quinta-feira, agosto 5, 2021

Gripen para o Brasil

Um exercício da OTAN em 1983 quase iniciou uma guerra nuclear com os soviéticos

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

A União Soviética colocou caças-bombardeiros carregados com bombas nucleares em alerta de 24 horas na Alemanha Oriental durante um exercício de comando de armas nucleares da OTAN em novembro de 1983, e o alerta incluiu “preparativos para o uso imediato de armas nucleares”, de acordo com os recém-divulgados registros de inteligência dos EUA que confirmam uma “ameaça de guerra” durante alguns dos meses mais tensos da Guerra Fria.

Foi divulgado anteriormente que o exercício da OTAN, denominado Able Archer 83, gerou preocupações no Kremlin. Mas os novos documentos fornecem detalhes precisos pela primeira vez da resposta militar soviética ao exercício da OTAN, um evento anual que treinava um ataque nuclear simulado às forças da União Soviética e do Pacto de Varsóvia.

De acordo com os documentos, o alerta soviético intensificado foi disparado nas divisões de caças-bombardeiros das forças soviéticas estacionadas na Alemanha Oriental. Todos os postos de comando receberam ordens de serem operados 24 horas por dia por equipes reforçadas. Paralelamente, o chefe das forças aéreas soviéticas, marechal Pavel Kutakhov, ordenou que todas as unidades do 4º Exército Aéreo soviético na Polônia fossem cobertas pelo alerta.

Divisões de caças-bombardeiros receberam ordens de carregar bombas nucleares em um esquadrão de aeronaves em cada regimento. Essas aeronaves deveriam ser armadas e colocadas em “prontidão 3”, o que significa um alerta de 30 minutos para “destruir alvos inimigos de primeira linha”, de acordo com os documentos.

A Europa foi palco de um impasse de décadas durante a Guerra Fria, visto que ambas as superpotências se prepararam para o conflito terrestre e aéreo, incluindo o possível uso de armas nucleares. Uma análise anterior da ameaça da guerra notou que a doutrina militar soviética exigia a antecipação de um ataque da OTAN atacando primeiro, e as forças do Pacto de Varsóvia há muito supunham que uma ofensiva da OTAN poderia começar sob a cobertura de um exercício como o Able Archer. O Ocidente também estava preparado para usar armas nucleares em resposta a um ataque convencional das forças maiores do Pacto de Varsóvia.

A União Soviética implantou caças-bombardeiros Su-17 com capacidade nuclear na Alemanha Oriental, com seis a oito pilones para bombas. Um dos sinais mais sinistros do alerta soviético de 1983 veio em um relatório de inteligência sobre um esquadrão em Neuruppin, Alemanha Oriental. A aeronave de alerta deveria ser carregada com um casulo de interferência eletrônica para proteção. No entanto, relatórios da Agência de Segurança Nacional dos EUA mostraram que o esquadrão pediu para ficar sem os eletrônicos por causa de “um problema inesperado de peso e equilíbrio”.

Analistas de inteligência militar dos EUA concluíram que “esta mensagem significava que pelo menos este esquadrão em particular estava carregando uma configuração de munição que nunca havia carregado antes, ou seja, uma carga de guerra”.

Um importante oficial da inteligência dos EUA no local durante a Able Archer, o tenente-general Leonard H. Perroots, contatou seus superiores no auge das tensões. Ele conversou com o comandante-chefe das Forças Aéreas dos EUA na Europa, general Billy Minter. Quando Minter perguntou se os Estados Unidos deveriam reagir ao que estava acontecendo na Alemanha Oriental, Perroots respondeu que havia “evidências insuficientes para justificar o aumento de nossa postura de alerta real”. Mas Perroots ficou mais preocupado com a informação que veio a ele mais tarde, mostrando o nervosismo soviético sobre o Able Archer. “Se eu soubesse o que descobri mais tarde, não sei qual conselho teria dado”, escreveu ele mais tarde.

