Home Aviação de Ataque Entendendo o programa NGAD da USAF

Entendendo o programa NGAD da USAF

3361
43

O secretário adjunto da Força Aérea dos EUA para Aquisição, Tecnologia e Logística, Will Roper, pegou ontem de surpresa a comunidade de Defesa quando revelou que um demonstrador do programa Next Generation Air Dominance (NGAD) começou os testes de voo.

O programa Next-Generation Air Dominance (NGAD) da Força Aérea dos EUA destina-se a começar o desenvolvimento de um caça de sexta geração para dominação aérea. O programa planeja usar a abordagem “Digital Century Series” que conta com desenvolvimento ágil, arquiteturas abertas e engenharia digital para aumentar a velocidade das aquisições e incentivar a indústria a se concentrar no desenvolvimento de novas tecnologias inovadoras em vez de sustentar os sistemas existentes.

Embora a estratégia de aquisição para o programa ainda não tenha sido finalizada, ele planeja que os fabricantes concorram a cada cinco anos para produzir pequenos lotes de aeronaves, apenas 72 aeronaves por tipo.

No ano passado, o Congresso cortou o pedido de US$ 1 bilhão em financiamento do ano fiscal de 2020 em 9,5 por cento devido a preocupações com o risco do programa.

O orçamento atual requer mais US$ 1 bilhão no FY 2021 e projeta um total de US$ 7,3 bilhões em seis anos.

Muitas decisões e trabalho pela frente

Roper não quis dar detalhes dos testes de voo do novo avião, da plataforma ou das metas específicas de desenvolvimento em uma mesa redonda com repórteres após seu anúncio na conferência anual da Associação da Força Aérea.

“Tudo o que posso dizer é que os voos de teste da NGAD foram incríveis – os recordes foram quebrados”, disse ele. “Mas fiquei impressionado com a eficácia da transição da tecnologia digital para o mundo real.”

Ele acrescentou: “Muitos dos sistemas de missão de que necessitamos para o Next Generation Air Dominance foram testados em artigos de teste, por isso estão indo muito bem e a engenharia digital parece acelerar tudo”.

Roper admitiu que muitas questões levantadas pela nova aeronave permanecem não decididas pelos líderes da USAF, incluindo decisões de financiamento enquanto a Força tenta equilibrar as capacidades atuais com os desejos futuros e fazer malabarismos com a composição de sua frota de caças.

“Quando, onde e como colocamos o campo é uma escolha com muitos detalhes”, disse ele, observando que “é uma questão de dinheiro”, bem como uma questão de como o NGAD (que está sendo projetado em torno da ideia de uma família de aeronaves tripuladas e não tripuladas operando em equipes) “se encaixarão no portfólio do Tactical Air Command. Será interessante ver como 2022 se desenrola.”

Todd Harrison, diretor do Projeto de Segurança Aeroespacial no Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais (CSIS), disse que a USAF deve provar ao Congresso que precisa de uma aeronave mais avançada.

“Apesar da existência de um protótipo, a Força Aérea ainda vai precisar argumentar que é hora de trocar por um novo caça quando o F-35A ainda não atingiu a plena produção”, ressaltou. “As principais perguntas que a Força Aérea precisará responder ao Congresso são quais capacidades este caça possui que não existem no F-22 e no F-35, de quantos serão necessários, quanto custará e o que é está disposta a desistir de pagar por isso (ou seja, o custo de oportunidade).”

O novo Chefe do Estado-Maior da USAF, general C.Q. Brown disse a repórteres em outra mesa redonda com líderes do serviço – incluindo Roper – que há uma série de fatores na decisão de como proceder com o NGAD. Um fator crucial seria a maturidade do sistema e a evolução das ameaças. “Eu também estaria pensando sobre o meio ambiente e a ameaça que enfrentamos, e essa capacidade fornecerá o que precisamos naquele período?” ele disse.

Brown disse que um aspecto-chave na decisão de como colocar o NGAD em campo seria colocar os protótipos “nas mãos dos combatentes para que eles possam realmente testa-los. E assim que eles consigam usá-los, recebemos o feedback.” As ferramentas de design digital, disse ele, tornam o processo de feedback muito mais rápido.

