Home Aviação de Ataque GE Aviation entrega o primeiro motor F414 do caça KF-X da Coreia...

GE Aviation entrega o primeiro motor F414 do caça KF-X da Coreia do Sul

3740
56
Mockup do KF-X

LYNN, Massachusetts — A GE Aviation entregou o primeiro motor F414-GE-400K em maio à Korea Aerospace Industries Ltd (KAI) para o caça autóctone da próxima geração da Coreia do Sul, conhecido como KF-X.

Desenvolvido para a Força Aérea da República da Coreia (ROKAF), o KF-X, equipado com dois F414, proporcionará uma capacidade de missão significativamente maior, raio de combate estendido e vida útil mais longa em comparação com as aeronaves atuais.

“A GE está entusiasmada por alcançar esse marco importante no programa KF-X”, disse Al DiLibero, gerente geral do departamento de motores de combate e treinamento médios da GE. “Nosso sucesso até agora neste programa reflete o forte relacionamento entre a ROKAF, nossos parceiros da indústria sul-coreana e a GE Aviation, e a longa e bem-sucedida história de nossos motores que acionam as aeronaves da ROKAF”.

A Korea Aerospace Industries Ltd (KAI) da Coreia do Sul selecionou a GE Aviation em maio de 2016 para fornecer motores F414-GE-400K para o caça KF-X. A aeronave multifuncional KF-X, um projeto de US$ 7,4 bilhões, está sendo projetada e construída pela KAI. A aeronave KF-X substituirá a frota coreana de F-4D/E Phantom II e F-5E/F Tiger II.

O programa de desenvolvimento está programado para ser concluído em 2026, que inclui a produção de 15 motores de teste de voo F414 e seis protótipos até 2021. Os testes de voo ocorrerão em 2023. As 120 aeronaves KF-X estão programadas para as forças armadas da Coreia do Sul. A GE Aviation fornecerá 240 motores de produção F414 mais peças de reposição.

Modelo em 3D do KF-X

A GE fez parceria com a Coreia do Sul muitas vezes para propulsar aeronaves em seu inventário. Atualmente, os motores F404 da GE equipam o T-50 Golden Eagle sul-coreano, um treinador supersônico de alto desempenho desenvolvido com a KAI para a ROKAF. Os motores de turbina de eixo T700 da GE equipam o helicóptero utilitário coreano Surion. Além disso, os motores F110 da GE propulsionam as aeronaves F-15K da ROKAF.

O motor F414 da GE entrou em serviço em 1998 e voou mais de 4,6 milhões de horas com mais de 1.750 motores entregues. Além do KF-X, o F414 equipa o F/A-18E/F Super Hornet e o EA-18G Growler da Boeing, o JAS 39E/F Gripen da Saab, o Tejas Mark 2 da Índia, e o X-59 Quiet Supersonic Transport da Lockheed Martin e da NASA.

A GE Aviation, uma unidade operacional da GE, é fornecedora líder mundial de motores a jato e turboélice, componentes, sistemas digitais, aviônicos, energia elétrica e mecânica integrados para aeronaves comerciais, militares, comerciais e de aviação geral. A GE Aviation possui uma rede global de serviços para dar suporte a essas ofertas e faz parte da Digital Industrial Company, com máquinas e soluções definidas por software, conectadas, responsivas e preditivas.

Vista em corte do Motor GE F414

FONTE: GE Aviation

Subscribe
Notify of
guest
56 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
JSilva
JSilva
5 meses atrás

O armamento vai ser carregado todo externamente como os caças de 4ª geração?

Eduardo Lima
Eduardo Lima
Reply to  JSilva
5 meses atrás

Aeronave de 4.5 geração como descrito.

Flanker
Flanker
Reply to  Eduardo Lima
5 meses atrás

Descrito onde?

Lu Feliphe
Reply to  JSilva
5 meses atrás

Sim, basicamente os requisitos iniciais do programa era uma aeronave de 4.5 gen com uma furtividade reduzida.

