sábado, junho 12, 2021

Gripen para o Brasil

Os caças F-16 ainda poderão estar voando na década de 2070

Destaques

Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

Com base na carteira de pedidos de F-16 da Lockheed Martin, atualizações planejadas e a recente revelação de que a Força Aérea dos EUA (USAF) planeja depender do caça até o final da década de 2030, os anos de ocaso do F-16 agora podem vir na década de 2070 ou mais tarde.

A carteira de 128 jatos F-16 da Lockheed Martin – todas para vendas militares estrangeiras – não será entregue até 2026, e a empresa prevê que mais pedidos podem estar chegando. Com uma vida útil potencial de 40 anos ou mais, esses jatos poderão voar até o final da década de 2060 ou mais tarde. O tipo entrou em serviço pela primeira vez na década de 1970.

“Existem 25 nações operando F-16s hoje”, disse o coronel Brian Pearson, líder do Centro de Gerenciamento do Ciclo de Vida da Força Aérea (AFLCMC) para F-16 FMS, em um comunicado à imprensa de 17 de maio. A unidade de fabricação e atualização de F-16 da Lockheed em Greenville, SC, que começará a produzir novos F-16 em 2022, “nos ajuda a atender à demanda global” por aeronaves F-16, disse ele. A Lockheed transferiu seu trabalho de F-16 de Fort Worth, Texas, em 2019 para abrir espaço para a expansão da produção de F-35.

Desde que a nova linha foi aberta, a diretoria de assistência e cooperação de segurança do AFLCMC “viu um aumento nas nações parceiras solicitando informações detalhadas e solicitações para vendas do governo dos EUA”, disse o coronel Anthony Walker, líder sênior de materiais na divisão internacional.

Os 128 jatos são para Bahrein, Bulgária, Eslováquia, Taiwan e outro país que a empresa se negou a nomear, embora Croácia e Filipinas tenham sido mencionados como clientes. Essas aeronaves estarão na configuração Bloco 70/72, que inclui novo radar, monitores, tanques de combustível conformais e outras melhorias em relação à versão Bloco 50/52, a mais recente voada pela USAF. A Lockheed está construindo F-16s a uma cadência de cerca de quatro por mês em Greenville.

A Índia também está considerando comprar uma versão avançada do F-16 que a Lockheed apelidou de “F-21”, que a Lockheed apregoa como tendo uma vida útil de 12.000 horas; cerca de 50 por cento a mais do que os da USAF. Em utilização normal, 12.000 horas equivalem a cerca de 32 anos de serviço. A Índia produziria esses jatos de forma autóctone. A Índia quer comprar 114 caças, e a Lockheed fez parceria com a Tata para construir os jatos se vencer a competição.

Gregory M. Ulmer, vice-presidente de aeronáutica da Lockheed, disse a repórteres em fevereiro que a empresa vê um potencial para 300 vendas adicionais de F-16 ainda não contabilizadas, algumas das quais serão para “repetir” os clientes.

O aumento do interesse estrangeiro pode estar relacionado às dicas da USAF nos últimos dois anos de que continuará a voar com o F-16 além dos planos anteriores, garantindo assim aos clientes que as peças e a linha de suporte para um grande número de aeronaves irão persistir.

O primeiro voo do protótipo do F-16 ocorreu em 20 de janeiro de 1974

Essas dicas ficaram mais concretas nos últimos dias. Os pontos de discussão elaborados para o General Charles Q. Brown Jr. do Chefe do Estado-Maior da USAF sobre os planos futuros da Força de Caça da USAF, obtidos pela Air Force Magazine, indicam que a Força Aérea espera que “600+ F-16s de bloco tardio fornecerão capacidade acessível pelos próximos 15+ anos”, em ambientes de combate competitivo e permissivo. Essas aeronaves serão de fato a “força de capacidade” da USAF, dizem os documentos, e servirão como um “reostato”, o que significa que seu número total pode ser ajustado para cima ou para baixo, dependendo do sucesso do programa F-35 e de um substituto do F-16 agora conhecido como Multi-Role-X.

A USAF considera “competitivo” o espaço aéreo razoavelmente bem defendido por aeronaves e sistemas terra-ar. Espaço aéreo “altamente competitivo” e “negado” só seria penetrável por aeronaves de quinta e sexta gerações com qualidades observáveis ​​extremamente baixas.

Embora o pedido de orçamento do ano fiscal de 2022, a ser divulgado em 28 de maio, revele alguns detalhes dos novos planos de estrutura de força da Força Aérea, Brown disse na recente conferência de defesa da McAleese and Associates que a essência do plano será explicada no orçamento do ano fiscal 2023.

No curto prazo, a USAF planeja o desinvestimento de todos os “pré-blocos” dos F-16, ou seja, todos aqueles que permanecem em sua frota das versões dos Blocos 15-25-30.

