quarta-feira, outubro 27, 2021

Gripen para o Brasil

Força Aérea dos EUA desativa 17 bombardeiros B-1B Lancer

Destaques

Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

A Força Aérea dos EUA terminou de aposentar 17 bombardeiros B-1B Lancer nesta semana, seu primeiro passo para desinvestir toda a frota nas próximas duas décadas.

O último dos bombardeiros, que está na Força Aérea desde 1985, deixou a Base Aérea de Edwards, Califórnia, quinta-feira, para o cemitério de aviação da Força na Base Aérea Davis-Monthan, Arizona, disse o Comando de Ataque Global da Força Aérea em um comunicado na sexta-feira.

“O plano de alienação foi executado sem problemas”,  disse o brigadeiro-general Kenyon Bell, diretor de logística e engenharia do AFGSC, no comunicado. “Com menos aeronaves na frota B-1, os mantenedores serão capazes de dar mais tempo e atenção a cada aeronave restante na frota.”

Os B-1Bs podem empregar armas convencionais, mas não armas nucleares, e podem carregar a maior carga de armas guiadas e não guiadas de qualquer aeronave da USAF. A frota de 62 jatos está sendo eliminada para dar lugar ao bombardeiro B-21 Raider furtivo e de dupla capacidade, agora em produção na Northrop Grumman.

Quarenta e cinco dos 100 B-1B originais ainda estão em uso e estão alojados em Ellsworth AFB, Dakota do Sul, e Dyess AFB, Texas. A Força Aérea aposentou cerca de três dezenas no início dos anos 2000 e perdeu vários outros em acidentes. A USAF recebeu seu primeiro Lancer em 1985 e o desdobrou pela primeira vez no combate contra o Iraque em 1998.

Mas o uso pesado no Comando Central dos EUA para missões como apoio aéreo aproximado para forças terrestres – para o qual o B-1 não foi construído – teve um custo. Menos da metade da frota do Lancer estava pronta para o combate em 2019, por exemplo, quando apenas seis bombardeiros estavam disponíveis para operações regulares.

“As operações contínuas nos últimos 20 anos afetaram nossa frota de B-1B, e as aeronaves que aposentamos teriam custado entre US$ 10 e 30 milhões por unidade para voltar a uma frota de status quo no curto prazo até que o B-21 fique operacional”, disse o Global Strike.

Esses problemas levaram a várias paralizações para resolver questões como incêndios a bordo e assentos ejetáveis ​​com defeito. Todos os Lancers estão operacionais novamente depois que um problema no tanque de combustível levou a um aterramento em toda a frota no início deste ano, disse o porta-voz do Comando de Ataque Global da Força Aérea, tenente-coronel Will Russell. Ele não respondeu quantos aviões precisaram de conserto durante a pausa.

Dos que foram aposentados a partir de fevereiro, 13 foram para o cemitério do 309º Grupo de Manutenção e Regeneração Aeroespacial no Arizona. Quatro dos B-1s em Davis-Monthan podem ser restaurados para voar se a Força Aérea precisar deles.

Dos quatro restantes, um ajudará o serviço a desenvolver novos métodos de manutenção estrutural em Tinker AFB, Oklahoma; um será usado para testes de solo na Edwards; um se tornará parte de um projeto de engenharia digital no Instituto Nacional de Pesquisa de Aviação do Kansas; e um será exibido na sede do Global Strike em Barksdale AFB, Louisiana.

A Força Aérea está trabalhando em um inventário de dois bombardeiros com o B-21, programado para começar a chegar em meados da década de 2020, e os B-52H Stratofortresses que estão voando há seis décadas. Não foi anunciado quando começará a retirada de outro grupo de B-1B ou início da retirada da frota B-2 Spirit.

FONTE: Air Force Times

- Advertisement -

21 Comments

Subscribe
Notify of
guest
21 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Renato B.

Eu adoraria ver uma desses convertido para antinavio com uma boa carga de mísseis de longo alcance. Me julguem.

Teropode

Eu adoraria vê-los na IAF , 20 deles elevariam o status dela .

Camargoer.

Olá Teropode. Eu adoraria ver um deles no Musal.

Leandro Costa

Faço minhas, as suas palavras!

Antoniokings

kkkkk

É só pedir para os americanos.
A gente manda uma réplica do 14 Bis e eles mandam um desses.
Troca de gentileza entre museus.

Joli Le Chat

No Musal não sei se caberia… Este avião não fez parte da cultura aeronáutica brasileira. Sem contar que é mais moderno do que qualquer outra aeronave de lá, ou até de fora de lá na aviação brasileira.

Mas seria excelente ter um Lancer por aqui. Eu iria visitá-lo.

Leandro Costa

Joli, no MUSAL tem exemplares de diversos aviões que não fizeram parte da história aeronáutica brasileira como um SEPECAT Jaguar ex-RAF, um F-104S da AMI e até um Sabre da Venezuela.

Bosco

Ou na RAAF.

Alexandre Galante

O B-1B já cumpre essa missão empregando o LRASM:
comment image

RenanZ

Ué, já passa de meio-dia e ainda não teve comentários do tipo “Bem que a FAB…..”

Kkkkk

Luís Pereira

Hahahahahaha… Gaiato!

737-800RJ

Tá, a gente sabe que é loucura pensar nesse tipo de aeronave na FAB por conta de seus altíssimos custos de operação, manutenção, formação de pilotos e doutrina, mas… Já pensou 10 desses bichos aqui na FAB?
AHAHAHAHAHA
Parei!

Eraldo Calheiros

Pois é meu caro 737-800, já não digo des, más uns cinco como patrulha marítima, tanto pra superfície, como anti-submarinos, más isso com mísseis de verdade, não esses franceses modificados.

F-5

Bem que a FAB….

RPiletti

… pode continuar longe deles…

737-800RJ

Diz a razão, enquanto o coração, cheio de emoção, sonha com um punhado deles em céus brasileiros.

Bosco

Só de curiosidade , os B-1B deixaram de fazer parte da tríade nuclear por força do tratado New START que limitou a 60 a quantidade de bombardeiros. A USAF selecionou 45 B-52 e 15 B-2 para a função.

Alisson Pereira

Bosco qual seria a vantagem dos B-52 em detrimento dos B-1B para não terem escolhido nenhum deste segundo para ficar à disposição desta função ? Sua autonomia ?

Clésio Luiz

Você sabe que sua a idade esta avançando, quando uma moderníssima aeronave que você viu os protótipos num livro quando criança, está sendo aposentada depois de décadas de serviço…

Arthur

Sempre tenho esse pensamento!

É como alguém que te acompanhou a vida inteira saísse de cena… com essa variedade de caças chineses e indianos de hoje em dia, me sinto até meio “por fora” da atual aviação militar, como aquele tiozão ranzinza que prefere continuar falando do Opala que tomar conhecimento dos carros mais recentes!

Bosco

Bruno,
Mas 45 unidades ainda ficarão operacionais até pelo menos 2030.

Últimas Notícias

Saab iniciará a fase de entrega do Gripen E

Em novembro, a Saab dará início a fase de entrega de aeronaves operacionais, com quatro aeronaves Gripen E para...
- Advertisement -
- Advertisement -