Home Aviação de Caça ‘Enxame’ de caças Su-35 é controlado por Su-57 em experimento

‘Enxame’ de caças Su-35 é controlado por Su-57 em experimento

7756
66

MOSCOU – A Rússia realizou um experimento sobre o uso de um “enxame” de caças Su-35 sob o controle de uma aeronave Su-57 de quinta geração. O exercício foi relatado à TASS por duas fontes no complexo industrial militar.

“O experimento foi realizado em condições reais de combate, um grupo de caças Su-35 estava envolvido no “enxame”, o papel do comando das aeronaves foi realizado pelo Su-57″, disse um dos interlocutores da agência.

Outra fonte de defesa confirmou à TASS a natureza dos testes e explicou que, na ordem de batalha, que os pilotos chamam de “rebanho” ou “enxame”, as informações são trocadas entre os caças em tempo real: o sistema de controle de informações de cada aeronave processa automaticamente os dados dos seus próprios sensores e sensores de outras aeronaves.

Fontes explicaram que o uso de um “enxame” operando em um único espaço de informações aumenta significativamente a eficiência das missões de combate. Os interlocutores não mencionaram a data e o local do experimento.

Como observou o principal especialista militar russo, editor-chefe Viktor Murakhovsky da revista Arsenal da Pátria, esses testes são importantes em termos de construção de um sistema de informação unificado para as forças armadas. “Trabalhar na interação em uma ordem geral de batalha (em um “enxame”) é importante.

No futuro, as informações de todos os sensores de aeronaves, bem como de sistemas de defesa aérea, de satélites e de equipamentos terrestres devem entrar em um único sistema que criará um único campo de informações para terra, ar e espaço. E nele, com o apoio da inteligência artificial, a distribuição do trabalho de combate, inclusive para a aviação, ocorrerá”, explicou o especialista.

Ele acrescentou que iniciativas semelhantes estão sendo realizadas pelos Estados Unidos da América, em particular para seus caças F-35. Ao mesmo tempo, disse Murakhovsky, até agora nem a Rússia nem os Estados Unidos conseguiram construir um sistema de informação único para gerenciar todos os tipos de forças devido a dificuldades em criar um formato de dados único para diferentes tipos e ramos das forças armadas.

Cockpit do Su-57

FONTE: TASS

Subscribe
Notify of
guest
66 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Rommelqe
Rommelqe
5 meses atrás

O Gripen ja trabalha em “alcateias” …

Vinicius Momesso
Vinicius Momesso
Reply to  Rommelqe
5 meses atrás

Não sei o que a USAF tá esperando para ‘nao’ ir também de Gripen… esse caça é f*** demais.

Kemen
Kemen
Reply to  Vinicius Momesso
5 meses atrás

A USAF sempre “ira” de made in USA, o Gripen também tem componentes made in USA. Com certeza o Gripen é um show de caça.

Observador
Observador
Reply to  Kemen
5 meses atrás

Amigo, tu fugiu da aula de ironia, né? Por isso não entendeu o comentário do Vinicius.

Lucas
Reply to  Rommelqe
5 meses atrás

De fato o gripen promete

Gustavo
Gustavo
Reply to  Rommelqe
5 meses atrás

O Gripen trabalha em rede, o que é diferente do que está sendo noticiado dessa matéria.

Alexandre Cardoso
Alexandre Cardoso
Reply to  Gustavo
5 meses atrás

Sim, trabalhar em rede significa que cada caça têm um piloto mas todos trabalhando em rede com mesmo acesso às mesmas informações. No caso russo, a situação é diferente. Um caça com piloto controlando remotamente vários outros caças sem piloto abordo. Favor me corrijam, se eu estiver errado.

