sábado, junho 19, 2021

Gripen para o Brasil

Nanossatélite brasileiro é lançado com sucesso do Cosmódromo de Baikonur, no Cazaquistão

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

NanoSatC-Br2 será o último de 38 satélites a ser liberado em órbita

Após ter o lançamento adiado por 48 horas em decorrência de uma falha técnica, o nanossatélite brasileiro NanoSatC-Br2 foi lançado com sucesso nesta segunda-feira (22), às 3h07, a partir do Cosmódromo de Baikonur, no Cazaquistão. A desacoplagem do foguete Soyuz-2.1A – que leva no total 38 satélites, sendo o maior da Coreia do Sul – deve acontecer por volta de 7h (horário de Brasília).

O lançamento do NanoSatC-Br2 foi transmitido ao vivo pela TV Brasil e pela Agência Brasil.

De dimensões modestas, o NanoSatC-Br2 pesa apenas 1,72 quilograma. Com 22 centímetros (cm) de comprimento, 10 cm de largura e 10 cm de profundidade, o satélite é menor que uma caixa de sapato. A principal missão do equipamento é monitorar a anomalia magnética do Atlântico Sul – fenômeno natural causado pelo desalinhamento do centro magnético da Terra em relação ao centro geográfico, característica que atrapalha a captação de imagens e transmissão de sinais eletromagnéticos numa determinada faixa do céu -, mas ele também servirá de ferramenta de pesquisa para estudantes de diversos campos: engenharia, aeronomia, geofísica e áreas afins.

O projeto é um esforço conjunto do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), no Rio Grande do Sul e da Agência Espacial Brasileira (AEB). O NanoSatC-Br2 ficará situado a cerca de 500 quilômetros de altitude – na camada da atmosfera chamada Ionosfera – e fará uma órbita polar heliossíncrona, ou seja, o NanoSatC-Br2 cruzará a circunferência entre Polo Norte e Polo Sul, mas sempre no mesmo ponto em relação ao Sol, em ciclos constantes.

O custo estimado do NanoSatC-Br2 – entre desenvolvimento, lançamento e operação – é de cerca de R$ 1 milhão, de acordo com Michele Melo, assessora de Inteligência da Agência Espacial Brasileira (AEB).

O nanossatélite permitirá a capacitação de profissionais em diversos campos relacionados à ciência e tecnologia. “Os alunos vão ajudar na operação do nanossatélite. O contato principal é depois de o equipamento lançado. Eles vão obter os dados científicos que estão chegando à Terra. O fato de os alunos terem esse contato na graduação é fantástico porque eles conhecem como funcionam o mercado de satélite e todo o processo que envolve a fabricação e aquisição de equipamentos, lançamento e operação dele no espaço,” afirmou o professor Eduardo Escobar Bürger, da UFSM.

Missão conjunta

O lançamento do NanoSatC-Br2 é fruto da parceria entre o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações, a AEB e a Roscosmos – a agência espacial russa. O satélite brasileiro é um dos 38 dispositivos que estão carregados no foguete Soyuz-2.1A que parte hoje do Cazaquistão. A missão envolve Brasil, Rússia e outros 16 países – a maior parceria aeroespacial internacional para lançamentos de satélite registrada até hoje.

FONTE: Agência Brasil

- Advertisement -

48 Comments

Subscribe
Notify of
guest
48 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Luiz

É o Brasil caminhando, a passos largos, para a conquista do cosmos.

JuggerBR

Era pra ter sido lançado aqui mesmo, se algum dia tivéssemos levado a sério o programa espacial brasileiro, enterrado na tragédia do VLS em Alcantara, 2003. Mas como cobrar alguma seriedade das autoridades, não é?

LUIZ BELO

Especulando sobre o ocorrido: pra mim o aconteceu pode ter sido sabotagem. Estaríamos num patamar excelente de 2003 ate hj 18 anos depois. Não temos segurança no país contra espionagem e contra sabotadores.

Leandro Costa

Foi sabotagem mesmo. Interna por parte do governo naquela ocasião, que queria apenas publicidade positiva e cortou o programa.

Allan Lemos

Apenas esses bobinhos acreditam nessa ladainha de “sabotagem”. A única sabotagem que ocorreu foi a do Governo Federal, que praticamente fechou o programa, como bem disse o Leandro Costa.

