quinta-feira, setembro 23, 2021

Gripen para o Brasil

USAF testa sistema de energia dirigida em túnel de vento

Destaques

Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

ARNOLD AIR FORCE BASE, Tenn. – A Seção de Aerodinâmica do Arnold Engineering Development Complex (AEDC) na Base da Força Aérea de Arnold está ajudando a Força Aérea dos EUA a levar sistemas de energia dirigida (DE) para o ar.

Os sistemas DE usam lasers ou microondas de alta energia para degradar ou destruir ameaças e alvos.

“Há um interesse crescente por sistemas de energia direcionada dentro do DOD (Departamento de Defesa) para muitos propósitos, especialmente para defender nossos sistemas e pessoal”, disse o Dr. Rich Roberts, chefe da Aerodynamics Branch Store Separation Section. “Existem vários sistemas em uso e sendo desenvolvidos em todo o DOD. Integrar os sistemas DE em aeronaves tem benefícios óbvios, mas também cria desafios, especialmente em velocidades mais altas.”

Durante o voo, uma aeronave cria ondas de choque no ar e outros distúrbios de fluxo de aeroóptica que podem afetar a qualidade do feixe e a eficácia de um sistema DE. O teste do túnel de vento permite que os engenheiros de teste visualizem e meçam essas mudanças no fluxo de ar enquanto controlam variáveis ​​como o número de Mach e a pressão da altitude.

Um teste DE conduzido recentemente no túnel de vento transônico de 4 pés, ou 4T, é o resultado de aproximadamente oito anos de trabalho. Os engenheiros do AEDC trabalharam com a MZA Associates Corp. por meio de Small Business Innovative Research, ou SBIR, e projetos de preparação comercial para desenvolver o Aero Isolation Measurement System, ou AIMS, para permitir o teste de DE aeroóptico nos túneis de vento.

“Simplificando, este sistema transmite um laser para o modelo, usa uma espécie de bancada óptica miniaturizada dentro do modelo e, em seguida, usa fibra óptica para canalizar os dados para um sistema de sensor frontal de onda”, disse Roberts. “A partir daí, podemos analisar dados que nos dizem como o laser foi impactado pelo campo de fluxo do túnel ao redor do modelo.”

A MZA também foi o cliente para o teste recente. A empresa tem trabalhado com a Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa em um projeto de aeromedigação supersônica com o objetivo de diminuir o impacto do fluxo de alta velocidade sobre um casulo. Um protótipo de uma cerca de mitigação de fluxo foi testado em 4T.

“Estamos observando como esse projeto controla o fluxo de ar sobre o casulo para minimizar o impacto do ar em movimento no desempenho do sistema”, disse Roberts. “Também estamos comparando dados de teste de túnel com dados CFD [dinâmica de fluido computacional] gerados anteriormente para garantir que as simulações representem corretamente os dados reais. Este teste em 4T foi a primeira vez que este sistema foi testado experimentalmente em condições supersônicas, além da primeira vez que o sistema AIMS foi usado no AEDC. O teste correu muito bem, obtendo todos os dados prioritários ao longo de dois dias de teste. Uma análise inicial dos dados mostra uma melhoria significativa na qualidade do feixe usando este novo design de cerca aerodinâmica.”

Com base nessa nova capacidade, o AEDC está trabalhando por meio de um projeto SBIR para desenvolver o Integrated Directed Energy Aero-Optical Surrogate, ou IDEAS, que é um modelo de subescala de uma aeronave F-15 com a capacidade de testar pods de laser. O hardware IDEAS está programado para passar por testes de aceitação ainda este ano.

“A capacidade de realizar testes aeroópticos de sistemas de energia dirigida nos túneis de vento representa uma nova capacidade de teste para o AEDC”, disse Roberts. “À medida que mais sistemas DE são desenvolvidos e integrados nas aeronaves, seremos capazes de ajudar nas decisões de projeto, criando envelopes de emprego, definindo carregamentos de armas adjacentes e outras coisas normalmente necessárias para escritórios de programa e fabricantes.”

Conceito de um pod de energia dirigida em um caça F-16

FONTE: USAF

- Advertisement -

18 Comments

Subscribe
Notify of
guest
18 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Willber Rodrigues

Tatataravô de um futuro X-Wing.

sergio

A galera aqui gosta de dizer que ops americanos perderão a onda dos misses hipersônicos ,que acertam alvos a mach 27, mach 30, ai esta a resposta, Enquanto Russia e China estão surfando a onda dos misses hipersônicos, achando que estavam com a ultima rosquinha do pacote, os EUA já estão surfando a onda das armas na velocidade da luz, Russia e China sempre correndo atras do preju.

Luiz Antonio

Comentei algo parecido na matéria dos mísseis hipersonicos. O caminho para neutraliza-los serão provavelmente recursos desse tipo.

sergio

Exato!!

