sexta-feira, setembro 24, 2021

Gripen para o Brasil

Força Aérea dos EUA apresenta nova renderização artística do bombardeiro B-21 Raider

Destaques

Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

WASHINGTON (AFNS) – A Força Aérea dos EUA (USAF) lançou uma nova renderização artística do B-21 Raider com uma ficha informativa que o acompanha. Tal como acontece com as representações anteriores, esta representação é a interpretação de um artista do projeto do B-21.

A nova renderização destaca o futuro bombardeiro stealth com a Edwards Air Force Base, Califórnia, como pano de fundo. O 420º Esquadrão de Testes de Voo baseado em Edwards AFB irá planejar, testar, analisar e relatar todos os testes de voo e solo do B-21 Raider.

O programa B-21 continua a executar a fase de Desenvolvimento de Engenharia e Fabricação e está focado em dimensionar a infraestrutura e capacidade de fabricação em toda a base de fornecimento industrial para se preparar para uma produção inicial de baixa cadência. Uma revisão crítica do projeto conduzida em 2018 concluiu que a aeronave tem um projeto maduro e estável.

Projetado para realizar missões convencionais e nucleares de longo alcance e para operar no ambiente de ameaças de ponta de amanhã, o B-21 será um componente visível e flexível da tríade nuclear dos EUA.

“A modernização nuclear é uma prioridade para o Departamento de Defesa e a Força Aérea, e o B-21 é a chave para esse plano”, disse Randall Walden, diretor do Escritório de Capacidades Rápidas da USAF. “O recurso integrado de arquitetura de sistemas abertos no o B-21 torna o bombardeiro eficaz à medida que o ambiente de ameaça evolui. Essa abordagem de projeto de aeronave coloca a nação no caminho certo para garantir a capacidade de poder aéreo duradouro da América”.

A USAF planeja substituir gradativamente os bombardeiros B-1 Lancer e B-2 Spirit para formar uma frota de bombardeiros B-21 e B-52 modificados. O programa B-21 está a caminho de entregar B-21s para a primeira base operacional, Ellsworth AFB, Dakota do Sul, em meados da década de 2020.

B-21 Raider

Missão
O B-21 Raider será um bombardeiro furtivo de ataque penetrante de dupla capacidade, capaz de lançar munições convencionais e nucleares. O B-21 formará a espinha dorsal da futura força de bombardeiros da Força Aérea dos EUA, consistindo de B-21s e B-52s. Projetado para operar no ambiente de ameaças de ponta de amanhã, o B-21 desempenhará um papel crítico para garantir a capacidade de poder aéreo duradouro da América.

Características
O B-21 Raider será um componente de uma família maior de sistemas convencionais de Ataque de Longo Alcance, incluindo Inteligência, Vigilância e Reconhecimento, ataque eletrônico, comunicação e outros recursos. Terá capacidade nuclear e será projetado para acomodar operações tripuladas ou não. Além disso, será capaz de empregar uma ampla combinação de munições de combate direto e de ataque direto.

O B-21 está sendo projetado com arquitetura de sistemas abertos para reduzir o risco de integração e permitir a competição por esforços de modernização futuros para permitir que a aeronave evolua conforme o ambiente de ameaças muda.

Histórico
O Departamento do Escritório de Capacidades Rápidas da Força Aérea lidera o desenvolvimento do B-21 Raider sob a direção do Subsecretário de Defesa para Aquisição e Sustentação e do Secretário da USAF.

A Força Aérea dos EUA concedeu o contrato de Desenvolvimento de Engenharia e Fabricação B-21 à Northrop Grumman em 27 de outubro de 2015. Os parceiros da Northrop Grumman no programa B-21 incluem Pratt & Whitney, Janicki Industries, Collins Aerospace, GKN Aerospace, BAE Systems e Spirit Aerosystems.

Em 2018, o programa conduziu com sucesso o Critical Design Review de sistemas de armas, uma avaliação abrangente de maturidade de design, estabilidade e risco em todo o programa.

Em 2019, a USAF concluiu o Processo de Base Estratégica anunciando a Base Aérea de Ellsworth, Dakota do Sul; Base da Força Aérea de Whiteman, Missouri; e Dyess Air Force Base, Texas, são os locais preferidos para as principais bases operacionais do B-21.

