Home Aviação de Caça Mirage 2000 versus F-16D no ‘Incidente de Quios’

Mirage 2000 versus F-16D no ‘Incidente de Quios’

9434
130

Por Valter Andrade
Especial para o Poder Aéreo

A fronteira marítima entre a Grécia e a Turquia data da cessão do Dodecaneso à Grécia pela Itália, em aplicação do Tratado de Paris de 1947.

No entanto, a maior parte dessa fronteira data do Tratado de Lausanne de 1923, assinado no final da guerra greco-turca que viu a vitória dos turcos. Essa fronteira ainda gera tensões entre os dois países.

Em janeiro de 1996, ocorreu uma crise nas ilhotas desabitadas de Imia, controladas pela Grécia, mas reivindicadas desde 1986 pela Turquia (que as chama de Kardak).

A tensão nesta região é constante, sendo relativamente frequente “encontros” como um embate entre a HAF (Πολεμική Αεροπορία (ΠΑ), Polemikí Aeroporía, literalmente “Aviação Militar”-Helenic Air Force) e a THK (Türk Hava Kuvvetleri), como o que procovou o abate de um F-102 Delta Dagger Turco por um F-5A Freedom Fighter grego em 1974.

Vinte e dois anos mais tarde em 8 de outubro de 1996, ocorreu outro incidente na fronteira entre a Grécia e a Turquia sobre o Mar Egeu, entre as ilhas gregas de Quios e Samos, num contexto muito delicado entre os dois países.

Naquele dia, quatro F-4E Phantom II e dois F-16D Fighting Falcon turcos pertencentes ao 192 Filo de Balikesir realizavam manobras de treinamento ao sul da Ilha de Quíos, perto da costa. Em uma área que a Turquia considera parte de seu espaço aéreo internacional.

A Grécia também considera que é seu espaço aéreo nacional, numa superposição de fronteiras. Neste momento o sistema de defesa aéreo grego acionou dois Mirage 2000EG para interceptar os aviões turcos.

Após um rápido voo e contato visual com as aeronaves, os F-4E Phanton II retornaram à base, mas os dois F-16 se recusaram a deixar a área, alegando estarem em espaço aéreo internacional, então iniciou-se um rápido combate aéreo clássico, um dogfight, entre os Mirage 2000 EG e os F-16D.

Cças F-16C da Turquia

O piloto grego do Mirage 2000 EG de número 236, pilotado pelo tenente Thanos Grivas, conseguiu enquadrar e ficar atrás de um dos F-16D e o abateu com um míssil Matra Magic 2, fazendo com que o segundo F-16D fugisse para o leste para alcançar a zona internacional. A aeronave abatida caiu no Mar Egeu e o capitão Nail Erdoğan, que estava no comando, faleceu. Seu co-piloto, tenente-coronel Osman Çıceklı, ejetou a tempo de escapar com vida.

Çıceklı foi resgatado cerca de meia hora depois por um helicóptero AB 205 grego, recebendo tratamento médico antes de ser enviado de volta à Turquia a bordo de um C-130 Hercules. Apesar de meses de buscas, o corpo de Erdoğan jamais foi encontrado.

Durante algum tempo este Mirage 2000 EG ostentou uma marca de abate daquele incidente, que mostrava um pequeno fantasma, com a inscrição; “mehmetcik busters” (Mehmetçik, o nome geral dos militares nos soldados otomanos e turcos. A expressão “Mehmet” no turco é um nome muito comum, que gerou o nascimento da palavra “Mehmetçik” que evoca um significado como “jovem Mehmet”. Mehmetçik é derivado de Muhammad).

O Mirage 2000 é um ótimo caça para “dogfight”. E de acordo com os gregos, o Mirage 2000-5 utilizado pela HAF é o melhor caça de defesa aérea em serviço no Mar Egeu.

Em 1997, dois Mirage 2000 foram perdidos, mas longe de qualquer incidente de “dogfight”, foram por falha mecânica ou ingestão de pássaros, um em 28/07/1997 e um em 30/09/1997.

É interessante notar que, de acordo com testes recentes da HAF, o Mirage 2000-5 Mk2 mostrou que é cerca de 50% mais eficaz em combate aéreo do que qualquer versão do F-16 (a HAF opera os modelos Block 30, o Block 50, o Block 52+ e o Advanced Block 52+), devido à sua eficiência no radar de combate aéreo, a suíte ICMS Mk3 EW que é simplesmente incrível e a eficácia dos mísseis MICA, tanto EM quanto IR.

Além disso, os Mirage 2000 são os únicos aviões que podem carregar os mísseis Exocet e SCALP EG no inventário grego.

A HAF perdeu dois caças durante acidentes em combate aéreo contra seus vizinhos turcos desde 1990, um Mirage F1 em 18/06/1992 e um F-16C Block 52+ em 23/05/2006.

No que diz respeito ao treinamento e eficácia operacional de ambos os lados do Mar Egeu, nos resultados de qualquer exercício internacional (TLP, Red Flag etc.) comparando as duas forças aéreas, os gregos apresentam resultados bem favoráveis.

O incidente de Quios foi mantido em segredo por anos pelos dois países, que alegaram oficialmente uma falha mecânica para explicar o “acidente do F-16” de Osman Çıceklı, que agradeceu publicamente à Grécia por ter sido resgatado e cuidado após sua ejeção.

Somente em 2003, após vazamentos na imprensa grega – que também alegaram que o “combate” foi acidental, o ministro da defesa grego, Giannos Papantoniou, declarou publicamente que um avião turco foi abatido por um caça grego. E em 2012, após a perda de um RF-4E Phantom II abatido pela defesa aérea síria, o ministro da defesa turco, İsmet Yılmaz, reconheceu dois casos semelhantes de aviões turcos abatidos desde 1965, incluindo o F-16 perdido em 1996.

Após essas revelações, o advogado Mehmet Emin Keleş, que representa a família de Nail Erdoğan, e o co-piloto Osman Çıceklı registram uma queixa na justiça turca, e exigiu em 2016 a prisão perpétua para o piloto Thanos Grivas, acusado de “homicídio doloso” por ter disparado um míssil “sem razão no espaço aéreo internacional”. Solicita-se à Grécia que coopere, caso contrário o julgamento seria realizado na Turquia (à revelia), mas o pedido foi rejeitado em maio de 2016.

