma aeronave E2 durante um período desafiador para nossa indústria”, disse Tobias Pogorevc, CEO da Helvetic Airways. “E é um privilégio genuíno compartilhar este momento especial com a Embraer. Recebemos muitos comentários positivos sobre o E190-E2 de nossos passageiros e tripulações desde que o introduzimos em nossa frota. Não poderíamos estar mais felizes com o desempenho da aeronave. O consumo de combustível é ainda menor do que esperávamos, o que torna o avião ainda mais ambientalmente amigável. Estamos ansiosos para retomar as operações em breve – com nosso histórico E190-E2 também.”

Por quase duas décadas, a inovadora família de E-Jets da Embraer tem transformado a aviação comercial. Esta é a linha de jatos de passageiros de maior sucesso da indústria projetada especificamente para o segmento de 70 a 150 assentos. O programa registrou mais de 1.900 pedidos até hoje, de mais de 100 clientes. Mais de 80 companhias aéreas voam atualmente com E-Jets da Embraer. A frota global de E-Jets acumula mais de 30 milhões de horas de voo, com uma taxa média de conclusão de missão de 99,9%. Os versáteis aviões estão voando com companhias aéreas regionais, de baixo custo e tradicionais.

O E190-E2 é um dos três modelos da segunda geração da família de E-Jets. Comparado ao E190 de primeira geração, o E190-E2 consome 17,3% menos combustível. Isso coloca os E-Jets E2 como a família de aeronave de corredor único mais eficiente do mercado.

Sobre a Embraer

Empresa aeroespacial global com sede no Brasil, a Embraer possui 50 anos de atuação nos segmentos de Aviação Comercial, Aviação Executiva, Defesa & Segurança, Aviação Agrícola. A Companhia projeta, desenvolve, fabrica e comercializa aeronaves e sistemas, além de fornecer Serviços & Suporte a clientes no pós-venda.

Desde que foi fundada, em 1969, a Embraer já entregou mais de 8 mil aeronaves. Em média, a cada 10 segundos uma aeronave fabricada pela Embraer decola de algum lugar do mundo, transportando anualmente mais de 145 milhões de passageiros.

A Embraer é líder na fabricação de jatos comerciais de até 150 assentos e a principal exportadora de bens de alto valor agregado do Brasil. A empresa mantém unidades industriais, escritórios, centros de serviço e de distribuição de peças, entre outras atividades, nas Américas, África, Ásia e Europa.

DIVULGAÇÃO: Embraer

Turquia continuará fabricando peças do F-35 até 2022, diz Pentágono

38
Linha de produção do F-35
Linha de produção do F-35

O Pentágono continuará a depender dos prestadores de serviços de defesa turcos para os principais componentes do F-35 – desde a fuselagem central até 139 partes do sistema de propulsão do motor – até 2022, de acordo com autoridades de defesa dos EUA.

É a primeira confirmação pública do Departamento de Defesa de que o governo Trump suavizou a promessa de expulsar a Turquia do programa de aviões de combate em março deste ano devido à compra de um sistema de defesa antimísseis construído na Rússia, conhecido como S-400.

“O F-35 não pode coexistir com uma plataforma de coleta de inteligência russa que será usada para aprender sobre suas capacidades avançadas”, disse a Casa Branca em comunicado em 17 de julho de 2019.

Embora a Turquia ainda esteja proibida de comprar o avião construído pela Lockheed Martin, o tenente-coronel Mike Andrews, porta-voz do Departamento de Defesa, disse em comunicado que foi tomada uma decisão no final do ano passado “para honrar os acordos contratuais existentes e aceitar a entrega de peças” que já estavam contratadas.

O objetivo é “evitar rescisões dispendiosas, disruptivas e dispendiosas”, disse ele. A decisão das peças foi mencionada em uma única sentença em um relatório sobre o F-35 em maio pelo Gabinete de Prestação de Contas (GAO) do Governo.

Fontes alternativas “foram identificadas para todas as peças fabricadas na Turquia e serão utilizadas quando os contratos na Turquia expirarem e o material for entregue”, disse Andrews.

Partes do F-35 feitas na Turquia
Partes do F-35 feitas na Turquia

FONTE: Bloomberg News

Dein Bomber, Kommandant!

