segunda-feira, agosto 2, 2021

Gripen para o Brasil

Empresas de defesa turcas unem forças para a aeronave de combate de 5ª geração TF-X MMU

Destaques

Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

As empresas da indústria de defesa turca combinaram suas capacidades para a Aeronave de Combate Nacional (MMU), um jato de combate stealth nativo de quinta geração e um dos projetos de tecnologia há muito aguardados na Turquia.

Temel Kotil, gerente geral da Turkish Aerospace Industries (TAI), principal contratada do projeto, disse à Agência Anadolu (AA) que o processo de produção está progredindo bem e que o protótipo, que inclui aviônicos, controle e sistemas hidráulicos, será revelado pela primeira vez em 18 de março de 2023.

Ele disse que após o acionamento do motor, os testes de solo começarão.

Afirmando que tem um cronograma “muito rígido” a seguir, Kotil disse que se trata de um projeto que tanto fornece conhecimento como recebe contribuições de terceiros.

Por exemplo, foi criada uma empresa conjunta com empresas turcas para o sistema de ar condicionado e que esta necessidade será satisfeita com recursos nacionais.

“Temos a Aselsan para aviônicos e hardware de computador, Havelsan para software, e a TAI também tem sua equipe de software”, disse ele.

Os atuadores, que proporcionam movimento das asas e superfícies de controle em aviões de guerra, são resultado de uma parceria firmada entre TAI, Altınay e uma empresa ucraniana.

A TAI está trabalhando para produzir a cobertura transparente ao redor da cabine localmente, Kotil continuou e disse: “Há um radar muito eficaz no nariz do avião. Demos essa tarefa à Aselsan, eles estão trabalhando nisso. Existem sensores no avião, produzidos por Aselsan e Havelsan.”

O Centro de Pesquisa em Tecnologias Avançadas de Segurança da Informação (BILGEM) do Conselho de Pesquisa Científica e Tecnológica da Turquia (TÜBITAK) está desenvolvendo os computadores centrais.

A Pavotek, outra empresa turca, está desenvolvendo o sistema de distribuição de energia.

Kotil disse que está utilizando todos os recursos disponíveis na Turquia para esta aeronave.

“Construir um caça significa colocar todos os elementos que contribuem para a ação”, disse ele, já que o papel principal da TAI é projetar e completar a geometria.

A fabricação de aeronaves de combate também significa produção nacional. “Por isso, estamos incluindo as empresas turcas no projeto o máximo possível e celebrando contratos com elas”, disse ele.

O número de engenheiros envolvidos no projeto já atingiu 1.000, disse Kotil, e que o número total de engenheiros da empresa ultrapassou 4.000.

O hangar preparado para as aeronaves de combate deve ser concluído ainda este ano, informou Kotil.

Devido ao alto nível de confidencialidade do projeto MMU, o hangar feito sob medida para a aeronave será uma estrutura isolada, disse ele e terá sua própria infraestrutura de comunicação e computadores de alto cálculo.

Kotil disse que este projeto de caça a jato de quinta geração é crucial para a empresa e para o país.

“É por isso que estamos trabalhando meticulosamente. Nossa carga de trabalho nos ‘mata’, mas a sinergia que produzimos com a carga de trabalho alivia todos os outros problemas ”, disse ele.

Ressaltando que o Hürjet, avião avançado a jato de treinamento e ataque leve também desenvolvido pela TAI, também voará até o final de 2022, Kotil afirmou que o sistema onde serão realizados os testes de solo dessa aeronave facilitará os testes do MMU.

A infraestrutura de teste do helicóptero Gökbey será usada primeiro para o Hürjet e depois para o MMU, disse ele, destacando que todos os projetos da empresa se apoiam mutuamente.

A experiência adquirida com o desenvolvimento do sistema de controle de voo do veículo aéreo não tripulado (UAV) Aksungur de última geração e a experiência adquirida com as atualizações dos caças F-16 beneficiarão a aeronave de combate nacional de quinta geração, disse Kotil.

Afirmando que a produção das peças do MMU será concluída até o final de 2022, Kotil disse: “A parte mais importante do MMU são as peças de titânio que seguram os motores. Esta é a parte mais difícil de fabricar.”

“No entanto, a empresa tem ampla experiência e conhecimento nessa fabricação”, disse ele enquanto eles estão fabricando o midbody dos F-35s.

Kotil acrescentou que o MMU é composto por 20 mil peças e afirmou que um motor pronto será usado no início e depois o motor a ser desenvolvido pela TRMotor será integrado à aeronave.

A empresa fechou parceria para desenvolver e produzir o trem de pouso que vai suportar uma carga de 60 toneladas, que é a força que surge durante os pousos.

