segunda-feira, novembro 29, 2021

Gripen para o Brasil

FAB realiza enlaces de dados entre aeronaves usando o LINK-BR2 pela primeira vez

Destaques

Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

Os voos foram realizados durante a execução da Operação Íris, como foi denominada a segunda fase de ensaios de desenvolvimento do projeto

O primeiro enlace de dados entre aeronaves de caça F-5M utilizando o Sistema Link-BR2, foi realizado no dia 13 de outubro, no Primeiro Esquadrão do Décimo Quarto Grupo de Aviação (1°/14° GAV – Pampa), alocado na Base Aérea de Canoas, no Rio Grande do Sul (RS). Os voos foram realizados durante a execução da Operação Íris, como foi denominada a segunda fase de ensaios de desenvolvimento do projeto.

A campanha teve o objetivo de realizar ensaios de comunicação de dados entre duas aeronaves de caça F-5M e contou com a participação de diversas Organizações da Força Aérea Brasileira (FAB) como Comissão Coordenadora do Programa Aeronave de Combate (COPAC), Ala 3, Instituto de Pesquisas e Ensaios em Voo (IPEV), Instituto de Fomento e Coordenação Industrial (IFI), Grupo de Acompanhamento e Controle – Programa Aeronave de Combate (GAC-PAC), Primeiro Grupo de Comunicações e Controle (1º GCC), Esquadrão Pampa (1º/14º GAV), além da AEL Sistemas, Empresa desenvolvedora do sistema.

Em aproveitamento ao cenário de testes montado para a Operação, foram compartilhadas informações táticas, além de trocas de dados entre a estação de comando e controle em solo e as aeronaves F-5M, capacidade que cria grande expectativa operacional ao permitir o compartilhamento do cenário visualizado pelos Centros de Operações Militares que controlam as aeronaves de caça.

“O Link-BR2 é um sistema bastante complexo e a realização dessa Campanha, por todas as capacidades que foram ensaiadas, é a comprovação de que o desenvolvimento do Projeto está atingindo a maturidade para o efetivo emprego operacional”, disse o Gerente do Projeto na COPAC, Coronel Aviador Renato Leal Leite.

O piloto de provas envolvido na Campanha, Coronel Aviador George Luiz Guedes de Oliveira, comentou sobre a eficácia do sistema. “O Link-BR2 é muito importante porque permite, não só para o piloto, mas para toda Força Aérea, uma consciência situacional bem amplificada, aumenta a capacidade de tomar melhores decisões, facilita o emprego de armamento, a comunicação com o controlador, e reduz a carga de trabalho da missão. Considerando um cenário em que é necessário proteger o país de uma ameaça, o Link-BR2 possibilita a classificação, a fim de determinar a hostilidade de aeronaves, por exemplo, além de ser uma ferramenta utilizada pelos países que possuem suas Forças Nacionais de Defesa desenvolvidas. Ter um Link de dados brasileiro é um passo significativo para a evolução das Forças Armadas.”, comentou.

O sistema passou por fases de definição de design e desenvolvimento, as quais culminam em uma campanha de ensaios em voos, com o objetivo de avaliar o produto desenvolvido no ambiente de voo real. O Coronel Aviador R1 Fernando Mauro Medardoni, Especialista de Suporte Operacional, da AEL Sistemas, comentou sobre o que se pode esperar das próximas campanhas. ” Nas próximas campanhas precisamos exercitar, testar e avaliar todo o leque de aplicações que a própria Força Aérea escreveu como requisitos e que são necessários para aumentar sua capacidade e eficácia na execução das operações aéreas”, completou.

Além da COPAC, o Projeto Link-BR2 conta com as gerências temáticas do Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE); do Comando-Geral de Apoio (COMGAP); do Comando de Preparo (COMPREP); do Estado-Maior da Aeronáutica (EMAER); do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA); do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA); e do Centro de Inteligência da Aeronáutica (CIAER).

FONTE: Força Aérea Brasileira

- Advertisement -

82 Comments

Subscribe
Notify of
guest
82 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
wilson

AEL sistemas (Leia-se Elbit Systems) envolvida com o suporte? KKKKK
Porque não contrataram a Crypto AG de uma vez?