Caças F-16 da Turquia
Subscribe
Notify of
guest
130 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Uilia
Uilia
7 meses atrás

Obrigado pela materia, eu não sabia que os f2000 ja haviam derrubado f-16

Teropode
Reply to  Uilia
7 meses atrás

E mais recentemente um mig 21 derrobou outro .

F16 nutela
F16 nutela
Reply to  Teropode
7 meses atrás

Se no caso desse combate entre grécia e turquia eles conseguiram segurar a notícia do abate de um F 16 por mais de 20 anos, imagine o abate de um F 16 por um simples e velho Mig 21! Só vão reconhecer quando o F 16 estiver fora de linha. Mas o incrível desse combate entre India e paquistão é que foram 6 caças indianos, no caso 4 mig 21 e 2 SU 30 contra 24 caças paquistaneses, dentre os quais , 18 eram caças F 16 bk 50, e os Paquistaneses fugiram do combate!

F16 nutela
F16 nutela
Reply to  Uilia
7 meses atrás

Eu sabia e sempre divulguei isso, na última vez , falaram que meu comentário não tinha credibilidade em função do meu nick ser F 16 nutela! kkkkkk
Agora terão que engolir a verdade e meu nick junto.

Teropode
Reply to  F16 nutela
7 meses atrás

😂😂😂😂

Luiz Trindade
Luiz Trindade
Reply to  Uilia
7 meses atrás

Se pegar um piloto bem treinado seja no Mirage 2000 ou no F-16, ele ganha! Os pilotos da FAB que o digam isso. Não que tenha hoje o Mirage 2000 ou F-16 mas que já provaram que com aeronaves inferiores poderiam dar muita dor de cabeça!

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Luiz Trindade
7 meses atrás

Os instrutores em NAS Fallon e Nellis AFB provam isso todos os dias…

Marcos10
Marcos10
7 meses atrás

Isso derruba a tese de que os produtos americanos são superiores a tudo no universo. Disciplina, doutrina e treinamento são essenciais, além de equipamentos, que ninguém faz milagre.

Andre
Andre
Reply to  Marcos10
7 meses atrás

Onde você viu essa tese?

CESAR ANTONIO FERREIRA
CESAR ANTONIO FERREIRA
Reply to  Marcos10
7 meses atrás

Certamente invalida uma antiga propaganda da Lockheed…

Marcos10
Marcos10
7 meses atrás

Também cai por terra a teoria brasileira de que os Miragem 2000 novos que deveríamos ter comprado no início dos anos 2000 eram obsoletos. Deveríamos ter partido para os Mirage 2000 naquela época com fabricação local. Vinte anos teriam se passado e hoje poderíamos estar pensando sim em uma aeronave de quinta geração. Como sempre o Brasil sai atrasado em relação ao resto do planeta. Na década de quarenta, enquanto o mundo se voltava para os primeiros jatos, Brasil ia de P40 usados. Quando o mundo passou para aeronaves mais modernas, Brasil embarcou no Meteor, já obsoletos. O único se… Read more »

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Marcos10
7 meses atrás

Nunca foi falado que os M2000 eram obsoletos. Um dos fatores que pesaram na desativação dos M2000 foi o vencimento dos Matra 530. Além de forçar a compra do FX-2.

Torama
Torama
Reply to  Rinaldo Nery
7 meses atrás

Acho que o Marcos10 estava se referindo aos Mirage 2000BR, candidato ao FX1, não aos M2000 tampão.

Rogerio Loureiro
Rogerio Loureiro
Reply to  Torama
7 meses atrás

Foi o que entendi TB.

Flanker
Flanker
Reply to  Rinaldo Nery
7 meses atrás

Ele se referiu ao F-X1, onde o Mirage 2000-5 Mk2 foi oferecido, em parceria com a Embraer. Inclusive, naquela época a Dassault comprou 20% das ações da Embraer.

Munhoz
Munhoz
Reply to  Flanker
7 meses atrás

Na época se não me engano houve a proposta de transferência total da produção e manutenção de toda frota de M 2000 para o Brazil !

Iriamos ter autonomia total se isso se concretizasse !

Algo bem longe de conseguir com o Gripen !

kaleu
kaleu
Reply to  Munhoz
5 meses atrás

Que conversa mole, amigo, transferência total de produção ??? …. franceses ???? … tenha paciência, não se lembra da tal ToT “irrestrita” by Dassault ??? … com o Gripen a Embraer é Prime contractor da versão “F” total domínio de manutenção, autonomia de integração …. falou besteira … não foi à toa que a FAB disse um “não” bem redondo pra Dassault, vá se informar, amigo

J R
J R
Reply to  Rinaldo Nery
7 meses atrás

O diziam na época era que ele tinha chegado ao fim de seu ciclo, o que não deixava de ser verdade, não pela sua qualidade, mas por opção da Dassault pelo Rafale. Mas concordo, teríamos um senhor caça, já com bastante tempo de implantação e poderíamos estar pensando hoje em um quinta geração, mais ou menos o que a Austrália fez quando comprou seus SH…

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Rinaldo Nery
7 meses atrás

Cel..

Os M2000C da FAB eram capazes de usar bombas ?

ANDRE DE ALBUQUERQUE GARCIA
ANDRE DE ALBUQUERQUE GARCIA
Reply to  Marcos10
7 meses atrás

Acredito que a menção tenha sido feita ao projeto MIRAGE 2000 BR (FX1). Sobre os tampões (MIRAGE 2000), considerando a demora na escolha do GRIPEN, acredito que a aposta em um desfecho rápido do FX, deixando de atualizar os caças e o Matra 530, foi, na minha opinião, equivocada. Poderíamos manter esses caças e, ainda assim, fazer pressão para compra dos novos modelos.

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  ANDRE DE ALBUQUERQUE GARCIA
7 meses atrás

Não. Não haveria pressão com os F-2000 voando.

J R
J R
Reply to  Rinaldo Nery
7 meses atrás

se o motivo de não atualizar os aviões seja pressão, então não deu certo, demoramos praticamente 20 anos entre FX-1 e 2…

Delfim
Delfim
Reply to  Rinaldo Nery
7 meses atrás

Tb acho. Estariam relativamente novos, e capazes. Mas não ao nível dos F-39.

