Home Aviação de Transporte Repatriação mostra que FAB precisa modernizar frota

Repatriação mostra que FAB precisa modernizar frota

10244
233

Sem aeronaves com maior autonomia, dois aviões que vieram da China fizeram quatro escalas, o que aumenta os custos totais da viagem

Luiz Fara Monteiro, da Record TV

O noticiário da semana mostrou duas aeronaves destacadas pela FAB (Força Aérea Brasileira) para repatriar brasileiros na China por conta do coronavírus. A operação, na verdade, envolve 4 aviões militares.

Os 2 jatos que de fato transportaram os repatriados são 2 modelos Embraer 190, rebatizados na FAB como VC-2, incorporados à força em 2009.

Outros 2 modelos RJ–145 tiveram que partir um dia antes para levar as tripulações extras a Varsóvia, de onde pilotaram os VC- 2 até o destino final, Wuhan.

A Operação foi bem planejada, bem executada e teve caráter nobre. Mas poderia ter sido bem menos complexa e dispendiosa.

Os pilotos que partiram de Brasília tiveram que obedecer o limite de jornada imposto pela legislação aeronáutica e trabalhista. A tripulação extra precisou de uma noite de descanso em Varsóvia e de lá, descansados,
assumiram os VC- 2 para completar a jornada.

A autonomia é um item importante e estratégico na aviação. Jatos maiores e mais modernos, como os Boeing 777, 787 ou Airbus A330 ou o A350 são bem mais caros. Mas muitas vezes o custo benefício se reverte em “valor agregado” ao investimento.

Os VC–2 precisaram de 4 escalas antes do pouso em Wuhan: Fortaleza, Las Palmas, Varsóvia e Urumqi. Voos internacionais implicam uma série de tributos dos proprietários das aeronaves, como taxas aeroportuárias,.de radiocomunicação, gastos com reabastecimentos, entre outros. Fora os gastos com os 2 jatos extras.

Um avião maior e mais moderno com capacidade para voar direto ou realizar apenas uma escala tornaria a operação de repatriação mais econômica e eficiente. A companhia australiana Qantas já opera os 17.700 km da rota entre Sidney e Londres, iniciado num projeto chamado Long Haul Flight. Para tal, utiliza o moderníssimo Boeing 787 Dreamliner. A distância é um pouco maior que o trecho total voado pelos VC–2 Embraer entre Brasília e Wuhan.

É claro que a FAB gostaria de dispor de aparelhos assim. A questão está na escassez de recursos para a compra de aeronaves mais caras. E na disposição de governos em enfrentar críticas a investimentos dessa natureza.

Assim que assumiu o governo em 2003 o ex-presidente Lula autorizou a FAB a iniciar o processo de substituição dos aviões que serviam o Planalto. O mais conhecido deles, o Boeing 707, apelidado de “Sucatão”, que já naquela época necessitava de autorização especial para sobrevoar alguns países de primeiro mundo, de tão obsoleto que era.

Foi nessa mesma aeronave que 4 anos antes, Marco Maciel, então vice-presidente de Fernando Henrique Cardoso, vivenciou um incidente com possíveis desdobramentos sérios: o jato sofreu uma pane em um de seus 4 motores e teve o sistema hidráulico seriamente comprometido, coincidentemente numa viagem à China. FHC acusou o golpe: seus deslocamentos internacionais seguintes foram feitos a bordo de um A330-300 fretado da TAM. Na ocasião o contribuinte arcou com 2 gastos: além da manutenção da frota oficial, despesas com licitações para alugueis de jatos intercontinentais privados, diga-se de passagem, caríssimos.

Quando a FAB anunciou a compra do ACJ-319 do consórcio europeu Airbus, apelidado “AeroLula”, além das críticas naturais, muitos nacionalistas reclamaram do governo por não ter escolhido um Embraer. Esqueceram – ou não faziam ideia – que a especialidade do fabricante nacional é em jatos regionais. Comprar um Embraer para viagens internacionais acarretaria o mesmo problema da missão China: várias escalas com custos bem mais altos.

A FAB optou por uma espécie de meio termo e levou em conta os deslocamentos presidenciais pelo Brasil, em que o ACJ encontra operacionalidade satisfatória em todos os aeroportos domésticos. Para as viagens longas, a Força Aérea entendeu ser melhor submeter as comitivas presidenciais a uma série de escalas. Se fosse para Wuhan, o avião presidencial de hoje precisaria de 2 escalas. À época da negociação de substituição da frota, faltou disposição para comprar um jato maior, com mais autonomia para trechos internacionais. Os Embraer poderiam atender os trechos domésticos.

O ACJ da presidência comprado por Lula e hoje utilizado por Jair Bolsonaro tem limitação de autonomia e espaço físico. Dispõe de apenas 18 poltronas para levar uma comitiva mínima, o que é pouco. Além do chefe do Poder Executivo, esses grupos incluem ministros, assessores, parlamentares, convidados e o staff do Planalto, como seguranças, equipe médica e tradutores, entre outros.

Pior do que não ter um jato ideal é fazer populismo com uma bela aeronave oficial.

O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, fez campanha prometendo que iria se desfazer do avião oficial, um Boeing 787 Dreamliner, última palavra na aviação em termos de tecnologia, segurança, baixo consumo de combustível e menor emissão de CO2. Aos eleitores, Obrador teve a insolência de afirmar que “nem Donald Trump tem um avião desses”, numa comparação com o maior, mais caro e muito mais equipado tecnologicamente Boeing 747 americano, o mundialmente conhecido Air Force One. A falácia do presidente pode ter enganado apoiadores leigos, mas numa espécie de castigo pelo descaramento, esbarrou em dificuldades legais e de mercado, e não conseguiu vender o excelente aparelho mexicano até hoje.

O Brasil poderia optar por mais agilidade com economia a médio e longo prazos nas nobres missões da FAB, como essa recente operação concluída na China.

Ou o barato continuará saindo caro.

FONTE: R7

Subscribe
Notify of
guest
233 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
José Carlos David
José Carlos David
7 meses atrás

O que deveria ser uma operação apenas difícil, virou uma operação dramática.

Roberto
Roberto
Reply to  José Carlos David
7 meses atrás

Pra que adquirir um avião de longo alcance , com custo de manutenção elevado para missões exporádicas ?Quantas missões de longo alcance são feitas por ano ? quanto custaria manter um avião de grande porte ? Bobagem 4 escalas tá bom demais , tem vários brasileiros sofrendo que não recebem o mínimo de socorro do governo, essa missão só aconteceu por força da mídia que só fala nesse vírus enquanto aqui muitos morrem de dengue.
O GT e o GTE há muito tempo não tinha aviões tão novos quanto na ultima década . Tá bom demais assim .
Roberto

Sergio
Sergio
Reply to  Roberto
7 meses atrás

EXATAMENTE ISTO ROBERTO !!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Gelson
Gelson
Reply to  Roberto
7 meses atrás

Muito bem, Roberto. Apoiado!

Marcelo Machado
Marcelo Machado
Reply to  Roberto
7 meses atrás

Perfeito, Roberto. Ideal seria mesmo investir num KC moderno, com capacidade de abastecimento e transporte de pessoas, mas de uso primordialmente militar. Transporte VIP em 90% das vezes pode ser substituído por aviões de carreira.

ADAIR HAMES
ADAIR HAMES
Reply to  Marcelo Machado
7 meses atrás

Esta seria a melhor opção! Aparelho com múltiplas funções, caso contrário apenas mais gastos desnecessários.

Marcus Vinicius Uchoa
Reply to  Roberto
7 meses atrás

Nesse sentido gosto muito da proposta que envolveu o Kc2 Voyager … pq seria um avião que atenderia a pelo menos 4 funções… além de um esquema de investimento bem inteligente..

Alexandre
Alexandre
Reply to  Roberto
7 meses atrás

Exatamente Roberto , até porque em um missão de longo alcance nós temos o Embraer C-390 Millennium , que tem uma autonomia maior , e vai levar mais carga também , a prioridade da FAB , é aumentar a quantidade de caças e ter uma defesa aérea de longo alcance

Caloro
Caloro
Reply to  Alexandre
7 meses atrás

Longo alcance? O KC-390 não é longo alcance. Por favor, antes de escrever um comentário, análise o que vai escrever.

ADAIR HAMES
ADAIR HAMES
Reply to  Caloro
7 meses atrás

Pode ser adaptado!

Bruno Rangel
Bruno Rangel
Reply to  Alexandre
6 meses atrás

Santa ignorância!!!
São aeronaves totalmente diferentes. Sendo uma tática e outra estratégica. De DEFESA vc não sabe nada.

Marcelo
Marcelo
Reply to  Roberto
7 meses atrás

Concordo plenamente!

