domingo, junho 20, 2021

Gripen para o Brasil

Há 39 anos, durante a Guerra das Malvinas/Falklands, um bombardeiro Vulcan da RAF pousava no Rio de Janeiro escoltado por dois F-5E da FAB

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

A arte da abertura é de autoria de Aicro Junior


Em 3 de junho de 1982, durante a Guerra das Malvinas/Falklands, um bombardeiro Avro Vulcan da Royal Air Force pousou no Aeroporto Internacional do Galeão no Rio de Janeiro, escoltado por dois caças F-5E Tiger II da Força Aérea Brasileira.

O bombardeiro Vulcan matrícula XM597 estava participando da missão Black Buck 6 de ataque aos radares do aeroporto de Port Stanley ocupado por tropas argentinas.

No retorno da missão em direção à Ilha de Ascensão no Oceano Atlântico, durante o reabastecimento em voo, o probe do Vulcan foi danificado, obrigando a tripulação do bombardeiro a alternar para o aeródromo mais próximo, no Rio de Janeiro.

Ao se aproximar da costa brasileira, o Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (Cindacta) acionou dois caças F-5E da Base Aérea de Santa Cruz para a interceptação.

O bombardeiro foi conduzido ao Galeão e o avião e sua tripulação permaneceram por uma semana no Rio de Janeiro.

Mísseis antirradiação AGM-45 Shrike em um Vulcan

Durante a missão, os caças ultrapassaram a barreira do som e as ondas de choque quebraram vidraças e assustaram pessoas no centro do Rio de Janeiro.

Na missão de ataque aos radares argentinos, o Vulcan estava equipado com 4 mísseis antirradiação AGM-45 Shrike.

Dois mísseis foram lançados contra os alvos e no retorno, após o problema com o probe de reabastecimento, a tripulação do Vulcan tentou alijar os dois mísseis restantes, mas apenas um desprendeu-se do avião.

O Vulcan acabou pousando no Galeão com um míssil AGM-45 sob uma das asas.

O bombardeiro e sua tripulação foram liberados para deixar o Brasil após uma semana, mas sem o míssil.

O míssil AGM-45 retido foi visto pela última vez em São José dos Campos (SP), segundo uma fonte.

Reprodução de fotos do Avro Vulcan pousado no Galeão, em junho de 1982

O Vulcan XM597 preservado no National Flight Museum em East Fortune mostra as marcações de missões com mísseis Shrike e a bandeira do Brasil

- Advertisement -

128 Comments

Subscribe
Notify of
guest
128 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
João Fernando

Afinal o míssel foi ou não foi devolvido? Até hj li que foi devolvido. Agora pelo texto estou na dúvida. De onde o site tirou a info?

PY3TO Rudi

Me tire uma Duvida Galante , na Interceptação os nossos F-5 estavam armados com Misseis ar ar!

Flight_Falcon

Segundo a entrevista do piloto que estava na missão, estavam com canhões municiados e prontos para serem utilizados.
A aeronave estava destinada para outra missão quando foi acionada.
A aeronave do alerta h24 tinha retornado de outra missão e não tinha condições de decolar naquela momento, por isso foram mesmo assim sem os misseis.

Marcos R

Também vi essa entrevista, muito boa, os F5 estavam prontos para decolar em treinamento, só teve o tempo de dar o golpe para carregar os canhões e decolaram.
https://youtu.be/27B2VAp7CF4

Last edited 16 dias atrás by Marcos R
Renato B.

Esse foi mais um excelente episódio do Aviões e Música com o piloto da FAB que comandou a interceptação. E o Vulcan voando é lindo, parece uma mariposa gigante. Os ingleses ainda tinham um em condição de vôo em 2010, aposentado claro.

Flight_Falcon

Tem uma edição da Revista Força Aérea que está bem mais detalhada a história. Do Aviões e Músicas foi bem resumido.

Rodrigo Maçolla

Verdade é a melhor reportagem que li até hoje sobre este episódio

Marcos R

Tem um documentário muito bom sobre o último vôo do Vulcan em um dos canais Discovery, se não me engano.

Alexandre Galante

Estavam sem mísseis ar-ar.

Francisco

Ambos estavam somente com as metralhadoras/canhões. No dia e hora do fato a aeronave de alerta estava retornando de um exercício simulado. Os dois F-5 estavam designados para um exercício de tiro. E eram as aeronaves mais disponíveis para a interceptação.