Daniel
Daniel
Reply to  Marcos10
7 meses atrás

Mas acredito que os Mirages gregos E eram superiores aos brasileiros C?

GILBERT
GILBERT
7 meses atrás

É coisa de louco essas briga na justiça em um caso como esse.
A notícia curiosa é sobre o ótimo desempenho do F-2000 até os dias atuais

Naamã
Naamã
Reply to  GILBERT
7 meses atrás

O problema do M2000 nunca foi desempenho.Ser francês é o que o tornou inviável.

Lucianno
Lucianno
Reply to  Naamã
7 meses atrás

Inviável na fantasia dos haters. Todos países que compraram M2000 confiam nele. Índia e Emirados Árabes estão modernizando e poderão utiliza-los por mais 15 anos.

Flanker
Flanker
Reply to  Lucianno
7 meses atrás

Sem ódio…..e sem paixão…… O problema do equipamento francês, queiram ou não, concordem ou não, é o custo! No caso específico dos M2000 C/B da FAB: – Eles necessitavam de uma Inspeção Nível Parque, em todas as 12 células. Além disso, para se manterem válidos na arena moderna e para utilizar todo seu potencial de desempenho aerodinâmico e de potência, precisavam de novos radares, um glass cockpit em substituição ao seu painel analógico, novo HUD, etc, etc…e novos mísseis de curto/médio alcance. Isso colocaria os valores em níveis muito altos e, além disso, a vida útil residual das células tornava… Read more »

J R
J R
Reply to  Flanker
7 meses atrás

Teria sido muito mais vantajoso do que comprar os M-2000 ter atualizado os M-III (no fim do FX a França chegou a dar esta opção) que eram células que tinham ainda muitas horas de voo e que atualizadas poderiam ainda estar cumprindo sua função, assim como estão os F-5M.

Lucianno
Lucianno
Reply to  Flanker
7 meses atrás

Flanker, você está analisando sobre a ótica da FAB que como todos sabemos sempre teve muitas dificuldades orçamentárias.
Expandindo o raciocínio para termos mundiais ,em comparação aos caças equivalentes da mesma época, como o F-16, o Mig-29, o Gripen A, o Tornado ou o F-18, o Mirage 2000 não tem um custo tão mais alto que os concorrentes.
E custo está relacionado com escala, os americanos tem custo menor por este motivo e não simplesmente por serem americanos.

Flanker
Flanker
Reply to  Lucianno
7 meses atrás

mas, você argumentou que outros países usam e o Brasil não, por conta do custo. E eu afirmei que é por conta do custo, mesmo. É caro….para os padrões brasileiros, é caro. E é isso que me interessa. Não vem muito ao caso se outros países usam. Me interessa se é factível para o Brasil. E não é!!! “Ah, mas o Brasil é uma grande economia…temos dinheiro….diminui a tropa que sobra dinheiro…..” Tudo isso pode ser discutido, revisto, etc…mas, até lá, sinto muito, não temos dinheiro para isso…..

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Lucianno
7 meses atrás

Acho que ele quis dizer que os Franceses vendem equipamento caro, e não equipamento ruim. Ao mesmo tempo também pode estar se referindo ao embargo imposto pela França à Israel depois da Guerra do Seis Dias.

Mirage III, Etendard, Mirage F.1, Mirage 2000, Rafales… todos excelentes aviões.

gordo
gordo
7 meses atrás

Para ter mais folego e alavancar o Rafale os franceses encerraram o Mirage. Uma aeronave fantástica que merecia uma versão NG, estariam vendendo até hoje.

Luiz Floriano Alves
Luiz Floriano Alves
Reply to  gordo
7 meses atrás

Só para lembrar: os Mirage 2000 da Índia receberam atualização da eletrotônico e estão na primeira linha. Mas, o material aeronáutico francês é complicado. Cito o Airbus que durante anos se revelou temperamental,k com problemas nos programas e no excesso de atuadores nas asas.

Lucianno
Lucianno
Reply to  Luiz Floriano Alves
7 meses atrás

Comentário sem sentido, preconceituoso mesmo. Os Mirage não tem relação com a Airbus, são desenvolvimento de empresas diferentes, concorrentes inclusive. Os Mirage da Dassault, com radar da Thales, ambas empresas francesas, e a Airbus é uma empresa multinacional, se os aviões da Airbus são temperamentais, o que dizer do Boeing MAX?

rui mendes
rui mendes
Reply to  Luiz Floriano Alves
7 meses atrás

Os Gregos dizem o M2000-5 MK2, que é muito superior ao F16, inclusive os seus F16 blq52+ advanced,que são dos mais modernos, enumera até essa superioridade em 50%.

Leandro
Leandro
Reply to  gordo
6 meses atrás

Gordo,

Concordo com você plenamente, percebe-se atualmente a necessidade no mercado mundial, ao menos há uns anos atrás, de uma aereonave, monomotor atualizada, de fabricante confiável e que possua custo de aquisição e operação dentro da realidade de inúmeros países.

Penso que os grandes fabricantes deixaram esse nicho com os chineses (aí temos a questão da qualidade e confiabilidade..etc) e com o gripen (que talvez não seja tão barato quanto poderia ser um M2000 atualizado e com uma linha de montagem ativa)

JSilva
JSilva
7 meses atrás

Se o Mirage 2000-5 e seu sistema de armas ainda é um bom caça imagina o que deve ser o Rafale.

Clésio Luiz
Clésio Luiz
7 meses atrás

Em termos de ficha técnica de desempenho, o Mirage 2000 não tem vantagem nenhuma em relação ao F-16, sendo bastante inferior em taxa de curva sustentada. Na pratica, os dois se equivalem em curvas instantâneas e o Mirage pode desacelerar muito mais rápido em tunneu barril, o que pode ser útil para desalojar um adversário na posição das 6 horas. Pessoalmente, eu preferiria estar no F-16 no caso de combate real, mas isso não tira os méritos do Mirage. A história mostra que a maioria dos abatidos o foram por não detectar o atacante, independente das qualidades técnicas desses. Que… Read more »

Augusto L
Augusto L
Reply to  Clésio Luiz
7 meses atrás

O problema é que dogfight foi só foi relevante ate o surgimento e disseminação de misseis BVR de radares ativos, a partir daí são os sistemas e mísseis que contam mais.

