Home Aviação de Caça Caças japoneses são acionados diariamente para interceptar aviões chineses

Caças japoneses são acionados diariamente para interceptar aviões chineses

5782
42
F-15J da JASDF

TÓQUIO – Os aviões militares japoneses são agora ser acionados diariamente – às vezes várias vezes ao dia – em resposta a aeronaves chinesas que se aproximam do espaço aéreo japonês, disse o ministro da Defesa do Japão a jornalistas estrangeiros em Tóquio no dia 25 de junho.

“Precisamos avaliar a capacidade e as intenções da China”, disse o ministro da Defesa, Taro Kono, em inglês, no Clube de Correspondentes Estrangeiros do Japão.

A China passou de uma nação sem jatos de combate modernos, submarinos ou fragatas no início dos anos 90 para uma com mais de 1.000 caças de quarta e quinta geração, disse ele. O Japão tem pouco mais de 300 dessas aeronaves em sua Força Aérea de Autodefesa (JASDF).

“No mar da China Oriental, nossos caças são acionados contra aviões chineses quase todos os dias, às vezes mais de uma vez”, disseram eles.

O Japão e a China têm reivindicações territoriais sobrepostas no Mar da China Oriental, com valiosos recursos naturais em jogo.

A China também está abrindo uma grande lacuna entre os arsenais militares das duas nações, disse Kono, e está construindo muitos submarinos, fragatas e destróieres.

Air Defense Identification Zones (ADIZ) sobre o Mar da China Oriental

“Navios com armas estão tentando violar nossas águas territoriais constantemente e nossa guarda costeira está fazendo um ótimo trabalho perto das ilhas Senkaku”, disse  ele, referindo-se às ilhas administradas pelos japoneses a oeste de Okinawa, que também são reivindicadas pela China e Taiwan.

Um submarino chinês foi detectado em 18 de junho perto de Amami-Oshima, uma ilha na província de Kagoshima entre a ponta sul de Kyushu e Okinawa, disse Kono.

“Normalmente, não fazemos anúncios sobre submarinos; nem dizemos se reconhecemos que há um submarino ou não, mas acho que às vezes precisamos conscientizar o que está acontecendo no Japão”, afirmou.

As ações de Pequim também foram alarmantes no Mar da China Meridional, onde construiu e militarizou ilhotas em águas disputadas, disse Kono. Ele observou que um navio chinês afundou um barco de pesca vietnamita lá em abril.

Outras áreas de preocupação, disseram eles, são a erosão pela China do princípio “um país, dois sistemas” em Hong Kong e seus confrontos na fronteira das montanhas com a Índia.

Enquanto isso, os japoneses estão assistindo eventos “bastante estranhos” na Coreia do Norte, onde o líder da nação, Kim Jong Un, pode ter problemas de saúde ou evitar aparições públicas por causa do coronavírus, disse Kono.

As recentes declarações belicosas do Norte em relação à Coreia do Sul são um esforço para distrair seus cidadãos de uma má colheita ou de uma economia lenta, disseram eles.

Voltando às suas observações em casa, Kono voltou a abordar a decisão anunciada na semana passada de congelar a aquisição de sistemas Aegis Ashore para as bases da Força de Autodefesa do Japão em Yamaguchi e Akita. Ele disse que a decisão se deve à sua incapacidade de garantir que os foguetes (boosters) dos mísseis interceptadores do sistema caíssem dentro dessas bases.

Ele também observou que milhares de membros do serviço japonês têm ajudado com a resposta de seu país ao coronavírus, mas nenhum deles foi positivo até agora.

“Isso mostra como eles seguem rigorosamente os regulamentos e as ordens”, disse ele.

Mas equilibrar os deveres de segurança dos militares com combater o coronavírus e responder a tufões nos próximos meses será um desafio, acrescentou Kono.