O TF-X MMU é um jato de quinta geração com características semelhantes ao F-35 Lightning II da Lockheed Martin. A aeronave de fabricação turca está sendo desenvolvida para substituir os caças F-16 do Comando das Forças Aéreas da Turquia, antes da eliminação gradual destes últimos ao longo dos anos 2030.

FONTE: Daily Sabah

- Advertisement -

36 Comments

Subscribe
Notify of
guest
36 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Antoniokings

Turquia e Irã estão indo muito bem no desenvolvimento de armamento prórprio.

Mgtow

Antonio, não existe coisa melhor para uma nação do que ela receber as famigeradas sanções dos EUA e seu covil de lacaios. É a partir dai que começa a brotar a verdadeira soberania.

Teropode

Este tipo de assertividade impulsiona a indústria , centros de pesquisas e as faculdades do país , um dia o Brasil vai perceber isto …

fewoz

Se em 2021 ainda não percebeu, é porque nunca perceberá…

Caio

Não duvido que consigam. Porque A Turquia mesmo não sendo uma grande potência econômica e nem gastando em defesa a níveis das grandes potências, entretanto mostra uma capacidade de pesquisa e produção bélica muito desenvolvida. Que lhe tornou uma potência militar de respeito,

Paulo Araujo

Os turcos começaram bem depois de nós.
Mas tem projeto de País.
Estão indo longe.
Aparentemente nos falta o projeto de País.
Sempre há muitos projetos “pessoais”, de poder .
Para o País, falta projeto.
Qualquer projeto.

Allan Lemos

Não, amigo. Os turcos definitivamente não “começaram bem depois de nós”. Eles já eram um império milenar bem antes de Cristo. Mas entendi o que quer dizer, o contexto geopolítico deles os ajuda a avançar militarmente. Já no nosso caso, vivemos, infelizmente, em um contexto geopolítico pacífico, então não há incentivos para nos desenvolver nesse campo. O que não explica a nossa incompetência, obviamente.

Theo Gatos

Antes de Cristo não…

Os turcos vieram dos mongóis que pode se considerar que tinham o que podemos chamar de império em termos de organização e expansão de conquista de vários povos por volta de 1200 d.C. (época de Temudjin) e mesmo assim, a Turquia otomana é 200 anos mais jovem que isso…

Antes disso, mesmo contra alguns especialistas, pode-se dizer que eles tem uma origem ligada à dos hunos, mas esses tampouco formaram um império por terem características nômades e tiveram uma instabilidade grande na área dominada e disputas entre clãs internos…

Sds

Allan Lemos

Você está errado. O Império Hitita data de 2000AC, depois dele houve a Frígia. E antes deles houve vários outros povos habitando a região a Anatólia. Como por exemplo Hisarlik(Mais conhecida como Troia), cuja invasão pelos gregos inspirou Homero a escrever sobre a guerra épica. Essa cidade inclusive foi destruída e reconstruída 9 vezes, sendo que a primeira data de mais de 3000AC.

Os hunos se originaram mais ao leste da Anatólia.

Gabriel Galdino

E qual a relação do Império hitita com os povos turcos além de terem habitado a mesma região bem antes das migrações turcas proveniente das estepes asiáticas ? hititas, frígios, lídios nada tem a ver com os turcos que são povos mongoloides, esses só vieram a ter importância de fato quando começaram a conquistar as dinastias persas que eram independentes do califado abássida e posteriormente o levante e a anatólia, culminando no primeiro grande império turco islâmico de fato, o império seljúcida, isso pelo século XI DC.

Allan Lemos

Camarada, nenhum povo no mundo hoje em dia é puro. Os ingleses atuais, por exemplo, têm genes dos gauleses, dos romanos, dos germânicos, dos nórdicos e dos normândios(que são nórdicos misturados com francos, que por si só descendem dos germânicos e que também têm sangue dos romanos). Esse é um dos motivos que fazem a ideia de “raça ariana suprema pura” de você-sabe-quem ser uma completa estupidez. Da mesma forma, o povo turco moderno não é 100% descendente do povo que veio da Ásia Central. É misturado com o DNA de vários outros povos, inclusive gregos, hititas e celtas(galegos). Então… Read more »

Gabriel Galdino

Justamente por nenhum povo ser puro que não trouxe esse tema pro debate, o ponto aqui é franceses e alemães possuem heranças dos francos e das tribos germânicas no aspecto cultural e linguístico. Quando os turcos chegaram na Anatólia não existia mais cultura hitita ou frígia naquela região sob qualquer aspecto, gregos e iranianos não são os mesmos de quando travaram as guerras médicas mas ambos possuem aspectos culturais que os ligam aqueles povos ainda hoje, é por isso que a Grécia venceu a disputa judicial a respeito do nome Macedônia.