Ou seja, a partir de meados dos anos 90, o dogfight morreu numa força aérea moderna.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Augusto L
7 meses atrás

O problema, Augusto, é que as regras de engajamento podem determinar a possibilidade de dogfight, assim como foram no passado. O recente abate de um Su-22 sobre a Síria por um F/A-18 mostra bem isso.

Augusto L
Augusto L
Reply to  Leandro Costa
7 meses atrás

Nem tanto, no passado, falo do Vietnam, não se tinha tecnologia suficiente para empregar uma tática BVR eficaz.

E hoje há pods que dão a imagem do alvo em distâncias consideradas beyond visual.

F16 nutela
F16 nutela
Reply to  Leandro Costa
7 meses atrás

O que o recente abate de um SU 22, que, se não me falha a memória, estava sem mísseis ar-ar e que é apenas um caça de ataque ao solo, tem a ver com regras de engajamento de dog fight com um caça F 18?
Ao meu ver , um SU 22 não tem a menor chance contra um F 18 em qualquer cenário, é como colocar um AMX contra um F 18!

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  F16 nutela
7 meses atrás

Exatamente. Su-22 não teve chance contra F-14 em 1981 também. Mas o fato é que poderia ter sido outra aeronave no lugar de um Su-22.

A tecnologia hoje consegue suprir demanda de informação situacional para se engajar em BVR… a menos que se encontre em situações como naquela em que o Su-22 estava. Faz parte. Esse tipo de coisa é simplesmente imprevisível e é por isso que se deve treinar esse tipo de coisa até hoje.

Alexandre
Alexandre
Reply to  Clésio Luiz
7 meses atrás

Vc está enganado , o RCS do mirage 2000 é menor que o RCS da maioria das versões de F16, com exceção das versões mais recentes , onde o RCS se iguala. O Radar RDY 2 do Mirage 2000 também é superior ao APG 66 e iguala o APG 68, nesse caso em particular, a combinação radar/ RCS é superior no Mirage 2000. É importante perceber que a Grécia opera os dois caças, no caso o Mirage 2000-5 e o F16 nas versões bk 50plus, então a opinião da força aérea Helênica é mais que uma propaganda para um ou… Read more »

Delfim
Delfim
Reply to  Alexandre
7 meses atrás

Aquela enorme entrada de ar dos F-16 tb gera enorme RCS ou acham que só serve pra sugar detritos ?
😄😄😄😄😄😄😄😄

rui mendes
rui mendes
Reply to  Alexandre
7 meses atrás

E os Gregos têm as duas versões mais avançadas dos caças, e foram modernizadas, aliás acabaram de o ser, o mirage 2000-5 para blq2 e os F16 blq52+ para advanced. Mas eles também referem o sistema de ew, e os mísseis mica como sendo excelentes.

rui mendes
rui mendes
Reply to  Clésio Luiz
7 meses atrás

Os mais modernos Miragem 2000-5Mk2,, são bem superiores aos melhores F16 b52+ advanced, quem o diz, são pilotos Gregos que têm os dois modelos, e não um texto, escrito pelo fabricante.

Antoniokings
Antoniokings
7 meses atrás

Esse incidente mostra a dificuldade dos F-16s quando confrontados por aviões capazes e pilotos competentes.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Antoniokings
7 meses atrás

OU… esse incidente mostra a dificuldade de qualquer aeronave de caça quando confrontado por qualquer outra aeronave de caça quando pilotada por pessoal bem treinado.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Leandro Costa
7 meses atrás

Ou, acaba com aquela baboseira de que o F-16 é isso ou aquilo, pois foi testado em combate.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Antoniokings
7 meses atrás

Pois é, e você e mais alguns outros com o mesmo nível de neurônios é que dão crédito ou se deixam afetar por esse tipo de coisa. Quando se diz ‘Testado em combate’ não é a questão do placar acerca de quantas aeronaves foram abatidas por ela, mas sim a manutenção da capacidade de combate, quanto tempo entre as surtidas, o quanto o equipamento aguenta funcionando sem necessidade de manutenção de maior nível, etc.

Flanker
Flanker
Reply to  Leandro Costa
7 meses atrás

Leandro, nem gasta teu tempo….argumentar com esse aí é o mesmo que discutir álgebra com um cachorro….

rui mendes
rui mendes
Reply to  Leandro Costa
7 meses atrás

Pois, como se os pilotos turcos, não fossem excelentes.

MestreD'Avis
MestreD'Avis
Reply to  Antoniokings
7 meses atrás

Penso que o track de 76-1-5 do F-16 é realmente culpa de ter combatido 76 aviões incapazes pilotados por pilotos novatos.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  MestreD'Avis
7 meses atrás

Sim. Principalmente quando quem utilizava o F-16 tinha muito maior capacidade militar que o inimigo, no sentido de ter alerta aéreo antecipado, domínio aéreo com ajuda de outras aeronaves mais capazes, guerra eletrônica e etc.

MestreD'Avis
MestreD'Avis
Reply to  Antoniokings
7 meses atrás

Então… o F-16 fazia parte e contribuía para essa “muito maior capacidade militar”? Ou eram as outras “aeronaves mais capazes” que davam esse poderio e o F-16 apenas abrandava essa capacidade militar devido ás suas parcas capacidades? Posso então concluir que os caças que voavam juntamente com o F-16 deveriam ser os melhores do mundo para fazerem a sua parte e ainda deixarem o F-16 abater alguns aviões. Olhando para a historia de combate do F-16 e os aviões que os acompanhavam… Na USAF e na IDF é o F-15. Você quer então dizer que o F-15 é o melhor… Read more »

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  MestreD'Avis
7 meses atrás

Não.
Vc está considerando muitas coisas.
Está viajando na maionese.
Considere apenas que esses países entram em combate contra Líbia, Iraque, Sérvia e etc.