FONTE: Stars and Stripes

Subscribe
Notify of
guest
42 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
RenanZ
RenanZ
2 meses atrás

Ainda bem que não temos vizinhos como estes
(pelo menos por enquanto)

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  RenanZ
2 meses atrás

Ainda bem nada,graças ao fato de não termos ameaças externas nós acabamos adotando esse pacifismo ridículo que nos deixa completamentee vulneráveis.Se tivéssemos pelo menos um Paquistão ou um Irã aqui do lado com certeza nosso país iria valorizar a sua defesa e soberania ao invés de neglicencia-las.

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  Allan Lemos
2 meses atrás

Temos a Venezuela más não e o suficiente.

Dario Renato
Dario Renato
Reply to  Allan Lemos
2 meses atrás

Inacreditável! Você acha que seria bom termos problemas sérios de de segurança externa para precisarmos gastar ainda mais com as forças armadas.
O que nos deixa vulneráveis não é a falta de ameaças, elas até existem, mas a irracionalidade administrativa e organizacional das forças. Os gastos nós já temos e são bem altos.

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  Dario Renato
2 meses atrás

Sim,seria ótimo termos um inimigo aqui ao lado pois nos daria incentivo suficiente para que investíssemos na nossa defesa e a nossa soberania.Até hoje o Brasil não consegue lançar um mísero satélite,no momento não temos nenhum submarino patrulhando nossas águas,todos os caças e MBTs que temos são obsoletos.O Brasil não “gasta” muito com a defesa,o Brasil gasta com o soldo dos militares,mas o investimento em R&D é quase zero. Já disse isso aqui em outras ocasiões,a mentalidade pacifista “paz e amor” que o Brasil lamentavelmente adotou vai custar muito caro,mas infelizmente o povo só se dará conta disso quando verem… Read more »

Dario Renato
Dario Renato
Reply to  Allan Lemos
2 meses atrás

Allan, sinceramente nem sei como fazer para você entender, mas acredite em mim: nossas ameaças mais sérias são internas e – com toda a certeza – se tivessemos um vizinho que fosse agressivo as primeiras aquisição fas FFAA brasileiras seriam mesas de escritório, carimbos, cafeteiras e novos anexos nos prédios militares do centro do Rio e em Brasília.

Flanker
Flanker
Reply to  Allan Lemos
2 meses atrás

Coisa de maluco um pensamento desses….muitos e muitos países investem adequadamente em defesa sem ter ameaças nas suas fronteiras…..

JuggerBR
JuggerBR
Reply to  Allan Lemos
2 meses atrás

(É tão positivo ter um vizinho belicoso, que invade, mata, rouba e estupra ao longo da história, não é? Edificante termos alguém que pensa assim…) Ironia mode off

Francamente…

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  JuggerBR
2 meses atrás

Se você tiver um vizinho belicoso ele não fará nada do que você falou porque você estará preparado para se defender e para retaliar se ele ousar a fazer isso contra você.Por que você acha que ninguem em sã consciência ousaria a tentar algo contra Israel ou contra a Índia?Porque eles estão armados até os dentes,já o Brasil é tão indefeso quanto um gatinho,se você curte ver o seu país em uma posição dessas não posso fazer nada.

Dario Renato
Dario Renato
Reply to  Allan Lemos
2 meses atrás

Ninguém ousaria fazer nada contra Índia ou… Israel???
Allan, por favor, não se envergonhe mais!

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  Dario Renato
2 meses atrás

Prove que estou errado,ou acha mesmo que alguém teria coragem de invadir os países que eu citei?Não me refiro à escaramuças esporádicas aqui e ali,falo de situações onde a integridade territorial desses países esteja realmente ameaçada(nos dias atuais).O engraçado é que desde o meu OP eu espero alguma alma rebater meus argumentos,acho que vou esperar sentado,rsrs.

Flanker
Flanker
Reply to  Allan Lemos
2 meses atrás

Então, por que esses invasores, ávidos por nossa dissolução territorial, não aproveitam agora, visto que estamos tão fragilizados, como vc descreveu? Sua teoria é mirabolante. Mesmo que tivéssemos vizinhos belicosos, não necessariamente investiríamos em defesa. A realidade é muito mais complexa.