Ricardo Barbosa
Ricardo Barbosa
Reply to  Roberto
7 meses atrás

O Roberto e seus apoiadores foram efusivamente negativados. O Brasil SIM precisa de um núcleo de aviação de transporte estratégico minimamente adequado às suas pretensões de ser ouvido nos foros internacionais. A falta de meios adequados na operação chinesa foi um fiasco, ainda mais que para transportar deputados não faltam meios.

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Ricardo Barbosa
7 meses atrás

“A falta de meios adequados na operação chinesa foi um fiasco”

Como assim, fiasco? A missão foi cumprida, então fiasco não é a palavra certa.

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  Roberto
7 meses atrás

Boooooa Roberto!

Renato
Renato
Reply to  Roberto
7 meses atrás

Se os brasileiros na China dependessem única e exclusivamente da vontade do Presidente…poderiam encomendar o caixão.

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
Reply to  Renato
7 meses atrás

??? Como os hermanos Argentinos, né???

jef2019
jef2019
Reply to  Roberto
7 meses atrás

Roberto, permita-me discordar amigo… o Brasil está entre as principais economias do mundo, e reuniões e participações em fóruns internacionais são relativamente frequentes durante o ano…G10, G20, BRICS, além de visitas de estado por parte da presidencia da república, além da questão da segurança da presidência da república o qual é muito facilitado através dos serviços realizados diretamente pelo GTE do que por um voo fretado …portanto acho sim importante o país ter um avião para longas viagens, para isso substituindo o atual A319, pois para viagens de curta distâncias, regionais e américa do Sul utilizaria os 2 EMB 190… Read more »

Rodrigo M
Rodrigo M
Reply to  jef2019
7 meses atrás

Parabéns Jef2019, o ÚNICO comentário sensato!

Gelson
Gelson
Reply to  jef2019
7 meses atrás

Bom dia, jef2019 e colegas,
o discurso tá bonito mas a realidade é bem outra…vejam o link com a matéria. Se apenas metade disso for verdade já é um sério problema.

http://www.defesanet.com.br/geopolitica/noticia/35208/Maia–o-senhor-das-mordomias–229-voos-em-avioes-da-FAB-e-carona-para-2-131-pessoas–em-2019/

jef2019
jef2019
Reply to  Gelson
7 meses atrás

Olá amigo…faça uma simples pesquisa no wikipedia e veja as aeronaves da fab…a fab dispoe de uma grande quantidade de aeronaves para transporte de autoridades (learjet, cesnas, etc)…e de fato isso é um problema…na minha opinião deveria ter apenas aeronaves para atender a presidência da república, deveria vender esses outros aviões utilizados pela classe política e usar a grana para adequar outras necessidades…até o A319 penso que poderia ser substituído por um avião para longas viagens, pois os 2 EMB 190 atenderiam essa necessidade…agora a impressão que tenho é que a fab usa esse artifício da linha turismo para a… Read more »

Mosczynski
Mosczynski
Reply to  Roberto
7 meses atrás

Se o Brasil fosse sério a FAB séria a Força Aérea e não aviação executiva de políticos.

Heyarth
Heyarth
Reply to  Roberto
7 meses atrás

Mas o Brasil, uma das maiores economias mundiais, em desenvolvimento, precisa fazer muitas viagem de negócios, com grandes comitivas. É natural que se tenha um avião de maior autonomia, na minha visão seria uma boa aquisição, que não se perderia a longo prazo.

ALISON L C SILVA
ALISON L C SILVA
Reply to  Roberto
7 meses atrás

O Brasil é um pais continental que deseja ser grande… Não pode ter essas limitações meu caro… Parece meu primo que, sempre que chamava pra ir jogar bola, dizia que nao ia pq não tinha chuteira… Mas se ele não comprar a chuteira, nunca irá…

Grozelha Vitaminada Milani
Grozelha Vitaminada Milani
Reply to  José Carlos David
7 meses atrás

Não sei o que é mais FÚTIL, essa reportagem ou essa necessidade de ter mais um bibelô dos Brigadeiros do Teclado.

A viagem foi longe e longa agora.

Belas palavras Roberto. Passe a régua e fecha a conta.

Carlos
Carlos
Reply to  Grozelha Vitaminada Milani
7 meses atrás

Reportagem Fútil Não , todos assuntos podem ser trazidos para o pessoal expressarem suas opiniões.
Muita calma aí , quer censurar ou pautar o site dos outros ?
Faça você um blog ou site aí sim , coloque na pauta o assunto que vc quiser.

Zorann
Zorann
Reply to  José Carlos David
7 meses atrás

É e incompetência pura e simples.

Se não há substitutos, porque não se renovou o contrato de leasing? Era o mais fácil e simples a fazer.

Isto é típico do setor público. Esperam o contrato acabar sem que um contrato novo tenha sido licitado. Esperam o papel higiênico acabar pra pensar em comprar mais. E aí. oque se faz com a “merda” do problema, sem ter papel?

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Zorann
7 meses atrás

Posso estar viajando, mas a não renovação do leasing pode ter sido uma forma de pressionar a continuidade do KC-X2. Assim como foi feito no FX-2 (a desativação prematura dos M2000)

Luiz Trindade
Luiz Trindade
7 meses atrás

Bem… Eu me lembro que ainda no F-X, o então presidente Norte Americano Barack Obama autorizou a Boeing que oferecia o F-18 Super Hornet a oferecer um Boeing 747 com a mesma configuração do Air Force One já que não podia oferecer o compartilhamento de tecnologia. Só não me lembro bem do estado mas acho que era usado. Ae veio o escândalo da espionagem e melou tudo. Ainda sim me pergunto as aeronaves atuais não poderiam ter abastecimento no ar? Troca de tripulação no ar? Enfim… Na minha humilde e insignificante opinião, não é o momento ideal para se trocar… Read more »

DOUGLAS TARGINO
DOUGLAS TARGINO
Reply to  Luiz Trindade
7 meses atrás

Troca de tripulação no ar? Rapaz, esse ai tá bem avançado kkkkkk

Junior
Junior
Reply to  DOUGLAS TARGINO
7 meses atrás

Infelizmente ainda não apareceu um gênio para inventar o teletransporte, o dia que isso for real a vida vai ficar mais fácil e será possível trocar uma tripulação no ar

pampapoker
pampapoker
Reply to  Junior
7 meses atrás

Bah , não vai mais precisar de avião então

Ronaldo
Ronaldo
Reply to  pampapoker
7 meses atrás

Verdade
Kkkkkkkk

Ronaldo
Ronaldo
Reply to  Junior
7 meses atrás

Pois é né

Adriano Luchiari
Adriano Luchiari
Reply to  Junior
7 meses atrás

Há muito tempo existe um dispositivo que permite transportar matéria através de paredes: chama-se porta.

jef2019
jef2019
Reply to  DOUGLAS TARGINO
7 meses atrás

kkkk…vc foi maldoso nessa

Ronaldo
Ronaldo
Reply to  DOUGLAS TARGINO
7 meses atrás

Kkkkkkk

Augusto C.G. Galvão
Augusto C.G. Galvão
Reply to  DOUGLAS TARGINO
7 meses atrás

Basta como acontece hoje na aviação comercial, a segunda tripulação estar a bordo da aeronave! E com curiosidade, as B-52 dispunham de um recurso em que era possível transferir em voo tripulantes de uma aeronave para outra. Foi numa época que esquadrões inteiros de B-52 permaneciam em voo mais de 24 horas alertas para um possível conflito nuclear na guerra fria.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Augusto C.G. Galvão
7 meses atrás

Augusto, nunca ouvi falar sobre esse recurso de troca de tripluações dos BUFFs em vôo. Pode dar mais informações?

Cesar
Cesar
Reply to  DOUGLAS TARGINO
7 meses atrás

Acredito que o que ele quer dizer é que os pilotos reservas vão descansando na mesma aeronave e no meio do caminho fazem o revezamento.

Castelani
Castelani
Reply to  Luiz Trindade
7 meses atrás

A “troca de tripulação no ar” que o colega quis dizer, não é retirar a tripulação e colocar outra no lugar.
Você leva todo mundo a bordo e eles vão alternando os turnos. Descansam na primeira classe ou em “sarcófagos” como existem no A350, A380…. Isso é normal na avião

Luiz Trindade
Luiz Trindade
Reply to  Castelani
7 meses atrás

Pois eh Castelani… Mas tem sempre um engraçadinhos fazendo piada. Normal!

jef2019
jef2019
Reply to  Castelani
7 meses atrás

Amigo…essa situação é bastante comum em longas viagens e várias aeronaves já possibilitam…por isso gerou os comentários…além das que vc mencionou, adiciono o A330, haja visto no acidente do air france justamente o comandante estar fora da cabine em sua hora de descanso…

Marcelo Machado
Marcelo Machado
Reply to  Luiz Trindade
7 meses atrás

Até hoje só o Zeppelin conseguia essa proeza de trocar a tripulação no ar, por meio de seu sistema de ganchos e reconhimento de aeronaves.