Depois de concluir o processo de Declaração de Impacto Ambiental conforme exigido pela Lei de Política Ambiental Nacional e outros processos regulatórios, em 2021, a Força Aérea nomeou a Base Aérea de Ellsworth, Dakota do Sul como a primeira base operacional principal B-21 e local da Unidade de Treinamento Formal.

O Centro de Teste da Força Aérea na Base da Força Aérea de Edwards, Califórnia, hospedará a Força de Teste Combinada B-21 e o Centro de Sustentação da Força Aérea na Base Aérea de Tinker, Oklahoma, é o local para o planejamento de manutenção.

O B-21 Raider é batizado em homenagem aos históricos Doolittle Raiders, homens da Força Aérea do Exército dos EUA que são conhecidos por seu ataque surpresa contra o Japão durante a Segunda Guerra Mundial em 18 de abril de 1942, que forçou os japoneses a convocar as forças de combate para defesa doméstica, e elevou o moral entre americanos e aliados dos EUA no exterior. A designação B-21 reconhece o Raider como o primeiro bombardeiro do século XXI.

Características gerais

Função primária: Bombardeiro furtivo de ataque penetrante e com capacidade nuclear.
Comando Líder: Air Force Global Strike Command
Frota: Mínimo de 100 aeronaves
Custo médio de aquisição da unidade*: US$ 550 milhões (dólares do ano base de 2010)/US$ 639 milhões (dólares do ano base 2019)
*O ex-secretário de Defesa Robert Gates considerou o custo médio unitário das aquisições do B-21 como um parâmetro de desempenho chave como o melhor meio de controlar os custos.
Munições: nucleares e convencionais
Operacional: meados da década de 2020

FONTE: USAF

- Advertisement -

38 Comments

Subscribe
Notify of
guest
38 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Willber Rodrigues

Vão aposentar o B1 e B2, mas ainda continuarão com o B52, voando ao lado do B21…esse B52 é mito mesmo.

Agressor's

É porque os B1 e B2 dão muito gasto e estão obsoletos contras as potências rivais, além de que não é preciso mais que B52s mesmos pra bombardear republiquetas de bananas sem sistema de defesa antiaérea pra se defender….

Andre

Obsoletos contra os rivais?? Como assim obsoletos? O que os rivais têm que tornaram os b2 obsoletos?

Procure as matérias recentes, aqui no aéreo e veja que o uso dos b52 não se dará contra inimigos sem aa, mas como plataforma de lançamento de mísseis de cruzeiro.

Antoniokings

Os chineses estão lançando um drone pesado com as mesmas características desse B-21.
Os EUA voltam a insistir na utilização de aeronaves tripuladas.
Vão ficar para trás novamente.

MestreD'Avis

Caro Kings, o que acha do bombardeiro stealth H-20 e das suas caracteristicas? Imparável? Poderoso?

Antoniokings

É um complemento ou alternativa (dependendo da situação) aos drones pesados.
Inclusive, foi noticiado há algumas semanas (pena que apaguei o link ante-ontem) que a China está construindo hangares para regimentos inteiros de drones.
Só que os EUA não têm um drone de ataque pesado para complementar seu bombardeiro.
Vão apostar todas as suas fichas no B-21, como fizeram com o F-35, e vão se estrepar.

Mestre D'Avis

Ah, sim. Os EUA não têm qualquer experiência no uso de drones… Coisas como o X-47, Avenger, MQ-25 são atrasadas e não se comparam aos novos drones chineses. O Loyal Wingman é fruto da imaginação. E um míssil como o LRASM inútil.
Que mundo esse vc vive em que um bombardeiro stealth chinês é maravilhoso e o dos EUA inútil…

Antoniokings

Tio Sam é meu Pastor e nada me faltará.

Pedro Bó

O B-52 também tem uma alta taxa de disponibilidade e maior carga. É o carregador de piano do SAC da USAF.

Willber Rodrigues

É incrível como o B-52 se adaptou bem a tecnologias que nem eram sonhadas na época em que a primeira aeronave saiu de fábrica, enquanto bombardeiros mais novos chegaram e foram aposentados antes.

carcara_br

Parece que simplificaram o desenho do B-2

sergio

Um B-2 mais barato.

carcara_br

É uma vantagem que eles podem explorar por terem base espalhadas por boa parte do mundo diminuem o tamanho da aeronave sem implicar numa diminuição real de capacidade de ataque.

