Home Aviação de Transporte KC-390 da FAB pousa em Beirute levando carga de assistência humanitária

KC-390 da FAB pousa em Beirute levando carga de assistência humanitária

5583
101
Embraer KC-390

O KC-390 da FAB pousou há pouco no Líbano para descarregar cerca de 6 toneladas de medicamentos, alimentos e equipamentos de saúde para o atendimento emergencial das vítimas da explosão em Beirute.

A Força Aérea Brasileira (FAB) emprega duas aeronaves – o KC-390 Millennium e o Embraer 190 VC-2 – na missão especial humanitária brasileira a Beirute, na República Libanesa. Cerca de seis toneladas de carga, que inclui medicamentos, alimentos e equipamentos de saúde, doados pelo Ministério da Saúde e pela comunidade libanesa no Brasil, foram transportadas para Beirute nesta quarta-feira (12).

A decolagem ocorreu da Base Aérea de São Paulo (BASP) rumo a Fortaleza (CE), onde o primeiro intervalo técnico foi realizado. No total, cada aeronave fez cerca de 30 horas de voo.

O Governo brasileiro, conforme decisão do Presidente Jair Bolsonaro, enviou ajuda em resposta às devastadoras explosões que atingiram o porto de Beirute, no dia 4 de agosto.

A decisão foi anunciada no último domingo (9) pelo Presidente da República, em videoconferência com Chefes de Estado e de Governo para tratar das ações internacionais de apoio ao Líbano. O trabalho está sendo coordenado pelos Ministérios das Relações Exteriores, da Defesa e da Saúde, no âmbito do Grupo de Trabalho Interministerial sobre Cooperação Humanitária Internacional, cuja secretaria executiva cabe ao Itamaraty.

A aeronave multimissão KC-390 Millennium, maior aeronave militar fabricada no hemisfério sul, resultado da parceria entre a FAB e a Embraer, participa de sua primeira missão internacional com tripulação composta, exclusivamente, por militares da Força Aérea. Já a aeronave Embraer 190 VC-2 transporta a delegação da missão ao Líbano, chefiada pelo ex-Presidente da República Michel Temer, por convite do Presidente Jair Bolsonaro. Fazem parte da delegação, ainda, Senadores, Autoridades Federais,Representantes da Comunidade Libanesa no Brasil e especialistas em assistência humanitária.

Nesta missão, o Ministério da Saúde envia medicamentos e insumos básicos de saúde como antibióticos, corticoides, analgésicos,ataduras, seringas e cateteres.Além disso, são transportadas mais 100 mil máscaras cirúrgicas, 300 ventiladores pulmonares mecânicos e alimentos, doados pela comunidade de origem libanesa no Brasil.

Trajeto das aeronaves

Ida: Guarulhos – Fortaleza – Ilha do Sal – Valência – Beirute

FONTE: Força Aérea Brasileira

Subscribe
Notify of
guest
101 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
1 mês atrás

Graças a essa infeliz pandemia e, agora, graças ao desastre do Líbano, o KC está tendo a oportunidade de mostrar ao que veio, e tá sendo muito voado. Imagine se não tivéssemos essa aeronave, no atual contexto?
A única coisa “boa” na atual situação, é a oportunidade de mostrar ao mundo a qualidade desss seronave.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Willber Rodrigues
1 mês atrás

Olá Wilber. Pois é. No início da pandemia, comentei aqui que a FAB poderia usar os KC390 para buscar os material na China para evitar o desabastecimento de equipamentos e material (a maioria me criticou). Esta missão da FAB para levar material para o Líbano mostra que eu estava certo.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Pois é….se temos essa aeronave, nada mais lógico do que usá-la e, de quebra, mostrá-la o mundo.

sagaz
sagaz
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Não desmerecendo a FAB ou o C390, mas está sendo infinitamente mais viável contar com as empresas privadas para a logística referente aos insumos chineses, possuem aviões de grande porte e uma terrível ociosidade. Latam e Azul principalmente. Abraços

Camargoer
Camargoer
Reply to  sagaz
1 mês atrás

Olá Sagaz. Em janeiro/fevereiro havia problemas para fretar aviões comerciais (O MInistério da Saúde pediu para a Vale fretar os aviões em um acordo governo-empresa). Além disso, havia problemas para garantir o embarque dos produtos, já que alguns governos estavam pagando um ágio sobre as vendas para garantir os produtos. Naquele contexto, fazia sentido enviar os KC390.