Carlos Crispim

Sim, verdade, o Brasil ainda estava na segunda guerra mundial, lamentável.

João Fernando

Amigo Galante, acompanho o site a anos e se vc confirma, fato interessantíssimo!

Mk48

Galante,
.
Quando vc puder, faz também uma matéria sobre a interceptação feita pelo Mirage III no avião cubano.

Ignorabimus

Um dos pilotos que participou da interceptação falou, em entrevista ao canal “Aviões e Músicas”, que os britânicos enviaram um C-130 para repatriar o míssil (que estava totalmente desmontado quando vieram buscar).

Last edited 16 dias atrás by Ignorabimus
BK117

Entrevista muito interessante, por sinal. Vale muito a pena ver!
Porém, no site oficial do museu onde o Vulcan está hoje preservado (Avro Vulcan B.2A (nms.ac.uk)) confirma que o míssil foi confiscado e nunca devolvido.

Last edited 16 dias atrás by BK117
Funcionário da Petrobras

Pois é.
Li e assisti muita matéria a respeito deste episódio, inclusive a entrevista com o piloto Raul.
Cada um fala uma coisa e não sei em quem acreditar.

Last edited 16 dias atrás by Funcionário da Petrobras
Ignorabimus

Interessante, nunca tinha ido atrás de uma fonte britânica. Imagino que o piloto tenha se enganado mesmo então.

Felipe Maia

Ano que vem esse episódio fará 40 anos. Acho que poderemos requisitar alguma coisa mediante Lei de Acesso a Informação. De qualquer forma, uma tia minha era servidora do CTA na época e ela confirma a história, mas não sabe o que foi feito do míssil. Vou tentar ver com algum amigo dela (servidor aposentado) se eles se recordam ou ouviram falar sobre o destino do míssil quando chegou aqui.

André Macedo

Uns dizem que o missíl foi usado pra engenharia reversa, outros que o missíl simplesmente foi embarcado pro Reino Unido um tempo depois…

Caio

Se e tivessem feito engenharia reversa sria um lampejo de ambição, mas somos certinhos(submissos) demais com as potências ocidentais, então provavelmente o míssil voltou pra casa intacto.

Allan Lemos

Pois é, duvido muito que alguém na FAB ou no governo teria bolas para mandar fazer engenharia reversa no míssil.

Flanker

Olha, se foi feita engenharia reversa, ou não, eu não sei. Entretanto, podemos garantir que no desenvolvimento do MAR-1 não teria sido usada nenhuma tecnologia adquirida com o estudo desse míssil?

Allan Lemos

Acho que quando o desenvolvimento do MAR-1 começou esse míssil já estava defasado.

Leandro Costa

O que rola na boca miúda é que o sistema de propulsão do míssil que teria sido ‘estudado’ para ser usado no projeto do MAA-1 Piranha, que já estava rolando. Não faz muito sentido para mim, mas é o que eu escutei por aí algumas vezes.

Renato

Talvez toda a “engenharia reversa” tenha se resumido a tirar umas fotos do míssil, catalogar suas medidas e seu peso. E olhe lá… Ahahaha
.
Como já disseram acima acima, alguém acredita que no Brasil dos anos 80 alguém teria bolas para dissecar por completo aquele equipamento? O espirito da submissão sempre falou mais alto em terras tupiniquins.

Last edited 15 dias atrás by Renato
José Luiz

Amigo pelo que li, em alguma revista antiga, naquela época da década de 80 o Exército operava o míssil antiaéreo Rolanda e houve realmente a tentativa de se fazer a engenharia reversa dele. Tanto que por causa disso o fornecedor bloqueou o fornecimento de componentes para a manutenção do sistema e por isso o míssil ficou inoperante. Se não falha a memória haviam 4 lançadores de Roland em chassi do blindado alemão Marder. Se existia este estudo sobre o míssil Roland, creio que haveria total interesse no míssil norta americano. Lembrando que não havia muita coisa para ser estudada naquela… Read more »

Adriano Madureira

comment image

AMX

Engenheiro Militar Mário Agostini, que chegou a lecionar na UFSC após se retirar do Exército, participou dessa engenharia reversa.

