Home Aviação Comercial Jato Embraer E190-E2 da Helvetic Airways quebra recorde de voo

Jato Embraer E190-E2 da Helvetic Airways quebra recorde de voo

8375
55

A companhia aérea regional suíça Helvetic Airways quebrou o recorde de voo de longa distância com seu Embraer E190-E2.

A transportadora baseada em Kloten recebeu seu quinto exemplar e voou o novo jato de Natal-RN, na costa leste do Brasil, direto para Zurique, na Suíça, em 2 de julho.

O narrow body, HB-AZE (c/n 19020038) foi transportado das instalações da Embraer no aeroporto de São José dos Campos, perto de São Paulo, para o aeroporto de Augusto Severo em Natal, antes de embarcar em seu voo recorde.

A perna ininterrupta de nove horas e dez minutos percorreu uma distância de 4.658 milhas (7.488 km), números geralmente associados a aeronaves de longo alcance, e não a jatos de curto a médio curso.

A companhia aérea diz que o voo foi operado em condições ótimas “que não se comparam às operações regulares de passageiros” e as condições climáticas foram “ideais”.

O voo de translado foi realizado com uma tripulação de cinco pessoas, composta por três pilotos, um engenheiro de voo e um líder do projeto da Helvetic.

No serviço regular de passageiros, a transportadora afirma que o E2 tem um peso máximo de decolagem de 54 toneladas e pode transportar 110 passageiros a mais de 5.200 km.

A entrega também foi significativa para a Embraer, porque marcou o 1.600º E-Jet desde a sua primeira entrega em 2004.

FONTE: Key.Aero

Subscribe
Notify of
guest
55 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Fabio Araujo
Fabio Araujo
1 mês atrás

Mais um ponto para a engenharia da Embraer, tá certo que em condições normais de operação ele não tem esse alcance, mas não deixa de ser uma massagem no ego.

Karl Bonfim
Karl Bonfim
Reply to  Fabio Araujo
1 mês atrás

Será que a não compra de parte da EMBRAER pela Boeing, foi um desses “males que vem para o bem”?

João Augusto
João Augusto
Reply to  Karl Bonfim
1 mês atrás

Com certeza.

Alfredo Araujo
Alfredo Araujo
Reply to  João Augusto
1 mês atrás

Por que ?

Chesterton
Chesterton
Reply to  Fabio Araujo
1 mês atrás

Praticamente só carregado de combustível.

Tomcat4,2
Tomcat4,2
1 mês atrás

Excelente !!! Mais uma mostra da capacidade e qualidade dos aviões da Embraer.

Saldanha da Gama
Saldanha da Gama
Reply to  Tomcat4,2
1 mês atrás

2!!!!!!!

Tomcat
Tomcat
Reply to  Tomcat4,2
1 mês atrás

3!!!!!

João Augusto
João Augusto
Reply to  Tomcat4,2
1 mês atrás

Baila salsa y merengue maria!!!!

Mateus Ribeiro Alcantara
Mateus Ribeiro Alcantara
1 mês atrás

Deus é brasileiro, a Boeing cancelou a compra da Embraer, engraçado geral falava: “se não se vender pra boeing vai falir e blablabla”. Triste notícia para um presidente frouxo que permitiu isso e para os adoradores dos americanos… A Embraer é gigante.

Luiz
Luiz
Reply to  Mateus Ribeiro Alcantara
1 mês atrás

Menos Mateus, menos…

PACRF
PACRF
Reply to  Mateus Ribeiro Alcantara
1 mês atrás

Nunca é demais lembrar que a Bombardier, principal concorrente da Embraer, está associada à AirBus. No entanto, parece que a Embraer vem demonstrando capacidade para se manter sozinha. Vamos aguardar os próximos capítulos. Afinal, o impacto negativo que a pandemia está causando à aviação civil é muito forte.

Mateus Ribeiro Alcantara
Mateus Ribeiro Alcantara
Reply to  PACRF
1 mês atrás

A diferença é que a Bombardier fez uma join venture com dada fixa para término, o governo canadense não iria permitir a venda, diferente do que foi feito com a Embraer, uma aquisição.

PACRF
PACRF
Reply to  Mateus Ribeiro Alcantara
1 mês atrás

Obrigado pela informação. Desconhecia esse “detalhe” na negociação Bombardier X AirBus.