Last edited 1 mês atrás by wilson
Flanker

A AEL é a empresa que forneceu praticamente todos os equipamentos de painel, HUD e capacete com HMD, do programa F-5M. Forneceu tb a modernização dos A-1M, os sistemas do A-29, painel WAD, HUD e outros sistemas do Gripen, etc…..

Last edited 1 mês atrás by Flanker
wilson

Hud, Wad e outros equipamentos são de uso “fechado” e, nestes casos, não existe problema em comprar de prateleira de outros países ou ter outros países no desenvolvimento da tecnologia. Mas o Link de comunicação não poderia ter este buraco na segurança.

Wes

Concordo algumas tecnologias devem ser desenvolvidas somente pelo país usuário o caso citado da Crypto Ag que era uma das empresas suíças mais confiáveis do mundo no quesito segurança de comunicações e criptografia era na verdade uma fachada da CIA para vender o produto que permitia espionagem do mundo inteiro de comunicações oficiais de governo, onde produtos desse tipo nem os desenvolvedores poderiam ter acesso a esses dados, em sua maioria “aliados” dos EUA e da Alemanha além de outras empresas “suíças” controladas por agentes da CIA ou de outros agentes de inteligência e do Prism da NSA, mostra que… Read more »

Flanker

Se a tua preocupação é só com a segurança, não vai ser o datalink o único a fragilizar a segurança. Tem muitos outros buracos na segurança e na Inteligência.
Óbvio que seria mais seguro (não 100%) se o trabalho fosse feito por uma empresa 100% nacional. Entretanto, qual o seu maior temor em relação ao datalink ser fornecido pela Elbit/AEL? Pergunto para entender, mesmo.

wilson

Nas Malvinas/Falklands os argentinos aprenderam que não é seguro confiar nos Franceses. Tomara que não precisemos testar a confiabilidade dos Israelenses no futuro. Imagine um adversário tendo acesso às informações passadas pelo seu datalink durante um confronto.

Flanker

O Rommelqe já ilustrou perfeitamente. Não preciso escrever o mesmo novamente.

Denis

Olá, Flanker. Acredito que, se o código-fonte é aberto para a FAB, não importa muito quem o fez, porque pode ser modificado pelo usuário final, e este pode fechar a porta até mesmo para quem o produziu.

Flanker

Sim….foi isso que o Rommelqe escreceu e eu concordei. O Wilson foi quem questionou o fato de uma empresa estrangeira estar envolvida.

Rommelqe

Caro Wilson: também há que se considerar que o fornedor do hardware não necessáriamente implementou o software em si. Só para pontuar, pois sei que voce sabe perfeitamente disso, são coisas totalmente distintas: é como considerar um PC Lenovo da vida rodando um ANSYS -FEM o qual por sua vez esta sendo empregado para calcular a estrutura de um caça…qual caça mesmo?

wilson

Prezado Rommelqe, estou torcendo para que você esteja certo. Mas o caso dos celulares Huawei mostrou que podem existir armadilhas mesmo nos equipamentos mais “inofensivos”.

Gabriel

Vou até a esquina passar um pouco de vergonha (WILSON.2021)

wilson

Obrigado Gabriel, seu comentário foi muito construtivo.

Alisson Mariano

Esse programa estava a cargo da Mectron, que foi adquirida pela AEL/Elbit.
Até onde vi nas notícias ao longo dos últimos anos, outras duas empresas brasileiras estão envolvidas, entre elas a Kryptus.

Saudações.

Nilton L Junior

Ora porque um general de BINFA e o outro era vereador federal ai não deu certo.

Carlos Campos

mas eles estão envolvidos…… Kryptus no caso.

Last edited 1 mês atrás by Carlos Campos
Neto

Sei que leva muito tempo este tipo de desenvolvimento… mas achava que já era realidade.
.
O ministério de Defesa deveria ter um programa de bolsas para algumas pesquisas de tecnologias. Muita Universiade Federal poderiam participar de programas que alimentariam estes projetos.
.
Claro, poderiam começar com drones curtos (como a UFRN) e os melhores projetos poderiam virar programas em algumas universidades progredindo para centros com padrões de segurança maior.
.
Muita área a ser pesquisada, muita mente boa sem essas oportunidades.
.
Esperemos que o próximo governo olhe com propostas de desenvolvimento para nossas universidades.

Allan Lemos

Amigo, o Governo Federal acabou de cortar praticamente toda a verba destinada a bolsas de pesquisadores, então faça um favor a si mesmo e pare de sonhar que esse país algum dia vai investir de forma séria em ciência e tecnologia, muito menos as que podem ser aplicadas ao uso militar.