Marco Carvalho
Marco Carvalho
Reply to  Alexandre Cardoso
5 meses atrás

os caças russos são pilotados normalmente, as informações que são compartilhadas e geridas pelo su-57

Entusiasta Militar
Entusiasta Militar
Reply to  Alexandre Cardoso
5 meses atrás

Esta Errado … na verdade, se fosse assim como você disse, eles usariam aeronaves não tripuladas e não caças normais

Rodrigo Moraes
Rodrigo Moraes
Reply to  Alexandre Cardoso
4 meses atrás

Concordo com Alexandre Cardoso no sentido de que foi isso que a matéria fez parecer.

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
5 meses atrás

Esse é o futuro, por tudo o que já foi dito os nossos Gripen não devem nada para a concorrência nesse aspecto.

A cada dia que passa confio mais e mais na escolha da FAB.

Lucianno
Lucianno
Reply to  Ricardo Bigliazzi
5 meses atrás

Tudo o que foi dito do Gripen, foi através do marketing da Saab, ou seja, da parte interessada em vender e divulgar o seu produto. Todas as análises disponíveis tem como fonte informações dos próprios fabricantes.

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
Reply to  Lucianno
5 meses atrás

Não sei porque, mas confio mais nas bravatas suecas do que nas bravatas russas… a começar pelo que os Russos falam que esse “guarda roupa de três portas” chamado Su-57 é stealth…

Lucianno
Lucianno
Reply to  Lucianno
5 meses atrás

A TASS (fonte da reportagem acima) é estatal e portanto somente divulga o que é do interesse do governo russo.

Em relação ao gripen, saberemos até onde é marketing, quando chegarem os resultados das concorrências de caça das quais a SAAB está participando: Canadá, Finlândia, índia, etc.

Lucianno
Lucianno
Reply to  Lucianno
5 meses atrás

Auto elogiar e exagerar é diferente de mentir, você que usou esta palavra. Poxa o Gripen ainda nem perdeu e você já está arrumando desculpas. A SAAB ofereceu o Gripen pela metade do preço do Rafale e a índia não se interessou. E pelo visto estão extremante satisfeitos com o Rafale. Egito acabou de comprar O Su-35 e está negociando Typhoons. Catar foi de F-15, Typhoon e Rafale. Kwuait optou pelo Typhoon. E por aí vai… E o Gripen? Ninguém quer… Não vou nem citar o F-35, porque como você mesmo reconhece, está em outro patamar. Acho que existe um… Read more »

Lucianno
Lucianno
Reply to  Lucianno
5 meses atrás

E por falar em propina … gripropin… Developing an advanced multi-role fighter was a major undertaking for Sweden. The predecessor Viggen, despite being less advanced and less expensive, had been criticised for occupying too much of Sweden’s military budget and was branded “a cuckoo in the military nest” by critics as early as 1971. At the 1972 party congress of the Social Democrats, the dominant party in Swedish politics since the 1950s, a motion was passed to stop any future projects to develop advanced military aircraft.[48] In 1982, the Gripen project passed in the Riksdag by a margin of 176 for and 167 against,… Read more »

Lucianno
Lucianno
Reply to  Lucianno
5 meses atrás

Além de fraca politicamente e com baixo orçamento militar, a Suécia está cada vez mais contaminada pelo neosocialismo que atende pelo nome de politicamente correto. Na verdade a Europa ocidental inteira. Isso traduz em cada vez menos investimentos na área militar.
Já me perguntei se não era o caso do Wallenberg levar a SAAB para os USA.

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Lucianno
5 meses atrás

Pegue todas as funcionalidades do Gripen, compara com Rafale F3, F18SH F, Typhoon Tranche 3, ele é do mesmo nível, o que impede de ter mais venda, é que a Suécia não tem o poder político que Russia, UK, EUA, FRA tem, então fica difícil vencer

Last edited 5 meses atrás by Carlos Campos
Flamenguista
Flamenguista
Reply to  Lucianno
5 meses atrás

Onde eu assino???