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  JSilva
5 meses atrás

Quase isso.
Repare nos mísseis no centro da fuselagem. Existe um recuo na fuselagem, de maneira que os mísseis ficam semi-encaixados como ocorre no MiG-31 russo. Isso diminui o arrasto e a RCS.
 
O KF-X tem como objetivo atingir um RCS menor que a maioria dos caças de 4,5 ª porém não sera totalmente furtivo como o F-35.
 
Veja foto do MiG-31 com mísseis semi-encaixados na fuselagem.

mig-31-missil-semi-interno.jpg
Lu Feliphe
Reply to  Luís Henrique
5 meses atrás

Vale destacar que nem o f 35 é totalmente furtivo.

Last edited 5 meses atrás by Lu Feliphe
GuiBeck
GuiBeck
Reply to  Luís Henrique
5 meses atrás

O F-4 Phantom também empregava solução semelhante. O míssil fica semi embutido, e, nos dois casos, penso que reduz o arrasto e o RCS, é uma solução mais discreta do que levar pendurado em cabides.

Marcos10
Marcos10
Reply to  JSilva
5 meses atrás

Uma opção é utilizar um casulo para mísseis e tanques conformais igualmente foi pensado para um eventual Advanced Super Hornet.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
5 meses atrás

Um belo caça e vai ser um bom concorrente para o Gripen.

Vinicius Momesso
Vinicius Momesso
Reply to  Fabio Araujo
5 meses atrás

O Gripen de ser o “Bad ass” mesmo, em?

Tiger 777
Tiger 777
5 meses atrás

Um país que quer soberania tem de fabricar motores, radares e mísseis. Num conflito, um embargo te leva a derrota.
É caro e demorado, mas tem de ser feito pelo Brasil.

nonato
nonato
Reply to  Tiger 777
5 meses atrás

É o ideal. Mas a maioria dos países não o fazem.
E mais fácil falar do que fazer.
Mas há muito defendo que o Brasil poderia estar fazendo.
Turbinas no mínimo desenvolvendo com calma. Não necessariamente para produção.
Mas ir desenvolvendo para aprender.
Mísseis e radares já temos alguma coisa.

Marcos10
Marcos10
Reply to  Tiger 777
5 meses atrás

Tipo Brasil, que quer tudo e não tem nada.
A Coreia do Sul tem dois inimigos gigantescos. Se você é pequeno, tem de escolher amigos fortes. No caso da Coréia, os EUA.
Enquanto isso o Brasil, com ToT irrestrita, espera o lançamento de um próximo caça, para pedir ToT novamente. E não conseguindo desenvolver nada, culpará outros de embargo.

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Tiger 777
5 meses atrás

Tem um monte de Patente da GE e PW vencida para o brasil copiar e aprimorar, mas falta vontade política.

Marcos10
Marcos10
Reply to  Carlos Campos
5 meses atrás

Como fosse fácil, que o digam os chineses tentando copiar os motores russos. Mas você tem razão em parte, falta vontade política. Mas também falta gente capacitada para fazer e, principalmente, dinheiro. Falta gente capacitada para tudo, até para coisas elementares, sem contar a preguiça e a má fé, que une empresários, trabalhadores e políticos. E um país que tem de recorrer a empréstimos externos para manter folha de pagamento e previdência, esperar o quê? Só não vê quem não quer, já viramos a Grécia.

Nilton Reis Jr
Nilton Reis Jr
Reply to  Marcos10
5 meses atrás

@marcos10 Essa “necessidade” no “E um país que tem de recorrer a empréstimos externos para manter folha de pagamento e previdência, esperar o quê?” não é obrigação, é escolha ideológica do sociopata mor da economia.

Marcos10
Marcos10
Reply to  Nilton Reis Jr
5 meses atrás

Prezado Nilton: o Brasil vem recorrendo a empréstimos para cobrir folha de pagamento e previdência tem mais tem trinta anos.

