terça-feira, outubro 19, 2021

Gripen para o Brasil

Elbit ganha contrato de US$ 1,65 bilhão para centro de treinamento de voo na Grécia

Destaques

Redação Forças de Defesa
redacao@fordefesa.com.br

Haifa, Israel, 18 de abril de 2021 – A Elbit Systems Ltd. (NASDAQ: ESLT, TASE: ESLT) (“Elbit Systems” ou “the Company”) anunciou hoje, na sequência do anúncio da empresa de 5 de janeiro de 2021, que foi adjudicado um contrato avaliado em aproximadamente US$ 1,65 bilhão (aproximadamente € 1,375 bilhão) para o estabelecimento e operação do Centro Internacional de Treinamento de Voo da Força Aérea Helênica, como parte de um acordo entre o Ministério da Defesa de Israel e o Ministério da Defesa Nacional Helênico. O contrato será executado por um período de aproximadamente 20 anos e incluirá indexação de preços.

Pelo contrato, a Elbit Systems fornecerá novas aeronaves de treinamento M-346 e fará a manutenção de toda a frota de treinamento, composta por dezenas de aeronaves de treinamento M-346 e T-6A, por um período de aproximadamente 20 anos. Além disso, a Empresa fornecerá seus mais recentes Aviônicos Virtuais Embarcados (EVA) avançados a bordo da aeronave de treinamento, simuladores de voo em rede e uma série de Estações de Treinamento em Terra (GBTS), bem como sistemas de comando e controle para permitir o gerenciamento eficiente de a operação de treinamento de voo.

Bezhalel (Butzi) Machlis, presidente e CEO da Elbit Systems, disse: “Estamos honrados por termos recebido este contrato para fornecer uma capacidade tão importante para a Força Aérea Helênica. Esta concessão de contrato atesta a posição de liderança que ocupamos na área de soluções de treinamento de pilotos, fornecendo know-how testado e tecnologias comprovadas que melhoram a prontidão operacional enquanto reduzem custos.”

T-6A Texan II da Força Aérea Helênica

Sobre a Elbit Systems

A Elbit Systems Ltd. é uma empresa internacional de alta tecnologia envolvida em uma ampla gama de programas de defesa, segurança interna e comerciais em todo o mundo. A Empresa, que inclui a Elbit Systems e suas subsidiárias, opera nas áreas de sistemas aeroespacial, terrestre e naval, comando, controle, comunicações, computadores, vigilância e reconhecimento de inteligência (“C4ISR”), sistemas de aeronaves não tripuladas, eletroóptica avançada, sistemas espaciais eletroópticos, suítes EW, sistemas de inteligência de sinal, links de dados e sistemas de comunicação, rádios, sistemas baseados em cyber e munições. A empresa também se concentra na atualização das plataformas existentes, desenvolvendo novas tecnologias para defesa, segurança interna e aplicações comerciais e fornecendo uma gama de serviços de suporte, incluindo sistemas de treinamento e simulação. Para obter informações adicionais, visite: https://elbitsystems.com

DIVULGAÇÃO: Elbit Systems

- Advertisement -

13 Comments

Subscribe
Notify of
guest
13 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Joli Le Chat

Isso afeta aquela escola internacional de formação de pilotos militares de Portugal?

Paulo Sollo

Porquê? É um contrato de prestação de serviços entre gregos e israelenses, que inclusive tem outros acordos militares como o desenvolvimento da Corveta SA’AR 72.
Não significa que todos os que optarem por este tipo de formação de pilotos vão escolher a Elbit também.

Hcosta

Serve como exemplo para Portugal.
O contrato com uma empresa com experiência e com aeronaves a hélice e a jato.

Por isso defendia que não basta o ST e simuladores, tem de ter também uma aeronave de treino a jato para atrair pilotos de outros países.

Ari Levinson

Nada como correto planejamento! As indústrias bélicas israelenses hoje são as maiores no Oriente Médio por terem se proposto a serem melhores nos nichos de mercado que identificaram que poderiam explorar, bem diferente da megalomania de querer fazer tudo de tudo adotada pelo Brasil na ditadura militar e entre 2003 a 2016 e o que o Sultão Erdogan ambiciona fazer na Turquia.