Augusto C.G. Galvão
Augusto C.G. Galvão
Reply to  Marcelo Machado
7 meses atrás

Negativo! Como eu disse em comentário anterior, as B-52 durante a guerra fria dispunham de um dispositivo (uma espécie de tubo que saia de uma aeronave acima e próxima de outra inferior) que transferiam tripulantes de uma aeronave para outra.

EduardoSP
EduardoSP
Reply to  Augusto C.G. Galvão
7 meses atrás

Eu nunca ouvi falar disso. Vc tem alguma referência?

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  Augusto C.G. Galvão
7 meses atrás

Interessante….

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Augusto C.G. Galvão
7 meses atrás

Essa eu gostaria de ver…

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Augusto C.G. Galvão
7 meses atrás

Está confundindo com um certo filme ruim não?

comment image

DOUGLAS TARGINO
DOUGLAS TARGINO
7 meses atrás

Isso, precisamos de pelo menos dois aviões grandes (4 motores) que reabastecem em voo de longa duração e que ao mesmo tempo possa ser usado para viagens de longa distancia!

DOUGLAS TARGINO
DOUGLAS TARGINO
Reply to  DOUGLAS TARGINO
7 meses atrás

Mas deixa para fazer uma compra assim quando os caças e os cargueiros tiverem meio caminho andado.

Gustavo
Gustavo
Reply to  DOUGLAS TARGINO
7 meses atrás

os maiores alcances hoje são de jatos bimotores. e o REVO nesses casos não faz sentido para a FAB.

Flanker
Flanker
Reply to  Gustavo
7 meses atrás

Como assim, o REVO não faz sentido para a FAB? Você é um dos que acha que o KC-390 pode fazer o serviço de um KC-767 ou A330MRTT?

Régis Athayde
Régis Athayde
Reply to  DOUGLAS TARGINO
7 meses atrás

Se os líderes da FAB lerem o seu comentário Douglas, bem capaz de acabarem adquirindo algum A-380 que esteja sendo desativado pelas companhias aéreas pra reformar e utilizar como uma aeronave tipo KC.

Claro, isto é somente uma hipótese.

Castelani
Castelani
Reply to  DOUGLAS TARGINO
7 meses atrás

Quadrijato é raça em extinção.
777, 787, A350 são todos bireatores de longo alcance

André Sávio Craveiro Bueno
André Sávio Craveiro Bueno
Reply to  DOUGLAS TARGINO
7 meses atrás

Imaginem o arrasto aerodinâmico do conjunto B-52 – tubo – B-52.

Leandro Costa
Leandro Costa
7 meses atrás

É um tanto irônico que a grande imprensa faça uma matéria dessas depois de tantas críticas por gastos exorbitantes ou desnecessários por parte das FFAA. Faz parte. E ignorando a lambança que falaram em relação à 787 vs. 747, de qualquer maneira o problema está aí. Será que existe a possibilidade de a FAB adquirir, e manter, uma aeronave de maior porte e maior alcance para esse tipo de missão?

Nicolas_RS
Nicolas_RS
Reply to  Leandro Costa
7 meses atrás

A FAB teve que deslocar 3 aeronaves, com inúmeras escalas, bom, os E-190 fizeram pelo menos 10 escalas contando com ida e volta… Teve mais o ERJ se não me engano que fez mais uma escala pelo menos para levar uma tripulação… Eu chutaria que especificamente NESTA missão, seria mais barato levar 1 único A-330. E lembrar que a FAB precisa de aviões deste porte, quando a FAB alugou aquele 767, foi usado varias vezes em transporte de tropas. E lembrar que as exigências deste missão foram relativamente pequena, pois a Europa teve que alugar um A-380 para transportar mais… Read more »

Marcelo Andrade
Marcelo Andrade
7 meses atrás

É simples. o projeto KC-X2 deve ser revisto. A IAI já havia ganhado o contrato de conversão de 2 (com opção de mais 1) 767-200ER para configuração Combi e reabastecimento. O 2º/2º GT da Base Aérea do Galeão iria receber os aviões no lugar dos KC-137. Por motivos de cortes orçamentários, o projeto foi cancelado. Agora fez falta.

Leonel Testa
Leonel Testa
Reply to  Marcelo Andrade
7 meses atrás

E aquele 767 alugado ??

Castelani
Castelani
Reply to  Leonel Testa
7 meses atrás

Encerrou o contrato

EDUARDO DE SOUSA PEREIRA
EDUARDO DE SOUSA PEREIRA
Reply to  Marcelo Andrade
7 meses atrás

Boa hora pra se separar um dindin e sapecar a compra dos dois 767-200ER já que todos viram o chabu que deu e as trocentas escalas pra buscar os brasileiros na China e com duas aeronaves e tripulações(pra deixar tudo beeeeeem mais caro).

Rui Chapéu
Rui Chapéu
7 meses atrás

Por mim vendiam o GTE inteiro e ainda esses 2 aviões.

Essa “operação” ai é coisa que acontece uma vez na vida e outra na morte e comprar 1 aviões de milhões de dólares pra um acaso assim é jogar dinheiro público fora.

Essas porcaria ai só servem pra nossos políticos ficarem comendo lagosta e tomar vinho caro enquanto vão passar o FDS na praia com nosso dinheiro.

Adriano Luchiari
Adriano Luchiari
Reply to  Rui Chapéu
7 meses atrás

Concordo plenamente, penso que dois Legacy para transporte presidencial em voos domésticos e América do Sul ainda se justifica. Deslocamentos presidenciais de longo alcance na primeira classe em voos comerciais. Demais autoridades só em voos comerciais, dentro ou fora do Brasil. Não estamos mais no século passado, o Brasil tem hoje uma malha aérea muito abrangente, não precisa mais da FAB para transportar políticos. Também temos muitas carências a suprir, inclusive nas FA, ao invés de torrar dinheiro com esses luxos desnecessários.

Señor batata
Señor batata
Reply to  Rui Chapéu
7 meses atrás

Rui o senhor q sempre comenta fatos bem interessantes históricos (eu agradeço ao senhor por isso). Saberia me informar se o protocolo de vôos vips que abarca um número tão amplo de autoridades brasileiras é fruto de uma necessidade de período da ditadura. Ouvi algumas vezes que essa farra de vôos nós aviões da FAB se deve ao risco de atentados no período.
Desde já agradeço a resposta.

Adriano Luchiari
Adriano Luchiari
Reply to  Señor batata
7 meses atrás

Interessante como em todo debate alguém tem que se referir ao período da ditadura de 64. Ninguém comenta a ditadura de Getúlio Vargas durante o Estado Novo, mais cruel com adversários e mais autocrática e centralizadora do que foi o período militar. Não havia eleição sequer para vereador. Foi Getúlio quem comprou a primeira aeronave para transporte presidencial, um luxuoso Lockheed Loadstar. Depois JK comprou dois Vickers Viscount, que foram sucessivamente substituídos pelos BAC One-eleven, Boeing 737, Airbus ACJ e EMB 190. Não sei dizer se havia risco de atentados a voos transportando políticos durante o regime militar, mas creio… Read more »

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Adriano Luchiari
7 meses atrás

A criação do Segundo Esquadrão, com os jatos HS-125, ocorreu após o atentado à bomba no Aeroporto de Recife. Hoje, não tem mais razão de existir, mas falta alguém com culhão para extingui-lo.

Señor batata
Señor batata
Reply to  Rinaldo Nery
7 meses atrás

Muito obrigado coronel Rinaldo.

Señor batata
Señor batata
Reply to  Adriano Luchiari
7 meses atrás

Adriano eu não fiz juízo de valor sobre a ditadura militar e sim getulio foi um ditador com forte inclinação facista (polaca q o diga). Minha dúvida é se realmente o costume de tantas autoridades utilizaram aeronaves da fab provém dos problemas com ataques terroristas. Pois eu já vi essa afirmação mais não de fontes confiáveis.
Tchau e abs.

Adriano Luchiari
Adriano Luchiari
Reply to  Señor batata
7 meses atrás

👍 Abraço!

Jadson Cabral
Jadson Cabral
Reply to  Rui Chapéu
7 meses atrás

Daí toda vez que o presidente e a comitiva precisarem viajar vão de aviões de carreira abrindo licitações milionárias e nos que pagaremos mais caro.

Adriano Luchiari
Adriano Luchiari
Reply to  Jadson Cabral
7 meses atrás

Nada disso, voo regular mesmo!

Adriano Luchiari
Adriano Luchiari
Reply to  Adriano Luchiari
7 meses atrás

O governo paga os tickets, presidente e dignatários em primeira classe e executiva; segurança, aspones, amantes, etc. em classe econômica…

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Adriano Luchiari
7 meses atrás

Loucura total fazer isso. Um chefe de Estado não pode fazer algo assim, mesmo que seja apenas um mero chefe de Estado Brasileiro.