Valter Sales
Valter Sales
Reply to  sagaz
1 mês atrás

É uma oportunidade única para a FAB conseguir umas 4 células de Boeing 767 300 ER/ ou Airbus A 330 e converte-los para MRTT

Marcos Bastos
Marcos Bastos
Reply to  sagaz
1 mês atrás

É melhor unir esforços, isso sim.

Robsonmkt
Reply to  Willber Rodrigues
1 mês atrás

Seria interessante ver também o KC-390 combatendo queimadas na Amazônia e no Centro-Oeste. O atual momento de poucas chuvas tem dificultado muito a vida dos bombeiros e brigadistas.

JNeres
JNeres
Reply to  Robsonmkt
1 mês atrás

Concordo, mas não sei se o kit já está homologado. Com certeza seria muito importante, não só o KC-390 como qualquer aeronave de grande porte, pois nas notícias eu mal vejo helicópteros.

Valter Sales
Valter Sales
Reply to  JNeres
1 mês atrás

Tem que homologar a aeronave e os tripulantes também.

Valter Sales
Valter Sales
Reply to  Valter Sales
1 mês atrás

Coisa para 2021

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Robsonmkt
1 mês atrás

Tem que ver se o KC já teve certificação pra isso. Caso contrário, vão ser usados os Hércules mesmo.

sagaz
sagaz
Reply to  Willber Rodrigues
1 mês atrás

Com todas as minhas limitações eu só consigo avaliar o risco de colocar a “jóia” que possuo para realizar missões de maior risco em baixa altitude e velocidade em meio a um cenário de diversas temperaturas, fuligem, etc.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  sagaz
1 mês atrás

A menos que eu esteja errado, o KC já foi projetado para que uma das suas funções seja o combate a incêndio florestal. Inclusive, esse foi um dos motivos que levaram Portugal a adquirir o KC.
Obviamente, precisa de um equipamento adequado a função e precisa passar por certificações antes…

Rommelqe
Rommelqe
Reply to  sagaz
1 mês atrás

Concordo! O kit anti-incêndio em si, pelo menos aquele que a FAB dispõe, não requer nenhuma adaptação complexa, podendo ser instalado/fixado de forma relativamente simples e rápida. O importante, como você bem colocou, é certificar o voo em baixa altitude, diversas temperaturas do ar, fuligem, peso variável nestas condições ( porque a ejeção da água misturada com gel se dá muito rapidamente), com a porta da rampa aberta, etc.

charles
charles
1 mês atrás

Ajuda Necessária ao Desastre Ocorrido. Como leigo, fica a dúvida sobre a denominação do cargueiro da Embraer. A terminologia não teria mudado de KC-390 para C-390? A letra “K” é de abastecedor? isso?

Tomcat4,2
Tomcat4,2
Reply to  charles
1 mês atrás

Correto, mas todos os os atuais aviões desta versão na FAB são KC’s, pode ser que alguns saiam da Embraer sem o sistema para abastecer outras aeronaves mas por enquanto todos possuem e sendo assim são Kc-390.

Ivaldo
Ivaldo
Reply to  Tomcat4,2
1 mês atrás

Na verdade o avião mudou de nome mesmo, para C-390 Milllenium. Isso independe de kits e atributos. Com o acordo para a Boing entrar com as vendas, o nome foi mudado Agora, a confusão eh geral, uns chamam de KC, outros de C, e ainda tem o Millenium no meio.

Last edited 1 mês atrás by Ivaldo
Fernando EMB
Fernando EMB
Reply to  Ivaldo
1 mês atrás

Millenium é o nome que foi dado. KC se refere aos aviões que podem realizar a missão de reabastecimento de receberem o kit. O C-390 é o modelo que não pode recebeu o kit, e portanto não realiza as missões de refueling.
São dois modelos… KC-390 ou C-390. Os da FAB são todos KC.
Cadê a confusão!?!

Rommelqe
Rommelqe
Reply to  Fernando EMB
1 mês atrás

Caro Fernando: não consigo deixar de nomear por KC390. O nome Millenium não é ruim, mas não consigo chamar esta extraordinária aeronave por esse “apelido”….kkkkkkkkkkkkkkkkcccccccccc….
Agora, falando sério, a variante C390 acho muito importante no sentido de torná-la economicamente mais competitiva. Vc pode nos dizer qual é o “desconto” sem os acessórios?

