Home Aviação de Ataque Alemanha usará solução americano-europeia para renovar aviões militares

Alemanha usará solução americano-europeia para renovar aviões militares

4388
63
Eurofighter e Tornado da Luftwaffe

A Alemanha anunciou hoje que vai substituir os seus antigos aviões de caça Tornados por aviões europeus e norte-americanos, numa tentativa de conciliar interesses de defesa europeus e compromissos com a Otan

Governo alemão fará uma recomendação nesse sentido, “nos próximos dias”, tendo incluído o assunto na agenda da reunião de quarta-feira do Comité de Defesa da Câmara de Deputados, segundo Arne Collatz-Johannsen, porta-voz do Ministério da Defesa.

Segundo Collatz-Johannsen, os planos do Governo alemão passam por distribuir os recursos na remodelação da sua frota militar em dois terços em aviões europeus e um terço em modelos dos EUA.

O Ministério da Defesa alemão não forneceu mais pormenores, mas de acordo com os meios de comunicação social nacionais, a recomendação refere-se à compra de 90 aviões caça Eurofighter, da Airbus, e cerca de 40 aviões F-18 da Boeing, responsáveis pelo transporte de bombas nucleares norte-americanas, no quadro da Otan.

“Recomendamos uma solução mista, que faça com que a indústria de defesa europeia funcione a toda velocidade. Mas também, e isso diz respeito a pouco menos de um terço do pedido, que recorramos a um fornecedor não europeu”, disse o porta-voz do Ministério da Defesa.

A ministra da Defesa alemã, Annegret Kramp-Karrenbauer, já informou o seu homólogo norte-americano, Mark Esper, neste fim de semana, destas intenções de reorganização e do desejo de usar cerca de um terço de material dos EUA.

A frota alemã de Tornados deverá ser substituída o mais tardar em 2030, mas a última palavra será dos deputados alemães, com uma votação final sobre a matéria que é esperada apenas durante a próxima legislatura, que deverá iniciar-se no final de 2021.

FONTE: Notícias ao Minuto/Lusa

Subscribe
Notify of
guest
63 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Wellington
Wellington
7 meses atrás

Qual foi a solução adotada, ou prevista, pelo UK para a mesma situação?

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Wellington
7 meses atrás

Não houve a mesma situação com o UK. Já haviam decidido pela compra de F-35’s. Além de aeronaves para utilização de armamento nuclear, o UK também opera submarinos lançadores de mísseis balísticos, que é parte de seu compromisso nuclear.

tadeu54
Reply to  Leandro Costa
7 meses atrás

Caro Leandro, reforçando e complementando o que você escreveu:
A situação britânica é totalmente diferente, o Reino Unido tem suas próprias bombas nucleares, projeto próprio, coloca-as como quiser.
Já a Alemanha opera armas nucleares fornecidas pelos EUA, e estes vão pressionar ( aparentemente com sucesso ) para que sejam instaladas em aviões fornecidos pelos próprios.

Johnwolque
Johnwolque
Reply to  tadeu54
7 meses atrás

tadeu54 o UK tem suas bombas nucleares mas os misseis são americanos

IBIZ
IBIZ
7 meses atrás

A Força Aérea Alemã vai ficar semelhante a espanhola que opera Eurofighters e F/A-18.

IBIZ
IBIZ
Reply to  IBIZ
7 meses atrás

É interessante notar como a aquisição de equipamento militar é carregada de interesses e pressões políticas.

Doug385
Doug385
Reply to  IBIZ
7 meses atrás

Sim. São muitos bilhões em jogo.

Antonio Palhares
Antonio Palhares
Reply to  IBIZ
7 meses atrás

Pressões politicas pesadas definem todo processo

Ivanmc
Ivanmc
Reply to  IBIZ
7 meses atrás

Ótima ilustração, DSC

Antunes 1980
Antunes 1980
7 meses atrás

Eu já havia comentado isso logo do início do aviso de substituição dos Tornados. A aquisição mista será ideal para a indústria alemã e sua cota com a OTAN (entenda se norte-americanos). Só acho estranho até hoje a Alemanha não possuir uma indústria nuclear capaz de criar bombas e mísseis de cruzeiro. Lembro que havia lido a alguns anos que a França teria oferecido todo o conhecimento para o início do projeto nuclear alemão. Penso que não deve ser muito digno uma país como a Alemanha ter mais de 30 mil soldados americanos em seu território e depender deles até… Read more »

Augusto L
Augusto L
Reply to  Antunes 1980
7 meses atrás

Eles tem mísseis de cruzeiro.
O Taurus KELP é germânico.

