segunda-feira, agosto 2, 2021

Gripen para o Brasil

VÍDEO EXCLUSIVO: Programa Skoshi Tiger

Destaques

Guilherme Poggiohttp://www.aereo.jor.br
Membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

UM POUCO DE TIGRE

O planejamento original da USAF para o Programa Skoshi Tiger previa a execução de três fases. Na primeira delas as missões ficariam circunscritas ao entorno da base aérea de Bien Hoa. Os caças F-5C do Esquadrão 4503 atuariam principalmente na função de apoio aéreo aproximado, auxiliando as ações do Exército Sul-vietnamita contra guerrilheiros vietcongs dentro do Vietnã do Sul.

Grande parte das missões distava até 40 milhas da base de operação. Mas sem reabastecimento os F-5C podiam executar missões a 180 milhas da base transportando três tanques externos e duas bombas.

O F-5 era capaz de transportar praticamente qualquer armamento empregado pela USAF no Vietnã, mas raramente eles empregavam algo mais sofisticado do que bombas de queda livre, foguetes não guiados e bombas incendiárias tipo Napalm. Em determinadas situações foram empregadas bombas de fragmentação.

O lançamento das bombas ocorria de forma convencional e em mergulho suave. Quanto aos tanques de napalm eles eram lançados de alturas que variavam entre 50 e 10 metros.

AGENTE LARANJA

A partir do ano de 1961 os Estados Unidos começaram a empregar desfolhantes e herbicidas pra evitar que os guerrilheiros Vietcongs usassem a cobertura florestal como proteção.

Esses produtos químicos eram comumente conhecidos como “agente laranja” e uma das principais aeronaves utilizadas para espalhar o produto a baixa altura era o lento e vulnerável C-123 Provider. Por esse motivo ele era escoltado por aeronaves de ataque.
Em algumas oportunidades os F-5 forneceram cobertura aérea aos C-123 e só atuavam quando os transportes recebiam fogo antiaéreo. Em outras situações os caças “limpavam’’ o terreno antes da passagem do C-123 utilizando bombas de fragmentação.
Numa dessas oportunidades o então capitão Billy Rippy sentiu uma forte explosão abaixo do seu F-5 após lançar a bomba. Rapidamente ele declarou emergência e subiu para um nível mais seguro. O painel de luzes de alerta não parava de piscar. Combustível jorrava do tanque da ponta da asa e da fuselagem.

Rippy conseguiu levar o F-5 de volta a base e a investigação posterior mostrou que as submunições explodiram assim que foram lançadas. A aeronave foi perfurada por estilhaços em 100 diferentes pontos. A resistência do projeto do F-5 permitiu que ele retornasse à base. Era possível recuperar a aeronave, mas isso levaria muito tempo e ele não participaria mais do Programa Skoshi Tiger.

Mas nem todos tiveram a mesma sorte de Rippy. No início de dezembro o F-5 do major Baggett incendiou-se durante uma missão de ataque. Sem controle da aeronave o oficial da USAF teve que se ejetar. Pouco tempo depois um helicóptero apareceu para resgatá-lo. Mas era tarde. Baggett faleceu vítima dos ferimentos que recebeu. A perda da aeronave, ocorrida no dia 16 de dezembro, foi atribuída ao fogo de terra.

Ao final da fase um o esquadrão atingiu uma média de duas missões por dia e se houvesse um aumento de demanda esse número poderia ser dobrado sem maiores dificuldades. Após nove semanas a fase um do Programa foi encerrada.

RUMO NORTE

Logo no início do ano de 1966 o esquadrão foi transferido para o norte. A base aérea de Da Nang distava apenas 100 milhas da Zona Desmilitarizada. A proximidade com o Vietnã do Norte tornava a região muito mais complexa e perigosa. Além de uma defesa terrestre mais robusta, os F-5 poderiam enfrentar ameaças aéreas. Começava a fase dois do Projeto “Skoshi Tiger”.

Porém, a política mudou o rumo do projeto. Pouco antes do ano novo o presidente norte-americano Lyndon Johnson anunciou a suspensão dos bombardeios aéreos contra o Vietnã do Norte.

Em função das restrições de voo sobre o Vietnã do Norte, as missões foram direcionadas para o país vizinho, o Laos, onde as rotas de suprimentos dos vietcongs foram atacadas.
As distâncias envolvidas até os alvos nesta fase do programa eram muito maiores e a baixa autonomia da aeronave se tornou um problema. Reabastecimentos em voo foram usados constantemente.

Depois de passar o mês de janeiro em Da Nang o Esquadrão 4503 retornou para Bien Hoa. Foi um período curto (apenas dez dias), mas de muita atividade para o esquadrão.

- Advertisement -
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Últimas Notícias

Pilotos russos usaram receptores GPS feitos nos EUA durante missões de combate na Síria

Pilotos militares russos usaram receptores comerciais GPS de navegação por satélite durante suas operações de combate na Síria, de...
- Advertisement -
- Advertisement -