Adriano Madureira

Nosso dinheiro está sendo bem investido promovendo a aproximação de laços comerciais com países mundo afora… O governo enviou uma comitiva para Dubai que deve custar pelo menos R$ 3,6 milhões. O objetivo do “trabalho-passeio”, como foi definido pelo secretário da Pesca, Jorge Seif, é promover o turismo brasileiro nos Emirados Árabes Unidos. O Executivo autorizou o envio de uma comitiva de 69 pessoas para feiras e exposições entre setembro e outubro e gastou, até o momento, R$ 1,17 milhão entre passagens aéreas e diárias para membros de nove ministérios e da vice-presidência, segundo dados do Painel de Viagens, levantados… Read more »

Luiz Guilherme

Vai ter que ser um próximo governo mesmo.

Rafael

A autoestima do defensor de Universidade Pública…

Érico

e a burrice do ofensor

Last edited 1 mês atrás by Érico
Camargoer.

Caro Rafael. Os recursos de pesquisa disponibilizados via edital são usados por universidades públicas, universidades privadas, startups de alta tecnologia e grandes empresas envolvidas em inovação de produtos e processos, inclusive empresas da área de defesa. O atua governo é um desastre ferroviário.

Adriano RA

Perfeito, colega Camargoer.

Jadson Cabral

Perfeito, Camargo. E pra não parecer que estamos pegando no pé desse governo, é melhor que diga-se que o desinvestimento na ciência e na educação começou ainda no governo da senhora Dilma, se intensificou no governo Temer e só piorou no governo Bolsonaro, que praticamente zerou as verbas.

wilson

Corretíssimo!

Camargoer.

Olá Jadson. Segundo o portal da transparência, em 2021 (até agora) o CNPq desembolsou R$ 751 milhões. Em 2020 foram R$ 1,20 bilhão. Em 2019 foi R$ 1,39 bilhão. 2018 foi R$ 1,24 bilhão e em 2017 foi R$ 1,29. Não há dados dos anos anteriores.

Camargoer.

Ahh Tem uma tabela no relatório do CNPq com dados anteriores.

cnpq.png
FabioB

As Universidades Públicas (e boa parte das privadas) optaram por ficarem praticamente fechadas a quase 2 (dois) anos. Impossível recuperar o tempo perdido. Ninguém no Mundo inteiro fez isso, durante tanto tempo. Sob outro aspecto, os Docentes Federais tem salários maiores que a soma dos docentes estaduais e municipais somados (na faixa de dezena de milhar). Em sua grande parte os gestores de Universidade Federais estão mais preocupados com “marcar posição política” do que efetivamente com pesquisa/ensino/aprendizagem. Sim, sim, sim, o problema do Brasil é o atual Governo e não das gestões dos últimos 30 anos. Partidarismo cego é complicado,… Read more »

Camargoer.

Caro Fabio. As universidade públicas estão ministrando disciplinas não-presenciais (siga ENPE). As universidades não dispõe de infraestrutura que suportasse aulas presenciais. Além disso, não houve disponibilização de recursos para EPI para os estudantes, nem mesmo álcool em gel. O que ocorreu foi o contrário. As verbas foram cortadas. Comparar a situação brasileira na qual o pico de óbitos atingiu 4 mil por dia com outros países nos quais os óbitos anuais foram de centenas ou pouco milhares é um grande equívoco. A questão do salário está relacionada com a titulação. Um doutor em uma universidade pública vai ganhar mais que… Read more »

Zeus

As universidades públicas no Brasil são responsáveis por 95% da produção cientifica, sendo que 15 delas são responsáveis por 60% desta produção. Os dados desmentem as falácias do desgoverno federal de que as universidades públicas brasileiras não fazem pesquisa e não fazem parcerias com empresas, pois segundo dados, a produção de trabalhos acadêmicos em colaboração com a indústria cresce de forma exponencial no país desde a virada do século. Graças a essas pesquisas, a extração no pré-sal se tornou viável e atualmente responde por mais de 50% do petróleo produzido no país, os métodos na agricultura modernizaram-se, aumentando a produtividade,… Read more »

José de Souza

Das privadas só sobram as PUCs e uma ou outra luterana… O resto é business, não educação.