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
Reply to  Nilton Reis Jr
5 meses atrás

Um país que sabe oque quer não mede esforços para adquirir conhecimento…
 
Os que sabem o caminho,contratam engenheiros,técnicos,cientistas nativos ou estrangeiros,muitas vezes pagando alto pelo seu “passe”,por assim dizer…
 
Investem bem suas universidades e centros tecnológicos governamentais.
 
 
Aqui no Brasil acho que muitos veem tal coisa como gasto e não investimento futuro.
 
 
 

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Marcos10
5 meses atrás

Nós já temos gente capacita no ITA, AVIBRAS e POLARIS TuboMachine

Marcos10
Marcos10
Reply to  Carlos Campos
5 meses atrás

Carlos: eu sei que tem gente capacitada em um monte de lugares aqui no Brasil, mas esses são um pingo de água no oceano. Só formamos advogados e sociólogos. Há poucos engenheiros, matemáticos, químicos. Só na cidade do Rio de Janeiro tem mais advogados que na Coréia do Sul inteira.

Carlos Campos
Carlos Campos
Reply to  Marcos10
5 meses atrás

discordo de você, temos já tecnologia, já temos gente capacitada, nem todo americano ou russo é engenheiro, a gente só precisa melhorar o que já temos e o que já tem por aí, o que falta é vontade dos deputados e senadores.m

Gabriel BR
Gabriel BR
Reply to  Tiger 777
5 meses atrás

É só fabricar sob licença igual a Suécia faz na Volvo Aero

Luiz Galvão
Luiz Galvão
5 meses atrás

Sinceramente não entendo que conceito de “autoctone” é esse se o motor, um dos principais componentes do avião, é estrangeiro. Na mesma linha ainda temos os sensores.

Maurício Veiga
Reply to  Luiz Galvão
5 meses atrás

Estão se referindo ao projeto, basicamente!!!

nonato
nonato
Reply to  Luiz Galvão
5 meses atrás

Já é alguma coisa.
O motor do gripen também é americano e ninguém tira o mérito.

Luiz Galvão
Luiz Galvão
Reply to  nonato
5 meses atrás

Certo, mas Então não classifiquem como autóctone.

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  Luiz Galvão
5 meses atrás

É um primeiro passo. Aliás o segundo passo, o primeiro passo foi o T-50 e FA-50. Apenas como outro exemplo: A Turquia está substituindo seus mísseis anti-navio Harpoon pelo ATMACA. Esse míssil terá cerca de 300 km de alcance, mas utiliza uma micro-turbina fabricada pela Safran francesa.   O que é melhor: Comprar um míssil 100% estrangeiro ou produzir o seu utilizando alguns componentes e tecnologias estrangeiras?   No futuro, quando conseguirem, poderão substituir a micro-turbina por uma nacional. O mesmo pode ocorrer com a Coreia do Sul, no futuro, talvez consigam um motor nacional para os próximos caças. Ou… Read more »

Sincero Brasileiro da Silva
Sincero Brasileiro da Silva
5 meses atrás

Se o Brasil tivesse capacidade poderia desenvolver e fabricar motores para seus aviões comerciais e militares! Eu disse se.

Marcos10
Marcos10
Reply to  Sincero Brasileiro da Silva
5 meses atrás

Na verdade já há um fabricante e que tem um projeto. É só pesquisar.

Sincero Brasileiro da Silva
Sincero Brasileiro da Silva
Reply to  Marcos10
5 meses atrás

Projetos é o que mais eles tem! E quase sempre não sai do papel…

Maurício Veiga
5 meses atrás

Nessa configuração “furtividade zero”, mas sem dúvida uma grande máquina!!!

Marcos10
Marcos10
5 meses atrás

Parabéns aos coreanos.
Isso é resultado de um país no qual os pais se sacrificaram para que o filhos de fato pudessem estudar e ter uma vida melhor que a deles, gerando um país melhor.
Por aqui os pais roubam o futuro dos filhos para garantir seu próprio comodismo.

