Home Aviação de Caça J-11 x Gripen: novas informações sobre combates dissimilares na Tailândia

J-11 x Gripen: novas informações sobre combates dissimilares na Tailândia

12191
95
Caças J-11 da PLAAF

Um relatório do início de dezembro de 2019 de dentro da República Popular da China (RPC) revela detalhes técnicos não divulgados anteriormente dos caças Su-27 da Força Aérea do Exército de Libertação Popular (PLAAF), que perderam a maioria dos combates simulados em um exercício conjunto ocorrido em novembro de 2015 com o 701 Esquadrão de Caça da Força Aérea Real da Tailândia (RTAF). Esta unidade tailandesa opera oito Saab JAS-39C e quatro JAS-39D Gripen.

O exercício, conhecidos como “Falcon Strike 2015”, foi o primeiro de três exercícios e foram detalhados em uma palestra proferida por um dos pilotos mais fortemente condecorados da PLAAF, coronel Li Chunghua Hua (李中華), na Universidade Politécnica do Noroeste da RPC (大学 工业 大学) em Xi’an, província de Shaanxi.

Li é descrito como um dos pilotos mais experientes do Sukhoi Su-27SK / J-11A na PLAAF, com cerca de 3.200 horas em jatos, muitas delas no Sukhoi de fabricação russa. Suas revelações são inéditas e são avaliadas pela inteligência dos EUA como demonstrando uma preocupação crescente dentro do corpo de oficiais por deficiências no regime de treinamento do quadro de pilotos da PLAAF.

Esses primeiros exercícios foram realizados na Base da Força Aérea Real Tailandesa de Korat e mostraram as vantagens do Gripen menor e mais avançado tecnologicamente sobre o Sukhoi russo. Várias das conclusões de Li sobre o exercício sã listadas abaixo:

  • O desempenho do JAS-39 dentro do envelope dentro do alcance visual (WVR) foi pior. Durante um período de dois dias, os pilotos do PLAAF abateram 25 Gripen com uma perda de apenas um Su-27. O Su-27 possui vantagem sobre o desempenho do JAS-39 devido aos seus mais potentes motores Salyut AL-31F, e a aeronave sueca foi prejudicada por estar equipada com o AIM-9L Sidewinder da geração mais antiga, em vez da atual míssil Diehl IRIS-T de última geração.
  • Após a transição do exercício para um combate além do alcance visual (BVR), a superioridade do JAS-39 tornou-se rapidamente aparente. A aeronave sueca abateu 41 Su-27 durante um período de quatro dias, com a perda de apenas nove JAS-39.
  • Os Su-27 pilotados pelo PLAAF estavam operando com uma versão modificada do radar NIIP N001 que poderia disparar o míssil ar-ar (AAM) Vympel RVV-AE. Mas seu alcance efetivo de detecção foi de apenas 120 km em comparação com o Ericsson PS-05 / A do JAS-39, a 160 km. O Raytheon AIM-120 AAM do Gripen também ultrapassou o alcance do RVV-AE (80 km contra apenas 50 km para o míssil russo).
  • Li afirmou que a seção reta radar (RCS) muito menor do JAS-39C / D de 1,5-2,0 m2 era um fator importante, pois o Su-27 muito maior é mais fácil de detectar. O JAS-39 também podia disparar até quatro AIM-120 simultaneamente, mas o Su-27 apenas um RVV-AE por vez.

O Gripen atingiu 88% de suas vitórias a 30 quilômetros ou mais, enquanto o Su-27 teve apenas 14% de suas vitórias nesse intervalo. O RTAF também teve 10 vitórias a uma distância de mais de 50 quilômetros, em comparação com zero vitórias de longa distância pelo Su-27.

Nos exercícios subsequentes, o PLAAF se saiu melhor enviando o Chengdu J-10A – e depois em 2019 o J-10C – no lugar do Su-27. Li apontou que o J-10C era mais parecido com o JAS-39C / D, pois “seu radar ativo melhora significativamente a distância de detecção e a capacidade de ataque de vários alvos, a tomada de ar do J-10C reduz a exposição da aeronave ao radar enquanto o míssil PL-15 aumenta o alcance, tornando-o uma plataforma além do horizonte.”