36

B-17 ‘Miss Nonalee II’ na secreta unidade KG 200 da Luftwaffe

Por Guilherme Poggio

Em abril (ou outubro, dependendo da fonte) de 1943 a fortaleza voadora B-17 “Miss Nonalee II” (42-30336) do 385th Bomb Group tentou chegar na neutra Suécia após problemas de motor quando rumava para o seu alvo em Anklan. No entanto, o piloto pousou por engano perto de Varde (Dinamarca).

A aeronave foi capturada por tropas alemãs e levada para a Alemanha, onde recebeu nova matrícula (7 + 8) e passou a integrar a secreta unidade Kampfgeschwader 200 (KG 200) da Luftwaffe (Força Aérea Alemã). Miss Nonalee II não foi a primeira nem a última fortaleza a integrar a KG 200. As informações são escassas e, em alguns casos, contraditórias, mas sabe-se que pouco menos de vinte B-17 foram operadas pela KG 200.

A foto acima provavelmente mostra o fim das atividades da Miss Nonalee II na Alemanha. Ao que parece a aeronave acidentou-se durante um pouso e teve o seu trem principal direito colapsado. O caminhão ao lado do avião provavelmente está retirando o combustível dos tanques das asas.

Se você tiver mais informações sobre as B-17 utilizadas pela Luftwaffe ou sobre a própria unidade alemã (KG 200), deixe seus comentários abaixo.

FONTE:
– Fuftwaffe im Focus n.1
– Luftwaffe KG 200: The German Air Force’s Most Secret Unit of World War II

‘Enxame’ de caças Su-35 é controlado por Su-57 em experimento

70

MOSCOU – A Rússia realizou um experimento sobre o uso de um “enxame” de caças Su-35 sob o controle de uma aeronave Su-57 de quinta geração. O exercício foi relatado à TASS por duas fontes no complexo industrial militar.

“O experimento foi realizado em condições reais de combate, um grupo de caças Su-35 estava envolvido no “enxame”, o papel do comando das aeronaves foi realizado pelo Su-57″, disse um dos interlocutores da agência.

Outra fonte de defesa confirmou à TASS a natureza dos testes e explicou que, na ordem de batalha, que os pilotos chamam de “rebanho” ou “enxame”, as informações são trocadas entre os caças em tempo real: o sistema de controle de informações de cada aeronave processa automaticamente os dados dos seus próprios sensores e sensores de outras aeronaves.

Fontes explicaram que o uso de um “enxame” operando em um único espaço de informações aumenta significativamente a eficiência das missões de combate. Os interlocutores não mencionaram a data e o local do experimento.

Como observou o principal especialista militar russo, editor-chefe Viktor Murakhovsky da revista Arsenal da Pátria, esses testes são importantes em termos de construção de um sistema de informação unificado para as forças armadas. “Trabalhar na interação em uma ordem geral de batalha (em um “enxame”) é importante.

No futuro, as informações de todos os sensores de aeronaves, bem como de sistemas de defesa aérea, de satélites e de equipamentos terrestres devem entrar em um único sistema que criará um único campo de informações para terra, ar e espaço. E nele, com o apoio da inteligência artificial, a distribuição do trabalho de combate, inclusive para a aviação, ocorrerá”, explicou o especialista.

Ele acrescentou que iniciativas semelhantes estão sendo realizadas pelos Estados Unidos da América, em particular para seus caças F-35. Ao mesmo tempo, disse Murakhovsky, até agora nem a Rússia nem os Estados Unidos conseguiram construir um sistema de informação único para gerenciar todos os tipos de forças devido a dificuldades em criar um formato de dados único para diferentes tipos e ramos das forças armadas.

Cockpit do Su-57

FONTE: TASS

Caças Su-57 russo e TF-X turco podem se tornar concorrentes no mercado global de armas

31
Caça Sukhoi Su-57

MOSCOU – Os caças Su-57 russo e TF-X turco de quinta geração podem se tornar concorrentes em potencial se entrarem no mercado global de armas, disse Dmitry Shugayev, chefe do Serviço Federal de Cooperação Técnico-Militar (FSMTC).