Fernando EMB
Fernando EMB
Reply to  charles
1 mês atrás

Todos os aviões da FAB são KC, pois estão prontos para receber o kit de reabastecimento em voo.

Camargoer
Camargoer
Reply to  charles
1 mês atrás

Olá Charles. Exato. “A” é para ataque (como o AMX A-1 e o supertucano A29). “C” para transporte (como no C130, no Bandeirante C95, no Caravan C98 e no Amazonas C105). “E” serve para o apoio aereo por radae (E-99). “F” é para os caças (Os MIrage III eram F103, F5M, os Mirage 2000 eram F2000, Acho que o Gripen será F39). “H” para helicóptero. “K” é para reabastecedores (como o KC130 e o KC390). Repare que o KC130 é diferente do C130, poia um serve para tranporte e para reabastecimento aéreo, o outro apenas para transporte. “P” para aviões… Read more »

Alessandro Vargas
Alessandro Vargas
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Nada como uma explicação de Mestre!

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Sempre tive a ideia de que ‘E’-XX eram aeronaves de Guerra Eletrônica, independente se está detectando ou interferindo em sinais. Já ‘R’ seria para Reconhecimento. Inclusive a FAB utiliza, ou utilizava (estou desatualizado) Learjets com a designação R-35.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Leandro Costa
1 mês atrás

Olá Leandro. Montei a tabela meio de memória. Acho que você tem razão sobre o “R” ser de reconhecimento e o “E” guerra eletrônica.

charles
charles
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Muito Grato pela explanação gentil e educada.

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

F é de Fighter. E é Guerra Eletrônica. R de Reconhecimento.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Rinaldo Nery
1 mês atrás

Olá Cel.Nery. Obrigado pela correção.

OSEIAS
OSEIAS
1 mês atrás

É isso que queremos ver, nosso país grande, ajudando a quem necessita. É muito melhor ajudar do que ser ajudado, essa é a natureza da necessidade, não queremos passar nunca por isso.

Eliakim
Eliakim
Reply to  OSEIAS
1 mês atrás

Exatamente, esse é o espírito!

Fabio Araujo
Fabio Araujo
1 mês atrás

A situação não foi das melhores, mas um avião de transporte tático mostra suas qualidades principalmente nessas horas.

Funcionario da Comlurb
Funcionario da Comlurb
Reply to  Fabio Araujo
1 mês atrás

Se a FAB ainda tivesse o B767 Essa missa teria sido cumprida sem escalas e utilizando apenas 1 avião.

Mauro
Mauro
Reply to  Funcionario da Comlurb
1 mês atrás

O 767 leva ambulância, blindado Guarani, bateria de Astros, reabastece em voo, faz missão SAR e apaga fogo também?

Fica com teu complexo, ficamos com nosso avião.

Funcionario da Comlurb
Funcionario da Comlurb
Reply to  Mauro
1 mês atrás

O problema de comentar aqui é exatamente esse. Aparecem ignorantes e mal educados como você é já começam a agredir. Minha opinião é a que expus acima, goste você ou não. Se não achou correto, argumenta. Agressão é coisa de gente infantil e sem argumentos.

Em momento algum disse que o KC é um avião ruim. O que disse é que o B767 pelo seu alcance e capacidade de carga, seria o mais correto para está missão.

Faça um curso de interpretação de texto.

pgusmao
pgusmao
Reply to  Funcionario da Comlurb
1 mês atrás

Concordo 100%, gosto de comentar aqui, mas as vezes somos surpreendidos por “especialistas” agressivos e sem educação, essas pessoas não entendem que aqui é um lugar para trocarmos experiências e pontos de vista, um lugar de aprendizado muitas vezes!!!

Mayuan
Mayuan
Reply to  Funcionario da Comlurb
1 mês atrás

Logisticamente pensando talvez fosse o mais adequado mas discordo que fosse o mais correto. Essa missão não tem apenas o caráter humanitário mas também o político, diplomático e econômico. Ela serve para demonstrar na prática a capacidade do avião para potenciais compradores. Quando a mídia der a notícia que o Brasil ajudou o Líbano, muito provavelmente terá uma foto do KC390 ilustrando.

