terça-feira, julho 27, 2021

Gripen para o Brasil

Delegação militar do Brasil dirige-se à Aero India 2021

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Por Huma Siddiqui – Financial Express da Índia

Uma delegação militar de alto nível da nação sul-americana, Brasil, segue para a Índia para a 13ª edição da Aero-India 2021, em Bengaluru. A delegação é chefiada pelo Major Brigadeiro do Ar Alcides Teixeira BARBACOVI, ex-Diretor do Departamento de Produtos de Defesa do Ministério da Defesa (MoD) e atual Chefe do Estado-Maior Conjunto do Comando de Operações Aeroespaciais). E, está sendo acompanhado por dois funcionários do Ministério da Defesa, Brasil: Cel (Ref) Carlos COELHO, Coordenador do Departamento de Promoção Comercial, e Major Marcus Vinícius Dornellas FACHINI, Subdiretor do Departamento de Produtos de Defesa.

Por que a visita é importante?

Pois, no Plano de Ação da parceria do Brasil com a Índia, a segurança e a defesa são os componentes centrais. Os dois países são complementares nessa área, afirmam os principais diplomatas da Índia e do Brasil.

O Financial Express Online informou anteriormente sobre o Plano de Ação para a parceria estratégica Brasil-Índia, que foi assinado em 2020, quando o Presidente Bolsonaro visitou a Índia como principal convidado da Parada do Dia da República.

Ambos os países têm um relacionamento multifacetado e estão cooperando bilateral e multilateralmente em várias fóruns internacionais, incluindo as Nações Unidas, G20, International Solar Alliance (ISA), BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) e IBAS (Índia, Brasil & África do Sul).

Make in India

Embraer EMB-145 da Índia

O Brasil já havia manifestado interesse em participar de joint ventures, especialmente no setor de defesa. Por quê? De acordo com altos funcionários do Brasil, “com essa colaboração entre as indústrias de defesa da Índia e do Brasil, o potencial de alcançar o mundo é enorme”.

Em uma interação anterior, o enviado indiano ao Brasil, Suresh K Reddy, mencionou a abordagem “Triple-Helix”.

O que é Triple-Helix? É uma abordagem que vem sendo seguida no Brasil e que tem como foco a inovação, P&D para todas as três Forças — Exército, Marinha e Força Aérea.

De acordo com o enviado indiano, há muito espaço para as indústrias indianas no mercado sob demanda, não apenas para joint ventures, mas também para parcerias tecnológicas.

Quantas empresas indianas de defesa estão presentes no Brasil?

Apenas uma. Até o momento, apenas uma empresa indiana do setor de Defesa está presente no Brasil e é a MKU Company.

Representantes da empresa disseram ao Financial Express Online que a empresa está no Brasil há alguns anos. Até o momento, diversos contratos de defesa foram executados pela MKU e incluem contratos com a Polícia Federal, Polícia Militar e Exército.

Recentemente, ela ganhou um contrato de fornecimento de 14.500 peças de coletes para a Polícia Militar do Estado de São Paulo, e monóculo de visão noturna para a comissão do Exército Brasileiro.

Joint ventures entre empresas indianas e brasileiras

Conforme relatado anteriormente, a Companhia Brasileira de Cartuchos (CBC) Brasil, o segundo maior fabricante de munições do mundo, e a Stumpp Schuele & Somappa India (SSS Defense) vão iniciar a produção de munições em Andhra Pradesh ainda este ano. A joint venture foi formada entre as duas empresas em janeiro passado. E depois de cumprir os requisitos indianos estará exportando para outros países.

A empresa brasileira tem planos de fabricar munições para diversos calibres como: 9 mm, 7,62 × 39 mm, 7,62 × 51 mm, 0,338 Lapua e 12,7 mm.

Há outra empresa brasileira Taurus Armas S.A., que está ligada à Jindal Defesa. O empreendimento foi formado no ano passado e vai fabricar armas pequenas.

Sinal de estreita amizade entre Índia e Brasil

Foi a primeira vez que o presidente do Brasil, Jair Bolsanaro, participou das comemorações do Dia da República organizadas pela embaixada da Índia em Brasília.

Ele chamou a Índia de “nação fraterna”.