De fato, uma grande parte da estratégia do NGAD é baseada na engenharia digital, Roper elaborou, e no conceito Digital Century Series, pelo qual novas iterações de aeronaves, baseadas em grande parte em software atualizado para sistemas de missão, são colocadas em campo a cada cinco a 10 anos.

Digital Century Series

Roper explicou que o NGAD é um dos três grandes esforços de aquisição da Força Aérea dos EUA que contam com design, desenvolvimento, engenharia e testes digitais para atualizar rapidamente as capacidades e cortar custos. Os outros dois são o Ground Based Strategic Deterrent e o T-7A Red Hawk Trainer, o último dos quais construiu dois protótipos idênticos baseados em designs digitais.

“Com a engenharia digital, tudo chega mais cedo. Então, se você acertar, tudo é mais rápido, mais barato ”, disse Roper. “Acho que se você é um fã de Star Wars, a engenharia digital torna tudo ‘mais rápido, fácil e sedutor’- mas certamente não é o Lado Sombrio da Força”, disse ele com uma risada. “Este é o lado virtuoso e luminoso da Força e estamos usando nossos poderes para o bem, então definitivamente está acelerando tudo além de qualquer expectativa que tínhamos de programas no passado.”

Em um documento divulgado delineando seus objetivos para “digitalizar” a aquisição da Força Aérea dos EUA para seu próprio estado-maior, Roper usa o programa NGAD como um dos estudos de caso de como essa abordagem pode economizar dinheiro ao longo do tempo, bem como acelerar novos recursos para o emprego em campo. O documento, denominado Take the Red Pill: The New Digital Acquisition Reality, afirma que, dos três, apenas o NGAD “está posicionado para transformar o seu ciclo de vida através de uma aquisição totalmente digital”.

O uso de ferramentas digitais para construir modelos de aeronaves virtuais, agora apelidados de sistemas e-series pela Força Aérea, permite que os oficiais do programa e a indústria “reduzam os riscos” e garantam que os modelos de produção possam ser facilmente atualizados à medida que novos recursos surjam. A capacidade de substituir subsistemas orientados por software por recursos aprimorados e evitar o bloqueio do fornecedor é crítica para o conceito da Digital Century Series.

“Ao contrário do antigo paradigma, os sistemas de missão agora conduzem de forma independente a evolução da capacidade”, diz o documento de aquisição.

O documento argumenta ainda que “a aplicação de engenharia e gerenciamento digital reduziria o custo de uma aeronave de caça hipotética em 10 por cento ao longo de uma aquisição de ciclo de vida de 30 anos, com economia espalhada pela produção, pesquisa, desenvolvimento, teste e avaliação (RTD&E) e operações e sustentação (O&S).”

FONTE: Breaking Defense

Subscribe
Notify of
guest
43 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Gil U
Gil U
6 dias atrás

Não seria loucura apostar que a sexta geração de aeronaves de combate será a ultima geração com um piloto humano no cockpit. Acho até que já devem prever unidades relativamente autônomas no desenvolvimento da 6ª geração.

Teropode
Reply to  Gil U
6 dias atrás

Falam isto desde a década de 60 , nem perco tempo com este assunto .Acredito mais na biotecnologia para desenvolver caras super capazes , não que não acredite na IA .

Gil U
Gil U
Reply to  Teropode
6 dias atrás

É verdade, trata-se de uma conversa bem antiga e, acredito que devemos levar muitas décadas, chuto que não menos do que 4 ou 5 delas, para o desenvolvimento de uma IA rudimentar, o caminho natural seria retirar o elemento humano dessa equação.

MMerlin
MMerlin
Reply to  Gil U
6 dias atrás

Colega. IA rudimentar já existia na década de 90. Não relativize nem superestime a importância da IA no uso de caças autônomos. São inúmeros fatores e variáveis, e a IA (mesmo tendo um grande importância) é apenas umas delas.
O primeiros protótipos, de combate, já estão em estágio avançado. Em, no máximo 20 anos, já teremos versões realmente funcionais para incorporação.