NashArrow

É fato que a esmagadora maioria das privadas são predatórias que só pensam em lucro, mas as poucas instituições privadas focadas em pesquisa dão um “pal” enorme nas públicas, caso tenha interesse, olhe o corpo docente e a produção acadêmica do Insper, FGV e do departamento de economia da Puc-Rio (com relação a esta última, veja a secção “ex estudantes de mestrado aceitos em programas de doutorado no exterior”, absolutamente nenhuma instituição pública, com exceção do IMPA, tem o mesmo placement que essas instituições).

NashArrow

Quem se interessar mais pelo assunto, há um excelente artigo do terraço econômico que fala mais ou menos sobre isso.

https://terracoeconomico.com.br/como-fazer-a-usp-lucrar-r-12-bilhao-ao-ano-sem-precisar-vender-tudo/

Camargoer.

Caro Nash. Acho que você está equivocado. Na área de química por exemplo, os melhores institutos/departamentos estão nas universidades públicas. O nível dos pesquisadores é elevadíssimo (ou fizeram parte do doutorado no exterior, ou o doutorado inteiro ou possuem pósdoutorado no exterior). As publicações são de alto nível e substancial parte é feita em colaboração com o exterior ou em colaboração com o setor produtivo. Falo de uma área que eu conheço bem. Falo de coisas que são facilmente checadas.

NashArrow

Olá Camargoer. Eu não duvido que tais instituições façam pesquisas relevantes, mas como está no meu comentário, os institutos que eu citei não só pesquisam assuntos relevantes como estão na fronteira do conhecimento (fato esse que pode ser averiguado ao ver em quais journals/periódicos os papers são publicados). Com relação a essa afirmação “(ou fizeram parte do doutorado no exterior, ou o doutorado inteiro ou possuem pósdoutorado no exterior)” não sei se ficou claro, mas a esmagadora maioria do corpo docente dos institutos que eu citei fizeram o doutorado/PhD “inteiro” em Universidades como as Ivy League, MIT, UCLA, Duke, Northwestern,… Read more »

Pesquisador

Nunca comentei em sites de defesa na minha vida, apesar de acompanhar o tema a quase 15 anos, mas essa extrapolou todos os limites. Nunca vi tanta mentira em uma mesma postagem.
Sou da área e te AFIRMO, A PRODUÇÃO CIENTÍFICA RELEVANTE DESSE PAÍS É REALIZADA QUASE QUE EXCLUSIVAMENTE EM UNIVERSIDADES PÚBLICAS!
Ou você está muito mal informa ou é muito, mas muito…

Last edited 1 mês atrás by Pesquisador
NashArrow

Sou da área e te AFIRMO, A PRODUÇÃO CIENTÍFICA RELEVANTE DESSE PAÍS É REALIZADA QUASE QUE EXCLUSIVAMENTE EM UNIVERSIDADES PÚBLICAS”

Já que tu falou… faz o seguinte, posta o seu lattes ou Scopus aí.

Pesquisador

Primeira coisa, se eu quisesse colocar meu lattes no comentário eu haveria feito no primeiro comentário. Segundo, por qual motivo eu faria isso?
Não preciso te provar nada.
Pelo que vi nos seus comentários, você não tem nenhuma noção de como funciona a ciência no Brasil. Acredito que boa parte dos leitores desse site devem ter percebido o mesmo.
A diferença entre a produção científica é tão grande que não cabe colocar no mesmo “balaio”, não cabe comparação. Além disso, não é e nunca foi o foco da universidade privada tal função.
Agora, novamente, ou você é mal intensionado ou….

NashArrow

“A diferença entre a produção científica é tão grande que não cabe colocar no mesmo “balaio”, não cabe comparação. Além disso, não é e nunca foi o foco da universidade privada tal função.” eu nunca neguei isso, o problema está em falar que as Universidades públicas produzem conteúdo RELEVANTE (entenda-se relevante com pesquisa considerada “fronteira do conhecimento”), e isso não é verdade. Só existem umas 3 ou 4 Universidades públicas que produzem isso (na verdade alguns departamentos/cursos), a única exceção é o IMPA. “Pelo que vi nos seus comentários, você não tem nenhuma noção de como funciona a ciência no… Read more »