Carlos Henrique Lucena
Carlos Henrique Lucena
Reply to  Marcos10
5 meses atrás

Acredito que, atualmente, o mais grave problema nosso é a gestão político-administrativa, transformando o país em um mero exportador de commodities. Não vejo nenhum projeto de autonomia tecnológica ou mesmo de soberania.

Marcos10
Marcos10
Reply to  Carlos Henrique Lucena
5 meses atrás

Vou discordar. O problema não é de gestão, o problema é constitucional. Criaram um monstrengo que obriga o Estado a cobrir tudo. Corta onde? No investimento.

Marcos10
Marcos10
5 meses atrás

O expertise para construir a aeronave, evidente, os coreanos tem. Resta saber de onde virá o material para garantir a furtividade. Provavelmente LM.

Marcos10
Marcos10
5 meses atrás

Impressionante: 120 aeronaves. Contra 36 Gripens do Brasil.

Luiz Galvão
Luiz Galvão
Reply to  Marcos10
5 meses atrás

Sim.

Mas possuem a CN , a China e o Japão como potenciais adversários na região.

O Brasil precisa de mais por que ?

O único perigo ao Brasil na AL são os brasileiros.

Last edited 5 meses atrás by Luiz Galvão
Marcos10
Marcos10
Reply to  Luiz Galvão
5 meses atrás

De fato! O maior inimigo do Brasil são os próprios brasileiros.
Mas não temos inimigos por que somos um povo da “paz”, ou seja, cordeirinhos.

Luiz Galvão
Luiz Galvão
Reply to  Marcos10
5 meses atrás

“Mas não temos inimigos por que somos um povo da “paz”, ou seja, cordeirinhos.”

Aí, prezado, é uma conclusão que não compartilho.

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  Luiz Galvão
5 meses atrás

Porque vivemos no mesmo Planeta. E todos os países possuem interesses. Não existe país amigo.
Somos o país mais rico do mundo em recursos naturais, biodiversidade, etc.
Hoje, nossos vizinhos são pequenos e pouco armados, mas conflitos nem sempre ocorrem contra vizinhos fronteiriços. Existem dezenas de exemplos que comprovam isso.
As recentes ameaças francesas de discutir soberania do Brasil na Amazônia nos lembra disso.

Marcos10
Marcos10
Reply to  Luís Henrique
5 meses atrás

Bem lembrado.
Recentemente barcos de pesqueiros chineses atacaram barcos brasileiros. Qualquer dia desses aparece um navio militar chinês para dar cobertura aos pesqueiros chineses.

Luiz Galvão
Luiz Galvão
Reply to  Luís Henrique
5 meses atrás

Luiz,

Sim, mas enquanto dependermos de equipamentos e armamentos extangeiro.s, poderiamos ter 300 caças, mas mesmo assim nao seria suficiente.

Todo armamento que compramos é fabricado no exterior, é as quantidades autorizadas para o Brasil são propositalmente ridículas.

Portanto se qualquer potência nos ameaçar, vai levar fácil, mesmo que tenhamos fabricado localmente 500 Gripens e ou qualquer outro vetor.

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  Luiz Galvão
5 meses atrás

Não entendo assim caro Luiz Galvão. O caminho para a total independência tecnológica em equipamentos militares vai passar primeiro por uma Redução gradual da dependência. Não tem como sair do 0 e chegar no 100 de uma hora para outra.   Se tivéssemos 500 Gripen fabricados localmente e fizéssemos algo parecido com as outras forças armadas, te garanto que nenhuma potência militar arriscaria nos atacar. Teríamos um poder dissuasório enorme. A menos que nós atacássemos alguém primeiro, seria dificílimo alguém vir nos atacar. Mesmo com motor F414 americano e radar britânico. Claro, que o caminho seria tentar desenvolver um motor… Read more »

