Home Aviação de Ataque Força Aérea Indiana opera perto da fronteira com a China

Força Aérea Indiana opera perto da fronteira com a China

5066
40
Caças Sukhoi Su-30 e Tejas da IAF
Caças Sukhoi Su-30 e Tejas da IAF

A Força Aérea da Índia (IAF, na sigla em inglês) realizou neste sábado (4) operações aéreas em uma base avançada perto da fronteira entre China e Índia.

As cenas do vídeo divulgado pela agência de notícias ANI mostram caças Su-30MKI e um helicóptero de ataque Apache realizando operações após deixar a base aérea perto da fronteira com a China.

Além das aeronaves citadas, as operações também contaram com caças MiG-29 e helicópteros Chinook.

As aeronaves de combate intensificaram as manobras em Ladakh e áreas próximas nos últimos dias como parte do aumento do nível de alerta, provavelmente como respostas às atividades da Força Aérea chinesa.

A IAF utiliza o avião Il-76 para transportar tropas para diversas áreas ao longo da Linha de Controle Real (LAC, na sigla em inglês), além de um número considerável de aeronaves Su-30 MKI, Jaguar, Mirage 2000, Apache e Chinook.

Temos todos os recursos em termos de homens e equipamentos para enfrentar qualquer desafio. A IAF está pronta em todos os aspectos para realizar todas as tarefas operacionais e fornecer o apoio necessário às operações militares”, afirmou à ANI um comandante de esquadrão.

As tensões são frequentes entre os dois vizinhos e potências nucleares na zona montanhosa de fronteira, mas os recentes confrontos no oeste da cordilheira do Himalaia, que resultaram na morte de 20 militares indianos, foram os mais graves desde 1962.

Os dois países realizaram diversas negociações diplomáticas e militares nas últimas semanas para diminuir a tensão, entretanto, não houve sinal visível do fim do impasse na região.

FONTE: Sputnik News

Subscribe
Notify of
guest
40 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Diego Tarses Cardoso
Diego Tarses Cardoso
1 mês atrás

Talvez vejamos o quanto o tigre chinês realmente tem garras como diz.

Barba
Barba
Reply to  Diego Tarses Cardoso
1 mês atrás

Realmente…. quero ver a reação chinesa. As forças armadas chinesas tem que demonstrar poder agora, porque se não fizer isso vai demonstrar fraqueza…

marcus
marcus
Reply to  Diego Tarses Cardoso
1 mês atrás

O Dragão consegue enfrentar a Russia, Estados Unidos, India, Japão, Australia, Canada e a OTAN???
Se houver uma coalizão desses países o Dragão vai ter que enfiar o rabo entre as pernas e apagar o fogo.

Pedro Bó
Pedro Bó
Reply to  marcus
1 mês atrás

Rússia no máximo apoiaria os indianos com suprimentos e mais nada. OTAN não vai querer se envolver no acontece fora do ambiente europeu.

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
Reply to  Pedro Bó
1 mês atrás

A Russia nunca foi aliada de ninguém em sua historia, basta relembrar o que Ela fez na II Guerra Mundial quando o Mundo viu que tinham três inimigos (Alemanha, Japão e Itália) para combater. A China tem hoje um PIB quase 10 vezes maior do que o da Russia… quem faria o papel de “Meste e Discípulo” numa eventual aliança entre Russia e China, não me lembro de Russo ser discípulo de ninguém na história. A Russia sabe o que esperar do Ocidente, mas não sabe e talvez não teria condição de se defender da China daqui a 10 anos.… Read more »

Lucianno
Lucianno
Reply to  marcus
1 mês atrás

Claro que não consegue.
Mas a Rússia não vai fazer coalizão com o ocidente, vai ficar quietinha vendendo para os dois lados. Dificilmente os europeus ocidentais e Canadá irão sair do conforto para desafiar a China. No máximo e em ultima hipótese, o Japão e a Austrália (porque o Dragão mora ao lado de ambos), além dos USA topariam fazer uma coalizão.