Last edited 2 meses atrás by Allan Lemos
Flight_Falcon

Bruno,
Não discordo nem concordo com sua opinião.
Nesse mundo de tantos interesses, quem sabe o relatório que veio a publico não foi um feito para tal?
Do mesmo modo realmente pode não ter sido um ato de sabotagem e simplesmente de falta de capacitação e equipamentos adequados para o desenvolvimento?
A conclusão, infelizmente é que não evoluimos desde então nessa área.

Mauro Cambuquira

Então. Ainda somos anões diplomáticos, imagina em termos de defesa contra espionagem, vide equipamento comprado pela Marinha que é um codificador que transcreve nossos códigos criptografados secretos para outros países. E assim vai… Mas a época do acidente em Alcântara vários acontecimentos ou eventos estranhos na região foram registrados. Inclusive um aparelho que gerava sinal de telemetria, o qual não me recordo o nome agora, de origem japonesa, em águas brasileira na região do Maranhão. Isso intrigou muito aqueles que buscavam explicações para ocorrido no centro de lançamento, que perdeu muita gente especializada e que não se pode substituir tão… Read more »

Leandro Costa

Vi uma apresentação sobre o programa todo na Universidade da Força Aérea lá na Base Aérea dos Afonsos que abordou essa questão. Mais de um artefato de origem estrangeira (lembro-me especificamente de um de origem Francesa) feitos para captar os sinais de telemetria foram encontrados, mas nada que pudesse interferir com os sinais enviados da estação de solo. O erro, amadorismo, foi inteiramente nosso. Nenhum país poderia simplesmente ordernar colocar a maior parte do pessoal sensível do projeto em um local perigoso durante qualquer tipo de teste que tivesse a menor probabilidade de desastre. Deveriam existir protocolos que impedissem essa… Read more »

Caio

Mas que artefato foi esse? Porque estava lá? Quem colocou? O que aconteceu com ele depois do episódio?.
Questões e questões, a inteligência se aprimora assim.

Leandro Costa

Caio, salvo engano era uma bóia com equipamento eletrônico. Não se sabe com certeza quem colocou, mas certamente é bem curioso. Questão de sempre aprimorar a segurança operacional. Algo muito importante e que muita gente esquece que é necessário.

JuggerBR

Importa menos o motivo e mais a atitude depois das mortes. Se os americanos ficassem discutindo sem tomar as medidas de correção, jamais teriam ido à Lua após as mortes da Apolo I.

Foxtrot

Sério mesmo?
E você acreditou?
Olha no youtube vídeo relatando embargos e sabotagens americana e alemã (dentre outras) ao programa espacial brasileiro desde seus primórdios.
E hoje, olha com quem o Brasil mais tem “parceria” na área espacial.
Brasileiro nunca aprende nada!

carcara_br

Não sou adepto de teorias da conspiração, mas o “acidente” foi de tal forma avassalador que eu abro essa exceção.

Sincero Brasileiro da Silva

Vc acha que se tivesse realmente acontecido sabotagem por parte dos “poderosos” americanos a FAB teria a capacidade de descobrir? Foi graças ao Snowden que descobrimos algumas coisas em relação ao EUA contra nós!

Meu Brasil

Tive um professor na faculdade que participou do desenvolvimento do VLS e por sorte sobreviveu a explosão (ele estava no prédio de controle analisando dados de telemetria da simulação), um dia ele contou para um grupo de alunos (eu estava junto) que ele dúvida que foi alguma falha no foguete, pois eles testaram tudo e todos os sistemas tinham redundâncias inclusive depois da explosão foi lançado mais 2 ou 3 VLS a partir da Ucrânia (se não me engano). Outra coisa que este professor falou foi que mesmo que os cientistas/engenheiros tivessem morrido todo o projeto do VLS estava documentado… Read more »

Mgtow

Foi sabotagem sim. Daquele que não quer ver o Brasil soberano. Todos sabemos quem é. Só os passadores de panos que endeusa uma nação que luta contra o nosso desenvolvimento tenta inventar historia.

Pedro Bó

Perdemos muito conhecimento aeroespacial com o pessoal que faleceu naquela tragédia.