Last edited 6 dias atrás by MMerlin
Gil U
Gil U
Reply to  MMerlin
6 dias atrás

MMerlin, IA atualmente se tornou um conceito comum e foi bastante relativizado pela mídia e por empresas, alguns acreditam que pode ser encontrado até em TVs e maquinas de lavar roupa rsrs. Não subestimo o conceito, mas, a verdadeira IA seria um sistema que poderia, em tese, emular perfeitamente o cérebro humano, basicamente, deve ser capaz de perceber o ambiente em que esta inserido e adquirir novos conhecimentos e com base neles tomar decisões totalmente autônomas, com o tempo seria, talvez, capaz de adquirir algo próximo de uma consciência. Isso não existe, o que temos são softwares carregados com uma… Read more »

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
6 dias atrás

“a aplicação de engenharia e gerenciamento digital reduziria o custo de uma aeronave de caça hipotética em 10 por cento ao longo de uma aquisição de ciclo de vida de 30 anos, com economia espalhada pela produção, pesquisa, desenvolvimento, teste e avaliação ”
Aham…sei…
Igual o F-35 ficaria mais barato ao longo do tempo, né?
Os caras realmente acreditam que uma nova geração de caças pode ficar mais barata que a anterior….

Teropode
Reply to  Willber Rodrigues
6 dias atrás

Tudo indica que vão voltar ao conceito de aeronaves especialistas , a capacidade multi eleva o preço da produção e manutenção , basta olhar os valores do F15c e do Striker Eagle que é Multi .

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  Willber Rodrigues
6 dias atrás

Essa sua comparação é falaciosa. Como explicado pelo Princípio de Pareto,80% dos problemas são causados por 20% das causas. No caso do F-35,essas causas advêm do fato deles tentarem fundir 3 caças de propósitos diferentes em apenas 1,e isso por consequência aumentou os custos exponencialmente. A prova disso é que projetos de caças anteriores não tiveram desenvolvimentos tão conturbados e nem foram tão caros quanto o do JSF,como o F-15 e o F-22. As forças armadas americanas não precisarão lidar com esses problemas pois já aprenderam a lição. A USAF desenvolverá seu próprio caça de 6º geração,assim como a USN… Read more »

sagaz
sagaz
Reply to  Willber Rodrigues
6 dias atrás

Eu acho que o F35 agregou muita coisa em um único projeto o que engloba uma grande interferência entre tecnologias e inovações, a nível de comparação quando veremos um caça oriental decolando na vertical? Fora todos os outros itens envolvidos.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  sagaz
6 dias atrás

Que o F-35 trouxe várias revoluções, isso não se discute.
Mas revoluções tecnológicas nunsa são baratas.
O que questiono é que tem gente que ainda acredita no papo furado de que “vai ser mais barato ao longo do tempo”
Isso não está acontecendo com o F-35, e com certeza não vai acontecer com a 6° geração.
Não existe caça de nova geração mais barata que a anterior, seja em aquisição, manutenção ou modernização

JDSSJúnior
JDSSJúnior
Reply to  Willber Rodrigues
6 dias atrás

O paradigma mudou, pois aquilo que era para tornar mais barato, a arquitetura de software para atualizações e o que começou a elevar bastante os custos. O F35 é aquele projeto de fronteira, muita gente no DoD não acreditava que os custos iriam baixar ao longo do tempo e foi o que aconteceu. O F35 será a plataforma padrão no futuro e acho que os EUA e os operadores vão absorver isso. Lembro que o A10 em todo ano fiscal fica por um triz. E sempre se cogita F35 para essa missão também. Se em algum momento acontecer isso aí… Read more »

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  sagaz
6 dias atrás

Na década de 1960, os russos já testavam o Yak-36.
Depois tivemos o Yak-38 que foi plenamente operacional.
Isso se vc considerar a Rússia como oriental.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Antoniokings
6 dias atrás

Yak-36 em demonstração.

https://youtu.be/GWKstrcmOfI

Teropode
Reply to  Antoniokings
6 dias atrás

Me desculpe mas este projeto é alemão , não vou perder tempo colando links mas o yak é fruto de roubo intelectual , a cópia foi tão perfeita que copiaram até às limitações grotescas , limitações que fizeram a Donier parar só nos protótipos .

