terça-feira, janeiro 18, 2022

Gripen para o Brasil

O adeus a um dos primeiros pilotos de Gripen

Destaques

Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

Meu pai, Jan Angner, morreu aos 75 anos em um incidente de navegação offshore em 26 de agosto. O texto a seguir é um memorial

Por Erik Angner

Marinheiro experiente, Jan estava a caminho de Lickershamn (Gotland) para Häradsskär, perto do continente, quando algo deu terrivelmente errado. O barco desviou do curso e bateu em rochas distantes várias milhas náuticas a sudoeste de onde ele estava indo. Afundou logo em seguida.

A operação de busca e resgate lançada no dia seguinte foi massiva. Envolveu unidades do Resgate Sueco (Sjöräddningen), Guarda Costeira, Marinha e Polícia; vários aviões e helicópteros; várias unidades caninas; e uma pequena flotilha de navios de vários tamanhos.

Equipes de mergulhadores ficaram de prontidão o tempo todo, mas não puderam fazer o mergulho por causa do clima. Eu mesmo participei da busca, assim como muitos voluntários – incluindo pilotos do clube de aviões vintage local, do qual meu pai era membro.

Os destroços ainda não foram encontrados. O corpo apareceu em uma praia ao norte de Borgholm (Öland) cinco dias depois.

Há algo de homérico em seu destino. A praia fica bem perto de nossa casa e de seu ponto de partida, mas literalmente a 100 milhas de onde o acidente deve ter ocorrido. É como se o mar viesse reivindicá-lo – mas depois teve a cortesia de trazê-lo de volta para casa.

Meu pai era, por falta de um termo melhor, um cara durão. Ele começou como piloto de caça da Força Aérea, instrutor de voo e engenheiro aeroespacial, voando nos caças J 32 Lansen, no J 35 Draken e no J 37 Viggen.

Era uma linha de trabalho indescritivelmente perigosa. Um documentário recente observou que a Força Aérea Sueca perdeu um piloto por mês durante toda a Guerra Fria: 550 no total, tirado de um grupo relativamente pequeno de pilotos de elite.

Eles treinavam para penetrar nas defesas aéreas soviéticas voando a apenas 10 metros acima do Báltico. Tão perto da água, um jato abria uma esteira enorme, e até mesmo pilotos experientes corriam o risco de ter vertigem. Paradoxalmente, isso ficou mais difícil com aviões mais novos oferecendo uma visão melhor.

Eles faziam jogos de guerra, entre outras coisas interceptando os muito mais rápidos SR-71 Blackbirds que regularmente contornavam o território sueco – travando seus radares neles e disparando alarmes nas cabines, sinalizando a capacidade de derrubá-los.

Pintura retratando um SR-71 escoltado por caças Saab Viggen

Um de seus colegas cruzou acidentalmente o território soviético e teve a sorte de apenas desencadear um incidente diplomático. Ele poderia facilmente ter sido abatido na hora.

Reviravolta na trama: durante todo esse período, meu pai estava na comissão que investigou acidentes da Força Aérea. Ele ficava ausente semanas a fio quando eu era pequeno, em busca de fuselagem e restos humanos nas montanhas e no mar.

Em 1987, meu pai ingressou na Saab como piloto de teste experimental, quando o caça de última geração JAS 39 Gripen estava prestes a iniciar os testes de voo. Ele foi um dos primeiros pilotos a voar o avião. (Tenho certeza de que ele está voando no Gripen no primeiro plano da imagem abaixo.)

O novo trabalho não era menos perigoso. Ele me disse que esperavam cair com alguns aviões, mas que operavam de uma forma que preservaria a vida humana. Houve dois acidentes durante o trabalho, sem fatalidades.

Ele acabou como engenheiro-chefe de todo o projeto, sendo responsável, entre outras coisas, pelo software do sistema. Eles mexeriam no código no fim de semana e, na segunda-feira, ele faria um test drive a Mach 2 e 9g.

Ele teve sorte. Ao se aposentar, a única lesão que sofreu em serviço foi um ombro machucado em um pequeno acidente de paraquedas.

Mas é o seguinte: voar nem era sua maior paixão. Ele gostava de atividades ao ar livre: vela, caiaque offshore, esqui, ciclismo, patinação de longa distância, passeios a cavalo, acampamentos em geleiras … Ele me mandou uma mensagem com esta foto em abril de 2019, aos 72 anos:

Ele estava realmente na patinação de longa distância – em vários lagos e, se as condições permitissem, no Báltico. Seu local de trabalho único deu-lhe uma visão incomparável de onde estava o gelo bom. No vídeo abaixo somos nós dois patinando em um lago local em 2017:

Ele também ofereceu seu tempo para uma série de organizações locais e de caridade, promovendo causas que vão desde os direitos das crianças e os direitos dos povos indígenas até a defesa do uso de bicicletas e uma variedade de questões ambientais.

Ele foi movido por uma espécie de raiva silenciosa (mas implacável) sobre a injustiça no mundo. Durante a era da Guerra do Vietnã, ele marchou por causas que poderiam ter custado seu certificado de segurança e carreira militar.