Rene Dos Reis
Rene Dos Reis
Reply to  Mayuan
1 mês atrás

concordo , e o bicho e bonito pra KC

Rommelqe
Rommelqe
Reply to  Mayuan
1 mês atrás

Exato Mayuan. Entendo que o conceito desta missão extrapola, evidentemente, os aspectos especificos da aeronave em si. Até concordo com o Comlurb quando citou o 767, o qual para determinadas missões é excelente, mas o emprego do KC390 neste caso tem um enorme apelo emocional, representando, primordialmente, a solidariedade de um país que abriga descendentes libaneses em muito maior número aqui no Brasil do que a própria população do Líbano. O emprego do KC390 também tem um outro aspecto operacional importante, além de, evidentemente, ter cumprido competentemente, com sua missão. Entendo que não só permite a descarga muito mais rapidamente… Read more »

Camargoer
Camargoer
Reply to  Mauro
1 mês atrás

Ola Mauro. Ach oque depende da versão do 767. Creio que o avião que a FAB operava tinha dois decks, um de passageiro e outro de carga. Para transportar uma ambulância, precisaria ser um avião com apenas um deck de carga.

Funcionario da Comlurb
Funcionario da Comlurb
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Sim Camargo

Tinha dois decks. O B767 Poderia levar a comitiva política e muito mais que 6 toneladas de suprimentos , sem escalas, tido isso num unico aviao.

Sairia até mais barato.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
Reply to  Funcionario da Comlurb
1 mês atrás

Mas o 767 é outra categoria e o desenvolvimento de um avião de transporte é importante para um país tão grande quanto o nosso.

Funcionario da Comlurb
Funcionario da Comlurb
Reply to  Fabio Araujo
1 mês atrás

Sim Fábio.

O KC é excelente para transporte tático, mas não é adequado para deslocamentos de longa distância, como mostra a quantidade de paradas para reabastecimento.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
Reply to  Funcionario da Comlurb
1 mês atrás

Tá certo que ele não é projetado para voos muito longos, mas nesse caso além da missão em si o voo esta servindo de propaganda para a aeronave, muitos países estão com sua frota de C-130 no limite e estão começando a pensar entre fazer uma modernização ou comprar novos e nesse tipo de missão mostramos que o KC-390 é uma boa opção.

Last edited 1 mês atrás by Fabio Araujo
Mauro
Mauro
Reply to  Funcionario da Comlurb
1 mês atrás

As paradas tem a ver com o descanso da tripulação, não podem voar por horas e horas sem parar, são normais internacionais, tem que parar para dormir ou trocar por um tripulação descansada. Outra coisa, essa viagem durou muito menos do que duraria se fosse utilizado o C-130, pela sua relativa baixa velocidade, e as paradas seriam as mesmas, o C-130 faz escalas onde o C-130 também o faz. Quando a FAB solicitiou a Embraer projetar um avião dessa categoria, foi dado como exemplo que o avião cumprisse as mesmas missões do C-130, tipo, transportar uma determinada carga padrão entre… Read more »

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Mauro
1 mês atrás

Ninguém disse que o KC-390 foi projetado para ser transporte estratégico. A FAB encomendou um transporte tático e recebeu uma aeronave de transporte tático fantástica.

A argumentação aqui é que para deslocamentos mais longos umas poucas aeronaves de transporte de maior alcance podem estar se fazendo necessárias.

E a sua explicação de que ‘são normas internacionais’ o descanso da tripulação ser o motivo das paradas técnicas, não faz qualquer sentido.

Funcionario da Comlurb
Funcionario da Comlurb
Reply to  Leandro Costa
1 mês atrás

Exatamente Leandro.

Mauro
Mauro
Reply to  Leandro Costa
1 mês atrás

Você não dorme e nem descansa? não pode voar a partir de um determinado número de horas sem parar.

A Latam na Argentina tinha essas horas reduzidas por conta dos sindicatos, o custo era insustentável.

Na viagem para a China houve troca de tripulação na Espanha.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Mauro
1 mês atrás

Existe revezamento de tripulações e entre os tripulantes. Não precisa pousar para isso. Caso contrário não teríamos vôos diretos entre um continente e outro. Para que ter uma linha voando B.777 se ele tem que parar no meio do caminho para trocar tripulação? Não faz sentido.

O caso da China foi um deslocamento bem mais longo sendo recomendada a troca de tripulações.