J-11 e J-10

Li também comentou que a versão de última geração do Gripen, o JAS-39E, provavelmente apresentará desempenho de combate ainda mais avançado. Seu interesse pela aeronave é semelhante ao interesse de especialistas em inteligência do PLA, cuja fixação no design e no desenvolvimento do Gripen é encarada como um modelo a ser seguido pela indústria da RPC.

FONTE: AINonline (tradução e adaptação do Poder Aéreo a partir do original em inglês)

VEJA TAMBÉM:

Subscribe
Notify of
guest
95 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Fabio Araujo
Fabio Araujo
4 meses atrás

Como foi comentado da outra vez após esse exercício a Tailândia adquiriu misseis de curto alcance de última geração e capacetes com mira o que deve melhorar e muito o desempenho do Gripen Tailandês no combate WVR. Achei interessante a comparação do J-10C com o Gripen são caças monomotores com tecnologias semelhantes, seria interessante saber como o J-10C se saiu contra o Gripen e vice-versa no exercício em que se enfrentaram.

Adriano RA
Adriano RA
Reply to  Fabio Araujo
4 meses atrás

Que eu saiba os Gripens tailandeses não receberam ainda qualquer upgrade para o padrão MS20, que melhora bastante o desempenho da versão C/D em combates BVR, em especial o aumento do desempenho do radar. Se fossem Gripens MS20 teria sido ainda pior para os chineses.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
4 meses atrás

Outra coisa posso estar enganado mas estes exercícios contra o Gripen C/D podem ter dado um norte no desenvolvimento do J-10C, ele sofreu muitas evoluções se comprar o J-10A com o J-10C e o desempenho do Gripen deve ter influenciado nisso.

Chuck Norris Do Paraguai
Chuck Norris Do Paraguai
Reply to  Fabio Araujo
4 meses atrás

Ambos tiraram proveito desses exercícios para futuras melhorias. Seria interessante novos exercícios para avaliar-se o o que realmente mudou.

Clésio Luiz
Clésio Luiz
4 meses atrás

Se os J-11 estavam de R-73 e os Gripen de AIM-9L, realmente os tailandeses não tiveram chance nenhuma. Míssil de 4ª geração com mira montada no capacete é uma vantagem impossível de ultrapassar com míssil antigo. Os MiG-29 alemães, quando fizeram os primeiros combates simulados contra o que de melhor a OTAN tinha para jogar contra eles, simplesmente varreram o chão com qualquer caça equipado com o AIM-9L. Depois disso foi aquela correria para dispor de algo comparável. Curiosamente, Israel com o Python 4 foi quem saiu na frente ainda nos anos 1990, sem sequer dispor de empuxo vetorado. Depois… Read more »

DANIEL Ricardo Alves
DANIEL Ricardo Alves
Reply to  Clésio Luiz
4 meses atrás

E aquele míssil que foi fabricado em conjunto com a África do Sul? Existe algum tipo de relatório de avaliação após treinamento em conjunto?

Clésio Luiz
Clésio Luiz
Reply to  DANIEL Ricardo Alves
4 meses atrás

Desconheço treinamentos operacionais com ele Daniel. Nem sei se entrou em operação na África do Sul. Por estas bandas acho que nem assinaram contrato para o lote inicial ainda.

ALEXANDRE
ALEXANDRE
Reply to  DANIEL Ricardo Alves
4 meses atrás

Chama A darter

Munhoz
Munhoz
Reply to  Clésio Luiz
4 meses atrás

Nada de novo nisso, uma coisa é comparar a carcaça e o motor de uma caça com seu RCS, potência etc ; outra coisa é comparar o equipamento eletrônico radar e mísseis, O Gripen leva vantagem em custo RCS e capacidade de operação em pista improvisada. O J 11, SU 27 etc leva vantagem em potência, alcance, capacidade de levar mais equipamento eletrônico, um radar maior (salientando que neste exercício o radar era maior mas era menos avançado ) capacidade de carga, e principalmente o não comprometimento do arrasto com carga plena e combustível interno por exemplo, já a questão… Read more »

RENAN
RENAN
4 meses atrás

Espero que nossos Gripen tenha o que existe de melhor, pois não temos dinheiro para errar, e precisamos nos defender com poucas unidades.

Acho importante este tipo de exercícios, imagina a quantidade de dados que podem ser avaliados durante e depois deste treinamento.

