Home Aviação de Treinamento Colômbia conclui modernização dos seus T-27 Tucano

Colômbia conclui modernização dos seus T-27 Tucano

4923
25

Em 30 de junho, a Força Aérea da Colômbia (FAC) recebeu o último de seus 14 aviões Embraer EMB-312 Tucano. Depois de passarem por um profundo processo de modernização e extensão da vida útil agora são chamados de AT-27M.

A modernização compreendeu a instalação de um novo conjunto de aviônicos fornecido pela Collins Aerospace (anteriormente conhecida como Rockwell Collins)com um moderno glass cockpit da marca Cobham, que inclui dois grandes displays multifuncionais.

Após 24 anos de serviço e 80.000 horas de voo, o programa também incluiu a instalação de reforços estruturais, com um novo kit de asas e trem de pouso, para adicionar mais 15 anos de vida útil.

O processo de modernização e extensão da vida foi realizado nas instalações da Corporação Colombiana da Indústria Aeronáutica (CIAC), graças a um acordo com a Embraer de transferência do know-how necessário, alcançando a certificação da empresa brasileira em 2013, para realizar essa operação em solo colombiano.

Subscribe
Notify of
guest
25 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
3 meses atrás

A modernização da nossa frota (50 aeronaves) foi retomada, estando na fase final de projeto. O anterior parece que foi descartado.
Em 1992 ministrei instrução pros colombianos na EMBRAER, quando adquiriram essas 14 aeronaves.

DOUGLAS TARGINO
DOUGLAS TARGINO
Reply to  Rinaldo Nery
3 meses atrás

Nesse caso, no futuro eles (brasil) pretendem ficar com apenas 50 aeronaves?

Camaergoer
Camaergoer
Reply to  Rinaldo Nery
3 meses atrás

Olá Cel.Nery. Tenho a impressão que as modernizações do F5 e do AMX seguiram um padrão. Contudo, o F39 rompeu esse padrão. Seria o caso da modernização dos A29 levada ao ponto de empregar a mesma interface do F39?

Claudio Moreno
Claudio Moreno
Reply to  Camaergoer
3 meses atrás

Fala Camaergoer,

Excelente interrogante! Penso que seria o mais lógico a fazer. Porém precisamos saber se há estudos para isso e principalmente custos projetados para a futura locação de recursos.

CM

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Camaergoer
3 meses atrás

Camargo, não faço idéia. Acredito que não há muito para modernizar no A-29. Não sei se o custo/benefício de implantar um WAD seria vantajoso.

Caçador Cometa
Caçador Cometa
Reply to  Rinaldo Nery
3 meses atrás

Terceira tela CMFD e o pacote sintético de treinamento conforme os A-29 chilenos. Cairia muito bem.

GFC_RJ
GFC_RJ
Reply to  Rinaldo Nery
3 meses atrás

“A modernização da nossa frota (50 aeronaves) foi retomada, estando na fase final de projeto”.
Que assim seja, Cel. Foi uma novelinha bem ruim esse processo. Torço que tenham sucesso.

Claudio Moreno
Claudio Moreno
Reply to  Rinaldo Nery
3 meses atrás

Boa noite Cel. Nery e demais camaradas da Trilogia. Obrigado por compartilhar vossa experiência.
Será que em um futuro cercano, seria possível o senhor nos brindar com um pouco de detalhes desta missão?

Um grande abraço!!!

CM

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Claudio Moreno
3 meses atrás

Olá, Cláudio. Qual missão?

Claudio Moreno
Claudio Moreno
Reply to  Rinaldo Nery
3 meses atrás

Olá mais uma vez CEL. Perdão, não soube me expressar com clareza, desculpe. Eu me refiro ao curso de treinamento ministrado aos colegas colombianos.

CM

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Claudio Moreno
3 meses atrás

O curso era somente o treinamento básico para os colombianos, creio que 10 pilotos, a maioria oriunda da Aviação de Caça. Pilotos da EMBRAER (todos ex militares) também auxiliaram na instrução. Manobras básicas (estóis, parafuso, tráfego de emergência), acrobacias, toque e arremetida, instrumento avançado (aproximações ADF, VOR e ILS), vôo noturno, formatura básica duas aeronaves. Havia entre nós alguns ex fumaceiros (Willie, Borin e Greskow) e, na EMBRAER, outro (Bragança). Os quais aproveitaram a instrução de formatura para mostrar aos colombianos as capacidades do avião e a habilidade dos brasileiros. Willie aproveitou pra me ensinar o lancövak (fizemos 14).Nessa oportunidade… Read more »