“Não podemos descartar a possibilidade de que, em perspectiva, quando nossos parceiros turcos criarem seu caça nacional TF-X, e se essa máquina e nosso Su-57 entrarem no mercado global de armas, eles poderão se tornar concorrentes. Essa é uma realidade normal, estamos sempre prontos para uma competição saudável no jogo justo com as regras “, disse Shugayev em entrevista ao canal de TV turco Ekoturk no início desse mês.

O caça Su-57 de quinta geração é destinado à eliminação de todos os tipos de alvos aéreos, terrestres e marítimos. O avião apresenta velocidade de cruzeiro supersônica, baias internas para armas, pintura com absorção de ondas de radar e o mais novo complexo de equipamentos a bordo.

O TF-X é um projeto de um caça de quinta geração, desenvolvido pela empresa aeroespacial turca TAI como substituto dos aviões F-16 dos EUA. Em novembro de 2017, o então ministro da Defesa da Turquia, Nurettin Canikli, observou que, enquanto várias nações, incluindo o Reino Unido, estão envolvidas no projeto, a Turquia projetou o avião de forma a não depender em última análise de qualquer nação ou empresa estrangeira.

TAI TF-X
TAI TF-X

FONTE: TASS

China vai voar caça de ‘nova geração’ no próximo ano

33
Shenyang FC-31

Em uma publicação em sua conta de mídia social em 29 de junho, o Chinese Aeronautical Establishment divulgou que um caça de “nova geração” fará seu primeiro voo no próximo ano.

O artigo dizia que seu pessoal foi enviado ao Shenyang Aircraft Design Institute ou 601 Institute e ao 29th Research Institute of the China Electronics Technology Group Corporation (CETC) durante a COVID-19 para apoiar o trabalho de desenvolvimento da aeronave.

A aeronave poderia ser uma nova variante de uma estrutura existente ou um projeto totalmente novo. No entanto, é de notar que, se fosse um novo design, teria sido escrito como 新型 em mandarim.

FONTE: Alert5.com

Concepção artística do FC-31 navalizado
Concepção artística do FC-31 navalizado

NOTA DO PODER AÉREO: Levando-se em conta informações disponíveis em fóruns na Internet, o caça de nova geração poderia ser a versão naval do caça furtivo Shenyang J-31/FC-31.

Embraer entrega novo Phenom 300E dentro do cronograma

18

Melbourne, EUA, 29 de junho de 2020 – A Embraer anunciou a primeira entrega do novo e aprimorado Phenom 300E, jato single-pilot mais veloz e com maior alcance do mundo, capaz de atingir Mach 0,80, para o Dunham & Jones, P.C., escritório de advocacia do Texas (EUA).

O escritório, que já possui um Phenom 100EV, recebeu o aprimorado Phenom 300E na semana passada, durante cerimônia realizada no Centro Global de Clientes da Embraer em Melbourne, na Flórida (EUA).

“Esta entrega especial aos nossos amigos do Dunham & Jones é uma prova do nosso compromisso contínuo em fornecer a melhor experiência aos nossos clientes”, disse Michael Amalfitano, Presidente & CEO da Embraer Aviação Executiva. “Estamos honrados em ajudá-los a aumentar sua frota Embraer com o jato leve mais vendido do mundo por oito ano consecutivos, agora ainda melhor no que diz respeito a tecnologia, conforto e desempenho para garantir sua posição de líder na indústria.”

“Nossos clientes confiam nos advogados da Dunham & Jones para obter atendimento personalizado e individual e a aviação executiva é o que torna isso possível”, afirmou Paul Dunham, Diretor da Dunham & Jones, P.C. “A velocidade, o custo operacional e a confortável pressurização da cabine do novo Phenom 300E certamente foram fatores decisivos em nosso processo de seleção, assim como nossa experiência excepcional com o Phenom 100EV.”

A tecnologia incomparável, conforto excepcional e desempenho impressionante do Phenom 300E redefinem o padrão para a categoria de jatos leves. A aeronave recebeu melhorias tecnológicas, incluindo uma atualização da aviônica com um sistema de alerta e prevenção de saídas de pista (ROAAS), sendo a Embraer a primeira fabricante na Aviação Executiva a desenvolver e certificar uma tecnologia do tipo, além de proteção contra o fenômeno tesoura de vento (windshear), modo de descida de emergência, PERF, TOLD, FAA Datacom e muitos outros sistemas. O Phenom 300E também oferece conectividade 4G via Gogo AVANCE L5 com cobertura no território Norte-Americano.