Rafael
Rafael
Reply to  Antunes 1980
7 meses atrás

A história mostra pq a Alemanha não pode ter armas nucleares.
Não terão por muitos e muitos anos.

Agnelo
Agnelo
Reply to  Antunes 1980
7 meses atrás

Boa tarde Antunes
Não é questão de dignidade. É questão de necessidade. A OTAN enxerga a Russia como ameaça e fica aquela confusão toda.
Sds

Rafael Coimbra
Rafael Coimbra
Reply to  Antunes 1980
7 meses atrás

Basta lembrar que não faz 40 anos que a Alemanha foi reunificada, que não faz 100 anos que a Alemanha levou o mundo para 2° WW … e que toda a defesa alemã ficou restrita por décadas no período do pós guerra, podendo apenas comprar e produzir um número restrito de armamentos e todos defensivos, por muito tempo proibidos de fazer até a própria defesa aérea. Parece tudo muito distante, mas ainda está bem vivo nas cabeças de quem comandas as ações hoje. Quem sabe na próxima geração que já nasceu sem lembranças de “guerra fria” as coisas comecem a… Read more »

EduardoSP
EduardoSP
Reply to  Rafael Coimbra
7 meses atrás

Essa história de armamento defensivo e armamento ofensivo é relativa. Um artefato nuclear é ofensivo ou defensivo? Depende de um monte de variáveis e circunstâncias. A questão é que os alemães, depois da 2ª Guerra Mundial optaram por uma auto-restrição em termos militares. Na época do Pacto de Varsóvia, como a frente de combate prevista era o próprio território alemão, eles investiram bastante nas suas forças. Depois do fim da União Soviética, acharam melhor gastar dinheiro em outras coisas.
O trauma da segunda guerra foi forte para eles.

Carlos Alberto Soares
Carlos Alberto Soares
Reply to  Antunes 1980
7 meses atrás

Não pode

É cláusula Pétrea na constituição

Armamento de destruição em massa de qualquer natureza, NÃO pode.

Mais, fez parte dos acordos internacionais para reconstrução da Alemanha

rui mendes
rui mendes
Reply to  Antunes 1980
7 meses atrás

Os países que não têm armas nucleares e mais rapidamente as podiam ter se quisessem, são Alemanha e Japão. Isto foi falado já à uns anos, mas são precisamente os dois países, que se comprometeram em não ter armas nucleares.

Antoniokings
Antoniokings
7 meses atrás

Como eu disse.
Agradam um pouco a americanos e europeus, enquanto preparam o seu 5G.
Ou quem sabe, pulem direto para o 6G

Jagderband#44
Jagderband#44
Reply to  Antoniokings
7 meses atrás

kkk
tonho, por que não quiseram teu mega SU-35?

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Jagderband#44
7 meses atrás

Porque a Alemanha é da OTAN?
Ou vc queria que os russos tivessem seus próprios Su-35 atacando suas tropas em um (improvável) conflito?
Cada uma.

Foxtrot
Foxtrot
7 meses atrás

É o que cansei de escrever aqui.
O Brasil precisa aprender a usar soluções “casadas” para solucionar seus problemas.
Com a aquisição do Gripen e toda uma estrutura fabril que virá com ele, deveriam investir numa nova versão do AMX.
O mesmo vale para MB com sua CCT/Meko, investindo no projeto original das CCT,s /CPN.
O mesmo vale para sistemas de armas e EW nacionais.
Mas os “gênios” estrategistas daqui, resolvem jogar todo um conhecimento fora porque compraram uma caixa preta importada.
Off Topic

Camargoer
Camargoer
Reply to  Foxtrot
7 meses atrás

Olá Fox. Eu também defendo uma solução que contemple as necessidades das forças armadas e impulsionem o setor industrial brasileiro. O modelo brasileiro era baseado no investimento militar na Embraer que o empregava depois no setor civil. Contudo, esse modelo foi desmontado. Ficou a EDS/executiva, mas acho que ela não terá fôlego para reconstruir uma indústria de aviação comercial. Fico pensando que se privatizarem a Petrobras para algum grupo brasileiro, em dez anos vendem tudo para a Exxon.

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  Camargoer
7 meses atrás

Olá Camargo, não pense muito pois é plano do GF via Mandeta privatizar tudo. O próprio ministro Mandeta já disse isso em entrevista, é mais uma questão de quando do que de se. Quanto a Embraer, o Brasil é muito “rico” em empresas aeronáuticas que possuem as mesmas capacidades da Embraer (ou até melhores), porém nunca estiveram sob os “holofotes” do GF e militares nacionais. A própria Akaer é um exemplo disso, temos também a Ximango, Avibras, Holding T2, flight tecnologias, Desaer etc etc etc. Que poderiam cooperar numa evolução do AMX. Mas a FAB assim como MB e EB… Read more »

Torama
Torama
Reply to  Foxtrot
7 meses atrás

Mandetta?

