domingo, julho 25, 2021

Gripen para o Brasil

Queda do F-35 em Eglin ocorreu por velocidade excessiva no pouso, problemas no software, capacete e sistema de oxigênio

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

A velocidade de pouso excessiva foi a principal causa da queda de um F-35A em 19 de maio na Base da Força Aérea de Eglin, Flórida, embora a lógica de controle de voo defeituosa, problemas com o visor montado no capacete, o sistema de oxigênio do jato e o treinamento ineficaz do simulador foram todos os fatores contribuintes, de acordo com uma investigação da Força Aérea dos EUA.

Uma Comissão de Investigação de Acidentes (AIB) concluiu que a principal razão para o acidente foi o piloto ter definido uma “retenção de velocidade” de 202 nós, 50 nós mais rápida que a indicada para o pouso, enquanto o ângulo de descida do jato também era muito raso, de acordo com o relatório lançado em 30 de setembro.

A segunda causa principal foram as superfícies de controle de voo “conflitantes” com os aparentes esforços corretos do piloto para recuperar o jato depois que ele saltou na pista, um problema que a Força Aérea disse ser uma “anomalia anteriormente não descoberta na lógica de controle de voo da aeronave”. O avião e o piloto “rapidamente perderam a sincronia” enquanto o computador de voo comandava o nariz para baixo, o piloto comandava o nariz para cima, tentando abortar o pouso e dar a volta. Sentindo que estava sendo “ignorado” pelo avião, o piloto se ejetou, sofrendo ferimentos significativos, mas sem risco de vida.

Além disso, o visor montado no capacete estava desalinhado e “distraiu o piloto durante uma fase crítica do voo”, determinou a AIB. O sistema de respiração da aeronave também causou fadiga excessiva – levando à “degradação cognitiva”, enquanto a instrução ineficaz do simulador significou que o piloto não tinha conhecimento suficiente do sistema de controle de voo da aeronave.

A aeronave do 58th Fighter Squadron rolou após a ejeção e atingiu a pista. O jato, avaliado em quase US$ 176 milhões, foi declarado como prejuízo total. O piloto teve cacos do canopy e outros objetos estranhos alojados em seu olho e braço, além de uma lesão por compressão espinhal.

O relatório não discutiu ações corretivas ou restrições de segurança de voo como resultado do acidente. A Força Aérea e a Lockheed Martin encaminharam todas as dúvidas ao F-35 Joint Program Office, que não ofereceu comentários imediatos. O Comando de Educação e Treinamento Aéreo não respondeu imediatamente às perguntas.

O acidente ocorreu ao final de uma missão noturna em que o piloto, instrutor, treinava um aluno em técnicas de combate aéreo. Ao retornar à base, ele fixou a velocidade excessiva em 202 nós – que a investigação disse ser “uma manobra não autorizada” – e um ângulo de ataque raso de 5,2 graus, em vez dos 13 graus desejados. O piloto falhou em desengatar o controle de velocidade no momento apropriado e não há “avisos sonoros” para esta configuração perigosa, disse o relatório. O jato pousou quase simultaneamente em todos os trens de pouso com tanta força que o trem de pouso subiu de volta, fazendo com que o jato voltasse ao ar novamente. Enquanto o piloto tentava se recuperar, o jato e o piloto perderam a sincronia devido a “múltiplos comandos de controle de voo conflitantes”.

O software de controle “ficou saturado e sem resposta e, por fim, enviesou as superfícies de controle de voo para o nariz abaixado”, quando o piloto estava indo para a pós-combustão e tentando elevar o nariz e ganhar altitude.

“Sentindo-se confuso, desamparado e ignorado,” o piloto ejetou.

A investigação determinou que três segundos do comando do piloto “não era tempo suficiente para superar essa saturação” e o sistema de controle de voo falhou em reorientar a aeronave para uma volta. Todo o acidente ocorreu cinco segundos após o toque inicial.