Segatto

De fato, os turcos de acordo com pesquisas genéticas só tem 15% do DNA proveniente da Ásia Central de onde os invasores túrquicos vieram sendo o resto de origem europeia (gregos que viviam ali e eslavos que vieram como escravos ou convertidos) e os povos do oeste asiático. De qualquer maneira esses impérios que citou não são antecessores dos estados turcos, não há continuidade de desenvolvimento estatal ou cultural entre eles e inclusive já haviam caído muito antes da formação da etnia turca ou foram destruídos exatamente pelos turcos, a entidade turca de onde parte o desenvolvimento da atual Turquia… Read more »

Segatto

De fato, os turcos de acordo com pesquisas genéticas só tem 15% do DNA proveniente da Ásia Central de onde os invasores túrquicos vieram sendo o resto de origem europeia (gregos que viviam ali e eslavos que vieram como escravos ou convertidos) e os povos do oeste asiático. De qualquer maneira esses impérios que citou não são antecessores dos estados turcos, não há continuidade de desenvolvimento estatal ou cultural entre eles e inclusive já haviam caído muito antes da formação da etnia turca ou foram destruídos exatamente pelos turcos, é algo da área política-sociológica, colocando a biologia poucos países ou… Read more »

Theo Gatos

Uma coisa é a mistura genética que o planeta todo tem… outra completamente diferente é a cultura… A região ficou muito tempo quase desabitada em comparação com o período assírio e não podemos falar que aquela “civilização” sobreviveu… Obviamente que há muita mistura de DNA, mas considerando a região em que vivem, guerras e os 400 anos de ocupação turca, o DNA grego é bastante preservado entre os gregos… “When the researchers compared the DNA of modern Greeks to that of ancient Mycenaeans, they found a lot of genetic overlap. Modern Greeks share similar proportions of DNA from the same… Read more »

Segatto

Esses povos que citou tem nada a ver com os turcos que como grupo invadiu e assimilou os nativos da Anatólia, nos séculos após a invasão mongol quando os primeiros turcos seljúcidas invadem a Anatólia esses povos que tu citou já não existiam há milênios, a entidade turca só vem no século XIV, os turcos são os últimos a chegarem nessa região e parecem que não vão embora para tristeza de gregos, armênios, curdos e outros

Last edited 1 mês atrás by Segatto
Theo Gatos

A origem dos turcos eh totalmente diferente dos hititas e dos troianos… não é porque havia algum povo ali que podem ser considerados o mesmo povo… Tróia era Wilusa (a capital Hitita era Hattusa) e Hirarlik é apenas o nome do local atualmente porque em turco é Truva a palavra pra Tróia… . Esses povos que residiam na região foram subjugados por outros povos muito antes dos turcos virem da Mongólia… Eles provavelmente tem sua origem em territórios da atual Ucrânia e foram completamente assimilados pelos Assírios… . Houve uma pequena tentativa de propaganda do estado turco de associar o… Read more »

fewoz

“Já no nosso caso, vivemos, infelizmente, em um contexto geopolítico pacífico, então não há incentivos para nos desenvolver nesse campo.”

O problema é que o Brasil não tira proveito desse contexto geopolígico pacífico para resolver a casa. E aqui não estou falando de assuntos militares, mas de saúde, educação, infraestrutura, etc, etc, etc. O quê é ainda mais revoltante.

Thiago A.

A faca e o queijo na mão mas falta a atitude … Uma lástima.

J R

O “problema” é que depois que os militares tomaram o poder em 1889, fizeram de tudo para apagar nossa história (de país forte e que defende seus interesses). Por isso nossa identidade como nação e nação forte não existe mais. Foi-se criando uma identidade de país bonzinho que tiraram sabe-se lá de onde…

Thiago A.

Você tem razão, Paulo.
E o projeto falta porque não há vontade e nem capacitação para delinear e executa-lo em sinergia com os vários segmentos da sociedade.

Como o colega bem colocou( logo acima ), economicamente a Turquia é deficitaria, poderiamos dizer que é o pilar mais frágil, o famoso pé de barro . Porém o que falta em potencial económico eles suprem com uma vontade política que poucos possuem, além da clareza e determinação para perseguir os próprios objetivos geopolíticos.

Segatto

Além de queimar etapas, eles realmente souberam aproveitar o ToT, instituições de ensino estrangeiras e fizeram negócios bons adquirindo tecnologia ou produzindo sob licença para depois fazer suas versões, várias coisas tem um pé ou projeto estrangeiro, o novo tanque Altay está recheado de componentes sul-coreanos e o projeto em si deriva dos tanques coreanos, o T-129 deriva do A129 italiano e tem componentes de várias localidades, drones criados por engenheiros formados no MIT e outras faculdades de renome estrangeiras também com vários componentes estrangeiros, recentemente tiveram que trocar o motor canadense pois o Canadá vetou a venda de mais… Read more »

Thiago A.