Adriano Luchiari
Adriano Luchiari
Reply to  Leandro Costa
7 meses atrás

Por que não? Um exemplo recente é o ex-presidente Macri da Argentina, que desativou o Boeing 757 e o Fokker 100 presidenciais. Viajava pelo país em um Learjet 45 da FAA e em viagens internacionais viajava em primeira classe, ou classe executiva, de companhais aéreas nem sempre de bandeira argentina.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Adriano Luchiari
7 meses atrás

Por que sempre temos que nos igualar à algum exemplo ruim? Desconheço isso sobre o Macri, mas não duvido que ele tenha feito isso pelo simples fato de que apertar o cinto era promessa de campanha dele, e ele estava certamente usando isso como uma presepada ridícula para agradar o eleitorado dele. Não se faz esse tipo de coisa pelo simples fato de que a viagem à qualquer lugar que seja, é uma viagem de Estado, o que significa que durante o vôo, o Chefe de Estado precisa estar em contato constante com o país, para poder receber informações, debatê-las… Read more »

Felipe
Felipe
Reply to  Leandro Costa
7 meses atrás

A familia real da Suécia ou Dinamarca, não tenho certeza, viajam de avião comercial.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Felipe
7 meses atrás

Ambos esses países tem esquadrões com jatos executivos e helicópteros para uso da família real. No caso da Suécia, eles também usam vôos normais (SAS), com embarque privativo VIP e regalias, claro. Absolutamente normal.

Gustavo
Gustavo
7 meses atrás

O titulo diz “Modernizar a Frota”, mas modernizar é errado dizer, os meios que estão lá são modernos e atuais, o termo correto seria ADEQUAR. Concordo com o A-319 ACJ seja adequado para a presidência, ele permite voos sem escalas entre BSB e New York, BSB a Paris, BSB a Washington. Porém, se as viagens internacionais de longas distancias se tornarem uma constante, a aquisição de uma nova aeronave como o A-350-900 ULR ou 787, começam a ser viáveis. Talvez a ida dos dois jatos regionais VC-2, que foram comprados para serem usados dentro do País, tenha sido para expor… Read more »

Tutu
Reply to  Gustavo
7 meses atrás

Por exemplo um a330 MRTT

Antonio Lopes
Antonio Lopes
Reply to  Gustavo
7 meses atrás

Para que? Ninguém quer falar e ou receber o presidente.

Gustavo
Gustavo
Reply to  Antonio Lopes
7 meses atrás

sempre me refiro ao “presidente” como cargo e não pessoa.

Tutu
Reply to  Antonio Lopes
7 meses atrás

Perdeu a chance de ficar calado Antonio.
Uma aeronave aeronave presidencial da FAB pertence a República federativa do Brasil, não ao presidente atual.
Acho que as pessoas esquecem que governos passam, porém o estado fica.

Tulio Rossetto
Tulio Rossetto
Reply to  Antonio Lopes
7 meses atrás

Mais uma viúva da OrCrim falando bobagens, deve ser outra conta do Kings

Rodrigo M
Rodrigo M
Reply to  Antonio Lopes
7 meses atrás

Antonio, da próxima vez pense antes de escrever, ou então fique quietinho no seu canto tentando aprender alguma coisa. Assim você evita passar vergonha.

Allan Lemos
Allan Lemos
7 meses atrás

Deveriam tomar vergonha na cara e providenciar um avião presidencial decente. Mas no momento a FAB tem que focar em coisas mais importantes e urgentes.

Marcelo Andrade
Marcelo Andrade
Reply to  Allan Lemos
7 meses atrás

Pessoal está confundindo tudo! Então, para as missões presidenciais, o VC-1A e os dois VC-2 estão muito bem dimensionados, assim como os dois VH-36 – Super Cougar. ponto. O GTE deveria somente ser isso, vendendo todos os outros aviões. Os VC-2 foram adaptados para esta missão. Os 767 que a FAB queria, iriam para o Esquadrão Corsário, que já presta, entre suas atribuições, este tipo de transporte, haja vista os refugiados venezuelanos e os soldados do Haiti. A idéia de termos 3 Airbus KC-30, que serviriam tanto à Presidência qunato ao 2/2 GT seria uma boa tb.

Marcos Demetrius
Marcos Demetrius
7 meses atrás

O 767 arrendado ainda está operacional?

Eduardo
Eduardo
Reply to  Marcos Demetrius
7 meses atrás

Não, acabou o contrato.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
7 meses atrás

O avião presidencial que o México esta vendendo tem autonomia maior que o nosso? Se ele estiver em boas condições poderia ser uma compra de oportunidade, o México tentou vender e não conseguiu. E depois poderíamos tentar comprar mais dois de maior autonomia para uso geral.

Fabio Mayer
Fabio Mayer
Reply to  Fabio Araujo
7 meses atrás

Arrisca o sr Obrador desistir da venda, se o país governado por Bolsonaro fizer uma oferta!

Antonio Lopes
Antonio Lopes
Reply to  Fabio Mayer
7 meses atrás

Não vai não, com o que tem de aeronave disponível para vender no mundo ele gostaria de uns otários para comprar a dele.

RENAN
RENAN
7 meses atrás

É necessário a compra de aeronaves de nível global. Para a FAB.
Visando atender o inesperado.
Existe as opções civil.

Mas eu logo iria avaliar cargueiros militares de grande autonomia.
C5 Super Galaxy

C17 globemaster

An124/150

Compraria 6 unidades
1 de reposição de peças, 1 de estoque, 2 operacional Full uso rotineiro e 2 de para serem usados a qualquer momento mantidas para ao menos 1 decolar assim que solicitado emergência.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
Reply to  RENAN
7 meses atrás

Não precisamos só de aviões de transporte militar, é necessários aviões civis para transporte geral, sejam Boeing ou Airbus com capacidade entre 200 a 350 pessoas e um longo alcance uma frota de uns 5 ou 6, mas para começar uns 2 já quebrariam o galho. Para transporte os C-130 e os KC-390 dão conta.

Nicolas_RS
Nicolas_RS
Reply to  Fabio Araujo
7 meses atrás

Aviões militares também transportam pessoas, os EUA fazem isso com seus C-130 e C-17 por exemplo! Só procurar ai que verá

Fabio Araujo
Fabio Araujo
Reply to  Nicolas_RS
7 meses atrás

Numa emergência sim, mas viajar longas distâncias num transporte militar sem conforto é uma coisa outra coisa é voar num avião para transporte de passageiros.

Nicolas_RS
Nicolas_RS
Reply to  Fabio Araujo
7 meses atrás

Conforto igual classe econômica…

RENAN
RENAN
Reply to  Fabio Araujo
7 meses atrás

Estes aviões podem ser configurados para missão de transporte de pessoas.
O que não se pode fazer é comprar avião cívil para fornecer luxo a autoridades, que nos envergonha ao usar meios militares para viagens inúteis. Ou de propósito pessoal

Maurício Veiga
7 meses atrás

O que houve com o Boeing 767 da FAB, por que não foi utilizado?!?!

Castelani
Castelani
Reply to  Maurício Veiga
7 meses atrás

Acabou o contrato de leasing… Não era da FAB. Era alugado

Caio
Caio
7 meses atrás

Reduz em 50% o contingente de 80 mil homens, que vai sobrar uma “coisinha” pra um avião de longo alcance.

Mauricio R.
Reply to  Caio
7 meses atrás

Deixem de levar a Embraer pela mãozinha, que sobra mais ainda. Acabem com o “só pode ser, for Embraer”!!!!
Sisfron, F X-2; as corvetas/fragatas do edital rasgado; o satélite geoestacionário; cortem o sobrepreço pago pela inclusão da Embraer em todos esses projetos, que sobra dinheiro pra aeronave de longo alcance.

Antonio Lopes
Antonio Lopes
Reply to  Caio
7 meses atrás

E as pensões graúdas….

Marcelo Andrade
Marcelo Andrade
Reply to  Caio
7 meses atrás

Sim, e onde está o dinheiro para pagar as indenizações? Grande idéia a sua!A FAB já tinha o contrato fechado e a Sra Dilma, cancelou. Procure conhecer a sua Força Aérea antes de insinuar besteira. Pesquise Força Aérea 100!

Caio
Caio
Reply to  Marcelo Andrade
7 meses atrás

Não tem defesa INTELIGENSSA! muita gente pra poucas aeronaves, oficiais demais, VIAGENS PREMIADAS DEMAIS, Garbo demais e força aérea de menos.
Sinto pelo seu ego! Mas administração dos meios militares não foge ao padrão civil, prejudicial.

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Caio
7 meses atrás

Deus me livre…

Talisson
Talisson
Reply to  Caio
7 meses atrás

Esse número “excessivo” não corresponde aos controladores de voo?