Caça soviético Su-17 Fitter C

Os novos documentos foram incluídos em uma edição da Foreign Relations of the United States divulgada no dia 16 de fevereiro de 2021. A nova edição cobre as relações dos EUA com a União Soviética de janeiro de 1983 a março de 1985, um período que incluiu a descrição do presidente Ronald Reagan da URSS como um “império do mal”, o lançamento da Iniciativa de Defesa Estratégica de Reagan para construir uma defesa antimísseis baseada no espaço (Programa Guerra nas Estrelas) e o abate de um avião de passageiros 747 sul-coreano em setembro de 1983 por um caça russo.

Além disso, o período incluiu protestos antinucleares maciços enquanto os Estados Unidos se preparavam para posicionar mísseis Pershing II e mísseis de cruzeiro lançados de terra na Europa Ocidental para conter os mísseis soviéticos. A liderança soviética foi lançada na incerteza quando três líderes morreram entre 1982 e 1985.

No novo volume, os historiadores do Departamento de Estado incluíram uma longa nota do editor sobre a ameaça de guerra. A nota reproduz um memorando de janeiro de 1989 de Perroots, intitulado “End of Tour Report Addendum.” Perroots serviu como chefe adjunto do Estado-Maior da inteligência da Forças Aéreas dos EUA na Europa, durante o exercício Able Archer 83 e depois como diretor da Agência de Inteligência de Defesa de 1985 a 1989. No final de sua turnê, ele escreveu o memorando para registrar “seu inquietação com o tratamento inadequado da ameaça de guerra soviética”, segundo a história do Departamento de Estado.

Perroots, que morreu em 2017, acreditava que havia tomado a decisão correta de não aumentar a força dos EUA contra os soviéticos, mas que não tinha informações completas sobre o alerta soviético. Na época, ele pensou que o alerta soviético era preocupante, mas não exagerado. Essa visão mudou quando ele viu informações adicionais serem relatadas somente após a conclusão do exercício. Essa “imagem muito mais sinistra” incluía uma “parada” de todas as forças aéreas soviéticas na região.

Uma parada significou uma pausa na atividade de voo de rotina – e preparações para outra coisa – mas não foi detectada imediatamente pela inteligência ocidental, e isso mais tarde preocupou Perroots.

Ele escreveu que “uma paralisação real de aeronaves foi secretamente ordenada pelo menos nas unidades das Forças Aéreas Soviéticas voltadas para a Região Central, e essa paralisação não foi detectada”, pelo Ocidente. “O alerta soviético em resposta ao ABLE ARCHER começou após o anoitecer na noite de quarta-feira, não houve voos nos dois dias seguintes, o que levou ao fim de semana, e na segunda-feira seguinte foi 7 de novembro, o feriado da revolução.”

“A ausência de voos sempre pode ser explicada”, escreveu Perroots, mas então chegou um novo material alarmante e produziu um alerta de inteligência. Em 9 de novembro, “fotografias aéreas mostraram aeronaves MiG-23 FLOGGER totalmente armadas em alerta de defesa aérea em uma base na Alemanha Oriental. Quando este único indicador foi levantado, a pausa já estava em andamento há uma semana.”

Em 2015, o governo dos EUA desclassificou um relatório de 109 páginas do Conselho Consultivo de Inteligência Estrangeira do Presidente (PFIAB), datado de 15 de fevereiro de 1990, e intitulado “The Soviet War Scare”. Ele foi divulgado para o Arquivo de Segurança Nacional, uma organização não governamental afiliada à George Washington University que busca documentos governamentais por meio da Lei de Liberdade de Informação.

A revisão do PFIAB concluiu: “Em 1983, podemos ter inadvertidamente colocado nossas relações com a União Soviética em um gatilho”. O memorando de Perroots foi citado na revisão do PFIAB, mas não foi divulgado na época. O Arquivo de Segurança Nacional processou o DIA para o registro em 2019. O processo ainda está pendente.