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
4 meses atrás

O missil usado pela China no médio alcance se não me falha a memória e os da primeira geração, similar ao AIM-7 americano., nem sabia que alguem ainda o usava depois que foi subistituido pelo R-77.

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  Cristiano de Aquino Campos
4 meses atrás

Lembrei o nome, R-27.

ALEXANDRE
ALEXANDRE
4 meses atrás

Q seja feita avaliações e melhorias necessárias.

filipe
filipe
4 meses atrás

O Gripen NG armado com o METEOR foram a escolha certa para a FAB, assim como os F-18 A são a escolha certa para a MB. A FAB fica anos luz da concorrência.

Antonio Renato Arantes Cançado
Antonio Renato Arantes Cançado
Reply to  filipe
4 meses atrás

A escolha certa para a MB seria uma versão naval do Gripen, já aventada. E não se esqueça que os Meteor devem ser complementados pelos IRIS-T, ou pelos A-Darter…

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  filipe
4 meses atrás

F/A-18A escolha certa para a MB? Pô… discordo bastante.

Ilan
Ilan
Reply to  Leandro Costa
4 meses atrás

Se, a MB tiver Carrier teria que ser o F/A-18 Super Hornet. Por outro lado, se a MB não tiver a pretensão de não ter aviação de caça embarcada, pode ser o Su-34 Fullback para proteger a nossa costa.
Sendo mais otimista, o Sea Gripen é uma opção de Carrier pena não estar em desenvolvimento, ainda.

Mano Jô
Mano Jô
Reply to  filipe
4 meses atrás

Não escolher nenhum avião seria a escolha certa a MB.

Que ela faça sua função principal de forma plena antes de pensar em devaneios estúpidos e caros como aviação embarcada sem embarcação.

Bille
Bille
Reply to  Mano Jô
4 meses atrás

Lógico que nem de longe contra a MB, desejo muito sucesso a esquadra, mas: – A MB tem que investir em fragatas e corvetas. Modernizar as que tem, desativar as ruins e comprar novas. – A MB tem que dar continuidade pesada aos subs. Esses são a diferença. – na minha opinião, a FAB deveria passar à MB os P3, para patrulha e guerra ASW. Se for pra ficar, 1 ou 2 para EW. – ainda, se fosse pra comprar uma anv de patrulha, era muito melhor pegar um E195E2 e equipar. Seria a versão brazuca do P8. Até um… Read more »

GFC_RJ
GFC_RJ
Reply to  Bille
4 meses atrás

Essa parte aero-naval é um “buraco” que não estou vendo uma definição estratégica clara para o futuro. Tudo em compasso de “espera”. A MB deseja a função, mas não tem a condição de cumprí-la no curto e médio prazo. Já a FAB tem inúmeras restrições sobre a competência da MB cumprir tais funções. Está um deixa que eu deixo e nada sai. Patrulha, ASW, EW, REVO e combate AS e AA… A princípio, para essas capacidades, não precisa necessariamente ser embarcadas em NAes. Se a estratégia é a negação do uso do mar e proteger a produção de O&G, que… Read more »

Nelson Daher Junior
Nelson Daher Junior
Reply to  Bille
4 meses atrás

Para pouso em futuro navio aeródromo a ser definido pela MB, um avião multi missão naval com base tecnológica do avião KC-390, com dimensões menores, motores turboélices poderia ser desenvolvido para transporte, guerra anti-submarina, alerta, patrulha, vigilância, reabastecimento. O avião KC-2 Turbo Trader que está em processo de modernização, no futuro deverá ser substituído por uma aeronave que poderá ser desenvolvida pela nossa indústria aeronáutica de defesa. A aviação embarcada além da possibilidade de ter um caça com base no novo caça da FAB (F-39 Gripen NG), também teria uma aeronave multi missão desenvolvida no Brasil para atuar em diferentes… Read more »

Daniel
Daniel
Reply to  Bille
4 meses atrás

Falou tudo Bille.

Daniel
Daniel
Reply to  Mano Jô
4 meses atrás

Mano Jô.
Assino em baixo. Aeronave de caça na marinha MB é jogar dinheiro do contribuinte no mar.

Daniel
Daniel
Reply to  filipe
4 meses atrás

“F/A-18 A escolha certa para a MB”, será que li isto?

