sábado, junho 12, 2021

Gripen para o Brasil

Menos KC-390 e mais Gripens

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Em entrevista ao jornal Valor Econômico, o Comandante da Aeronáutica Tenente-Brigadeiro do Ar Carlos de Almeida Baptista Junior detalha os motivos que o levaram a renegociar com a Embraer o contrato de aquisição de 28 aeronaves KC-390 Millenium.

O número de 28 aeronaves inicialmente contratadas ficará entre 13 a 16, em decisão a ser tomada nos próximos três meses. Até agora, quatro aviões foram entregues à FAB.

Segundo o Comandante da Aeronáutica, para este ano, a FAB conta com somente 50% dos recursos para pagar o financiamento do KC-390 e do Gripen.

Baptista Jr também falou sobre a necessidade de compra de um segundo lote de caças Gripen.

O Comandante da Aeronáutica confirmou a previsão de entrega dos quatro primeiros caças Gripen de 36 unidades no fim do ano ou no começo do ano que vem.

Baptista Jr disse que a expectativa da FAB é adquirir algo em torno de 60 ou 70 caças Gripen, e que em breve estará na hora de começar a falar de um segundo lote.

Segundo ele, “um país do tamanho do Brasil, não dá para se falar em apenas 36 aviões de caça”.

- Advertisement -

301 Comments

Subscribe
Notify of
guest
301 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Matheus Augusto

Lamentável se o programa KC-390 for reduzido para apenas 16 unidades, não vai nem suprir a baixa dos C-130

JOAO

É lamentável, já que foram investidos 1.3 bilhão de dólares no desenvolvimento. Se tornou um péssimo negócio. Era mais fácil terem adquirido o C130J. Comprar 13 unidades se tornou uma piada sem graça e pouco econômico.

Embora o comandante deu a entender que esse seria o número de um primeiro lote, a história já nos ensinou que não haverá um segundo.

Lamentasse ainda que em sua entrevista o comandante da FAB não faz qualquer citação a redução de pessoal. Grandes efetivos para poucas aeronaves. Temos um efetivo comparável às grandes potências. Um grande efetivo para 13 kc 390!

Bueno

 “Não estamos dizendo que a Força Aérea não terá os 28 aviões. Estamos dizendo que, com essa redução, teremos talvez mais de uns contratos para atingir essa quantidade.”
Brig Baptista Jr – ao Jornal Valor

Paulo

Bueno , parece aqueles comentários que fazemos sobre o Papai Nobel para os nossos filhos. A histórico da FAB nesse sentido não é nada bom. Não se iluda. Não haverá outros lotes.

Last edited 10 dias atrás by Paulo
Bueno

Paulo, acredito que a FAB vai comprar as 28 aeronaves a questão é o tempo de compra de todas elas, a FAB comprou 29 C-130 ao longo de 35 anos , rs… Claro que não creio que demorara tanto tempo assim no KC390. 🙂

Last edited 10 dias atrás by Bueno
Jadson Cabral

O problema, meu amigo Bueno, o problema é que isso é o que pensa o comandante atual no momento atual em que vivemos. Nada nos garante que daqui a 2 ou 3 anos os próximos comandantes pensarão da mesma forma e muito menos temos garantia de que a situação orçamentária estará muito melhor. Muito pelo contrário, nos estamos no país onde as pessoas são mais importantes que as instituições a que elas pertencem. Cada comandante que entra, tem uma opinião diferente e quer fazer do jeito dele.

Camargoer

Caro Jadson. Nada garante como estará a economia do país daqui 5 ou 10 anos. Poderá estar igual (ruim), pior (péssimo), melhor (torço para isso). Seria um erro escrever na pedra coisas que precisam ser revisadas periodicamente.

JuggerBR

Mas o C-130 sempre tinha encomenda na linha de produção, então deu pra espaçar os pedidos, no caso do KC-390, depois que entregar os 13, vai ficar parado esperando mais encomendas? Duvido…
Vai ser o F-22 da FAB…

PCOA

muitos dos C130 vieram de segunda mão, via Itália, ou seja, por um preço de aquisição na casa da fração de um novo. De onde virão KCTões de segunda mão? Não haverão muitos outros. Não chegarão 20. Péssimo negócio.

Romulo Federici

Detesto o pessimismo crônico🥴!

Camargoer

Olá Romulo. Devemos ser pessimistas no planejamento e otimistas na ação.

Rogério Loureiro Dhierio

Pior do que o pessimismo crônico é a realidade cômica a qual temos de engolir.

Não sei o que é pior.

Romulo Federici

Claríssimo Brigadeiro. Ajustes futuros podem recompor a frota de KC. Aumentar a frota de GRIPEN é necessidade básica é prioridade.

Bueno

KC-390 FAB2857 quew sera entregue este ano.. em voo

https://www.flightradar24.com/EMBRAER/27f0668b

Camargoer

Caro João. Creio que você parte de uma premissa equivocada. Não seria correto misturar os interesses do Governo Brasileiro (investidor no projeto), Embraer (fabricante) e FAB (comprador). O investimento foi feito pelo governo brasileiro. O lucro da Embraer vem da venda das aeronaves. A FAB compra o número de aeronaves segundo suas necessidades e recursos. Por que foi um péssimo negócio para o governo brasileiro financiar o KC390? Teria sido esperado que os impostos gerados pela fabricação e venda dos aviões seriam maiores que os recursos usados no investimento? Seria necessário levar em conta nesta conta os recursos pagos aos… Read more »

Paulo

Camargoer, tenho que discordar. Interesses do estado brasileiro = interesses da FAB. Ela existe em função do estado. Acha mesmo que os impostos investidos no projeto KC390 eram para gerar um lucrinho para o governo?! Não, era para atender uma necessidade da força aérea e do estado brasileiro. Não precisa ser muito esperto para entender que uma escala de 13 aeronaves vai gerar um grande prejuízo para a sociedade. Era mais lógico ter comprado fora. É muito chato os comandantes militares ficarem culpando o orçamento quando eles não fazem nada para otimizar o efetivo das F.A. Lembre, temos um dos… Read more »

leonidas

Esquece Paulo esses caras gostam de tentar passar pano e fingir que a compra do número original já era ridícula e com 16 agora em termos de investimento e relação custo x beneficio se mostra criminosa. Ai vem nego com papo para boi dormir querendo posar de bom senso. Bom senso é tudo que falta na droga desse picadeiro chamado Brasill Dá licença leva-se décadas para comprar algo, quando compra é sempre esse choro de miséria, se vive contando moeda. Enquanto isso o poder Judiciário e a Camera + Senado levantam BILHOES todos anos em recurso, e agora esse tal… Read more »

Wagner

Leonidas, como vai? Faço minhas tuas palavras.

Fabrício

Os interesses da Força não são iguais aos do Estado. Provavelmente a FAB teria preferido uma compra de prateleira dos C-130J, com os quais ela tem familiaridade por ter versões antigas do Hércules e conhecer as necessidades logísticas de operação, facilitando treinamento e diminuindo custos.