Adriano Madureira

não seríamos ousados para chegar a tanto…

Carlos Crispim

Engenharia reversa é pra quem tem conhecimento avançado para entender o processo, nós não temos nada, talvez soubéssemos fazer E.R. num balão ou num avião agrícola, daqueles que espalham herbicida, o resto é sonho, estamos há 50 anos pesquisando reatores nucleares e só temos maquetes, não adiantava nada desmontar um Vulcan sem ter nenhum saber do que se está fazendo, nossas universidades são ZERO, é como tentar abrir um OVNI com tecnologia Romulana.

Kemen

Andei lendo anos atras que essa operação dos Vulcan britanicos nas Malvinas, não atingiu o objetivo esperado.

Luiz

Operação BlacK Buck assim resumida:

Missão Black Buck 1: não teve sucesso 1 Vulcan retornou e o outro lançou 20 bombas, mas só uma acertou a pista controlada pelos argentinos

Missão Black Buck 2: Também fracassou, não conseguindo destruir a pista

Missões Black Buck 3 e 4 : Foram canceladas devido ao mau tempo

A única que teve sucesso foi a Black Buck 6 que destruiu um radar argentino. Foi retornando desta missão que o Vulcan desta postagem apresentou problemas e precisou pousar no Brasil

Max

Não atingiram o objetivo, que era o radar PtoArg, e não a pista. Por isso o míssil antirradiação. O radar terminou a guerra intacto. O radar q eles atingiram foi um diretor de tiro Skyguard, d uma peça antiaérea Oerlikon.

Last edited 16 dias atrás by Max
pangloss

Kemen, talvez a operação não tenha atingido o objetivo primário, mas as missões dos Vulcan obrigaram a Argentina a manter seus melhores interceptadores protegendo Buenos Aires de um hipotético ataque de bombardeiros ingleses.
Por esse ponto de vista, a missão foi bem sucedida.

Kemen

Amigo pangloss, tudo bem, mas me referi a missão indicada aos para os Vulcan nas ilhas.

Luiz

Quando criança tive a oportunidade, e porque não dizer, a felicidade de ver um Vulcan voando muito baixo em aproximação para pouso, e depois em exposição, em São José dos Campos, para participar do 1º ( e único) Salão Internacional Aeroespacial. Este avião é simplesmente fantástico!
A arte de abertura de autoria de Aicro Junior é 10!

Last edited 16 dias atrás by Luiz
Willber Rodrigues

Foi daí que nasceu a lenda urbana de que “fizemos” engenharia reversa nesse míssil?
E até hoje, ninguém sabe aonde esse míssil foi parar…
Só uma dúvida, porque apenas 2 dos 4 mísseis foram usados durante o ataque britânico?

PY3TO Rudi

Roubaram ele kkkkkk

Pablo

Olhe a entrevista no canal aviões e música (que foi semana passada). La tu vai tirar todas essas duvidas

Willber Rodrigues

Legal, vou dar uma procurada mais tarde

Maurício.

Legal a bandeira Brasileira no Vulcan, pena que está de ponta-cabeça.

Flanker

Salvei a imagem e ampliei, mas não consegui ver se está de ponta-cabeça. Mas, a maioria dos brasileiros também não saberia a posição correta da nossa bandeira. Por isso, os britânicos não saberem não me admira tanto.

Maurício.

Flanker, geralmente os outros países quase sempre colocam a bandeira de Brasil de ponta-cabeça, acontece muito com cantores quando vem para o Brasil rsrsrs.

images (17).jpeg
Ricardo

Eles devem imaginar que a faixa é um sorriso. Kkkk

Felipe Maia

Por qual motivo pintaram a bandeira do Brasil na fuselagem?

Leandro Costa

Para indicar que foi aquele Vulcan que precisou desviar para cá.

Felipe Maia

Não sei. Vejo isso como uma provocação. Normalmente se pinta na fuselagem as conquistas e vitórias. É como se quisessem dizer “esse Vulcan pegou o Brasil de surpresa”, e sabemos que não foi o que aconteceu.

Leandro Costa

Se coloca registro de missão de forma geral. Vitórias é o que mais aparece, mas na verdade se coloca de tudo. Número de missões, vitórias, feitos notáveis, alvos específicos atacados, etc. Esse aí se enquadraria como ‘feito notável.’ Não tem nada a ver como provocação. É apenas o registro de que essa aeronave específica acabou internada no Brasil durante o conflito.