Antonio Renato Arantes Cançado
Antonio Renato Arantes Cançado
4 meses atrás

Não demora muito, veremos um Glipen nos céus do Oriente…

Argos
Argos
Reply to  Antonio Renato Arantes Cançado
4 meses atrás

Hahahaha. Boa!

JBecker
JBecker
4 meses atrás

Dado interessante que o coronel Li reporta é o alcance efetivo do radar Ericsson (160 km) que equipa o Gripen C/D, certamente o Raven AESA com tecnologia de nitreto de gálio terá performance superior (acredito que por volta de +30/40% no mínimo).
Conjunto: Raven AESA + IRST Skyward + Suíte EW + HMD + Meteor + Iris-T / A-Darter (ambos 5º geração) + RCS relativamente baixo + Datalink operando em rede com outros caças e AWACS = páreo duro para qualquer oponente

RICARDO NUNES BARBOSA
RICARDO NUNES BARBOSA
Reply to  JBecker
4 meses atrás

Raven não usa GaN.

JPC3
JPC3
Reply to  Ghutoz
4 meses atrás

“””While the Selex AESA uses proven gallium arsenide (GaAs) technology for its transmit/receive modules, the Gripen E/F will feature a GaN-based EW suite that provides tremendous situational awareness.”””

Chuck Norris Do Paraguai
Chuck Norris Do Paraguai
Reply to  JBecker
4 meses atrás

Poucas Forças Aéreas possuem uma capacidade similar combate. O Brasil precisa ir as compras o mais rápido possível por que a época de paz total está se esgotando e quem se preparou, preparou, o contrário, não mais.

Tomcat4.0
Tomcat4.0
Reply to  JBecker
4 meses atrás

FAB/Copac fizeram a escolha certa e mais promissora possível. Anos dourados aguardam os céus do Brasil !!!

sub urbano
sub urbano
4 meses atrás

Interessante é o desempenho superior do J-10C ante o SU-27, baseado em sensores e preocupação cm furtividade, mesmo sendo esperado por ser “meia geração” mais avançado 4,5ª x 4ª geração, comprova a evolução da industria aeronáutica chinesa. Podemos até esperar um improved J-10 baseado nessas experiências com o Gripen. A China tem dinheiro e vontade para evoluir.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  sub urbano
4 meses atrás

O Su-27 só ‘perdeu’ quando dependia de determinada relação radar x míssil.
As prestações deles foram superiores ao do Gripen e certamente serão superiores ao J-10 também..
Agora, basta vc imaginar um Su-27 com um radar novo mais potente e um míssil mais poderoso que ele, muito provavelmente, será superior ao J-10.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Antoniokings
4 meses atrás

Não precisa imaginar. Chamam-se Su-30 e Su-35. Agora se são superiores ou inferiores, aí é comparação de Super Trunfo que, como sempre, simplifica o que simplesmente não pode ser simplificado.

Flanker
Flanker
Reply to  Leandro Costa
4 meses atrás

Leandro, esse teu raciocínio é o correto e o lógico….mas, para esses aí, não adianta nem começar a querer explicar….sào ideologia e torcida puras…..para eles, basta ser russo ou chinês que se torna, automaticamente, invencivel…..patético, mas é verdade….é assim que eles pensam e agem.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Leandro Costa
4 meses atrás

Pois então, coloque esses mísseis e esses radares nos antigos Su-27 chineses que eles serão superiores em tudo ao Gripen e ao J-10.
E nem precisa chamar de Su-30.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Antoniokings
4 meses atrás

E não chamam mesmo não. Se chamam de J-11B e por aí vai. Novamente, se são superiores ao Gripen ou qualquer outra aeronave é um comparativo simplista bem chulo.

Antoniokings, se você não entende tchongas do que está falando, e se recusa, por qualquer motivo à pesquisar, pode perguntar. Não ofende e você aprende alguma coisa, para variar. Basta ter a humildade de perguntar.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Leandro Costa
4 meses atrás

Valeu Santos Dumont.

MMerlin
MMerlin
Reply to  Leandro Costa
4 meses atrás

Boa. O Unlike Hunter vai a loucura!

rui mendesmendes
rui mendesmendes
Reply to  Antoniokings
4 meses atrás

Perdeu na luta principal, no BVR, e apenas ganhou na curta-distância, e isso porque os Grippen Tailandeses, usavam o obsoleto AIM-9L Sidewinder, e para engajar o avião inimigo precisavam manobrar o seu avião, enquanto os Chineses com mira no capacete, bastava virar a cabeça.