Mgtow
Mgtow
Reply to  marcus
1 mês atrás

Sonha aí? Russia e China estão fechadissimas uma com a outra. Tem um projeto em conjunto muito maior. Engraçado que só se fala em coalisão. Porque que os EUA não mete as caras sozinho? Respondo, são covardes.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
1 mês atrás

Os dois lados falam em buscar uma solução pacífica, mas ambos países continuam reforçando suas tropas na região.

Rodrigo
Rodrigo
1 mês atrás

A china criou um problema de difícil solução para ela, se recua vai demostra fraqueza e se avança pode provocar um embate que nada vai beneficia ela, pelo contrario…

Mgtow
Mgtow
Reply to  Rodrigo
1 mês atrás

Não arrumou nada. A china tá na dela. E os dois paises estão alinhados. Teu sonho não irá se realizar. A China quer mesmo é os EUA, e em menos de 20 anos vai passar o trator em cima do desesperado tio sam. Para o pavor dos fanboys do ainda imperio

Joanderson
Joanderson
1 mês atrás

Só por curiosidade msm.
Os únicos países do mundo qui conseguem produzir motores a jato e conseguem fabricar um avião do zero só são os EUA, Rússia e frança msm ou tem outros ??

Fabio Araujo
Fabio Araujo
Reply to  Joanderson
1 mês atrás

A Inglaterra já fazia isso, a China começou recentemente e a Índia esta desenvolvendo um motor nacional. A Coreia do Sul e a Suécia produzem motores sob licença.

Doug385
Doug385
Reply to  Joanderson
1 mês atrás

Os ingleses também tem a capacidade técnica para isso. O que pega é a disposição econômica para fazer isso.

Lucianno
Lucianno
Reply to  Joanderson
1 mês atrás

Atualmente os únicos fabricantes de motores a reação no ocidente são:
Pratt & Whitney (USA)
General Electric (USA)
Rolls-Royce (Reino Unido)
Safran (França)
Russos e chineses também desenvolvem e fabricam motores a jato.

David R
David R
Reply to  Lucianno
1 mês atrás

A Rolls-Royce também é dona da RR Deutschland, em Dahlewitz, nos arredores de Berlin. A Motor-Sich no sul da Ucrânia também faz motores completos. A Ishikawajima Harima no Japão faz motores pequenos. E por cópia a GKN Volvo Aero na Suécia e a Samsung Tech na Koreia. A MTU em Munique faz peças mas não acho que se tenha esquecido. A ITP no País Basco também tem forte experiência a fazer componentes. Obviamente ainda há outras empresas cujos conhecimentos poderiam ser utilizados na aviação, mas não fazem. Tudo o que é Power Generation, tipo Siemens, Alstom, ABB, e afins fazem… Read more »

Lucianno
Lucianno
Reply to  David R
1 mês atrás

Correto David, não tinha conhecimento da empresa ucraniana.

Como na pergunta do Joanderson estava implícito uma eventual fabricação de caça não citei quem hoje não desenvolve o motor por completo, como por exemplo a excelente MTU.

David R
David R
Reply to  David R
1 mês atrás

Esqueci-me de adicionar a Orenda Engines do Canada, que desenhou e fabricou o Iroquois para o Avro Arrow. Hoje faz apenas manutenção como Magellan MRO

Nostra
Nostra
Reply to  Joanderson
1 mês atrás

This is possibly the model of the new engine India is developing.

It is supposed to be optimised for use with serpentine air intakes of stealth aircrafts.

Targetted thrust is 110-125KN.

And possibly Safran is providing consultancy.

Information is very scarce though.

AddT57.jpg
Last edited 1 mês atrás by Nostra
Nostra
Nostra
Reply to  Nostra
1 mês atrás

Meanwhile work has begun sometime back to repurpose the dry section of Kaveri engine into a 52 kN IUCAV-UHF20 non-afterburner engine to power Ghatak stealth UCAV.