Dario Renato
Dario Renato
Reply to  Allan Lemos
2 meses atrás

Cara, esse assunto já perdeu a graça, portanto é a última coisa que vou dizer a respeito. A Índia tem problemas sérios em diversas frentes, inclusive com adversários nuclearizados, tem parte de seu território sob domínio da China e não está perto de resolver esta questão mesmo gastando o que gasta com defesa. Israel então, meu amigo, existe um juramento de empurrar o povo israelita para o mar. Não é uma questão de invadir mas de destruir totalmente o povo judeu. Pergunte a qualquer israelita se ele preferiria continuar com seus inimigos atuais orgulhosamente tendo Merkava, F-35 e mísseis Jericho… Read more »

LUCAS HILARIAO PADOVEZE
LUCAS HILARIAO PADOVEZE
Reply to  Allan Lemos
2 meses atrás

E só lembrarmos das nossas fronteiras ao sul do país aonde realmente houve histórico de conflito, porém até os antigos inimigos hj estão defasados e já não se importam tanto, a questão é que ainda temos recursos naturais e verdadeiras riquezas precisamos estar prontos e com o mundo tripolar de hj mais que nunca

gordo
gordo
Reply to  Allan Lemos
2 meses atrás

Poderíamos ter os EUA de vizinho, e sermos o México ou sermos o Canadá. A questão ai é saber o que faz o Canadá o que é, e o México ser o que é. Meu palpite é que não é o vizinho, basta ver como se vive na nova Zelândia. Concordo que ter um vizinho casca grossa impõe FAs bem equipadas, mas isso não implica em um Pais necessariamente desenvolvido, por sinal Nosso orçamento está na faixa de Israel e ainda assim somos o que somos. Tem algo a mais em Israel que dinheirama em equipamento para as FAs, a… Read more »

Alfredo Araujo
Alfredo Araujo
Reply to  Allan Lemos
2 meses atrás

Volta para o video-game seu alienado.
Gosta de brincar com a vida dos outros ? Compra uma passagem só de ida para uma republiqueta africana e vai brincar com a sua vida !
.
O ideal é o q nós vivemos, sem países beligerantes, sem disputas territoriais, sem questões étnicas, religiosas e etc..
A falta de fatores de risco não é uma desculpa para ser relapso com a defesa. Agora… achar q deveríamos ter um inimigo, para que possamos investir mais em defesa ? Vai te catar ! É o máximo q eu posso mandar vc fazer, sem ser repreendido.

Adriano RA
Adriano RA
2 meses atrás

Desse jeito, em breve teremos navios chineses patrulhando nossas costas, saídos de bases chinesas na costa da África.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
Reply to  Adriano RA
2 meses atrás

Navios patrulha não, mas os pesqueiros deles já chegaram e dão dor de cabeça, não só ao Brasil, faz tempo.

Salim
Salim
Reply to  Fabio Araujo
2 meses atrás

E muito destes barcos comprovadamente são espiões e alguns são armados. Urgente Brasil precisa patrulhar efetivamente o Atlântico sul e barrar diplomaticamente bases na africa e na Venezuela/argentina.

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  Salim
2 meses atrás

Diplomáticamente falando, você só impede uma coisa dessas, ou mostrando os problemas ou oferecendo algo melhor no lugar. Do contrário não adianta.

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  Adriano RA
2 meses atrás

Acho difícil.Os chineses nunca terão estrutura logística para fazer esse tipo de coisa,os EUA só conseguem porque conseguiram pôr bases no Pacífico na Segunda Guerra.Mas não acho que nenhum país africano concordaria em dar bases navais aos chineses para que eatacionem navios por lá em caráter permanente.

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  Allan Lemos
2 meses atrás

A uns anos atrás, tambem se falava sobre ter caças de 5°geração e se tornar a segunda maior econômia e correndo para ser a maior econômia do mundo. Olha como estão.

Marcos10
Marcos10
Reply to  Allan Lemos
2 meses atrás

Na verdade os chineses já estão na África, como já tem uma base na Argentina e daqui a pouco já terão outra na Venezuela.

