Home Mísseis DSCA aprova compra de 200 mísseis LSRAM para a RAAF

DSCA aprova compra de 200 mísseis LSRAM para a RAAF

2295
50

LSRAM

A solicitação de compra da Austrália para um lote de 200 mísseis anti-navio de longo alcance LRASM (Long Range Anti-Ship Missile) para equipar sua frota de caças Boeing F/A-18F Super Hornet foi aprovada pelos EUA.

Aprovada pela Agência de Cooperação em Segurança e Defesa (DSCA) em 7 de fevereiro, o acordo segue o processo FMS (Foreign Military Sales) e está avaliado em US$ 900 milhões.

Caso a venda se efetive a Austrália se tornará o primeiro cliente de exportação do míssil.

“A Austrália pretende usar os mísseis em suas aeronaves F/A-18 e fornecerá capacidades aprimoradas em defesa de rotas marítimas críticas”, diz o DSCA. “A proposta de venda dos mísseis e apoio aumentará o potencial de parceria marítima da Marinha Real [da Austrália] e alinhará suas capacidades com as linhas de base regionais existentes”.

Além dos mísseis, o acordo inclui recursos e instruções de treinamento, além de equipamentos de teste. Nenhuma compensação foi proposta como parte do acordo.

Os EUA limitam a venda de suas armas de ponta, especialmente seus mísseis furtivos, mas a venda potencial do LRASM ilustra a importância da Austrália para a estratégia do Pentágono em conter a expansão da China no Oceano Pacífico.

A Austrália é membro da aliança de compartilhamento de inteligência Five Eyes – junto com Canadá, Nova Zelândia, Reino Unido e EUA – o que significa que Washington confia no país seus segredos mais próximos.

A aprovação da venda ocorreu depois que o Departamento de Defesa dos EUA disse em setembro de 2019 que queria aumentar sua aquisição de 110 para um possível máximo de 400 mísseis.

O LRASM é baseado nos mísseis de ar-superfície da Lockheed Martin, usados ​​pela Força Aérea dos EUA.

FONTE:Flight Global  (tradução e adaptação do Poder Aéreo a partir do original em inglês)

50
Deixe um comentário

avatar
8 Comment threads
42 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
19 Comment authors
JPC3BrummbärPedroMunhozErsn Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
DOUGLAS TARGINO
Visitante
DOUGLAS TARGINO

Olha o valor… Qual a vida útil de um míssil desse?

José
Visitante
José

Não sei quanto tempo e o valor parecia elevado, mas quando vi no final da matéria o nome da empresa envolvida até achei barato

Mauro Oliveira
Visitante
Mauro Oliveira

Em média até 10 anos se mantido dentro da embalagem, depois ele tem que ser remanufaturado, sendo trocado os explosivos e o combustível, além de testados os quipamentos.

Me recordo de ter ouvido os suecos mencionarem que dispararam um RBS-15 com 15 ano de estocagem.

O normal é que uma vez proximos de vencerem, eles sejam usados em treinamentos de live fire.

Bosco
Visitante
Bosco

Mauro,
O LRASM é muito parecido com o Tomahawk. Em sendo, o tempo de vida é de 15 anos até uma nova certificação para mais 15 anos. Total, 30 anos.

Alfa BR
Visitante
Alfa BR

Isso que é dissuasão. Ele pode ser integrado aos F-35?

DSC
Visitante
DSC

O AGM-158C LRASM já está operacional nos B-1B Lancer da USAF e nos F/A-18 Super Hornet da USN.
No futuro, será integrado nos F-35 sim.
https://www.militaryaerospace.com/computers/article/16726716/air-force-asks-lockheed-martin-to-build-three-more-lrasm-antiship-missile-systems-for-highpriority-targets
“…
In the future LRASM also will launch from the F-35 Lighting II joint strike fighter, as well as from the Navy Mark 41 shipboard Vertical Launch System.
…”

Augusto L
Visitante
Augusto L

Simplesmente o melhor míssil anti-navio da atualidade.

Fabio Araujo
Visitante
Fabio Araujo

Do ocidente, mas a Rússia e a China já possuem mísseis anti-navios supersônicos e hipersônicos, até a Índia possui o BrahMos que foi desenvolvido junto com a Rússia.

Augusto L
Visitante
Augusto L

Furtividade é melhor que velocidade para furar defesas aéreas.

Sem contar que é um míssil de 900 km, é inteligente, não emite sinal e tem capacidade de vadiagem.

Portanto é sim o que há de melhor no MUNDO.

