Home Aviação de Ataque Israel afirma oposição às vendas de F-35 no Oriente Médio

Israel afirma oposição às vendas de F-35 no Oriente Médio

2286
65
F-35I Adir da IAF
F-35I Adir da IAF

Israel declarou categoricamente sua oposição à venda de caças Lockheed Martin F-35 para os Emirados Árabes Unidos, apesar da recente normalização das relações diplomáticas entre os dois países.

“O acordo de paz histórico entre Israel e os Emirados Árabes Unidos não incluiu o consentimento de Israel a qualquer acordo de armas entre os Estados Unidos e os Emirados Árabes Unidos”, disse o gabinete do primeiro-ministro de Israel (PMO).

“Desde o início, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu se opôs à venda de F-35s e outros armamentos avançados para qualquer país do Oriente Médio, incluindo países árabes que têm acordos de paz com o Estado de Israel.”

Em recentes intercâmbios diplomáticos de alto nível com autoridades dos EUA, Israel diz que ressaltou sua oposição à venda de “F-35s e outros armamentos avançados para qualquer país do Oriente Médio, incluindo aqueles com acordos de paz com Israel”.

“O acordo de paz com os Emirados Árabes Unidos não inclui nenhuma referência à venda de armas e os Estados Unidos deixaram claro que sempre tomarão o cuidado estrito para manter a vantagem qualitativa de Israel”, diz o PMO.

A declaração parece ser uma resposta a reportagens da mídia sugerindo a possibilidade renovada de uma venda do F-35 para Abu Dhabi.

Em 2017, o governo dos EUA disse que manteve discussões preliminares com Abu Dhabi sobre uma potencial venda do F-35, mas posteriormente desistiu de qualquer negócio potencial, para se concentrar na atualização da frota de caças Lockheed F-16 Bloco 60 dos Emirados Árabes Unidos.

Israel é o maior operador de equipamento de defesa dos EUA e o único operador do F-35 no Oriente Médio. Os dados de frotas Cirium indicam que o inventário da Força Aérea de Israel contém 21 caças F-35I ‘Adir’, com acordos para mais 23 exemplares.

Os países árabes também operam uma variedade de aeronaves de combate ocidentais.

FONTE: FlightGlobal

Subscribe
Notify of
guest
65 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
DOUGLAS TARGINO
DOUGLAS TARGINO
2 meses atrás

Bom, certo estão eles… Mas EUA com certeza vão vender, pois sabem que podem vender pelo menos umas duas centenas a esses países em médio prazo; e nessas horas o que manda é o “fazmerir”.

Peter nine-nine
Peter nine-nine
Reply to  DOUGLAS TARGINO
2 meses atrás

Certos eu não sei… mas.. O que Israel não quer é correr os riscos de perder importância estratégica mediante a possibilidade dos EUA armarem e apoiarem outro actor na região, dando a este uma posição de peso, digna de colocar Israel numa posição menos relevante em certas situações que possam surgir. Com outros actores de igual relevância na região, suponhamos, uma eventual acção soberana, moral ou imoral, de Israel na região, que não vá de encontro aos interesses do seu principal aliado, ou mesmo de aliados do seu aliado, pode originar um resultado onde Telavive encontre oposição de quem antes… Read more »

Andre
Andre
Reply to  Peter nine-nine
2 meses atrás

O que Israel quer é ser deixado em paz. Mas com vizinhos que insistem em dizer que vão varrer Israel do mapa, tem que estar preparado para a guerra.

Mesmo que vários paises da região tenham percebido que a aliança com a URSS foi catastrófica e os levou a uma derrota atrás de outra, e por isso se aproximaram do ocidente, 50 anos não é um tempo tão grande para eles esquecerem.

Carlos Eduardo Broglio Gasperin
Carlos Eduardo Broglio Gasperin
2 meses atrás

Se vocês fossem apostar num conflito mundial em larga escala , seria quem X quem e onde começaria? Ressalto que esperamos que isso não aconteça.

DOUGLAS TARGINO
DOUGLAS TARGINO
Reply to  Carlos Eduardo Broglio Gasperin
2 meses atrás

China e seus aliados x EUA e seus aliados.

(acredito que nessa até a Russia ficaria recuada, pois ela não confia na china e sabe que depois seria a próxima presa).