Marcelo

muito bom , mas espero ainda ver um satelite brasileiro lancado por um foguete brasileiro…

Carlos Crispim

Esquece, amigo, aqui os cientistas só estão preocupados com plano de cargos e salários, incorporar gratificações, juntar mais triênio, anuênio, 13 sal., 14 sal. , aposentadoria extra-teto, bonificações e etc. Aqui cientista é “funça”, aquele coçador de barriga que fica olhando pro relógio doido pra ir embora, não tem jeito, olha a ABIN, o que esses caras fazem o dia todo? Não existe contra-inteligência, o governo está completamente perdido e não consegue atuar contra os militantes dentro do próprio governo, é uma piada.

Leandro Costa

Os cientistas que conheço são bastante diferentes disso aí hehehehe. Conheci um que fazia projetos e protótipos de drones para vigilância de fronteira e que lutava por orçamento para conseguir fazer suas ideias decolarem. Descolou alguma grana e um laboratório da Petrobrás lá no Fundão para poder fazer um veículo subaquático para inspeção de operações de perfuração. Todos os outros projetos, inclusive o drone para vigilância de fronteiras, num quartinho amontoado nos fundos de sua casa no Méier. Outros tantos trabalham muito e tentam dar aulas porque não há grana para mantê-los trabalhando 100% do tempo em diversos projetos que… Read more »

Carlos Henrique

Um amigo que trabalhou no INPE ha mais de 40 anos atras e faleceu ha mais ou menos 30 anos atras, num acidente proximo a S. Jose dos Campos envolvendo seu automovel, esteve por alguns anos estudando na Alemanha e nao se enquadrava em nenhum desses conceitos negativos apontados ai acima por outro leitor, sujeito dedicado, capaz – foi professor de matematica em varios cursos pre vestibulares em Juiz de Fora, pos a vida conjugal em 2o plano, apos a esposa nao se habituar a vida na Alemanha e este ter permanecido por la… A epoca a Russia tinha interesse… Read more »

Leandro Costa

Não sei de interesse russo algum. Sei do acordo que fizemos com a Ucrânia. Péssimo acordo que foi desfeito até relativamente pouco tempo atrás porque simplesmente não teria como ir adiante. E tecnicamente foi o mesmo acordo que faríamos com os americanos.

Foi acidente mesmo. Teorias da conspiração não se sustentam nesse caso (ou na maioria dos casos, de qualquer maneira).

Luiz

Quem sabe! A expectativa média de vida dos brasileiros atualmente é de 76,6 anos, aumentando.

Carlos Campos

O INPE é mais preocupado com o desmatamento na amazônia do que no espaço e satélites

Jadson Cabral

Porque é essa a função deles. Ou pelo menos deveria

Rinaldo Nery

Uma das.

Allan Lemos

É uma vergonha o Brasil precisar contratar uma nação estrangeira para lançar um satélite de menos de 2kg. Espero que pelo menos o veículo lançador de microssatélites vá para a frente. Nos dará autonomia para lançar cargas de até 150kg ao espaço, se eu não estou enganado.

Jadson Cabral

Não vai rolar. Já tem startups se instalando aqui, como a VAYA Space, que está desenvolvendo um lançador híbrido que pode colocar até 1000kg em órbita baixa e 60kg em órbita alta. Com um lançador desses o VLM fica totalmente obsoleto e inviável.
Como sempre, o projeto demorou tanto que acabou ficando obsoleto antes mesmo do primeiro voo.

Pedro Bó

Temos que parabenizar e valorizar nossos pesquisadores, porque com todos os desafios conseguem fazer milagres. Imagina o país investindo sério em P&D. Em uns 30-40 anos poderíamos estar na vanguarda de muitas tecnologias.

Manock

Quanto será que custou o frete dessa entrega aí?

Joli Le Chat

Na ocasião, no mesmo foguete, também subiu o primeiro satélite da Tunísia, 100% construído pelos amigos tunisianos.

E teve de outros países também: https://twitter.com/gk_launch/status/1373823736919556098?s=20

GK.jpg
Salomon

Não ficou claro: “Após ter o lançamento adiado por 48 horas em decorrência de uma falha técnica, o nanossatélite brasileiro NanoSatC-Br2..” A falha foi do nosso satélite ou dos aparatos de lençamento?

Flanker

O problema técnico foi no foguete.