De acordo com o relatório do PFIAB, a inteligência dos EUA e do Reino Unido mostrou que a reação soviética e do Pacto de Varsóvia ao Able Archer foi “sem precedentes” e foi “atividade vista apenas durante períodos de crise no passado”. Essas ações foram um esforço de reconhecimento que incluiu 36 voos de inteligência, “significativamente mais” do que nos anos anteriores em que o Able Archer foi conduzido, e a suspensão de todas as operações de voo militar entre 4 e 10 de novembro, exceto para os voos de inteligência, “para provavelmente ter disponível o maior número de aeronaves possível para o combate.”

O lançamento do memorando de Perroots aumenta a conclusão do PFIAB de que a amerça de guerra foi real. Mas o evento foi um quebra-cabeça da Guerra Fria por muitos anos, e a natureza das discussões de alto nível no Kremlin sobre ele ainda é amplamente desconhecida.

No rescaldo do Able Archer, a comunidade de inteligência dos EUA encomendou duas pesquisas, em maio e agosto de 1984, olhando para trás para os eventos. Ambas as estimativas da inteligência declararam: “Acreditamos fortemente que as ações soviéticas não são inspiradas por, e os líderes soviéticos não percebem, um perigo genuíno de conflito iminente ou confronto com os Estados Unidos.” Essa conclusão foi baseada no fato de que os Estados Unidos não viram uma mobilização generalizada para a guerra na época. Mas a revisão do PFIAB criticou essas estimativas, dizendo que a comunidade de inteligência “não atribuiu na época, e por vários anos depois, peso suficiente à possibilidade de que a ameaça de guerra fosse real.”

FONTE: Washington Post

- Advertisement -

58 Comments

Subscribe
Notify of
guest
58 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Chuck Norris Dos Paraguai

Armas nucleares são o maior instrumento de pacificação criado pelo homem.
Kings, Antonio.

Allan Lemos

E são mesmo, quem não consegue enxergar isso tem uma visão extremamente limitada do que são as armas nucleares.

Leandro Costa

Com certeza. Desde a Segunda Guerra Mundial até os dias atuais não tivemos NENHUM conflito.

Sei… já escutei isso antes.

Renato B.

Quando foi a terceira guerra mundial?

Mirade1969

Estamos no meio de uma pandemia que seria como uma guerra sem armas. Infelizmente. Na época eu era adolescente e nem imaginava o risco de uma terceira guerra mundial, lembro da guerra fria e do acidente do avião Coreano.

Leandro Costa

EUA ganhou no Vietnã? URSS ganhou no Afeganistão? China venceu no Vietnã? Quem venceu na Coréia? Foram guerras em locais periféricos, que não se alastraram (muito), mas que consumiram recursos e causaram desgaste político. Armamento nuclear garantiu desfecho favorável?

Emerson Gabriel

E para quem não sabe os EUA nunca declararam guerra ao Vietnã, justamente para não usarem armas nucleares. Poderiam ter usado contra a China há décadas antes dela se tornar uma grande potência militar e econômica e não usaram. Alguns aqui acham que é como se fosse um vídeo game, só apetar o botão. Se esquecem que existem questões geopolíticas e econômicas.

Leandro Costa

Exatamente, Emerson. Existe todo um contexto geopolítico que precisa ser levado em consideração. Não é um ‘level’ em um jogo de videogame.

Mondelo

Não entre potencias!

Leandro Costa

Não diretamente, de maneira oficial, mas as proxy wars foram lutadas. Armas nucleares garantiu que a URSS ganhasse a Guerra Fria? Aliás… cadê a URSS?

Armas nucleares não garantem sucesso. Garantem um nível de gastos e comprometimentos geopolíticos que não podem ser evitados.

Mondelo

Leandro, mas garantiu que ela não ataca-se a Europa Ocidental. O lado “vencedor” da guerra fria também tinha essas armas. Armas essas que dissuadiram qualquer invasão do Pacto de Varsóvia conta a Europa Ocidental.