Teropode
Reply to  DOUGLAS TARGINO
2 meses atrás

Eu já acho que a Rússia faria um acordo de não agressão com a China e aproveitaria a peleja para invadir os países do báltico , Ucrânia e Polônia , eles não são confiáveis , a dúvida é : Após alguns anos do conflito , China impedida de importar minério , petróleo e viveres do além mar , será que ela irá se virar para o norte ? Caso vire espero que o ocidente não cometa o mesmo erro de patrocinar os traíras .

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  DOUGLAS TARGINO
2 meses atrás

quem seriam os aliados da China? a Rússia, ia ver a china estribuchando, mas não faria nada demais por ela.

Rodrigo
Rodrigo
Reply to  Carlos Eduardo Broglio Gasperin
2 meses atrás

Na minha opinião o local mais provável de acontecer uma escalada de conflito é no oriente médio(Turquia vs Grécia, Irã vs AS, Egito vs Turquia, Israel vs Irã e etc) , a china não vai arriscar um conflito em quanto os EUA não estiverem cambaleando.

Teropode
Reply to  Rodrigo
2 meses atrás

Nada disso , estas escaramuça entre eles é algo planejado para distrair e enganar o ocidente , basta observar a onda de imigrantes que vão para a Europa toda vez que alguém espirra no OM , neste caso ai eu acho que o domínio chinês será menos nocivo , e eles ao contrário do ocidente , não caem neste engodo de rivalidade religiosa .

Last edited 2 meses atrás by Teropode
Jota Ká
Jota Ká
Reply to  Carlos Eduardo Broglio Gasperin
2 meses atrás

Possibilidade mínima!
Com o alto grau de acesso às informações, população nenhuma toparia uma guerra total, mesmo a de países ditatoriais.
Isto dito, a potência decadente X a potência ascendente.

Teropode
Reply to  Jota Ká
2 meses atrás

Oque te dá esta certeza ? Vc acha que os dirigentes destas ditaduras não pensam nisto ? Já teve a oportunidade de conversar com um chinês radicado aqui ? Há propagandas estatais incentivando a cultura da superioridade oriental sobre os ocidentais , os jogos , os shows e os filmes sempre dão ênfase a está necessidade de derrotar o ocidente , é assim na China , CN , Irá , Paquistão . As informações que chegam são filtradas , não se esqueça disto .

Antoniokings
Antoniokings
2 meses atrás

Vender alguns tipos de armas para micro-países como EAU, Cingapura e etc. é apenas um meio de manter a indústria militar americana em funcionamento.
Isso em troca de ‘proteção’,
A utilidade desses aviões para os EAU é quase nula.
Serão destruídos junto com suas bases no primeiro dia de conflito.

Sagaz
Sagaz
Reply to  Antoniokings
2 meses atrás

Você consegue se superar a cada comentário, parabéns.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Sagaz
2 meses atrás

Com relação aos EAU, ainda dá para fazer frente contra alguns inimigos.
Mas países como Cingapura, Qatar, Brunei e etc.é questionável gastar fortunas com armas.

Plínio Jr
Plínio Jr
Reply to  Antoniokings
2 meses atrás

Qatar para virar um fantoche do Irã e Cingapura para virar uma marionete da China, assim para vc está legal..

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Plínio Jr
2 meses atrás

Se fosse o caso, virariam fantoches com ou sem essas armas.

Flanker
Flanker
Reply to  Antoniokings
2 meses atrás

Se fosse a china ou rússia que tivesse vendido caças para os EAU, vc não escreveria uma vírgula do que escreveu aqui….

MMerlin
MMerlin
Reply to  Antoniokings
2 meses atrás

Então explique, não em duas ou três linhas apenas, qual seria a estratégia militar utilizada e por quem para que esse seu plano mirabolante funcione.
E não venha falar de misseis hipersonicos e aviões stealth chineses que conseguem se locomover até debaixo d’água que não vai colar.
Lembrando que um ataque destes não ficaria impune uma vez que o país possui aliados. Então inclua nesse futuro estratagema variáveis como geopolítica, logística e o que mais envolve o assunto.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  MMerlin
2 meses atrás

Não existe estratégia militar possível nesses casos.
Esses pequenos países seriam esmagados em pouquíssimo tempo.
O melhor é manter boas relações políticas.