Alexandre Esteves

Há alguns anos numa feira aeronáutica européia, os pilotos desse mesmo esquadrão – operando RAF Tornados – tinham em seus macacões de voo uma bolacha com o Cristo Redentor ao fundo com os dizeres: “The boys from Brazil”. Perguntado do porquê daquela bolacha, um tripulante informou que de tanto ouvirem chacotas e brincadeiras de seus colegas de outros esquadrões, adotaram a brincadeira.
Talvez algum ex-adido aeronáutico possa confirmar esta história ou até ver se deixaram de usar em seus trajes

Alexandre Esteves

Foi pintada do ponto de vista de quem observa o globo terrestre pelo hemisfério norte, logo o pintor seria inglês. Se fosse australiano ou neozelandês teria acertado.

Felipe Maia

Pelo que li a respeito, o Vulcan foi devolvido com a promessa de não ser mais usado em combate. Não sei se isso é verdade. Não sei também se ele ainda foi utilizado pela RAF após o conflito. Deve ter sido aposentado após o episódio.

Funcionário da Petrobras

Se não me engano já estava aterrado (aposentado) antes do conflito.

Voltou a servir somente durante o conflito, devido ao longo alcance.

Hellen

Interceptou nada,o vulcan ja estava chegando no rio de janeiro quando os f-5 acharam o vulcan visualmente pq os radares do f-5 nao achou nada e foi avisado pelo operador do radar que o f-5 estava em cim do alvo era pra olhar pra fora da cabine no visual que iria ver o vulcan e desta maneira o piloto achou o alvo !!!
O radar de longo alcance da fab no pico do couto esta em manutenção!!!!

Francisco

1- O Vulcan não se identificou para o controle.
2- Os F-5 cumpriram a vetoração determinada pelo controle.
3- O Vulcan negou comunicação com os F-5. Após manobras de insistência, o Vulcan estabeleceu comunicação e passou a seguir as orientações dos F-5.
4- Os pilotos do Vulcan afirmaram que achavam que não seriam interceptados.
5- O Vulcan já estavam com a “bruxa acesa” e fez um pouso direto.
6- Há uma edição da RFA que relata com detalhes o evento.

Teropode

Sim os pilotos foram direcionados para o alvo , tiveram dificuldades para visualização e para se comunicarem com os Inglêses ( ingres ruim) , a observação 3 e 4 são lendas , foram lago enquadrados quando encochados pelos bicudos que o direcionou para a pista de pouso . O interessante é que os garotos subiram no “pau” quebrando tudo 20 segundos após recolher as rodas . Alguém aqui tem dúvidas que se fosse preciso os caras fariam o bicudo virar um míssel ? Eu não tenho nenhuma , pois há relatos que deram um sustinho no Vulcan , tipo assim… Read more »

Last edited 16 dias atrás by Teropode
GFC_RJ

“a observação 3 e 4 são lendas”
Segundo os próprios caçadores, não foi lenda. 

“Será que os caçadores estão vivos , uma entrevista aqui no BLogue seria da hora heim?”
Ano passado teve um live de mais de 2 horas com os dois caçadores no canal “Sala de Guerra” do YT com o reforço do militar que ciceroneou a tripulação do Vulcan para em um passeio no Rio. Procura lá.

Rinaldo Nery

Maj Brig R1 Dias e Cel Av R1 Coelho (¨Coré¨). Servi com o então Maj Coelho, na AFA, em 1991.

A-330F

e qual a pertinência? Participou da interceptação?

Guimarães

Fui subordinado ao Maj. Brig. Dias, na UNIFA. Sigo ele no instagram, sempre peço para fazer uma live sobre o fato mas não sou atendido. Temos que pensar que os mísseis estavam ativados, porém travados no casulo. Mas vai que durante aproximação ao Galeão o míssel detecta o radar e se desprende do casulo.

Moises Augusto

Exato e em depoimento os pilotos dizem terem se utilizado de vôo invertido para poder encontrar o bandido

Fabio

No canal Sala de guerra no Youtube, tem uma entrevista de mais de 2 horas com os pilotos brasileiros e mais 2 convidados sobre o acontecido. Assistam.

Nilton L Junior

Existe um vídeo no tube do canal SDG que estavam presente os oficiais que participaram deste evento, depois dos ingleses foram hospedado depois de conhecer o Rio alguns queriam continuar hospedado.

