Home Aviação de Ataque 48 anos do primeiro voo do caça F-5E Tiger II

48 anos do primeiro voo do caça F-5E Tiger II

2905
69
Northrop F-5E (Tail No. 11417). (U.S. Air Force photo)

O caça Northrop F-5E Tiger II voou pela primeira vez há 48 anos, em 11 de agosto de 1972.

Os jatos T-38 Talon, F-5A/B Freedom Fighter e F-5E e F-5F Tiger II são parte de uma família amplamente utilizada de jatos leves supersônicos, projetados e construídos pela Northrop dos Estados Unidos, começando no final de 1959.

Centenas permanecem em serviço em forças aéreas de todo o mundo e ainda deverão continuar operando nas primeiras décadas do século 21. Outro membro da família, o F-20 Tigershark, não seguiu adiante, embora tenha sido um avião de combate com performance formidável.

O F-5 começou sua vida como um caça financiado pela iniciativa privada, num programa da Northrop na década de 1950. A primeira geração do F-5A Freedom Fighter entrou em serviço em 1960. Mais de 800 foram produzidos até 1972 para os aliados dos EUA, durante a Guerra Fria. A USAF não tinha qualquer necessidade de um caça leve, mas precisava de um treinador supersônico, que se materializou no T-38 Talon, dos quais quase 1.187 foram produzidos.

Sua segunda geração, o F-5E Tiger II, também foi usada durante a Guerra Fria pelos aliados americanos e, em quantidades limitadas, pela aviação militar dos EUA, como agressor/adversário em treinamento de combate aéreo; a produção do Tiger II chegou a 1.400 unidades, terminando sua produção em 1987.

Muitos F-5s continuam em serviço, tendo sido submetidos a uma ampla variedade de programas de upgrade, para acompanhar a evolução do combate aéreo. O F-5 também tem uma versão dedicada à missões de reconhecimento, a RF-5 Tigereye.

As variantes F-5N/F também permanecem em serviço na Marinha dos Estados Unidos e no USMC, como adversário/agressor.

A Northrop fabricou 792 F-5Es, 140 F-5Fs e 12 RF-5Es, além de licenciar outros países para produzí-lo: 56 F-5Es e -Fs, mais 5 RF-5Es foram montados na Malásia, 90 F-5E/Fs na Suíça, 68 na Coréia do Sul e 308 em Taiwan.

O F-5 em combate

Em outubro de 1965 a USAF começou a avaliação de 5 meses em combate com o F-5A, num programa batizado Skoshi Tiger. Doze caças foram entregues ao 4503rd Tactical Fighter Wing e redesignados F-5C.

Eles voaram 3.500 surtidas no Vietnã sob a 3rd Tactical Fighter Wing, com duas aeronaves perdidas. O programa, que tinha um objetivo mais político do que técnico, foi declarado um sucesso.

Nas duas fotos acima, o F-5C operando durante a Guerra do Vietnã

A Força Aérea Imperial do Irã tornou-se um dos maiores operadores do F-5, recebendo muitas aeronaves nas décadas de 1960 e 70. Foram 104 F-5A e 23 F-5B em 1972.
De 1974 a 1976, o Irã também recebeu 166 F-5E/F e 15 RF-5E. Depois da revolução, a Força Aérea da República Islâmica do Irã conseguiu manter seus F-5 voando, com peças obtidas de outros países e, depois, produzidas localmente. (Atualmente, o Irã produz sua versão local do F-5, o “Saegeh”).

Durante a Guerra com o Iraque na década de 1980, os F-5s estiveram muito envolvidos, em missões ar-ar e ar-superfície. F-5s iranianos travaram muitos combates aéreos com caças iraquianos MiG-21, MiG-23, MiG-25, Su-20/22, Mirage F-1 e Super Étendards, obtendo muitas vitórias.

Caças F-5 do Irã

F-5E da Arábia Saudita

Entretanto, os registros de combate não são conhecidos, com diferentes resultados de fontes iraquianas, iranianas, russas e ocidentais.

Mas pode-se afirmar que, nos primeiros anos, as vitórias penderam para o F-5, graças à melhor tecnologia dos mísseis IR americanos, e mais tarde, a diferença caiu, com a obtenção de melhores mísseis e aeronaves pelo Iraque.