A Lockheed recebeu um contrato de entrega indefinida e quantidade indefinida em janeiro no valor de até US$ 64,3 bilhões para a produção de novos F-16s para clientes FMS, bem como atualizações de 405 jatos em mãos estrangeiras para a configuração F-16V, que é semelhante ao modelo F-21 proposto para a Índia. Essas modificações incluirão “um novo radar e outras atualizações para torná-los semelhantes às aeronaves que sairão da linha de produção”, disse o comunicado do AFLCMC.

O grande contrato cria uma configuração básica do F-16 para toda a produção futura, com a USAF atuando como agente para os clientes do FMS. Cada país assinará um contrato separado para equipamentos exclusivos ou personalizados que desejam em seus jatos específicos. Um oficial da USAF disse que o acordo “simplifica e acelera” o processo FMS para países que desejam comprar o F-16, “para que possamos colocá-lo em suas mãos mais rápido do que tem acontecido nos últimos anos”. A abordagem é necessária devido ao aumento da demanda esperada pelo avião, disse ele. Também reduz o custo do jato, permitindo que os fornecedores façam quantidades maiores e mais econômicas de peças e componentes estruturais. O trabalho também integrará a atualização do software Joint Mission Planning System/Mission Planning Environment.

O contrato mencionou especificamente o trabalho para Bahrain, Bulgária, Chile, Colômbia, Croácia, Egito, Grécia, Índia, Indonésia, Jordânia, Marrocos, Coréia, Omã, Paquistão, Filipinas, Polônia, Romênia, Singapura, Eslovênia, Taiwan, Tailândia, Turquia e os Emirados Árabes Unidos.

O Japão opera uma variante do F-16, chamada F-2, mas executa todo o trabalho nesse tipo.

Mais de 4.550 aviões F-16 foram entregues aos EUA e países aliados desde a década de 1970. A falecida Michele A. Evans, predecessora de Ulmer como vice-presidente da Lockheed para aeronáutica, disse em setembro de 2020 que a empresa vê a possibilidade de “construir até 5.000” caças F-16. Ela também disse que a empresa vê o F-16 como uma entrada para seu F-35, para países que ainda não estão prontos para adotar o caça de quinta geração, mas podem desejar fazê-lo mais tarde.

O brigadeiro general Dale R. White, o oficial executivo do programa da USAF para caças e aeronaves avançadas, chamou o F-16 de um “caça compacto altamente capaz e duradouro que terá um grande papel na segurança de muitas nações parceiras nos próximos anos”.

FONTE: Air Force Magazine

- Advertisement -

50 Comments

Subscribe
Notify of
guest
50 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Fabio Araujo

O F-16V é um caça muito capaz e enquanto ele puder ser modernizado vale a pena investir nele tanto para uso dos EUA e acima de tudo para exportação!

Antoniokings

Ter um caça com 100 anos em uma conjuntura altamente tecnológica em 2070 parece ser totalmente surreal.

Maurício.

Antoniokings, eu ia comentar justamente isso, nem que o F-16 fosse o melhor caça do mundo, operar até 2070 ou mais é loucura, até lá o caça já teria mais de 100 anos! Os americanos já estão planejando a aposentadoria do F-22 que é praticamente uma criança perto do F-16, os países até podem operar o F-16 até 2070+, mas até lá ele terá uma efetividade menor que a que temos com o F-5 hoje.

Antoniokings

Só se for operar o F-16 para ataques a insurgentes, treinamento e etc.
Hoje, já está difícil para ele e nenhum País de ponta o encomenda.
Pelo contrário, começam a se desfazer deles.

Marcelo Baptista

Antonio “Bahrain, Bulgária, Chile, Colômbia, Croácia, Egito, Grécia, Índia, Indonésia, Jordânia, Marrocos, Coréia, Omã, Paquistão, Filipinas, Polônia, Romênia, Singapura, Eslovênia, Taiwan, Tailândia, Turquia e os Emirados Árabes Unidos” não são Países de ponta (Rússia, China, Japão, Alemanha, Inglaterra ou França). São clientes que precisam de uma aeronave de ponta e ótimo desempenho para garantir seu espaço aéreo. É o mesmo mercado do Gripen.

Fabio Araujo

O F-16V e o F-16A/B são aviões tão diferentes que praticamente só tem o nome em comum e com certeza as versões dos F-16 de 50 anos a frente vão ser muito superiores!

Maurício.

Fabio, F-16 sempre será um F-16, não importa a versão, no final, continuará como um avião que tem um projeto de 100 anos, isso em 2070.

Flanker

Então, os Su-35, Mig-35, F-15 e outros contemporâneos, e que estao sendo consteuidps ahora, tb não poderão mais voar daqui uns 30, 35 anos??

Maurício.