O Estado é que preferiu ter a capacidade de produzir uma aeronave de transporte tático nacional porque foi uma decisão política de um governo anterior, na área de política pública de desenvolvimento técnico, científico e industrial tomada anos atrás que se optou o desenvolvimento do KC-390.

Rinaldo Nery

Não. A FAB nunca quis o C-130J.

BR Paraná

Isto mostra as falta de gestão das forças armadas. E para piorar vem um oficial mal preparando, dar uma desculpa esfarrapada para querer justificativa o prejuízo bilionário que foi dado aos cofres público.
Já não bastava os políticos.

Mayuan

Ele é despreparado né? Um brigadeiro?

Sei não mas apostaria com razoável confiança que ele deve ter estudado bem mais do que boa parte de quem o critica….

Rinaldo Nery

Mal preparado? Foi meu cmt por 4 anos. Tá aí uma grande estupidez postada em letras garrafais.

Cainelson Jose da Rosa

Na hora de necessitar um transporte urgente , coloca no colo do piloto um cilindro de oxigênio e o faz levar no destino.Lamentavel decisao de reduzuir a compra de KC

Fuca

E todo o investimento para geração de emprego também se perdeu……

É a mesma coisa com os investimentos nós submarinos convencionais compraram o direito de montar 4 unidades e agora não tem $$$ para outras unidades…
E todo o investimento TB foi…

Guerreiro

A FAB já operou cerca de 40 unidades do C130 Hércules em diferentes versões , se tivesse orçamento, o ideal séria ter os 40 KC390 , porém a força não consegue manter nem o pedido pífio de 28 aeronaves, Após todo o investimento feito séria melhor ter comprado 16 C130 novos é investir todo o orçamento nós F39.

Bueno

A FAB nunca teve em carga 40 C-130 ,
ja operou durante 42 nos e diferente de ter em carga 40 unidades

Marcos

A FAB operou 28 C-130

Bueno

Ao longo de 35 anos FAB recebeu um total de 29 exemplares das versões C-130E (8), SC-130E (3), C-130H (16) e KC-130H (2) que passaram por dois programas de atualização. Consta que 7 foram Perdidas e outras retiradas de serviço. Algumas fontes informam que 10 a 11 estão na ativa e é possivel comprovar que sim. A FAB nunca operou ou teve em plena carga 28 aeronaves C-130. As 11 aeronaves C-130 ativas que tenho acompanhado em registro de voo no flight radar de Novembro 2020 a Junho 2021 FAB2466- FAB2467 – FAB2461 (KC130M) – FAB2462 (KC130) – FAB2471- FAB2472 –… Read more »

Last edited 10 dias atrás by Bueno
leonidas

Não teve carga porque nunca foi Força Aérea digna deste nome.
E nunca teve comando e o Brasil lider de estado.
Querer justificar o amadorismo da situação alegando falta de demanda da força? rs
Oras demanda deveria haver, não tem é gestão tanto na FAB quando no Governo …rs

Rinaldo Nery

Difícil ler uma bobagem dessas…

leonidas

Fica vc ai sonhando com seu comandante sobre a gestão eficiente da FAB, com fartas doses de ufanismo barato rs
Parece mulher de malandro, vive tomando tapa na oreia e sempre acreditando que no fundo ele só faz isso por querer o bem dela e ficou nervoso… kkkkk

Last edited 7 dias atrás by leonidas
Rinaldo Nery

Outra bobagem na sequência…

Flanker

Se somar aos 11 descritos por vc, que os acompanha no FR, o 2474, temos os 12 que eu citei como estando ativos. Ativo é diferente de operacional. Obrigado por partilhar essas informações. Abraço.

Adriano Luchiari

Mas nunca com todos operacionais simultaneamente. Foram lotes das versões E e H que se sucederam para manter uma frota de mais ou menos 12 unidades ao longo dos anos…

Bueno

sim, altuamente acompanho 11 em operação pelo flightrada.. o FAB2474 teve problema no trem de pouso na ala 2 em 2018 , tem vídeo dele de volta ao voo no final de 2018, não consegui acompanhar ele em voo no Flightradar dês de então. em nenhum deste sites de acomapnhamento de voo tem historioco dele em voo… Não significa que esta desativado.

https://www.youtube.com/watch?v=lauEl1sgBfA

Wellington

40 Hércules? Que asneira.

Glasquis7

Isso é lenda

Paulo

Quando a grande mídia especializada em defesa vai começar a questionar o tamanho do efetivo das F. A.? Principalmente da FAB e da MB.

Jacinto

A marinha dos EUA tem 9 almirantes de 4 estrelas enquanto a marinha do Brasil tem, igualmente 9 almirantes. Acho que quando comparamos as respectivas capacidades, fica claro que os almirantes de 4 estrelas dos EUA são verdadeiros gênios que devem trabalhar 48 horas por dia.

Jodreski

A maneira como as forçam gastam seu dinheiro diz muito sobre ela e fica evidente que a prioridade dela não é defesa!

Luiz

Jacinto, tem outra coisa inexplicável na MB, especificamente nos Fuzileiros Navais: são 10 almirantes (somando todas as patentes) para um efetivo de menos de cerca de 15000 fuzileiros. Se pensar nos oficiais logo abaixo, então…

Jacinto

Luiz,
A verdade, é que o motivo pelo qual as forças armadas brasileiras têm quantidades desproporcionais de oficiais superiores não é inexplicável. A explicação, infelizmente, é bem simples e até intuitiva.

Matheus S

Fazer essa comparação é descabível. Pela estrutura organizacional da MB, 9 almirantes de 4 estrelas é o suficiente para atender a demanda da MB. Na realidade no quadro de 2021, a USN tem 8 almirantes de 4 estrelas, e isso pelo que me consta desde 2019, desconsiderando toda a estrutura organizacional da USN, não saberia informar se esse é o número ideal e nem me atreveria em informar se soubesse, o que posso comentar é o que eles realmente detém no quadro dos seus oficiais-generais. Por exemplo, nos EUA, há dois postos de contra-almirante, o O-7(uma estrela) e O-8(duas estrelas),… Read more »

Jacinto

Acho que você não entendeu a ironia. O fato de a marinha dos EUA ter no topo da carreira apenas 9 (ou 8) almirantes de 4 estrelas evidencia que a marinha do Brasil tem Almirantes de esquadra demais. É muito Almirante de Esquadra para poucas Esquadras.

Matheus S

Eu acho que você não entende muito do quadro organizacional da MB e também de outros países. Um almirante de esquadra não comanda uma esquadra, mas sim um contra-almirante. E também os comandantes dos Distritos Navais são Vice-almirantes. Ou seja, acima dessa estrutura toda está os almirante de esquadra.

Se você quiser confirmar o que eu disse, leia o que faz cada almirante de esquadra da MB: https://www.marinha.mil.br/relacao-de-autoridades-1

Repito, essa sua crítica é totalmente descabível e completamente errada. Existem muitas outras críticas para realizar sobre a MB, mas essa não é uma delas.

