Home Análise O futuro do poder aéreo e da indústria de defesa europeia

O futuro do poder aéreo e da indústria de defesa europeia

1616
7

Por Prof Dr Holger H. Mey, Vice President, Advanced Concepts, Airbus Defence and Space

Introdução

O Joint Air Power Competence Centre – JAPCC completa 15 anos dedicado à competência no poder aéreo! Ao contrário do poder marítimo e terrestre, os quais também representam termos geoestratégicos, o poder aéreo está muito menos relacionado com a noção “clássica” de “geografia”.

Por exemplo, estar geograficamente distante de uma crise não significa muito em termos de segurança para um país, assim como as zonas tampão não oferecem segurança para as próprias tropas, se um inimigo decidir usar o poder aéreo.

O poder aéreo permite a superação do fator espaço-tempo nas operações militares. Em suas formas mais extremas, como mísseis balísticos e hipersônicos, é ideal para um ataque surpresa. Quando combinado com armas nucleares, torna-se “estratégico”, pois pode afetar diretamente a vontade de um oponente, fazendo com que o risco percebido pareça inaceitável.

Ao mesmo tempo, representa a base da dissuasão e, portanto, da prevenção da guerra. Claro, as limitações do poder aéreo também são óbvias: o poder aéreo não pode conquistar países e manter territórios e, por outro lado, não pode moldar nenhuma ordem política do pós-guerra. Há pouca ou nenhuma evidência de que o poder aéreo sozinho vença as guerras. Mas sem o poder aéreo, as guerras podem ser facilmente perdidas.

Se alguém tem que caracterizar o poder aéreo em uma única palavra, é provavelmente ‘acesso’: acesso ao território (por exemplo, a ponte aérea de 1948/49 para Berlim para superar o bloqueio soviético), acesso aos alvos, acesso à informação e acesso a espaço.

Claro, o poder aéreo – e deve-se também adicionar o poder espacial – consiste em muitos elementos que cobrem muitas funções: fornece a imagem aérea (inteligência, vigilância, reconhecimento e aquisição de alvos), garante comando e controle e comunicação, controla o ar espaço (policiamento aéreo, superioridade aérea, dominância aérea, aplicação de zona de exclusão aérea), realiza operações aéreas integradas terrestres (apoio aéreo aproximado), fornece o grosso de uma força de dissuasão e permite mobilidade (estratégica, operacional, tática).

O poder aéreo pode mudar rapidamente de funções (swing-role), passando da defesa para o ataque e vice-versa, bem como das operações nos níveis estratégico, operacional e tático. É uma forma rápida de influenciar o comportamento das pessoas ou o curso dos acontecimentos.

Poder Aéreo Conjunto

É por isso que o papel do poder aéreo é predominantemente combinado, e não isolado. O poder aéreo estratégico continua a ser importante para lidar com concorrentes semelhantes, mas, no contexto de muitos outros cenários, trata-se de habilitar e apoiar tropas terrestres.

No final do dia, a maioria das decisões será baseada na situação do solo. Seria um erro, entretanto, subestimar o papel do poder aéreo no contexto das operações terrestres. Conseqüentemente, o argumento de alguns oficiais do exército, de que todos aqueles caros ativos aéreos consomem todos os recursos do exército e não há mais nada para equipar adequadamente as forças terrestres, é um tanto enganoso. Investir em poder aéreo é, na verdade, investir nas capacidades das forças terrestres.

O transporte aéreo – estratégico, operacional e tático – consegue levar algumas das forças terrestres, pelo menos aquelas que são relevantes nas operações iniciais, onde são necessárias. Uma vez implantadas no teatro de operações, as forças terrestres precisam de consciência situacional e comunicação. Tudo isso vem de cima!