Enzo Di Pietro
Enzo Di Pietro
Reply to  Rinaldo Nery
3 meses atrás

Boa noite, Coronel, vejo que o senhor já comentou bastante sobre o AH-2 Sabre e sua logística em matérias passadas (um pouco fora de contexto em relação à essa). Tenho interesse em seguir uma linha de pesquisa relacionada a ele. Seria possível entrar em contato com o senhor, para discutir o tema? Se for do seu interesse, deixo aqui meu e-mail para contato enzo.emdp@gmail.com

LUIZ CARLOS NUNES VIANA
LUIZ CARLOS NUNES VIANA
Reply to  Rinaldo Nery
3 meses atrás

Bom dia. Na parte de motor PT6A-25C, quem está dando apoio técnico?
Att,
Nunes

FABIO MAX MARSCHNER MAYER
FABIO MAX MARSCHNER MAYER
3 meses atrás

Os “nossos” Tucanos já tinham funções de ataque leve, além das treinamento.

Quantos serão modernizados, se é que serão, e para quais funções?

FernandoEMB
FernandoEMB
Reply to  FABIO MAX MARSCHNER MAYER
3 meses atrás

Me arrisco a dizer que ficarão apenas no treinamento, todas as aeronaves concentradas na AFA.

Arthur
Arthur
Reply to  FernandoEMB
3 meses atrás

Também acho, Fernando. Os esquadrões em que faria sentido empregar um AT-27 já estão servidos de A-29. E outra…. se tirar os T-27 da AFA, vai desguarnecer a instrução aérea.

Flanker
Flanker
Reply to  FABIO MAX MARSCHNER MAYER
3 meses atrás

Desde o começo, os planos da FAB sempre foram de modernizar 50 T-27 e manter essas aeronaves exclusivamente na AFA, como já estão concentradas hoje. A FAB possui “em carga” menos de 80 dessas aeronaves, mas nunca essas aeronaves todas estão na AFA. No máximo 40 estão ña Academia. Dos restantes, muitos estão em rodízio de manutenção no PAMA/LS e outros estocados. Dos mais de 150 adquiridos ao longo dos anos, muitos foram perdidos em acidentes e outros tantos foram baixados/desativados. Alguns foram negociados/doados para outras Forças Aéreas.

Camaergoer
Camaergoer
Reply to  FABIO MAX MARSCHNER MAYER
3 meses atrás

Olá Fabio. Acho que os “AT27” eram usado antes da FAB adotar o A29. Depois disso, os tucanos ficaram T27.

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
3 meses atrás

Bem legal! Um ótimo avião, renovado ainda vai prestar ótimos serviços à Colombia.

Rommelqe
Rommelqe
3 meses atrás

Realmente é uma aeronave maravilhosa!
Tambem é de se elogiar a iniciativa e a indústria colombiana bem como a saudável colaboração brasileira. Que essa excelente relação bilateral continue assim.

JSilva
JSilva
Reply to  Rommelqe
3 meses atrás

É esse tipo de cooperação que me faz acreditar que o Brasil poderia estar no páreo se o governo brasileiro e Embraer resolvessem se empenhar para oferecer o Gripen E/F fabricado aqui para a concorrência colombiana.

Como não acredito que os colombianos tenham orçamento para operar um bimotor acho que a concorrência, na prática, estará limitada ao F-16 e o Gripen.

Last edited 3 meses atrás by JSilva
Foxtrot
Foxtrot
3 meses atrás

Pois é.
Os T-27 que doamos aos montes, mesmo com entrada em serviço dos A-29 dariam bom “caldo” como treinador avançado dentre outras missões.
Deixando os A-29 para missões COIN, LAS etc.
Ao menos deveriam exigir dos países que receberam nossos T-27 doados, que os mesmos fossem modernizados em solo nacional e por empresas nacionais com equipamentos nacionais.
Como os Estados Unidos faz, mas a soberba é tão descomunal que nem isso pensaram.
Só resta dizer, parabéns a Colômbia.

Flanker
Flanker
Reply to  Foxtrot
3 meses atrás

Se colocasse O T-27 no lugar do A-29 em treinamento deveria ser no 2⁰/5⁰ em Natal……daí, muitos que já criticam essa função ser feita pelo A’29 ao invés de um jato LIFT, iriam à loucura. E o T-27 não cumpre a função de treinamento que o A-29 realiza. O Tucano cumpre muito bem a função que desempenha na AFA, em sequência ao que é iniciado no T-25.

Camaergoer
Camaergoer
Reply to  Flanker
3 meses atrás

Olá Flanker. De fato, você tem razão. Há uma escala. Primeiro o T25, depois o T27, depois o A29 para chegar no F5M/A1M e futuramente no F39. A diferença entre o A29 e o T27 parece ser muito grande.