Jacinto

Eu entendo o quadro organizacional da MB como o que ela é: desproporcional à capacidade da força. É simplesmente injustificável a marinha brasileira ter, no topo da carreira, mais almirantes de 4 estrelas do que a marinha dos EUA. Mais do que injustificável, é ridículo mesmo quando se vê as capacidades, a extensão de atuação, complexidade de gestão das duas marinhas. E como o ridículo nunca está longe do risível, que a poderosa Marinha do Brasil tenha mais almirantes no topo da carreira do que a marinha americana é uma piada. Mas esta crítica não é só à Marinha do… Read more »

Matheus S

Tudo bem. Compreendo sua indignação com o quadro da MB e até concordo em grande parte, mas em minha opinião, o alto comando não está assim tão inchado.

Gus

A MB tem mais almirantes e contra-almirantes que navios. Ponto final.

Last edited 6 dias atrás by Gus
Camargoer

Caro Paulo. O problema do tamanho do efetivo é mais grave no EB. Sem reduzir o tamanho do EB, qualquer redução na MB ou na FAB serão insuficientes.

Paulo

Que seja! O fato é que o efetivo não condiz com a realidade. Gastamos muito mal com pessoal. E o orçamento militar brasileiro não é pequeno.

Camargoer

Olá Paulo. Há anos aponto o problema de excesso de pessoal nas forças armadas. O MinDef tem 380 mil servidores (39% dos servidores federais). Este número não faz sentido em tempos de paz. O corpo de fuzileiros tem uma divisão de 18 mil soldados e a FAB tem um corpo de 25 servidores no DECEA no controle e defesa do tráfego aéreo. Então é preciso descontar estes números das suas respectivas forças. Ainda assim, sobre um efetivo de 50 mil militares na FAB e cerca de 60 mil na MB que poderiam ser otimizados. O problema são os 230 mil… Read more »

Fuca

116 bilhões de reais este ano foi isso???

Como não conseguem fazer sobrar 20 bilhões de reais ou cerca de 4 bilhões de dólares para aquisição de materiais novos todo ano? E um outro valor igual para manutenção ????

Jodreski

Uma das melhores perguntas feitas aqui nesse canal! Me questiono exatamente a mesma coisa, talvez só o dia que o Fantástico fizer uma reportagem especial sobre o descaso das forças com o dinheiro do contribuinte é que talvez algumas coisinhas possam mudar! Mas eles não se atrevem a ir tão fundo! Seria de grande valia ver um repórter questionando a um general, almirante e brigadeiro pq o efetivo das forças é do tamanho que é e o pq outras forças muito mais capazes que as nossas tem efetivos menores assim como há forças com orçamentos próximos ao nosso e são… Read more »

Eduardo

Aposentadorias e pensões. Isso é ainda pior do que o salário em si! É impagável. Em F.A. sérias, a aposentadoria não é esse descalabro impagável com o dinheiro do contribuinte.

Rinaldo Nery

Portal da Transparência. Vai lá.

Bueno

 “Não estamos dizendo que a Força Aérea não terá os 28 aviões. Estamos dizendo que, com essa redução, teremos talvez mais de uns contratos para atingir essa quantidade.”
Brig Baptista Jr – ao Jornal Valor

Marcos Cooper

E tem inocente que acredita na fab e no brasil…

Jota Ká

O comandante da aeronáutica colocou corretamente as frases e suas palavras. O problema são os leitores que engolem algumas palavras na interpretação. Com efeito, nas frases acima, a principal palavra (que muitos ignoram) é “…TALVEZ …”. Entenderam?

Marcos 10

Ou 13 unudades.

Bueno

sim , Isto para renegociar e fechar este contrato , eé possível.um próximo contrato 8 aviões para fechar estas 21  Pela resposta do Comandante tem um número mínimo de 13 e máximo 21 aviões.. sendo 16 o meio termo.. já lançou as cartas marcadas para a EMBRAER.. O que eu acredito, será um novo contrato apos a entrega de todas as 16 ou 21, conforme cronograma 2026 Baptista Jr ao Valor.: Eu informei à Embraer que gostaria de uma renegociação consensual porque pretendo reduzir a encomenda abaixo de 21 aviões. Estamos estudando o número, mas deverá ficar entre 13… Read more »

Last edited 10 dias atrás by Bueno
Hélio

Lamentável que ele tenha saído do papel, isso sim. Não agregou absolutamente nada ao Brasil, nem o alumínio da fuselagem é brasileiro. O projetor KC nunca foi pensado para o fim que tem, mas sim para “fomentar a indústria nacional, leia-se dar dinheiro para a Embraer, que faz questão de bradar não ser brasileira.

Flanker

Como não? Hoje a FAB possui 10 C-130M e 2 KC-130M.

Fawcett

Acho engraçado ver o pessoal crucificando a FAB mas ignorando que quem tem a chave do cofre são os políticos.

Fabio Araujo

O ideal era aumentar a quantidade de caças sem comprometer a quantidade de KC-390, mas como dá vamos em frente!

Welington S.

Um segundo lote de F-39 Gripen é inevitável. Terá que vir de um jeito ou de outro. Agora, sinceramente, não vejo problema na redução do KC-390. Lá na frente, se as coisas melhorarem, a FAB em conjunto com a EMBRAER, poderá rever as aquisições e lermos notícias de que a quantidade de KC-390 aumentou.

OSEIAS

Amém

Fabio Araujo

Concordo,essa crise passar no futuro podemos comprar mais KC-390!

Jadson Cabral

No futuro quando? Quando a linha de produção fechar? A Embraer ainda não conseguiu fazer uma venda significativa e não sabemos se vai conseguir no curto prazo. E esse redução tbm não ajuda nas vendas. Depois que o último KC sair da fábrica a linha é fechada e já era.

Santana

É fato.
Não adianta investir, pagar adicionalmente por transferência de tecnologia, e não haver produção correspondente, por corte de verbas.
Nesse sentido é melhor partir para compras de oportunidades.

sergio

Pois e santana, essa conta da transf. de tecnologia nunca bateu pra min, nos pagamos por 36 Gripens quase o mesmo valor de um f-35 certo, com essa tecnologia nos deveriamos ser capazes de construir mais se precisarmos, e seus futuros substitutos, porem ao que tudo indica esses Gripens vão voar por aqui por pelo menos 30 anos, um total de somete 80 caças, quando esse montante for entregue o que vai ser desta tecnologia. Vamos vender gripem no exterior? improvável. O que vamos fazer para desenvolver essa tec. base. ? Que projetos mais poderemos desenvolver com a tec. do… Read more »

Eduardo

Melhor comprar de prateleira e deu. Portugal assim o fez com a 5 unidades do KC-390 e deverá fazer com o A-29. Para poucas unidades, é sem sentido toda essa gastança.