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  Marcos10
2 meses atrás

Os chineses não têm e nem terão bases comparadas às que os EUA tem no Japão(Yokosuka), ou na Coreia do Sul(Camp Humphreys). O que a China tem na Argentina é uma base de observação espacial,que inclusive gera muitas críticas por lá.Os chineses jamais terão uma expanção militar semelhante àquela que os EUA tiveram porque tanto os países da África quanto os da América Latina não têm ameaças externas relevantes,sendo assim não têm qualquer motivo para abrir seus territórios para bases chinesas.Quanto a Venezuela,bem que eles queriam abrigar uma base chinesa,mas duvido muito que estes estejam interessados nisso.Até porque militarmente falando… Read more »

Last edited 2 meses atrás by Allan Lemos
Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  Adriano RA
2 meses atrás

A culpa nesse caso não seŕa da China e sim nossa por não patrulharmos a nossa própria costa, partindo de bases no nosso próprio território.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
2 meses atrás

Os chineses estão muito afoitos, mas com pandemia e o surgimento e crescimento da oposição interna e de grupos pedindo mais democracia eles estão tentando distrair a população chamando a atenção para a política externa.

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  Fabio Araujo
2 meses atrás

Que oposição interna amigo, só quem reclama más não tem força e uma ex-colônia britânica com relativa indepedência e uma provincia que se rebelou a 70 anos e até hoje ainda não e considerado um país pela maioria dos países do mundo.

Marcos10
Marcos10
Reply to  Cristiano de Aquino Campos
2 meses atrás

A China tem vários problemas internos. Há vários cantos do país que estao juntos na base da força.
Mesmo em ditaduras, há divergências na cúpula, um querendo tomar o lugar do outro.

Roger
Roger
Reply to  Cristiano de Aquino Campos
2 meses atrás

Uma simples busca no wikipedia, mostraria que a India e o Tibet tem uma história tão longa quanto o da própria China. O Brasil é um bebê se compararmos com a história desses povos. E uma ex-colônia com relativa independência? WTF De onde tirou isso? E o Tibet tem ao menos 1400 anos de independência(1000 antes dos mongóis + 400 anos depois dos mongóis) , comparado aos 200 anos como estado vassalo da dinastia Qing. Eles nunca foram uma província chinesa… E sim, há divergências dentro da China. Mesmo dentro do PCC há uma briga pelo poder para ser o… Read more »

Sagaz
Sagaz
Reply to  Roger
2 meses atrás

Eu vou resumir o que é mais provável acontecer, vide o exemplo Venezuela e nós aqui no Brasil, quanto mais alimentamos os parasitas que nada produzem e vivem de dilacerar a sociedade, um dia o estado vai a colapso. Quanto mais se fortalece estruturas inúteis de regulamentação, fiscalização, regulatórias, estatais, aspones sa…. Se aqui já é difícil com os deuses do Olímpio que fizeram um concurso e passam a ter a obrigação de fazer favor para os cidadãos inferiores, imagina na China com o PCC .

Ilvan villa secca
Ilvan villa secca
Reply to  Roger
2 meses atrás

Parabéns pela aula de história 👍👍👍👍

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
2 meses atrás

O mundo dá voltas mesmo, o Japão preocupado com outro país asiático estar se espandindo após se desenvolver econômicamente. Será medo de uma vingança tardia pelos seus crimes durante a 2 guerra mundial ou todas a vezes em que eles invadiram não só a China mais quase todas a nações da região ao longo de séculos?