O F-35 detecta quando seu peso está sobre as rodas, e isso influencia os controles de voo para manter o nariz abaixado. Este aspecto das leis de controle de voo não está no manual de voo ou programa de estudos e “o sistema de controle de voo é complexo; existem muitos submodos das [leis de controle] para descrever ”no material didático. “No entanto, existe uma deficiência na profundidade da lógica [das leis de controle] e no conhecimento dos sistemas de controle de voo nos manuais e acadêmicos do F-35A”, afirma o relatório.

Durante a tentativa de pouso, o piloto experimentou um desalinhamento do display montado no capacete à noite pela primeira vez, com o HMD “desalinhado baixo em oposição a alto”. Isso fez com que o jato chegasse muito alto para pousar, conflitando com os dados do sistema de pouso inercial e sinais visuais.

O piloto “lutou contra seus próprios instintos para avançar ainda mais na escuridão antes da pista para corrigir sua trajetória”, afirmou o relatório. Embora as tripulações treinem para situações de falha de HMD, elas não treinam para desalinhamentos, de acordo com a Força Aérea.

Em vez de aliviar a carga de trabalho, o capacete parece ter contribuído para isso neste caso.

“O foco necessário para filtrar mentalmente a simbologia degradada, o brilho verde do projetor HMD, adquirir visualmente as marcas noturnas da pista, corrigir e definir um ponto de mira, lutar contra a … escuridão da pista e monitorar as tendências de planagem, distraiu o piloto de engatar o compensador de potência de aproximação ou desacelerar até a velocidade de aproximação final”, disse a AIB. O “brilho verde” piora devido ao feedback à medida que a aeronave desce, e o piloto relatou ter de “forçar a vista” para captar “sinais ambientais”.

O jato era do Lote 6 de Produção Inicial de Baixa Cadência – o único daquele lote em Eglin. Houve algumas ordens técnicas corretivas para o sistema de capacete, mas não foram consideradas urgentes e exigiram assistência de parque para serem feitas, disse o relatório.

O piloto relatou que voar com o jato foi mais “desgastante” do que sua aeronave anterior, o F-15E. O relatório disse que o sistema de oxigênio exclusivo do F-35, que requer um “trabalho de respiração”, tem esse efeito em muitos pilotos. A experiência do piloto é “apoiada por pesquisas emergentes” nos sistemas do F-35A que “parece haver um tributo fisiológico cobrado das capacidades cognitivas de um piloto como resultado da respiração através do sistema de oxigênio sob demanda”, disse o relatório. O piloto relatou que, em uma escala de um a dez, sua degradação cognitiva era “quatro em dez rotineiramente”.

O relatório disse que voar o F-35A no modo de sistema de pouso por instrumentos “não é uma tarefa mundana”, o que “poderia ter se tornado mais desafiador” no acidente de maio “pelo nível relatado de degradação cognitiva” de distrações, estresse, falta de sono, e o trabalho que o piloto teve para respirar. Esses fatores podem ter contribuído para a “vulnerabilidade do piloto a distrações” durante o acidente de pouso, de acordo com os investigadores.

Sobre a questão dos simuladores, o relatório afirma que os sistemas “não representam com precisão a dinâmica de voo da aeronave vista neste cenário”. No simulador, a aeronave pode ser recuperada após um salto forte, e “dois membros da equipe da AIB também conseguiram pousar” no simulador nas mesmas condições.

O próprio relatório da Lockheed Martin sobre o incidente “verificou a discrepância entre o desempenho real da aeronave no acidente e o modelo do simulador”, acrescentando que “a sensibilidade da taxa de inclinação evidente em voo não foi observada na simulação pilotada ou nas tentativas iniciais de combinar a manobra com a simulação offline.”

Se o piloto do acidente “não tivesse o aprendizado negativo do simulador, ele poderia ter recuperado a aeronave apesar do pouso em alta velocidade, razão pela qual este é um fator contribuinte”, afirma o relatório.