Andre
Andre
Reply to  Lucianno
4 meses atrás

Provavelmente por o oriente médio ser quintal dos EUA, da França e da Inglaterra, que sempre que os paises de lá atacaram Israel foi com equipamento soviético, todo lider terrorista aparece de AK ou RPG nas fotos, e os grupos terroristas geralmente aparecem usando Komet para destruir blindados na região.

Lucianno
Lucianno
Reply to  Lucianno
5 meses atrás

Calma observador você está repetindo a mesma resposta um monte de vezes. Todas a vendas da SAAB tiveram esse mesmo tipo de investigação. Inclusive a nossa. O texto abaixo está na wiki com amplo acervo de informações da BBC, NWY, etc. O desenvolvimento de um caça multifuncional avançado foi um grande empreendimento para a Suécia. O antecessor Viggen, apesar de ser menos avançado e mais barato, havia sido criticado por ocupar muito do orçamento militar da Suécia e foi considerado “cuco no ninho militar” pelos críticos desde 1971. No congresso do partido dos social-democratas em 1972 , partido dominante na… Read more »

Lucianno
Lucianno
Reply to  Lucianno
5 meses atrás

Eu sei estava só brincando contigo.

Ari Levinson
Ari Levinson
Reply to  Lucianno
5 meses atrás

Amigo observador, os suecos desde o famoso J-29 desenvolveram cinco gerações de caças que em muitos aspectos eram os melhores da Europa. O SAAB Draken além de ter sido o primeiro a operar com um Datalink possuía um radar que no continente europeu apenas foi superado pelos APG-63 dos F-15A que chegaram para a USAFE em 1977 ao passo que o Viggen foi o pioneiro em operações em trechos de estrada e no uso de canards, e ainda assim as viúvas do Rafale questionam o Gripen.

Andre
Andre
Reply to  Lucianno
4 meses atrás

Robozinho está com problemas e respondendo para ele mesmo hahahah

Guilherme Poggio
Reply to  Lucianno
5 meses atrás

Lucianno, o pessoal da FAB anda “trocando muita figurinha” com o pessoal da Força Aérea Sueca também. A visão e as atribuições da Flygpavnet são diferentes da visão da Saab.

Kemen
Kemen
Reply to  Lucianno
5 meses atrás

E também no acompanhamento e participação nos testes, da FAB nos prototipos, que acho estaria cobrando aquilo que por ventura não se adequase aos requisitos que ele exigiu, ou até aquilo que o fabricante garantiu. .

Caio
Caio
Reply to  Ricardo Bigliazzi
5 meses atrás

A escolha foi da Dilma, depois que soube ser espionada, por que antes o f18 já estava com a mão no contrato.

Tomcat4,2
Tomcat4,2
Reply to  Caio
5 meses atrás

A escolha foi da FAB via Copac !!!

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
Reply to  Tomcat4,2
5 meses atrás

Relaxa Tomcat… as “cores da torcida” turvam a lucidez. Não tenho medo do futuro do Gripen, isso independe das futuras encomendas, a Suécia não abandonará o projeto e todos (sem exceção) operadores dos atuais Gripen não tecem uma virgula de critica a cadeia de suprimentos e a eficiência das aeronaves. Isso basta.

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Tomcat4,2
5 meses atrás

A escolha foi da DILMA sim, poderia escolher RAFALE, GRIPEN ou SUPER HORNET, bateu o martelo no Gripen, pq os EUA a espionaram, é fato, o Gripen era o melhor avaliado, porém a decisão final era política.

100nick-Elâ
100nick-Elâ
Reply to  Tomcat4,2
5 meses atrás

A Dilma era a presidente, a escolha foi dela. Baseado no que a FAB queria, mas sem o ok da Dilma, os Gripens não sairiam.