Vide também nossos submarinos, Corvetas, Fragatas e etc…

Wagner

Sergio, como vai? Como voce bem pontuou, a transferencia de tecnologia so faz sentido se houver um real aporte às tecnologias e ciências desenvolvidas pela nação.

leonidas

Isso é papo para boi dormir colega! Esses caras pagam o olho da cara em um caça alegando transferência de tecnologia. Para que transferência se a empresa quase foi vendida (acabou DEVOLVIDA!) Para que transferência se o número é RIDICULO? Para que transferência se não há projeto para se aplicar conhecimento adquirido? E para que transferência se o parco parque industrial de empresas que supostamente receberão esta tecnologia podem ser compradas pelas empresas que iriam fazer o repasse? rs No fim o que fazemos é pagar o caça em valor de F 35 para ter uma aeronave em números ridículos… Read more »

Eduardo

Eu diria que nesse sentido de gastança é melhor negociar bons preços de produtos NOVOS de prateleira. Compra de oportunidade nem sempre é boa oportunidade.

leonidas

E tem (até o momento) cinco garotos mimados que não gostam de ler fatos né?
Lidar com criança barbada é osso… rs

Fuca

Exato…
E daí investiram bilhões do contribuinte para ” gerar” tecnologia e empregos e agora ” como sempre” que não vão adquirir a quantia mínima das 28 aeronaves!!!!!

V12 aero

Verdade, sempre o país do futuro, mas nunca chega esse futuro. Brasil o eterno país do futuro.

PauloM

Você é o ministro da Defesa de um outro país e os militares da sua Força Aérea sinalizam a necessidade de compra de uma aeronave de carga. Você compraria uma aeronave já consagrada no mercado ou uma aeronave que nem o país de origem honrou o contrato e adquiriu uma quantidade significativa? O que essa quebra de contrato (essa é a verdade dolorosa) sinaliza às forças armadas que pretendem comprar aeronaves como o KC 390?

Last edited 10 dias atrás by PauloM
Leandro Costa

Paulo, nesse caso, não muito. Os problemas financeiros do Brasil já são bem conhecidos Mundo afora, e ao mesmo tempo a qualidade dos produtos da Embraer também já é bem conhecida Mundo afora, então não acho que isso influencie tanto. O que influencia mais é escala de produção de um produto cuja aquisição esteja sendo considerada. Isso sim pode impactar negativamente.

Camargoer

Olá Paulo, Não pode confundir a crise fiscal do país com a qualidade do KC390. Os EUA cortaram o número de F22 e pretendem aposenta-lo em breve, sem que isso signifique que a aeronave tenha sido um fracasso.

Paulo

“Em breve” 2030 está logo ali, só vão aposentar por que tem caça novo de sexta geração vindo.. no caso do Brasil o mesmo não tem solução ou nova alternativa para o “corte”.

Wagner

Camargoer, como vai? Nesse ponto discordo um pouco. Não questiono a qualidade do produto per se, mas dado que não parece ser certa a aquisição do KC390 por forcas aereas que operam frotas parrudaa de avioes de transporte (por influencia politica pesada de players mais importantes nesse campo que o Brasil), a possibilidade de fechamento precoce da linha de producao em funcao da reducao dramatica dos pedidos daquele que seria o maior operador da aeronave, pode assustar potenciaiss compradores, notadamente aqueles que adquiririam até 10 aeronaves. E a concorrencia, voce sabe, vai usar isso. Abraço!

leonidas

Não adianta explicar isso por duas razões
Ou ele já sabe disso mas é o novo advogado geral da União + FAB
Ou ele é incapaz de chegar a essa conclusão obvia.
Nos dois casos é perda de tempo… rs

Jadson Cabral

Inevitável por que? Espera só alguém vir dizer que não tem dinheiro… O problema na redução de kc é que isso não ajuda nas vendas e a linha de produção precisa continuar funcionando. Se o último kc da FAB for entregue e não tiver mais compras, linha fecha e já era

Almeida

Eu vejo um grande problema, que a maioria dos comentaristas aqui não percebeu: sem encomendas firmes, a linha de produção fecha. Comprando 13 unidades agora, pode ser que não seja possível comprar mais 15 depois. Ainda mais de um avião que não está vendendo muito.

Welington S.

Deixar claro para os que não conseguiram entender. Apesar da redução na compra das aeronaves, mostra que, apesar de tudo, a linha de produção se manterá ativa. Serão construídas 2 aeronaves por ano. Atualmente vários países estão com sérios problemas orçamentários, contudo, ninguém sabe o dia de amanhã. Por isso eu disse que no futuro, podemos ver a FAB encomendando mais aeronaves e o KC-390 sendo procurado por outras força aérea. Nenhum país hoje, na atual conjuntura, conseguiria manter o KC-390 que é uma aeronave cara. O KC-390 já está aos olhos de muitos e voará pela Europa. Não tenho… Read more »

Wagner

Wellington, como vai? Nenhum país hoje conseguiris manter o KC390?

Mk48

É viável para a Embraer manter a linha aberta produzindo míseros 2 aviões ao ano ?.
.
Não creio.

GFC_RJ

Nem eu.

Jodreski

Isso é verdade agora se ele virá antes de 2035 ou depois de 2050 aí já é outros 500 kkkk

Roberto

Lembrando que a FAB está adquirindo 02 A330 MRT, o que dará um desconto na quantidade de KC 390

Wagner

Roberto, como vai? Não seriam duas aeronaves com capacidades e propostas distintas?

Wagner

Wellington, como vai? Acredito que o
problema seja a viabilidade em manter a linha de producao aberta. Como se daria esse processo?

JOAO

Não adianta! As coisas NUNCA irão melhorar enquanto for gasto 80% do orçamento com pessoal. A esperança do brasileiro é muito bonita kkk. Chega ser comovente…

leonidas

kkkkkkkkkkk
Mano, nos EUA a linha do C 17 fechou.
Vc realmente acha que a Embraer vai manter a linha do KC para esse número que sendo original é patético, e falando ainda mais em termos de Brasil quando vc acha que viria nova encomenda?
Fala sério… rs

Nascimento

Muito ufanismo e pouca análise real dos fatos.. Chega ser triste ver os caras depositarem esperanças nessas instituições.

Guacamole

No final, é capaz de diminuírem a quantidade de KC 390s e também dos Gripens.
Segunto lote não vai passar de 20 aviões.
Brasil é Brasil. Já tem história em dar para trás.

Tá na hora de cortar pessoal das 3 forças.

Jadson Cabral

20? Sendo muito otimista, mas muito otimista mesmo, não passaria de 12. Aliás, como vc bem disse, é até bom ficar feliz se os 36 chegarem, pq do jeito que vai…

Paulo

Comemore se chegar aos 36 do primeiro lote.

André Luís

60 a 70 caças… sçei!

Jadson Cabral

Nem no meu sonho mais otimista, com o Brasil crescendo 6% a.a.

