Comandante da OTAN aumenta previsão para 550 caças F-35 na Europa até 2030

Os F-35 na Europa Oriental têm realizado algumas missões “elegantes” de inteligência, vigilância e reconhecimento como parte da resposta da OTAN à invasão da Ucrânia pela Rússia, disse o chefe do Comando Europeu dos EUA aos legisladores em 30 de março – e ele espera que a presença do caça no continente se expanda dramaticamente até o final da década, superando as previsões anteriores.

O general da Força Aérea Tod D. Wolters, que também atua como Comandante Supremo Aliado da OTAN na Europa, acrescentou aos membros do Comitê de Serviços Armados da Câmara que a entrega de mais F-35s à Europa, seja como parte da Força Aérea dos EUA ou para outros nações, é “crítico”.

“Eles proporcionarão uma tremenda melhoria em nossa capacidade estratégica, em indicações e alertas, comando e controle e comando de missão, como já demonstrado pelos F-35 dos EUA que estão contribuindo na missão de segurança e dissuasão neste momento”, disse Wolters.

Em meados de fevereiro, pouco antes do início do ataque da Rússia à Ucrânia, os EUA enviaram F-35s da Base Aérea de Hill, Utah, para a Base Aérea de Spangdahlem, Alemanha, para melhorar a postura de defesa da OTAN. Esses jatos foram posteriormente enviados para a Romênia e a Polônia para reforçar o flanco leste, chegando em 24 de fevereiro.

F-35A

Na época, as Forças Aéreas dos EUA na Europa disseram que seis dos caças de quinta geração estavam sendo desdobrados. Mais de um mês depois, Wolters disse ao Congresso que quatro ainda estão sendo usados ​​na região, com grande efeito.

“Os F-35A dos EUA, os quatro que temos agora, estão em uso e têm sido muito eficazes em algumas atividades elegantes de ISR. E isso apenas nos revela quanta capacidade maior teremos quando colocarmos nossa frota completa a bordo”, disse Wolters.

A USAF desdobrou mais F-15 e F-16 para a Europa Oriental durante esta crise, mas o desempenho dos F-35 está sendo observado de perto por muitos — o Sen. Jack Reed (D-R.I.), presidente do Comitê de Serviços Armados do Senado, disse que seu sucesso pode contribuir muito para aumentar sua confiança no programa.

Wolters recusou mais discussões sobre a importância das capacidades do F-35 na Europa para um cenário secreto em 30 de março, mas parece cada vez mais provável que o caça desempenhe um papel fundamental na defesa futura do continente.

Em junho de 2021, Wolters previu durante uma discussão do Conselho do Atlântico que, até 2030, poderia haver 450 F-35s na Europa. Desde então, a Finlândia e a Alemanha disseram que também comprarão o caça, juntando-se aos EUA, Bélgica, Dinamarca, Itália, Holanda, Noruega, Polônia, Reino Unido e Suíça como nações e parceiros europeus que começaram a colocar em campo o F-35 ou tem planos de fazê-lo.

A resposta à agressão russa ajudou a impulsionar essa demanda, e Wolters disse ao HASC que estava aumentando sua previsão.

“A disposição das nações da OTAN em relação ao F-35 está crescendo dramaticamente”, disse Wolters. “E nossa esperança é que tenhamos 100 no continente agora e prevemos em 2030, crescendo para 550, e essa é uma boa frota.”

Questão sobre o MiG-29 levantada novamente

Enquanto Wolters elogiava as capacidades que o F-35 foi capaz de oferecer durante a recente crise, ele parecia menos otimista quando se tratava de uma questão que vários representantes levantaram – a transferência de MiG-29 soviéticos da Polônia para a Ucrânia, usando os EUA como intermediário.

A ideia, apresentada pela Polônia há várias semanas, foi rapidamente derrubada pelo Pentágono, que disse não considerar a proposta “sustentável”.

Desde então, no entanto, um grupo bipartidário de legisladores pressionou pela transferência, que a Ucrânia pediu.

A questão foi levantada mais uma vez por republicanos e democratas no painel do Congresso, e Wolters reiterou que seu melhor conselho militar foi para os EUA não enviarem jatos para a Ucrânia.

“Isso remonta à eficácia da missão militar ponderada contra o erro de cálculo estratégico, para garantir que você leve em consideração a proteção dos cidadãos da Ucrânia, bem como os cidadãos da periferia. Portanto, todas essas variáveis ​​precisam entrar em jogo”, disse Wolters.