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Talisson
7 meses atrás

21% do efetivo.

Maus
Maus
Reply to  Caio
7 meses atrás

Creio que o problema é o número de reservistas, não conheço nenhum país com boas forças armadas com mais reservistas do que pessoal ativo.

Marcelo Andrade
Marcelo Andrade
Reply to  Maus
7 meses atrás

A Reserva não é remunerada Maus! Sou reservista da FAB, por exemplo! Você quis dizer os militares da reserva. O militar não se aposenta como o servidor civil, mesmo na Reserva poderá ser convocado, ok?

felipe
felipe
7 meses atrás

Existe alguma planilha de quanto seria o custo anual de se fretar uma aeronave wide-body e o custo anual de ter uma aeronave deste porte no inventario da FAB? Se sim, em quanto seria o tempo para a amortizar os custos da aquisição de tal aeronave?
Obrigado.

DOUGLAS TARGINO
DOUGLAS TARGINO
7 meses atrás

Enquanto conseguimos fazer essa proeza com 4 aeronaves, onde uma seria o suficiente, vejo essa matéria:

Mais gastos com defesa, menos gastos sociais: Trump propõe orçamento de US$ 4,8 trilhões para 2021

DOUGLAS TARGINO
DOUGLAS TARGINO
Reply to  DOUGLAS TARGINO
7 meses atrás

Eles humilham mesmo!

Mauro
Mauro
Reply to  DOUGLAS TARGINO
7 meses atrás

Cidadão americano chega a pagar 50% de imposto de renda.
Tem também imposto sobre transmissão de bens ou herança, se não fizer doações de sua fortuna em vida, perde tudo em pouco tempo.
Não tem bonzinho lá não, o cara é obrigado a doar em vida ou perde na hora de deixar pros descendentes.
Tem que ver se algum patriota como você demonstra ser, está disposto a isso por aqui, né?

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Mauro
7 meses atrás

Se meus impostos fossem bem utilizados, eu pagaria numa boa porque eu teria retorno. Como não tenho e nem terei, então prefiro pagar o mínimo que a legalidade permite.

Flanker
Flanker
Reply to  Mauro
7 meses atrás

No Brasil tb há o imposto sobre herança . Temos tb o ITBI. Imposto de renda aqui tb é caro. Aquo temos tb o ICMS, IPTU, IPVA, IPI, PIS, Cofins, Cide,……Se quisermos saúde sem esperar até morrer, precisamos pagar plano de saúde….se quisermos uma educação um pouco melhor, precisamos pagar escola particular…..se quisermos estradas em condições, só com pedágio…..e por aí vai…..a diferença do Brasil para os países desenvolvidos é que lá, se paga….mas se vê os resultados e se tem retorno!

Antonio Lopes
Antonio Lopes
Reply to  DOUGLAS TARGINO
7 meses atrás

Bem se vê porque lá não tem sus….

jef2019
jef2019
7 meses atrás

A FAB se tranformou em força VIP para transporte de autoridades dentro do país, e passou a ter um foco secundário em sua missão fim…Precisamos de meios modernos para cumprir a missão da FAB…Agora que estamos gatinhando com a chegada dos gripens (defesa aérea) e KC 390 (para apoio logístico)…Na minha opinião deveria acabar com essas frotas de aviões para transporte de autoridades, os quais deveriam usar voos comerciais…exceção ao transporte do presidente da republica, inclusive com uma aeronave com perna mais longa (para viagens internacionais longas)…manteria os 2 EMB190 para voos regionais e vizinhanças America do Sul (pernas curtas),… Read more »

Lucianno
Lucianno
Reply to  jef2019
7 meses atrás

A FAB tem a incrível quantidade de 23 jatinhos!!!!
Qual força aérea no mundo tem tanto jatinho assim para transporte de autoridades??

Salomon
Salomon
Reply to  Lucianno
7 meses atrás

De fato, é vergonhoso. Desde Sarney se troca apoio político por mordomias aéreas, aviltando militares, que se transformam em empregados particulares de autoridades de plantão, a maioria sem moral alguma. Teve um ministro que ia toda sexta para POA em avião do GTE e lá tinha um Bandeirante que pousava em sua fazenda. Na segunda ou terça era o contrário.

jef2019
jef2019
Reply to  Salomon
7 meses atrás

Exato amigo…é a mesma impressão que tenho, de que a FAB mantém a linha turismo para os sanguessugas da nação em troca de algum apoio político…e mesmo assim estamos nessa situação precária em termos de equipamentos…ou seja, tá na hora de mudar a estratégia, e cortar essa linha turismo…e ai ter uma conversa bem séria com essa classe de parasitas, se não vai pelo amor, vai pela dor!

Mayuan
Mayuan
7 meses atrás

Ninguém falou até agora mas achei uma matéria excelente em se tratando de mídia não especializada. Mais completa até que de alguns sites da área.

Minha opinião é que o GF poderia tomar o caminho dos 767 convertidos pela IAI para versão combi. Não seriam luxuosos, o que mostra compromisso com o dinheiro público, e seriam úteis para a Fab num leque maior de missões. De quebra, vende esse questionável ACJ e mantém os E190 na função que hoje cumprem.

gordo
gordo
7 meses atrás

Esse evento ai mostrou bem mais que falta de meios adequados, e olha que o orçamento não é pequeno. Depois que se diz não dá para desdizer, principalmente quando se é presidente da Republica.
A falta de aviões é com certeza o menor dos Nossos problemas, basta ver que o F-5 é o responsável pela nossa defesa aérea.

Rui Chapéu
Rui Chapéu
7 meses atrás

porcaria de site que censura todos meus comentários.

José Airton
José Airton
7 meses atrás

Compreendo a situação atual, más acredito que a FAB deveria rever o projeto KC-X a médio prazo. Minha opinião seria de 3 und KC 767 via IAI como já havia sido escolhido ou… o pelo menos 2 Airbus KC-330 MRTT como já fora oferecido ao Brasil extra oficialmente. Os KC-390 reabastecedores táticos e os KC-767 Reabastecedores estratégicos bem como transporte de longa distância como função principal. Precisamos antes de tudo, lembrar que o atual governo têm realizado o possível e o impossível para tentar reverter o grande lapso que assolou as 3 FAs. Não é uma tarefa fácil, visto que… Read more »

EDUARDO DE SOUSA PEREIRA
EDUARDO DE SOUSA PEREIRA
Reply to  José Airton
7 meses atrás

Em oportuna entrevista o PR deixou bem claro pra todos o quanto governos anteriores desde FHC avacalharam com as forças armadas em muitos quesitos deixando lacunas como esta de um avião capaz de grandes trajetos e capacidade de carga.

EduardoSP
EduardoSP
Reply to  José Airton
7 meses atrás

Cara, acreditar nessa história de “herança maldita” nessa altura do campeonato?!!
Tá parecendo petista falando do FHC.

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
7 meses atrás

Uma coisa que eu não entendi foi :

Por quê sair do Brasil atravessando o atlântico?

Porquê não foram pelo pacífico para chegar mais rápido Podendo pousar na ilha da páscoa, na nova Zelândia ou Austrália e aí pousar na China?

comment image

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
Reply to  ADRIANO MADUREIRA
7 meses atrás

comment image

JuggerBR
JuggerBR
Reply to  ADRIANO MADUREIRA
7 meses atrás

Poucas rotas cruzam o Pacífico, porque se tiver pane o avião vai parar no fundo do mar. Melhor fazer um caminho mais longo e seguro, cruzando por terra.

Mauro
Mauro
Reply to  ADRIANO MADUREIRA
7 meses atrás

Eles teria que passar pela Europa, na volta alguns europeus voltariam nesses aviões, da Polônia, Espanha, Portugal, não sei se tinha mais países, mas desses países havia. Esses europeus todos desembarcaram na Polônia, por isso fez escala lá. Os governos espanhol e polonês agradeceram a ajuda do Brasil no transporte de seus cidadãos.

Carlos Gallani
Carlos Gallani
Reply to  ADRIANO MADUREIRA
7 meses atrás

Alem do já citado a rotação da terra influencia muito, um voo NY para LA dura uma hora a mais que o contrário!

EduardoSP
EduardoSP
Reply to  ADRIANO MADUREIRA
7 meses atrás

Adriano, exatamente pelo tema discutido na matéria do R7. Fazer rotas transpacíficas exige que o avião tenha um alcance muito maior do que o possível com o 190. Além do mais, os aviões bimotores comerciais e executivos são homologados para voar um determinado tempo com um dos motores desligado. Eles somente podem fazer rotas que os permitam estar a determinado tempo de vôo monomotor de um aeroporto em que possam pousar. É a classificação ETOPS “Extended Twin Engine Operation”. Existem, por exemplo, aviões , ETOPS 120 minutos, ETOPS 180 minutos. Essa classificação é válida para vôos sobre terra e sobre… Read more »

mcremp
mcremp
Reply to  ADRIANO MADUREIRA
7 meses atrás

Porque pelo pacífico é mais longe.

luiz antonio
luiz antonio
7 meses atrás

Sendo bem realista, é melhor ficar com o que temos. Se já com os aviões que temos a farra de políticos usando aviões da FAB já é grave, imaginem se estiverem a disposição aeronaves de longo curso? A vadiagem iria perambular pelos 4 cantos do planeta e nós que trabalhamos sustentamos essa farra.
Deixa do jeito que está para não piorar.