Em uma invasão convencional, os soviéticos tinham mais meios militares para vencer na Europa. As armas nucleares equilibram a balança para as forças da Otan.

Leandro Costa

Mondelo, Europa é apenas um lugar. Importante? Com certeza, mas apenas um lugar. O local estava estável e unido sob a égide da OTAN. Passou à ser necessário outros lugares para se expandir e assim tentar ‘cercar’ ou ‘conter’ o adversário. Sudeste Asiático, América Latina e África era aonde se colocava em prática esses conceitos. É muito mais difícil bater em um bloco bem firme, coeso e eficiente do que tentar obter vantagens em regiões instáveis e cheias de conflitos. Mas são mesmo os locais mais vulneráveis. Mesmo assim, com as constantes mudanças no cenário geopolítico do planeta, elas não… Read more »

Mondelo

Leandro, mas a Europa era o teatro principal e por mais que fosse um bloco firme e unido, provavelmente não iria conseguir bloquear um ataque massivo convencional por parte do pacto de Varsóvia. As armas nucleares ajudaram a manter a paridade nesse cenário e consequentemente evitou uma guerra em larga escala das grandes potencias. A Europa sempre foi o teatro principal, todos os outros eram secundários. Mesmo em teatros secundários, como na Coreia por exemplo, se a União Soviética tivesse entrado diretamente no confronto, com certeza sairia vitoriosa em um confronto convencional, mas poderia ter sofrido um bombardeio maciço nuclear… Read more »

Leandro Costa

Essa não era a questão, Mandolo. A questão é se armamento nuclear é o melhor instrumento de pacificação já feito pelo homem. Se a Europa não entrou em guerra, sorte dela, porque todos os outros continentes, com exceção da América do Norte, entraram em guerra sim, mesmo que seja Guerra Civil ou violentas disputas internas, como alguns podem preferir chamar. Que EUA e URSS não entraram em Guerra, isso é fato. Talvez seja pelo MAD, talvez seja pela simples dissuasão convencional ou ações de blocos, como OTAN e pacto de Varsóvia. Índia e Paquistão ainda duelam em suas fronteiras e… Read more »

Joelson

USS Ronald Reagan (CVN-76)… um dos Nimitz resume melhor ainda a frase de cima e que eu carrego ela pra vida toda!.

USS Ronald Reagan (CVN-76)
Aeronaves 90 aeronaves e helicópteros
Tripulação 3200 oficias e marinheiros + 2480 ala aérea
Lema: Peace Through Strength (Paz através da força)

Mondelo

A historia diversas vezes já provou a realidade dessas palavras.

Mondelo

“Si vis pacem, para bellum”

Carlos Campos

e é vdd, ainda tem bocó que odeia essas armas, sem elas nos já teríamos tido várias guerras.

Agressor's

Armas nucleares são as armas do diálogo. Vc constrói uma, logo todo mundo quer conversar…

Last edited 4 meses atrás by Agressor's
Zorann

Caramba!!!

Nós nunca iremos saber. Mas vendo reportagens como esta, tendo a acreditar que em caso de uma guerra àquela época , a URSS tomaria boa parte da Europa Ocidental, antes que a OTAN conseguisse reagir.

Lí uma reportagem há anos atrás sobre o nível de prontidão e preparo das tropas dos exércitos do Pacto de Varsóvia, principalmente é claro da URSS, e é algo impressionante e impensado, diria desconhecido pelo ocidente.

Vendo tudo isto, acredito que as armas nucleares seriam usadas primeiramente pelo ocidente, diante das derrotas acachapantes que sofreriam nos primeiros combates.

Last edited 4 meses atrás by Zorann
Leandro Costa

Leia: ‘A Terceira Guerra Mundial’ de Sir John Hackett

João da Lua

Tempestade Vermelha do Tom Clancy também é muito bom, patriotadas à parte.