FONTE: Air Force Magazine

Subscribe
Notify of
guest

51 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Fábio

Quem compra sabe a maquina poderosa que está adquirindo, países que levam sua defesa a sério investem e compram o melhor.

Palpiteiro

A pergunta seria, para combater qual ameaça? Qual o número de Su57 em 2030?

Bruno Vinícius

Combater os caças de 4ª geração mesmo. É sempre bom ter a vantagem qualitativa numa guerra..

Palpiteiro

Vale mais a pena investir em avião de quinta geração para usar bombas burras ou comprar munição inteligente para usar nos aviões de quarta geração?

Bruno Vinícius

Os países que compram o F-35 dificilmente tem de escolher entre um ou outro.

Tadeu Mendes

A sua pergunta e’ boa. Acho que depende de aonde voce quer despejar a suas bombas. Em que TO voce vai empregar aeronaves de quinta o de quarta geracao ++.

Quem sabe ate mesmo os F-5 da FAB carregado com bombas inteligentes, poderia fazer um estrago consideravel nas tropas inimigas ou dentro do territorio inimigo.

Tadeu Mendes

Voce tocou em um ponto neuvralgico da Russia. A capacidade de produzir o SU 57 em escala, representa um serio obstaculo a ser superado. A Russia nao possui a capacidade gerencial, nem a competencia tecnica, e muito menos a infraestrutura para introduzir manufatura avancada nas suas linhas de montagem. Basta dar uma olhada na linha de montagem dos F-35 da Lockheed Martin no Texas. Com um comprimento 1 milha (1.6 kilometros); e uma producao de 200 F-35 por ano, nao existe lugar nenhum do mundo capaz ou nem mesmo chegar perto da taxa de producao dessa compania. Tenho que acrescentar… Read more »

Last edited 10 meses atrás by Tadeu Mendes
Chris

Parece que a intenção do Putin de afastar a OTAN, deu no contrário.

Ele pode ganhar um territorio todo destruido. crise econômica daquelas, muitas armas a menos e a OTAN ali na fronteira armada ate os dentes.

Mas o orgulho vai dizer que é vitória ! Kkk

Last edited 10 meses atrás by Chris
Nelson Junior

E agora em ABRIL a Suécia e a Finlândia vão se reunir para decidir pela adesão a OTAN…
O “tiro saiu pela culatra” que fala ?

André Sávio Craveiro Bueno

OS EUA criaram essa aeronave para ser a espinha dorsal deles e da OTAN. Se ela entregar muito do que promete, então esses países estarão em “boas asas”. Se não, estarão em grave problema e sem solução no médio prazo.

André Sávio Craveiro Bueno

Lembrando que todo avião pode falhar por si só, não ser bem empregado ou sua tripulação ser pega de surpresa. Só saberão o verdadeiro desempenho em combate real. Os militares que o operam saberão, nós possivelmente não.

Thiago A.

Não vejo um grave problema no médio prazo para as forças aéreas européias em questão de números e qualidade na aviação de caça . * Na França só na Armèe de l’air são mais de 100 RAFALEs – a encomenda total, se não me falha a memória, é de 180 unidades. * Alemanha. A Luftwaffe tem uns 140 Typhoons atualmente . * A RAF tem uns 120 Typhoons . * Na Italia, só de Typhoons a AMI deve ter mais de 80. * Espanha, só os Typhoons devem ser por volta das 70 unidades. … Apenas essas forças aéreas ,… Read more »

Henrique

Sim, no ar eles são bem superiores. A verdade é que os russos hoje são uma sombra do que era a URSS. Quero fizer, eles lançam foguetes de caças supersônicos em pleno século XXI, cometem erros crassos e não são capazes de subjugar uma nação muito mais fraca, dependem da força bruta e burra.

André Sávio Craveiro Bueno

Sim, correto. Porém, os caças de 5a geração são o passo adiante e aqueles, teoricamente, capazes de mudar o jogo. Se eles “funcionarem”, o jogo será mais “simples”, caso contrário, nem tanto.