Teropode
Reply to  Antoniokings
6 dias atrás

Aliás não é Donier e sim um Fokker , Vak 191B , um clone este yak36.

Evgeniy (RF).
Evgeniy (RF).
Reply to  Teropode
6 dias atrás

How long did it take?

Teropode
Reply to  Evgeniy (RF).
6 dias atrás

Projeto Alemão Vak 191B iniciou em 1965 , nesta época os russos se atrapalhavam com o trambolho Yak 36 , os Inglêses já tinham o eficiente Harrier pronto , os alemães conseguiram o primeiro vôo em 1971 e milagrosamente os russos aparecem com o yak 38 no mesmo ano , aliás já apareceu pronto e com a produção iniciada 2 meses depois , a Fokker vazou todo projeto para os russos em 1968 , já sabiam que seu projeto não superaria o Harrier e vendeu para o primeiro besta que aparece . Aliás reza a lenda que o Yak 38… Read more »

Last edited 6 dias atrás by Teropode
Evgeniy (RF).
Evgeniy (RF).
Reply to  Teropode
5 dias atrás

Antes de mentir, primeiro compare os aviões externamente, depois compare os esquemas dos aviões e então descubra quando foi o primeiro vôo dos aviões.

Teropode
Reply to  Evgeniy (RF).
4 dias atrás

Já comparei , se os outros quiserem comparar basta digitar o nome do Fokker e verificar oque eu disse . Boa pesquisa ai pessoal 👍👍👍👍👍.

Andre
Andre
Reply to  Antoniokings
6 dias atrás

Quantos estão em operação?

Parece ser a mesma quantidade de su57.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Andre
6 dias atrás

Esse tipo de avião apresenta diversas desvantagens com relação aos tradicionais.
Os soviéticos/russos priorizaram o desenvolvimento de caças mais potentes.
Agora, ao que parece, Putin autorizou o desenvolvimento de um avião baseado no Yak 141.

Andre
Andre
Reply to  Antoniokings
6 dias atrás

Não entendi…isso quer dizer quantos?

Todo vetor tem vantagens e desvantagens…

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Andre
5 dias atrás

Estou querendo dizer que esse tipo de avião não é páreo para os aviões convencionais que eram muito mais poderosos em todos os sentidos.
Dessa forma, os soviéticos não perderam tempo desenvolvendo mais tais aeronaves..

Andre
Andre
Reply to  Antoniokings
5 dias atrás

Os Harrier mostraram que o seu comentário não faz o menor sentido….

Ainda mais falando que agora putin (deixou de ser a russia) está desenvolvendo um….

FABIO MAX MARSCHNER MAYER
FABIO MAX MARSCHNER MAYER
Reply to  Willber Rodrigues
5 dias atrás

As próximas gerações de caças serão sempre mais caras que as anteriores. Simples, é uma equação que leva em consideração o custo de desenvolver novas tecnologias, que é sempre crescente.

Observador
6 dias atrás

A engenharia digital é a nova revolução aeronáutica e já mostrou sua eficácia com incrível redução de custos e tempo de desenvolvimento com o T-7A. Com o amadurecimento deste processo as possibilidades criativas e inovadoras em projetos se multiplicarão a um nível jamais visto. Inclusive abrirá a possibilidade para outros países além dos EUA que investirem sério em engenharia digital passarem a desenvolver projetos próprios a custos mais acessíveis, sem a necessidade de agregarem muitas vendas para cobrirem os custos de cada projeto. A idéia dos EUA de adquirirem lotes de apenas 72 aeronaves por tipo a cada 5 anos… Read more »

Observador
Reply to  Alexandre Galante
6 dias atrás

Sem dúvidas, mas a história mostra que os caras não poupam esforços nem grana para alcançarem o que querem, e vejo esta coisa da engenharia digital como um novo marco que já está se estabelecendo em todos os países que investem em projetos de baixa, média e alta tecnologia.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Observador
6 dias atrás

As áreas mais prolíficas da área digital estão sendo dominadas pela China, quais sejam, a inteligência artificial e a computação exascale.
Já postei aqui reportagem da prestigiosa Canalys dando conta de que em cinco anos a China tomará conta desses setores.