Qual é o protocolo?

Os presidentes e primeiros-ministros, especialmente dos grandes países, não comparecem aos eventos do dia nacional que são organizados pelas embaixadas.

O presidente brasileiro lembrou da assistência da Índia durante a pandemia de COVID-19, quando enviou HCQ e paracetamol no ano passado. E, no início deste mês, a Índia cumpriu seu compromisso e agilizou a exportação da vacina COVID.

De acordo com o enviado indiano ao Brasil, Suresh Reddy “Não estava apenas o presidente Bolsonaro, mas todo o gabinete do governo estava presente lá”.

Estiveram presentes o chanceler Ernesto Araujo, o ministro da Economia Paulo Guedes, o ministro da Energia, Minas e Petróleo, entre outros.

Mais importante ainda, durante as celebrações na Embaixada da Índia, altos funcionários da defesa também estiveram presentes – um sinal de crescente engajamento em nível estratégico. Segundo o enviado indiano, o chefe das forças navais, o chefe do Estado-Maior Conjunto também esteve presente.

Possibilidades de exportação na América do Sul

Muitos países da América do Sul estão procurando modernizar suas forças militares/policiais e há oportunidades para as empresas indianas explorarem a região.

O que a Índia está planejando exportar?

Soluções C4I de comunicações militares; Sistemas de artilharia, veículos protegidos, guerra eletrônica, sistema de gerenciamento de combate naval, armas pequenas, dispositivos de visão noturna e outros equipamentos militares relacionados.

Míssil BrahMos indo-russo, uma grande atração

Altos funcionários da Índia e do Brasil estão em discussão para a versão BrahMos-NG (Nova Geração) do míssil de cruzeiro supersônico ramjet de curto alcance.

FONTE: Financial Express

- Advertisement -

33 Comments

Subscribe
Notify of
guest
33 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Gilson

Importantíssima participação Brasileira, nesse evento. Tomara que tragam bons negócios no setor de defesa. Está na hora do Brasil, começar a se destacar na área de defesa.

Last edited 5 meses atrás by Alexandre Galante
Allan Lemos

Seria importantíssima se fôssemos um país preocupado com as questões de defesa e soberania, não uma república de bananas. Para nós, esse tipo de viagem só serve para políticos e militares viajarem as nossas custas de primeira classe e se hospedarem em hotéis de luxo.

Anthony

Putz!…. C nun leu o texto não o “Zé ruela”? Dá uma lida antes de escrever esse tipo de “diarreia mental”!

Aff!

Marcelo Andrade

Assinante da Foice de SP!

Marcos

A Índia possui excelentes engenheiros. Uma parceira futura certamente dará bons frutos

Jadson Cabral

Brasil de olho no Brahmos??? Não faz a gente sonhar não, pessoal

Tomcat4,2

A melhor parte disto é o Brasil se aproximando ainda mais de um dos membros do BRICS na área de defesa então é show e a Índia tbm há de crescer muito nas próximas décadas em todas as áreas e que possamos tbm crescer de carona em projetos bons para ambos.

Leandro Costa

Esquece os BRICs, Tomcat.

ALISON

Minion detectado…

Anthony

TomCat4.2 eh florista antigo, respeitável e bem quisto p aqui, ao contrário de “outros”…

Tenha mais respeito! Se oriente rapaz!

Joao Motta

Uma pergunta:
O Brasil nao estaria perdendo uma oportunidade de demonstrar o KC 390 e o AT 29?
Acho que deveriamos ser mais agressivos nessa area.

João Adaime

Caro Xará
Também me fiz esta pergunta. Numa pesquisa rápida na net, li que até novembro do ano passado dos 467 expositores, 48 são estrangeiros de 17 países. A França liderava com 23 empresas.
Além das duas aeronaves que você citou, também poderíamos expor drones e outros produtos mais.
O Ministério das Relações Exteriores ou outro qualquer poderia alugar um estande e sublocar para empresas brasileiras. Claro que a Embraer poderia ter seu próprio.
A ideia não é nenhuma novidade. A Embratur faz isso nas feiras e congressos sobre turismo pelo mundo afora.
Abraço

Fernando EMB

Você falou de Embratur? Uai, deveria ter falado de Embraer que faz isso com frequência e em feiras no mundo todo.