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Mauro
1 mês atrás

Amigo, chama-se Limitação de Jornada. No Brasil são 11 horas, variando se período noturno ou diurno. A lei na Argentina não é tão diferente assim. O Chile usa os parâmetros norte americanos (14 horas), que é quase inviável (excesso de fadiga).

Victor F.
Victor F.
Reply to  Mauro
1 mês atrás

Mauro, permita-me discordar, mas a parada em Fortaleza, por exemplo, não faz sentido no seu comentário. Se fosse assim, não existiria o voo direto de Garulhos para Paris ou o do Galeão para Lisboa. Talvez a questão tenha mais a ver com questões técnicas da missão.

Rommelqe
Rommelqe
Reply to  Funcionario da Comlurb
1 mês atrás

Caro Comlurb, entendo seu ponto de vista e não discordo, em termos. É claro que um 767 é projetado para voos de longa distância e na sua versão cargueira ou mesmo na sua versão “normal” possui uma capacidade de carga superior ao KC. Mas são duas aeronaves concebidas e destinadas a missões muito diferentes! Assim como não veremos jamais um 767 operando numa pista de pelotão de fronteira na Amazônia, dificilmente veremos um KC390 levando turistas de São Paulo a Milão ( rota que já fiz confortavelmente em 767). Assim enquanto no começo da pandemia era muito melhor contratar aviões… Read more »

Camargoer
Camargoer
Reply to  Funcionario da Comlurb
1 mês atrás

Olá FC. De fato. Passando esta fase crítica, talvez seja possível a FAB adquirir dois 767 ou dois Airbus de desempenho similar. Por enquanto tem que usar o KC390 que é superior ao C130

Fabio Araujo
Fabio Araujo
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Sim vamos precisar de aviões que façam a função de transporte de passageiros e possam ser rapidamente convertidos para cargas e o 767 é uma boa opção como também aviões puramente de carga de maior alcance como o A-400. Mas como falei temos que aproveitar as oportunidades para fazer a propaganda do KC-390.

sagaz
sagaz
Reply to  Funcionario da Comlurb
1 mês atrás

Fala com teu amigo “funcionário dos correios”, seria melhor ainda os Correios enviarem, se não for extraviado ou roubado chega em até 90 dias. Mas a privatização vem aí!

Funcionario da Comlurb
Funcionario da Comlurb
Reply to  sagaz
1 mês atrás

Prezado,

O tipo de comentário que vc escreveu é que engrandece esse Blog.

Abs.

Sergio Cintra
Sergio Cintra
Reply to  Funcionario da Comlurb
1 mês atrás

Existem pontos a considerar no comparativo KC x MD-11:

  • Motorizações diferentes, alem do no. de propulsores.
  • Estrutura e concepções aerodinâmicas de propostas diferentes
  • cargas acomodadas, pois não sabemos o pay-load imposto
  • rotas escolhidas, pois normalmente os MD’s, acompanham a costa até Recife e proam sentido Dacar.

Em minha opinião, podemos utilizar comparativos “N”, mas sendo justos. Assim digo se e “SE” fosse um “Concorde” na comparação já teria chego a Londres.
Não gosto dos franceses, só das ..sas”. Opinião!

Gabriel Farias
1 mês atrás

O vídeo dele pousando no aeroporto de Beirute mostra o quão imponente é esta aeronave. Além de linda, é extremamente estratégica para nosso país!

Fernando C. Vidoto
Fernando C. Vidoto
1 mês atrás

Caraca o bicho tá bonitão msm.

Bateu orgulho aqui XD.

Fernando C. Vidoto
Fernando C. Vidoto
1 mês atrás

Entendo as críticas sobre a ajuda.

Sim e óbvio que existe política tb.

Mauro
Mauro
1 mês atrás

A ajuda material maior vai de navio, essa ajuda foi a emergencial, um ato político e de política externa, suprimentos médicos para um mês para atender 40 mil pessoas. Serão 4 mil toneladas de arroz, creio que o agro deverá aportar mais produtos até lá, o provável é que seja num navio da Marinha, de preferência o A-140 seria o ideal. Sobre transporte maior, o único que seria realmente um diferencial, e seria realmente estratégico, seria o C-17. Não sei se os EUA vendem usado, ou se ainda há algum em boas condições de voo estocado no deserto, qualquer outro… Read more »

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Mauro
1 mês atrás

Usar o A-140 para levar grãos?! Não é mais fácil simplesmente contratar um navio de carga próprio para o transporte de grãos? Vai facilitar embarque/desembarque tranquilamente.