MestreD'Avis
MestreD'Avis
Reply to  Antoniokings
7 meses atrás

Acho que entendi. As grandes potencias tem vantagem numérica e de equipamento sobre esses paises mais frágeis. Por exemplo, no caso que muito gosta de referir, do F-16 Paquistanês supostamente abatido por ser um caça antiquado, isso afinal aconteceu porque a India tem melhor consciência situacional, melhor electronica e aviões mais avançados. Os Su-30 da India são muito mais poderosos e dão uma vantagem injusta contra os caças leves e antiquados do outro lado. Nesse caso o F-16 perdeu não por ser mau caça, mas pela superioridade de equipamento e treino do outro lado? Foi o que aconteceu na Sérvia… Read more »

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Antoniokings
7 meses atrás

Ué, qual o problema disso? Assim que são lutadas as guerras. Vamos exemplificar de uma maneira que você possa entender. O MiG-21 não é lá essas coisas. Mas utilizado da forma correta, com controle de terra guiando a aeronave até a interceptação, ela se torna simplesmente mortífera. No combate aéreo aproximado contra um oponente que conhece os problemas do MiG-21 e usa as vantagens de seu próprio avião, o MiG-21 pode ficar em desvantagem fácil fácil. É uma questão de diversas variáveis. Para se diminuir o número de variáveis que podem ocorrer durante um combate, você acrescenta o máximo do… Read more »

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  MestreD'Avis
7 meses atrás

Sim. Está correto.
O F-16 é um excelente caça.
Mas suas vitórias aéreas versus suas derrotas se analisadas mais de perto, mostram realmente que foram forças aéreas bem preparadas, com aeronaves AEW, excelente treinamento e táticas contra forças aéreas inferiores, sem aeronaves AEW, com pilotos e táticas inferiores e a grande maioria das vitórias contra caças mais velhos e inferiores, aeronaves de ataque e até cargueiros.
Veja a Guerra do Líbano de 1982, onde os F-16 pontuaram 43 Kills (mais da metade do total de Kills do F-16).

MFB
MFB
Reply to  Antoniokings
7 meses atrás

Segundo sua lógica, os migs seriam a maior porcaria da história. Basta observar quantos foram abatidos nos mais diversos conflitos do século passado e em conflitos um pouco mais recentes. Quando for falar, cuidado para não deixar um rabo para outra pessoa pisar. Mais dados e menos achismo por gentileza.

Pangloss
Pangloss
7 meses atrás

A matéria ia bem, até adotar redação publicitária ao elogiar o Mirage.
Ok, é um ótimo vetor, mas isdo deve ser tratado com linguagem técnica apropriada, e não com adjetivação triunfalista.

F16 nutela
F16 nutela
Reply to  Pangloss
7 meses atrás

“É interessante notar que, de acordo com testes recentes da HAF, o Mirage 2000-5 Mk2 mostrou que é cerca de 50% mais eficaz em combate aéreo do que qualquer versão do F-16 (a HAF opera os modelos Block 30, o Block 50, o Block 52+ e o Advanced Block 52+), devido à sua eficiência no radar de combate aéreo, a suíte ICMS Mk3 EW que é simplesmente incrível e a eficácia dos mísseis MICA, tanto EM quanto IR.”
O autor reproduz apenas a opinião da força aérea da grécia, que é usuária dos dois caças.

Johnny
Johnny
Reply to  F16 nutela
7 meses atrás

Não vale, você é suspeito. Denigre o F16 até no nick. kkk

Flanker
Flanker
Reply to  F16 nutela
7 meses atrás

Qualquer versão do F-16 que a Grécia utiliza…não de qualquer versão produzida do F-16…pois tem F-16V…..teoricamente, o mais capaz de todos os F-16.
Mas, o mais top de todos M2000 (Acredito que seja o M2000-9 dos EAU) e o mais top dos F-16 (-V), são aeronaves formidáveis……um pode abater o outro…..tudo depende “n” fatores envolvidos em um combate aéreo…..o resto é apenas torcida de um e de outro.

Lucianno
Lucianno
Reply to  Flanker
7 meses atrás

Quando a reportagem foi escrita a Grécia ainda não tinha o F-16V. Acredito que ainda hoje não tenha, o contrato de modernização para este padrão é recente.

Flanker
Flanker
Reply to  Lucianno
7 meses atrás

Eu sei….eu só disse que não é mais capaz que QUALQUER versão do F-16, e sim, do que qualquer versão OPERADA pela Grécia……

rui mendes
rui mendes
Reply to  Pangloss
7 meses atrás

Os que o elogiaram, foram pilotos Gregos, que além de terem os 2modelos, não são fabricantes de caças, logo não são vendedores, são os melhores para poder opinar, aliás eles têm muito mais F16 que M2000-5.

Antunes 1980
Antunes 1980
7 meses atrás

Os vetores da Dassault são realmente formidáveis.
Hoje fico pensando como deve ser incrível o desempenho dos Rafale.
Que muitos especialistas de botequim aqui da trilogia insistem em criticar.
Acreditar que o Gripen NG é superior ao F-16 até vai, mas ser superior aos Rafale, F-18 Superhornet e Thypoon em suas últimas versões; sinceramente acho difícil de engolir.

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  Antunes 1980
7 meses atrás

Não fala isso que vc magoa muita gente, o Gripen é melhor que um X-wing!

Luiz Galvão
Luiz Galvão
Reply to  Antunes 1980
7 meses atrás

Antunes,

Assino em baixo.

MFB
MFB
Reply to  Antunes 1980
7 meses atrás

Não pode falar o gripadinho, ele luta até contra aliens. Falta só deixar de ser uma maquete

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  MFB
7 meses atrás

Tão bom mas tão bom negócio que é mais fácil vender picolé pra esquimó!

Tomcat4,2
Tomcat4,2
Reply to  Antunes 1980
7 meses atrás

Não esquecer que Gripen é monoturbina(assim como F-16, Mirage etc) e os outros vetores mencionados são todos biturbina, outra categoria e competem entre si( F-18 ,Typhoon e Rafale ). Cada um com seus aspectos técnicos e suas peculiaridades .

Augusto L
Augusto L
Reply to  Tomcat4,2
7 meses atrás

Não existe isso de biturbina ser melhor que mono, so na cabeça de alguns.

Quem conhece de sistemas embarcados, sabe que o Gripen é o estado da arte em aviação, principalmente em 4,5 geração

Kleber Peters
Kleber Peters
Reply to  Augusto L
7 meses atrás

Tem que trocar o “principalmente” por “só que”. A 5 G subiu a régua, acima do alcance do Gripen e qualquer outro 4.x G. Quem em sã consciência, podendo ter ambos, escolheria o Gripen em detrimento do F-35 (pra citar apenas 5 G em produção e a venda)?

orivaldo
orivaldo
7 meses atrás

Meus amigos do Blog, de mais atenção a assuntos como esses. São pouco comentados, porem muito interessantes.