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  Torama
7 meses atrás

Sei lá o nome do cidadão, mas é o ministro da economia.

Flanker
Flanker
Reply to  Foxtrot
7 meses atrás

Mandetta era o ministro da saúde, que foi demitido. Paulo Guedes é o ministro da economia. …..pode criticar. …direito inalienável numa democracia. …mas, pelo menos saiba primeiro de quem está falando!

Foxtrot
Foxtrot
Reply to  Flanker
7 meses atrás

Como disse Flanker estamos em uma democracia e não sou obrigado a saber o nome de ninguém.
Ainda mais porque não estou falando nada a mais que todo mundo não saiba.
Agora se você gosta de ficar decorando nomes, faça isso você mesmo, o direito é seu!
Eu já não tenho interesse.

Flanker
Flanker
Reply to  Foxtrot
7 meses atrás

Como sempre, um parvo, metido a besta….e mal-educado….nada diferente do esperado. Mas, realmente não é obrigado a saber o nome de ninguém …… assim como não sabe muita coisa que se mete a comentar……

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  Foxtrot
7 meses atrás

Tem que privatizar tudo mesmo. Já demorou. Claro, de forma honesta, transparente, colocando um percentual elevado de Brasileiros e empresas brasileiras no controle das estatais à venda. E vendendo pelo que realmente vale, não aquela palhaçada que o FHC fez de vender a Vale por uma mixaria. O Governo existe para governar. Tem que garantir segurança, saúde e educação. Não tem que produzir petróleo, produzir isso e aquilo. Produção deixa com as empresas. Bem administradas, crescerão muito mais e gerarão muito mais empregos. As quase 150 Estatais do governo federal serviram nos últimos anos para duas coisas: Cabidão de empregos… Read more »

Tomcat4,2
Tomcat4,2
7 meses atrás

Caramba, 130 belas máquinas num tapa.

Ivanmc
Ivanmc
Reply to  Tomcat4,2
7 meses atrás

Pois é, quem quer faz.

Camargoer
Camargoer
Reply to  Ivanmc
7 meses atrás

Caro Ivan. Há quem defenda que quem quer compra. Então não precisaria fazer nada. Para pagar, tira da terra que plantando tuda da. Manda o filho pra Lisboa e bora o negro pra malhar.minha terra tem palmeiras,

Ivanmc
Ivanmc
Reply to  Camargoer
7 meses atrás

É isso mesmo, Nobre Camargoer. É para frente que se anda.

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  Tomcat4,2
7 meses atrás

Serão 138 segundo a Janes.
93 Eurofighter + 30 Super Hornet + 15 Growler.

38 Eurofighter para substituir EF Tranche 1.
55 Eurofighter + 30 SH para substituir os Tornados
15 Growler para missões de guerra eletrônica.

luciano ferreira lima
7 meses atrás

Defesa militar plena no Brasil? Esquece! Em 520 anos de burradas nunca provamos ser bom em nada. Não é agora numa era pré apocalíptica que deixaremos de escorregar nas cascas de bananas da indisciplina e comodismo.

nonato
nonato
Reply to  luciano ferreira lima
7 meses atrás

Desculpe colega. Nada contra você.
Nem digo que esteja errado.
Mas acho esse um discurso muito clichê.
Se você fosse presidente o que faria?
O país tem dinheiro para comprar 100 aviões?
20 navios modernos?

Ivanmc
Ivanmc
7 meses atrás

E o Gripen? Pq não escolheram? A Suécia é do lado praticamente.

Eduardo de Assis
Eduardo de Assis
Reply to  Ivanmc
7 meses atrás

A Suécia é do lado mas não integra a OTAN. Há pressão americana para o aumento dos gastos militares por parte dos Europeus da OTAN. É uma compra Politico-Diplomática. Os requisitos militares vem em segundo lugar. Além disso, aparentemente os Gripens não tem capacidade de lançamento de armamento nuclear, que é um dos requisitos da Alemanha.
Essa compra não significa que o FA-18 é superior ao JAS GRIPEN 39.

Ivanmc
Ivanmc
Reply to  Eduardo de Assis
7 meses atrás

A pois é…

EduardoSP
EduardoSP
Reply to  Ivanmc
7 meses atrás

Porque o Gripen não é homologado para “entregar” artefatos nucleares americanos.