Antonio Renato Arantes Cançado
Visitante
Antonio Renato Arantes Cançado

A conferir…

Lucianno
Visitante
Lucianno

O que seria “capacidade de vadiagem”??

Bosco
Visitante
Bosco

Lucianno, “Vadiagem” é a capacidade de alguns mísseis e drones de ficar “circulando” numa determinada área a procura de alvos de oportunidade que estão temporariamente encobertos mas que há expectativa que se exponham. No caso do LRASM que em tese tem alcance de uns 700 km deve poder reduzir sua velocidade quanto atinge uma zona de busca de alvos de modo a permanecer mais tempo. Eu chuto que deve cair para a metade de um máximo de 900 km/h. Basicamente um míssil antinavio como o Harpoon permite que a zona de busca tenha uma área representada por um círculo de… Read more »

Brummbär
Visitante

“Furtividade é melhor que velocidade para furar defesas aéreas.”
Vamos supor que o horizonte do radar seje aproximadamente 30-40km, a essa distância o que é mais importante,velocidade ou furtividade?
Com certeza e a velocidade, um caça como o Su35 já detecta um F22 a quase 40km, agora imagine um navio de guerra com um radar dezenas de vezes maior e potente, nessas circunstâncias mais vale apena ser rápido e dar um tempo de resposta menor ao inimigo.

Bosco
Visitante
Bosco

Brummbar,
Se for assim porque você acha que o Ocidente nunca optou por mísseis supersônicos antinavios?

Bosco
Visitante
Bosco

Brummbar, Olha só uma lista de mísseis supersônicos americanos que poderiam ter tido um emprego como míssil antinavio supersônico pelos EUA, desde a década de 50 até os dias de hoje: Hound Dog – motor turbojato – Mach 2 – 1500 km Regulus II – motor turbojato – Mach 2 – 1800 km Talos – motor ramjet líquido – Mach 3 – 250 km Rascal – motor foguete líquido – Mach 3 – 200 km ATACMS – foguete sólido – Mach 4 – 300 km SRAM – foguete sólido – Mach 3 – 200 km BOMARC – motor ramjet –… Read more »

JPC3
Visitante
JPC3

Isso tem a RCS muito menor que um F-22 e ainda fica próximo da água.

E outra, dizem na internet, que o Su-35 detecta o F-22 a quase 40 km.

Mesmo é assim é difícil dizer qual método é melhor, só chega para nós informações superficiais. Talvez velocidade seja mais útil, mas é importante lembrar que as aeronaves AWACs e até caças também podem achar esses mísseis bem além do horizonte. Alguns helicópteros também podem.

Bosco
Visitante
Bosco

Fabio, A Rússia não possui mísseis hipersônicos antinavio. Não ainda. Talvez em 5 anos. O problema dos mísseis supersônicos (e hipersônicos) antinavios é que precisam de designação precisa dos alvos. Essa designação deve ser feita por meios externos, tais como aeronaves. Para se fazer isso as aeronaves designadoras (que pode ou não ser a mesma que o lança) devem se aproximar a cerca de 400 km dos alvos, o que as colocam dentro do perímetro de segurança de um porta-aviões. Contra navios isolados , não cobertos por um porta-aviões, aí sim os mísseis supersônicos são mais efetivos em penetrar as… Read more »

Defensor da liberdade
Visitante
Defensor da liberdade

Com os drones furtivos isso aí não é mais limitador.

Bosco
Visitante
Bosco

Defensor,
A combinação de mísseis supersônicos e hipersônicos com drones furtivos (como o RQ-170 ou RQ-180) ou caças furtivos (F-35) tem grande potencial. Mas ainda não está em curso.
*Os chineses parecem mais a frente nesse quesito que os russos.

Space Jockey
Visitante
Space Jockey

Que equipamento incrível, ele é praticamente um drone kamikaze alé de míssil.

Munhoz
Visitante
Munhoz

Este missil deve ser bom mesmo sem duvida, no entanto sua capacidade de interferir nos radares dos sistemas de defesa de ponto usando ECM ativa não deve ser muito potente, pois não existe sensor pequeno a ponto de caber na cabeça de busca e ao mesmo tempo emitir um sinal forte.

Augusto L
Visitante
Augusto L

Munhoz ele não tem radar, a cabeça de busca dele é um sensor infravermelho.

Mas o míssil tem sensores passíveis ja que tem capacidade de detectar emissões eletromagnéticas, não há nenhuma especificação de EW no LRASM mas como há sensores EM provavelmente no futuro ele poderá ter um EW por DRFM já que não exige muita energia.