FONTE: Air Force Magazine

- Advertisement -

83 Comments

Subscribe
Notify of
guest
83 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Clésio Luiz

Minha visão sobre isso é: os engenheiros podem prever até certo ponto a estupidez dos operadores. Todo equipamento prevê no projeto, até certo ponto, coisas estúpidas que os operadores irão fazer, mas não há como prever tudo, como entrar “voando” na pista como esse sujeito fez, muito acima da velocidade indicada e com atitude errada, afinal, pilotos passam por grande escrutínio antes de porem as mãos em equipamentos de custo milionário. Dito isso, fica claro que a aeronave ainda tem espaço para melhorias. É como comprar carro no lançamento: bom para impressionar os vizinhos, ruim ser beta tester de fabricante.… Read more »

Antonio Palhares

Será que os pilotos tiveram todas condições de absorverem toda gama de informações, e treinamentos que esta aeronave requer ? Será que as pressões fizeram etapas serem queimadas sem a devida absorção, e o treinamento plenamente aproveitado ? Foi considerada a possibilidade da máquina não corresponder, sob condições que extrapolam a capacidade e consciencia operacional do piloto ? Teremos mais algum outro tipo de problemas ?

Clésio Luiz

O que tenho lido por aí é que USAF está tentando encontrar formas de encurtar mais ainda o curso de piloto de caça. Tudo para reduzir custos e suprir a demanda de pilotos que está alta, pois tem mais gente saindo do que entrando.

Teve um ou outro falando que o principal fator é politicagem dentro da força, que desmotiva pilotos mais experientes e leva muitos a pedirem baixa mais cedo que o normal.

Antonio Palhares

Clésio.
É por ai.
Um abraço fraterno.

Sagaz

“Faça um sistema que até um idiota possa operar, e somente um idiota irá operar.” Não lembro o autor.

Adriano RA

Não foi isso o que eu entendi do relatório. O piloto teve sobrecarga de trabalho e perda cognitiva devido à falha de alinhamento do HMD, a noite, e o notório problema de fornecimento de ar/oxigênio do F-35 (oxigênio sob demanda é um absurdo…). Houve erro com a velocidade, mas um simples alarme sonoro teria resolvido o problema. Depois do toque, o avião se portou a lá 737 MAX e saiu de controle. Isso deveria ter sido previsto nos ensaios de vôo.
Mas….como previsto em contrato, todos os F-35 sempre serão protótipos mesmo…

marcogandolfi

Estão colocando tanta tecnologia nos aviões em geral, deixando tão automatizado, que esquecem de preparar a pecinha atras do manche.
Como diz um amigo comandante de milhares de horas de voo ,o piloto so esta pronto quando aprende a pilota com a bunda,digo sentir o avião, ter a sensibilidade, ter a responsabilidade dos procedimento do voo, experiencias pessoais de voar diversos modelos de aviões, e não so voar no automatico, confiando cegamente nesta automação das maquinas.Exemplos recentes não faltam.

Flávio Herinque

Há um outro fator: os simuladores são limitados há simular o que conhecemos…

Joli Le Chat

Acho quase incrível este relatório ter sido divulgado para o público em geral.

Ricardo da Silva

Daqui a 30 anos, quando o verdadeiro relatório for liberado, a gente conversa.
A ilusão da verdade é a pior mentira.

Ricardo da Silva

Infelizmente vivemos na “pós verdade”, cada um acredita no que quiser . . . se você “quer” acreditar, boa sorte. Ao invés de rotulá-lo por um “ponto de vista condicionalmente limitado”, prefiro lembrar que o histórico dos EUA não lhes favorece nem transparência nem na veracidade das informações prestadas. Mas fique a vontade para acreditar na sinceridade dos EUA.

Matheus

O fabricante Norte Americano através do relatório final assumiu as falhas tanto no software quanto no oxigênio entre outras. Quais verdades virão à tona daqui a 30 anos? Você não acredita em terra plana né?!

