Home Aviação Comercial Airbus revela conceitos de aviões movidos a hidrogênio de emissão zero

Airbus revela conceitos de aviões movidos a hidrogênio de emissão zero

2002
14

A Airbus revelou planos para produzir os primeiros aviões comerciais com emissão zero do mundo a funcionar com hidrogênio até 2035.

A empresa aeroespacial europeia lançou na segunda-feira três conceitos diferentes de aeronaves, cada um explorando uma abordagem diferente para alcançar voos com emissão zero, mas todos contando com hidrogênio como fonte de energia primária.

“Este é um momento histórico para o setor de aviação comercial como um todo e pretendemos desempenhar um papel de liderança na transição mais importante que este setor já viu”, disse o CEO da Airbus, Guillaume Faury, em um comunicado.

‘Opções empolgantes’

O primeiro conceito poderia transportar entre 120 e 200 passageiros por cerca de 2.000 milhas náuticas. O projeto do turbofan seria movido por um motor de turbina a gás modificado funcionando com hidrogênio, em vez de combustível de jato, por meio de combustão.

O segundo conceito, um projeto turboélice, levaria até 100 passageiros por 1.000 milhas náuticas, enquanto o terceiro, um projeto de “corpo de asa mista”, receberia até 200 passageiros para uma viagem de 2.000 milhas náuticas.

“O hidrogênio tem uma densidade de energia volumétrica diferente do combustível de aviação, então temos que estudar outras opções de armazenamento e arquiteturas de aeronaves diferentes das existentes”, disse Jean-Brice Dumont, EVP Engenharia da Airbus.

“Isso significa que a aparência visual de nossa futura aeronave com emissão zero mudará. Essas três configurações nos fornecem algumas opções interessantes para exploração futura”, continuou ele

Os engenheiros da Airbus devem começar a trabalhar em programas de demonstração de hidrogênio nos próximos meses para testar células de combustível de hidrogênio e tecnologias de combustão de hidrogênio com o objetivo de ter um protótipo de aeronave em escala real pronto até o final dos anos 2020.

“Há apenas cinco anos, a propulsão de hidrogênio nem estava em nosso radar como uma via de tecnologia de redução de emissões viável, observou Glenn Llewellyn, VP da Airbus, Aeronave de Emissão Zero.

“Mas dados convincentes de outras indústrias de transporte mudaram tudo isso rapidamente. Hoje, estamos entusiasmados com o incrível potencial que o hidrogênio oferece à aviação em termos de redução de emissões disruptivas”, acrescentou.

€ 430 bilhões

As emissões diretas da aviação representam cerca de três por cento das emissões totais de gases de efeito estufa da União Europeia e mais de dois por cento das emissões globais, de acordo com a Comissão da UE.

Em 2020, as emissões globais anuais da aviação internacional são cerca de 70% mais altas do que em 2005 e podem crescer mais 300% até 2050.

A Organização da Aviação Civil Internacional (ICAO) estima que será fisicamente possível atender 100 por cento da demanda internacional de combustível para aviação com combustíveis de aviação sustentáveis ​​até 2050 e que isso corresponderia a uma redução de 63 por cento nas emissões.

Ele adverte, entretanto, que “este nível de produção de combustível só poderia ser alcançado com investimentos de capital extremamente grandes em infraestrutura de produção de combustível de aviação sustentável e apoio político substancial.”

Faury enfatizou na segunda-feira que “uma ação decisiva de todo o ecossistema da aviação”, bem como “o apoio do governo e de parceiros industriais”, serão necessários para que a empresa alcance sua meta de 2035.

A UE pretende se tornar a primeira região neutra em carbono do mundo até 2050 e fez do hidrogênio a pedra angular de sua estratégia.

O hidrogênio é um gás que constitui 75 por cento do universo e que não emite dióxido de carbono quando usado, mas é difícil de isolar. Uma nova Aliança Européia de Hidrogênio Limpo tem como objetivo investir € 430 bilhões até 2030 para expandir a cadeia de valor do hidrogênio em todo o Velho Continente.

FONTE: Euronews

Subscribe
Notify of
guest
14 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Fabio Araujo
Fabio Araujo
1 mês atrás

Asa voadora civil!

fewoz
fewoz
1 mês atrás

Parabéns à UE. Apesar da matriz energética de alguns países seus ainda estarem em boa parte baseados em carvão (Alemanha e Polônia, por exemplo), parece ser a única região do planeta que leva a questão da poluição/meio ambiente mais a sério.