Ivanmc
Ivanmc
Reply to  EduardoSP
7 meses atrás

Contra quem a Alemanha poderia utilizar “artefatos” nucleares? Pelo jeito eles não querem caças artesanais.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Ivanmc
7 meses atrás

Contra alguma agressão à outro país da OTAN que demandasse utilização de armamento nuclear.

Ivanmc
Ivanmc
Reply to  Leandro Costa
7 meses atrás

Então, Leandro Costa, mostre a parte que estaria arrazoado referente ao acordo da Alemanha, que é membro OTAN, em lançar armas atômicas sobre um país agressor que atacasse, por exemplo, outro país membro da OTAN, cuja utilização demandasse armamento nuclear.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Ivanmc
7 meses atrás

Claro, sem problemas:

“NATO’s nuclear deterrence posture relies on nuclear weapons forward-deployed by the United States in Europe, as well as on the capabilities and infrastructure provided by Allies concerned. A number of NATO member countries contribute a dual-capable aircraft (DCA) capability to the Alliance. These aircraft are central to NATO’s nuclear deterrence mission and are available for nuclear roles at various levels of readiness. In their nuclear role, the aircraft are equipped to carry nuclear bombs in a conflict and personnel are trained accordingly.”

https://www.nato.int/cps/en/natohq/topics_50068.htm

Ivanmc
Ivanmc
Reply to  Leandro Costa
7 meses atrás

É isso mesmo, Leandro Costa. Valeu. Parece que eles escolheram a aeronave certa para manter o poder de dissuasão nuclear. Creio que essa decisão foi mais pelo pragmatismo alemão em adquirir um caça de qualidade, e em conta pelo que oferece, testado e com capacidade nuclear e para manter-se de acordo com o tratado da OTAN e pela aposentadoria dos Panavia Tornados. Separei esse trecho, já traduzido automaticamente, o qual achei interessante: “a OTAN pode ter que usar armas nucleares são extremamente remotas. Além disso, qualquer emprego de armas nucleares contra a OTAN alteraria fundamentalmente a natureza de um conflito. No entanto,… Read more »

Augusto L
Augusto L
7 meses atrás

As outras opções que Alemanha tinha. 1 – Modernizar e recondicionar um numero pequeno de tornados, uns 45, usando os outros como peça de reposição e procurar pod jammers europeus equivalentes ao NJG dos Growlers. Contras – mesmo com o recondicionamento e modernização os tornados teriam que se aposentar em 2030 e uma solução EW europeia ao nível da americana demoraria, o que criaria gaps. Se o novo caça europeu não estiver pronto até há data, teriam que comprar F-35s ou mais Eurofighters que ja seriam bem ultrapassados e não teriam capacidade nuclear. Prós – mantinha-se o dinheiro so em… Read more »

Augusto L
Augusto L
Reply to  Augusto L
7 meses atrás

O SH pode ser entregue rápido por se beneficiar da cadeia da US Navy, além de que a Alemanha se beneficiaria dos desenvolvimentos da plataforma e armamentos que a marinha americana faz e ainda agradaria os EUA.

Seria um caça pra comprar e operar sem dor de cabeça, num prazo curto e entregando o que se pede.

Esdras Gomes
Esdras Gomes
Reply to  Augusto L
7 meses atrás

Eu havia pensado no Rafale…

Mauro
Mauro
7 meses atrás

Me parece uma compra mais política, já que não vejo o FA-18 superando o EF em absolutamente nada, pelo contrário. Outra coisa, o antigo comandante da Força Aérea da Alemanha pedia uma combinação entre os EF e o F-35 – foi demitido por esta ministra da defesa – esta seria a solução muito mais lógica, pois o F-35 tem suas limitações, e mesmo o EF não sendo furtivo, tem horas que você precisa de um cara marrento nos céus para impor ordem. Quem faz este papel nos EUA é o F-15E, sem contar que eles têm o F-22. Comprar FA-18… Read more »

Suhre
Suhre
Reply to  Mauro
7 meses atrás

Não é questão do F-18 ser ou não superior ao EF, os F-18 serão aquiridos para se utilizar as bombas nucleares B61 que estão de posse da Alemanha, visto que não são integradas ao EF. E se comprassem o F-35 estariam jogando uma pá de cal no FCAS.

Teropode
7 meses atrás

A solução mais econômica.

Rogerio Loureiro
Rogerio Loureiro
7 meses atrás

Uma possibilidade que não vi os amigos discutirem aqui, seria sobre o destino dos Tornados que darão baixa na Força aérea alemã.