Camargoer

Caro Andre. Não por coincidência, fiz um comentário há alguns dias no qual eu estimei o número de F39 na FAB entre 60~70. Se a FAB vai adquiri-las, é outra história, mas esse é o número necessário,

Wellington R. Soares

Caro Camargoer, infelizmente muitos se iludem com a força aérea dos EUA, China ou Rússia, com numerosas forças de caças, mas a realidade da maioria dos países são forças de caças enxutas. 60 ou melhor ainda 70 Gripens já seriam fantásticos para nossa FAB.
Só espero que não esperem tanto para começar um processo de aquisição de um caça de nova geração, igual o ocorrido com os F5 rsrr…

Wagner

Wellington, como vai? Poderia indicar os estudos que demonstram que 60 a 70 Grippens já seriam fantásticos para a FAB?

Luís Henrique

Maravilha. Acho correta a decisão de priorizar os caças. Ele também deixou claro, que o número de 28 KC-390 não foi totalmente abandonado, porém isso pode ser atingido em lotes. Então, neste 1o contrato, o lote será reduzido para 13 à 16, porém nada impede que no futuro, um 2o contrato seja firmado para um 2o lote de KC-390. O número de 108 caças preconizado no passado foi reduzido. Há cerca de 2 anos, a FAB declarou que aquele número de 108 havia sido revisto, porém um número não foi informado. Agora, foi informado, cerca de 60 à 70. Torço… Read more »

Pedro ESIE

Sem base no Nordeste ? Nordeste do país vai ficar desprotegido como sempre…

Luís Henrique

Espero que no novo censo sejam alteradas as regiões do Brasil. Criando a região Noroeste (Amazonas, Roraima, Rondônia e Acre), e a região Norte (Pará, Amapá, Tocantins e Maranhão), o Nordeste poderia o Maranhão, centro-oeste, sudeste e sul permaneceriam iguais. Ai, com 6 macro regiões, o ideal seria 6 esquadrões de caças, 1 para proteger cada região. Com 72 caças, a FAB teria que rever o número de 18 caças por estudarão, para 12. Então teríamos 6 esquadrões com 12 caças cada. Além das bases que eu citei: Manaus no Noroeste, Anápolis no centro-oeste, Santa Maria no Sul e Santa… Read more »

Flanker

E precisa alterar as denominações ou criar npvas regiões no país para disteobior esquadrões pelo território? Uma coisa não tem nada a ver com a outra…

Luís Henrique

Não tem nada a ver. Mas podemos aproveitar o Censu para fazer esta melhoria. A região Norte é muito grande. Devido ao crescimento populacional e econômico, é interessante esta atualização. Devido à proximidade com a Guiana Francesa (França) e a possível nova base da marinha naquela região, também seria interessante uma base da FAB com caças naquela região. Em minha opinião, mais necessária que uma base no Nordeste. Então, eu desejo 2 bases com caças na região Norte. 1 em Manaus e outra no Pará, em Belém ou próximo. E, fazendo a alteração para 6 macroregiões, transformando parte do Norte… Read more »

Marcos Cooper

“Acho correta a decisão de priorizar os caças.”
Decisão totalmente errada! Um país do tamanho do Brasil precisa de uma frota de transporte grande. 36,70 ou mesmo 100 Gripens farão muito pouco em caso de invasão por uma potencia estrangeira. Uma canetada e nos embargam e matem nossa frota de caças no chão. Que armamentos vamos usar nos F-39? Foguetes burros?
Antes tivessem comprado F-16 usados e focassem no que podemos fazer. O C-390 é um caso desse.
Não esqueça que a aviação de transporte é 100% operacional. Independente de estarmos em guerra ou não!

Spitfire

Olá amigo… mas pelo menos ainda temos os C130 tb…. claro que não é o ideal e todos estamos decepcionados com a situação… mas entre manter os KC390 ou o F39, fico com os F39… infelizmente é essa questão em jogo…. pois não dá mais para fazer defesa aérea neste século com F5s…

Marcos Cooper

Desculpa Spitfire,mas não dá pra sacrificar o C-390,um meio muito útil, pra ter mais Gripens. O brasil é continental,depende do transporte aéreo eficaz. E hoje, como sempre,a fab não dá conta. E ainda fica de mesquinharia com o EB por causa de míseros 5,CINCO!!! Sherpas que exército tencionou comprar.
Se a fab não pode apoiar o EB,veja vc,por falta de capacidade,que compre mais transportes,que a instituição e vários comentaristas aqui insistem em dizer que são desnecessários.
Tá muito mal contada essa história…

Luís Henrique

A FAB possui uma frota de aeronaves de transporte maior do que a da França, Reino Unido, Itália, Japão, Alemanha, etc. Só existem 4 países com mais aeronaves de transporte, EUA, Rússia, China e Índia.
Já em caças, existem 47 países com mais caças do que a FAB.

Ele deixou claro que novos lotes podem ser adquiridos no futuro.

Leandro Costa

Luís, seria absolutamente natural o Brasil ter uma frota de aeronaves de carga maior do que a desses países. Eles basicamente usam seus cargueiros militares apenas para operações militares. Suas outras instituições geralmente já tem sua própria capacidade de carga ou simplesmente não precisam disso, já que tem territórios bem pequenos e podem utilizar outros meios de levar carga. Aqui no Brasil usamos os cargueiros para um número elevadíssimo de funções além daquelas que são puramente militares em um território de tamanho continental, então faz bastante sentido ter um número maior de aeronaves cargueiras. No Brasil uma aviação de transporte… Read more »

Mk48

Leandro, bom dia..
.
Exatamente isso que vc escreveu..
.
A FAB transporta para várias agências governamentais, além de suas proprias necessidades.
.
Agora, precisam terminar de vez com a homologação do C/KC , para que os Hércules possam ser aposentados de fato.
.
E me arrisco a dizer : 28 unidades já era pouco. Agora………vamos ver.
.
Lembrando que quanto menos unidades produzidas, maior custo de peças de reposição e da manutenção em geral.
.
Abs

Luiz

O Brasil possui um território maior do que a da França, Reino Unido, Itália, Japão, Alemanha, etc.

Luís Henrique

E isto é motivo para ter mais cargueiros que eles, mas o mesmo não vale para o número de caças ?

Leandro Costa

Não vale porque é outro tipo de avaliação à ser feita para se chegar à um número adequado de aeronaves de combate. Não podem ser poucas porque você mantém parte do território completamente descoberto, mesmo conseguindo deslocar aeronaves para aonde se precisa, não se teria um número mínimo para dar combate inicial, o que pode ser ulteriormente necessário. Então se chega à um número que possa ser espalhado, com quantidades pequenas, mas que possa ser reforçado rapidamente em caso de necessidade. Essa avaliação é feita mais à partir do nível de ameaça que possa surgir à partir de um determinado… Read more »

Marcos Cooper

Exatamente ! É isso que povo não quer ver.