Johnny
Johnny
7 meses atrás

Um problema do material francês é o histórico nada confiável do governo da França. Israel, no caso dos mirages nas guerras árabe israelense (caças encomendados e não entregues por pressões dos árabes) e a Argentina no caso dos mísseis exocet (detalhes dos mísseis adquiridos foram repassados pela França para a Inglaterra).

Lucianno
Lucianno
7 meses atrás

Parabéns excelente artigo!

Maurício.
Maurício.
7 meses atrás

Mirage 2000 e F-16, duas aeronaves equivalentes, mas na minha opinião, para superioridade aérea eu fico com o Mirage, é um pouco mais rápido e tem um teto operacional maior.
O “problema” do Mirage é que ele é francês, e só pelo fato de ser francês, tem um pessoal que já vira a cara, talvez seja dor de cotovelo, mas na verdade, o Mirage 2000 não deve em nada para o F-16.

J R
J R
Reply to  Maurício.
7 meses atrás

Dizem tanto dos franceses, mas não lembro de críticas da FAB quando operaram os Mirage III e até o 2000, nosso problema foi a sempre falta de verba para modernização dos primeiros. Até o PA SP se tivessem feito a reforma sugerida na compra, duvido que teríamos os problemas que tivemos na operação (falta dela) deste navio.

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  J R
7 meses atrás

Era um avião complicado de manter, sim. E caro! A hora de vôo mais cara da FAB. Servi 7 anos em Anápolis, contemporâneo do Mirage III e do M2000. Fiz um vôo em cada um.
Lembremos que os EUA negaram o F-4 à FAB. Se houvessem autorizado a venda, seria tão caro quanto o F-103 (dois motores). Mas, talvez, mais fácil de manter.

Lucianno
Lucianno
Reply to  Rinaldo Nery
7 meses atrás

Mas é lógico que era a hora de vôo mais cara da FAB, estamos comparando com quem? Tucano, Xavante, AMX, Mirage 3 ou o jurássico F-5? A FAB não serve de referencia para definir o que é caro pois é uma força aérea extremamente pobre em matéria de caças, qualquer coisa é caro para os padrões da FAB.
A comparação tem que ser em relação a hora de vôo do F-16.

MMerlin
MMerlin
Reply to  Lucianno
7 meses atrás

Entendo seu ponto de vista Lucianno, e concordo no que diz respeito a comparação. Mas a hora voo do Mirage 2000 é cara mesmo. Segue algumas referências:
* F-22A: US$ 34 mil;
* F-35A: US$ 29 mil;
* F-16: US$ 8 mil;
* Harrier AV-8B: US$ 14 mil;
* FA-18F: US$ 11 mil;
E o Mirage 2000? A Dassault fala em um custo de US$ 3 mil, mas outros países operadores, como Taiwan e Índia, já disseram que o custo é diferente, ficando em torno de US$ 26 mil a hora.

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  MMerlin
7 meses atrás

Custo de hora vôo depende de como o país analisa. Nos EUA, a última vez que li relatórios oficiais, os F-16 estavam custando U$ 21 mil a hora de vôo. Os Super Hornets eram os caças táticos mais baratos de operar, custando U$ 18 mil. Os F-15E custando U$ 27 mil. Os F-15C mais antigos custando U$ 42 mil Mas lá, os americanos computam tudo. O salário dos pilotos, os salários dos mecânicos, as manutenções em todos os níveis, os armamentos e creio que até as atualizações, modernizações. Já quando vemos aqueles custos de U$ 4 mil para o Gripen,… Read more »

MMerlin
MMerlin
Reply to  Luís Henrique
7 meses atrás

Um dos fatores que também deve ser levado em consideração é escala de produção, que não influenciam apenas no seu valor de compra, mas também na sua manutenção. Principalmente de aeronaves e modelos mais antigos, que não estão mais na linha de produção.

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Luís Henrique
7 meses atrás

A hora do F-39 será superior a 4 mil.

Lucianno
Lucianno
Reply to  Rinaldo Nery
7 meses atrás

Qual a expectativa da o custo da hora de voo do F-39?

Lucianno
Lucianno
Reply to  MMerlin
7 meses atrás

Segundo a AA o custo da hora de vôo do Mirage 2000D é de U$12.000,00 e a do Rafale é de U$20.000,00. Tanto que a AA modernizou 55 Mirages 2000D para continuarem em operação até 2030. A intenção é economizar o Rafale em cenários que não exigem um caça tão sofisticado , como nas operações no Mali, no Djibuti e no Tchad. O Mirage 2000D é o caça mais utilizado em combate pela AA desde a 2ªGG, esteve em ação na Bósnia, no Afeganistão, na Líbia, na Síria, no Mali e no Tchad. O Mirage 2000 é muito apreciado na… Read more »

Flanker
Flanker
Reply to  Lucianno
7 meses atrás

O custo para a Índia e para a França, talvez não seja um problema tão grande…mas, para o Brasil, sim……agora, se temos capacidade enquanto país de investir mais em Defesa, aí é outra história…..

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Lucianno
7 meses atrás

Amigo, a comparação é com o MUNDO! Não tem imbecil no COMGAP.

Marcelo
Marcelo
7 meses atrás

no simulador DCS, o M2000 também é praticamente imbatível no dogfight.

Kleber Peters
Kleber Peters
Reply to  Marcelo
7 meses atrás

Ammmm… ok! Mas acredito que este não seja o parâmetro mais adequado de comparação.

Luciano
Luciano
7 meses atrás

Matéria muito interessante! Algumas das fotos são lindas! Parabéns!

CESAR ANTONIO FERREIRA
CESAR ANTONIO FERREIRA
7 meses atrás

Muito boa matéria do autor Valter Andrade.
Parabenizo o autor pelo esforço.

