quarta-feira, novembro 30, 2022

Gripen para o Brasil

Caças Gripen tchecos retornam da missão da OTAN após seis meses de implantação na Lituânia

Destaques

Redação Forças de Defesa
Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

Os caças Gripen da Força Aérea Tcheca, que operaram na Lituânia por seis meses, pousaram no dia 30 de setembro, em sua base aérea em Čáslav, na República Tcheca. De 1 de abril ao final de setembro, o espaço aéreo da Lituânia, Letônia e Estônia foi protegido pela Força Aérea Tcheca como parte do Sistema Integrado de Defesa Aérea e de Mísseis da OTAN

Às nove horas da manhã, o comandante do Grupo-Tarefa do Exército da República Tcheca na missão aprimorada de Policiamento Aéreo 2022, tenente-coronel Michal Daněk, entregou a tarefa operacional aos membros da Força Aérea Polonesa na Lituânia base Aérea. A força-tarefa tcheca vem protegendo o espaço aéreo dos estados bálticos, que não possuem sua própria força aérea supersônica. Imediatamente após a entrega da tarefa, as aeronaves tchecas JAS-39 Gripen decolaram de sua base operacional temporária na base da força aérea de Šiauliai na Lituânia e foram para casa em Čáslav.

“Concluímos com sucesso nossa sétima missão no exterior. Apesar de durante seu curso a missão ter sido estendida de quatro para seis meses a pedido do governo lituano, concluímos com sucesso a tarefa”, disse o general de brigada Jaroslav Míka, comandante do 21ª Base Aérea Tática.

Mais de 40 acionamentos para interceptação

Durante os seis meses no Báltico, a Força Aérea Tcheca realizou mais de quatro dezenas de acionamentos de interceptação, chamados de “Alpha Scramble”, e passou centenas de horas de voo no ar, o que comprova a alta disponibilidade dos caças Gripen e sua contínua prontidão para salvaguardar o espaço aéreo do flanco oriental da OTAN. Os caças Gripen tchecos também estavam estacionados em abrigos móveis, sem a necessidade de infraestrutura permanente. Notavelmente, a Força Aérea Tcheca precisava de menos pessoal de apoio do que outras forças aéreas que conduziam as mesmas missões BAP.

Além dos acionamentos para interceptar vários tipos de aeronaves que não se comunicavam com o controle de tráfego aéreo ou não possuíam planos de voo ou transponders ativados, os pilotos cumpriram muitas missões de treinamento com parceiros da aliança, não apenas no Báltico, mas também em o território da Suécia e da Polônia, por exemplo. Durante esses voos, os caças tchecos cooperaram não apenas com aeronaves, mas também com meios navais e unidades terrestres.

No entanto, alguns caças Gripen permanecem no Báltico, pois em 1º de setembro a Força Aérea Húngara iniciou sua própria missão da OTAN no Báltico, o que significa que a presença do Gripen no espaço aéreo do flanco leste da OTAN continua.

FONTE: Saab

- Advertisement -

3 Comments

Subscribe
Notify of
guest

3 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Camargoer.

Olá Colegas. Eu gosto muito desta pintura na qual os indicativos usam tons de cinza de baixa visibilidade, ao invés do uso de símbolos em preto como faz a FAB. Neste contexto, gosto muito mais da pintura dos velhos A4M da MB do que dos novos F39E da FAB. Os tchecos possuem apenas um esquadrão de F39C alugados que provavelmente serão substituídos por novos F35 até 2027. Enfim, será a oportunidade para alguma força aérea pequena passar a operar este esquadrão de F39 (a não ser que estas células tenham atingido o limite de vida útil).

Jonathan Pôrto

Interessante o tempo padrão de 15 minutos pra decolar é mantido pra qualquer interceptação!

Rinaldo Nery

No Brasil é menos… Período Alfa.

Últimas Notícias

Caça Gripen E recebe o Certificado de Tipo Militar

A obtenção de um certificado de tipo militar para um avião de caça é algo único. Um marco que...
Parceiro

LAAD 2023

- Advertisement -
- Advertisement -