Ricardo da Silva

Isso aqui:
“Se o piloto do acidente “não tivesse o aprendizado negativo do simulador, ele poderia ter recuperado a aeronave apesar do pouso em alta velocidade, razão pela qual este é um fator contribuinte”, afirma o relatório.”
Pelo que eu entendi, o relatório aponta para uma “falta de treinamento específico do piloto” e/ou de uma “falta de orientação geral no treinamento da USAF para o F-35”.
Também pudera, continuam vendendo (ou os EUA entubando) o “AadvarK II” mundo afora . . .

Flávio Herinque

está mais para falha no treinamento e não falta…basicamente indicar que o treinamento foi uns dos fatores que contribuíram para o acidente…

Camargoer

Olá Joli. A Netflix está com uma séria sobre o acidente da Challenger. É preciso assistir com olhos atentos e mente crítica para entender como o desastre foi uma mistura de incompetência e arrogância administrativa. A engenharia sabia dos problemas e dos riscos, mas a pressão política foi maior (aliás, esse é o risco que a administração pública corre ao derrubar a estabilidade do servidor, tornando-o susceptível á pressão da chefia ou da administração).

Rinaldo Nery

Boa série. Assisti. E o ¨tiozinho¨ da Thiokol até hoje não admite que errou!

Camargoer

Olá Cel.Nery. Pois é. Também fiquei pensando nisso. Meu avô me disse que tem um momento na velhice que é preciso fazer as pazes com o passado. Aliás, talvez seja bom a gente nem esperar a velhice ou aposentadoria para isso.

Ricardo da Silva

Temos uma cultura fantasiosa de que com a idade vem a sabedoria. Lamentavelmente tenho presenciado cada vez mais a existência de canalhas, idiotas e trapaceiros de “cabeça branca”. Não sei se fui eu que tomei noção da realidade ou se foi o mundo degringolou.

Teropode

De um desconto , faça por menos , o “temos uma cultura ” abrange muita gente , uma inverdade .

Luciano

Olá, Camargoer! Pois, a fala de seu avô foi show!

Luiz Antonio

Provavelmente o “tiozinho” teria que explicar muito bem, se admitisse que errou e matou sete astronautas, além do equipamento perdido. Teria duas saídas, apenas: Admitir o erro e meter uma bala na própria cabeça, afinal já sabiam há muitas luas sobre o problema dos anéis de vedação, ou então sustentar que “tomaria a mesma decisão” alegando pensar que estava certo, o que acabou acontecendo. O pior é que neste mundo, existem muitos com esse mesmo perfil.

Joli Le Chat

Assistirei, obrigado pela recomendação.

Richard Feynman fez parte da equipe de investigação e escreveu um dos anexos do relatório.

Camargoer

Olá Joli. Eu queria ser uma mistura de “Feynman + Sagan + Darwin + Madame Curie”.

Funcionario da Comlurb

Pode até ser. No entanto sua tendência de Galvão Bueno sempre fala mais alto !

Hahaha

Teropode

Isso me fez lembrar das regrinhas de engajamento na guerra do Vietnam , políticos não perdem o hábito de “opinar” sobre oque desconhecem .

Antoniokings

HMS sempre alerta para defender os EUA.
Pode ficar tranquilo que os mesmos defeitos apresentados pelos F-35 da USAF aparecem nos doados à Heyl Ha’avir.

Silas

Rapaz, virei seu fã!!!

Antoniokings

HMS
Ainda não me convenceu.
Tenta de novo.

Antonio Palhares

Vai sobrar para o piloto.

Marcos

O F-35 só expõe os problemas quando muitas empresas e pessoas participam de um mesmo projeto, além dos custos elevadíssimos a chance de falhas e erros é muito maior. Depois de muitos anos o caça ainda não está 100%, porém ja desenvolveram e voaram um de 6ª geração.