Em 1977, 2 caças F-5E da Etiópia teriam derrubado dois MiG-21MF da Somália e provocado o choque em vôo em outros dois MiGs, que tentaram escapar de um míssil AIM-9B. Entretanto, três F-5 etíopes foram derrubados por fogo antiaéreo em missões de ataque na Somália.

A Arábia Saudita, outro grande operador do F-5, empregou a aeronave na Guerra do Golfo em muitas missões em 1991, perdendo uma aeronave para o fogo antiaéreo.

Painel original do F-5E 4863 em 2002 – Foto – Nunão
Painel do F-5EM modernizado com telas multifunção – foto Poder Aéreo – Nunão
Northrop F-5F (Tail No. 00889) in flight. (U.S. Air Force photo)
F-15 Eagle e F-5E Tiger II, em 1984
F-5E da Marinha dos EUA
F-5E da Força Aérea Mexicana
Os F-5E da Tailândia comemoraram 40 anos de operação em 2018
F-5E da Tailândia
Northrop F-5E do Marrocos
Northrop F-5E do Marrocos
Northrop F-5E da Força Aérea Suíça
Northrop F-5E da Força Aérea Suíça
F-5Em da FAB com mísseis Python 4 e Derby
Subscribe
Notify of
guest
69 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
JuggerBR
JuggerBR
3 meses atrás

Northrop podia estar vendendo avião até hoje com o F-20 e possíveis versões atualizadas. F-5 se mostrou tão boa plataforma que permanece voando…

Solskhaer
Solskhaer
3 meses atrás

Parabéns “bicudão” velho de guerra!!🥫🤝

Jorge Knoll
3 meses atrás

F-5 Tiger II o fusca dos caças: bonito, prático, veloz e manutenção barata, mesmo se tratando de bi-reator, junto com o Phantom F-4II, escreveram uma linda e importante história na aviação de caças mundial.

JuggerBR
JuggerBR
Reply to  Jorge Knoll
3 meses atrás

Fusca não… tá mais pra Uno 1.6R… Pequeno, e rápido.

Daniel
Daniel
Reply to  JuggerBR
3 meses atrás

Fusca sim, diferente do Unos, qualquer combiarra feita em fundo de quintal faz ele rodar.
O PAMA-SP faz milagre e tira leite de pedra para mantê-los operacionais e há quem diga que irão voar até 2030, claro, os que ainda estiverem em condições de voar.

Last edited 3 meses atrás by Daniel
Flanker
Flanker
Reply to  JuggerBR
3 meses atrás

Um Fusca com motor original 1600 e dois carburadores Webber 40 e um comando de válvulas de SP2, quero ver o Uno 1.6R chegar perto.

Funcionário dos Correios
Funcionário dos Correios
3 meses atrás

Que trabalho magnifico fizeram na modernização dos nossos F5, mas é chegada a sua hora de se aposentar.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
3 meses atrás

Lembrando que o primeiro F-5 do mundo voa atualmente com o cocar da FAB na cauda.

Marcelo
Marcelo
Reply to  Willber Rodrigues
3 meses atrás

e eh esse da foto da Northrop com o piloto ao lado! Capaz de pedirem de volta quando der baixa para algum museu.

Willber Rodrigues
Willber Rodrigues
Reply to  Marcelo
3 meses atrás

Espero, sinceramente, que esse F-5 vá pra algum musel, seja aqui ou em outro lugar, quando ele for aposentado.
Qualquer outro destino pra essa aeronave seria um crime.

Pablo
Pablo
Reply to  Willber Rodrigues
3 meses atrás

depois de anos na FAB, não vejo outro lugar se não aqui!

Wagner
Wagner
Reply to  Pablo
3 meses atrás

Preservado? No país que deixa museus pegarem fogo, aeronaves históricas como o Jahu apodrecerem, que ridiculariza seus feitos militares, que não sabe o que fazer com o acervo do museu da TAM e cujo povo menospreza a história e só quer saber de pão e circo? Não. Prefiro que volte para os EUA e seja mantido ad infinitum em algum dos fantásticos museus aerospaciais que lá existem.

Rodrigo Maçolla
Rodrigo Maçolla
Reply to  Willber Rodrigues
3 meses atrás

Pois é, esse avião é histórico !! Espero que seja preservado com todas as honras que merece

Daniel
Daniel
Reply to  Willber Rodrigues
3 meses atrás

Sim, é o FAB 4861.

pampapoker
pampapoker
Reply to  Daniel
3 meses atrás

Errado amigo e o FAB 4856, inclusive foi o primeiro F 5 modernizado pela Embraer.