Jacinto

Pelo desenho parece muito o X-47B, que era um drone.

sub urbano

Quase 700 milhões de dólares a unidade. É muita grana pra gastar com arma. Teve um presidente americano que disse: “gastamos bilhões de dolares em guerras nos ultimos 20 anos, a China pegou o mesmo valor e fez trem bala pelo país todo”

Agnelo

Neste sentido, a China pode deixar de gastar bilhões com armas e tirar o povo do interior da idade média…..

Jacinto

O mesmo poderia fazer o Brasil. EM um momento em que 1 em cada 4 brasileiros está em situação de insegurança alimentar faz sentido gastar dinheiro com equipamento militar?

fewoz

A diferença é que nos países citados, pelo menos este investimento retorna na forma de geração de empregos altamente qualificados, onde resultados e experiência adquiridos podem ser usados em outras áreas da indústria. Já num país que insiste em ser mero “exportador de café e açúcar”, o resultado é mais e mais pessoal.

Também concordo que os países deveriam investir primeiro no bem-estar direto do povo, mas o Brasil não faz nem um nem outro.

Teropode

Não creio que irão adquirir muitos deste B21 , a tecnologia dos novos mísseis tira um pouco a relevância de se utilizar ondas de Bombardeiros , por isso acredito que o B1B terá uma nova função dentro da força , não vai vai passar de 200 unidades , anotem aí , tem Black Projets na forma mais relevantes , inclusive com capacidades hipersonicas e semi-orbitais ….

leonidas

Eu ficarei imensamente surpreso se o número de unidades encomendadas atingir 200.
Acho que vai ficar em torno de 100 ou 120 se tanto.
Não que eles não sejam necessários, mas os cofres do tio Sam não são mais os mesmos né?

Hcosta

B1 foram 104 e B2 foram 21 produzidos. A diferença não é assim tão grande.

Jmgboston

Características furtivas certamenre levarão a desenhos parecidos. Por isso pode lembrar um B2 ” simplificado”. Agora, os aviônicos, defesas, motores, etc, etc, etc e mais um monte de etceteras com certeza não quer dizer um B2 mais ” barato”. É até divertido lêr essas deduções.

JuggerBR

Tá voando já, só não é a hora de mostrar ainda…

Franklin Apaza

Aham, sei.

Carlos Gallani

Com limitações é bem provável, assim como o caça de sexta geração, demonstradores de conceito voando a noite em alguma área 51 da vida!

Filipe

Cópia do H20 Chinês .

Riska_Faca

Tu tá de brincation uiti me?

Filipe

Talvez tenham mudado o para-brisas depois de analisarem o H20 chinês, kkkkk…. Parecendo que não estamos na Guerra Fria 2.0 , China Vs USA, daqui a pouco veremos o mesmo nos caças de 6ª Geração, nos SSBN da classe Columbia contra os SSBN Type 096 TANG da China, veremos muito mais coisas até 2050 (o ano da Paridade Militar entre a China e os EUA).

Marcelo

Pára brisas esquisitão

Nick

O B-21 não é tão revolucionário como o B-2, na prática, uma evolução do mesmo. Mesma concepção, mas com mais preocupação em relação à custos e capacidade de voar remotamente como um drone.

Franklin Apaza

Na verdade esse “novo” bombardeiro não passa de um Upgrade do B-2..

Hcosta

E quais são as características do B21? Não me parece que tenham sido divulgados.
Provavelmente será, mas até lá é especulação.

Antonio Sales

Onde se lê B-21 leia-se B-2.1.

Andre

“A USAF planeja substituir gradativamente”

Notem a palavra GRADATIVAMENTE antes de falar que o programa do b21 foi um fracasso prq não substituiu todos os b1 e b2 no primeiro ano….

Antunes 1980
Last edited 2 meses atrás by Antunes 1980
Riska_Faca

Hehehehe… daí vem um la e diz que a China está com drones pesados furtivos que deixarao os EUA pra trás e blas blas blas…
.
O outro diz que é copia de um tal de H20… o outro diz que é inferior e apenas uma atualização do B2…
.
Ai tu vem e mostra a realidade deles… hehehe… boa!

carcara_br

Me mostre ai qual das realidades aqui não é a “deles”, mostre-me a sua.

Marcelo

E daí? A USAF voa B-52s e F-15C…isso não quer dizer nada.

Últimas Notícias

FOTOS: J-16D com novos pods de guerra/interferência eletrônica

Foram divulgadas mais fotos do Shenyang J-16D, versão de guerra eletrônica do caça multimissão J-16 da Força Aérea de...
- Advertisement -
- Advertisement -