MMerlin
MMerlin
Reply to  Antoniokings
2 meses atrás

É… Atacar uma base onde estão localizadas uma dúzia de f-35 não necessita de uma estratégia de ação. Não é um aeroporto civil Kings… Não é um aeroporto…

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  MMerlin
2 meses atrás

Evidentemente que os aeroportos militares serão alvos prioritários.
E países com pequenos extensões territoriais terão sempre os seus sob ameaça dos inimigos.

Jagderband#44
Jagderband#44
Reply to  Antoniokings
2 meses atrás

Nossa, comentário de um garoto do sexto ano primário.

Hélio
Hélio
Reply to  Antoniokings
2 meses atrás

É só se lembrar da República de San Marino e sua doutrina de “se não é lembrado, não é atacado”. Não atoa é o país mais antigo do mundo ainda em pé. Mesmo quando Napoleão ofereceu armas e apoio para San Marino, eles recusaram com essa ideia, que foi elogiada inclusive por Napoleão, pasmem, por causa disso San Marino não foi absorvida na unificação italiana. Quem está resmungando pela fala do Antoniokings é fanboy que estaria dizendo o mesmo se a compra fosse do SU57. Oras, já cansaram de usar esse mesmo argumento para defender que o Brasil tenha forças… Read more »

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Hélio
2 meses atrás

Não precisa ir muito longe na História.
Basta ver o exemplo do Kuwait.
Foi invadido e dominado em poucas horas pelos iraquianos que nem eram lá essa potência toda.

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  MMerlin
2 meses atrás

Acho que o kings deve estar se referindo ao fato desses paises sitados, serem muito pequenos em território e não terem forças armadas grandes o suficiente oara segurar uma invasão em larga escala de um Iran por exemplo. Coisa que acho quase impossivel de acontecer devido a estratégia geopolitica deles.
Como exemplo a invasão do kuwat pelo Iraque.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Cristiano de Aquino Campos
2 meses atrás

Perfeito.
É isso que ei quero dizer.

Jacinto
Jacinto
Reply to  Cristiano de Aquino Campos
2 meses atrás

Eles não comprar armas para se defender, mas para sinalizar uma aliança geopolítica.

Plínio Jr
Plínio Jr
Reply to  Antoniokings
2 meses atrás

Micro países que rendem bilhões de dólares em contratos e geram milhares de empregos…vc se supera em seus comentários

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Plínio Jr
2 meses atrás

Vc acabou de ratificar o que eu escrevi acima.
Valeu!

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Antoniokings
2 meses atrás

Acabei de ler editorial sobre as perspectiva eleitorais nos EUA e a preferência de Rússia e China pela eleição de Trump.
Na China, Trump é conhecido como ‘Jianguo’, ou ‘aquele que constrói a China.’
Continuem os EUA fazendo alianças com EAU, Qatar e etc enquanto a China vai de Paquistão, Irã e outros.

Flanker
Flanker
Reply to  Antoniokings
2 meses atrás

Bah…Paquistão e irã são potências enormes…..os outros países brigam para serem aliados deles……

pangloss
pangloss
Reply to  Antoniokings
2 meses atrás

Mas quem atacaria os Emirados? O Irã? Valeria a pena?

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  pangloss
2 meses atrás

Acredito que não valeria a pena.
A motivação principal para as maiores disputas naquela região é (era) a riqueza econômica traduzida em petróleo.
Felizmente (ou infelizmente para alguns) o petróleo está perdendo rapidamente sua importância.

Gabriel Farias
Reply to  Antoniokings
2 meses atrás

Respeito sua opinião, porém acredito que o Irã não tem força para manter uma guerra aberta com EAU, Qatar, Israel ou qualquer outro desafeto na região, para os aiatolás é mais viável (e vantajoso) continuar mantendo suas “guerras por procuração” ou seja, continuar abastecendo o Hezbollah no Líbano, os rebeldes Houthis no Iêmen e por aí vai… além do mais, EAU, Qatar, Israel, Arábia Saudita e outros que eu nem preciso citar, tem acordo militares com os EUA. No Qatar por exemplo, os Estados Unidos tem a base militar de Al-Udeid, maior base militar americana no OM que inclusive é… Read more »

Last edited 2 meses atrás by Gabriel Farias
Teropode
Reply to  Gabriel Farias
2 meses atrás