Bosco
Visitante
Bosco

Augusto,
Na verdade tal informação ainda não foi divulgada. O que se sabe é que o LRASM usará o imageador para classificar e identificar o alvo mas isso não impede que tenha um radar para o trancamento , o que seria muito útil no caso de tempo ruim ou do alvo implementar IRCMs.
*Há muitas referências à existência de um radar no LRASM e ele operaria de modo ativo (como um radar ) e passivo, combinando a mesma “antena”.
https://foxtrotalpha.jalopnik.com/the-navys-smart-new-stealth-anti-ship-missile-can-plan-1666079462

Bosco
Visitante
Bosco

Munhoz,
O míssil por ter um reduzido RCS exige pouca potência para se proteger eletronicamente. E mesmo de pouca potência, seu uso é de curto alcance . Dentro de um perímetro de no máximo uns 10 ou 15 km, o que compensa a potência reduzida.
Vale salientar que há outros dispositivos de ECM que são miniaturizados e nem por isso são inferiores: Nulka, BriteCloud, MALD-J.
*Em se confirmando o LRASM tendo um radar pode ser AESA e ser capaz dele mesmo ser o transmissor ativo de ECM.

Pedro
Visitante
Pedro

Ele eh subsonico, logo eh facilmente interceptado por qualquer sistema de misseis AA ou de defesa de ponto. Mesmo ele sendo furtivo, ele nao é invisivel e por ser lento o mesmo dá tempo para um navio moderno rapidamente responder a essa ameaça e abate-lo. Novamente, ele nao eh completamente invisivel ao radar e permite que ele possa se aproximar de um navio ou frota sem ser detectado, mas certamente ao chegar proximo do mesmo ele sera detectado por seu eco ser maior (sem falar na questao infravermelha). A melhor maneira de destruir um navio eh algo que ele nao… Read more »

Bosco
Visitante
Bosco

Pedro, Mísseis antinavios supersônicos existem desde a década de 60. Você acha que já não há defesas desenvolvidas após tanto tempo? Se estamos na era em que russos e americanos alardeiam serem capazes de interceptar ogivas de mísseis balísticos hipersônicas porque os mísseis antinavios seriam diferentes. O que você disse a respeito dos mísseis furtivos “apostar na furtividade pode valer a pena ate o momento em que a marinha que esteja sendo atacada por essa arma descubra uma forma de detectar ou rastrear o missel e tirar dele sua furtividade” já aconteceu em relação aos mísseis supersônicos há muito tempo.… Read more »

Bosco
Visitante
Bosco

Para o defensor o míssil se aproxima de frente e aí faz pouca diferença sua velocidade radial. A velocidade angular medida num plano pode ser igual ou até menor para o míssil supersônico e é essa que importa para o defensor.
A velocidade do míssil tem a ver com o tempo de resposta e esse, com a automação, pode ser extramente curto e o fato de ser supersônico ou subsônico não fará diferença.

JPC3
Visitante
JPC3

Depende, mesmo o F-14 dos anos 70 já possuía certa capacidade de abater mísseis supersônicos.

Mão tenho condições de dizer o que é melhor ou pior, talvez a velocidade até seja mais importante, agora achar que é fácil abater um míssil desses principalmente quando ele vem em grupos é meio complicado. Observe as defesas anti aéreas pelo mundo e veja que elas geralmente não são invencíveis.

Bosco
Visitante
Bosco

JPC3,
Os F-14 eram capazes de abater mísseis AS-4 e AS-6 com velocidade de Mach 4. Hoje essa capacidade foi transferida para o Amraam.

Fabio Araujo
Visitante
Fabio Araujo

Essa tecnologia é cara e não é vendida para qualquer um, temos que partir para desenvolver a nossa tecnologia sozinhos ou embarcar em algum projeto como os indianos fizeram com os russos.

Carlos Campos
Visitante
Carlos Campos

vdd esse míssil é uma arma que infelizmente duvido que os EUA venderiam para o Brasil, é o melhor míssil anti-navio no mundo, se os russos fizerem o que prometem daqui a um tempo superam, mas não muda o fato de ser uma arma incrível.

DSC
Visitante
DSC

Vídeo da LM mostrando como funciona/opera o AGM-158C LRASM:
https://youtu.be/h449oIjg2kY

Carlos Campos
Visitante
Carlos Campos

muito legal, incrível o design furtivo dele, até a preocupação com o bocal da turbina do míssil para ser menos visivel pelos sensores de calor, o design, a animação também me pareceu mostrar que o design joga o ar mais frio para mascara os gases quentes que saem do motor, a inteligência artificial do míssil é bem bacana, top demais.