Mirade
Mirade
Reply to  rui mendesmendes
4 meses atrás

É só fazer um upgrade e o Su-27 volta a ser competitivo não sei que ano e se os mesmos foram atualizados mas é mais prático fazer uma atualização para melhorar as performances já que é um excelente caça

Nilton Reis Jr.
Nilton Reis Jr.
Reply to  Mirade
4 meses atrás

@Mirade @Antonioking o interessante é que só vale imaginar os upgrades nos Gripens, mas imaginar o combate com os upgrades da família SU é a “mais cega ideologia esquerdopata”! hhahahahahahahahahaha

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Nilton Reis Jr.
4 meses atrás

Nilton Reis Jr.

E não é?
Mas, vamos fazer o quê?
kkkkkkk

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  rui mendesmendes
4 meses atrás

‘O Su-27 possui vantagem sobre o desempenho do JAS-39 devido aos seus mais potentes motores Salyut AL-31F.’.

O avião, em si, leva vantagem considerável sobre o Gripen.
Basta atualizar a suíte de armamentos e detecção que teremos um show sobre o Gripen.

francisco Farias
francisco Farias
Reply to  rui mendesmendes
4 meses atrás

Curta distância foram abatidos 25 Gripen com uma perda de apenas um Su-27.
Alem do alcance visual foram 41 Su-27 abatidos contra 9 Grippens, em virtude da diferença entre os radares.
A conclusão é que se o Su-27 for equipado com um radar mais potente o Grippen não levará vantagem em nada. Acabou o mito do caçador de Sukhoi.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  francisco Farias
4 meses atrás

Ou… se o Gripen C continuar a ser atualizado e utilizar armamentos mais modernos, ele pode no mínimo, igualar as chances, ainda mais se ele diminuir a oposição à longo alcance, ou simplesmente desengajar do combate à curto alcance. Existem muitas possibilidades.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  francisco Farias
4 meses atrás

francisco Farias

‘Elementar meu caro Watson’.
O Su-27 é maior, mais potente e mais manobrável (marca registrada do Sukhoi) que o Gripen.
Ou seja, em tudo é superior.
Basta a combinação certa de radares e mísseis que o Sukhoi será praticamente insuperável frente ao Gripen.
Na verdade, para usar a expressão que está na moda, o Su-27 está em ‘outro patamar’.

Mickey
Mickey
Reply to  Antoniokings
4 meses atrás

That would be Indian Su30Mki carries powerful Israeli jammer and french , Indian avionics, thrust vector etc which Chinese can only dream for, with Gripen Brazil will be airpower of south americas.

Andre
Andre
4 meses atrás

Quer dizer que o gripen c detecta o su27 antes de ser detectado. E tem gente falando que o su27 em sua versão su35 tem radar que detecta o f35 antes de ser detectado…

JuggerBR
Reply to  Andre
4 meses atrás

Su-27 lançado em 1977, J-11 lançado em 1998, SU-35 lançado em 2008. Faça as contas pra perceber o quanto a tecnologia evoluiu nesse período. Provavelmente é só bravata russa mesmo, mas o SU-35 é extremamente mais capaz que os SU-27 deste exercício…

Andre
Andre
Reply to  JuggerBR
4 meses atrás

Jugger, tbm acredito que o Su35 seja mais moderno que o su27, por isso o comparei ao f35, tbm muito mais moderno que o gripen c.

E lembrando que o su27 teve seu primeiro voo em 1977, mas foi introduzido apenas em 1985. Além disso, o Su27sk foi fabricado em 1991, já com melhorias ao T-10, que voou em 1977 e ao flanker b, de série.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
Reply to  Andre
4 meses atrás

O F-35 detecta primeiro o SU-35, e feito isso ou ele tenta abater usando armas BVR antes de ser localizado pelo S-35 ou ele foge antes de ser detectado e pede apoio para algum F-15 ou F-22 nas redondezas pois se ele for detectado pelo SU-35 já era!