As forças terrestres também querem evitar o bombardeio das forças aéreas inimigas. Portanto, é necessária cobertura aérea. Quer-se garantir que as forças aéreas do adversário permaneçam no solo. A defesa aérea inclui operações aéreas ofensivas que desempenharão um papel significativo neste contexto. Embora algumas defesas aéreas baseadas em solo sejam organicamente integradas às forças terrestres, a maior parte das defesas aéreas será fornecida por forças aéreas que possuem todo o espectro de poder aéreo.

Durante a Guerra Fria, a superioridade aérea na Europa Central concentrou-se em defender seus próprios territórios, caso a dissuasão falhasse. Hoje, trata-se também de alcançar o domínio do ar fora de seus próprios territórios. É preciso dominar os céus, não importa onde as forças terrestres sejam retiradas e empregadas. O adversário deve ter uma zona de exclusão aérea de fato imposta a ele.

As forças terrestres desdobradas requerem apoio logístico. “Precisão de lançamento aéreo” e “entrega no ponto de uso” são maneiras bastante novas de fazer isso. Os contêineres são colocados precisamente atrás da Forward Line of Own Troops (FLOT), da zona de combate ou da área de reunião. A autodestruição é possível com o advento de tais recipientes caindo nas mãos do inimigo.

Embora possa parecer apropriado que as forças terrestres tragam blindados pesados e artilharia, os responsáveis ​​pelas decisões políticas podem preferir uma abordagem mais leve. Em caso afirmativo, de onde viria o suporte de fogo, se necessário? Virá de cima! Apoio aéreo aproximado ou não tão próximo, talvez em combinação com controladores aéreos avançados, terá um papel essencial. Quando feridos, os helicópteros de Busca e Resgate de Combate (CSAR) levarão os soldados para fora da zona de combate. Aqueles em estado crítico serão levados para casa graças à aeronave de evacuação médica (MedEvac). Conseqüentemente, o alívio também virá de cima!

O poder aéreo é a chave para apoiar as forças terrestres e, portanto, deve ser visto pelo exército como parte de sua capacidade de conduzir operações terrestres com êxito. O poder aéreo não apenas apoia as forças terrestres, mas também funciona no sentido inverso: as tropas terrestres forçam os adversários a deixar suas posições ocultas, transformando-os, assim, em alvos das forças terrestres e aéreas. Este é o cerne das operações conjuntas.

O desafio constante

No entanto, o poder aéreo é constantemente desafiado. Enquanto as forças aéreas podem alegar que podem destruir qualquer alvo no solo, as forças terrestres (ou a defesa aérea quanto ao assunto) argumentam que podem abater qualquer coisa que voe. Em certo sentido, ambos estão certos.

A dinâmica do ataque/defesa e a competição de medidas/contra-medidas sempre continuarão, e a tecnologia moderna tornará as forças terrestres e aéreas cada vez melhores (bem como as forças navais e espaciais e a guerra cibernética), mas também mais vulneráveis. Não se pode escapar dessa dinâmica, já que o desenvolvimento da tecnologia é, apesar de todas as diferenças, um pouco como a evolução biológica. Qualquer capacidade ofensiva levará ao desenvolvimento de uma melhor capacidade defensiva que, por sua vez, induzirá novos desenvolvimentos no lado ofensivo. Enfrentar este desafio é tão fácil quanto difícil: um simplesmente tem que ser melhor do que o outro.

Então, como será o futuro do poder aéreo? O stealth será combatido por novas tecnologias de sensores, a velocidade será contrariada por armas de energia dirigida e haverá, ao mesmo tempo, novas maneiras e meios de superar, enganar ou destruir os sistemas defensivos.

A guerra eletrônica terá um papel fundamental em ambos os lados. Permitir que forças amigas suprimam (ou destruam) as defesas aéreas inimigas, mas também apoiando um adversário na proteção de seus próprios recursos defensivos e no ataque às forças aéreas de ataque. Os sistemas aéreos de combate do futuro alavancarão as capacidades colaborativas de plataformas multifuncionais tripuladas e não tripuladas conectadas, trazendo o próximo nível de poder aéreo a ambientes cada vez mais negados.