Daniel
Daniel
Reply to  pampapoker
3 meses atrás

Isso isso isso isso…. me equivoquei.

Flanker
Flanker
Reply to  pampapoker
3 meses atrás

E o segundo F-5E do mundo tb é da FAB, o 4857.

PACRF
PACRF
3 meses atrás

“Eles voaram 3.500 surtidas no Vietnã sob a 3rd Tactical Fighter Wing, com duas aeronaves perdidas.” Com esse excelente desempenho da força aérea norte-americana no Vietnã, fica a pergunta: por que, assim mesmo, perderam a guerra?

Last edited 3 meses atrás by PACRF
JuggerBR
JuggerBR
Reply to  PACRF
3 meses atrás

Porque não basta superioridade aérea pra vencer uma guerra. Sem a infantaria conseguir destruir os túneis e com restrições pra atacar todos os alvos não teve como eles vencerem. Olhando hoje, foi uma besteira entrar nesse conflito.

PACRF
PACRF
Reply to  JuggerBR
3 meses atrás

Conclusão: mesmo com o “excelente” desempenho da força aérea norte-americana, a participação da infantaria foi pífia.

ersn
ersn
Reply to  PACRF
3 meses atrás

não da para conquistar “corações e mentes ” ,quando tem avioes que despejam bombas incendiarias nas vilas ao redor,

Cláudio Severino da Silva
Cláudio Severino da Silva
Reply to  PACRF
3 meses atrás

Diga isso para os parentes dos dez mil mortos em combate, além dos feridos e incapacitados mentalmente. Não esqueça que o exército vietnamita derrotou os franceses, na mesma região. Foi a primeira guerra assimétrica em que os EUA se meteu. Os túneis fabricados pelos vietcongs, quando da guerra da Indochina, foram aperfeiçoados e aumentados no Vietnan.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Cláudio Severino da Silva
3 meses atrás

Dez mil mortos em combate? Aonde? Vietnã foram pouco mais que 58 mil mortos do lado americano. Sabe-se lá quantos Vietnamitas, mas chuto pra lá de 150 mil.

Andre
Andre
Reply to  PACRF
3 meses atrás

Porque o ocidente acreditou que os comunistas estavam falando a verdade quando assinaram o acordo de Paris em janeiro de 1973, nos moldes do que foi feito na Coréia. Em 1975 após a retirada das forças norte americanas, os comunistas invadiram e tomaram Saigon.

Os comunistas perderam todas as batalhas militares mas ganharam a guerra apoiados em uma mentira.

A guerra do Vietnã é o maior exemplo que apenas ganhar as batalhas não é suficiente para ganhar a guerra. Os soviéticos aprenderam a mesma coisa 10 anos depois…

Pablo
Pablo
Reply to  PACRF
3 meses atrás

quem disse que o EUA perdeu a guerra do Vietnã?

Thulio manhaes
Thulio manhaes
Reply to  Pablo
3 meses atrás

Verdade, tem gente q insiste ainda em dizer que os americanos perderam a guerra qd na verdade concluíram c êxito tds as missões q se propuseram a fazer, algumas missões dessa a duras penas mas concluíram, a verdade foi q dps q os americanos saíram do Vietnam o norte descumpriu o acordo e tomou o poder d volta.

Roberto Medeiros
Roberto Medeiros
Reply to  Pablo
3 meses atrás

Pensei a mesma coisa.
Gente, quem pediu trégua foi o Norte vietnamita e e assinou o Tratado de Paris. Com a guerra encerrada, os americanos se retiraram. O Norte vietnamita esperou a oportunidade de um governo americano q não iria intervir, e atacou o Vietnã. A retirada precipitada q é retratada em imagens, é da evacuação de civis americanos e de famílias (inclusive nativos) de funcionarios e militares lotados na embaixada.
Essa bistoria de que os EUA foram derrotados é pura propaganda

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Roberto Medeiros
3 meses atrás

Não é propaganda não. Perderam mesmo.

Andre
Andre
Reply to  Roberto Medeiros
3 meses atrás

Roberto, eles ganharam todas as batalhas, mas perderam a guerra, afinal, o.objetivo da guerra era impedir que os comunistas tivessem o dominio do pais.