Luís Henrique

E você concorda em transformar a FAB em TAB – Transportes Aéreos do Brasil?
Em caso de necessidade, aviões civis podem ser contratados, alugados, etc.
A prioridade da Força Aérea deveria ser o combate, a guerra.
E com 14 ou 16 KC-390 NOVOS + 2 KC-X3 NOVOS + 10 C-130 Hercules + 45 EMB 110 Bandeirante + 19 EMB120 Brasilia + 15 C-295 Amazonas NOVOS + 30 Caravan + vários jatos executivos e percebemos que a FAB tem outras áreas BEM mais carentes do que a aviação de transporte.

Leandro Costa

Aeronaves civis obedecem à padrões e regulamentos de operação da ANAC. Ou seja, tem MUITO lugar em que as aeronaves militares pousam, aonde aeronaves civis não tem nem mesmo autorização para pousar devido à restrições de segurança. Então, não, realmente temos muitas aeronaves de transporte porque precisamos delas mesmo. É um papel atribuído às FFAA e, corretamente, elas tem que fazer o contingenciamento para suprir as necessidades advindas dessas atribuições. Se quiser mudar isso, existe um número imenso de caras em Brasília que tem o mandato popular para mudarem isso e fazer com que diversas instituições públicas que dependem da… Read more »

Jadson Cabral

Os países que têm uma frota de transporte muito menor que a do Brasil não tem todas as competências que nós temos e boa parte deles ainda são membros da OTAN e operam frotas compartilhadas.

Marcos Cooper

“A FAB possui uma frota de aeronaves de transporte maior do que a da França, Reino Unido, Itália, Japão, Alemanha, etc.”
Olhe o tamanho do Brasil! Não dá pra comparar com esses países. Nossas nescessidades são bem diferentes.

Wagner

Ola Luiz, como vai? Mas me diz, com base no decepcionante histórico de ações envolvendo compra de equipamentos modernos pelas forças armadas brasileiras, o que te leva a crer que o caso do KC390 será diferente?

Last edited 9 dias atrás by Wagner
Luís Henrique

Estou otimista. Sem exageros, mas um pouco otimista.
O atual governo já demonstrou que não veio para roubar e que prestigia as forças armadas.
Acho difícil o Brasil se transformar em potência militar, pois para isso o congresso teria que assinar uma lei, obrigando a inversão de 2% do PIB nas forças armadas como o mínimo.
Mas, acredito que os 60 ou 70 Gripen E sairão, as 12 Fragatas para a MB também…o governo atual já mostrou que se importa, capitalizou a Engeprom para comprar 4 Fragatas, autorizou a FAB comprar 2 aeronaves de grande porte…

Fuca

Quantos destes meios tem condições de voar??
Ou são os números totais desde a aquisição lá na década de 1970 onde muitos já deram baixa há anos?????

Leandro Costa

Marcos, eu discordo, mesmo concordando com você sobre a importância fundamental da aviação de transporte. Mas do jeito que estamos hoje, a aviação de transporte, com exceção dos C-130, é composta de aeronaves bem novas ou recentemente modernizadas (caso dos C-95M). A busca por um substituto do C-95 parece já estar em andamento junto à EMBRAER, e como afirmado pelo Cmte. da FAB, mesmo que ocorra uma redução agora nos pedidos do KC-390, o número final de 28 aeronaves não é carta fora do baralho para o futuro, ou seja, a substituição dos C-130 e entrada em serviço de KC-390’s… Read more »

Marcos Cooper

O Gripen é a tal faca de dois gumes. A intenção é boa. Mas sabemos no que vai dar. Não vai atingir o número planejado,não vai haver continuação e não vai gerar um programa nacional!!
Tivéssemos a honestidade e coragem de escolher qualquer um dos caças do F/X ou do F/X2,eles já estariam aqui custando bem menos!

Last edited 10 dias atrás by Marcos Cooper
Leandro Costa

Te entendo perfeitamente, Marcos, e é uma possibilidade sim, mas torço para que não.

Talvez o financiamento externo garanta as primeiras 36 aeronaves. Se for esse o caso, se busca o financiamento para um segundo lote ser garantido, etc. O problema é que já estamos dando os passo, então precisamos literalmente pagar para ver até onde vamos chegar.

Enquanto isso a gente aqui torce pelo melhor.

Jadson Cabral

A frota de Gripens ficaria no chão num embargo, mas a de F-16 não, né? Que armamento teríamos mesmo para eles?

Marcos Cooper

Nenhum. Porque? Porquê nada se leva à sério nesse país. Ficariam com bombas burras e foguetes.

Flanker

Hoje, a FAB possui, distribuídos entre os seguintes esquadrões (1⁰ GTT, 1⁰/1⁰ GT, 1⁰/2⁰ GT, 1⁰/9⁰ GAV, 1⁰/15⁰ GAV, 1⁰, 2⁰, 3⁰, 5⁰, 6⁰ e 7⁰ ETA) e como aeronaves orgânicas de diversas Bases e Alas: 04 KC-390, 12 C/KC-130, 06 C-99, 11 C-105A, 42 C-95 e 35 C-98. 110 aeronaves de transporte de todos os portes. Nesse total, não estão computadas nenhuma das aeronaves do GTE, que possui uma frota bem grande.

Luís Henrique

Marcos, sem caças, sem defesa antiaérea, os cargueiros ficam no chão ou são derrubados em vôo.

Spitfire

Concordo amigo… claro que é uma situação a lamentar a redução de KC-390, mas levando-se em consideração a dificuldade atual imposta, deve-se sim priorizar e privilegiar o programa Gripen, pois estamos perigosamente defasados no quesito defesa aérea. Na reportagem original menciona tb em 120.000 horas de vôo quanto ao treinamento de pilotos, o qual já esteve em 170.000 h. Além disso, espero que ocorra outros ajustes internos para enxugar gastos….mas a modernização de equipamento deve ser mantida na minha opinião….

Last edited 10 dias atrás by Spitfire
Guerreiro

F18 utilizado até o osso, os hermano não vão encarar essa!

JT8D

Como diz aquele ditado: pra quem é tá bom demais

Leandro Costa

Acho que teria mais chances de venderem alguma coisa se tivessem oferecendo F-16’s do deserto. Dois motores gastam mais combustível. A única opção para os Argentinos provavelmente são os JF-17 mesmo, à menos que a gentê dê umas pinturas novas, martelinho de ouro e tentarmos oferecer A-1’s e F-5M’s que forem dando baixa com precinhos muy camaradas heheheheh

Jadson Cabral

Outro lote de 36… admiro o seu otimismo e inocência kkkkk melhor torcer pra que cheguem os 36 e ficar feliz com isso, pq do jeito que vai, se bobear nem isso.

Luís Henrique

Foi a declaração do Comandante da FAB. É o que temos de oficial, não é inocência, nem otimismo.
Para mim, é pouco. Pelo meu otimismo estaria falando em muito mais. rss

Fabio

A FAB teve no seu inventário 22 Hercules, nem sempre todos disponíveis ao mesmo tempo por motivos óbvios. De 13 a 16 KC-390 supre a Força melhor do que os Hercules hoje. O ideal seria um 2 lote de Gripen + o cronograma original. Então prefiro um 2 lote de Gripen já que a baixa de F5M será maior do que a baixa de Hercules na Força.