Satyricon

Então vejamos: antes da guerra a Rússia havia encomendado 76 unidades do Su-57, que seriam entregues até 2026. Isso se:
1) Conseguirem concluir o desenvolvimento de novo motor;
2) Sobrar alguma coisa da economia russa;
Portanto, mesmo que tudo corra perfeitamente (o que é altamente improvável, dadas as circunstâncias), cada unidade de Su-57 será confrontada por 6,5 unidades do F-35, apenas considerando-se as forças européias.
Mas, SE considerarmos a frota dos americanos (por volta de 1200 unidades), a proporção passa para 23×1.
É, pensando bem, Adolf Putin é realmente um gênio incompreendido…

Tadeu Mendes

kkkkkkkkkkkkkk. A OTAN ja era foda antes da aventura russa na Ucrania, mas o Putin acabou de provocar outra corrida armamentista contra um adversario temivel e praticamente invencivel.

O genio se deu mal.

Marcelo M

A China somente conseguirá o protagonismo político e militar almejado em 2050 se o ocidente se mostrar incapaz de união. A Europa, EUA, e demais forças democráticas, agindo em uníssono, como o fazem agora na crise na Ucrânia, serão um formidável adversário para a China do futuro. Mesmo que todos os planos do Partido Comunista se consolidem até lá.

Antoniokings

2050?
Tá maluco?
Já tem a maior economia do Mundo, a maior base industrial e as maiores Forças Armadas.
Já era para os EUA.

ERIVELTON

Não creio que já era para os EUA: Tem grande capacidade de atrair imigrantes; gigantesco potencial energético; são uma “ilha” impossível de serem invadidos ou bloqueados; gigantesco potencial tecnológico; gigantesco potencial agrícola. Numa guerra geral contra a China, bastaria um bloqueio nos seus fornecedores de alimentos para esta entrar em colapso. Porém acredito que a longo prazo o destino da China é a democracia e uma cada vez maior ocidentalização, tornando-se parecida com o Japão de hoje. Uma civilização chinesa bem diferente do que foi historicamente até hoje. Enfim, não haverá inimigos ideológicos mas apenas concorrentes econômicos.

Tadeu Mendes

A Economia da China depende de quem compra. e o fato de possuir as maiores (em numeros de combatentes/buxa de canhao) forcas armadas do mundo para fazer o que? Invadir Taiwan? So se for?

Voce continua comentando sobre um tema que voce desconhece totalmente.

Quanto maior for o numero de soldados a serem combatidos, maior sera o tamanho do cinzeiro radioativo.

Segatto

Creio que as ideias de um mundo unipolar ou bipolar acabaram. EUA e China caminham para se manterem como as 2 superpotências enquanto mais um punhado de grandes potências se manterão ou mesmo surgirão, voltaremos ao mundo multipolar anterior, mas ao invés do concerto da Europa, será o concerto mundial; Brasil bem poderia conseguir seu lugar ao Sol, mas bem sabemos da qualidade dos recursos humanos daqui que minam todo o resto

Tadeu Mendes

Comecando por alguns que comentam por aqui, da para entender que a a qualidade dos recursos humanos deixa muito a desejar.

Devemos considerar tambem o aspecto Etico e humano, porque aqui tem gente torcendo pela carnificina e genocidio contra o povo ucraniano.

Que povinho abominavel e desprezivel e’ esse,; torcendo pelo massacre de uma civilizacao pacifica, e pela destruicao de cidades inteiras.

Rogério Loureiro Dhiério

Somente este número ai segura a Rússia em caso de necessidade. Más números não abatem outras aeronaves, todos sabemos que dependem de inúmeras outras vertentes um cenário de combate aéreo.

Más cá entre nós.

O F35 pode ter lá o “probrema” que for, más que tá dominando o cenário aéreo tá.
Não para de chover pedido. O último foi o Canadá.

Quem será o próximo?

Antoniokings

Prezado.
Só vende para amigo.
Depois quero ver manter e repor os que vão caindo.
E não são poucos, não.

Bruno Vinícius

Só vendem para nações amigas porque quem tem o melhor produto do mercado pode se dar ao luxo de escolher para quem vende.

Amon Rá

Um lobista estadunidense vendendo seu peixe.

E sobre os MiG-29, a Polônia queria dar uma de esperta se livrando destes jatos antigos e forçando os eua a se comprometerem com entrega imediata dos jatos que compraram, furando a fila de outros países que estão na sua frente para recebê-los.

E como se sabe, estes MiG-29 não teriam onde operar na Ucrânia e os polacos mais uma vez espertamente queriam empurrar o espinhoso pepino para os alemães com seus aeródromos.
Além do fato de que os jatos teriam vida curtíssima frente aos SU-35 e S-400.

Victor Filipe

Os MiG-29 podem operar de rodovias como já teve filmagem mostrando eles fazendo isso.