Nonato

Mais ou menos naquela época, talvez um ou dois anos antes ou depois, o Príncipe Charles veio passear no Rio e foi assistir uma apresentação das mulatas de Sargenteli.
Tem foto e vídeo disso.
E ele parecia muito animado.
Será que os pilotos foram assistir alguma apresentação das mulatas de Sargenteli e por isso queriam ficar mais tempo???
Poderiam ter sido cooptados a passar informações ao Brasil… E terem sido retidos indefinidamente…

Dod

Imagina tu chegando da missão e o teu brodi falando, “ou, decola aí que o bagulho ficou sério”!!

GFC_RJ

O rádio cantou “rojão de fogo!”.
Era o código para dizer… Não é “brinca”, agora é “à vera”.

GFC_RJ

Acrescentando…
Meio que todos já estavam numa prontidão muito maior, pois afinal, estava rolando uma guerra de fato no continente. Assim, quando o “rojão de fogo” veio, não foi tão surpreendente assim aos caras.

M65

Acrescento que às vidraças vibraram também no centro de Niterói.
Eu assistia aula naquela manhã e ninguém sabia o que tinha causado aquilo.
Só depois quando voltei para casa e vi no telejornal das 13h que era o estrondo dos caças.

M65

Quem colecionou na década de 80 os fascículos que formaram os livros Aviões de Guerra, tem este episódio no Rio de Janeiro, porém os editores britânicos, omitiram a participação dos F-5.

Flanker

Exato! Eu tenho esses fascículos “Aviôes de Guerra” até hoje.

Rafael M. F.

E a bandeira do Brasil com a faixa branca invertida…

Rafael M. F.

E o Vulcan aterrissou com QAv insuficiente para fazer uma arremetida se a aterrissagem falhasse.

José Augusto
Jefferson Henrique

Neste vídeo do Canal Aviões e Músicas, um dos pilotos fala sobre o assunto.

https://youtu.be/27B2VAp7CF4

Segundo ele, o míssil foi devolvido, embarcado em um Hércules da RAF.

Leonardo

Acho que esse míssil aí deu origem a um conhecido míssil brasileiro!

Funcionário da Petrobras

Será que rolou mesmo a tal engenharia reversa como alguns falam?
Segundo o piloto Raul, o míssil foi devolvido uma semana depois do confisco.

Vitor

Estava servindo no parque de materia aeronáutico nesta época o vulcan ficou longe dos olhos dos curiosos num pequeno pátio entre o parque de material e a base aérea do galeão, poucos conheciam o avião, eu adorava o seu design já o tinha visto no filme de James Bond, e numa história em quadrinhos.

Funcionário da Petrobras

Li e assisti muita matéria a respeito deste episódio, inclusive a tal entrevista com o piloto Raul. Ele disse que o míssil foi devolvido; outros dizem que não.
Cada um fala uma coisa e não sei em quem acreditar.
Quanto à nossa bandeira invertida no Vulcan, tive que dar zoom na foto pra constatar o feito.
Como vocês são detalhistas hein!?

Last edited 16 dias atrás by Funcionário da Petrobras
Maurício.

Funcionário, eu vi a nossa bandeira ali e tive que dar um zoom rsrsrs.
Aqui um Su-37 ainda na época do FX com a nossa bandeira também.

su-37.jpg
Denis

Pelo menos os “russos malvados” puseram nossa bandeira do jeito certo, diferente dos “ingleses bonzinhos”.

Last edited 12 dias atrás by Denis
Jad Bal Ja

O Brasil deveria ter ficado com o Vulcan, afinal eles foram aposentados mesmo, logo depois da guerra. Pelo menos teríamos uma peça interessante pra um museu. A Grã-Bretanha não ia perder nada e ainda teríamos feito uma média com os hermanos. Hahahaha.

GFC_RJ

A Mrs. Tatcher chorou MUITO ao Mr. Reagan quando o Vulcan ficou retido.
O Brasil em acordo devolveu depois de uma semana com o compromisso de que não mais seriam utilizados na guerra.
O que, de fato ocorreu pois, mesmo que desse tempo de repará-lo, a guerra terminaria poucos dias depois.

bruno shamballah rizaporta

o missel anti radar brasileiro foi vendido pro paquistao nos anos 90 copia do missel do vulcan

Marcos Cooper

se vc tá dizendo….

joel eduardo soares

Senhores, eu já tenho outra versão para os fatos.
Na verdade decolaram dois F-5 de Canoas dois de Anápolis e dois do Rio
Foram utilizados três caminhões no carregamento de diversos tipos de munição.
Este relato eu recebi de viva voz de quem foi retirar a munição do interior da aeronave.
Nem sempre o que fica registrado na história é toda a verdade.
Abraço a todos!