Luiz

O Comandante da Aeronáutica confirmou a previsão de entrega dos quatro primeiros caças Gripen de 36 unidades no fim do ano ou no começo do ano que vem.

Eu sei que fabricar um avião não é como fabricar uma carro mas, neste rítmo de entrega, quando será que teremos a totalidade operando?

Maurício.

Luiz, pelo cronograma, os quatro primeiros era para chegar esse ano, mas, pelo visto vai atrasar, já que o comandante já está falando em ano que vem…
De resto, é lamentável, vão dar uma podada boa no número de KC-390, mas, é Brasil sendo Brasil!

Leandro Costa

Quer que eu chute? Eu diria… 2024 ou no iníciozinho de 2025.

Não é bem o chute, porque esses dados estão todos no cronograma oficial de entregas. As quatro primeiras aeronaves esse ano e as últimas em 2024. Só coloquei a possibilidade de início de 2025 porque ele deu a possibilidade de as quatro chegarem no início de 2022, o que seria um atraso, embora pequeno. Provavelmente a gente bota esse atraso na conta da pandemia.

Maurício.

Leandro, era 2024, agora é 2026, ou, pelo visto, 2027…

Cronograma-de-entrega-do-Gripen-E.jpg
Leandro Costa

Obrigado pela correção Mauricio. Agora é torcer para isso se confirmar por 2026 sem mais esticadas.

Camargoer

Olá Luiz, Este calendário de entregas é conhecido há anos. Nos próximos anos haverá números mais altos de aviões entregues ao ano. Creio que o último F39 deste lote será entregue no final de 2026.

Pedro ESIE

Lembrando que foi acordado entre o Brasil e a Suécia compensações financeiras… Se a FAB adquirir um segundo lote de Gripen, a Suécia terá que comprar o Kc-390. Mas é lamentável deixar um produto desenvolvido e fabricado no Brasil para dar prioridade a um produto estrangeiro… Isso pq eles são ”patriotas”.

Vitor

não vi isso em nenhum lugar. O Contrato offset é de contra partida ao valor atual. Qualquer outra coisa é alinhada governo x governo… Porém acho que a Suécia deveria sim apostar nos nossos KC-390 e nos Super tucano para Treinamento.

Leandro Costa

Pedro, as compensações financeiras geralmente vem em forma de investimentos no Brasil no valor do contrato, como citado pelo Vitor. A SAAB por exemplo já abriu fábrica que está fazendo partes da aeronave que inclusive serão utilizadas pela Suécida, assim como decidiu equipar seus próprios Gripen E com telas WAD fabricadas aqui no Brasil, etc.

Camargoer

Caro Pedro, Há negociações de KC390 para a Suécia, mas as compensações financeiras estão relacionadas a outras coisas. O primeiro lote envolveu treinamento de equipes, treinamento de pilotos, bancada de testes, simuladores, etc. O valor unitário das aeronaves do segundo lote será uma fração do que foi pago no primeiro lote.

BK117

Achei que fossem ser reduzidos a uns 22 ou 20, mas 13 ou 16 é triste. Espero que um bom acordo ocorra para a redução não ser tão drástica.
Quanto aos Gripen, bom ver que o comando reconhece a necessidade de um novo lote, mas, por mais pessimista que soe, só acredito vendo…

Spitfire

Caramba!!! Menciona uma redução de 50% do orçamento para os programas… assim sendo, deve ficar em 14 unidades (entre 13 e 16)… mas pelo que se observa, o programa Gripen não será afetado… assim espero. Tendo em vista esse bode na sala, considero a decisão acertada. Pois além do KC a FAB possui ainda uma grande quantidades de C-130… já caças estamos em uma situação muito defasada tecnologicamente… e é a ponta de lança da defesa aérea… inclusive o cmdte não descarta contratos futuros para novas aquisições de KC390 no futuro quando a situação for mais favorável

Gabriel Oliveira

Seria interessante,mas não se empolguem,em tempos de vacas magras então….

miguel Felicio

CREDO……..mas fazer o que né, BRASISISILL

Emmanuel

60…70 caças.
E falavam em 108.

Leandro Costa

Alguns chegaram à aventar o número ‘120’ na época.

Camargoer

Olá Leandro. O número de cem ou mais caças era a soma de todos os F5, Mirage2000 e A1 da FAB.

Camargoer

Olá Emmanuel. Hoje a FAB tem 47 F5M e 14 A1M. Parece razoável pensar quem um F39 será mais capaz do que qualquer um destes aviões. 60~70 aeronaves serão um grande poder aéreo para a FAB. Talvez, com a FAB operando os F39 seja observado que sejam necessários mais que 70. Ou menos que 60.

Carlos Miguez - BH

Curioso, e muito mais problemático para a total operacionalidade conjunta destes dois aparelhos, é a falta de informações (para os leigos) sobre o combustível utilizado. É sabido que o Gripen C/D usa Jet-A1, mas, pelo menos eu, nunca vi escrito qual é o combustível do Gripen E; pois neste é utilizado o mesmo motor do F-18 atual, que usa o combustível JP-8. Qual combustível eles usam ????? O combustível interno do KC-390 pode ser utilizado para reabastecer o Gripen E, ou só pode ser utilizado o combustível que está no reservatório/container colocado na área de carga ???

Last edited 10 dias atrás by Carlos Miguez - BH
Leandro Costa

Provavelmente o mesmo combustível pode ser usado. Não tenho certeza sobre isso, mas pelo menos olhando os causos lá de fora, existe essa possibilidade sim. Há casos, claro em que determinadas aeronaves utilizam combustível especial, como no caso dos SR-71, e nesse caso apenas o combustível dos reservatórios dos KC-135 era utilizado. Existe também as situações em que diversas aeronaves diferentes, de diversas nacionalidades utilizarem o mesmo navio tanque para reabastecerem em operações conjuntas, então não vejo como poderemos ter problemas com isso.

Mk48

Carlos ,
.
A diferença entre o Jet-A1 e o Jet-A é apenas a temperatura de congelamento do combustível. No mais possuem as mesmas características.

Rinaldo Nery

A diferença dos combustíveis é mínima. Podem ser operados quase todos os tipos.

Bueno

 “Não estamos dizendo que a Força Aérea não terá os 28 aviões. Estamos dizendo que, com essa redução, teremos talvez mais de uns contratos para atingir essa quantidade.”
Brig Baptista Jr – ao Jornal Valor

Eu gostava das notas dos editores ..
pode por favor, colocar em uma Nota desta materia para acalmar os corações nestes dias Difíceis?

Last edited 10 dias atrás by Bueno
Leandro Costa

Não adianta muito Bueno. As notas acabariam tendo que ser orações em diversas religiões diferentes e isso dá uma trabalheira danada.