Como sempre Segatto , irretocável e abragente… resumiu bem os passos dos turcos nesse setor.

Gabriel BR

Eles(turcos) têm capacidade para tal

Vendéen

Artigo muito bom. Nos últimos dez anos, a Turquia tem sido um importante ator na indústria global de armas, o que é óbvio. Este é um pouco fora do assunto, mas significativo, no entanto. Quase todos os anos pares vou ao Eurosatory (o próximo normalmente em 2022; https://www.eurosatory.com/accueil/exposants/) e às vezes ao de Le Bourget (aviação). durante as minhas visitas, vejo em primeira mão que a presença de fabricantes de armamentos turcos está aumentando a cada vez. A Turquia, como muitos países (também a França), precisa progredir no campo da motorização, que é um campo muito, muito importante, essencial para… Read more »

Theo Gatos

Não entendi porque a França estaria em posição parecida com a Turquia no que tange o desenvolvimento de motores… Eles (franceses) já dominam essa tecnologia há décadas e, sem entrar na discussão do melhor/pior motor, estão muito bem nessa frente com motores autóctones equipando seus jatos…
.
Sds

Vendéen

VVocê está certo, estupidamente eu não fiz a distinção necessária e meu amálgama generalista é confuso. Na verdade, a França tem um bom fabricante de motores de aeronaves (motores a jato) com Safran (Snecma) e seus motores de versão M88 em uso mostram que têm boa confiabilidade, mesmo em países com clima muito quente. Mas, como os turcos, infelizmente também temos passagens obrigatórias restritivas e lacunas de viabilidade em certas áreas, como é o caso do motor do Chard Leclerc que, por padrão nacional, significa que optamos por um motor alemão muito bom. Os fabricantes de motores franceses não têm… Read more »

Theo Gatos

Sem problemas caro, esclarecido o argumento e raciocino! Não te achei estupido por ser generalista, apenas não tinha entendido o paralelo, mas agora você explicou seu pensamento…
.
Sds

Zorann

Não é tão facil desenvolver um 5G. principalmente a parte que se refere ao desenvolvimento materiais de materiais compostos/tintas tão necessários à furtividade.

A aeronave pode ter muitas características de 5G, mas não sei a partir de qual ponto, podemos considerar uma aeronave pertencente à esta geração.

Carlos Campos

Teve gente aqui que achou que eu tava brincando quando disse que a Turquia iria se tronar uma potência bélica tanto quanto o Reino Unido, França e Alemanha, taí, esses dias eles venderam drones para a Polonia e vão vender para Edtonia ou Lituania, não lembro, se não fosse o embargo dos motores o ATTACK 129 já estaria no Paquistão, eles já dominam a tecnologia de radares de GaN, já fazem motores de foguetes fortes e compactos para fazer ICBM, SLBM como um Topol por exemplo, estão comprando tecnologia de motores da Ucrânia,,,, não gosto de tudo que o Erdogan… Read more »

Segatto

Compraram tecnologia de todo canto do mundo, mandaram estudantes para centros de educação ao redor do mundo junto com investimento para desenvolver as tecnologias adquiridas, está ai o resultado, a Coreia do Sul também fez coisas semelhantes, só que começou antes e não se restringia majoritariamente a parte bélica

Carlos Campos

o Japão da Era Meiji fez o mesmo, depois conseguiram vencer até a Rússia.

Theo Gatos

A Turquia está sim se desenvolvendo na área e buscando a independência e maior conteúdo local.. mas ainda há um abismo gigante que os separam do que os Franceses, Alemães e Ingleses já são hoje e não será tão facilmente suplantado por ordem do sultão… . O nível de excelência que os países de centro europeus têm em quase todas as indústrias de defesa não pode ser comparado com elogiáveis, interessantes e importantes, porém isolados avanços turcos… . Não estou aqui dizendo que são os melhores ou piores do mundo, mas ambos os três países citados por você tem hoje… Read more »

Carlos Campos

Theo Gatos, pelo que eu vejo deles é uma questão de tempo até eles já atingirem esses países, pode pegar essa lista que você colocou, eles tem projeto em todas áreas, de submarinos à caças de 5ª geração, de Navios à MBT. boa noite.

sergio

E impresão minha ou esse caça tem duas baias em baixo do nariz ? , de armas não pode ser pois os gazes de combustão dos misses seria sugado pelas entradas de ar.
então o que seria?

Marcelo

creio que sejam apenas paineis de acesso para equipamentos eletronicos (avionicos) que ficam normalmente nessa regiao. Tem esse formato diferente provavelmente para diminuir a reflexao de radar.

Últimas Notícias

Aeronave P-3AM Orion completa 10 anos de incorporação à FAB

A data marcou a modernização da Aviação de Patrulha, pois o modelo possibilitou a detecção, localização, identificação e, até...
- Advertisement -
- Advertisement -