Pablo
Pablo
Reply to  Andre
3 meses atrás

Os americanos fizeram um acordo de Paz e sairam do Vietnã (que teve muita pressao popular para essa saida), depois de sairem os norte vietnamitas descumpriram o acordo e os americanos perderam a guerra por ter feito um acordo de paz?

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Pablo
3 meses atrás

Você sabe como se deu o processo de paz? Quais os termos do acordo? Qual era o objetivo da guerra do Vietnã? Ele foi cumprido? As tratativas de paz começaram secretamente e com bastante antecedência. Os Norte-Vietnamitas jogaram bastante com o tempo, só que interpretaram totalmente errado o sistema de governo americano. Custou para eles (e muito) à entenderem que Nixon não era LBJ. Por causa disso levaram a Linebacker II na cabeça e foi terrível para eles, e os obrigou à assinar o acordo. O problema para os americanos era o fato de que a Guerra era um assunto… Read more »

Andre
Andre
Reply to  Pablo
3 meses atrás

Sim, perderam a guerra por terem feiton um acordo de paz e não terem garantido que ele seria posto em prática .

ersn
ersn
Reply to  PACRF
3 meses atrás

eles perderam a guerra porque os sul vietnamitas não tinham vontade de lutar para manter um governo ditatorial,corrupto , brutal alem de inepto que so na cabeça dos americanos seria uma semente de liberdade e democracia.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  ersn
3 meses atrás

Funcionou na Coréia do Sul.

Ersn
Ersn
Reply to  Leandro Costa
3 meses atrás

O governo da Coreia do Sul conseguiu unir o povo contra um inimigo comun mantendo a unidade e coesão nacional ,coisa que Saigon fez justamente ao contrário.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Ersn
3 meses atrás

Na base da paulada, mas uniu. Rhee não era tão melhor que Kim Il-sung, mas era o que havia disponível. A sorte dos Coreanos foi que pelo menos houve, meio que por pressão externa, um sistema educacional que efetivamente funcionou. Tanto que a própria população forçou a renúncia de Rhee. Eles foram se adaptando e se enxugando por conta própria. Mas no início era uma baderna e havia sim muita corrupção. Mas para o povo Coreano em geral tudo era novidade. Ficaram muito tempo sob o jugo Japonês e não conheciam muito mais além disso. Rhee mesmo foi educado e… Read more »

PACRF
PACRF
Reply to  ersn
3 meses atrás

Os EUA sempre foram mestres em defender governos ditatoriais, corruptos, brutais e ineptos, exemplos: Reza Pahlavi no Irã, Saddam no Iraque (na guerra contra o Irã) e Arábia Saudita, dentre outros.

Andre
Andre
Reply to  PACRF
3 meses atrás

Pacrf, vejo que você ignora os fatos históricos com alguma frequência. Quem sempre apoiou Saddam no Iraque foi a URSS. O aliado americano na região, na época em que Saddam subiu ao poder, era o Irã. O iraque de Saddam recebeu armas soviéticas em grandes quantidades, chegando a fabricar localmente o t72.

Muita opinião e pouca informação….

Agora, ditadores bonzinhos foram os comunistas, como stalin, mao e pol pot.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  PACRF
3 meses atrás

PACRF, o caso é que todo Mundo em algum momento apoiou ditadores. Não existe esse lenga-lenga na política internacional. É Maquiavel. O inimigo do meu inimigo é meu amigo, para ser mais breve. Exatamente a mesma coisa, por exemplo, aconteceu durante a Segunda Guerra Mundial, lembra? Enquanto servem à algum propósito, está valendo. O que diferencia é a percepção da pior ameaça. Ainda assim, a URSS ainda foi bem, bem pior nesse sentido, até porque na maioria das vezes ela é quem criava os ditadores corruptos sanguinários. Quem passa julgamento de moral em política internacional, pode muito bem estar se… Read more »

Joao Moita Jr
Joao Moita Jr
Reply to  ersn
3 meses atrás

Igual ao Iraque. Lá as ameaças dos nossos “aliados” eram muitas vezes mais mortais do que os próprios insurgentes. IEDs por todos lados, inteligência inconfiável pelo pouquíssimo domínio do idioma e costumes, e agentes duplos nos mais variados lugares e postos. Nossa USAF a rainha dos céus, mas no dia a dia de pouquíssimo uso na guerra de guerrilhas. O único bom foi que reconhecemos todas essas similaridades e limitamos as perdas com a retirada.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  PACRF
3 meses atrás