Teropode

O reflexo que ocorreu no visor do capacete simplente cegou o piloto , impedindo até um vôo visual , é lógico que foi um seriey de problemas mas se observarmos o relatório , o capacete foi o fator limitante e não imaginaram uma anomalia deste porte justamente dentro do capacete , a saída seria treinar sexto sentido nós caras , aí poderiam utilizar pilotos cegos .

Flávio Herinque

O A400M que o diga….

Ricardo da Silva

. .. e continuam ou “causos” do F-35 “Aadvark II”

Antoniokings

Mai um episódio da série: ‘O avião mais caro do Mundo que nunca funciona direito’.

horatio nelson

é um lixo de avião até o mig 21 é melhor q essa porcaria fazedora de viuvas…

Sagaz

Quando matar mais de milhões poderá ser chamado de URSS

João Bosco

Ainda sou da opinião de que esse caça é muito complicado, muto caro e sempre tem um problema para ser resolvido…..

horatio nelson

e não pode voar com raios…ou com calor excessivo ou frio extremo.

Rafael M. F.

“Queda do F-35 em Eglin ocorreu por velocidade excessiva no pouso, problemas no software, capacete e sistema de oxigênio”
Que combo, hein?

Camargoer

Olá Rafael. Um “tombo”.

Rafael M. F.

Um combo de falhas que levou a um tombo.

Teropode

A velocidade excessiva foi causada pela falha do software , o brilho excessivo e as informações descentralizadas do visor impediu uma leitura correta pelo piloto , inclusive impedindo um vôo visual , o cara teve uma descarga de adrenalina alternando a sequência respiratória e o “novo sistema” bost* não supriu adequadamente o piloto , putsssss, só faltou os explosivos da cadeira não terem explodidos , alguém sabe dizer se o assento é de tecnologia anterior ou inovadora ?

Last edited 9 meses atrás by Alexandre Galante
Camargoer

Olá colegas… continuando a séria “marqueteiros”. “Sò a Lockheed consegue derrubar um F35”.

Peter nine nine

Para já, considerando a sua modernidade, independentemente da sua característica fragilidade, parece que sim, que apenas um F35 para se derrubar a si próprio. 😅

Camargoer

Olá P99, Um KC130 também derruba o F35.

Gabriel BR

Esse projeto ainda tem muito o que amadurecer e ainda vai encarecer bastante.

Antoniokings

Ou seja, pane total.

Rinaldo Nery

Que lambança! 202 KIAS na final! Mais que no Mirage III, dos anos 60.

Matheus

Pelo menos o trem de pouso é resistente! Aprovado pelo Inmetro.

Maurício.

E esse bendito capacete ainda apresentando problemas, achei que o problema do capacete já estava resolvido.

Mauricio Vaz

“superfícies de controle de voo “conflitantes” com os aparentes esforços corretos do piloto para recuperar o jato depois que ele saltou na pista”

Para mim, independente dos demais fatores apontados. Esta foi a principal causa do acidente, eu sei que é uma discussão longa sistemas e mais sistemas de auxílio na pilotagem contra erros humanos, porém o piloto deve sempre ter o controle total da aeronave, afinal de contas é para isso que recebe ou deve receber tanto treinamento. Até porque os contrutores de softwares são outros seres humanos que não terão sua vida em risco caso cometam um erro…

Last edited 9 meses atrás by Mauricio Vaz
JT8D

Esse avião está dando um trabalho danado para os que o defendem. Como eu não sou torcedor nem contra nem a favor, só me resta o alívio do Brasil ter passado longe dessa encrenca. Se um dia viermos a adotar um caça de quinta geração, que seja um que funcione

Sergio Peixoto

RESUMINDO TUDO.
Que LIXO CARO!!!!!!!

Sergio Peixoto

…e este “probleminha” no fornecimento de oxigênio já tinha acontecido antes…..Vai que o piloto estafa ficando sem oxigênio e queria pousar esta “DESGRAÇA” o mais rápido possível para não morrer asfixiado…..