JuggerBR
JuggerBR
5 meses atrás

Podem estar testando com Su-35, mas creio que o objetivo final é utilizar drones mais baratos, ainda que supersônicos e armados de misseis. Nunca um Su-35 será melhor operado como drone do que com um piloto sentado nele…

Lucianno
Lucianno
Reply to  JuggerBR
5 meses atrás

No texto não está claro se os Su-35 estavam operando como drones. Não entendi desta forma.

Vinicius Momesso
Vinicius Momesso
Reply to  Lucianno
5 meses atrás

https://www.aeroflap.com.br/cacas-su-35-russos-fazem-testes-para-possivel-uso-em-conjunto-com-cacas-su-57-no-futuro/

No site acima está melhor explicado e, da a entender que, realmente os testes se deram em uma formação de ataque em ‘enxame’, formado por Su-35, e por um Su-57 realizando operações de comando, como um ‘cerebro’ recebendo informações dos sentidos e coordenando os movimentos do corpo baseado na situação de momento. O proprio comandante da operação disse que é a mesma coisa que o F-35 faz.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  JuggerBR
5 meses atrás

Provavelmente, farão isso com o Okhotnik .

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
Reply to  JuggerBR
5 meses atrás

A questão é a coordenação e controle de um avião stealth com sensores sofisticados pode proporcionar a uma frota convencional. Isso é previsto e realizado no projeto do F-35. É certo que a utilização de um stealth com drones stealth seria a combinação ideal, mas ótimos pilotos em ótimos aviões podem tirar muito proveito de certas informações coordenadas de forma eficiente e rápida..

Hcosta
Hcosta
Reply to  JuggerBR
5 meses atrás

Estão a falar de partilha de informações entre aviões, a chamada fusão de dados que é suposto ser uma grande vantagem do F-35.
A ideia é compilar os dados recebidos por todos os aviões e que são organizados de acordo com a sua relevância e daí a importância de IA.
Não tem nada a ver se são drones ou não.
Claro que os drones são a plataforma ideal para a recolha de dados mas o objectivo é criar um sistema interligado e eficiente.

Lucas
5 meses atrás

Tecnologia e seu avanço

Fabio Araujo
Fabio Araujo
5 meses atrás

Não só o Gripen, mas vários caças ocidentais já faziam isso faz tempo, não é possível que só agora os russos estejam fazendo isso, creio que devam estar falando do fato de ser caças diferentes.

Lucianno
Lucianno
Reply to  Fabio Araujo
5 meses atrás

O texto está confuso e mal escrito, deve ser mesmo por se tratar de caças diferentes, os russos foram pioneiros desta tecnologia lá no passado com o MIG-31.

Sergio Machado
Sergio Machado
Reply to  Fabio Araujo
5 meses atrás

É que a palavra “dados” é muito abrangente. Implica várias fontes e não uma única. Creio que a dificuldade de todos tem a ver com a largura de banda no compartilhamento dos dados, pois são de diferentes fontes. A idéia é unificar tudo, todos recebem e trocam entre si, fundindo numa única interface. Imaginem a quantidade de de dados gerados por um S400 ou um Bastion por exemplo, como transmitir em tempo real pra aeronaves a 50km? Ainda vai incluir unidades navais, em terra, satélites. É diferente do compartilhamento radar de 2 aeronaves 10 km entre si, tanto em tamanho… Read more »

Last edited 5 meses atrás by Sergio Machado
GFC_RJ
GFC_RJ
Reply to  Sergio Machado
5 meses atrás

Sim. Os inputs são originados de diversas fontes (diversos sensores), formas (captação de diferentes vetores amigos/inimigos e outras ameaças) e meios (captadas e transmitidas por diferentes vetores em terra, no ar, no mar ou no espaço). 
Os sistemas tem de receber esses inputs, armazená-los em um banco de dados conjunto, processá-los e produzir um output em outro formato, em outra linguagem, unificada para diversos receptores distintos. Tudo isso em nano segundos. 
Para piorar, apresentando tudo em um front end (tela) que seja de fácil interpretação para o operador. 
Isso é muito doido!