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  Luís Henrique
5 meses atrás

complementando a mensagem anterior:   …já contra os 46 F-5 e as 3 Fragatas da MB, tanto a força tarefa francesa, como a britânica e também a chinesa, nos colocariam de joelhos em pouquíssimo tempo.   A FAB com 200 caças modernos. A MB com 18 escoltas modernos e 12 submarinos modernos. O EB com baterias antiaéreas modernas. Acabariam com essas certezas e colocariam um alto risco para qualquer destas potências estrangeiras. Em caso de esforço máximo, a China teria vantagem evidente, mas nós teríamos capacidade para impor um Alto Custo em Vidas e em Equipamentos. O que inviabilizaria a… Read more »

Nilton Reis Jr
Nilton Reis Jr
5 meses atrás

Ao contrário dos chinas amarelos comedores de morcego, esse design é absolutamente original!

kevin o julios
Reply to  Nilton Reis Jr
5 meses atrás

Sim, absolutamente original do F-22

Blind Mans Bluff
Blind Mans Bluff
5 meses atrás

Quem diria que a Coreia ia sair na frente da Europa e Japao.

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
5 meses atrás

Quando nascer,certamente será um belo de um caça…
 
 
 comment image

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
5 meses atrás

comment image

Last edited 5 meses atrás by ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
Reply to  ADRIANO MADUREIRA
5 meses atrás

comment image

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
Reply to  ADRIANO MADUREIRA
5 meses atrás

comment image

Wellington Góes
Wellington Góes
5 meses atrás

Quero entender do porquê investir os tubos num caça que não é um caça de 5ª geração (não possui capacidade de levar armamentos internamente), apesar de se parecer com um?! Qual a vantagem técnica, estratégica ou tática disso?!
Uma coisa é aeronave de 5ª geração, também, levar equipamentos e armamentos sob as asas, outra coisa é ela só poder fazer assim… Uma aeronave com custos de um de 5ª geração, mas com desempenho de um de 4ª geração?!

Andromeda1016
Andromeda1016
Reply to  Wellington Góes
5 meses atrás

Tem que começar de algum lugar não?   O projeto prevê três etapas no desenvolvimento deste projeto. A partir da segunda etapa terá baias internas funcionando para carregar armamento.A primeira etapa já tem esse espaço reservado mas não será utilizado. O avião está sendo preparado para substituir os aviões de 4 geração que o país tem de aposentar logo, e tem bastante para substituir. Para o papael de caça de 5 geração eles tem os F-35. Quando chegar na terceira etapa o caça será quase totalmente de 5 geração faltando apenas o supercruise pois ate lá tecnologia stealth será incorporada… Read more »

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  Wellington Góes
5 meses atrás

Quem te falou sobre os custos do KF-X? Ele será um ótimo caça de 4a geração PLUS. Mais furtivo que os caças de 4a geração atuais. A Coréia do Sul está fazendo um ótimo trabalho. Irão adquirir 120 unidades. Esse caça vai complementar uma frota de F-35 de 5a geração. E a Coreia do Sul terá um caça para Exportar, mais barato que o F-35 e outras opções de 5a geração.   Para países com menos dinheiro que não podem operar caças de 5a geração, a Coreia do Sul poderá ganhar um bom dinheiro. E para eles será muito útil,… Read more »

Andromeda1016
Andromeda1016
Reply to  Luís Henrique
5 meses atrás

Luiz estima-se que o caça coreano custe algo em torno de 70 a 80 milhões de dólares a unidade, e essa estimativa tem sido motivo de crítica por parte dos que criticam o projeto pois o F-35 está em torno de 80 milhões devido à economia de escala do caça. Para os defensores do KFX a vantagem do avião está no valor menor de manutenção comparado ao F-35, a independência estratégica que o caça proporciona ao país e o desenvolvimento da indústria de defesal local. Dos dois principais componentes do caça, o radar e a turbina, tem boas notícias sobre… Read more »

Sérgio Luís
Sérgio Luís
5 meses atrás

Até eu que sou mais bobo vejo que é outro embuste! Parece que é mas ñ é!!!
Ele será furtivo só na aparência!?!

Last edited 5 meses atrás by Sérgio Luís