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
7 meses atrás

No Brasil tudo é motivo de propaganda,apesar do mérito da missão,sempre tem que fazer uma festa para tudo…

“(…) Ninguém ficou para trás. Somos um só povo, uma só raça, somos irmãos. As nossas Forças Armadas, os Ministérios das Relações Exteriores e da Saúde, a Câmara e o Senado, bem como a ANVISA trabalharam incessantemente para que essa missão fosse coroada de sucesso (…)”

comment image

Gilson
Gilson
7 meses atrás

Uma coisa é certa está faltando um avião de transporte pesado e de longo alcance para FAB, quando estás coisas acontecem não são por a caso, é um aviso de que algo precisa a ser feito e não é a longa prazo é pra hoje. Existem alguns comentários que dizem: a pra comprar esse tipo de aeronave é caro, para manter é caro, mas me aponte o que não e caro na aviação ou nas forças armadas tudo é caro se for levar em conta o preço de um simples avião de transporte leve. Quanto custa aos cofres públicos da… Read more »

Juliano
Juliano
7 meses atrás

Foda que sempre tem a mídia sensacionalista que adora dizer pra que uma avião de grande porte , Tai o resultado , aeronaves curtas não serve pra grande distância , sendo que uma só poderia resolver todo o problema , governo comedo de sofrer críticas acaba deixando engavetado , muitos críticos sabe porra nenhuma esquece que o país e um dos maiores do mundo e precisa ter uma aeronaves de longo alcance para fazer viagens longa , tem nações bem menores com super meios de transporte , agora tudo e custo , deveriam vender todas aeronaves e compra carroças e… Read more »

Sérgio Luís
Sérgio Luís
7 meses atrás

Resolveu o problema e tá ótimo!
Até porque ñ faremos isso todos os dias!

JuggerBR
JuggerBR
7 meses atrás

A matéria apenas se esquece qual a razão da existência da FAB. Faltam aviões pra transporte militar, reabastecimento, até mesmo jatos. Fora a verba de manutenção…
GTE deveria ser extinto, político que pegue um GOL ou TAM pra ir passear de avião.
Ir na China é uma vez na vida, pagar uma fortuna pra usar a aeronave de vez em quando não faz sentido algum.

Tutu
Reply to  JuggerBR
7 meses atrás

KC-2 Voyage

Tutu
Reply to  Tutu
7 meses atrás

Essa é a solução.

Minuteman
Minuteman
Reply to  JuggerBR
7 meses atrás

Bom, a China e a India usam um 747 de suas frotas da Air China e Air India como aviões presidenciais.

Aqui poderiam ser um A350 ou 777-300 da LATAM, ou A330-900 da Azul. Mas são companhias privadas, não sei se aceitariam.

Já que agora estamos muito próximos dos americanos, poderíamos ver com eles um 777, se livraria dos VC-2 e guardaria o A319.

Tutu
Reply to  Minuteman
7 meses atrás

Na semana passada a Índia adquiriu dois 777 para assumirem de forma definitiva essa função.

cesar
cesar
7 meses atrás

O ideal é a FAB vender todos avião que são usados por políticos.

João Adaime
João Adaime
7 meses atrás

Quando da aquisição do A319 eu já havia pensado na compra, em seu lugar, do A340. Ele é mais ou menos do mesmo tamanho do A330, porém com 4 motores, o que dá mais segurança ao vôo. Afinal, a bordo vão o presidente da República e outras autoridades. Além disso, na época a economia brasileira ia de vento em popa, graças ao crescimento acelerado do mercado internacional, aliado ao fato de que o Lula pegou um País organizado pelo seu antecessor. Só o que se desviou com as obras da Copa e das Olimpíadas a FAB teria comprado uma frota… Read more »

Douglas Rodrigues
Douglas Rodrigues
Reply to  João Adaime
7 meses atrás

O A-340 está dando baixa em várias companhias aéreas, motivo: alto custo dos 4 motores! E por isso também seguem para aposentadoria os 747, os A-380 e assim por diante… Ter e operar aviões de 4 motores em tempos de combustível caro e aumento da eficiência/segurança dos motores é inconcebível. O melhor é optar por aviões de 2 motores mesmo, como o KC-767 e o A-330MRTT, esses são aviões muito seguros, modernos e capazes de atender as demandas da FAB para longo alcance (fazem 12mil km e 14mil km respectivamente) podem alcançar dessa forma qualquer país da Europa sem reabastecer,… Read more »

João Adaime
João Adaime
Reply to  Douglas Rodrigues
7 meses atrás

Prezado Douglas Este meu devaneio foi lá no distante 2004, quando o A319 foi encomendado (recebido em janeiro de 2005). Claro que hoje a realidade é outra e nem sei mais o que sugerir. Mas muitos países ainda utilizam aviões com quatro motores para seus presidentes, por questão de segurança, sem preocupação com custos. Veja aqui alguns países que usam 4 motores. Uns de suas forças aéreas e outros alugados de empresas: Alemanha (A340), Arábia Saudita (B747), China (B747), Coréia do Sul (B747), EUA (B747), Índia (B747 – previsto ser substituído por um B777), Japão (B747 – previsto ser substituído… Read more »

Douglas Rodrigues
Douglas Rodrigues
Reply to  João Adaime
7 meses atrás

Compreendo João, Mas os tempos são outros, inclusive o 787 mexicano estão tentando vender, pois segundo o governo atual foi gasto um valor para apenas servir a presidência… Acredito que não é isso que o atual governo deveria fazer, comprar avião para uso exclusivo do presidente vai ter que aguentar críticas e reclamações com toda a certeza! A questão de quatro motores é tão relativa, se for para se acontecer algo, qualquer desses aviões aí pode se acidentar, não importando quantos motores tenha! Considerar a compra do KC-X estratégica é o caminho, nada de VIP exclusivo, o GTE está cheio… Read more »

João Adaime
João Adaime
Reply to  Douglas Rodrigues
7 meses atrás

Douglas, vou aproveitar a tua deixa e por mais lenha na fogueira.
Para não criar atrito com os outros poderes, o governo federal doa um jatinho para o STF, outro pra Câmara e mais outro pro Senado. E eles que administrem da melhor maneira possível.
Dá uma de Pôncio Pilatos. Hoje esta despesa é mascarada dentro do orçamento da FAB. Cada um cuidando do seu, a sociedade poderá melhor acompanhar a farra aérea.
Ficam uns poucos para atender aos ministérios e os restantes poderão ser vendidos, emprestados, devolvidos ou remanejados.

EDUARDO DE SOUSA PEREIRA
EDUARDO DE SOUSA PEREIRA
Reply to  João Adaime
7 meses atrás

Pode colocar na sua lista que poderíamos ter executado todo o Prosuper, Prosubi, Pronae, comprado Leopard 2A6 pra substituir os atuais Leo 1A5 ou estar desenvolvendo um MBT nacional junto a Iveco ou KMW, ter desenvolvido Guarani 8×8 etc. e sobraria dinheiro ainda viu.

João Adaime
João Adaime
Reply to  EDUARDO DE SOUSA PEREIRA
7 meses atrás

Caro Eduardo
O troco que sobrasse seria mais do que suficiente para pintar de ouro o meio fio da principal avenida de cada um dos 5570 municípios brasileiros.
Abraço

Tomcat4.0
Tomcat4.0
Reply to  João Adaime
7 meses atrás

E olha q falta saber quanto dinheiro foi pra alguns juízes do STF😉🤔

Douglas Rodrigues
Douglas Rodrigues
7 meses atrás

A FAB tem que aproveitar o momento e mostrar por A + B que ter avião de longo alcance é fundamental, não precisa um para transporte todos os dias, mas um que dê a capacidade de buscar cidadãos em locais de conflito ou de epidemias, e mais: aumente a capacidade de carga estratégica ou humanitária, aumente a capacidade para deslocar militares ou forças de segurança/resgate para regiões diversas, possa abastecer outras aeronaves, etc. Não é o KC-390 que vai resolver isso agora, com um alcance de 6mil km vazio que vai resolver isso. Lembrem-se que o KC-X2 estava quase definido… Read more »

Fabio Mayer
Fabio Mayer
7 meses atrás

Eu não lembro à exatidão, mas havia uma licitação para aquisição de 3 aviões tanque, que depois virou licitação para 2… o que aconteceu com ela? Mais que isso: estes aviões, por serem de grande porte, atenderiam à esta demanda da matéria?