Sergio Machado
Sergio Machado
Reply to  GFC_RJ
4 meses atrás

Creio que não seja necessário um mediador como banco de dados. Os imputs e os outputs podem ser convertidos, quando na saída, em pacotes numa única linguagem, como na idéia de zipagem. O conversor da entrada processa o pacote. O desafio ao meu ver é a banda. A fusão de dados pra ser viável tem que ser muito rápida. Se vários caças geram pacotes radar ao S400, por exemplo, essa mensagem tem que chegar de forma muito rápida pra que o equipamento triangule com os seus dados e projete a solução de tiro. A reportagem está confusa, mas creio que… Read more »

GFC_RJ
GFC_RJ
Reply to  Sergio Machado
4 meses atrás

Ok ele já ter um conversor na entrada. A saída pode transmitir em formatos determinados. No entanto, os receptores tem de ter a capacidade de compreender esses formatos padronizados, que é um dos desafios que a matéria citou. Sim, me deu a entender que o SU57 está sendo o principal sensor de ameaças e ao mesmo tempo comandando ao processar as informações aos executores. O mecanismo pode até ser eficaz, mas meio que me pareceu que vai na contra-mão das tendências da próxima década, onde vão se diminuir cada vez mais as redes centralizadas, para cada vez mais modelos de… Read more »

Sergio Machado
Sergio Machado
Reply to  GFC_RJ
4 meses atrás

Pelo caminhar, dá pra supor que estejam indo por esse caminho de rede neural, de fusão total. Nesse caso específico da matéria, creio eu que os SU 35 fizeram as vezes de drones. Vão x drones comandados por um SU 57. Podem estar fazendo as primeiras interações. Ocorreu algo semelhante com uma fragata russa plotando o alvo pro sistema Bastion. Penso que a idéia é um elemento ficar na forma passiva, recebendo e no comando, mascarando a posição. 1 SU 57 com 2 ou 3 drones em fusão, inclusive elementos em terra e mar. Creio que o intuito é nesse… Read more »

MestreD'Avis
MestreD'Avis
5 meses atrás

O artigo dá a entender que o Su-57 estava em pleno controle dos Su-35. Mas lendo o artigo se percebe que se trata de fusão de dados. O que num modo mais avançado permite que um caça detecte o inimigo e outro lance o missil.
Muitos caças fazem isto, e aparenta ser o ponto onde o F-35 se destaca a longa distância de todos os outros
No entanto, logo vamos ter que ouvir novamente que o F-35 não serve para nada

José
José
Reply to  MestreD'Avis
5 meses atrás

F-35 não serve pra nada

Tomcat4,2
Tomcat4,2
5 meses atrás

Tipo de coisas que pilotos de Gripen fazem a anos e rindo e que os pilotos da FAB passarão a fazer tbm e com o melhor dos Grifos.

Lucianno
Lucianno
Reply to  Tomcat4,2
5 meses atrás

Fazem a anos???
Sério mesmo???

Flanker
Flanker
Reply to  Lucianno
5 meses atrás

Se for um caça realizando o contato e plot do alvo e passando esses dados para outro caça lançar o armamento, sim! Os Gripen já são capazes disso desde suas versões anteriores às versões E/F…

Rommelqe
Rommelqe
Reply to  Flanker
5 meses atrás

Exatamente! Ha anos que aqui no PA fala-se a respeito dos suecos dominarem o emprego na fusão de dados e interlaces entre aviões, navios e estações em terra. O texto do post deixa relativamente claro que os SU-35 estavam sendo pilotaos por humanos e intercambiando dados táticos com o auxílio do S-57 . È simples assim. Como esta sendo praticado pelos suecos ha dezenas de anos…Os proprios R-99 e E-99 da FAB são uma demonstração cabal da eficiência dos suecos nessa área, mesmo deixando claro que um dos nossos mais modernos vetores em ação (na realidade os mais são os… Read more »

Lucianno
Lucianno
Reply to  Flanker
5 meses atrás

A reportagem ficou confusa. De início entendi assim, mas depois lendo em outros lugares imaginei que seriam drones. Se for somente isso que você citou os russos já fazem desde o Mig-31, nem precisava fazer uma reportagem sobre isso.