Entre os novos recursos que aumentam o conforto do Phenom 300E, está uma cabine ainda mais silenciosa, mais espaço para as pernas no cockpit, além de uma nova opção de configuração de interior com acabamento premium, conhecida como Bossa Nova. Em termos de desempenho, o novo Phenom 300E é ainda mais rápido, capaz de atingir Mach 0,80 e velocidade máxima de cruzeiro de 464 nós (859 km/h) e um alcance de 2.010 milhas náuticas (3.724 km) com cinco ocupantes nas condições de reserva NBAA IFR.

O Phenom 300 está em operação em mais de 30 países, tendo acumulado mais de um milhão de horas de voo. É o jato leve mais entregue no mundo por oito anos consecutivos, acumulando mais de 540 entregas desde sua entrada no mercado, em dezembro de 2009.

Sobre o Phenom 300E

O Phenom 300E está entre os melhores jatos single-pilot, com velocidade máxima de cruzeiro de 464 nós (859 km/h) e um alcance de 3.724 quilômetros (2,010 milhas náuticas) nas condições NBAA IFR. Com a melhor performance de subida e desempenho de pista da sua classe, o Phenom 300E tem custos de operação e de manutenção menor do que seus concorrentes. A aeronave voa a uma altitude de 45 mil pés (13.716 metros), propulsionada por dois motores Pratt & Whitney Canada PW535E1, com 3.478 libras de empuxo cada.

O Phenom 300E oferece uma cabine espaçosa com o DNA de design da Embraer e um dos maiores bagageiros de sua categoria. As maiores janelas de sua classe proporcionam luz natural abundante na cabine e no toalete. O conforto dos assentos, com capacidade de reclínio e amplo movimento é acentuado pela melhor pressurização de cabine entre os jatos leves (altitude máxima de 6.600 pés). O Phenom 300E oferece zonas de temperatura distintas para pilotos e passageiros, uma ampla galley, opções de comunicação de voz e de dados e um sistema de entretenimento.

A cabine de comando, equipada com o avançado sistema Prodigy Touch Flight Deck, permite operação single-pilot. Os recursos que a aeronave inclui, e que são tipicamente encontrados em categorias superiores, são ponto único de reabastecimento, manutenção externa do toalete e uma elegante escada.

Sobre a Embraer Aviação Executiva

A Embraer é uma empresa global que tem revolucionado com ousadia e consistência o setor de aviação – e o faz desde a sua criação, há mais de 50 anos – oferecendo produtos e soluções inovadores que permitem a seus clientes apresentar um desempenho superior. A divisão de jatos executivos oferece a melhor experiência em aviação executiva por meio de aeronaves com desempenho, conforto e tecnologia disruptivos. Seu portfólio é formado pelo jato entry-level Phenom 100EV, o jato leve Phenom 300E, o jato médio Praetor 500 e o jato supermédio Praetor 600. A frota da Embraer Aviação Executiva ultrapassa 1.400 aeronaves, composta por modelos projetados especificamente para esse segmento e produtos derivados que operam em mais de 70 países e que contam com uma ampla rede de suporte ao cliente altamente reconhecida. Para mais informações, visite executive.embraer.com.

DIVULGAÇÃO: Embraer

Coreia do Sul comprará mais aeronaves AEW&C no exterior

25
Boeing 737 Peace Eye

A Coreia do Sul aprovou um plano no dia 26 de junho para comprar mais aeronaves de alerta antecipado e controle aéreo (AEW&C) no exterior, como parte dos esforços para reforçar suas capacidades de vigilância aérea, disse a agência de compras de armas.

Segundo o plano aprovado pela reunião do comitê de promoção do projeto de defesa, o país lançará o projeto no próximo ano para introduzir mais aeronaves do exterior até 2027, em vez de desenvolver uma em casa, com um orçamento de 1,59 trilhão de won (1,32 bilhão de dólares), segundo Administração do Programa de Aquisição de Defesa (DAPA).