Roger
Roger
Reply to  Cristiano de Aquino Campos
2 meses atrás

Até podem se vingar do Japão, mas depois espero que os chineses também se vinguem da herança Maoista/comunista que causou mais mortes que os próprios japoneses. Um “grande passo para frente” direto para a vala, a Revolução Cultural” que ironicamente queimava livros e matava a “elite” intelectual e o massacre da praça Tiananmen, onde tanques esmagavam perigosos estudantes. O mundo dá voltas mesmo…

João Bosco
João Bosco
2 meses atrás

Eu vejo a China com três objetivos bem claros no mundo atual: 1 – Retomar a província de Taiwan a qualquer custo. O governo chinês não aceita essa sua “província” ser um pais soberano e vai tentar de todas as maneiras tê-la de volta, por bem ou por mal; 2 – Resolver problemas históricos com o Japão. Os chineses não engoliram até hoje a invasão japonesa à China antes da Segunda Guerra e as atrocidades praticadas no território chines contra a sua população. É só lembrar de um ditado: ” Quem bate esquece, mas que apanha não esquece”; E a… Read more »

Eduardo F.
Eduardo F.
Reply to  João Bosco
2 meses atrás

concordo inteiramente. só penso que mexer com orgulho e vaidades é uma mistura explosiva. espero que ninguém ,por impulso, chute o” pau da barraca” e o capeta ,lá do inferno, grite……”É hoooooje “

Roger
Roger
Reply to  João Bosco
2 meses atrás

A China, como país de dimensões continentais tem uma tendência natural de ser uma potência terrestre. Uma visão “introvertida”, isolacionista, auto centrada, visando a auto suficiência, o coletivo/comunidade e com um forte poder central. Mas eles bem sabem que esse mindset geopolítico tem seus pontos fracos, os chineses não querem repetir os mesmo erros dos soviéticos. Uma potência naval tem mais chances de prosperar, um mindset naval/mercantil baseado no individualismo, abertura econômica, empreendedorismo e livre mercado (muitas bandeiras do mundo capitalista). Mantendo o melhor dos dois mundos, eles (PCC) tem mais chances de sobreviver e se manter no poder. Pois… Read more »

João Bosco
João Bosco
2 meses atrás

Sinceramente falando, o Brasil nunca quis ser uma país grande, nunca quis pensar grande … por isso não é , nem de longe, um país grande na geopolítica mundial, mas tem recursos que interessam em muito o mundo atual e até futuro. Se quisesse ser, teria condições de investimentos econômicos para ser uma potencia mundial e, nesse jogo, há a necessidade de fortes investimentos no setor de defesa – coisa que há muitos anos não é feito a contento – e o resultado está ai: FAB, com aeronaves de caça da década de 1970, MB com poucos e obsoletos navios… Read more »

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
2 meses atrás

Os pilotos japoneses devem estar adorando o aumento de acionamentos Rojão de Fogo. Eu gostaria. Ruim é escrever o POLREL depois do pouso.

Jmgboston
Jmgboston
2 meses atrás

Infelizmente eles vão mostrar mais respeito por um Japão Nuclear. Qual nação não pensa 10 vezes antes de atacar uma potência nuclear? Foi isso que impediu uma terceira guerra mundial. Com certeza não foi a ONU.

Gabriel BR
Gabriel BR
2 meses atrás

Essa Constituição pacifista do Japão deve ser revista o quanto antes.

jonny BR
jonny BR
2 meses atrás

Gostaria que os Foristas tratassem os EUA da mesma maneira que tratam a China, mas a ideologia fala mais alto.

Afinal de contas EUA nunca espionou o nosso país, nunca interferiu na nossa política, enfim VERY GOOD FRIEND.

Se fosse apontar um vizinho traiçoeira, apontaria a Colômbia.

Ilvan villa secca
Ilvan villa secca
2 meses atrás

Um país primeiro tem que pensar em educação saneamento básico infraestrutura etc pra depois pensar em outras coisas. Porq um avião de quinta geração têm que ter pilotos treinados tanto fisicamente como intelectualmente. Exemplo o Japão vejamos o nível intelectual deles veja o nosso veja à China também. Temos primeiro desenvolver pessoas intelectualmente preparadas para podermos fábrica software e hardware pára missés étc. ..não adianta nada comprar 200 avião f- 35 se nós não temos pessoas preparadas treinadas pára ó mesmo. .Um grande país começa na educação dê seu povo. ….Essa é a minha humilde opinião. ….