Não precisamos de uma aeronave de transporte estratégico militar. Podemos muito bem utilizar versões ‘kombi’ de aeronaves civis à um custo de operação muito menor.

Mauro
Mauro
Reply to  Leandro Costa
1 mês atrás

Que avião você sugere transportar 4 mil toneladas de arroz, só o que foi anunciado até agora? Tem a ver com a Bandeira rapaz, esse missão no Líbano é política e geopolítica, tem a ver com a nossa Bandeira. Tem país aqui do lado se mordendo todo por causa dessa missão, sua imprensa que malha o Brasil 24 horas por dia não deu uma única linha dessa missão no Líbano desde domingo quando foi anunciada, toda a imprensa desse país está em silêncio sobre essa missão do Brasil no Líbano, isso é geo político, estão meio que surpresos. Mandar o… Read more »

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Mauro
1 mês atrás

Mauro, imagine a cena ridícula que seria o desembarque de quatro mil toneladas de arroz à partir da Nau Capitânia da Esquadra de um país. Trump vai gostar da ideia e mandar o USS Gerald Ford entregar 40 mil toneladas de milho! LOL! Pera lá, né? Isso não é geopolítica, isso é geocomédia! O bicho vai chegar no porto de Beirute e os funcionários do porto vão se perguntar como desembarcar grãos dessa bagaça. Vai ocupar espaço e tempo demais que poderia estar sendo utilizado por navios de carga trazendo mais mantimentos, e tudo porque um idiota pomposo do outro… Read more »

Nilo Rodarte
Nilo Rodarte
Reply to  Mauro
1 mês atrás

Comentário irretocável. Assino embaixo.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Mauro
1 mês atrás

Geocomédia. Meu comentário está aguardando moderação.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Mauro
1 mês atrás

Mauro, mandar o A140 a Nau Capitânia de uma Esquadra, fazer entrega de grãos é geocomédia, não é geopolítica. O Trump vai gostar da idéia e mandar o USS Gerald Ford entregar mais 10 mil toneladas de milho! LOL! Geopolítica se faz com eficiência, propósito, competência para se cumprir o claro objetivo. Agora imagina só isso chegando em Beirute, um porto arrasado, com um navio desses ao invés de um navio apropriado. Vai gastar bem mais espaço e bem mais tempo para desembarcar, até porque os funcionários do porto não vão fazer a mínima ideia de como descarregar grãos desse… Read more »

Rommelqe
Rommelqe
Reply to  Mauro
1 mês atrás

Prezado Mauro: concordo com o conceito. De fato o Brasil está expressando, antes de mais nada, sua solidariedade a um povo amigo. Lógico que so falar não é suficiente. Nesta missão o emprego de DUAS aeronaves brasileiras demonstrando nossa capacidade de tentar ajudar é muito emblemática! Agirá o uso do A140 seria ao meu ver muito inadequada. Concordo neste ponto com o Mauro. Notar também que nossa marinha já está lá há anos, prestando uma claríssima ação no sentido de colaborar com a paz na região! Abs

Mayuan
Mayuan
Reply to  Mauro
1 mês atrás

Com todo respeito mas dentre alguns tipos diferentes de navios capazes de transportar produtos agrícolas para Líbano, o A140 é um.dos menos indicados.

MMerlin
MMerlin
Reply to  Mauro
1 mês atrás

Utilizar o A-140 para transporte de 4 mil toneladas de grãos é totalmente ilógico independente do benefício político, econômico, militar e humanitário que a ação possa ter.
Existem inúmeros graneleiros que poderiam fazê-lo a um custo muito menor. E o valor economizado ainda poderia ser utilizado para aumentar a quantidade doada.
Lembrando que nosso país possui embarcações que figuram em os que mais suportam carga, chegando a 400 mil toneladas. A média desses navios fica perto de 50 mil toneladas.

Last edited 1 mês atrás by MMerlin
JuggerBR
JuggerBR
1 mês atrás

Se não tivesse os KC-390 operacionais, o que teríamos pra fazer esta viagem? Hercules? Outros aviões ainda menores?

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  JuggerBR
1 mês atrás

C-130 mesmo, ou avião fretado.