Flanker, uns 30 anos, não 50+ como sugere a matéria, passar de 30 será como usar hoje o F-5, efetividade quase zero.

100nick-Elã

A efetividade depende de quem for seu adversário.

Maurício.

Claro, contra um k-8 da Bolívia o F-5 dá e sobra.

Flanker

Mas, qual é a vida média de um caça? 30 anos? Muitos recebem atualizações, retrofits e modernizações, com isso chegando a 40 anos de serviço ou pouco mais. Os caças da linha de montagem xonsteuida agora, serão entregues daqui uns 5 anos. 2025+30=2055…..2025+40=2065. Então, não vejo motivo para a descrença de que poderão voar até a década de 2070.

Maurício.

Flanker, voar até 2070+ até um P-51 Mustang pode voar, tendo um motor até jaca voa…rsrsrs, mas ser efetivo são outros 500, podemos modernizar nossos F-5, vamos colocar um painel tipo o do Gripen E, vamos colocar um novo radar grifo E AESA, vamos colocar a versão extendida do Derby, mesmo assim será um F-5, um caça para manter doutrina e brincar de defesa aérea. Cada país pode usar o que quiser até 2070+, e se querem usar o F-16 até lá, o problema é de quem comprar, e sim, esses caças da idade do F-16, como Mig-35, F-15 e… Read more »

Flanker

Mas, é o que eu tô dizendo. Hoje, já acontece isso. Temos caças com mais de 50 anos que ainda voam e operam em Forças Aéreas. Por que isso deveria mudar? Se são efetivos ou não, é outra conversa. Assim como os caças fabricados em 2025 estarem voando em 2070. Não tem diferença! Se caças fabricados há cerca de 50 anos são, ou não, efetivos hoje, o mesmo poderemos dizer de caças fabricados em 2020 estarem operando em 2070. Se serão efetivos ou não, volto a dizer, é outra conversa.

Maurício.

Flanker, tudo vai depender do comprador, tem quem ache normal usar um caça por tantos anos, por mais que já esteja obsoleto, o Coreia do Norte ainda usa o Mig-19 e acha ele a última Trakina do pacote, cada louco com suas manias rsrsrs.

leonidas

Simples, para garantir que ele fique em serviço até 2100 (30 anos acima do planejado pela empresa) é só vender uns 45 para a FAB.
Pronto!
Fica garantida a existência em serviço desses caças até 2100 porque em 2070 a FAB iria começar a escolher o substituto e como o padrão aqui é + ou 30 anos entre inicio da plano e a operação do meio esta bem razoável minha previsão…

RenanZ

Surreal acho ter F-5 do primeiro lote como principal linha de defesa aérea da 5ª maior nação do mundo

Fabio Araujo

Ainda tem muito F-5 e Mig-21 voando e até pouco tempo tinha até alguns F-4! O TU-95 Bear e o B-52 vão chegar perto dos 100 anos!

Maurício.

Fabio, voar é uma coisa, ser realmente efetivo é outra, a Bolívia até pouco tempo tinha sua linha de defesa aérea baseada no T-33, eles até foram modernizados, estavam voando, mas eram efetivos? 100 anos para um caça é muito tempo.

Marcelo Baptista

Mauricio, eu vejo como mercado, entendo a questão da efetividade da aeronave, mas para os clientes em questão? Ela não será efetiva no TO onde o pais está inserido?
Uma coisa é vc ser a maior potencia militar do planeta, a outra é vc ter rusgas de fronteira com o seu vizinho.

Thiago A.

Problema nenhum ter e voar aeronaves mais “âgèes”, ainda mais se são plataformas confiáveis, baratas cujo valor foi comprovado em carreira. São até um surplus para complementar sua frota. O problema nasce quando essas plataformas não estão ali para complementar mas como única opção possível.

JuggerBR

Os bombardeiros são apenas plataforma de lançamento de bombas e misseis guiados, não são combatentes de atrito. Usam eles porque são confiáveis e seria muito caro substituí-los e não seria um avanço muito significativo perante os atuais bombardeiros estratégicos. Caças de combate é outra estória…

Antoniokings

Também.

Hellen

Fica tranquilo o mauricio nao tem noção do que ele ta dizendo !!!! F-5 foi grande exemplo !!!

Maurício.

Hellen, nos brinde com sua sabedoria e palpite, atacar por atacar qualquer um pode fazer, argumentos que é bom, nada!
Só mais um detalhe, o Renan já está indignado porque ainda usamos F-5, mas pela lógica de vocês, usar um caça de projeto de 100 anos não dá nada, só por isso, a FAB vai usar o F-5 até 2060, ano em que o F-5 fará 100 anos…

Last edited 18 dias atrás by Maurício.
Nilton L Junior

Depois os fanboy vão a loucura quando comentamos a postagem, como opinião de entusiasta que não faz sentido uma Força Aérea com a Americana operar um vetor que vai estar concorrendo com outros caças muitos mais sofisticados, vai entender.

