Home Aviação de Ataque Futuros pilotos de caça realizam treinamento de emprego ar-solo

Futuros pilotos de caça realizam treinamento de emprego ar-solo

2455
17

Eles participam da campanha de emprego ar-solo do Curso de Especialização Operacional

O Esquadrão Joker (2°/5° GAV) iniciou, no dia 15 de julho, a campanha de emprego ar-solo do Curso de Especialização Operacional na Aviação de Caça (CEO-CA) de 2020. Durante dois meses, os futuros pilotos de caça da Força Aérea Brasileira (FAB) irão se capacitar para operar a aeronave A-29 Super Tucano nas diversas modalidades de emprego de armamento contra alvos no solo. A fase é, ainda, uma oportunidade de realizar a manutenção operacional dos instrutores de voo da Unidade Aérea.

Durante a campanha, o Esquadrão Joker opera a partir da sua sede localizada na Ala 10, em Parnamirim (RN), na região metropolitana de Natal (RN). As formações com quatro aeronaves, preparadas com lançadores de foguetes, lançadores de bombas de exercício e metralhadoras, deslocam-se para o estande de tiro aeronáutico de Maxaranguape (RN). Nesse local, os pilotos têm à disposição um espaço aéreo restrito para a operação e uma área no solo segura para o lançamento ou disparo dos artefatos bélicos.

Esse é o primeiro contato dos Aspirantes do CEO-CA com as missões inerentes à Aviação de Caça e com o emprego de armamento real e de exercício. Com o treinamento técnico no estande, o estagiário terá adquirido as habilidades necessárias para executar algumas ações de Força Aérea, como Ataque e Reconhecimento Armado, nas fases mais avançadas do curso.

Segundo o Aspirante a Oficial Leonardo de Mattia Buozi, esse é um dos momentos mais aguardados por aqueles que sempre sonharam ser piloto de caça. “De maneira geral, quando pensamos em Aviação de Caça, pensamos no uso de armamento contra algum alvo. Portanto, essa fase é muito motivante, pois reconhecemos nossa evolução como pilotos e podemos progredir nas missões com graus de responsabilidade e complexidade cada vez maiores. A exigência será grande e, portanto, o estudo e preparo devem ser intensificados proporcionalmente”, relatou o estagiário.

Após o voo, os militares da Célula de Avaliação e Desempenho Operacional efetuam o download dos dados gravados pela aeronave e analisam os parâmetros atingidos pelo piloto em cada lançamento realizado. Para o Comandante do 2°/5° GAV, Tenente-Coronel Aviador José de Almeida Pimentel Neto, essa é uma ferramenta essencial para o processo de ensino-aprendizagem e o consequente desenvolvimento dos futuros pilotos de caça.

“As ferramentas desenvolvidas com base na tecnologia embarcada e a doutrina de emprego que foi sendo aprimorada ao longo desses 16 anos de experiência com a aeronave A-29 são frutos de um trabalho de pessoas que mantiveram a constante busca pela excelência. É importante que os estagiários reconheçam essas características do piloto de combate e busquem sempre dar o melhor de si, explorando todos os recursos disponíveis para aprimorarem o desempenho a cada missão”, disse o Comandante.

Já o Comandante da Ala 10, Brigadeiro do Ar Marcelo Fornasiari Rivero, destacou essa etapa do curso como fundamental para a vida operacional dos futuros pilotos de caça. “É importante que eles aprendam todos os fundamentos das missões de emprego de armamento, haja vista que, em um futuro não tão distante, serão os responsáveis pela garantia da soberania do espaço aéreo brasileiro e estarão engajados em missões reais para defender os interesses do País”, ressaltou o Oficial-General.

Trabalho conjunto

A fase de emprego ar-solo do CEO-CA é, ainda, uma oportunidade para manter o adestramento do pessoal de manutenção quanto à preparação e à operação de armamento real. O Comandante do Grupamento Logístico da Ala 10, Coronel Especialista em Armamento Aníbio Roberto Calixto Pereira, disse que é necessária a participação intensa dos especialistas em material bélico no preparo das atividades, desde a retirada do material bélico dos paióis até a preparação e o municiamento das aeronaves na linha de voo.

“Além da manutenção operacional do pessoal de armamento, deixando-os capacitados para atuarem, a qualquer momento, no preparo, equipagem e municiamento das aeronaves A-29 Super Tucano da FAB, essa fase é um motivo de orgulho, uma vez que, eles são os responsáveis por transformarem as aeronaves em verdadeiras armas de guerra”, enfatizou o Coronel Calixto.

Estande de Maxaranguape

Distante cerca de 80 km ao Norte da Ala 10, o estande de tiro aeronáutico de Maxaranguape dispõe de uma infraestrutura adequada para a operação segura das aeronaves que utilizam armamento aéreo contra o solo. Além do espaço aéreo restrito e a ausência de cidades ou povoados próximos, o local conta com segurança, equipe médica, contra incêndio e uma pista de pouso para emergência.