Luís Henrique
Visitante
Luís Henrique

Muito top esse míssil.
Nós temos que partir para uma versão do AVMT com + de 1.500 km de alcance em conjunto com uma versão do MANSUP com cerca de 300 km de alcance.

O MANAUP nós instalamos nos lançadores de Exocet.
E oferecemos para exportação.

Já o AVMT utilizamos em um lançador diferente e não exportamos.

Antonio Renato Arantes Cançado
Visitante
Antonio Renato Arantes Cançado

O MANSUP é um míssil que já nasceu morto…

Carlos Campos
Visitante
Carlos Campos

MANSUP pode evoluir muito ainda, ué pq não venderíamos o MATADOR? seria perder dinheiro

Antonio Renato Arantes Cançado
Visitante
Antonio Renato Arantes Cançado

LSRAM não, o certo é LRASM…

Antonio Renato Arantes Cançado
Visitante
Antonio Renato Arantes Cançado

Long Range Anti-Ship Missile

Carlos Campos
Visitante
Carlos Campos

existem duas versões

Bosco
Visitante
Bosco

Vale ressaltar que a combinação F-35/LRASM é sem sombra de dúvidas o sistema antinavio mais letal que existe na atualidade.
Embora plenamente capaz de operar de modo autônomo, os mísseis LRASM lançados a partir dos F-18, dos B-1B e futuramente dos P-8 e B-21 e a partir de unidades navais de superfície e submarinas , quando combinados com o caça F-35 para a designação de alvo e seguimento em tempo real, é simplesmente devastador para as unidades navais inimigas.

Ersn
Visitante
Ersn

A Austrália e sempre bem adiantada em aquisição de equipamentos ,enquanto a OTAN se virava para desenvolver o Tornado eles já tinham o F111 operacional sem falar do míssil antisubmarino Ikara.

Pedro
Visitante
Pedro

Falavam o mesmo do AIM-9X e bastou um velho SU-22 Sirio com um piloto novato ou mediano para mostrar que a realidade do panfleto é diferente da vida real! O mesmo vale a esse missel ai, pois basta pegar uma marinha mais forte que tenha meios de vigilancia mais modernos para detectar o missel em sua fase final e facilmente abate-lo. Se tudo o que os panfletos dos departamentos de mkt das fabricantes de armas fossem realidade (a qual vc adora reproduzir) nao teriamos mais guerra no Afeganistao, a Siria teria sido devastada pelos ataques americanos do passado, o Ira… Read more »

Bosco
Visitante
Bosco

Pedro, Você me criticou mas não acrescentou nada. Seus argumentos servem para os dois lados. Os mísseis supersônicos russos até hoje não afundaram nem uma banheira velha. O sistema russo S400 melhor que há na galáxia nunca derrubou nenhum urubu. Você acredite nos seus panfleta e eu nos meus . Eu não defendo os panfletos e sim os conceitos. O conceito americano/ocidental/OTAN pra mim é mais adequado do que o conceito russo/chinês de lidar com o o problema “navio de guerra inimigo”. Se você tiver argumentos válidos a respeito de “conceitos” você se dirija a mim, se for só mimimi,… Read more »

Munhoz
Visitante
Munhoz

Sem querer ser chato, mas o primeiro navio afundando por um míssil foi se não me engano o Eliat por um SSN 2.

Bosco
Visitante
Bosco

O SS-N-2 Stix era subsônico.

Bosco
Visitante
Bosco

Quanto do Galante postar sobre os mísseis russos e chineses você discorra o que sabe sobre eles. Nesse o Galante fala sobre o LRASM.

JPC3
Visitante
JPC3

Os americanos nunca tentaram devastar a Síria, foram apenas alguns ataques punitivos para mostrar que estavam fazendo alguma coisa. Dos quais a síria e a Rússia só mostraram os destroços de menos de uma dúzia de mísseis.

Alfa BR
Visitante
Alfa BR

Isso que você escreveu também vale para os equipamentos russos.

Munhoz
Visitante
Munhoz

Somente um adendo, por este missil ser stealth, mesmo se transportado nos pods externos do F 35 ele não deve comprometer muito o RCS .

Já vi um projeto de casulos stealth para acondicionar armas e sensores, evitando o comprometimento do RCS .

Bosco
Visitante
Bosco

Munhoz,
A distância de lançamento não faria diferença se carregado internamente ou externamente. Internamente as armas antinavios principais do F-35 deverá ser a bomba planadora JSOW-C1 que são lançadas a queima roupa (100 km).