terça-feira, janeiro 18, 2022

Gripen para o Brasil

Força Aérea Real Australiana dá adeus aos F/A-18A/B Classic Hornets

Destaques

Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

Após mais de 30 anos de serviço dedicado à Força Aérea Real Australiana, a frota australiana de F/A-18A/B Classic Hornets aposentou-se para dar lugar ao caça F-35A Lightning II de quinta geração.

Os poucos Classic Hornets que estavam em atividade – que têm sido empregados na defesa da nação desde 1985 – foram retirados de serviço. A cerimônia ocorreu no dia 29 de novembro na Base de Williamtown e contou com a participação do Ministro da Defesa, Hon Peter Dutton MP, o Chefe da Força Aérea, Marechal do Ar Mel Hupfeld, aviadores da força e parceiros da indústria.

As aeronaves pertenciam ao No. 75 Squadron, baseado em Tindal, perto de Katherine no Território do Norte; e foi o último esquadrão de Classic Hornet a mudar para o F-35A.

O marechal do ar Hupfeld, piloto de F/A-18A/B e instrutor de combate de caça, elogiou a capacidade extraordinária que os Classic Hornets proporcionaram ao poder aéreo australiano e a contribuição que eles deram em tantos teatros de combate.

“É bastante apropriado que no ano do Centenário da Força Aérea nós possamos nos despedir do Classic Hornet, um caça a jato que tem sido parte integrante da capacidade de defesa da Austrália por mais de três décadas”, disse ele.

“À medida que o tempo do Classic Hornet chega ao fim após quase 408.000 horas de voo no total, é hora de fazer a transição para a letalidade avançada, capacidade de sobrevivência e suporte entregues pelo F-35A Lightning II

O marechal Hupfeld também observou que o Classic Hornet foi uma aeronave especial para a Força Aérea e uma peça importante da história da aviação australiana.

“O primeiro desdobramento operacional do Hornet ocorreu entre novembro de 2001 e maio de 2002 sob a Operação Slipper, após os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001.

Aeronaves Hornet F/A-18A da Força Aérea Real Australiana voam em formação sobre a Base da RAAF em Tindal, Território do Norte

F/A-18A Hornet com pintura especial

“O governo australiano concordou em desdobrar os F/A-18A/B para proteger a principal base aérea da Força Aérea dos Estados Unidos na ilha de Diego Garcia, no Oceano Índico, que estava sendo usada para realizar operações no Afeganistão, disse o marechal Hupfeld.

“Em fevereiro de 2003, tive o privilégio e a honra de comandar pessoalmente o contingente de 14 Hornets e o pessoal do Esquadrão No. 75 que foi desdobrado no Iraque sob a Operação Falconer como parte da contribuição da Austrália para a guerra contra o terrorismo.

Este foi o primeiro desdobramento operacional de combate de caças australianos desde a Guerra da Coreia, e nossos aviadores e aeronaves tiveram um desempenho acima das expectativas.”

O Comandante da RAAF, Vice-Marechal Joe Iervasi, AM, CSC, também um experiente piloto de F/A-18A/B, refletiu sobre o emprego operacional mais recente do Classic Hornet e o futuro da capacidade de combate aéreo da Austrália.

“De 2014 a 2018, os esquadrões de F/A-18A/B Hornet foram desdobrados na Operação Okra como parte da Coalizão Global para derrotar o Daesh.

“Mais uma vez com desempenho acima das expectativas, na Okra, os Classic Hornets voaram em 1.937 missões, acumulando 14.780 horas de voo e lançando aproximadamente 1.600 munições”, disse o vice-marechal Iervasi.

“Embora eu esteja triste por ver esta incrível aeronave encerrar seu papel de sentinela dos céus australianos, é um momento emocionante para a Força Aérea ao entrarmos em nosso segundo século com o F-35A entregando poder aéreo de combate como parte de uma força conjunta em rede, para assegurar a capacidade da ADF de deter ou derrotar ameaças aos interesses da Austrália.”

F/A-18B Hornet

FONTE: Departamento de Defesa da Austrália

- Advertisement -

43 Comments

Subscribe
Notify of
guest
43 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Leandro Costa

Já foi definido o destino para essas aeronaves? Uma delas no MUSAL (que reabre agora no dia 7 de Dezembro) seria uma boa.

João Adaime

Caro Leandro
A Austrália deveria revisá-los e doar para o Timor Leste, como compensação pelas décadas em que explorou petróleo nas água territoriais deste país de língua portuguesa, enquanto era ocupado militarmente pela Indonésia.
E ainda oferecer suporte de graça como manutenção e treinamento. É o mínimo que a Austrália poderia oferecer pelos anos que surrupiou o petróleo timorense.
Abraço

Pedro Fullback

Pensamento pequeno em ter caças velhos como compensação. É a mesma coisa a Bolívia nos doar bananas.

elias

“Timor-Leste possui algumas características diferenciadas segundo as regiões geográficas. A norte predominam as atividades de pesca, o turismo e o comércio e serviços; nas montanhas o café, e a sul, a atividade agrícola. Nas regiões sul e norte verificam-se intensas atividades de produção de arroz e de milho.
As actividades comerciais de exportação e importação de produtos e bens são dominadas pelos chineses e indonésios[5].” vejam o que encontrei!!! pelos xinezes e indhunezios,,,nossa deve ser um constrangimento para os mauistas\(kkk)

Teropode

Não fale bobagem , primeiro é que não existia o estado TL , a exploração era com aval da Indonésia a quem TL pertencia , e após a independência os timorenses recebem suporte da Austrália , portanto escolha outra baboseira para criticar os australianos pois esta não resiste 5 segundos de argumentação .