Marcelo
Marcelo
Reply to  PACRF
1 mês atrás

nao conhecia porque nao eh verdade. o CSeries foi vendido para Airbus, o Dash400 para a Viking Air e os CRJs para a Mitsubishi. A Bombardier ficou somente com os avioes executivos.

Marcos10
Marcos10
Reply to  Mateus Ribeiro Alcantara
1 mês atrás

A Bombardier vendeu todo seu programa C-series para a Airbus. A Airbus demandou aportes da Bombardier, dinheiro que ela não tinha.

Fernando EMB
Fernando EMB
Reply to  Mateus Ribeiro Alcantara
1 mês atrás

JV…. ???? Ela vendeu o programa, aliás todos os programas comerciais. Acabou, já era a bombardier na aviação comercial.
Que JV é essa??

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  PACRF
1 mês atrás

Parece que o negócio entre o C-Series da Bombardier e a Airbus ficou azedo também, com a Bombardier dizendo que a Airbus não cumpriu com sua parte do acordo e acabou vendendo a C-Series (agora o A220) para a Airbus por uns 500 milhões ou algo assim, mas se não me engano com a Mitsubishi continua firme, e a MHI assumiu todo o resto da aviação comercial da Bombardier (série CRJ) também por uns 500 milhões.

A Bombardier na aviação agora só faz jatos executivos.

Tiago
Tiago
Reply to  PACRF
1 mês atrás

Uma correção. O A220 não pertence mais a Bombardier mas ao governo do estado do Quebec e Airbus.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Tiago
1 mês atrás

Quebec ficou com 15 ou 25% apenas, mas ficou com essa quantidade provavelmente para tentar garantir que a linha continuasse por lá. Não sei se tem, e acredito que não tenham, participação na MHI RJ.

Marcos10
Marcos10
Reply to  Leandro Costa
1 mês atrás

Quebec fez aportes e se tornou socia para salvar a Bombardier. E aí a companhia pulou fora.

Marcos10
Marcos10
1 mês atrás

Porém, contudo…
A companhia informa que adiou a entrega dos demais aviões somente para 2021.

Ronaldo Duarte
Ronaldo Duarte
1 mês atrás

Parabéns mais uma vez à EMBRAER, que vem colhendo horarias desde a sua criação. Orgulho de ser brasileiro.

kaleu
kaleu
1 mês atrás

Engenharia aeronáutica brasileira é um orgulho para esse País, aliás, engenharia em todas as esferas

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  kaleu
1 mês atrás

Negativo. Engenharia de tráfego é uma vergonha hehehehehe

JuggerBR
JuggerBR
Reply to  Leandro Costa
1 mês atrás

Não existe, você quis dizer…

José C. Messias
José C. Messias
1 mês atrás

Mais uma excelente marca para a Embraer!

Geraldo
Geraldo
1 mês atrás

Esperaram o ciclone extratropical chegar em Natal-RN para ajudar com o vento a favor!

Last edited 1 mês atrás by Geraldo
Sagaz
Sagaz
Reply to  Geraldo
1 mês atrás

Parabéns, provavelmente vai ganhar o título de comentário mais insignificante. *Aplausos*

Marcos10
Marcos10
Reply to  Sagaz
1 mês atrás

Na verdade eles priorizaram ventos favoráveis para o translado, não necessariamente o ciclone extratropical citado.

Paulo Roberto Martins Serra
Paulo Roberto Martins Serra
Reply to  Geraldo
1 mês atrás

Não sei se é verdade mas faria sentido.

Ari Levinson
Ari Levinson
1 mês atrás

Matéria interessante! Diante disso seria bom a EMBRAER pensar em desenvolver versões Extended Ranger da série E-2 para melhorar a competitividade dos mesmos frente ao A220

Argos
Argos
1 mês atrás

Alguém poderia me dizer se existem projetos na Embraer para produção de motores proprios? Será que seria vantajoso?
Obrigado a todos

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Argos
1 mês atrás

Não. Não é vantajoso devido à economia de escala.

Marcos10
Marcos10
Reply to  Argos
1 mês atrás

Tem uma parceria com a WEG para produção de motores elétricos. Tem um em teste instalado no Ipanema.
Em 2003 o Governo Federal tentou trazer a Rolls Royce para cá. A conta era muito salgada e o Governo desistiu.