Leandro Costa

É bom sim. Tem muita patriotada nos livros do Tom Clancy, mas tem muitos com algumas boas verdades. Como sempre, são romances. O que eu citei também é, mas ele é baseado em exercícios e projeções da OTAN. É uma leitura interessante.

moyses silva filho

A Guerra Fria era muito palpável naquele tempo. Esse livro chegou a ter vários capítulos publicados em jornais do mundo todo.
Aqui foi no Globo.

Chuck Norris Dos Paraguai

A URSS pode ser interpretada como o Don Quixote, que se preparou como nunca antes para um inimigo no qual nunca existiu de fato.

Mirade1969

O inimigo existiu, era aliado e virou inimigo que não poupou esforços para matar gente inocente na URSS e fomentou muitas guerras como a do Vietnã, Coréia e patrocinou muitos conflitos armados e ditaduras de direita pelo mundo matando muita gente inocente. Os americanos são bonzinhos só em filmes na vida real americano bonzinho é fantasia.

Leandro Costa

E a URSS não fez nada nem remotamente parecido, né?

Emerson Gabriel

Leandro, não tem mocinho nessa história. Dois erros não fazem um acerto

Leandro Costa

É o meu ponto.

Mondelo

Mirade1969, seu desconhecimento sobre o tema e impressionante. Quem mantinha uma postura ameaçadora maior era os soviéticos e seus fantoches do Pacto de Varsóvia. Foram os soviéticos que incitaram os Norte Coreanos a invadirem o sul da península. No Vietnã foi a mesma coisa. Em Berlim, Stalin iria matar a população de fome se não fosse a ponte aérea dos aliados. “Ditaduras de direita”, “matar gente inocente”, você já ouviu falar da Primavera de Praga? Massacre de Katyn? Já ouviu falar da grande fome da Ucrânia e do “grande salto para frente de Mao”? Os americanos realmente não são bonzinhos… Read more »

Mirade1969

O Vietnã foi uma guerra que os americanos e os franceses ou melhor o colonialismo e o imperialismo perdeu não digo que não havia crimes do outro lado mas é sabido que os americanos inventaram uma desculpa esfarrapa de que dois navios seus foram atacados para justificar a sua presença no Vietnã isso foi só uma das suas arbitrariedades, na america latina ele patrocinou regimes ditatoriais em outras palavras ele pagava para outros matarem gente pois eles posavam de baluartes da liberdade de democracia. O plano americano para a Europa além de reconstruir já que os Eua não foram atingidos… Read more »

Leandro Costa

Acho que você precisa estudar mais, amiguinho.

André M. de Souza

Com certeza. Por anos, várias gestões e governantes dos EUA boicotaram e embargaram nossos programas científicos. Especialmente os programas espacial e nuclear. Só que o nosso foco é projetar poder regional e ter respeito global. Maduro, narcotraficantes e piratas chineses de atum são um problema para nós. Os EUA não são um problema. A visão preconceituosa de mundo que eles defenderam por anos sim ( a opinião é nossa, e críticas e comentários são bem-vindos.)

Vinicius Momesso

Do que adiantou juntar uma quantidade de mateiral bélico nunca vista antes, sendo que 2/3 disso virou desmanche.

Mirade1969

Algumas milhares estão armazenadas ainda… vai que o idiota americano quer apertar o botão do juízo final. Só por precaução.

Emerson Gabriel

Hoje no século 21 a gente sabe que não adiantou. Mas na época eles não tinham essa visão, era outro contexto.

Mondelo

Isso e verdade Bruno, a quantidade de forças concentrada pelo Pacto de Varsóvia iria ser muito difícil para a Otan barrar qualquer eventual ataque. Mas também já vi planos soviéticos que foram divulgados, nos quais em caso de guerra, os soviéticos iriam fazer penetração na Alemanha Ocidental com centenas de ataque nucleares táticos e estratégicos. Os ataques estratégicos” seriam bem “limitados” visando centros de controle e bases da Otan e algumas cidades da Europa Ocidental, mas não atacando diretamente o território americano. O objetivo desse ataque era minar a coordenação das forças da Otan enquanto varias colunas de blindados avançassem… Read more »

João Fernando

E se…??