Leandro Costa

Não entendi, Joel. Por que decolaram dois F-5 de Canoas e dois de Anápolis (que na época operava Mirages). Que carregamento de diversos tipos de munição e para que? Se puder esclarecer, ajuda bastante.

Eu já recebi relatos de MiG-25’s usados pela FAB em cavernas na Amazônia, prontos para declarem e abaterem qualquer invasor. Isso de uma pessoa cujo irmão é da FAB e teria dito isso para ele. Você acha que eu acreditei? Heheheheh

Flanker

Barbaridade! Essa dos Mig-25 é brabo…..kkkkkkkk….é assim mesmo, Leandro . Inventam de tudo. Todo tipo de fantasia.

Leandro Costa

Cara… é aquela coisa. Quando alguém te identifica como alguém que é entusiasta no assunto, às vezes a pessoa gosta, mas nunca realmente entrou de cabeça no assunto e vem cheia de histórias mirabolantes, na maioria das vezes super teorias da conspiração sem pé nem cabeça. Aí você sorri, fala que ‘pois é…’ e muda de assunto imediatamente. Minha paz não tem preço heheheheh

Clésio Luiz

Queria saber como um F-5E (!) saindo de Anápolis ia conseguir fazer alguma coisa naquela situação, onde até MiG-31 chegaria atrasado…

Leandro Costa

Clésio, seria como ter um compromisso na Av. Paulista às nove horas da manhã e sair de sua casa, num Fusquinha às 7 da manhã do mesmo dia… Mas morando em Vitória e sem reabastecer hehehehe

Rinaldo Nery

Foi a espaçonave do ¨4 de Julho¨, com Will Smith nos comandos. Sabe nada…

Leandro Costa

Obrigado pela correção, Cel! 😀

Flanker

Em 1982, em Anápolis operavam Mirage III e não F-5. Quanto a ter decolado aeronaves de outras bases, como vc escreveu, acho que vc se confundiu com “A noite dos OVNI’s”, quando decolaram interceptadores de Santa Cruz e Anápolis.
Quanto aos caminhões para carregar a munição e armas que estavam no Vulcan, você é a primeira pessoa a escrever sobre isso. Poderia nos brindar com uma explanação mais aprofundada?

Rinaldo Nery

Que bobagem… Valha-me Deus…

Felipe Maia

Bom dia. Moro em São José dos Campos. Minha tia trabalhou a vida toda e se aposentou no CTA, atual DCTA. A história sobre terem trazido o míssil pra cá, segundo relatos dela, é absolutamente verdadeira. Todos que trabalhavam no CTA naquela época sabem disso.
O que não está claro é o que foi feito com ele. Não dá pra afirmar categoricamente que o MAR1 seja fruto de engenharia reversa. Mas pode ter influenciado alguma coisa, sim.

Ted

Alguém sabe algo sobre um laboratório subterrâneo em forma de hexágono de 3 pavimentos que fica na área do DCTA?

Joao Moita Jr

Criança durante aquela época, me lembro muito bem de um finado tio major do EB, que me disse que brevemente o F-5 seria substituído. Se ele ainda vivesse…

Flanker

João, como seu tio era major do EB, e não da FAB, talvez ele tenha falado algo apenas da própria cabeça dele, pois naquela época, 1982, os F-5 da FAB tinham apenas 7 anos de uso e alguns, apenas 6 anos.

Last edited 15 dias atrás by Flanker
Flanker

Os que negativaram não sabem interpretar um texto. Qual país, em qualquer lugar do mundo, substitui aeronaves normais, que não apresentam problema, e que tem menos de 10 anos de uso???

Last edited 15 dias atrás by Flanker
Luciano do Prado

Brevemente em tempo geológico ele quis dizer kk

jose benedito

Mérito somente para a equipagem dos F-5,porque com plena guerra rolando no quintal do nosso litoral, o sistema de defesa aérea não era capaz de detectar um avião desse tamanho voando a 200 km do RJ, a interceptação só foi possivel porque o próprio Vulcan entrou em contato com o controle aéreo do RJ, caso contrário até hoje estaríamos sem saber a localização dele. O piór é que não aprendemos nada, até hoje não tem um radar de longo alcance em Campos e na ilha de Trindade, o que daria uma boa consciencia situacional do que ocorre nesse trecho de… Read more »

Marcos Cooper

Normal na República da Banâmia.