Observador
Reply to  Antoniokings
6 dias atrás

Sem dúvidas a China está se destacado bastante neste aspecto. Está investido pesado em formação de mão de obra de alta qualificação em tecnologia e já está colhendo frutos. É sem dúvidas um grande exemplo que deveria ser seguido por países como o Brasil se houvesse vontade política, porque se houverem investimentos sérios na educaçao e possibilidade das empresas sobreviverem e crescerem sem serem liquidadas pela extorsão fiscal e burocracia medieval, independente de outros países já estarem dominando grandes partes do mercado, dá pra entrar nisso e abocanhar uma boa fatia em áreas diversas. O brasileiro tem o potencial e… Read more »

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Antoniokings
5 dias atrás

Tenho certeza que você não faz a menor idéia sobre o que acabou de escrever e está simplesmente copiando algum texto que leu.

Teropode
6 dias atrás

Mencionei na matéria anterior as tecnologias que poderiam ser utilizadas neste caça para garantir uma manobrabilidade excelente , além de reduzir as superfícies móveis , o “AR SOPRADO “e a tecnologia das superfícies maleáveis que mudam de forma sem a necessidade de superfícies móveis . Estas matérias já foram publicadas aqui .Acho que o cara se arrependeu de dar o spoiler.

Last edited 6 dias atrás by Teropode
Eduardo Ribeiro
Eduardo Ribeiro
6 dias atrás

Parece que a ideia é semelhante a da SAAB, ou seja, ter uma aeronave praticamente nova a cada 5 ou 10 anos apenas fazendo troca de software. Para isso o sistema precisa ter uma plataforma aberta e o hardware com ampla capacidade de adaptação.

Guilherme Poggio
Editor
6 dias atrás

O andar desse programa (NGAD) e os atrasos no programa F-35 definirão quantos Lighting II realmente serão produzidos.

Teropode
Reply to  Guilherme Poggio
6 dias atrás

Acredito que não alcançarão 60% do pretendido , o certo é que dificilmente Lockheed consegue outro contrato , sem contar o SR 72.

Fabio
Fabio
6 dias atrás

Acredito que o projeto X-59 QueSST da Nasa esteja ligado a esse novo caça!

Carvalho2008
Carvalho2008
6 dias atrás

Off topic:

Editores, tem como confirmar o zum-zum-zum de que um SU35 Chines teria caído em Taiwan??

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  Alexandre Galante
6 dias atrás

valeu mestre

Teropode
6 dias atrás

Bem , se está sendo divulgado certamente não é um Black projet , estes entram e saem de serviço sem alardes , só saberemos se houver acidente em área pública como no Paquistão . E como eles não podem ser vendidos , o Estado banca 100%, por isso o caixa 3 do F35.

Kemen
Kemen
6 dias atrás

Enquanto os E.U.A.N. já esta traçando caminhos e metas para a 6a.geração, outros ainda correm atrás da 5a.___ Quem poderia chegar junto se não a China e mais remotamente a Russia, esses tres paises se acompanham e observam em detalhe um ao outro com seus serviços de inteligência (e respectivos grupos de espiões e informantes).

Wagner
Wagner
5 dias atrás

Fico imaginando o nível de sofistificação… Novos materiais, técnicas construtivas que parecem mais ficção científica, sistemas eletrônicos… Será que conseguiram uma solução para computação quântica embarcada??? Seria impressionante se sim!

leonidas
leonidas
5 dias atrás

Se os americanos realmente tiverem interesse em conhecer toda a potencialidade deste tipo de caça, deveria ceder alguns em regime de “comodato” para as IDF’s.
Rapidinho elas iriam dizer para os norte americanos o quanto ele é superior ou não ao F 35 rs