MestreD'Avis
MestreD'Avis
7 meses atrás

Impressão minha o há um grande “hate” do F-16 de muitos users aqui? Não é um caça perfeito mas tem um fantástico track record nas mão de muitas forças aéreas e tem servido bem ao longo de 40 anos. Não sei se a força aérea Israelita é um grupo de meninos inexperientes, mas ele tem usado os seus F-16 durante muitos anos e já mostraram tudo o que o caça é capaz de fazer. Todos chamam o F-16 de obsoleto mas depois elogiam Mig-21 e Mirage 2000 e dizem que ainda faz frente a caças modernos. Afinal um caça antigo… Read more »

J R
J R
Reply to  MestreD'Avis
7 meses atrás

O F-16 é um senhor caça, tanto que seu conterrâneo F-18 (C/D, o E/F é praticamente outro caça) esta sumindo e o F-16 continua seguindo firme e sendo atualizado. Esse caça ainda vai conviver com os 6ª geração com certeza.

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  MestreD'Avis
7 meses atrás

O F-16 tem uma relação de abates e abatidos excelente, pra deixar qualquer Mig ou Sukhoi pensando duas vezes antes de engajar, aqui o povo gosta de implicar com material dos EUA, pura dor de cotovelo!

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  Carlos Gallani
7 meses atrás

De minha parte não tenho implicância nenhuma. Mas que a verdade seja dita, o F-16 é sim excelente, mas o caça sozinho não conquista um bom track record. 1) Doutrina 2) Treinamentos 3) Espionagem / Informação conhecer as capacidades do inimigo e tirar vantagem disso 4) Multiplicadores de força como aeronaves AEW, aeronaves de guerra eletrônica, pods de guerra eletrônica 5) Armamentos superiores com maior alcance, etc. Leia sobre a Guerra do Líbano de 1982, quando a Força Aérea de Israel conquistou 43 Kills para os F-16 e 0 Perdas. Em algumas horas de leitura, tenho certeza que concluirá que… Read more »

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Luís Henrique
7 meses atrás

Luís, mas de acordo com seus argumentos não se pode culpar o F-16 por causa disso, mas a falta de preparo dos Sírios. Ainda seguindo seu argumento, qualquer aeronave de caça minimamente moderno poderia ter cumprido o papel do F-16 com o montante de apoio que as aeronaves Israelenses tiveram, o que não está longe da verdade. Quem se preparou melhor, venceu. Geralmente é isso que acontece.

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  Leandro Costa
7 meses atrás

Sim Leandro.
Como escrevi no comentário anterior, o F-16 é um excelente caça.
Mas número de aeronaves abatidas e número de perdas diz pouco sobre as capacidades de um determinado caça.
O excelente F-18 Hornet tem 2 vitórias e 1 derrota em combate aéreo. O F-16 é bom e o Hornet ruim?
O Mirage F1 francês tem 24 vitórias e 43 derrotas, é ou foi um caça ruim?

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Luís Henrique
7 meses atrás

Isso aí. Fazer comparativo de aeronaves é complicado. Simplificações não ajudam em nada qualquer análise razoável.

MestreD'Avis
MestreD'Avis
Reply to  Luís Henrique
7 meses atrás

Luis, eu sei das condições da guerra do Líbano. Claro que nas mãos da FA Israel, com todo o apoio, equipamento e treinamento, até um Spitfire ainda seria perigoso. Mas a verdade é que não podemos culpar o F-16 de ter sido utilizado nessas circunstancias. E comparar kill ratios não diz tudo não mas diga uma coisa: A FA Israel ganhou porque estava mais preparada e apesar do F-16 ou estava mais preparada porque tinha o F-16? Gosto do exemplo do Mig-29. Tem um péssimo registo? Sim. É um mau caça? Não, longe disso! Será equivalente ao F-16 em alguns… Read more »

Luís Henrique
Luís Henrique
Reply to  MestreD'Avis
7 meses atrás

Sim. É isso aí. Para mim o registro do MiG-29 não tem nada de péssimo, é muito bom quando analisamos os conflitos, as diferenças entre as nações, versão dos caças utilizados, etc. Sao 6 vitórias e 18 derrotas. 6 derrotas na guerra do Kosovo, a Sérvia com MiG-29 sem radar e jamming, praticamente cegos e contra uma força esmagadoramente maior, com AEW, etc. 5 derrotas na Guerra do Golfo 1990 – 1991 O Iraque contra uma coalizão, incluindo os EUA. Novamente superioridade numérica, aeronaves AEW, satélites, etc e as últimas versões de seus caças F-16, F-15 e F-18, enquanto o… Read more »

rui mendes
rui mendes
Reply to  Carlos Gallani
7 meses atrás

É mais ao contrário, aqui gostam de mitificar e bajular os USA, basta leres os cmts quando sai algo sobre material Americano, e mesmo quando não sai nada sobre eles, nos cmts desviam o assunto para lá. Se fossem cmts de Norte-Americanos, nada fora do normal.

rui mendes
rui mendes
Reply to  MestreD'Avis
7 meses atrás

Hates são os que chamam hates de F16, a quem apenas diz o que a matéria refere, que os Gregos acham o M2000-5 blq2 superior ao F16 blq52+ advanced, mas se fosse ao contrário, já era na boa. E eu adoro o F16, é um super avião de guerra.

tadeu54
7 meses atrás

Estes dois países se detestam, muitos novos incidentes virão por aí, fora os que já ocorreram e ainda não foram revelados.

Agnelo
Agnelo
7 meses atrás

Boa matéria! Mostra as confusões da Europa.

Também serve pros supertrunfistas se lambusarem!!!

Kemen
Kemen
7 meses atrás

Se o Bolsa fosse definir um caça num teórico FX3 com certeza mandaria comprar F-16. Quem duvida? O Tio SAM venderia com satisfação, pois teria os F-16 na mão de pilotos exepcionalmente treinados, seria muito bom para os seus F-16.

Luiz Floriano Alves
Luiz Floriano Alves
Reply to  Kemen
7 meses atrás

Israel é que deu mais uma prova de sua capacidade técnica. Adaptou um motor americano e eletrônica israelense e criou o Kfir. Todas as vantagens do projeto aerodinâmico sem os problemas de manutenção/custo do equipamento francês. Pena que não fizemos algo parecido ao que foi feito nos Skyhawks da MB. Colocar radar AESA é outro combatente, muito mais capaz.