SmokingSnake 🐍
SmokingSnake 🐍
Reply to  fewoz
1 mês atrás

Quem mais investe em hidrogênio mesmo é o Japão, estão construindo até usinas de hidrogênio depois que desativaram as usinas nucleares. Já fazem muitos anos que existem veículos movidos a hidrogênio mas nunca foi para frente, o problema é o custo, no final sempre ganha o que é mais barato. Ninguém vai querer ficar pagando mais caro em tudo já que transporte afeta o preço de todas as outras coisas até da comida.

Jean Jardino
Jean Jardino
Reply to  fewoz
1 mês atrás

A Europa ja esta na vanguarda do uso de hidrogenio em transporte, hoje a Alston francesa ja produz trens movidos de hidrogenio e estao rodando na Alemanha, Franca e futuramente no Reino Unido.

ALBERTO OLMOS
ALBERTO OLMOS
Reply to  Jean Jardino
1 mês atrás

Na realidade continuam a ser trens elétricos, onde o H é usado como combustível para uma turbina que move um gerador de eletricidade.

Antoniokings
Antoniokings
1 mês atrás

Excepcional notícia!
A era do petróleo está se encaminhando para o fim.

Ricardo da Silva
Ricardo da Silva
Reply to  Antoniokings
1 mês atrás

Gostaria de ter esse otimismo.
As movimentações geopolíticas vão infelizmente no caminho inverso, basta ver os russos na Síria e os EUA com a Venezuel e o Oriente Médio. Enquanto houver toda essa política capitaneada pelos combustíveis fósseis acho muito complicado anunciar o seu fim.

Hélio
Hélio
Reply to  Ricardo da Silva
1 mês atrás

Justamente por isso está chegando ao fim, o esforço é muito grande para algo que nem deveria ter sido usado como fonte de energia, para começo de conversa. As ações referentes a “geopolítica do petróleo” nem pouco a ver com interesse de Estado e muito com interesses econômicos privados, somente.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Ricardo da Silva
1 mês atrás

Muita gente se movimentando para garantir o que sobrar dos combustíveis fósseis até que uma nova matriz energética esteja consolidada.

Quando isso acontecer, o Oriente Médio vira uma nova África.

Leandro Costa
Leandro Costa
1 mês atrás

A diversos anos atrás em um ciclo de palestras sobre segurança energética na Escola de Comando e Estado-Maior do EB na Urca, um General cujo nome infelizmente não lembro, estava explicando que a matriz energética eventualmente mudaria do petróleo e muito provavelmente seguiria para o Hidrogênio, e era nisso que os estudos do EB estariam se baseando junto à indústrias.

Pelo visto ele não estava viajando na maionese.

Hélio
Hélio
Reply to  Leandro Costa
1 mês atrás

Participei de uma palestra com o engenheiro da Toyota responsável pela promoção de combustíveis alternativos no Brasil e ele disse que o maior obstáculo para a adoção do hidrogênio é o elevado grau de pureza exigido pelas células e o inevitável uso de platina, que é extremamente cara, mas que se esses dois problemas fossem contornados (por futuros supermateriais) o hidrogênio se elevaria como combustível do século, dividindo espaço com a energia solar e de biomassa, que serviria para carros plug-in. Ele também citou que o hidrogênio vem dando excelentes frutos na indústria naval e nos projetos pilotos, como os… Read more »

Hélio
Hélio
1 mês atrás

Como esses motores irão funcionar sem a expansão dos gases formada pelo calor da turbina?

LucianoSR71
LucianoSR71
1 mês atrás

Todas as vezes que vejo um conceito de corpo de asa mista p/ passageiros me pergunto como seria possível a evacuação de todos dentro do tempo estipulado ( salvo engano em menos de 90 segundos ) sem que houvesse um caos tremendo que sempre pode ocorrer numa situação de emergência de fogo, por exemplo – lembro que serão muitos assento montados lado a lado.
Já p/ transporte de carga não teríamos esse problema.

Marcos
Marcos
1 mês atrás

Olha só já está pegando o jeito de nave espacial , qualquer hora dessas terá algo muito parecido fazendo viagens a Lua ou até mesmo a Marte