Do jeito que vcs falam da a impressão que derrotar Hamas e Hesbolah é impossível , leva mal não mas ; por enquanto Israel está caçando as pulgas evitando queimar o cachorro , se resolverem esquecer o hábito cirúrgico está palhaçada acaba em algumas semanas , sem usar quebra de isótopos .

pangloss
pangloss
Reply to  Antoniokings
2 meses atrás

Antoniokings, acho que, de petróleo ou gás, ninguém ali no Golfo Pérsico tem do que reclamar. A verdadeira disputa é sobre a liderança política da região, que passa inevitavelmente pelo Islã. E os contendores são a Arábia Saudita e o Irã, um pior do que o outro. Nisso, os iranianos ficam em desvantagem contra os sauditas, pois o xiismo (ramo do islamismo predominante no Irã) abrange apenas 15% dos fiéis muçulmanos, ao passo que o sunismo abrange 85% desses fiéis, embora seja necessário ressalvar que a vertente sunita praticada na Arábia Saudita (o wahabismo) seja minoritária dentro do sunismo, dado… Read more »

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  pangloss
2 meses atrás

Realmente, existe um componente religioso nessa disputa.
E isso é imponderável.

Lucianno
Lucianno
Reply to  pangloss
2 meses atrás

Ninguém vai atacar os Emirados porque Al Dhafra é uma das maiores bases militares dos USA.E sim faz todos sentido os EAU comprarem F-35 e terem os USA como aliados.

LeoL
LeoL
Reply to  Antoniokings
2 meses atrás

Serão destruídos por quem ? Irã com aquela força aérea jurássica ? O melhor que eles tem voando é o Mig-29 das primeiras versões que nem a Rússia usa mais e os F-14 jurássicos. Isso contra mais de 100 unidades de F-16 das últimas versões e Mirage-2000. A força aérea iraniana seria dizimada mesmo sem F-35.

Flanker
Flanker
Reply to  Antoniokings
2 meses atrás

Vc repete esse mesmo discurso todas as vezes que os EUA vendam material bélico…..e eles continuam vendendo…e vc igual à um vinil quebrado……

Emmanuel
Emmanuel
Reply to  Antoniokings
2 meses atrás

Como você não tem conhecimento nenhum de história, aconselho a ler um pouco sobre a guerra IrãxIraque.
Tio Saddam pensava esse mesmo tipo de besteira.

Plínio Jr
Plínio Jr
2 meses atrás

Normal quando os EAU optaram pelo F-16 os israelenses bateram o pé e surgiu uma versão customizada para o Emirado, vejo o mesmo caminho para aquisição do F-35 …mais um potencial cliente do F-35 , por isto o Kings fica doido

Lucianno
Lucianno
2 meses atrás

Se o F-35 fosse tão problemático e ruim como muitos afirmam, Israel não teria esse tipo de preocupação.

Welington S.
Welington S.
Reply to  Lucianno
2 meses atrás

Mas o F-35 de Israel não passou por atualizações deles mesmos? Ou eles compraram dos States e ficou do jeito que ficou?

Last edited 2 meses atrás by Welington S.
Salim
Salim
Reply to  Welington S.
2 meses atrás

Israel tem status especial de desenvolvedor, eles podem alterar software, incluir armamentos novos , incluir sistemas de defesa nativo. O tio Sam aproveita isto para desbugar f35.

Andre
Andre
Reply to  Welington S.
2 meses atrás

A prova que o f35 é tudo isso que a propaganda fala, é Israel ser contra sua venda para os árabes, mesmo que esses vendidos não tenham upgrades israelenses…

Luiz Trindade
Luiz Trindade
2 meses atrás

Tava estranhando essa venda para os Emirados Árabes Unidos… Agora Israel deixou bem claro seu posicionamento!

Salim
Salim
Reply to  Luiz Trindade
2 meses atrás

Posicionamento de Israel e proteger sua população e território, o que e correto.

Luiz Trindade
Luiz Trindade
Reply to  Salim
2 meses atrás

E ninguém esta questionando isso Salim. Só comentei que estava demorando demais Israel se pronunciar!

Salim
Salim
Reply to  Luiz Trindade
2 meses atrás

Ok.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
2 meses atrás

Gato escaldado tem medo de água fria, os israelenses tem suas razões para não confiar, mas não sei se vão conseguir impedir essa venda. Os EUA tem bases importantes nos Emirados, são dois aliados importantes para os americanos e vai ser um nó difícil de desatar.