Os militares estão pressionando para comprar mais dois aviões de alerta antecipado. Atualmente, a Força Aérea opera quatro aeronaves Peace Eye baseadas no Boeing 737 desde 2011.

“O projeto visa combater melhor as crescentes ameaças à segurança dos países vizinhos e minimizar possíveis vazios de vigilância”, disse uma autoridade da DAPA.

A aeronave AEW&C equipada com sistemas avançados de radar foi projetada para detectar aeronaves e outros veículos a longas distâncias e conduzir o comando e controle do campo de batalha em um combate aéreo, direcionando ataques de jatos de combate.

O comitê também aprovou um projeto para garantir aeronaves de reconhecimento avançadas Baekdu. O plano será colocado entre 2021 e 2026, com 870 bilhões de won, de acordo com o DAPA.

Equipados com um sistema de controle remoto e sinalização, os aviões espiões Baekdu devem realizar missões para coletar informações de inteligência da Coreia do Norte.

Atualmente, os militares operam seis unidades e procura substituir quatro por avançadas, segundo o DAPA.

“Depois de comprar plataformas no exterior, equiparemos elas com sistemas autóctones”, disse uma autoridade da DAPA. “Espera-se que as unidades atualizadas melhorem nossos recursos SIGINT”.

Em um plano separado também aprovado na sexta-feira, a Coreia do Sul decidiu adquirir jatos de treinamento TA-50 Block 2 a partir deste ano até 2024, com um orçamento de cerca de 1 trilhão de won, em consonância com o aumento da demanda da Força Aérea para treinar pilotos.

O jato Block 2 é a versão atualizada da aeronave TA-50, que agora está em serviço.

FONTE: Korea Herald

Mais um Gripen E no Programa de Ensaios em Voo

45
Saab Gripen E 6004
Saab Gripen E 6004

Mais uma aeronave Gripen E começou a participar do Programa de Ensaios em Voo realizando testes táticos com os sistemas de bordo.

A Saab está se preparando para expandir o programa para incluir o Centro de Ensaios em Voo do Gripen no Brasil.

Agora são sete aviões Gripen E no programa de testes. No momento, o período é de intensa expansão de envelope com testes táticos dos sistemas de bordo, como o radar, IRST e de guerra eletrônica.

Confira no vídeo abaixo os detalhes e etapas desse processo e quais são os próximos passos do Programa.

Caça Saab Gripen E avança nos testes de radar

36

A conta do Twitter da Saab na Finlândia informou que o caça Gripen E nos últimos meses fez grandes avanços.

Um dos testes bem sucedidos foi o de radar e sensores no norte da Suécia, durante os quais a capacidade do equipamento de detectar aeronaves de pequeno porte foi verificada.

Desenvolvido especialmente para o Gripen E pela SELEX Galileo (atual Leonardo Electronics Division), o novo radar AESA Raven ES 05, de varredura eletrônica ativa, utiliza a tecnologia “swashplate”, um mecanismo rotatório que aumenta a área de cobertura lateral do radar para além dos 90º (ver gráfico abaixo).

Os radares AESA são constituídos de muitos elementos diminutos de antena, montados de maneira a formar uma grande antena. Cada um destes elementos pode ser controlado individualmente, viabilizando as diversas novas funções.

Radar AESA Raven ES-05 e sobre ele o IRST

Além do radar AESA, o Gripen E é dotado de um sistema IRST de busca e rastreio por infravermelho Skyward-G,  fabricado também pela Leonardo Electronics Division. Como os sistemas similares, o Skyward-G fornece uma funcionalidade semelhante a um radar, mas sem emitir radiação eletromagnética, fornecendo uma ampla funcionalidade de busca e rastreio, com alta discrição.

Outro equipamento da Leonardo presente no Gripen E é o sistema de identificação amigo ou inimigo (IFF) com três arranjos de antenas orientáveis eletronicamente, que coincide com o alcance do radar e campo de visão.

Integrados, os três sistemas (radar, IRST e IFF) sinalizam um ao outro automaticamente e, por fusão de dados com o novo sistema de guerra eletrônica Arexis, fornecem ao piloto uma única imagem com as informações precisas, permitindo o compartilhamento desses dados com outros caças Gripen via link.

Para conhecer mais detalhes técnicos do radar Raven ES 05, clique aqui.