Antoniokings

João Andaime

O Timor Leste é um País muito pequeno e pobre.
Foi explorado durante décadas.
Creio que mais importante seria ações para o desenvolvimento do País.
Não aviões ultrapassados que provavelmente trarão mais problemas que soluções.
Em tempo: Lembro de acompanhar a luta da FRETILIN para a independência do País nos ‘Cadernos do Terceiro Mundo’.

João Adaime

Caro Antoniokings
O Timor não é pobre. É paupérrimo, uma vez que teve sua infraestrutura arrasada pela Indonésia durante a ocupação e principalmente nos últimos anos, quando os movimentos pela nova independência recrudesceram.
O Brasil coopera com o desenvolvimento do país desde a independência de fato, através da ABC – Agência Brasileira de Cooperação.
Quanto aos aviões, repare que eu escrevi que a Austrália teria de fornecer também, gratuitamente, manutenção e treinamento. Foi só uma ideia. Se o custo benefício não compensar, ficamos amigos do mesmo jeito.
Abraço

Adriano Madureira

Não é paupérrimo amigo, o Timor tem reservas de ouro , manganês, cobre ,petróleo , gás, cromita e prata e areia de ferro”…

Um país rico, infelizmente, ainda com muita pobreza. 

João Adaime

Caro Adriano
É pobre considerando-se o IDH. Claro que no subsolo há imensa riqueza. Não só lá, mas em quase todos os países de todos os continentes.
Abraço

Marcos10

Levou o petróleo sem pagar?

João Adaime

Caro Marcos10 É necessário entender os acontecimentos. Em 1975 o Timor Leste ficou independente de Portugal, após ser colônia portuguesa desde o século XVI. Aproveitando-se da fragilidade do novo território independente, a Indonésia invadiu e ocupou a área. Em 1989 Austrália e Indonésia firmaram um tratado para explorar em conjunto petróleo no mar territorial do Timor. Após muita pressão internacional, inclusive após atos de selvageria dos indonésios contra os timorenses (estima-se em mais de 100 mil mortos), em 1999 a ONU pressionou a Indonésia a desocupar o território. Com as eleições de 2002, o Timor Leste finalmente tornou-se um país… Read more »

Flanker

Dificilmente um tópico aqui na Trilogia se atém ao assunto do mesmo. Aqui, em 2 ou 3 comentários já se desviou para a pobreza do Timor Leste, sendo que o assunto seria as aeronaves Hornet A e B na RAAF. Acho justo e correto discutirmos a pobreza naquele país e os acontecimentos que a envolvem. Mas, acho que caberia em um tópico específico.

João Adaime

Caro Flanker
Concordo. Se alguém quisesse argumentar a favor ou contra, seria só expor os prós e os contras o Timor receber e operar o F-18. De forma educada e com embasamento técnico/financeiro.
Mas alguns partem para agressões gratuitas e argumentos equivocados.
Mas temos de reconhecer. Trilogia também é cultura. KKKKK
Abraço

SteelWing

não só nisso, em qualquer tópico aqui sobre qualquer assunto, acaba terminando empolítica e sainda totalmente do assunto tema. Por exemplo: se a China cria um novo caça, as pessoas ao invés de focar sobre a tecnologia, desenvolvimento do caça, vão falar é xi jiping, partido comunista, mar do sul, mas nem falam do caça em si, seus armamentos… Do mesmo jeito um caça norte americano, começasm a flar do Biden, do Trump, sempre acaba nisso. Acho que é falta de conhecimento sobre o assunto mesmo.

Camargoer.

Olá Leandro. Eu também acho que existem várias aeronaves sendo retiradas de serviço que poderiam ser adicionadas ao Musal. Aliás, o Musal precisa de um novo prédio.

Leandro Costa

Camargoer, eu vou dar um pulo lá no sábado que vem. Houve reforma, então vou poder ver o que há de novo e, se eu puder, vou tentar conversar com alguém e ver o que há nos planos.

Beto

Tem gente que vai dizer que séria uma chance para aquisição de oportunidade para a FAB!

KKKKKKKKK

Satyricon

Provável que mencionem tratar-se de uma oportunidade “única” para a MB…

Capitão Camisão (de força)

O harpoon já está integrado e o Meteor é só questão de vontade política!