Lucianno
Lucianno
Reply to  Luiz Floriano Alves
7 meses atrás

Comentário sem sentido, muito preconceituoso mesmo. O Mirage 3 não tinha nenhum problema de manutenção ou de custo, vale a pena pesquisar e estudar mais, muito pelo contrário, era o caça mais barato e de manutenção mais simples da sua época. Boa parte do seu enorme sucesso tem relação a estes dois fatores. O maior problema do Mirage 3 era o projeto aerodinâmico, que os israelense corrigiram com o Kfir…

Flanker
Flanker
Reply to  Lucianno
7 meses atrás

Se você perguntar para ex-militares da FAB, que operaram e manuteniram essa aeronave, eles não vão concordar contigo….

Lucianno
Lucianno
Reply to  Flanker
7 meses atrás

Essa é a opinião encontrada na literatura internacional a respeito do Mirage 3, tinha a manutenção muito mais simples, barata e rápida do que os outros caças da mesma época (década de 60) como o F-4 Phanton, F-104, o inglês Lightning, Draken ou Mig-21. Somado ao preço acessível foi um dos fatores de sucesso da série Mirage 3 e Mirage 5 que operaram em quase 30 países. Desconheço que a FAB tenha uma opinião diferente do resto do mundo. O que pode ter acontecido é que os Mirage 3 não foram projetados para durar 40 anos, a FAB na sua… Read more »

Flanker
Flanker
Reply to  Lucianno
7 meses atrás

Só porque vocês desconhece não quer dizer que não tenham tido problemas…..houveram, sim. Agora, se você não acredita, nada posso fazer….converse com alguns militares que trabalharam com essa aeronave.

Lucianno
Lucianno
Reply to  Flanker
7 meses atrás

Existe farto material em livros e artigos descrevendo a utilização do Mirage 3 pelos israelenses.

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Lucianno
7 meses atrás

Até que os franceses deixaram os israelenses na mão…

Bem confiáveis estes parceiros.

Lucianno
Lucianno
Reply to  Flanker
7 meses atrás

Existe farto material em livros e artigos descrevendo a utilização do Mirage 3 por Israel. O maior ponto positivo do Mirage 3 descrito pelos israelenses era justamente a manutenção. Em 1967 na Guerra dos Seis Dias todas aeronaves estavam disponíveis para o combate. O tempo de reparo para uma nova missão era o menor para um caça na década de 60, em torno de 6 horas, enquanto um F-4 Phantom precisava de 20 horas. Manutenção simples e barata. Opinião de pilotos e técnicos de uma nação que travou diversas guerras e utilizou diversos caças em combate. O ponto negativo do… Read more »

Flanker
Flanker
Reply to  Lucianno
7 meses atrás

Por que você insiste em falar em Israel? Eu estou falando do Mirage III na FAB! Aqui , ele teve problemas de manutenção…..volto a dizer, fale com militares que trabalharam na manutenção dessas aeronaves. Em nenhum momento estou dizendo que a aeronave era ruim…muito pelo contrário,,,mas, sua manutenção nunca foi esse mar de rosas que você pensa ter sido….

Lucianno
Lucianno
Reply to  Flanker
7 meses atrás

O exemplo de Israel é para você entender que os eventuais problemas que a FAB tinha não era por causa do Mirage 3, mas sim por culpa da insistência do Brasil em não renovar a frota de caças. Nenhuma força aérea descente utilizou o Mirage 3 como principal caça de defesa aérea após a decáda de 80.

J R
J R
Reply to  Kemen
7 meses atrás

Não tem muita lógica seu comentário, a Dilma (é outra que deve adorar o passarinho do Chaves) quase comprou o F-18, por fim quem decidiu e trabalhou muito para ter sua decisão respeitada foi a FAB.

rui mendes
rui mendes
Reply to  Kemen
7 meses atrás

O tio Sam têm vendido F16 para países com alguns dos melhores pilotos de caça do mundo, dos mais bem treinados e com horas e horas de operações reais de combate. Não há melhores, e alguns deles são precisamente 2 países que fazem muitos treinos conjuntos, Gregos e Israelitas.

Cleber Freitas
Cleber Freitas
7 meses atrás

Acho o Mirage III o mais belo da família, mas o 2000 tbm é muito elegante, sobretudo se comparado com a carranca do F16!

Kemen
Kemen
Reply to  Cleber Freitas
7 meses atrás

Não gosta do F1 eu acho o desenho desse velhinho muito bonito.

Cleber Freitas
Cleber Freitas
Reply to  Kemen
7 meses atrás

Sim, mas o meu preferido ainda é o MIII…

Kleber Peters
Kleber Peters
Reply to  Cleber Freitas
7 meses atrás

Em matéria de beleza? Pra mim fica assim, pra caças que ainda voam:
Mirage 2000 > Rafale > Mirage F-1 > Mirage III > Mirage V. Isso pra ficar nos Franciu…
Americanos?
F-14 > F-15 > F-22 > F-4 > F-18 > F-16 > F-5 > F-35
Russos?
Mig-35 > Su-30 > Mig-23/27 > Su-50 > Su-27/35 > Mig-31 > Mig-21 > Mig-29

Delfim
Delfim
7 meses atrás

O que pesou no dogfight foi a determinação grega de não virar província turca novamente.

Diego
Diego
7 meses atrás

Há muito tempo no inicio dos anos 2000 em uma revista sobre aviação militar tinha uma matéria sobre o F16, apontava essa vitória do mirage 2000 grego sobre os turcos, porém era uma possibilidade sem confirmação oficial, havendo apenas indícios. Acho que a matéria foi publicada em 2002. Agora sei que foi real.

Daniel
Daniel
Reply to  Diego
7 meses atrás

Lembro de uma matéria na RFA #7 (acredito), sobre o Mirage 2000, na qual o autor citou uma possível falha do piloto turco.
Tenho a revista até hoje, é que estou com preguiça de confirmar a edição. Não posso respirar poeira também (rs).

José Oliveira Ferreira
José Oliveira Ferreira
7 meses atrás

nos anos 90 colecionei varias revistas de aviação militar, uma delas ASAS DE GUERRA, todo mês contava a historia de um avião, vitórias e derrotas, vi dos dois caças em questão do f16 só narrava vitórias, em nenhum momento mencionaram essa derrota do f16, já o mirage 2000 lembro muito bem que não foi creditado a ele essa vitória, vejo que há sempre uma preferência da maioria por aviões fabricados nos EUA.