João Adaime

Caro Fernando EMB
Nos estandes da Embraer ela abre espaço para outras empresas que não as suas subsidiárias?
Pergunto isso porque desconheço como é a atuação da Embraer nestes eventos internacionais.
Nos da Embratur participam órgãos estaduais de turismo, operadoras de turismo, entidades que agregam hotéis e restaurantes e por aí vai.
Abraço

Marcelo Andrade

Vou passar seu recado para a área comercial da EDS.

WELLINGTON RODRIGO SOARES

De olho no Brahmos NG ? só vai ficar de olho mesmo rsrr….

Pedro Bó

Há anos que ouço desse suposto interesse brasileiro no Brahmos, desde antes da definição do FX-2.

ADRIANO MADUREIRA

Dessa vez pode sair algo amigo, pois o interesse parece ser pelo Brahmos em uma versão mais compacta do que aquele gigante que nós foi oferecido…

Wagner

Infelizmente duvido muito que venhamos a ter qualquer versao do Brahmos.

Sagaz

Curiosidade de pagador de impostos, em qual site de transparência aparecem os gastos da nossa comitiva?

Anthony

Vc tb fazia essas perguntas nos governos anteriores?

Ou, pelo menos, com o governo do seu Estado?

Achas mesmo q aqui há pessoas tolas? Fórum errado…rs

Wagner

Eu nao sei a respeito do Sagaz, mas eu fazia essas perguntas nos outros governos. E você, faz essa pergunta para esse governo também ou só para os anteriores?

Sagaz

Não sou fanático por nenhum político, para mim todos são parasitas. Assim como o “clero” do legislativo, executivo, judiciário e das FA, um bando de fanfarrões que deitam e rolam com o dinheiro alheio, mas ainda assim possuem seus fãs com bandeiras nas mãos diversas cores.

Carlson Costa

A Índia esta de parabéns e espero que eles dêe uma mãozinha com o BrahMos-NG ao Brasil

Pedro

Futura segunda maior potência mundial, somos parte dos BRICS, somos países “baleia”.

Helio Silva

Também acho que a Índia chegará lá.
Agora veja que falam tanto da salada de frutas das forças armadas de lá, mais será que já pararam pra pensar que é das poucas nações a conhecer os prós e contra e as atuais tecnologias do mundo?
Alguém lembra de um país que conheça tanto as limitações de tantos caças?
Além disso acaba conhecendo todas as tecnologias, e suas limitações, e quem sabe dá uma de China…
Saudações!

Pedro

Eu vejo a Índia como potencial para suplantar a China em 50 anos, o mundo se tornará oriental de novo, tudo vai depender de como eles vão se comportar como vizinhos, mais cedo ou mais tarde, terão que dividir terras, quem sabe na Rússia ou numa Europa, quiçá aqui!

Devaneios.

Allan Lemos

Agora o pessoal vai ficar sonhando com o BrahMos para o Brasil.

Defensor da liberdade

Brahmos? Kkkkkkk só acredito vendo, equipados no Gripen, voando contra um porta aviões de qualquer país aí.

Embora adoraria que ele estivesse no inventário das forças, na atual condições das coisas só posso me divertir com isso, pois cheira à piada.

Foxtrot

Eita turismo bom kkkk.
Se quisessem alguma parceria com os orientais (incluindo Índia), a Índia teria ganho a “licitação” para fabricar o projeto original das CCT,s /CPN.
Dentre outras possibilidades que surgiram, dentre elas co desenvolvimento do Brahmos.
Mas espero estar redondamente enganados!

Pablo Maroka

Só quero gripen ng carregando brahmos.

nonato

Poderíamos ir uma excursão dos foristas.
Quem sabe editores.
Iríamos conhecer Nostra pessoalmente…
Ainda dá tempo…

nonato

Os editores poderiam ir a esses eventos vez por outra e fazer lives direto do local.

Últimas Notícias

Rússia está pronta para entregar caças Sukhoi Su-30 a Mianmar

A Rússia está avançando com planos para entregar caças Sukhoi Su-30 ao regime militar cada vez mais isolado de...
- Advertisement -
- Advertisement -