Leandro Costa

Só uma correção. Já se tinham as aeronaves britânicas no radar (eram três) antes do contato via rádio. Elas estavam sendo acompanhadas e os caças de colaram quando o Vulcan aprovou na direção do espaço aéreo brasileiro. Poderiam ter sido acionadas antes já que as aeronaves estavam no limite do espaço aéreo, mas provavelmente seja lá quem estivesse cantando as jogadas talvez estivesse esperando para ver o que elas iriam fazer, sendo que o pessoal em alerta já deveria estar padrão de pouso.

Rinaldo Nery

Houve muita dificuldade na comunicação entre o controlador e o inglês. A comunicação estava horrível.

Guimarães

A comunicação estava horrível devido a eles usarem uma pequena porta/janela, para jogar alguns códigos e documentos ao mar antes de pousarem em solo Brasileiro. Procede essa informação?

Rinaldo Nery

Há um radar em Santa Tereza, ES. Não precisa de radar em Campos.

Marco Ferreira

Só não entendi o porque do Brasil poder trancafiar o avião aqui e pegar o míssil, devolvido ou não.
Existe legislação pra isso? Abraço

Leandro Costa

Sim.

Clésio Luiz

O piloto britânico do Vulcan deu entrevista a poucos ano atrás, cantando que deu baile na defesa aérea brasileira, distorcendo os fatos para mostrar que era *odão. Falar da *erda que ele fez no reabastecimento, que resultou na quebra da sonda e fracasso em retornar da missão, ele fez questão de omitir.

Era bom que em vez de ser bem recebido como foi, tivesse sido trancado numa salinha sem ar-condicionado e com janelas fechadas, para “curtir” o calor do Rio de Janeiro.

Antunes 1980

Nesta época os F-5E ja operavam com misseis ar ar, ou apenas canhões orgânicos?

Felipe Maia

Acho que os F-5E sempre puderam operar com os AIM-9 Sidewinder, porém, naquele contexto, com aquela urgência, presumo que preferiram não armar os F-5 com mísseis para a interceptação. Preferiam mandar 2 que já estavam com os canhões carregados para uma missão de treinamento que seria feita na Restinga da Marambaia.

Leandro Costa

Operavam com os AIM-9B. Mas como o Felipe postou, os F-5 que fizeram a interceptação estavam apenas com os canhões municiados. Foi preciso apenas dar o golpe. Pelo relato dos pilotos, mesmo indo fazer apenas exercício de ‘tiro-foto’ (sem realmente acionar o canhão), devido à situação delicada com o conflito rolando ao lado, os F-5 todos estavam com munição real nos canhões. Aqui cabe dizer que os mísseis, em nenhuma Força Aérea do Mundo, são colocados à menos que se tenha a ‘possibilidade forte’ de utilizá-los. As aeronaves de alerta estavam com eles nas asas, mas as outras não. O… Read more »

Rinaldo Nery

O peso da munição no nariz faz diferença nesse tipo de missão. Por isso os canhões municiados.

Leandro Costa

Bom saber disso. Parece lógico, mas nunca me ocorreu.

José Luiz

Isso aí, em 1982 os F5E somente podiam ser armados com os AIM 9 B – “Bravo” sobre os quais pode obter bastante informação na internet e os Mirage III somente podiam levar um único Matra R 530 totalmente obsoleto no pilone central, salvo engano naquela época os Mirage III não podiam levar o AIM 9 B. A situação somente melhorou com a compra dos Python 3 quando a FAB voltou a ter uma arma ar ar digna e aí os Mirage III também adotaram esta arma. Os Argentinos possuiam dois lotes de Mirage III o primeiro lote estava igual… Read more »

JuggerBR

O mais insano destas missões inglesas era os reabastecimentos, no video do aviões e música explica bem… Gastavam umas carretas pra cada missão. Pra cada Vulcan eram uns cinco reabastecedores…

Marcelo

Por que a bandeira do Brasil no avião se não houve missão por aqui e muito menos destruição de alvo?

Flanker

Justamente para registrar o fato histórico que estamos discutindo e comentando aqui.