Hernâni Fidalgo

Lembro-me muito bem dos exercícios da NATO. Estive desde março de 1982 até ao final de 1987 no Comando da Nato em Oeiras, Lisboa, (Cinciberlant) um dos 16 comandos superiores da NATO, como especialista de comunicações e criptografia. O famoso ataque à Líbia de Kadafi foi realizado também nessa altura. Mas, o maior exercício da NATO nesses anos foi o Ocean Safari, 5 porta-aviões, 300 aviões de combate, várias esquadras de guerra e, até um comboio de navios mercantes no oceano Atlântico. Nesse exercício aconteceu uma coisa semelhante ao Able Archer 83, todos os submarinos soviéticos que estavam estacionados nas… Read more »

Matheus S

Então você acompanhou a melhor fase dos exercícios navais tanto pela OTAN quanto pelo Pacto de Varsóvia. “Mas, o maior exercício da NATO nesses anos foi o Ocean Safari, 5 porta-aviões, 300 aviões de combate, várias esquadras de guerra e, até um comboio de navios mercantes no oceano Atlântico.” Durante 1982-1983, a USN realizou operações sucessivas com grupos de batalha de dois e três porta-aviões no Mar da Noruega, realizou exercícios com navios de guerra de superfície de grande escala no Mar do Japão (as primeiras dessas operações em 13 anos) e iniciou a rotina operações de submarinos de ataque… Read more »

Hernâni Fidalgo

Boa Noite Matheus, guardei a revista All Hands desse exercício da Nato. Foi o Ocean Safari85. Nesse exercício participaram 3 porta-aviões americanos em conjunto com um inglês e Francês. Aproveitei para visitar um dos navios de escolta da task force francesa, integrado num grupo mas o meu interesse pelo sistema antiaéreo Crotale levou a que fosse abordado e questionado e mostrar a minha identificação. Disse-lhe no meu francês que era apenas curiosidade. O comando da Nato era reforçado por dezenas de operadores do Reino Unido e dos Estados Unidos. Fui eu que estabeleci uma linha de comunicações em Morse, coisa… Read more »

Mondelo

Puxa Hernâni, muito legal o seu relato, é muito interessante ouvir alguém que vivenciou pessoalmente esses eventos.

A década de 80 foi um período bem quente para quem serviu em ambas alianças.

Abs.

Last edited 4 meses atrás by Mondelo
hernâni

Boa tarde Mondelo, foram cinco anos e meio de comissão. Assisti a um enorme investimento na modernização de todo o centro de comunicações pouco tempo depois de ter chegado. Nos quase nove anos que estive na marinha de guerra portuguesa, estes cinco anos e meio foram os mais desafiantes em termos profissionais mas também uma experiência única. Como já referiram antes prestei serviço no período que coincidiu com o mandato de Ronald Reagan o que levaria a União Soviética à falência económica e politica. Éramos apenas dois portugueses entre oito ingleses e americano, em cada escala de escala de 12… Read more »

MFB

Não existe “e se…” todos sabem o resultado, a união soviética não existe mais e a Rússia não tem uma fração da força da União soviética no auge. Só existe uma super potência no momento.

Sincero Brasileiro da Silva

Não tem? Prove, por favor!!!

smichtt
Matheus S

“A revisão do PFIAB concluiu: “Em 1983, podemos ter inadvertidamente colocado nossas relações com a União Soviética em um gatilho”” Poderia ter levado a um erro de cálculo que inadvertidamente iniciaria uma guerra nuclear entre a URSS e EUA. A doutrina militar soviética sustentava que um ataque nuclear poderia ser efetivamente obscurecido por jogos de guerra ou exercícios militares, e eles pensaram que ocorreria durante o Able Archer 83. Essa incompreensão da doutrina militar adversária poderia ter levado os soviéticos a tomarem atitudes imprudentes e ocasionando o início da guerra nuclear entre americanos e soviéticos. O cenário visualizado pelos soviéticos… Read more »