Perderam por diversos fatores. O maior deles foi que não entraram na Guerra para vencer da maneira convencional, mas sim para ‘empatarem’, ou você acha que não daria simplesmente para desembarcar no Vietnã do Norte e abrir caminho até Hanói? Entraram para empatar porque acharam que haveria um repeteco da Coréia no Vietnã, que a China entraria na guerra e a expandiria. Sem esse comprometimento não havia como vencer. Os EUA perderam a Guerra porque não conquistaram seu objetivo inicial, que era manter o Vietnã do Sul como entidade independente. Diga-se de passagem, no caso dos F-5, eles operaram apenas… Read more »

Carvalho2008
Carvalho2008
Reply to  PACRF
3 meses atrás

Porque a bicicleta foi mais forte que os F-4, F-111 oras….bicicletas teimosas…imunes a bombas…sacanagem

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Carvalho2008
3 meses atrás

Nunca subestime o poder da Barraforte!! 😛

Alex Faulhaber
Alex Faulhaber
3 meses atrás

Os F-5A(C) tinham o probe de reabastecimento do lado esquerdo, interessante.

Rodrigo Maçolla
Rodrigo Maçolla
3 meses atrás

Parabéns para o bicudo !; Custo benefício no ocidente não tem igual !

Pablo
Pablo
3 meses atrás

Sou admirador desse caça, obrigado pelos ÓTIMOS serviços que nos presta a décadas!

Fabio Araujo
Fabio Araujo
3 meses atrás

Um caça leve que deixou e ainda deixa a sua marca na história, o caça soviético que seria o similar deste seria o Mig-21, mas nas vezes que se enfrentaram em combate o F-5 deu uma surra no Mig-21 provando qual era o melhor.

Ersn
Ersn
Reply to  Fabio Araujo
3 meses atrás

O Mig21 nasceu como caça de defesa de ponto de baixo custo,sua doutrina de uso era voltada para interceptações controladas por GCI em uma IADS integrada,seus avionicos era voltados para esse tipo de missão como a maioria dos interceptadores da época,já o F5 desde o início era um caça leve multifuncional com limitada capacidade de interceptação e bom desempenho em missões de apoio aereo.acho o MIG-23 versão MS mais comparável ao F5E

Fabio Araujo
Fabio Araujo
Reply to  Ersn
3 meses atrás

Creio que Mig-23 seja um pouco mais recente e tenha nele algumas lições que os soviéticos tiraram dos testes dos F-5E que os vietnamitas enviaram para a URSS após fim da Guerra do Vietnã. Inclusive os soviéticos testaram o F-5 contra o Mig-21 com o F-5 dando uma surra nos Mig’s, os pilotos soviéticos gostaram muito do conforto, da visibilidade, e da disposição da cabine do F-5. Esses F-5 foram muitos estudados e deram boas ideias para os caças soviéticos que surgiram depois.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Fabio Araujo
3 meses atrás

Essa avaliação dos soviéticos sobre o espaço e conforto é basicamente o que acharam dos aviões americanos enviados para a URSS via lend-lease. Em especial o P-47. Inclusive acharam que muito do que havia ali era desnecessário hehehehe.

Ersn
Ersn
Reply to  Fabio Araujo
3 meses atrás

Os MIG23MS era a primeira geração do Flogger que foi lançada antes dos F5E vietnamitas serem enviados para URSS, a versão mais recente era a ML que tinha datalink,radar lockdown/shotdown além de mísseis all-spect e guiados por radar semi-ativo que surgiu no final da década de 1970 ,até hoje não entendo porque as versões finais de fabricação do F5E não vieram com radares melhores e mísseis de médio alcance semi-ativo,além de capacidade de usar bomba e mísseis inteligentes

Marcelo
Marcelo
Reply to  Ersn
3 meses atrás

acho que para nao atrapalhar a venda de F-16s, que mesmo eles nao tinham misseis BVR semi ativos no inicio.

Fernando C. Vidoto
Fernando C. Vidoto
3 meses atrás

Obrigado por tudo Tiger! Porém precisamos de novos vetores.