Será que, pela extensão de todo o processo, até a desativação gradual dos Tornados, o cronograma inviabiliza repassar algumas unidades para outros países, digo, o tempo de vida útil já estaria minguando?

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Rogerio Loureiro
7 meses atrás

Sssssshhhhhhhhh!!!! Cuidado! Não podemos deixar a FAB ou MB saberem disso! Mas pelo menos esse não é navalizado, embora a Marinha Alemã os tivesse operado para interdição naval no Báltico. 😀

Rodrigo Maçolla
Rodrigo Maçolla
7 meses atrás

Pois é alem dos bilhões envolvidos , a compra de material militar de determinado pais , mostra um alinhamento politico ou não de quem esta se comprando ou deixando de comprar…. Neste sentido a Alemanha ta agradando “Gregos e Troianos” ou seja compra uma caça europeu mais também um americano, continentes estes que em si são a base da Otan, que alias ela integra. De qualquer forma com ambos os tipos de caças tão montados bem, o Thyphoon é um “puro sangue” e o F-18 Super Hornet, um “cavalo de batalha”. Interessante neste sentido é que no caso do Brasil… Read more »

Karl Bonfim
Karl Bonfim
7 meses atrás

Estranho, por que o F-18 super hornet, eu acho o F-35 seria normal por ter sido escolhido por vários membros europeus da OTAN.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Karl Bonfim
7 meses atrás

F-35 é mais caro, e tendo o F-35 seria arriscar a própria iniciativa dos alemães à desenvolverem sua aeronave Stealth.

Paulotd
Paulotd
Reply to  Leandro Costa
7 meses atrás

Excelente compra, totalmente racional. SH pode levar a arma nuclear americana, e de quebra ainda vão levar 15 Growlers.

Luftwaffe vai se tornar tranquilamente a segunda ou terceira melhor força aérea da região, perdendo pra Raf e tenho dúvidas se perde pra Armée de l’Air. Em disponibilidade de material a Alemanha deve ganhar dessas outras.

rui mendes
rui mendes
Reply to  Paulotd
7 meses atrás

Perde de longe para a Italiana, que junto com a Britânica e Francesa, forma os top 3 Europeus. Aliás a Italiana têm Typhoon, F35 (A e B), Tornados ECR e IDS, Os AMX, Harrier (estes 2 últimos vão ser retirados), M346 Master, M 345, e os 2 aviões CAEW comprados a Israel, que devem ser os melhores da Europa, são iguais aos Israelitas.
A Itália têm Forças Armadas do melhor que há, nos 3 ramos.

Delfim
Delfim
7 meses atrás

Eu devolveria as nukes. Aí compraria o caça que quisesse. A Polônia que fique com elas, já que virou o primeiro a ser atropelado pelos tanques russos. E do ponto de vista do questionamento de alemães terem e/ou usarem nukes, serem próprias ou de terceiros é mero detalhe. E duvido que, se os alemães jogassem duro ameaçando a devolução das nukes, se os americanos não integrariam as W-61 ao Typhoon. . Além da sujeição política, a Luftwaffe terá que lidar com custos maiores de se operar dois tipos diferentes, na contramão da racionalização que muitas FAs como a FAB vem… Read more »

Paulotd
Paulotd
Reply to  Delfim
7 meses atrás

Não tem como devolver sem sair da Otan.É obrigação dos membros ter esse poder de dissuasão nuclear através dessas ogivas fornecidas pelos EUA.

Essa escolha da Alemanha foi excelente, só acho que poderiam ser mais unidades, mas o SH Block 3 é um baita caça-bombardeiro, melhor que o Rafale e o Eurofighter na minha opinião!

Leandro Malheiros
Leandro Malheiros
7 meses atrás

Os alemães deveriam optar por um modelo similar ao F-15 QA.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Leandro Malheiros
7 meses atrás

Por que?

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  Leandro Malheiros
7 meses atrás

Me agrada muito o F-15. Nas versões atuais entrega praticamente o Dobro do raio de ação do SH, leva uma carga de armas bem maior e é muito mais rápido. Porém quando a Alemanha excluiu o F-15 do processo, eu acredito que a USAF ainda não tinha batido o martelo no F-15EX, portanto um caça sem futuro definido contra o SH que tem encomendas e vai operar por muitos anos na Us Navy. Leia-se suprimentos, peças e modernizações disponíveis por mais tempo em relação ao F-15 que não era adquirido pelos EUA desde o início dos anos 2000. Outros pontos… Read more »