Tomcat4,2
Tomcat4,2
Reply to  Lucianno
5 meses atrás

Vc sabe que a fusão de dados e compartilhamento na Saab vem de antes do Gripen né ???
Se não sabe procure se informar antes de ser sarcástico e passar vexame taokey muchacho.

Hcosta
Hcosta
Reply to  Tomcat4,2
5 meses atrás

Sempre houve partilha de informações e ataques coordenados.
A questão é como processar uma tão grande quantidade de informação?
Como exemplo quantos operadores tem um AWAC? Como filtrar o que é relevante?
A ideia é aproveitar a tecnologia de informação do SU-57 e do F-35 para actuarem como um mini AWAC’s. E será mais uma razão para estes caças de 5G serem um multiplicador de forças, para além de outras (furtividade, guerra electrónica…).

José
José
Reply to  Tomcat4,2
5 meses atrás

Verdade verdadeira verídica que vc mora em BH?
Queima nosso filme não…
Só mudar ou parar de postar bobagem

Tomcat4,2
Tomcat4,2
Reply to  José
5 meses atrás

Sim ,moro em Betim MG.Diga onde postei bobagem então meu caro, como o Rommelqe salientou, a SAAB já domina a fusão de dados a muito tempo.
No caso vc foi infeliz e improdutivo em seu comentário não acrescentando nada ao debate.

Nilton L Junior
Nilton L Junior
5 meses atrás

Realmente montar um banco de dadas com essa finalidade não deve ser uma tarefa simples, agora uma vez superado os desafios a vantagem é significativa e estratégica para seu uso.

GFC_RJ
GFC_RJ
5 meses atrás

Minha questão é outra… É talvez de doutrina conceitual ou de filosofia, sei lá.

Em TI, o mundo está indo para blockchain. Entre diversos atributos, ao invés de ter um “cérebro central” para comandar e articular as ações, os objetos passam a ser conectados em uma “teia”. Com isso, se uma peça cai, as outras mantém o desempenho como numa rede neural.

Essa formação da matéria faz justamente o oposto, mantendo um vetor central, onde se este vetor “cai”, os outros ficam à deriva.

Enfim… quero polemizar não. Só joguei no ar.

Abraços. 

EB75
EB75
5 meses atrás

Esses interiores / fundo de painel na cor verde água das aeronaves russas é muito feio, ridículo, brega. Parece que foi aplicado prime na funilaria e ainda não pintaram.

Vinicius Momesso
Vinicius Momesso
Reply to  EB75
5 meses atrás

Okay, Ronaldo Ésper da aviação.

Junior
Junior
Reply to  EB75
5 meses atrás

Existe um motivo e houve vários estudos científicos para a escolha dessa cor nos painéis das aeronaves russas

Flanker
Flanker
Reply to  Junior
5 meses atrás

Ok. E que isso seja dito todas as vezes que alguém falar que a camuflagem verde/cinza da FAB é feia….

Italo Souza
Italo Souza
5 meses atrás

A evolução começa pelos testes

Matheus Augusto
Matheus Augusto
5 meses atrás

Russos mostrando que ainda estão no jogo. Apesar dos pesares, é notável como um país com economia menor que a nossa consegue ainda se manter como segunda ou terceira potência militar mundial .

Luiz Trindade
Luiz Trindade
5 meses atrás

Mais uma informação na guerra da propaganda…

Antunes 1980
Antunes 1980
4 meses atrás

Qual a vantagem real disso?
Em um ambiente de guerra, quem terá tempo de ficar controlando vários caças?