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
Reply to  Argos
1 mês atrás

Nem a Boeing e a Airbus os fabricam.

JuggerBR
JuggerBR
Reply to  Argos
1 mês atrás

Não têm meia dúzia de empresas fabricantes no mundo…

Enio
Enio
1 mês atrás

Parabéns a EMBRAER. Só tem de AUMENTAR RAPIDAMENTE o índice de NACIONALIZAÇÃO dos seus aviões.

Marcos10
Marcos10
Reply to  Enio
1 mês atrás

Não é tão simples. Tudo tem de ser certificado. E as certificações são muito caras. Só recentemente a Gerdau conseguiu fazer a certificação para alguns aços para fins de aviação.

Rico Zoho
Rico Zoho
1 mês atrás

Só falta para a Embraer um jato com maior alcance. A única razão da SAAB usar os Bombardier Global Express no GlobalEye é o raio de ação bem superior destes em relação aos E-Jets. Um E-Jet com um raio de ação de 7500 permitiria até pensar até numa versão MMA para substituir os P-3.

JuggerBR
JuggerBR
Reply to  Rico Zoho
1 mês atrás

Um Embraer ‘maior’ é concorrência direta com Boeing e Airbus, aí não sei se é vantajoso, hoje em dia a Embraer tem pouca concorrência nos E Jets…

nonato
nonato
Reply to  JuggerBR
1 mês atrás

Está se falando jato executivo maior, para fins militares (radar, patrulha).

Sagaz
Sagaz
Reply to  Rico Zoho
1 mês atrás

“Só” …

nonato
nonato
Reply to  Rico Zoho
1 mês atrás

Vocês estão confundindo.
O avião usado pela Saab é executivo.
Falta à Embraer um jato executivo com o mesmo alcance e espaço para um bom radar.
Aviões maiores (comerciais) a Embraer já tem.
Esse vôo é um dado positivo, mas em nada melhora o mercado para a empresa.
A empresa precisa de novas encomendas.

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
1 mês atrás

Que legal. Parabéns a EMBRAER pela maquina e a tripulação pela pericia.

Foxtrot
Foxtrot
1 mês atrás

Já com a autonomia que tem daria um excelente patrulha naval, AWAC, Bombardeio estratégico etc.
Imagina com sonda de reabastecimento em vôo.
Acorda FAB!

nonato
nonato
1 mês atrás

Se eu fosse a Embraer, tentaria começar a desenvolver um jato na faixa de 200 assentos.
Poderia inclusive ser um concorrente para o A 321 que está sendo o maior sucesso para vôos internacionais, na casa dos 6, 7 mil km.
Se fosse o caso, poderia fazer parceria com a Boeing.
Se eles quisessem, ajudariam a comercializar e teriam 35% na joint venture.
Caso contrário, a Embraer venderia sozinha…

Marcos10
Marcos10
Reply to  nonato
1 mês atrás

Quem vai financiar?
No chute: US$ 10 bilhões para desenvolver uma aeronave que adote novas tecnologias e não simplesmente um concorrente do A321.

Carvalho2008
Carvalho2008
1 mês atrás

É uma excelente plataforma!
comment image

Carvalho2008
Carvalho2008
Reply to  Carvalho2008
1 mês atrás

comment image

Fernando EMB
Fernando EMB
Reply to  Carvalho2008
1 mês atrás

Tem até um míssil ar-ar mas asas… Sem propósito…
Os mísseis ar-solo deveriam estar, preferencialmente, numa baia interna, reduzindo o arrasto e mantendo autonomia.
Os mísseis mais internos, no desenho, ficam muito baixos, e provavelmente encostam no chão… Ou seja não acho viavel a instalação nesta posição.
Sei que é um desenho meramente ilustrativo, mas não resisti…

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  Carvalho2008
1 mês atrás

Foi o que propus acima caro Carvalho !

Gustavo Henrique
Gustavo Henrique
1 mês atrás

Que venha agora o turbo-hélice da EMBRAER pra deixar ainda mais clientes satisfeitos.

Geraldo Reis
Geraldo Reis
1 mês atrás

Penso que a Embraer já deveria a tempos fabricando cargueiros civis

Frederick
Frederick
1 mês atrás

Achei que o SBNT estava fechado.