“O estande de Maxaranguape é de fundamental importância, não só para Ala 10, mas para todo o Comando da Aeronáutica, por proporcionar a instrução e o adestramento para pilotos e equipagens de combate nas diversas modalidades de emprego de itens bélicos de aviação, visando um melhor aproveitamento da aeronave e do material, quando da real necessidade”, especificou o Coronel Calixto.

Durante as missões, uma equipe liderada por um instrutor do 2°/5° GAV acompanha e coordena o treinamento a partir de duas torres adjacentes aos alvos. Nelas, por meio de um teodolito, é possível observar o momento e o local exatos do impacto do armamento no solo e aferir a precisão do piloto e da aeronave. Nos empregos com a metralhadora .50, a quantidade de projéteis que atingiram o alvo é captada por um conjunto de microfones. Todos esses dados são compilados e analisados pela Unidade Aérea.

Além disso, o Oficial responsável pelo emprego no estande, em contato com as aeronaves da formação, tem a missão de auxiliar na coordenação do circuito de emprego, sendo responsável direto pelo sucesso da missão. “Atuar na função de controlador do estande envolve o conhecimento da missão e um intenso trabalho em equipe, valores intensamente enfatizados no cotidiano do Esquadrão Joker”, destacou um dos pilotos do Esquadrão Joker.

“Nessa ocasião, o instrutor tem a oportunidade de observar a partir, de outra perspectiva, o emprego do armamento, acompanhando a evolução dos estagiários desde as primeiras missões até o término da fase, o que é um motivo de orgulho para todos nós”, concluiu o Oficial.

FONTE: Força Aérea Brasileira

Subscribe
Notify of
guest
17 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Davi
Davi
4 meses atrás

Não entendo pq a FAB não integra no A-29 um pelo menos um tipo de míssil ar-solo e um tipo ar-ar.

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  Davi
4 meses atrás

ar-ar ja é integrado….comment image

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  carvalho2008
4 meses atrás

misseis ar solo acabarão sendo integrados pela Sierra Nevada, mas a maioria dos alvos tambem podem ser atacados com segurança por bombas guiadas…ou planadoras…
comment image

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  carvalho2008
4 meses atrás

acho que este abaixo ou é fake ou alguma publicidade da IAI…não lembro disto…comment image

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  carvalho2008
4 meses atrás

comment image

Marcos10
Marcos10
Reply to  Davi
4 meses atrás

Por vários motivos. Um é custo. O segundo, mais importante, é que daqui a pouco alguém vai querer colocar um radar AESA no ST.

Marcos Cooper
Marcos Cooper
Reply to  Marcos10
3 meses atrás

Já que tem AESA,mete o Meteor também….kkkkkkkkkk

Tallguiese
Tallguiese
Reply to  Davi
4 meses atrás

Eu entendi sua pergunta. Na verdade armas assim já são integrados, porém a pergunta mesmo é: porque a FAB não treina Ataques de precisão e apoio às tropas com misseis guiados como ex: Mavericks, brinstone, helfire, entre outros né?

Carvalho2008
Carvalho2008
Reply to  Tallguiese
4 meses atrás

Uai, mas se a pergunta for esta a resposta é mais simples ainda, pois nenhum destes esta no inventario da Fab é somente se treina com o que se tem.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
4 meses atrás

Muito bom vão sentir na prática todas as sensações de um ataque com munição de verdade.

Clésio Luiz
Clésio Luiz
4 meses atrás

Acho que foi essa semana que passou, teve umas conversas sobre a forma atual de treinamento de pilotos na USAF, e a ligação disso com o recente aumento no número de acidentes com perda total de aeronaves e pilotos. A questão é que os veteranos dos esquadrões de primeira linha, estariam reclamando do pouco número de horas voadas durante o treinamento dos novos pilotos. Tais horas estão sendo substituídas por tempo em simulador. Note que aqui não é uma questão dos tipos de aeronaves usados no treinamento, mas a pouca oportunidade que o piloto novo está tendo de ir para… Read more »

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Clésio Luiz
3 meses atrás

Vão introduzir a instrução aérea básica na USAFA. A USAFA hoje é só um centro universitário, com 28 cursos.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
4 meses atrás
Last edited 4 meses atrás by Fabio Araujo
Lala Croft
Lala Croft
4 meses atrás

Qual é o foguete utilizado pelo A-29 ?

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Lala Croft
3 meses atrás

O bom e velho SBAT-70. Na minha época era o SBAT-37, buscapé.

Fabiano
Fabiano
Reply to  Rinaldo Nery
3 meses atrás

A fab ainda usa o sbat 127?

antonio danizete felix
antonio danizete felix
3 meses atrás

Boa tarde a todos. Da saudades de ve desde criança alguns rasantes de cacas supersônico como vi uma formação e rasante de 4 miragens, sem falar a cruzex. nao perdi uma com minha família.