Palpiteiro

Dentro da perspectiva de desenvolvimento tecnológico segue link para:

Relatório de ciências da UNESCO: a corrida contra o tempo por um desenvolvimento mais inteligente; resumo executivo e cenário brasileiro.

https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000377250_por

Emmanuel

O míssil hipersônico é um projeto natimorto diante dessas novas tecnologias.
Mas essa é uma verdade difícil de aceitar.

sergio

Pois e cara, E difícil pra muita gente aqui perceber que se os EUA acreditassem que os Misses hipersônicos estariam na vanguarda da guerra moderna, eles teriam uns 300 programas de desenvolvimento sobre o assunto, ao invés disso tem apenas 1, enquato que em se tratando de energia dirigida tem uns 20 diferentes.

Hcosta

Por enquanto não dá para comparar. Um míssil hipersónico é uma ameaça muito maior do que os lasers.
Este laser deve ser para utilizado contra drones e pouco mais.
Nem tenho a certeza se é eficaz contra misseis.

Bosco

Hcosta,
Não pense num laser de alta energia como se fosse o raio desintegrador do robô Gort. Um laser é a arma de mínimo efeito colateral definitiva. Ela só faz o mínimo necessário para dar resultado.
Um carro de Fórmula 1 perde rendimento por conta de um pedacinho perdido numa batidinha, imagine um furinho num míssil a Mach 10…
Caças e mísseis têm a pele fina. Um furinho no lugar certo pode fazer um grannnnnde estrago.

Hcosta

Com um laser é muito difícil. Precisa de algum tempo e de condições atmosféricas ideais. E para reduzir o tempo para ter efeito, aumenta-se a potência. Aviões e misseis têm pele fina mas muito resistente ao calor. Por esse motivo nos testes o laser é apontado à asa/áreas aerodinâmica e não ao corpo do míssil. A parte mais fina e que facilmente inutiliza o míssil. Mas num avião de caça com potência limitada e em grande velocidade/manobras, não deve ser fácil num cenário em está a ser atacado. Se está a atacar, o cenário é diferente. Por enquanto, acho que… Read more »

Bosco

HCosta, Eu sou mais otimista. Acho que em no máximo 5 anos já veremos laser de estado sólido armando aviões e helicópteros. Quanto a laser com potencial antimíssil balístico e hipersônico, deve levar mais tempo (10 anos?? ). O laser (ou feixe de partículas) não precisa necessariamente destruir o míssil. Há um conceito denominado de “disrupção do fluxo de ar” onde o laser é usado para mudar a “consistência” do ar à frente do míssil e fazê-la tombar. Quanto à sua afirmação que “um míssil hipersônico é uma ameaça muito maior” eu vejo que fazer tempestade em copo d’água. A… Read more »

Hcosta

Não foi nesse sentido. Os lasers ainda têm que provar que são úteis e viáveis em batalha.
Os misseis hipersónicos acho que já são uma realidade, apesar de serem protótipos. O mais difícil já está feito.
Agora se são uma arma assim tão disruptiva acho que não e concordo com o seu comentário.
É uma inovação mas não significa que seja uma revolução.

Foxtrot

Enquanto fazemos sigilo de mísseis (coisa corriqueira no mundo moderno(, eles apresentam seus sistemas de armas dirigida.
Pergunto, cadê a bomba PEM que o IEAV estava desenvolvendo ?
Cadê o kit GPS do projeto Trocano ?
Cadê os laser,s de alta potência para separação isotôpica de urânio que a FAB estuda há anos?
Ou seja, nossos militares ainda possui a cabeça na Guerra fria.
E ao examinar o alinhamento político deles na atualidade, não há dúvidas disso .

José

Negócio é mine maquete da maquete, tá no texto que ainda não sabem se vai funcionar, não existe caça que gere energia suficiente pra isso abater alvos a longo alcance, se um dia funcionar não será em menos de 50 anos, e ainda tem inteligentão que afirma que mísseis hipersonicos são ultrapassados pq USA não conseguem fazer um.
Saudades de quando tinham honestos aqui…

Vinicius Momesso

E eles acham que só os EUA terão tais armas.

sergio

Caça ainda não, mais navios conseguem, e já tem vários sistemas instalados e sendo testados em navios, Claro que china e Russia vão ter esse tipo de armas, da qui a uns 50 anos, como sempre.

ALISON

Pesquise melhor. O projeto da China de por tal armamento em navio ta mais avançado que o dos EUA

Bosco

Quer dizer que um caça consegue produzir energia pra fazer um radar detectar um avião a 400 km mas não consegue produzir energia para um laser furar uma lata a 10 km? Intendi!!!

Últimas Notícias

Eve, da Embraer, e Bristow firmam parceria para desenvolver operações de UAM com pedido de até 100 eVTOLs

Melbourne, Flórida, 23 de setembro de 2021 – A Eve Urban Air Mobility, uma empresa da Embraer, e a...
- Advertisement -
- Advertisement -