João Adaime
João Adaime
1 mês atrás

No finalzinho do vídeo ver o KC-390 junto ao E-190 presidencial num outro país é de deixar qualquer patriota orgulhoso.

Edu
Edu
Reply to  João Adaime
1 mês atrás

Tenho a impressão que “patriotas” fanboys dos estadunidenses não devem ter gostado muito. Certamente prefeririam ver um Hércules e um Boeing 737 nesta missão.

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
1 mês atrás

Melhorou muito o nível dos comentários, relativo aos da primeira matéria sobre o tema. Na primeira, só mimimi e bobagens. Sem contar um VTNC de um comentarista sem noção. ¨Se gostasse de mimimi, comprava um gato gago¨.

Funcionario da Comlurb
Funcionario da Comlurb
Reply to  Rinaldo Nery
1 mês atrás

Com todo o respeito, discordo.

Salvo raras exceções , quem comenta aqui são pessoas ignorantes nos assuntos, agressivos , Maria vai com as outras e gente que precisa de acompanhamento psicológico.

MMerlin
MMerlin
Reply to  Funcionario da Comlurb
1 mês atrás

Concordo que existam figuras “diferenciadas” aqui no espaço, mas nenhuma que concentre todos esses adjetivos.
Se a área de comentários está lhe fazendo mal a ponto de incomodar, recomendo que deixe o espaço ou apenas se restrinja ao artigo.

A Trilogia, dentre todos os espaços de assuntos militares, se diferencia exatamente pela liberdade na postagem dos comentários, sendo o menos moderado. A grande vantagem é a agilidade na troca de informações e discussões a respeito dos assuntos.

Funcionario da Comlurb
Funcionario da Comlurb
Reply to  MMerlin
1 mês atrás

Prezado,

Agradeço sua recomendação, mas mantenho o que escrevi. Se você se auto enquadrou na na maioria, só atesta o que escrevi.

Ana.

Rommelqe
Rommelqe
Reply to  Rinaldo Nery
1 mês atrás

KKKKKKKKKKKKKK….CCCCCCCCCCC

Paulotd
Paulotd
1 mês atrás

Mais uma missão pra rasgar cash dos contribuintes. Imagina o gasto em combustível. Como se já não bastasse os problemas internos daqui

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Paulotd
1 mês atrás

Essa missão era necessária. Não acho que a comitiva teria sido necessária, mas a missão em si com o KC-390 foi bem oportuna.

Paulotd
Paulotd
Reply to  Leandro Costa
1 mês atrás

Fala isso pro rombo de 800 bilhões nas contas do governo esse ano, principalmente por conta de assistencialismo. Precisava? É relevante? E principalmente, temos condições?

Last edited 1 mês atrás by Paulotd
Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Paulotd
1 mês atrás

Sim. É relevante e temos condições.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Leandro Costa
1 mês atrás

Olá Leandro. Concordo com você.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Paulotd
1 mês atrás

Ola Paulo. Praticamente todos os países terão deficit este ano (e provavelmente nos próximos dois anos). O isolamento social (necessário) impactou na redução da demanda, reduzindo a arrecadação. Por outro lado, surgiram outras demandas que apenas o Estado tem condições de suprir, principalmente nas ações emergenciais, como instalação de hospitais de campanha, aquisição de suprimentos, contratação de pessoal auxiliar para o atendimento, renda emergencial. O Estado existe para atender á sociedade. Claro que o Estado tem condições de atender essas demandas emergenciais. A relação divida/PIB crescerá tanto pelo aumento da dívida quanto pela redução do PIB. A estimativa do FMI… Read more »

Paulotd
Paulotd
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Vou mandar a boleta pra vcs pagaram a parte de vcs, hehhehe. O rombo do Brasil proporcionalmente ao PIB é digno de terra arrasada10% do PIB já, o maior da história. Em vez de fechar a torneira ficam torrando dinheiro com missão pro outro lado do mundo. A gente precisa ter ajudado e não ajudar os outros. Mais de 100 mil mortos, poderíamos estar recebendo médicos chineses como a Itália, cargueiros com máscaras e testes. Mas a política externa desse governo é uma piada.