Matheus S

.

dsds.JPG
Billy

Claro que foi ! Seria culpa da malvada democracia ocidental, com sua rede de comando descentralizada e opinião pública provocando a pobre e honrada ditadura do ploretariado e seu transpatente e humano partido único soviético. Tá vendo? A mesma coisa estão fazendo hoje contra o PCC…

CESAR ANTONIO FERREIRA

Para quem acha que retórica é um instrumento vazio, dado ao orgulho, aí está uma resposta. Um dignitário não tem a liberdade de dizer o que quer, quando quer. A responsabilidade se impõe a cada palavra pronunciada, pois… Ronald Reagan, um ator medíocre, abusava da retórica agressiva contra a então URSS. Acontece que os lideres soviéticos não acreditavam que o presidente norte-americano fosse um imbecil idiotizado, portanto, acreditavam piamente na retórica proferida por este… O resultado: quase uma guerra nuclear! Pois… Hoje é pior. A eleição de líderes folclóricos nos EUA tornou-se algo costumeiro, tanto, que podem lançar mão das… Read more »

Last edited 4 meses atrás by CESAR ANTONIO FERREIRA
Augusto L

Ainda preferia uma URSS acuada, ela que ficasse mesmo com medinho! E ASSIM QUE DEVER SER

hernâni

Boa tarde Cesar, Mesmo assim vale mais ter um líder folclórico numa democracia do que ter um ditador perigoso que se eterniza no poder. Gostava apenas de contar uma história verdadeira, quando Trump era presidente nos Estados Unidos toda a gente se ria ou, se escandalizava com as parvoíces dele! Eu nunca acreditei que fosse eleito, agora acredito em tudo. Um dia com colegas de trabalho toda a gente estava a gozar ou revoltada com as saídas e trumpices e a conversa foi parar aos chineses. Parece que muita gente os acha interessantes a todos os níveis, em especial a… Read more »

CESAR ANTONIO FERREIRA

Você acredita que os EUA são uma democracia?
Eu digo que funciona como democracia tanto quanto a Roma republicana…

Não fico melindrado com opiniões alheias. Você não muda uma pessoa, ou a sua opinião. Esta arrogância perdi faz tempo… Ademais, quantos sabem que o salário médio chinês é maior que o brasileiro? Poucos…

Fica o fato histórico que o comportamento de Reagan era irresponsável, tanto, que quando foi informando pelos britânicos (via defecção de um agente da KGB) que em 1983 estivemos pertos de uma catástrofe nuclear, ele mudou a sua retórica… Rapidinho.

Pois…

Ari Levinson

Não me estranha a crítica à longeva democracia partindo de um notório adorador de regimes despóticos, totalitários e até mesmo fascista afinal esses regimes são o refúgio perfeito para aduladores, fracassados e medíocres

CESAR ANTONIO FERREIRA

Quando se pode agredir com anuência do espaço amigo, por que não inventar inúmeros nicks para exercitar a covardia explícita do próprio espirito, não é mesmo?

Todo mundo sabe quem é você. Se toca. Volte para as fotos no fórum portenho…

Last edited 4 meses atrás by CESAR ANTONIO FERREIRA
Teropode

Guerra nuclear sem preliminares ? Não mesmo.

Alex prado

A guerra fria foi o período mais inquietante, me recordo quando o jornal nacional anunciava algo sobre a URSS…todos ficavam em silêncio, pois a qualquer hora ou dia algum maluco poderia deflagrar um ataque nuclear na Europa.

André M. de Souza

Eu sempre me perguntei de onde veio a inspiração para o filme O Dia Seguinte (The Day After). Agora eu sei…

Últimas Notícias

Taiwan conclui as avaliações operacionais do míssil Sky Sword II aprimorado

Novo míssil projetado pelo NCSIST de Taiwan tem alcance estendido de 60 km TAIPEI (Taiwan News) – Oficiais militares disseram...
- Advertisement -
- Advertisement -