Tutu
Reply to  Fabio Mayer
7 meses atrás

Está parada por falta de verba, os vencedores foram os israelenses da IAI, seriam duas aeronaves 767-300ER MRTT.

Douglas Rodrigues
Douglas Rodrigues
Reply to  Tutu
7 meses atrás

Seriam dois 767-300ER adaptados pela IAI para o padrão “combi” tornando-o KC767, com opção de compra de mais uma unidade.
Pelo que anunciam, o 767-300ER alcança 11000km em MTOW, fazendo que houvesse a necessidade e apenas UMA escala nesse trajeto até a China, invés das 3 escalas dos VC-2.
O 767 poderia ter ido de Anápolis para Varsóvia e de lá para Wuhan, perfazendo o mesmo caminho na volta, teriam sido economizados tempo e dinheiro, com toda certeza!

Antonio Lopes
Antonio Lopes
7 meses atrás

Eles não vão toda semana para a China esses aviões de passageiros estão ok. Quanto mais comprar mais longe os ministros e familiares vão se refastelar…

Eduardo Ribeiro
Eduardo Ribeiro
7 meses atrás

Brasil poderia demonstrar interesse em Comprar o 787 do México. Em troca, venderia um dos A 320, ou até mesmo o colocaria na negociação.

Nicolas_RS
Nicolas_RS
7 meses atrás

Infelizmente é cultural, o brasileiro é uma mistura de vira-lata com gado, é um crime criticar a FAB e os demais meios “patrióticos”. Não é de hoje que o Brasil teima em comparar um produto inferior e exaltar com um estrangeiro muito melhor e dizer que é de igual para igual, um exemplo clássico é a Glock com a Taurus. Um exemplo maior ainda é o A-29, avizinho patético, se comparar com aviões da WW2 perde em muitos quesitos, mas o Brasileiro adora exaltar como uma das 7 maravilhas do mundo, logico que é um avião bom, mas longe de… Read more »

Minuteman
Minuteman
Reply to  Nicolas_RS
7 meses atrás

A-29 patético?

Pergunta pra Força Aérea dos Estados Unidos da América o que eles acham querido.

O cidadão vê uma vergonha e já quer passar.

Nicolas_RS
Nicolas_RS
Reply to  Minuteman
7 meses atrás

Quem quer passar vergonha é você, que é analfabeto funcional, pois não leu e interpretou corretamente meu texto.

O A-29 e um avião bom pelo que propõe, porem, longe do que é defendido, como muitos dizem, o melhor avião para interceptar aeronaves, sua velocidade máxima de 590km/h, apenas consegue interceptar aeronaves de baixo desempenho. Qualquer jatinho já da um caldo no A-29.

O A-29 foi adotado unica e exclusivamente por seu CxB…

E lembrar que os EUA operam os mais variados tipos de aeronaves para todo tipo de gosto.

Flanker
Flanker
Reply to  Nicolas_RS
7 meses atrás

Nicolas, Você mesmo dizque o A-29 é bom pelo que se propõe. Então, vamos lá: – Ele se propõe a fazer treinamento de pilotos de caça, incluindo formação de lideres de esquadrilha. E faz…..e faz bem! – Ele foi pensado para interceptar exatamente as aeronaves que você citou, ou aeja, aeronaves de baixo desempenho, como turboélices e aviões a pistão. E faz….e faz bem! Ele nunca foi pensado e construído para interceptar jatos, mesmo que jatos executivos! E muito menos a FAB pensou em utiliza-lo para isso! Para interceptar jatos, existem os F-5 e, logo, os F-39. Comparando com aeronaves… Read more »

Marcelo Andrade
Marcelo Andrade
Reply to  Nicolas_RS
7 meses atrás

Cara, você bebeu a água aqui do RJ? o super Tucano em uso em 7 Forças Aéreas é um avião mediocre? aviões da SGM são melhores? Eu queria ter uma Range Rover mas será que posso manter?

Agnelo
Agnelo
Reply to  Marcelo Andrade
7 meses atrás

Essa água do RJ…..

Nicolas_RS
Nicolas_RS
Reply to  Marcelo Andrade
7 meses atrás

Não entendi, quer dizer que pq usam é bom? Ah… então os M60 que o EB opera deve dar um caldo pra guerra? O que dizer das mais velharias que estão nos mais diversos exércitos no mundo? O que falar dos Mig 21 usados por diversas forcas aéreas? Bah, o que tu diz sobre isso? Será que a FAB deveria comprar também? Tenho certeza que esse discurso muda quando se trata de equipamentos de outro países, principalmente dos Russos e Chineses. O Su-57 é uma piada quando se fala que será vendido para outros paises. A-29 vende pelo seu preço… Read more »

Flanker
Flanker
Reply to  Nicolas_RS
7 meses atrás

Mas, ele foi pensado para ser barato e ter baixo custo de operação e manutenção! E para ser uma opção para países de baixo poder aquisitivo e justamentecpara cenarios de baixa intensidade. E foram essas qualidades que despertaram o interesse dos EUA , que quer um avião barato de operar e manter e sem abrir mão de tecnologia embarcada, boa capacidade bélica para as missões a que se destina. Ele vai operar onde o uso de A-10, F-16 e F-35 seriam uma demasia. Ele nunca foi pensado para ser um aubstituto dessas aeronaves.

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  Flanker
7 meses atrás

na realidade Mestre Flanker….acho que no funfo no fundo…o A-29 foi pensado apenas para nossa propria necessidade…. Depois, viram que varios paises precisavam de algo igual e estavam com problemas a serem resolvidos semelhantes…e por ultimo, nem a maquina americana está aguentando a pressão que ela mesma se impôs no avanço militar…. lembro que uns 10 anos atras…eu ja havia teorizado que havendo a hegemonia do F-35 e F-22, eles americanos na realidade não precisariam de milhares deles, pois algumas centenas seriam capazes de impor o dominio aereo em poucas horas e dias e caso afirmativo, depois disto bastaria o… Read more »

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  Nicolas_RS
7 meses atrás

Em sua categoria…o A-29 não tão barato assim não….na casa dos US$ 15 a 19 MM…tem mais barato que ele, mas não tão bom……compra m porque é bom e ai sim, barato comparado com os jatos que acabaram ficando muito superlativos para uma enorme lacuna de missões que acabaram ficando abertas e que podem ser cobertas por ele…por sorte ou coincidencia, ou ainda visão de alguns, seu projeto cobriu melhor que ninguem estas lacunas… MIG-21 é ruim?? Não acho não….o que é ruim? contra quem e para fazer o que? Contra um Rafale, SU-35, F-35, SH? lógico!!! mas existem apenas… Read more »

JuggerBR
JuggerBR
Reply to  Nicolas_RS
7 meses atrás

Clássico exemplo de quem passa vergonha no débito e no crédito, parcelado…

Nicolas_RS
Nicolas_RS
Reply to  JuggerBR
7 meses atrás

É só falar que vem os vira-latas raivosos pq falei mal dos super-ultra-mega projetos brasileiros…

E o pior é acharem que o A-29 é BR, 90% das peças é made in USA, tanto é que qualquer venda precisa de autorização dos EUA.

É na certa, critique os produtos “Made In Brazil” que será achincalhado.

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Nicolas_RS
7 meses atrás

Nicolas,

Qual sua fonte de que 90% das peças do A-29 são feitas nos Estados Unidos?

E o que são esses supostos 90%? É 90% do valor total? Do peso total? Do número de peças?

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  Nicolas_RS
7 meses atrás

Mestre nicolas…será que o erro não seria seu, olhando pelos seus proprios critérios… Veja…porque voce deseja comparar o A-29 com um dogfighter classico da WWII se ele não é um dogfighter??? nunca foi pensado para tal… Compare ele com um Invader, Devastador, um caça bombardeiro…pois ele foi intencionado para ataque ao solo certo??? lembra??? 1.500 kg de carga de combate….um colosso para os padrões de qualquer avião de ataque da WWII..e de quebra, quase com a velocidade de um dogfighter da epoca… O problema é querer porque querer, compara-lo a um Mustang….que era um dogfighter…excelente no que fazia….mas toma uma… Read more »

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  carvalho2008
7 meses atrás

O A-29 foi inspirado no A-1 Skyrider, utilizado no Vietnã.

carvalho2008
carvalho2008
Reply to  Rinaldo Nery
7 meses atrás

É isto ai…perfeito!!!