Dentro de tais sistemas de sistemas, as plataformas funcionarão como nós em rede, mas também capazes de operar de forma autônoma. Em tais sistemas operacionais descentralizados e autônomos, os nós atuarão como sensores, processadores e/ou atiradores com alguns gerenciadores de batalha dedicados. Distribuir esses recursos entre os nós fornecerá caminhos de destruição melhores, mais rápidos e mais resilientes, a chave para a sobrevivência e o sucesso da missão.

As operações aéreas podem se parecer um pouco com as operações submarinas: completamente invisíveis e silenciosas. As plataformas precisam operar em silêncio de rádio, usar radar passivo e optrônica, bem como orientação inercial para evitar detecção e dependência de dados de navegação externos manipulados. O agrupamento de plataformas tripuladas e não tripuladas proporcionará novos campos de tática, permitindo que os pacotes aéreos combinados tomem a iniciativa contra qualquer adversário, surpreendendo, enganando, dissuadindo e saturando-os.

A formação de equipes vermelhas deve fazer parte de qualquer programa de desenvolvimento a fim de antecipar ameaças potenciais futuras e projetar uma força que possa lidar com as incertezas tecnológicas. É preciso parar de planejar com base na suposição de que o oponente será incompetente, cooperativo ou ambos. Ao contrário: o oponente pode ser muito habilidoso, criativo e desagradável. O resultado de nosso planejamento deve ser insensível a grandes variações de suposições.

Em qualquer caso, a competição tecnológica vai continuar – e requer melhoria contínua e investimentos. A superioridade tecnológica de hoje é o padrão de amanhã. Qualquer coisa planejada hoje, terá que ser projetada de forma evolutiva. A adoção de abordagens modulares abertas fornecerá flexibilidade e velocidade para incluir tecnologias mais recentes de detecção/processamento/geração de efeitos para enfrentar ameaças futuras.

A Base Industrial

Tudo isso requer uma forte pesquisa militar e tecnologia (R&T) e uma base industrial. Claro, essa base não precisa necessariamente estar no próprio país. No entanto, isso a torna dependente de parceiros que um dia podem não ser capazes ou querer entregar armas e equipamentos. Para muitos países europeus, comprar sistemas de armas e equipamentos militares dos Estados Unidos (EUA) é uma proposta atraente.

Normalmente o preço parece comparativamente bom, muitas vezes os sistemas estão disponíveis enquanto a indústria europeia fica para trás e, como os EUA são o aliado mais importante para a maioria dos países europeus, as dependências parecem ser uma compensação aceitável. Além disso, a produção de licenças e os programas de cooperação transatlântica são uma forma de garantir que o dinheiro do contribuinte permaneça, pelo menos parcialmente, na terra natal do comprador.

Antes de examinar a questão da soberania, autonomia e competências, é preciso entender a situação da indústria de armamentos europeia em comparação com a dos EUA. Os EUA têm um orçamento de defesa gigantesco e um orçamento militar de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) muito maior do que todos os membros europeus da OTAN juntos.

As Forças Armadas dos EUA compram sistemas e equipamentos americanos em grande número, enquanto exportam versões “rebaixadas” combinadas com uma cooperação de segurança estreita e, em alguns casos, até mesmo garantias de segurança que a Europa não pode, ou pelo menos não é crível, oferecer. A indústria europeia simplesmente não pode competir facilmente nestas circunstâncias, em particular se pensarmos em termos de custo unitário. Para isso, a Europa precisa aumentar significativamente seus gastos com defesa.