E que o Monstro de Espaguete Voador esteja contigo…

Bueno

kkkk
é muito carboidrato, tem que ter um equilibrio ai.

Paz e bem.

Last edited 10 dias atrás by Bueno
Vitor

Pessoal, acho importante se atentar a algumas sinalizações. A Redução do contrato deve vir de comum acordo com a Embraer, ou seja, a FAB tem seu desejo e a Embraer vai ter suas razões também. Não me surpreende se o contrato ficar em 20 aeronaves (Meio termo do contrato original). Me surpreende o Brasil não colocar a venda seus C-130M para o mercado a fim de se capitalizar para manter aquisição do KC-390. O que o comandante falou também na entrevista, é que em sua gestão, ele gostaria de já deixar definido o segundo lote para a FAB de Gripen… Read more »

FERNANDO

É tem isso.
Tem contrato.
20 unidades já é um bom número.

Leandro Costa

Penso de forma semelhante, Vitor. Um segundo lote para garantir a continuidade da produção já seria um alívio refrescante.

** ACHO ** que a FAB já fez um pedido de lote piloto dos Meteor com 100 unidades. Mas isso já tem um tempo e não li mais nada à respeito desde então, então acho que isso pode ou não ter se concretizado, mas acredito (torço, rezo, danço uivando ao luar e sacrifico bonecos do Ken da minha irmã em altar pagão) que mais encomendas sejam feitas. Não apenas dos Meteor, mas também de armamento ar-solo modernos.

Tomcat4,2

Vinte Kc-390 e a segunda encomenda de mais 36 Gripen’s já ficaria razoável !!!

Jadson Cabral

Se o Brasil colocar C-130 a venda tá fazendo concorrência contra si mesmo. O maior inimigo do Kctão é justamente o excesso de Hércules usados no mercado. Se não fosse por isso o KC já tinha vendido as dezenas. Os C-130 da FAB devem virar panela

Jadson Cabral

E tem outra, se é pra prestar atenção em algumas sinalizações, lembremos que se a FAB quer diminuir a cadência de entrega de 4 para 2 a.a para manter a linha de produção aberta por mais tempo. Logo, isso quer dizer muito provavelmente que a redução será de 50%, porque assim o prazo de entrega continua o mesmo. Ou seja, comprando 14 e recebendo 2 aeronaves ao ano, a FAB receberá as ultimas aeronaves no mesmo ano em que receberia se mantivesse o contrato de 28 com uma cadência de 4 a.a.

Mk48

Vitor,
.
A homologação do KC ainda não está completa, tem missões que a FAB ainda depende dos Hércules.

Marcos

Solução? Exército e Marinha operando os seus próprios C-390

“NuM pOdI cUmPaNhEiRo, a FoRçA AeReA NuM PeRmItE”

Camargoer

Caro Marcos. O KC390 não pousa nos batalhões de fronteira. Talvez a FAB possa ceder alguns dos C95 que não serão modernizados para o EB.

Allan Lemos

A FAB é muito mesquinha para permitir uma coisa dessas.

Rinaldo Nery

Essa é outra bobagem difícil de ler…

Allan Lemos

Obrigado por me ajudar a provar que a FAB está cheia de tipos corporativistas. Infelizmente, é um mal presente em todas as áreas do funcionalismo público brasileiro.

Nascimento

Apenas disse a verdade. Tanto é que quem respondeu não usou argumentos pra contrapor. A quantidade de regulações que eles impõe não é brincadeira não viu. Proibiram o Exercito de ter o Sherpa inclusive. Querem monopolizar tudo, e no final das contas não tem recursos suficientes para cumprir sua função constitucional mesmo tendo o monopólio para tal.

Os brigadeiros da FAB chateados com o Exército operando VANT’S e drones, para observação de artilharia de foguetes…

Rinaldo Nery

Quem te disse uma asneira dessas?

Thom

Decisão acertada.
Creio que possa vir futuramente um segundo lote do KC-390, já que para chegar as 14 unidades levaria mais de 5 anos.
70 caças do NG. Ótimo, estava temendo ficar nesses 36, isso é ótimo ainda mais sendo fabricado aqui no Brasil.
Se SAAB ganhar a concorrência na Índia, creio que o caça tende a ficar mais barato.

Marcos 10

Entao bastaria manter os 28 e alongar as entregas.
Nao é isso q está acontecendo.

Antunes 1980

Estratégia coerente. É prioridade manter a nossa soberania aérea.

É a velha situação do cobertor curto. Mas ainda bem que temos esta possibilidade de ampliar os Gripen NG.

Quanto ao Gap dos KC-390, não vejo como impossível adquirirmos através da Foreign Military Sales (FMS) alguns C-130 Hércules nos modelos H ou J.

Last edited 10 dias atrás by Antunes 1980
Gil U

Quase acertei a conta rsrs … tinha pensado na redução para 18 KC, mas lembrei que isto é Brasil, então um número ainda menor não seria surpresa mesmo.

 

Ao menos nesta parte eu concordo “um país do tamanho do Brasil, não dá para se falar em apenas 36 aviões de caça”, aliás, não acho que 70 caças também sejam um número aceitável para o tamanho e importância do Brasil. 

Marcos Cooper

Em breve,numa força(?) aérea,perto de você:

hello.jpg
FERNANDO

rs
continuamos muito bem subservientes.
eita, brazilsãooo veio sô.

Saldanha da Gama

Se for para a MB realizar a defesa de costa, está ótimo…..

Leandro Costa

Olha… prefiro a aeronave que está do lado do F-16, com a cauda vermelha. É um clássico lindo, que poderia muito bem estar enfeitando o MUSAL.

Flanker

Leandro, tentei reconhecer, mas não consegui. Que aeronave é aquela?

Leandro Costa

Aquilo ali é um lindo Martin B-57, mais especificamente a versão EB-57 com as cores da Guarda Aérea Nacional de Vermont. É a versão americana do Canberra, com o canopy estilo ‘caça.’

Flanker

Ah, sim. Lindo mesmo! O Canberra é um clássico. Outro avião que eu acho lindo é o B-58 Hustler.
Quanto ao Canberra, tu conhece a história da queda de um deles, da Força Aérea do Peru, no município de Alegrete, aqui no RS, em julho de 1972? É uma história bem interessante.

Jadson Cabral

Meu deus, ainda existem viúvas do F-16 kkkkkk e pior, de F-16 do deserto

Marcos Cooper

É ironia,caso vc não tenha entendido. Mas é uma piada que não se pode descartar. Basta ver o histórico da fab. Em plena década de 60 comprando T-33 pra substituir Meteor!
Depois Mirages e Tigers usados,mais até que os nossos utrapassados aviões.
Então fica esperto porque nossa “força aérea ” é bem capaz dessa insanidade.

Leandro Costa

Marcos, nossos Mirage III e F-5E vieram novos de fábrica. Posteriormente que adquirimos unidades usadas para complementar a frota e repor perdas operacionais.

Marcos Cooper