Last edited 1 mês atrás by Paulotd
Camargoer
Camargoer
Reply to  Paulotd
1 mês atrás

Caro Paulo.O Banco Central divulgou hoje a prévia do PIB do segundo trimestre. Desastrosos -11%. Isso reflete em uma baixa arrecadação e elevação da relação dívida/PIB. “Fechar as toneiras” irá aumentar essa queda da atividade econômica. O governos dos EUA fez isso da depressão da década de 1930, agravando a situação econômica e retardando a retomada da atividade industrial. Os governos de outros países (como o Brasil que comprou estoques da café para serem destruídos) conseguiram recuperar a economia antes dos EUA. Provavelmente, o post Ypiranga achava que a economia iria crescer por simples reação automática á queda acentuada em… Read more »

Rommelqe
Rommelqe
Reply to  Paulotd
1 mês atrás

Tenta vender UM KC390 por mala direta. Anunciemos no Mercado Livre. Numa boa, tá bom assim?

Camargoer
Camargoer
Reply to  Leandro Costa
1 mês atrás

Olá Leandro. Concordo com você (2).

MMerlin
MMerlin
Reply to  Leandro Costa
1 mês atrás

Depende do objetivo Leandro. Poucos sabem, mas o Líbano tem uma forte ligação com o Brasil, onde muitos empresários, políticos e gestores de grandes organizações possuem descendência do local. Neste momento, se faz necessária a ajuda humanitária. Em segundo momento, se faz necessária a reconstrução dos setores comercial e industrial, que será feito a médio e longo prazo. Então, acredito que a comitiva tenha ido levantar a necessidades para criação do vínculo com o comércio e indústria nacional (Brasil). Lembrando que Michel Temer é um dos políticos mencionados, sendo filho de libaneses. Tem inúmeros defeitos, mas é considerado por muitos… Read more »

Last edited 1 mês atrás by MMerlin
Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  MMerlin
1 mês atrás

MMerlin, eu realmente gostaria de crer que sim, que apesar de o governo Libanês ter caído, seu círculo de empresários e comerciantes tenha permanecido. Também quero crer que um contato inicial tenha sido feito com antecedência para viabilizar essas tratativas em pessoa. Só acho estranho não terem divulgado o propósito dessa comitiva, visto que o que foi falado foi apenas em termos genéricos.

Seja como for eu torço para que o que quer que esteja sendo acertado por lá seja produtivo.

MMerlin
MMerlin
Reply to  Leandro Costa
1 mês atrás

Quando comentei “empresários, políticos e gestores de grandes organizações” me referi a descendentes de libaneses residindo no Brasil.
São muitos. Devido a relação e, principalmente, situação, acredito que a comitiva agirá com o real objetivo para o qual foi criada. Seria até uma questão de fé, mas sem dúvida a desconfiança existe.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  MMerlin
1 mês atrás

Sim, com certeza. Eu havia entendido da primeira vez. Acho que temos coisa de 10 milhões de Libaneses e descendentes diretos deles por aqui.

Rommelqe
Rommelqe
Reply to  Paulotd
1 mês atrás

Moral e diplomaticamente falando nosso apoio é totalmente justificável.
Economicamente, se vender apenas um KC390 a mais, já pagou Infinitamente os gastos.

assis
1 mês atrás

Orgulho de ser brasileiro nestas horas!

Jacinto
Jacinto
1 mês atrás

Difícil afirmar que o Brasil está enviando assistência humanitária ao Líbano quando enche um avião de políticos e manda para lá…

Jean Jardino
Jean Jardino
1 mês atrás

Missao pinga pinga, o navio da Franca saiu depois e chegou antes dos avioes da FAB, que vergonha…rissssssssssss

Matheus
Matheus
Reply to  Jean Jardino
1 mês atrás

Será que é porque a França fica no lado do Líbano? Espertão.

Farroupilha
Farroupilha
Reply to  Artur Paulo
1 mês atrás

Triste a viralatice de alguns.
Se forem conferir os comentários desse link postado pelo colega, está lá o “mais 1”, fazendo o papelão de desmerecer esse incrível projeto de engenharia aeronáutica num site estrangeiro.
A que ponto chega essa criatura!..

Frederico
Frederico
1 mês atrás

FAB 2855 acaba de pousar em Amílcar Cabral

Screenshot_20200814-234414_Chrome.jpg
Marcos10
Marcos10
1 mês atrás

Os Emirados Árabes, através da Emirates, já fizeram mais de cinquenta voos com ajudar humanitária para o Líbano.
Brasil mandou dois aviões, um para fazer firula política.