Foxtrot

Já que acabaram com nosso programa espacial, entregaram nossa base por um monte de “pedrinhas coloridas” e sepultaram de vez nosso programa de foguetes e satélites, vamos lançando “caixinhas de sapato” no espaço.
Enquanto que nosso mistério da ciência e tecnologia continua como sempre foi.
Inerte e inexpressivo!
Triste.
Todas as nações com um mínimo de consciência de desenvolvimento estão migrando suas atenções para exploração espacial, P&D e ciência e tecnologia.
Enquanto que nós estamos arraigados e velhos hábitos ruis e más praticas.

Leandro Costa

O Pontes está fazendo um bom trabalho no Ministério. Até pessoas que não gostam do Bolsonaro o elogiam.

Em contrapartida quem afundou o programa espacial mesmo?

Foxtrot

Sério mesmo?
Fala sério amigo!
Converse com profissionais do INPE e AEB para ver o “bom trabalho” de Pontes.
Me ajuda aí.

Leandro Costa

Então, Foxtrot, eu tenho contato com gente do inpe sim, e as coisas andam bem lentas no quesito aeroespacial. As prioridades são outras e o ministério está praticamente todo mobilizado para o problema da covid desde o início da pandemia, procurando vacinas e formas mais amplas de se vacinar a população. Então sim, dentro do espectro de atuação do ministério, o Pontes está sendo muito elogiado e recebe muito pouca luz dos holofotes. Até porque para a imprensa em geral algum ministério desse governo atuando como deve não cai bem na narrativa que querem passar, né?

Foxtrot

Então caro Leandro, já que tem contato com funcionários do INPE e AEB (se é que é verdade, pois escrever qualquer coisa aqui não há como comprovar), me responda. Porquê até hoje não lançamos o 14X, Sara sub orbital, foguetes da família cruzeiro do sul, missão Áster, satélite SAR baseado na plataforma multi missão, etc etc etc ? Quanto ao INPE está envolvido ao combate ao Covid-19, nunca li tanta baboseira num lugar só. Primeiro porque o INPE não tem nada há contribuir na luta contra o Covid, segundo porque não é atribuição do mesmo. Por fim, vocês precisam para… Read more »

Foxtrot

Bom, mas esta é minha opinião e cada um tem a sua.
Espero realmente que este governo seja um dos melhores que este país já teve.
Que leve este país a condição de nação autônoma e verdadeiramente soberana, justa e igualitária para todos os brasileiros.
Com crescimentos de IDH e científicos sem iguais no planeta.
Vamos dar tempo ao tempo e no final faremos as comparações!

Leandro Costa

Preste mais atenção. Eu nunca disse que o INPE está envolvido no combate à Covid. Eu disse que o Ministério está e os recursos estão voltados para isso. Para o resto simplesmente não há recursos. Não tem como, não tem grana para isso tudo. Simplesmente não tem de onde tirar mais. Lá vem outro auxílio emergencial aí e isso já está sufocando o que sobra da economia, ainda mais com lockdowns. E não sou contra essas medidas porque elas são necessárias. Eu gosto e quero um estado mínimo sim. Mas mínimo NECESSÁRIO. Em situações de emergência nacional, o Estado precisa… Read more »

Elias

Acho que foi no governo do lula e continuou parado no governo Dilma . Bolsonaro está tentando governar eu apoio este governo. Mas o que dificulta…. todos sabem e se fazem de cínicos

Foxtrot

Kkkkkkk aí ai !

Jadson Cabral

Cara, você passa o dia inteiro pensando nas bobagens que você fala aqui, é?

Foxtrot

Não vou nem te dar o prazer de uma conversa coerente porquê nota-se que coerência não é seu forte.

Billy

Porque o brazil só produz nano satelite, nano fragata (corveta), nano blindado, nano foguete??

Luiz

Talvez porque das verbas reservadas para o desenvolvimento de qualquer coisa neste país, só uma nano parte chega onde deveria chegar.

Joli Le Chat

O que tem no satélite NanoSatC-BR2?

Aqui está a resposta detalhada:
http://www.inpe.br/crs/nanosat/missao/nanosatc_br2.php

Flanker

Instalações do INPE no campus da UFSM, aqui em Santa Maria.

INPE UFSM.jpg

Reportagens especiais

Momentos da história do AMX nos anos 80 em notícias do Estadão

Pesquisando no arquivo do Jornal O Estado de São Paulo, encontramos algumas notícias sobre o avião de ataque ítalo-brasileiro...
- Advertisement -
- Advertisement -