8951684_d1mw4rgx0aemmxk_jpeg_jpeg8745653f799151ef52791fbb34f6f4e3.jpeg
Nostra
Nostra
Reply to  Nostra
1 mês atrás

Only these CFD pics are available for now

8814779_dz076kx0ae6ofw_jpeg_jpeg54cbe656519c46ef1340425d7e863e5e.jpeg
Defensor da liberdade
Defensor da liberdade
Reply to  Nostra
1 mês atrás

Impressionante o avanço indiano nos últimos anos, pragmatismo é tudo. Faz muita inveja ao Bananil. A Índia foi uma grande civilização no passado, e desponta para ser novamente no futuro.

Nostra
Nostra
Reply to  Nostra
1 mês atrás

HTFE 25 turbofan engine under development and testing for combat trainers , business jets , UAVs etc in 5 ton class and in 9 ton class in dual configuration

8929983_d0dasfrwkaautr_jpeg_jpega307d5d14bd0b43d2e456b8af959f7a9.jpeg
Last edited 1 mês atrás by Nostra
Nostra
Nostra
Reply to  Nostra
1 mês atrás

In March 2019, first test with “basic afterburner” configuration was conducted on the HTFE 25 engine successfully.

8929984_d0dzzt4wwaaird0_jpeg_jpeg41bab45abe17362f6ce48a90e0d289ba.jpeg
Nostra
Nostra
Reply to  Nostra
1 mês atrás

HTSE 1200 turboshaft engine currently under development and testing. It is aimed at 3.5 ton single engine class and 5-8 ton twin engine class helicopter configuration.

The first run of engine was conducted in February 2018 when it achieved 76% of the rpm required.

EaX32PJU4AA2X-M.jpeg
Mercenário
Mercenário
Reply to  Nostra
1 mês atrás

Nostra,

You deserve better consultancy.

Lucianno,

Esqueceu da MTU alemã e da Avio italiana.

Lucianno
Lucianno
Reply to  Mercenário
1 mês atrás

A MTU é uma excelente empresa, porém hoje está especializada em fazer componentes (“parte fria do motor”) para outras empresas como RR, PW e GE. Atualmente não tem nenhum motor a reação em produção que foi inteiramente desenvolvido pela MTU.
A Avio italiana não fabrica motores a reação (jato), mas sim motores à hélices.

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
Reply to  Joanderson
1 mês atrás

Sim, tecnicamente poderíamos colocar ainda a Inglaterra, Alemanha, Itália e Japão, mas é a velha história de não ser viável economicamente falando. Tanto é que os Europeus normalmente aparecem consorciados em empresas fabricantes de motores.

Obs.: Fazer um motor é relativamente fácil, porém fazer um motor espetacular é para poucos, e na minha modesta opinião os motores espetaculares ainda continuam sendo fabricados aqui no Ocidente. E não faz muito sentido fazer um motor mequetrefe para concorrer com motores espetaculares, a conta não fecha.

Lucianno
Lucianno
Reply to  Ricardo Bigliazzi
1 mês atrás

“…Poderíamos colocar a Inglaterra…”

O correto é devemos colocar o Reino Unido. A Inglesa Rolls Royce é a segunda maior fabricante de motores a reação do mundo (apenas atrás da GE). Com uma infinidade de motores militares produzidos (inclusive do AMX): Avon, Viper, Spey, Tay, Adour, etc. A RR liderou o desenvolvimento do ótimo motor EJ200 do Typhoon sendo responsável por 85% do seu desenvolvimento com o restante delegado aos parceiros do projeto.