MFB

Surreal nada. Em 2070 estaremos abrindo um estudo para atualizar nossos gripadinhos. Anota aí. Fora o fx3 para comprar caças da quinta geração a serem entregues a taxa de 2 por ano em 2150

Rodrigo LD

Vai ser um recordista, operando 100 anos depois do primeiro voo. Mais uma lenda da aviação. Merece tal destaque.

Dumont

Leitura rápida… Colômbia?

Rodrigo LD

A Colômbia suspendeu indefinidamente a compra de novas aeronaves depois dos problemas internos que teve. Mas era certo que iriam de F-16. Provavelmente já haviam solicitado e obtido autorização para a compra.

Jacinto

Rapaz, será que vai bater o B-52 em longevidade?

JuggerBR

Tem C-47, DC-3 ainda voando…

Jacinto

Mas em operação normal? Rapaz…

groosp

Vão escoltar os B-52

Mauro Cambuquira

Eita, deixa eu entender, vão dar baixa nos F-35 dos primeiros lotes e manter os F-16 até 2070. Bom, acho que é isso mesmo, aqui vamos dar baixa nos F-39 que vão para o deserto do Ceará e os F-5, a espinha dorsal, a partir de… 2071 já vão dando baixa também.

RICARDO NUNES BARBOSA

Uma coisa não tem relação com a outra, nem por analogia. USAF já deu baixa em seus F-16A há mais de uma década (nos anos 90 ainda) e já está dando baixa nos F-16C de blocos mais antigos. O mesmo poderá acontecer com o F-35. Nos anos 2030 dar baixa nos Blocos mais antigos e utilizar blocos mais novos. Nada de novo na história da aviação ou da USAF.

Marcelo Baptista

Imagina o custo de vc ter que usar F35 para vigiar regioes nao contestadas, serviço que o F16 faz por uma fração do preço.
Seria o mesmo que usar o F16 no lugar do Super tucano para caçar traficante, bonito de ver, só que o custo!!!

Paulo Sollo

Creio que a Índia não embarca nessa lábia de F-21.
O F-16 é um excelente projeto mas como pontuaram outros comentaristas, com a rapidez com que as tecnologias vem avançando, sua plataforma ficará em breve obsoleta frente a projetos mais modernos.

E se a coerência prevalecer entre os hindis, vão continuar investindo no Tejas, adquirir mais Rafale e desenvolver seu 5 ou 6G.

Flanker

Então, por essa lógica, ninguém mais deve investir em Su-35, Mig-35 e F-15…..

Nilton L Junior

Vai ter muita viuva dizendo o contrário.

Jagdverband#44

F-16 haters ficam tristes.

Vinicius

Isso se chama “estagnação tecnológica”

Wagner

Os F35 se aposentarão primeiro.

JuggerBR

A Lockheed percebeu o gap que o Gripen buscava cobrir substituindo os F-16 antigos, e vai dobrar a estratégia utilizada no Hércules. Aviões de projeto muito antigo, recheados com as tecnologias recentes, e preço competitivo.

Marcelo Baptista

É por ai, money.

Jodreski

Essa notícia não me espanta… voamos com F-5 Tiger II ainda! Qual a previsão da baixa do último F-5 da FAB? 2025 por aí?

Maurício.

2025? Que nada! Vamos usar o F-5 até 2060, até lá vamos modernizando, afinal de contas, 100 anos para um caça não é quase nada…rsrsrs

Flanker

Jodreski e Maurício: em 2025 a FAB não terá recebido ainda nem a totalidade dos 36 Gripen encomendados. A FAB poderá desativar todos os F-5M até 2025? Se ela quiser desativar junto 3 esquadrões de caça (Pamap, Pacau e Jambock), pode.
É óbvio que ninguém é maluco ou fora da realidade para achar que um F’5M é um caça apto para a totalidade da guerra aérea. Mas, fazer o que? Desativar 3 esquadrões e deixar apenas o GDA e o Adelfi mais 14 A-1M operando no Poker e no Centauro??

Maurício.

Flanker, se tudo der certo, em 2026 chega o último Gripen, mas, como você bem pontuou, ainda veremos F-5 na FAB voando por um bom tempo ainda, infelizmente acho que vai demorar até eu ver um Gripen operacional na baco.

100nick-Elã

Fico pensando em pilotos de avião que tem filhos que também se tornam pilotos. O mesmo avião sendo pilotado pelo bisavô, avô, pai, filho e neto?

Reportagens especiais

Saab Press Trip 2019 – parte 2

Entrega do primeiro Gripen E brasileiro Por Guilherme Poggio Linköping é uma cidade pequena para os padrões brasileiros (possui cerca de...
- Advertisement -
- Advertisement -