Att

Luiz Floriano Alves
Reply to  Fernando C. Vidoto
3 meses atrás

Aoa se derivar de avião de treinamento, o T38, Talon, o F5 herdou uma boa resistência estrutural, própria dos treinadores que tem que suportar manobras de principiantes. Para ser aceito na USAF lhe faltou poder de fogo, raio de ação e capacidade de carga. O F20 deveria atualizar esses problemas. Porem, outros projetos, mais completos vieram a se concretizar, notadamente o F-16, combatente por excelência.

Fernando C. Vidoto
Fernando C. Vidoto
Reply to  Luiz Floriano Alves
3 meses atrás

Oi Luiz,

O Super Hornet é bisneto do F5 hehe.

Att.

Billy
Billy
3 meses atrás

Putz…coisa mais chata F-5 e argentina! Toda hora volta pra encher o saco! 2 coisas que já eram desde 1985. É de volta oara o futuro??

Luiz Trindade
Luiz Trindade
3 meses atrás

Não é por nada não mas dá para entender porque brasileiro gosta de música de chifre e sofrência… Adoram repetir essa história do lançamento do F-5… Gente… Vamos dar um passo à frente… Vem ae o Gripen e vcs já estão chorando a despedida do F-5M que nem vai ser agora… Pelo Amor de Deus…

Luiz Antonio
Luiz Antonio
Reply to  Luiz Trindade
3 meses atrás

Uma aeronave cujo projeto permitiu a operacionalidade da aeronave por 48 anos, além de prestar serviços à FAB já há mais de 45 anos é motivo sim de reconhecimento e porque não, de uma certa tristeza com a reta final de sua vida útil na FAB. o Gripen é outra história e tenho minhas dúvidas se repetirá a mesma trajetória que o Tiger percorreu, por vários fatores. É um daqueles projetos “iluminados” dignos do “mago” Kelly Jonhson que deve estar morrendo de inveja de não ter sido ele o criador dessa aeronave. Quanto aos primeiros Tiger’s produzidos e que operam… Read more »

pampapoker
pampapoker
Reply to  Luiz Trindade
3 meses atrás

Esqueceu de colocar o futebol na lista, adora falar de passado…

Luiz Antonio
Luiz Antonio
3 meses atrás

Esse “veinho” ainda vai operar, sabe-se lá como, pelo menos por mais 5 anos, o que nos leva até 2026. Motivo: Os F-39 levarão esse tempo, senão mais, para que os 36 caças estejam operacionais, assim como as tripulações. Até lá, muita lenha vai queimar para manter a defesa aérea nos mínimos para tempos de paz. Nem pensar em envolvimento em conflitos, mesmo de baixa intensidade.

Marcelo
Marcelo
Reply to  Luiz Antonio
3 meses atrás

todos os 36? Mais

Koprowski
Koprowski
3 meses atrás

Boa noite, sr. Alexandre Galante. Em se tratando da aviação de caça da FAB, mais especificamente o F5FM, em 05/07/2016 se acidentou o FAB 4806 que, desde então, estava no PAMA-SP para recuperação. Já em relação ao FAB 4810, parece que não foi concluída, ainda, sua modernização pela EMBRAER. Sendo assim, o sr. teria alguma novidade sobre estes dois caças ?

Koprowski
Koprowski
Reply to  Koprowski
3 meses atrás

Bom dia, alguém saberia do status atual destes F5FM (FAB 4806 e 4810) ?

glasquis7
3 meses atrás

comment image

Maj tom
Maj tom
3 meses atrás

Interessante é que o Primeiro F-5 do mundo voa ou já voou com as cores da FAB.

Carvalho2008
Carvalho2008
3 meses atrás

Carvalho2008
Carvalho2008
8 horas atrás
Off topic:

Achei uma foto interessante.

Um AGM Penguin pendurado num F-5. Parece que se tratou do projeto na Noruega.

Bom, nos temos F-5 e temos o Penguin…sera que daria?
1
-1
Responder
Carvalho2008
Carvalho2008
Reply to
Carvalho2008
8 horas atrás
comment image
0
0
Responder

Carvalho2008
Carvalho2008
3 meses atrás

Um F5B Noruegues com um missil anti navio AGM 119 Penguim!!!

Alguem sabia desta integração???

comment image

Luiz Floriano Alves
Reply to  Carvalho2008
1 mês atrás

Temos que considerar que este avião é bem mais velho. A Northrop apresentou os protótipo, N-156 F e o N 156T (biplace de tereino) no inicio do ano de 1956. 64 anos, portanto. Isso que é um bom projeto.