NashArrow

Daí tu vai ver quais instituições publicam em top journals, e a maioria é de pesquisadores da FGV, Insper e Puc-Rio, as únicas públicas que publicam em periódicos relevantes são de pesquisadores do IMPA e de alguns departamentos da USP (notadamente a FEA e o IME) e da UnB. É meu amigo, não indo contra instituições públicas ou não públicas, mas as pesquisas que essas universidades fazem são pouco relevantes, nada que seja fronteira do conhecimento… tem professores da FGV e da Puc-Rio com mais publicações (em journal top five) que literalmente universidades públicas inteiras, isso se algum professor dessas… Read more »

Zeus

Você está tremendamente equivocado

tabela-pesquisa.jpg
Joli Le Chat

Chama a atenção o desempenho da UnB. É 13ª no ranking geral, mas em impacto da citação está muito próxima da 1ª (USP), e em 3º nos artigos top 1%.

Pode ser aquele caso de um número pequeno de pesquisadores fazendo trabalhos relevantes. Outra opção é a incorporação de jovens doutores, que ainda estão publicando seus resultados de pesquisa realizados nos grandes centros.

De qualquer forma, notável esse desempenho da UnB no ranking nacional. Seria bom ver esse mesmo ranking com as universidades dos EUA, Europa e Ásia.

NashArrow

Onde está o equívoco? Acho que tu não leu o artigo em questão.

http://portal.andes.org.br/imprensa/noticias/imp-ult-992337666.pdf

José de Souza

Só superada pela profunda frustração e vastidão infinita (e árida) da imbecilidade dos que a atacam…

André Macedo

A autoestima de quem nunca conheceu as instituições responsáveis por 90% da pesquisa científica do Brasil…

wilson

No Brasil só a Universidade Pública é que produz ciência de verdade.

Camargoer.

Olá Wilson, Exato. Algumas universidades privadas têm alguma excelência em áreas de humanas. Ciências exatas e da saúde são essencialmente conduzidas em universidades públicas e instituições de pesquisa publicas (como a Embrapa), inclusive com grande parceria com o setor as industrias. Uma coisa interessante é que praticamente todas as startups de alta tecnologia nascem dos programas de pós graduação das universidades públicas.

Camargoer.

Caro Neto. Eu concordo com você, mas o atual governo vem cortando verbas das universidades e recentemente cortou R$ 650 milhões do MCT que seriam usados pelo CNPq para financiar pesquisas em todas as áreas do conhecimento (novos materiais, medicina, engenharias, fármacos, biologia, meio ambiente, etc). O atual governo é um desastre na área científica e tecnológica e o atual ministro de C&T se apequenou. Teria sido mais digno pedir demissão.

Jadson Cabral

Pois é. Não dá pra ser um homem da ciência num governo anticiêcia. Engraçado que pra voto impresso o Incitatus tinha reservado 2bi, que segundo ele era uma mixaria e não fazia diferença no orçamento. Agora corta 700M da ciência pq não tem dinheiro… todo mundo sabe que ele é anticiência e que ele odeia o conhecimento. Não adianta querer passar pano aqui.

Camargoer.

Olá Jadson. Eu tenho muita dificuldade de entender o que se passa no gabinete da presidência. Tenho a impressão que é uma tentativa de punição para um setor que é muito crítico ao governo. O fato é que isso reforça a opinião de quem era oposição ao governo dentro da comunidade científica e leva um parcela da comunidade que o apoiou (sim, isso existia) em 2018 para a oposição. O fato é que ciência é caro e é financiada com recursos públicos no mundo inteiro porque o ganho é indireto. Por fim, o ministro pontes entrou pequeno e está saindo… Read more »

Allan Lemos

Camargoer, esse corte é um verdadeiro crime de lesa-pátria. É inacreditável que o Congresso permita uma coisa dessas.

Nilo

Gasto de R$ 3,6 milhões de uma comitiva de 69 pessoas para ouvir piada do Secretário de Pesca curtindo as praias de Dubai com dinheiro nosso.
Enquanto o astronauta de travesseiro da Nasa, faz 107 viagens ao exterior (Paris, Barcelona, Genebra, Orlando, Viena…) e agora em Dubai, mais de 500 mil de reais gastos pelo titular de uma pasta que perdeu 90% de reecursos.

..”Teria sido mais digno pedir demissão.”
Não procure dignidade onde não tem.
Esta sendo pago para isso, enxugar gelo.