E a FAB ainda pode entrar na compra e mobiliar todos os esquadrões terceiros da fronteira trocando os Super Tucanos inúteis por aviões que vão colocar o Maduro e aqueles comunistas do Peru e da Bolívia de joelhos nas fronteiras!!! Ainda mais com o míssil Matador da Avibras que pode ser integrado, só falta vontadr politica pra esses brigadeiros e almirantes!

Não aproveitar essa oportunidade é praticamente um crime de lesa pátria igual a deixar o NAe São Paulo enferrujando no cais!

Marcos Cooper

Iludido….kkkkkkk

Capitão Camisão (de força)

Sim, o radar é muito melhor que o do Gripen, é bimotor e testado em combate, já foi testado no NAe São Paulo tranquilamente, é só reativar o navio e pode lançar armas nucleares e se trocar o motor pode fazer supercruise com muito mais carga que o Gripadinho!!!

E se colocar skyjump no Atlântico opera também full. Eu realmente não entendo esses almirantes comedores de lagosta que não aproveitam essas oportunidades!!!

V12 aero

É só fazer tudo isso, simples assim. Olha, por que ninguém pensou nisso? É cada uma.

Last edited 1 mês atrás by V12 aero
Flanker

“Sim, o radar é muito melhor que o do Gripen…”

– Meu Deus!

“… já foi testado no NAe São Paulo tranquilamente, é só reativar o navio e pode lançar armas nucleares…”

– Meu Deus!!(x2)

:…se trocar o motor pode fazer supercruise…”

– Meu Deus!!!(x3)

“….E se colocar skyjump no Atlântico opera também full.”

– Meu Deus!!!(x100)

Beto

kkkkkkkkkkk

Roberto

Belíssima foto do Hornet. Um dos últimos caças em que, a forma assumia unicamente um compromisso com a performance e a manobrabilidade, e quero crer, um desejo natural dos bons projetistas com a estética. Hoje, com a tecnologia furtiva de radares e sensores, a aviação de caça assume formas estranhas, ângulos e retas difíceis de abstrair algo que agrade. O F-18, embora contenha pequenas falhas de proporção, transmite de imediato a ideia de velocidade, a ideia de uma flecha, ao mesmo tempo que sua asa diz e se faz entender, que a aeronave é mesmo capaz de curvas apertadas, que… Read more »

Maurício.

Na minha opinião, um dos caças mais bonitos que existe, dos americanos, é o mais bonito junto com o F-22.

Flanker

Concordo. Combina agressividade e rusticidade com beleza e aerodinâmica. Muito bonito, mesmo!

Leandro Costa

Discordamos, mas respeito sua opinião heheheheh

Marlo maia

E mas este caça f35 não é tudo isto não ainda vai demorar muito até este caça tá num nível aceitável pois este caça da muito poblema

Clésio Luiz

Você sabe que a idade está chegando, quando caças que viu entrarem em operação como a última novidade tecnológica, estão agora sendo aposentados, décadas depois…

Last edited 1 mês atrás by Clésio Luiz
Wellington Kramer

Verdade.

Marcos10

Força Aérea Real (de verdade) Australiana.
Não é como umas e outras que tem por aí.

Luiz Trindade

Um caça belíssimo e mortal. Ainda paira a dúvida se o F-35 vai substituir ele à altura. Esperemos que sim.

Wellington Kramer

Não era o Canadá que estava recebendo F/A-18A/B da Austrália para complementar a sua equipagem até renovarem a frota?

Gutex

Sim, é o Canadá.

Wellington

Será que não receberão estes também?

João Fernando

Uma única e excelente compra de oportunidade para nossa gloriosa MB…

Flanker

Tu foi irônico, né? Tá tirando uma com os colegas que comentaram mais acima……

Camargoer.

Olá Flanker. A Latam fechou o museu de S.Carlos e o Covid fechou o Musal. Torcer agora para que o acervo do Musal seja ampliado. Tem muitas aeronaves lendárias sendo aposentadas.

Clésio Luiz

O problema é dinheiro. Mesmo que uma força de um país amigo doe a aeronave, o Musal ainda teria que arcar com as despesas de transporte.

O Japão recentemente aposentou a frota deles de F-4E. Estavam em ótimo estado estético. Mas para o Musal por as mãos em um, só se a FAB arranjar um jeito de caber desmontado dentro de um KC-390…

https://www.youtube.com/watch?v=s9AIj39U3GQ

Last edited 1 mês atrás by Clésio Luiz
Flanker

Verdade. Um desses cairia bem no MUSAL.

Nonato

Já estão operando o F 35?
Mas se fala disso aqui.
Todo dia notícia da China.
Acho que a Austrália deveria ter outro caça para o dia a dia.
Poderiam ser F 18, gripen…
F35 só em caso de guerra.

Marcos10

Estão desativando os A/B. O lote de E/F continuam operacionais.

Últimas Notícias

Chile quer comprar aeronaves britânicas E-3D Sentry ‘AWACS’ aposentadas

Uma fonte disse ao UK Defense Journal que o Chile está procurando comprar “mais de uma” aeronave E-3D aposentada...
- Advertisement -
- Advertisement -