Luís Henrique
Luís Henrique
1 mês atrás

A China não quer uma guerra com a Índia. A China, nos últimos 5 anos reduziu o tamanho do seu exército terrestre em cerca de 50% e aumentou o tamanho da sua força aérea e marinha. A China há muito tempo possuía o maior exército do mundo, mas com o grande corte, ficou em 3o lugar com cerca de 980.000 homens. A Índia é quem possui o maior exército do mundo com cerca de 1,4 Milhões de homens. O foco da China é uma guerra aero-naval, contra os EUA, caso eles precisem usar a força contra Taiwan e os EUA… Read more »

Nostra
Nostra
Reply to  Luís Henrique
1 mês atrás

China doesn’t want a war with India ? Really ? China specializes in backstabbing , they sign agreements on peace and then they attack when the guards are down. China will go to war as and when they are confident they can win against India . As far as I am concerned , war is inevitable someday, India needs to reclaim her lost territories to china and liberate Tibet . Only then India will be secure because by breaking geographical proximity and creating buffer zone of free Tibet the Chinese will be denied the advantage of geographical proximity inorder to… Read more »

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  Nostra
1 mês atrás

Maybe in the future, but I think China does not want a war with India now.
India is powerful enough to counter China for a good time.
And the USA would help India.
China would loose too much in a war like this.

Sell weapons to pakistan and hope Pakistan and India kill each other is much wiser for China.

Nostra
Nostra
Reply to  Luís Henrique
1 mês atrás

This one makes sense from a Chinese perspective

I Agree more or less

Last edited 1 mês atrás by Nostra
Fabio Araujo
Fabio Araujo
1 mês atrás

A inteligência indiana identificou 40 caças J-10 chineses numa base aérea paquistanesa na Caxemira! Se houver uma guerra pode ser que os indianos venham a combater em duas frentes. Mas o Paquistão deve abrir o olho pois os chineses também reivindicam terras no lado paquistanês da fronteira e depois de resolver a questão com os indianos podem partir para cima do Paquistão.

Nostra
Nostra
Reply to  Fabio Araujo
1 mês atrás

That will be a mistake on the part of Pakistan.

Anyways

Let me tell you something not known publically, in 2015 Indian army was preparing to retake POK , all deployments and 1st line ammo reserves was deployed but USA played spoilsport .

Just after 9/11 again , Indian army had deployed to retake POK but again USA played spoilsport.

Now I hope you realise one of the reasons why India doesn’t align geopolitically with USA and why till date India distrusts USA and refuses to align with it completely.

Last edited 1 mês atrás by Nostra
Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  Nostra
1 mês atrás

I think this lack of confidence is changing.
India is buying american military equipments.

“the enemy of my enemy is my friend”

I think you guys will buy F-15 EX for the air force or maybe, F-35. lol

Nostra
Nostra
Reply to  Luís Henrique
1 mês atrás

That is due to convergence of interests on mutually agreeable factors .

Concurrently there is also divergence of interests due to difference in geo political standings.

F15 is out of question

As for F35 , LM proposed it as a rider provided India went for F16 . But India refused. Too much baggage and uncertainty with F35 acquisition. F35 is highly vulnerable to kill switches and data theft ( by US 🙃 ).

But who knows , those in the corridors of power make decisions , not me .

Rico Zoho
Rico Zoho
1 mês atrás

Nova Dheli precisa urgentemente de mais caças, caças ocidentais. Comprar uns 100 F-15X.

Nostra
Nostra
1 mês atrás

Anyways

Su30MKI with Astra MK1 BVRAAM during an exercise .

Recently 248 Astra MK1 missiles were ordered for Su30MKI , Mig29UPG and naval Mig29K

EcNoEeCUEAAu8zD.jpeg
Last edited 1 mês atrás by Nostra
sergio ribamar ferreira
1 mês atrás

Boa noite. Acredito ser muito difícil países com artefatos nucleares iniciarem um conflito. Potências geralmente fomentam guerras para países periféricos onde seus armamentos são empregados e de certa forma testados.. China, Índia…nem mesmo Paquistão. Quem ganharia, quem perderia? Nada como negociações que estão sendo feitas. Algumas rusgas e mais nada. Grande abraço.

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
1 mês atrás

Isso não vai dar em nada, mas é bom para a China entender que não só Ela é um “vizinho indigesto”, a Índia com suas 1.2 Bilhões de almas, com os seus “cocos nucleares”, com os seus 1.200.000 de militares na ativa e os mais de 2.000.000 de reservistas podem representar um problema razoável para os Chineses num cenário de “algumas frentes de batalha” simultâneas.