Os S-400 não podem operar cobrindo todo o espaço aéreo Ucraniano. eles estão se mantendo dentro da Bielorussia e Russia.

Sendo operados de maneira inteligente os MiG-29 podem dar trabalho até para o Su-35 já que esse anda voando sem cobertura de AWACS porque essas aeronaves grandes se mantem longe pra evitar as baterias ainda vivas dos S-300 Ucranianos.

Tadeu Mendes

Nem os Su-35 e nem os S-400 foram capazes de abater helicopteros ucranianos que bombardearam um deposito de combustivel, dentro do territorio russso….kkkkkkkk.

Os russos nao esperavam por essa surpresa desgradavel, da parte de um inimigo que eles consideravam inferior e timidos. kkkkk

Gloria Ucrania.

Victor Filipe

550 Aeronaves furtivas é umas 500x mais a quantidade de aeronaves furtivas tem e provavelmente terá ate 2030

Segio

Estou desconfiado que o Sr. Putin é acionista da Lockheed…….rs
Com essa loucura toda, acho que os programas FCAS e TEMPEST sejam acelerados também.Vida longa ao F-35!!!!

John

Colocou o avião errado… 🤦‍♂️🤦‍♂️🤦‍♂️

Segio

Agora vai ….rs

Tadeu Mendes

Me pergunto se alguns F-35s estariam sobrevoando a Ucrania e a Bielorussia.

FABIO MAX MARSCHNER MAYER

Se o Putin for versado no mercado de ações, agiu para ficar bilionário!

Adriano Madureira

O CEO da Lockheed-Martin deve estar exultante com a operação militar especial de Putin…

Nada como um temor de guerra para aumentar as encomendas.

Tadeu Mendes

Business is business. Como dizem por aqui: Money talks, bullshit walks.

Gastaram bilhoes dolares e quase duas decadas entre projeto, o desenvolvimento, e a entrega.

Israel foi o primeiro pais a usar introduzir e usar os F-35 em ataques e provavelmente em air-to-ar enfrentamentos.

Agora a LM esta’ recebendo os lucros $$$$$ por sua aposta no projeto e na manufatura do F-35 Lightning II.

Congratulations.

Maurício.

“E nossa esperança é que tenhamos 100 no continente agora e prevemos em 2030, crescendo para 550, e essa é uma boa frota.”

É realmente uma boa frota, países como Sérvia, Líbia, Iraque e Síria que se cuidem…

Bruno Vinícius

Você esqueceu de adicionar a Rússia na lista

Maurício.

OTAN/EUA atacar a Rússia com o F-35? Já sei, é 1° de abril né? 😂

Tadeu Mendes

Ontem foi primeiro de Abril….e um deposito de combustivel foi bombardeado por “helicopteros ucranianos” dentro do territorio russo….kkkkkk .

Sei nao; mas isso esta’ cheirando a um ataque feito por um B-2, um F-22 ou um F-35.

Fabio Jeffer

A cada ano que passa a Europa fica mais e mais refém dos EUA

Leandro Costa

Pois é. Se tivessem se organizado e estreitando os laços econômicos com os Russos, digamos em sua política energética, não estariam refém de ninguém… Opa… Acho que não, né?

Tadeu Mendes

Amen.

Rocha

O gnomo vermelho é o vendedor do ano! Sem ganhar comissão! Capaz da Lockheed mandar-lhe uma miniatura de brinde, ou talvez uma plaquinha comemorativa.

FABIO MAX MARSCHNER MAYER

Uma das próximas versões do F-35 pode homenageá-lo: “F-35J Putin” .

Tadeu Mendes

kkkkkkkkk.

Nelson Junior

Ué mas esse “caça” não presta é cheio de problemas como é que vão aumentar a quantidade ???
Agora fiquei confuso

Tadeu Mendes

Pois e’ Nelson. Mas a verdade e’ que os criticaram o F-35, nao entendem porra nehuma e portanto nem sabem do que estao falando. Ai esta’ o resultado. kkkkkkk.

Last edited 10 meses atrás by Tadeu Mendes
FABIO MAX MARSCHNER MAYER

A guerra é, antes de tudo, um grande negócio para quem não está no front…

Tadeu Mendes

Com certeza.

Lana alves

Os americanos deveriam dar uma comissão para o Putin. As vezes de armas dos EUA estão explodindo. Que presente. Cara russo morto é um F-35 vendido.
O gnomo de Moscou ama os EUA.