Jefferson

O bom do Brasil não produzir nada complexo é isso, nunca falhamos! Depois compramos da Suécia com “transferências” para suprir nossa falta de “dinheiro” (8 maior economia do planeta e um dos 10 maiores orçamentos militares). A culpa é dos políticos kkkkk sei!

elcimar fulgencio menassa

resumindo….a maquina ( * tecnologia ) precisa ser ainda muito dominada pelo ser humano.
mas…até que ponto ?, a tecnologia esta tão avançada que o homem não pode acompanhar ainda sua velocidade de processamento ?

Wagner

Salvas as devidas proporçoes, o 737 Max foi groundeado por coisa parecida: o piloto mandava o avião fazer uma coisa, o computador outra. Mas não creio que acontecerá o mesmo com a jaquinha.

Sergio Peixoto

KKKKKKKKKKKKKKKKKKK
Gostei da “JAQUINHA”….

Vilela

Avião de verdade eram os da 2WW.. P40, P47… P51, Hurricane, Spitfire, Stuka, Bf109, Bf110… tudo que precisava era um piloto com pouca experiencia, nada de computadores.
Hoje não existe mais avião, existe computador que voa. Se bugar, já era.
Antigamente o piloto pousaria no braço.
Até os F5, F15 são muito melhores aviões que esse F35, que é o maior desperdício de dinheiro público do mundo…

Funcionario da Comlurb

Blz. Então que tal você dar o exemplo ? Para de andar no seu carro e ande de charrete, porque certamente seu carro também tem um monte de eletrônica embarcada. Aproveita e também para de usar o celular e volta a usar o telefone de fio

Wagner

E nada de computador também! Kkkkkkkk
Alias, piloto com pouca experiência morria cedo no comando das aeronaves citadas. Relativamente poucos tiveram sorte ou habilidade nata o suficiente para chegarem vivos ao fim da Guerra.

Sergio Peixoto

..quanto “rancor no coração”…..
O cara só falou que o F-35 é uma “JAQUINHA”……………..

Funcionario da Comlurb

😂😂😂😂

Vilela

F35 vai acabar com os aviões tripulados, será tão caro e tão problemático que será muito melhor usar aeronaves não tripuladas.
E os pilotos levando a culpa por um avião ruim, de um projeto ruim e de um modelo de gestão ruim…

MGNVS

Uma verdadeira joça tecnologica voadora.
E agora mesmo vem a pachecada F-35zetes mimizentas defender esse escoadouro de dinheiro.
Ainda bem que o Brasil escolheu o Gripen e passou longe dessa tranqueira do F-35-Joça. Mandar para o Luciano Huck fazer um “Lata Velha” com esse trambolho voador.

Sergio Peixoto

….quanto rancor no coração…..
Só porque “os caras” gostam ver uma “JAQUINHA” voar ???????

MGNVS

Sergio… chamar de jaca esse trambolho voador que gasta mais do que um opalão é uma ofensa as jacas… kkkkkkkkkk

Slow

Engraçado esses cara acha que o J20 ou su57 não tem nenhum problema né são perfeitos impecáveis ja que a china e russia esconde tudo , vcs acha que q se fosse algum dos 2 eles iriam falar que foi falha no software ou avião? Obvio que a culpa ia ser piloto e mesmo assim eles não ia divulgar nada e ngm ia saber

JuggerBR

Acho que o HAL 9000 tava no comando, querendo fabricar uma viúva… Custava instalar um sistema mais simples de oxigenação? E o HUD?
LM fabrica o F-16 há décadas, só pegar lá na gaveta e adaptar, sem dramas…
Invenção demais junto dá nisso…

Kemen

As falhas foram só essas?___ O que mais poderá surgir, até parece que o F-35 não passou pelos usuais sucessivos testes antes da configuração final entrar em produção, tem muita coisa estranha acontecendo com esse caça, considerando que as normas de aceitação de sistemas e produtos norte americanos (Military Standard…) são as mais severas e exigentes existentes, adotadas por muitos paises depois de “adequação local”.