Declarações políticas como a exigência de “soberania europeia” ou “autonomia europeia” ou declarações como “Agora é hora de a Europa fazer o seu próprio destino” raramente são seguidas por aumentos significativos dos orçamentos de defesa. Então, como pode a indústria de defesa europeia ser competitiva à luz do desafio dos EUA? Existem simplesmente três boas maneiras para os governos europeus garantirem que a indústria continue em atividade: (1) fornecer contratos, (2) fornecer contratos e (3) fornecer contratos. E deve-se acrescentar: contratos lucrativos.

Durante a Guerra Fria, fazer negócios de defesa foi mais fácil para a indústria europeia. O orçamento de defesa alemão, por exemplo, teve uma média de cerca de 3,4% do Produto Interno Bruto (PIB) durante a “década de détente” (ou seja, os anos 1970). Isso não destruiu a democracia alemã e não colocou em risco o estado de bem-estar social. E a parte de investimento do orçamento de defesa girava em torno de 30%, enquanto hoje a Alemanha tem dificuldade de ir além dos 20%. Tudo isto não se coaduna com os objectivos políticos declarados e com o interesse da Europa em ser um ator importante na cena mundial.

A posição de muitas forças aéreas europeias, dadas as restrições orçamentais, é compreensível. Se o orçamento for limitado, as forças armadas querem comprar poder e capacidades de combate prontamente disponíveis, em vez de esperar que um programa de desenvolvimento de longo prazo se materialize. Comprar o que é militar pronto para uso ou disponível em um futuro muito próximo parece atraente. Sempre se pode se beneficiar de custos unitários mais baixos por causa das execuções de produção impressionantemente altas dos programas dos EUA.

Porém, pode-se comprar barato e mesmo assim acabar pagando caro. Chame isso de ‘modelo da máquina de café’ ou ‘modelo da impressora’: você não está pagando pela máquina, você está pagando pelos consumíveis. Se alguém não comprar todas as novas atualizações de software por muito dinheiro, pode simplesmente esperar que a frota se torne menos capaz e até mesmo aterrada depois de um tempo. Os investimentos contínuos em melhorias precisam ser feitos de qualquer maneira, mas a questão é quem está no controle e quem se beneficia financeiramente.

Todos os estados da OTAN se beneficiam de um poderoso Estados Unidos e de uma forte Força Aérea dos EUA, sem dúvida. Mas a competição, no melhor sentido econômico de mercado da palavra, torna todos mais fortes se apoiados por orçamentos adequados. O objetivo político de muitos Estados europeus é claro: a Europa deve ser um ator no mundo, não deixando apenas os EUA para contrabalançar a Rússia e a China.

Isso significa que o contribuinte americano não deve pagar mais pela defesa da Europa do que os próprios europeus. Quando tantas nações, como Rússia, China e Índia, por exemplo, estão fortalecendo suas indústrias de aeronaves militares e de defesa ou construindo novas capacidades, os europeus não devem assumir a posição presumivelmente, mas falsamente confortável, de pagar pelo bem-estar social e deixar para os EUA a tarefa de defendê-los.

A Europa pode competir e cooperar com os EUA e fortalecer sua posição como potência mundial, se quiser. Na década de 1960, ninguém teria pensado que a Airbus poderia competir com a Boeing em aeronaves comerciais. Hoje, essas duas grandes empresas estão no mesmo nível. No setor militar, entretanto, as empresas europeias estão longe de operar em igualdade de condições com os EUA. Em termos de competitividade, mas também em termos de ser um parceiro de cooperação competente, a Europa necessita de reforçar a sua defesa, bem como as suas despesas de I&D e base industrial relacionadas com a defesa.

Conclusão

O futuro do poder aéreo é amplamente determinado pela determinação política de continuar a investir em forças aéreas modernas. Tecnologicamente falando, a dinâmica ofensiva/defensiva e a competição de medidas/contra-medidas não podem ser travadas. É um pouco como a evolução: um vírus é infeccioso, desenvolve-se uma vacina e, um ano depois (ou muito antes), uma mutação enfraquece o sistema imunológico e o jogo competitivo é reiniciado. A competição militar é uma expressão de vontade política. Uma indústria europeia de armamento competitiva é a expressão da vontade da Europa de controlar o seu próprio destino. É por isso que a Europa deve permanecer no mercado competitivo do poder aéreo moderno.