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  carvalho2008
7 meses atrás

Não dá para comparar com o Invader… esse era bimotor radial hehehehe. E o Devastator era torpedeiro embarcado… 😛

Eduardo Ribeiro
Eduardo Ribeiro
7 meses atrás

Os americanos e europeus fizeram operação semelhante à Brasileira. No caso dos americanos, fretaram um 747 e deixaram o pessoal em quarentena no Alaska. Não teria sido mais interessante para nós economicamente também o fretamento de aeronave de um operador privado para essa operação?

mcremp
mcremp
Reply to  Eduardo Ribeiro
7 meses atrás

Obviamente que sim, mas com nossa burocracia os brasileiros iriam chegar aqui no natal…

Antonio Lopes
Antonio Lopes
7 meses atrás

É melhor a fab esquecer esse negócio de guerra e virar uma gol para transportar autoridades. Compra aí dez Boeing e mais dez Airbus para não dar briga, do modelo extra large para o trem da alegria ficar mais acomodado, já que a preocupação é transportar pessoas e não fazer escala e vê se para com esse papo de caças…

Jorge Augusto
Jorge Augusto
7 meses atrás

Isso é operação que acontece uma vez na vida. Pra que raios comprar avião pra uma missão que pode rolar de 20 em 20 anos??

jorge domingos
jorge domingos
7 meses atrás

Roberto : faço suas palavras as minhas !! O comentário acima do Luiz Faro, é desprovido de um maior estudo .

Flanker
Flanker
7 meses atrás

Quem diz que tá bom assim, se engana, pois não está! A FAB precisa de apelos 4 KC-X, seja 767 ou A330 civis, convertidos em KC. Uma aeronave desse porte tem de 12 a 13 mil km de alcance, carregam mais de 100 passageiros, 35 mil kg de carga e mais alguns milhares de litros de combustível para reabastecer outras aeronaves em voo…tudo ao mesmo tempo! Esse é um avião estratégico, do qual uma Força Aérea minimamente capaz não pode abrir mão. O país tem falta de saúde, educação, segurança, blá, blá, blá…sim! Com certeza! Mas, uma coisa não tem… Read more »

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Flanker
7 meses atrás

O erro foi do barbudo que comprou o ACJ e não substituiu o 707 por uma plataforma igual ou melhor.

Flanker
Flanker
7 meses atrás

Não falem em KC-390 para uma missão dessas!! O KC-390
não foi pensado e construído para missões como essa Não misturam laranjas com bananas.

Marcelo
Marcelo
7 meses atrás

Acho que a análise que precisa ser feita é: quantas vezes precisamos fazer uma operação dessa envergadura ?
Se a FAB fizesse tantos voos assim, de longa distância até vá lá comprar um ou dois 787 mas é uma vez na vida e outra na morte que aparecem situações que precisem ser feitos voos tão longos!
A operação ficou cara para a FAB ? É só pedir para o GTE cortar alguns voos de turismo dos senadores, deputados e ministros, que tá resolvido!

jose benedito
7 meses atrás

O que ninguém atentou para as reportagens relativa a essa missão, foi que a Base de Anapolis ostenta simplesmente um contingente de 1700 militares, um verdadeiro absurdo que só serve para reforçar que as FAas são um verdadeiro cabidão de emprego público federal não se preocupando em nenhum momento com a eficiencia e a racionalização de recursos em prol da missão que deveria ser a principal: a defesa do país e a garantia da Constituição, talvez se assim fosse teríamos recursos para equipa-las melhor de acordo com o status politico, economico , geografico e até populacional do Brasil.

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  jose benedito
7 meses atrás

Estúpido, a ALA 2 possui 4 Esquadrões Aéreos, um Grupo de Auto Defesa Antiaérea, um Esquadrão de Saúde, um Grupamento de Apoio, um Grupo Logístico, uma Prefeitura de Aeronáutica e um Esquadrão de Defesa e Segurança (antigo Batalhão de Infantaria ). Servi 7 anos lá, e lá vou uma vez por ano. Não poste bobagens.

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Rinaldo Nery
7 meses atrás

Esqueci do DTCEA.

Marcos Demetrius
Marcos Demetrius
7 meses atrás

Os pilotos da FAB tb estão sujeitos a legislação trabalhista (?) no que tange a intervalo de jornada ou existe alguma regulamentação específica aeronáutica, pois se tratando de esfera militar, este descanso em noitada como ocorre? Independente das limitações e ergonomia da função…

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Guilherme Poggio
7 meses atrás

Com certeza existe um limite para a tripulação mesmo militar, senão pela FAB pela ICAO em vôos internacionais.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
7 meses atrás

Pela ICAO… a International CIVIL Aviation Organization?

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
Reply to  Leandro Costa
7 meses atrás

Sim…mas ela mesma…

Aeronave militar não é isenta de regulamentação pela ICAO, até porque cruza espaço civil idem.

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Rodrigo Martins Ferreira
7 meses atrás

É isenta sim, no que tange à jornada de trabalho. Em guerra não existe. Porém, o COMPREP possui uma instrução sobre o tema, similar à civil.

Edison Castro Durval
Edison Castro Durval
7 meses atrás

Podem me linchar!
1o. A FAB não é empresa de aviação, logo não deveria ter nenhum avião para viagens longas.
2o. Na minha opinião, se for necessário faça se uma contração de um vôo fretado.
3o. Se quer ostentação que se tenha no máximo um avião com essa característica para uso do Presidente, o resto que utilize as linhas aéreas comuns e que pague esses vôo com o erário público somente se for um vôo a serviço da nação.

Douglas Rodrigues
Douglas Rodrigues
Reply to  Edison Castro Durval
7 meses atrás

A FAB precisa de vários meios diversos para poder alcançar diferentes regiões estratégicas para o Brasil. Até poucos anos atrás tínhamos os 707 (KC-137 na FAB) que tiveram que dar baixa pelos vááários anos de uso e também por acidentes/incidentes que passaram… Não a toa, foi solicitados novos meios através do projeto KC-X2, a equipe do Esq. Corsário já é treinada para tripular o 767, só falta o avião em si… Aliás, dá uma pesquisada sobre o que o C-767 alugado fez enquanto a FAB operou ele. Fretar aviões de tamanho assim para serem empregados em ações como essa não… Read more »

Douglas Rodrigues
Douglas Rodrigues
Reply to  Douglas Rodrigues
7 meses atrás

foram solicitados*

Augusto C.G. Galvão
Augusto C.G. Galvão
7 meses atrás

O jornalista, claro não é da aviação. Seria possível fazer o resgate até com os Cessnas Caravan! Um voo não é melhor ou pior, nem menos cansativo por que faz um trajeto único sem ou com apenas uma ou poucas escalas. Nada a ver cara-pálida! As aeronaves cumpriram a missão mesmo não sendo de longo alcance. Mas a FAB comete muitos pecados, por que não dizer verdadeiras cagadas! A FAB perdeu e perde homéricas oportunidades de agregar a sua frota aviões necessários com um custo relativamente baixo se comparado a uma aquisição e modificações necessárias. Para começar deixou os dois… Read more »

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
Reply to  Augusto C.G. Galvão
7 meses atrás

Muita bobagem acerca das aeronaves de Patrulha…..

Thomaz Alves
Thomaz Alves
7 meses atrás

O México ainda procura um comprador para o B787 presidencial, que ainda é uma aeronave bem nova. Poderiam conversar com os mexicanos!

Clésio Luiz
Clésio Luiz
Reply to  Thomaz Alves
7 meses atrás

É só uma unidade. O KC-X2 previa 2 com a opção de 3 unidades.

Por mim conversava com a LATAM para ver se eles querem dar baixa em 2 ou 3 767 e fazia como se fez na época dos 707 e a Varig. Tem muito ex-FAB nessas companhias, não seria difícil descobrir o histórico e pegar as melhores unidades.

Entusiasta Militar
Entusiasta Militar
7 meses atrás

Boeing 787 poderia ser uma ótima opção com uma compra de no mínimo 02 aeronaves…

Rodrigo Martins Ferreira
Rodrigo Martins Ferreira
7 meses atrás

O problema está na substituição do 707, por um avião inferior.

Isto falo há anos e não vai ser agora que vou mudar.

Quando o Lulla comprou o ACJ, se a intenção era agradar os amigos da Airbus que fossem 2 A330, que poderiam ser utilizados tb como tanques, como era o 707

Rodrigo Maçolla
Rodrigo Maçolla
7 meses atrás

Não acho que deveríamos comprar um avião novo só por este motivo, O que precisamos é de aviões tanques… Reabastecedores , isso é uma vergonha a FAB não ter,, Neste caso se tal reabastecedores tivessem disponíveis poderiam ser usados para esta missão., e também para quando o presidente fosse se deslocar para distancias maiores ….

João Bosco
João Bosco
7 meses atrás

Olha a falta de três ou quatro aviões reabastecedores e/ou transportadores – do tipo A-330 ou 350, Boeing 777 ou 787 – fazem falta à FAB.
Pergunta: e o tal do C-767, foi devolvido?