Last edited 1 mês atrás by Nilo
Nilo

Parabéns a FAB pela conquista de superação de mais esse marco na construção do LINk Br 2.
Parabéns enquanto instituição, parabéns pelo seu corpo técnico, departamentos como a COPAC, uma instituição comprometida com o desenvolvimento da indústria aeronáutica nacional.

Nilton L Junior

Imaginei que seria com o F-39 afinal esse é nosso melhor caça, mas se funciona e esta 100% operacional isso é uma boa notícia.

Marcelo 75

Não sei se fico feliz pelo feito da FAB, ou indignado pelo descaso. Veja bem! No final da década de 70/pra início da década de 80 a força aérea Sueca, já ensaiava o link de uma esquadrilha de caças Viggen. Na década de 90 Tornados da RAF, conseguia igualar com seus pares F15(um caça muito superior) em combates simulados através do link surpreendendo algumas vezes seus aliados norte-americanos. A FAB está sempre “correndo atrás da máquina” por não ter audácia de vislumbrar e apostar no futuro. Quando a FAB modernizou o F5 no decorrer do programa FX-2, pra suprir a… Read more »

marcos Cooper

Concordo em vários pontos com vc Marcelo. Acresentando apenas que os suecos já possuiam um data-link no J-35 Draken em plenos anos 60! Era o chamado STRIL-60,um dos primeiros,senão O PRIMEIRO sistema de guerra centrado em redes.

Last edited 1 mês atrás by marcos Cooper
FabioB

Marcelo, a questão do desenvolvimento da Defesa e da Indústria de Defesa no Brasil é bastante complexa. Vou tentar resumir. Parcela significativa da população brasileira não compreende (inclusive as vezes é contra) a existência de Forças Policiais. Não são eles que vão compreender a necessidade de se investir na Defesa e na Indústria de Defesa. A classe política brasileira se interessa prioritariamente no que dá mídia, para garantir votos, para futuras eleições. Assim, naturalmente o tema Defesa passa ao largo. Nem vou entrar na questão de falta de investimento continuado, nos diversos projetos/programas. Concluindo, qualquer iniciativa, mesmo que com certo… Read more »

Mayuan

A FAB tenta obter um sistema de datalink desde os anos 90. Não foi falta de interesse nem de trabalho.

Nunão

“ Quando a FAB modernizou o F5 no decorrer do programa FX-2, pra suprir a necessidade do momento, prometia essas atualizações e tudo mais de entrar no âmbito moderno da arena aérea. O F5 M está pra entrar no final da vida útil e ainda não se conclui por completo o link-BR.”

Mas isso não impediu que o F-5M utilizasse outro datalink operacionalmente, desde sua implantação nos esquadrões, pouco menos de 15 anos atrás. Só não era o datalink desenvolvido aqui.

Guacamole

Eu gosto de vir nos comentários e ver o pessoal atentando ao fato de o Brasil não deve confiar informações sensíveis a empresas estrangeiras pra não acontecer o que aconteceu com a Crypto AG e os usuários dão thumbs down sem nem pensar.
Falou um ai das forças armadas, os moitas já vem carcando no deslike.
Tipico de nacionalista que não consegue ver um palmo a frente…..

Maurício.

Bem que eu noite que tinha uma dupla de F-5 voando bastante aqui pelos céus de São Leopoldo, deveriam estar testando o sistema.

Foxtrot

Elbit/ Israel agradecem rsrs.
Um grande buraco na soberania nacional, mas fazer o que né?
Os dementados deixaram a mectron morrer de “inanição” e afogada na lama da qual não fazia parte !

Maurício.

Foxtrot, eu tenho que concordar, mas eu acho que Israel é um país “confiável”, claro, não existe país 100% confiável, mas Israel é um parceiro de longa data, desde a integração dos Python 3 nos F-5 e Mirage III da FAB, até a integração e ajuda na integração dos Derby nos F-5M, e querendo ou não, ajudaram na doutrina BVR da FAB, no geral, acho que são sim “aliados confiáveis”.

André Macedo

São confiáveis até os americanos darem um telefonema.

Camargoer.

Olá André. Acho um equívoco confundir uma empresa com um país. Os casos da Enron, Leman Brothers, etc, foram casos de empresas que cometeram fraude e nada tem a ver com o governo dos EUA (o mesmo na França, na Alemanha, no Brasil, Israel), O mesmo para as empresas sediadas em países cujo governos cometem erros de desatinos.