FONTE: www.japcc.org

Subscribe
Notify of
guest
7 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Theo Gatos
Theo Gatos
2 meses atrás

Muito bom o artigo! Varias posições interessantes na relação umbilical que as forças devem ter entre si para terem a efetividade adequada e desejada! . Sobre a indústria de defesa europeia, falha um pouco na análise porque não se pode contar com essa lógica para muito mais do que meia dúzia dos países membros (França, Inglaterra, Alemanha, Itália, Suécia e talvez algum outro)… Para a maioria dos países membros da UE, comprar produto europeu obedece à mesma lógica de comprar americano já que pouco ou nada impacta na indústria local e a UE não tem o comportamento de apoiar e… Read more »

WELLINGTON RODRIGO SOARES
2 meses atrás

Com a provável vitória de Biden nos EUA, espero que ele não interfira nos programas militares que o Brasil tem em andamento com os países Europeus, como os próprios caças Gripen que possuem componentes americanos e europeus.
Aí fica minha pergunta, não valeria a pena abrir o leque de fornecedores militares do Brasil ?

Paulo Sollo
2 meses atrás

“Se alguém não comprar todas as novas atualizações de software por muito dinheiro, pode simplesmente esperar que a frota se torne menos capaz e até mesmo aterrada depois de um tempo. Os investimentos contínuos em melhorias precisam ser feitos de qualquer maneira, mas a questão é quem está no controle e quem se beneficia financeiramente”. A maior parte dos países do mundo certamente não tem condições de sair deste status de cliente sob o jugo de outros, mas os que não tem poderiam se unir, se não houvessem as diferenças ideológicas e em alguns casos intransigência sobre divisões de poder… Read more »

Nilo
Nilo
2 meses atrás

Um dos melhores artigos já publicado no Poder Aéereo,
…restrição orçamentaria….Tudo isso requer uma forte pesquisa militar e tecnologia ….. base industrial….garantirem que a indústria continue em atividade….comprar barato…….acabar pagando caro…..Os investimentos contínuos em melhorias precisam ser feitos….mas……quem se beneficia financeiramente?…..
indústria brasileira de armamento capaz de grantir segurança e paz é a expressão da vontade política de um povo”.
Conclusão: ….priorizem desenvolvimento tecnologico….

Matheus S
Matheus S
2 meses atrás

“Durante a Guerra Fria, fazer negócios de defesa foi mais fácil para a indústria europeia. O orçamento de defesa alemão, por exemplo, teve uma média de cerca de 3,4% do Produto Interno Bruto (PIB) durante a “década de détente” (ou seja, os anos 1970).” Não há dúvidas de que os americanos seguraram a barra para os europeus durante toda a Guerra Fria, gastando cerca de 5,3% do PIB em todo o período e 6,2% durante a década de 80, praticamente o dobro dos alemães, que na realidade já era uma economia desenvolvida e os americanos com o seu PIB gigantesco.… Read more »

Jefferson
Jefferson
2 meses atrás

Eu acho que esse papo de Europa unida nunca dará certo, basta ver a forma que a Alemanha guia as coisas na Europa, a França então…
Não vejo muita cooperação…basta ver o que os alemães fizeram recentemente com os italianos, sequer foram convidados para o fcas.
É bem nítido que os europeus não são unidos na questão militar, basta analisar o histórico dos anos após a queda do muro de Berlim até hoje.
Se eu fosse um europeu eu não confiaria nos alemaes e franceses, parecem bem falsos.

Ten Murphy
Ten Murphy
2 meses atrás

A FREMM francesa não é na verdade menos capaz que a italiana? Em quantidade de armas e deslocamento com certeza é, só não sei em relação a sensores.