Ele colocou sua vida em risco por seu país, mas estava evidentemente disposto a sacrificar sua carreira por causas superiores de paz e justiça – na Suécia e no exterior.

Ele amava as artes, especialmente a música. Ele e sua parceira eram frequentadores ávidos de concertos e tinham ingressos para a temporada da sinfonia. Ele disse que a maior tragédia de sua vida foi não aprender a tocar um instrumento. (Então ele me fez tocar clarinete.)

Em algum momento do ensino médio, pensei que também queria ser engenheiro. Eu reclamei por ter que estudar ciências sociais e humanas. Ele me deu a maior repreensão de que me lembro – me dando um sermão sobre a importância de uma educação completa.

O resultado foi que me inscrevi em cursos opcionais de história da arte – que, confesso com alegria, me serviram muito bem.

Mais do que tudo, porém, ele adorava seus netos. E eles o adoravam. Quando ele vinha visitá-los, eles o seguiam como cachorrinhos, procurando uma oportunidade de pular em seu colo.

A palavra que vem à mente é “presença”. Ele estava sempre lá para as crianças – trocando fraldas, lendo para elas, consolando-as, levando-as para aventuras. Ele construiu uma casa de verão inteira para os filhos e netos, principalmente com as próprias mãos.

Seu amor e cuidado eram incrivelmente fáceis. Temos babás jovens e saudáveis que aparentemente desmaiam na cama depois de um dia com essas três crianças. Mas meu pai podia cuidar delas por uma semana sem nenhum esforço aparente – enquanto limpava a casa e construía um teatro do zero.

Aqui está um pequeno trailer que ele construiu – usando peças espalhadas pela garagem – para que ele pudesse carregar nosso primogênito com sua bicicleta:

Ao todo, penso nele como uma espécie de figura iluminista. Ele não era um pacifista, obviamente – sendo treinado e pronto para explodir coisas em velocidade supersônica. Mas ele acreditava na paz e na justiça.

Ele não era ingênuo sobre o presente, mas era um otimista sobre o futuro. Ele achava que um mundo melhor estava ao nosso alcance e que não tínhamos apenas a capacidade, mas o dever de realizá-lo.

Ele pensava na arte, ciência e engenharia não como empreendimentos separados, mas como um veículo conjunto para o aperfeiçoamento social. E ele acreditava que a engenhosidade humana poderia fornecer não apenas pequenas soluções para problemas práticos, mas um mundo melhor e mais justo para todos nós.

Agradeço a todos e cada um dos envolvidos na operação de busca e salvamento. Fiquei impressionado não apenas com a habilidade, dedicação e profissionalismo que exibiram, mas também com sua gentileza e empatia.

Agradeço além das palavras pelos quase 50 anos de amor e aventura que passei com meu pai. Eu o amava muito. O vazio que ele deixa é simplesmente colossal.

Vou lutar para ser metade do homem, pai, e talvez um dia o avô que ele foi.

NOTA DA REDAÇÃO: Erik Angner (@ErikAngner), filho de Jan Angner, nos autorizou a reproduzir o memorial de seu pai que foi publicado primeiro no Twitter. Erik é Professor de Filosofia Prática na Universidade de Estocolmo e autor do livro “A Course in Behavioral Economics” da Red Globe Press.

- Advertisement -

9 Comments

Subscribe
Notify of
guest
9 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
JT8D

Que legado maravilhoso. Um exemplo de profissionalismo e patriotismo, duas coisas de que somos carentes

Jose Dasilva

Uau. Sem palavras. Li 3 vezes.

Last edited 3 meses atrás by Jose Dasilva
Rommelqe

Olha, o que eu acho de mais importante neste maravilhoso testemunho de um filho orgulhoso, é o conceito, a inspiração, a mensagem necessariamente imbuida por este valoroso povo em sua associação com brasileiros no programa Gripen. Isto sim não é, propriamente, “uma transferencia de tecnologia”, é um aceno de uma cultura que nos é muito importante e exemplar. Trabalhei várias vezes por lá , na Suécia, e pude vivenciar, mesmo que muito superficialmente, o que isso significa. Obrigado SAAB, obrigado povo suéco.

Leandro Costa

Um dos melhores textos que já li aqui. Descanse em paz.

MAB

Obrigado por compartilhar esta história de vida. Muito inspiradora ! A vida é passageira, mas nossas ações em vida são nosso legado eterno (junto a nossa alma).

Luis Carlos

Isso é viver plenamente, descanse em paz na luz eterna de nosso pai.

Rodrigo Maçolla

Poderia dizer muitas coisas , Mas só vou afirmar: Muito bonito e emocionante o texto !! obrigado por compartilhar

Eduardo Neto

Que grande alma! Uma inspiração.

Cássio

Um exemplo de Pai, Profissional e Ser Humano.
Obrigado por compartilhar!

Últimas Notícias

Chile quer comprar aeronaves britânicas E-3D Sentry ‘AWACS’ aposentadas

Uma fonte disse ao UK Defense Journal que o Chile está procurando comprar “mais de uma” aeronave E-3D aposentada...
- Advertisement -
- Advertisement -