André Macedo

Olá, mestre. Até concordo com você em parte, não quis realmente acusar os israelenses de nada, mas as empresas que fornecem para a área militar tem um laço extremamente próximo ao governo daquele país (seja ele qual for), até pela natureza estratégica da coisa toda, a Lockheed não pode vender um F-35 sem autorização do governo americano, por exemplo.

Não me parece uma coisa de outro mundo, acho até que é improvável no momento os EUA ou qualquer país nos espionarem assim, mas nunca impossível.

Camargoer.

Olá Andre. De fato existem estes problemas as isso pode ocorrer com empresas israelences, suecas, francesas e a FAB pode ter problemas ate com empresas brasileiras.

Maurício.

André Macedo, por isso o “aliados confiáveis”, mas, nesse meio, o militar, não existe amigos, existe colegas de trabalho, e até aqui, os israelenses estão se mostrando colegas “confiáveis”.
Mas, concordo com você.

Foxtrot

Bingo !!!

RPiletti

Os Mirage 2000 franceses foram “abatidos” nas manobras no nordeste por conta do suporte israelense…

Foxtrot

Não existe “aliados confiáveis” caro Maurício.
Quando o Brasil ameaçar os interesses de Israel ou vice versa, verá isso.
Autonomia nessa área era de suma importância.
E pelos relatos acima, Israel nos ajudou a integrar seus produtos em nossos equipamentos, nada mais que natural.
Eu trabalho com máquinas ferramentas, e nos ajudamos nossos clientes (sejam lá quais forem), a “integrarem” nossas máquinas em suas linha de produção.

Adriano RA

Aleluia!!

Jadson Cabral

Espero que vá mesmo pra frente e não abandonem por alguma eventual dificuldade ou problema que o programa possa vier a ter, como já é de praxe aqui. Gasta-se horrores e depois que surge um problema técnico engaveta e diz que não serve

Mayuan

Programas militares são caros, difíceis, longos e são engavetados no mundo todo, não apenas aqui. Se durante o desenvolvimento as circunstâncias ou as necessidades mudam, vai fazer o quê? Terminar o projeto mesmo assim? Antes encerrar e evitar maior gasto. Mesmo nessas circunstâncias sempre se adquire conhecimento que servirá em outros projetos.

Rommelqe

Essa questão quanto à alocação de recursos na pesquisa acadêmica/industrial é rotineiramente abordada com as mais diversas matizes e profundidades. Alguns são pueris e nem sequer tem uma noção mínima do que ocorre na realidade. Outros tem uma visão ideológicamente vetorada e distorcem – até mesmo por pura ignorância – o que de fato há de desenvolvimento no país. Há aqueles que, logicamente, sabem do que estão falando, mas mesmo assim não há necessariamente uma visão ampla dos programas em desenvolvimento e pelo menos deveriam se dar ao luxo de pesquisar a respeito e depois falar. Para ficarmos apenas na… Read more »

Carlos Campos

As chaves de criptografia foram feitas com a Kryptus, empresa brasileira de criptografia.

Wellington Góes

Agora sim… Demorou, mas enfim saiu…
Claro, depois de matarem uma empresa 100% nacional e repassarem o serviço a uma empresa de capital 100% de propriedade estrangeira (mas “parceira” de muito oficial da reserva)…
Se tivéssemos um governo e congresso sérios, isso e outras coisas sofreriam um escrutínio na qual haveria gente respondendo inquérito policial, por atuarem contra os interesses tecno-industriais nacionais…

Mayuan

Compartilha conosco essas informações que você tem? Quem são esses oficiais?

Fabio Araujo

Excelente notícia, não vejo a hora do sistema esta operacional interligando todos os tipos de meios das três forças!

Leandro Costa

Excelente notícia. E não vejo problemas em qualquer empresa participar. A FAB estando no domínio dos códigos-fonte e das chaves de criptografia e arquitetura de hardware, não há qualquer problema em relação à segurança.

Rinaldo Nery

Pois é, Leandro. Desenha pra alguns aí em cima…

Últimas Notícias

Nova foto do caça furtivo embarcado J-35 da China

Vazou uma nova foto do caça embarcado furtivo J-35 da China, que voou no final de outubro. Na imagem,...
- Advertisement -
- Advertisement -