Gabriel BR
Gabriel BR
2 meses atrás

A Rússia vai vender

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
2 meses atrás

“Desde o início, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu se opôs à venda de F-35s e outros armamentos avançados para qualquer país do Oriente Médio, incluindo países árabes que têm acordos de paz com o Estado de Israel.”

Qual o medo de Israel?! Para mim isso é Chororô…

Eles não estão na vanguarda bélica no OM?! Eles tem know-how tecnológico,são disciplinados e suas forças são superiores a qualquer um da região.

Recebem bilhões dos eua e sempre foram beneficiados militarmente

leonidas
leonidas
2 meses atrás

Vou repostar aqui o que ja fiz em outro site: È obvio que os EUA não podem confiar no presente para entregar estes caças. É impressionante como o ocidente teima em ignorar algo OBVIO naquela região, são países ISLÂMICOS. Governados por elites que tem pouca ou nenhuma relação verdadeira com seu povo, o Irã JÁ MOSTROU como isso funciona. Em algum momento há uma insurreição popular e TODAS as vezes que o povo desses países são ouvidos o que ocorre é a tomada do poder por fundamentalistas, a realidade esta ai para livre consulta: Turquia, Faixa de Gaza (eleição do… Read more »

Salim
Salim
Reply to  leonidas
2 meses atrás

E mais ou menos isto ai.

Marcos
Marcos
2 meses atrás

Isso só prova o contrário do que tantos diziam a respeito do F35. avião com um milhão de problemas…. etc etc. Se Israel é contra, eles sabem o poder que eles tem nas mãos e não vão querer abrir mão desta superioridade. Fato.

Salim
Salim
2 meses atrás

Os equipamentos americanos em Israel visa coibir indústria militar israelense. Quando fizeram kifir e depois Lavi os EUA liberaram f16 e f15. Israel como Suécia tem competência e equipamentos militares boa qualidade e concorrem diretamente com EUA os preços equipamentos israelenses e poucas restrições a repasse material de ponta e um empecilho a vendas americanas. Os vants e iron dome são exemplos bem como repotencializacao caças São exemplos disto. Se Israel fizer caça competitivo e bater em seus agressores como fazem hoje fica difícil segurar vendas destes caças (Argentina e Colômbia compraram k fir aqui América do Sul ).

Ersn
Ersn
2 meses atrás

Da até para imaginar a versão de exportação para os árabes do F35,tipo o a versão A1M do Abrams que empurraram nos iraquianos que não aguentava nem disparo de RPG-9.

Tiger 777
Tiger 777
2 meses atrás

Tio Jacob, está chorando pra receber mais dinheiro. Rsssssss.
A venda vai ocorrer, quer Israel queira ou não. Basta ver o caso do Awacs vendido pra Arábia Saudita.
A questão é saber se os Emirados tem pessoal qualificado para manejar estas máquinas…

Ersn
Ersn
Reply to  Tiger 777
2 meses atrás

Material humano e o diferencial ou acredita.mesmo que os E3AWACS da RSAF que vetoraram caças na Desert Strom eram tripulados por controladores sauditas, os caras até hoje prescisam de técnicos americanos para manter os motores dos F15C que operam desde os anos 80.

Fabio Jeffer
Fabio Jeffer
2 meses atrás

Eu entendo as preocupações de de Israel, mas as vezes eles são de uma petulância e hipocrisia que não tem limites.

Salim
Salim
Reply to  Fabio Jeffer
2 meses atrás

Estão defendendo sua população e território. O que você faria!?!! Difícil náo brigar por isto.

Carlos Campos
Carlos Campos
2 meses atrás

o F35 é tão ruim, que Israel tem medo de os vizinhos os terem.

Andre
Andre
2 meses atrás

Já estão brigando para comprar o f35 e o coitadinho do su57 não está nem operacional….

Imagino a saudades que uns e outros devem ter da URSS.

IBIZ
IBIZ
2 meses atrás

Uma coisa que se pode ler nas entrelinhas dessa questão é como a industria aeronáutica e de tecnologia israelense, mesmo se desenvolvendo muito e se tornando uma referência mundial, é limitada pela dependência aos EUA. A essa altura eles poderiam já ter desenvolvido aeronaves de 5ª geração 100% israelenses e não precisariam de aval dos EUA para vender o que quisessem ou brigar para que os americanos não vendam o mesmo equipamento aos vizinhos!