Thiago A.

A tá, eu aqui pensando que era por conta do astronômico investimento no setor de defesa – fora a generosa cooperação e assistência externa, que não é demérito apenas um fato .
Eu aqui pensando que fosse por conta dos $ 20 bilhões gastos por
um paíss que tem 9 milhões enquanto o Brasil com mais de 200 gasta quando muito $ 26 bilhões.
Eu aqui pensando que fosse por conta da importância e tamanho do setor da defesa desse país que garantiu e garante generosos contrato para essas empresas.

Ari Levinson

Vamos aos fatos meu caro: A justificativa de “astronômicos investimentos no setor de defesa” não se aplica se esses não forem corretamente investidos, basta ver que nos períodos acima houve muito gasto e pouco retorno ao país Se o Brasil gastasse 100 bilhões de dólares ainda assim não iria para a frente afinal todos sabemos do grande ralo da corrupção As empresas israelenses apenas conseguiram grandes contratos fora do país porque mostraram ser competentes O Lavi foi justamente o ponto de inflexão onde os israelenses consolidaram o conceito de focar apenas aonde interessava para as necessidades e possibilidades deles ou… Read more »

Thiago A.

eu aqui pensando como desenvolvimento de projetos megalomaníacos como o Lavi, que embora tenha fracassado e encerrados, proporcionaram avanços significativos para as capacidades da indústria aeroespacial de Israel: subsistemas, aviônicos e componentes da aeronave que depois foram disponibilizados comercialmente .
Eu aqui pensando que talvez um pouco de mérito deve ter todo aquele conhecimento tecnológico acumulado durante esse projeto e devaneio megalomaníaco , os cientistas e engenheiros israelenses que foram reempregados em outros setores, programas e empresas.

Thiago A.

O programa nuclear de Israel é megalomania também ou só o nosso porque somos latino-americanos ?

Thiago A.

O 5% do PIB dedicado anualmente tem mérito ou não ? Se o Brasil gastasse em proporção o mesmo no setor de defesa seria megalomania? Curiosidade…

Last edited 5 meses atrás by Thiago A.
Felipe Morais

Thiago, toda essa ironia só pq o cara escreveu um fato? Quem quer tudo, ao mesmo tempo, corre um grande risco de ficar sem nada. Os israelenses possuem hoje uma sólida indústria tecnológica, reunindo tudo o que você disse, sob o tom da ironia, mas que são questões verdadeiras, com o fato deles terem foco na identificação das demandas do país e o alinhamentos com suas capacidades. No Brasil se quer construir submarino nuclear, enquanto não se consegue construir navio de patrulha de 500 toneladas. E tudo bem. Aprenderemos muito com a fabricação dos submarinos. Mas e depois? Pra onde… Read more »

Thiago A.

Felipe boa parte das suas considerações eu compartilho e considero compreensíveis e pertinentes. Já as considerações do colega acima eu não considero fatos, considero tiração e reducionismo proposital. Atribuir o sucesso da indústria bélica israelense apenas as boas práticas e foco é zueira! O ambiente propició, recursos e investimentos copiosos e contínuos, parcerias externas fazem parte dessa receita e permitiram um ampla margem de erro e reajustes – como no caso do Lavi. Quanto ao programa nuclear, a minha consideração é relativa aos custos e esforço que foram necessários. Cada um tem suas exigências e prioridades, então o programa deles… Read more »

Thiago A.

Bom dia MK, eu não estou desmerecendo as capacidades de Israel, muito pelo contrário ! É de longe o país da região mais avançando e capaz militarmente. O que eu questiono é a receita que levou eles até a lá, não foi simplesmente foco e boas práticas ou papinho de neo-liberal de estado mínimo.

eggfilho

o que nao faz um pais um beligerante como a Turquia no lado….acho que tem tambem dinheiro da otan

Últimas Notícias

China nega ter testado um míssil hipersônico com capacidade nuclear, diz que era um veículo espacial

Pequim (CNN) — A China negou uma reportagem de que testou um míssil hipersônico com capacidade nuclear em agosto,...
- Advertisement -
- Advertisement -