Felipe Maia

Sempre que leio essas histórias sobre a Guerra das Malvinas, fico pensando em como os Argentinos estavam bem mais armados que o Brasil naquela época. Pelo menos do ponto de vista quantitativo. Verdade seja dita, nós tínhamos uma Força Aérea e uma aviação embarcada bem mais modesta. Os argentinos possuíam uma grande quantidade de Mirage III, IAI Dagger, A-4, sem falar nos Puccará e etc. Na Armada também não era diferente. Apesar de utilizarem praticamente o mesmo tipo de porta-aviões que o nosso, já lançavam A-4 a partir dele desde aquela época. Sem mencionar os Super Étendart com Exocet, mísseis… Read more »

Last edited 15 dias atrás by Felipe Maia
carvalho2008

Mestre Felipe Maia, Já eu penso diferente. Se numa realidade alternativa a Argentina tivesse o inventário e infra brasileira, teriam um resultado melhor mesmo fazendo as mesmas burradas… quase não houve blindados na guerra, quer seja do lado britanico, quer do lado argentino…creio eu que um levou uns 20 (Scimitar) e o outro uns 12 (Panhard). O Brasil já dispunha de centenas de EE-9 Cascavel no EB e de quebra os páteos da Engesa estavam lotados com outras dezenas ou centenas deles em fila de exportação. A FAB tinha apenas uns 16 Mirage III e uns 40 F-5, mas tinha… Read more »

José Luiz

Carvalho essa discussão interessante. Gosto muito do tema da Guerra do Atlântico Sul por considerar ela muito útil para aprendizado, sendo muito didática por se curta com operações limitadas mas envolvendo quase todos os tipos de ações militares. Primeiramente uma coisa nestas análises comparativas entre Brasil e Argentina eram se tivesse havido um conflito entre ambos outra coisa é imaginar os meios do Brasil sendo empregados contra os Britânicos. Alguns pontos das suas colocações Com relação aos blindados a Argentina estava muito bem na época, claro que tinhamos os blindados da Engesa, mas eles tinham carros de combate TAM uma… Read more »

Carvalho2008

Mestre Jose Luiz, conheço as observações do solo fofo e úmido , mas realmente acredito que a limitação estava envolvida na capacidade de ambas as forças desdobrarem seus blindados ao local. Sem duvida precisariam de blindados leves, os Britanicos levaram os Scimitar e Skorpion, mas e os argentinos? Eles simplesmente não tinham esta capacidade. AMX30 de 17ton? Eles estavam no osso, para lá de velhos e certamente nao operacionais. O TAM de 30 ton? Descarregar com o quê?? Nem cabe no Hercules….Somente cabia no Hercules o Panhard….mas existiam no maximo 40 deles em todo o inventario…ou seja, a argentina apenas… Read more »

JuggerBR

Estavam com muitos aviões, porém não estavam preparados, entraram no conflito por meio de blefe, e se deram mal. Perderam os equipamentos e muitas vidas a toa.

Leandro Costa

Eu concordo. Aquele papo de ‘Os Britânicos não vão entrar em guerra por causa de umas ilhazinhas…’ não funcionaria de qualquer forma. Quando se usa aparato militar para alguma coisa, precisa se estar preparado para uma resposta militar também. Os Argentinos falharam miseravelmente em considerarem isso.

Leandro Assis

Li uma matéria a respeito, talvez tenha até sido aqui na trilogia, que mencionava a surpresa e admiração dos ingleses perante a rápida capacidade dos brasileiros em rastrear o vulcan e em colocar 2 caças a sua interceptação!

Nonato

Ok. Um avião não identificado apareceu no radar.
A que distância estava?
Qual a percepção dos militares brasileiros quanto ao risco potencial dessa invação do nosso território?
Em condições normais, qualquer aeronave não identificada pode ser objeto de interceptação.
Mas por que esse desespero dos F 5 em quebrar a barreira do som sobre o Rio, Niteroi?
Havia realmente urgência?
Tinham receio de um ataque ao Rio, a despeito de o Brasil não ser um inimigo, a despeito de ser simpático à causa argentina?

Fabio

Amigo, assista a entrevista no canal sala de guerra, lá você vai assistir tudo detalhado pelos personagens do dia.

Os radares detectaram 3 contatos no radar, antes de entrar no espaço aéreo brasileiro, 2 aviões de apoio voltaram, só veio o Vulcan mesmo, tentaram entrar em contato rádio não responderam, o resto é história.

Nonato

Os F 5 não tinha radar???

Reportagens especiais

Esquadrão Rumba: formando os Aviadores do Futuro

O Poder Aéreo visitou recentemente a Ala 10, que está situada no município de Parnamirim ao lado da cidade...
- Advertisement -
- Advertisement -