Em um grande esforço para introduzir sistemas de armas desenvolvidos localmente, a Força Aérea Indiana moveu uma proposta no valor de mais de Rs 1.400 crore (US$ 171,4 milhões) ao governo para adquirir mísseis antirradiação Rudram de próxima geração (NGARM) para buscar e destruir sistemas de radar inimigos, informou a defesa.

“Uma proposta de aquisição de mísseis avançados desenvolvida pela Organização de Pesquisa e Desenvolvimento de Defesa está com o Ministério da Defesa e uma reunião de alto nível em breve será convocada”, disseram autoridades de defesa à ANI.

Os mísseis antirradiação de próxima geração já foram testados pela Força Aérea Indiana em sua frota de caças Sukhoi Su-30 e podem destruir sistemas de radar inimigos durante conflitos, disseram eles.

O NGARM pode ser disparado de caças da IAF como o Sukhoi Su-30 e o Mirage 2000.

O NGARM é o primeiro míssil antirradiação desenvolvido na Índia que tem uma velocidade de Mach 2, ou duas vezes a velocidade do som.

O míssil antirradiação tático ar-superfície é equipado com uma cabeça passiva que rastreia fontes de radiação de uma ampla gama de frequências. Ele pode travar em um alvo não apenas antes do lançamento, mas também depois de ter sido lançado.

A indução do NGARM seria um grande impulso para a Força Aérea Indiana, pois ajudaria a força a se preparar para futuras guerras com sistemas de armas autóctones.

Recentemente, o marechal-chefe do ar VR Chaudhari afirmou que, com base nas lições aprendidas na guerra Ucrânia-Rússia, a Força Aérea Indiana estaria se concentrando na introdução de armas ‘made in India’.

FONTE: Business Insider India

Subscribe
Notify of
guest

32 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Willber Rodrigues

“Recentemente, o marechal-chefe do ar VR Chaudhari afirmou que, com base nas lições aprendidas na guerra Ucrânia-Rússia, a Força Aérea Indiana estaria se concentrando na introdução de armas ‘made in India’.”

Ou seja, a Índia está vendo o desempenho dos equipamentos de seu principal fornecedor em condições reais de batalha, não está gostando do resultado, e está acelerando o “made in India”

André Macedo

Mas só agora perceberam, depois de décadas utilizando equipamento russo? Se fosse isso, seria irresponsabilidade dos indianos.

Jagderv#44

Na realidade, até hoje, o mau desempenho das geringonças russas era atribuído aos operadores (africanos, árabes, persas e etc.). Agora, com a guerra de alta intensidade na Ucrânia, pode-se avaliar a precariedade dos equipamentos.

Velho Alfredo

É que guerra é guerra e treino é treino.

Inimigo do Estado

Creio que o problema seja mais a questão das sanções, que dificultaria o acesso às armas russas, do que a qualidade das mesmas. Lembre-se que até os sul-coreanos desenvolveram armas juntos com os russos. As armas russas foram muito bem empregadas na Síria, se não foram bem empregadas na Ucrânia é outra história.

Guacamole

Parabéns India.
Desenvolvendo a capacidade da nação usando tudo localmente.

Carlos Campos

muito bom, as defesas aérea da China e do Paquistão mesmo sendo boas sofreram bastante em um conflito.

leandro

e pensar que o MAR-1 ficou pronto antes e não equipa nossas aeronaves…

Marcelo

Se aqui no brasil as coisa fossem levadas a sério ja teria projetado o missil Mar-1 de segunda geração !!!
Mais é aquela história,o brasil nao é para amadores !!!

gordo

De segunda geração, já integrado a um drone e com uma versão disparada da superfície. O pior já tinha sido feito, mas existem outras prioridades em nossas FAs.

Guacamole

O MAR-1 nunca ficou tecnicamente pronto pois sofria de distribuição de peso e a Mectron (na época ainda pertencia a Odebrescht) estafa fazendo o míssil sem ter sido solicitado pela Força Aérea.
Quando viram que ia ser gasto ainda mais dinheiro sem certeza de compras, cancelaram o projeto.
O míssil em si nunca ficou pronto. Nem sequer data para fazer testes oram marcados.

Teropode

Tá, isto não exime o Estado de culpa e , desconheço uma arma que fica pronta instantaneamente, é pra isso que existem os testes de protótipos, para corrigir , calibrar ! O ponto é : O Brasil perdeu a chance de ter uma arma de valor estratégico autóctone.

JS666

Eu acho o MAR-1 o maior mistério da história da nossa indústria, supostamente não foi finalizado e mesmo assim foi exportado, e se encontra em operação por uma força aérea estrangeira (Paquistão).

Maurício Oliveira

Venderam maquetes para o Paquistão?

Marcelo

O que nao falta é comprador para missil antirradiação !!!
O Paquistão comprou esse missil que vc diz que nunca ficou pronto em Grande quantidade !!!

Leandro

Sério? E o tal lote paquistanês?lenda urbana?

João Fernando

Teve teste sim, na época conversava com um engenheiro do projeto. Estavam com dificuldades na hora da aproximação final, com a perda do sinal.

Allan Lemos

Pode ter certeza que os passadores de pano têm alguma desculpinha.

Teropode

Eu diria os internacionalistas ….

Teropode

Pensei nisto também e desisti de tentar entender a nossa falta de visao estratégica !

Nonato

O problema é o inimigo colocar diversos radares pequenos para servir de chamariz.

Teropode

Opa , então é melhor utilizar apenas paus e pedras !

João Fernando

Sim, o teste da Mectron usavam válvulas de forno de micro-ondas como alvo. Andei trocando esquemas de transmissores

Nostra

RudraM1 (NGARM) is the 1st in the RudraM family of Anti Radiation Missiles

MMW seeker + PHH seeker + INS-GPS

Range 200km

FfZt9flaEAARE5B.jpeg
Nostra

Development of RudraM1 completed

Last edited 2 meses atrás by Nostra
Nostra

RudraM2 is the 2nd in the RudraM family of Anti Radiation Missiles

IIR seeker + PHH seeker + INS-GPS

Range 330km

FfcaFzYVUAEWo9P.jpg
Nostra

RudraM3 is the 3rd in the RudraM family of Anti Radiation Missiles

MMW seeker + PHH seeker + laser altimeter terrain matching navigation system + INS-GPS

Range 550km

IMG_20221018_122739_552.jpg
Nostra

RudraM2 and RudraM3 under different stages of development

RudraM2 and RudraM3 are dual purpose and include anti surface variants

Last edited 2 meses atrás by Nostra
Nostra

Also there is STAR (Supersonic Target Ramjet)

Possible anti radiation variants :

Anti AWACS air to air missile
Anti radiation air to ground missile

15636360_fv8qhuiuuaajbs5_jfif_jpegce14f64ea844630f417e7ec893509202.jpeg
Foxtrot

A diferença de uma força aérea realmente com visão estratégica de um importadora, cega e míope.
Parabéns Índia.

Wellington Góes

Se existe algo bom nessa troca de governo que se avizinha, é a troca desse comando ineficaz e ineficiente da FAB… Já vão tarde!!!
De repente se retoma o MAR-1

Foxtrot

Assino em baixo.
Militares que serviram de marionetes para político incompetente e burro.
Se nossos militares aprendessem alguma coisa com o passado jamais teriam apoiado o Bisonho. Foi péssimo sub oficial, terrorista (pois ameaçou colocar bombas em quartéis) etc.
Mas depois de tantas regalias que ele deu para o oficialato, da para entender o apoio.
Que vergonha !