Entusiasta Militar

Em resumo, erro do piloto …

Equipamentos problemáticos no F-35 faz parte, mas O que é difícil de entender é dizer “instrução ineficaz do simulador”

não cumpriu o mínimo de horas ? ou não tinha treinamento pra situações como essa?

Last edited 9 meses atrás by Entusiasta Militar
André

Não sei porque ainda vejo o que as “autoridades” em aviação militar escrevem aqui, deve ser curiosidade mórbida.

Kemen

Já dizima Mao Tse Tung e também Stalin, “calemos os pensadores”, “queimemos os seus livros”. KKKKK

Last edited 9 meses atrás by Kemen
Salim

Aeronave em uso intensivo, quantidade razoável em operação, treinando para guerra. Com tudo isto, numero acidente baixo. Vejam números de outros programas de caças novos, estão piores.
Chinas e Russos tem mesmos problemas, só que não divulgam., o que não e nenhum demérito .
Desenvolvimento tecnologia nova para guerra tem percalços; leiam sobre modificações técnicas que aterraram diversas aeronaves.
F35 terá teste em combate, se isto ocorrer saberemos a verdade. Fora isto teremos pilotos levando aeronave ao limite operacional pois treinam para guerra.

Adriano RA

Observador, bom dia. Respeito sua opinião, mas não consigo identificar as tais inovações, capacidades e funcionalidades que cita. Tudo o que o F-35 faz, outros aviões já fizeram de um jeito mais simples e eficiente. Tudo seria mais simples se a USAF tivesse optado por uma variante modernizada e multifuncional do F-22 e se a US Navy optasse por um caça que pudesse realmente chamar de seu. O F-35 é um PATO extremamente complexo e caro de manter, um verdadeiro buraco negro de recursos. O pior é que um monte de países embarcaram nessa “promessa” e agora ficou impossível dizer… Read more »

Denis

Cara, vamos ser francos: essas dificuldades com o software do F-35 são erro conceitual de projeto, e não dificuldades na tarefa em si. Só que os caras não podem admitir que fizeram um projeto de software porco, porque já foram gastos zilhões. Em bom português: foi incompetência mesmo! PONTO.

Last edited 9 meses atrás by Denis
Denis

Com todo o respeito, mas essa de “aeronave extremamente complexa” pode colar pras tecnologias stealth, radares, etc, etc, mas não cola pra questão do software. Sei que quase todo mundo endossa essa ideia, mas não a engulo. E não é nada pessoal, apenas encontrei no seu comentário uma oportunidade para abordar o assunto.

Chris

Esse site ainda esta nos problemas do F-35… Eqto todos os outros já falam do novo caça de 6a geração americano.

Vampire

Cadê ele, tá aonde?

Kemen

F-35 a “Lesma Lerda” de sempre!

Vampire

E lá vai o Jiló voador fazendo mais vítimas… É impressionante a capacidade dessa josta de dar problemas. Um avião que rejeita o comando do piloto (um quer o nariz para cima e outro para baixo) é inconcebível, um avião que só respeita o software (basta um hacker com um notebook no lugar do RIO para derrubar isso aí). Escrevam minha profecia, o F-35 Afraid of Lightining ainda vai roubar o título de fazedor de viúvas do F-104.

Denis

Espero que ele não faça viúvas, mas você está certo.

Last edited 9 meses atrás by Denis
Nilo Rodarte

Que o F-35 tem problemas, ninguém discute, até pela complexidade do projeto. Mas vocês conseguem imaginar um relatório nesse nível na Rússia ou na China?

Últimas Notícias

Instituto de Pesquisas e Ensaios em Voo (IPEV) completa 15 anos

No dia 23/7, o Instituto de Pesquisas e Ensaios em Voo (IPEV) completou 15 anos. O IPEV é responsável...
- Advertisement -
- Advertisement -