Adriano RA
Adriano RA
Reply to  Fabio Araujo
4 meses atrás

Lembro que os mísseis BVR atuais também deverão ter problemas para travar no F-35 a longas distâncias, tanto quanto os radares das aeronaves lançadoras (oponentes), pois também utilizam a banda X, onde a furtividade do F-35 é mais efetiva. Então, o caça americano não só será detectado a distâncias menores, mas também os mísseis lançados contra ele terão menor capacidade de o acompanhar, a não ser que recebam atualização do avião lançador o tempo todo…
Bosco, estou errado?

Fabio Araujo
Fabio Araujo
Reply to  Adriano RA
4 meses atrás

E é com isso que os americanos contam para que o F-35 sobrevivam aos encontros com o SU-35 pois o SU-35 é mais rápido, mais ágil e leva muito mais armamentos e se ele detectar o F-35 a coisa vai ficar feia para o F-35, principalmente se virar um combate em curta distância, um dogfight.

JPC3
JPC3
Reply to  Fabio Araujo
4 meses atrás

Essa é uma opinião de algumas pessoas. A tática de atirar e se afastar é a preferencial, não significa que vai ser sempre assim.

Dogfight vai começar já bem dentro da NEZ do AMRAAM.

Todos os caças podem lutar sem furtividade, o F-35 não é exceção. Que ele tem que atirar e fugir é mito.

O F-15 é que vai ter ficar longe das defesas anti áereas e dos mísseis do Sukhoi.

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
Reply to  JPC3
4 meses atrás

Desculpa, não fale no F-15 quando estamos tratando de aviões mais simples.

Como diria o Filosofo Bruno Henrique: “O F-15 é outro patamar”.

JPC3
JPC3
Reply to  Fabio Araujo
4 meses atrás

Não tem muito sentido, se o caça for detectado vai chamar outro mais fácil de detectar e abater?

Fabio Araujo
Fabio Araujo
Reply to  JPC3
4 meses atrás

O F-15 é projetado como caça de superioridade aérea, como o SU-35, já o F-35 não o é, e ainda muita coisa para melhorar em termos de dogfight, o F15 pode ser detectado mais facilmente mas é mais rápido, mais ágil e leva mais armas, e é projetado para o tipo de enfrentamento que ele teria contra um SU-35 e as versões mais novas do F-15 teriam muito mais chances que o F-35.

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
Reply to  Fabio Araujo
4 meses atrás

O mais legal quando se fala do F-15 é que o lado de lá tentar fazer algo melhor a 50 anos e continuará a tentar por um longo período, provavelmente ser conseguir sucesso.

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  Fabio Araujo
4 meses atrás

Fabio Araujo.

Não creio que F-15 esteja no páreo com os mais modernos Su-35.
O F-15 está no mesmo processo do 737.
Estica, estica, estica para dar sobrevida ao projeto.
Até bem pouco tempo atrás, a sobrevivência da linha de produção do F-15 estava datada por falta de encomendas, sendo que estava planejado seu encerramento para 2019.
Eis que o Governo americano, a partir de 2016 (se não me engano) encomenda a versão XYZ para garantir a sua sobrevivência e manutenção de algumas centenas empregos.

JBS
JBS
Reply to  Antoniokings
4 meses atrás

Antonio

Boa Noite

Mas o SU-35 não é uma evolução do SU-27? – o F-15-EX será tão, ou mais, moderno que o SU-35.

Sds

Antoniokings
Antoniokings
Reply to  JBS
4 meses atrás

JBS

A maioria dos analistas militares considera o Su35S o melhor 4G++ da atualidade.
Suas prestações são realmente absurdas e nas mãos de pilotos capazes, certamente, não terá para ninguém.

Ph4nt0m
Ph4nt0m
Reply to  Fabio Araujo
4 meses atrás

Huuurrr Durrrrr a velha bravata de que se o caça russo detectar vai ficar “feio” pro oponente, hurrr durrr. Vamos ver, de que adianta levar mais armamentos e ser mais agil se quando você detectar o adversário ele já disparou e já se evadiu, você faz o que com o seu monte de penduricalhos (misseis) sob as asas e sua pós combustão? Depois, se você conseguir disparar em uma distância que, mesmo que o adversário já esteja se evadindo, ele tem RCS diminuto e seus misseis dificilmente vão conseguir travar sob o alvo, e se travar, quando finalmente chegarem onde… Read more »

Super Tucano
Super Tucano
Reply to  Fabio Araujo
4 meses atrás

Entendam uma coisa. Um caça stealth (seja ele qual for) vai abater o caça de 4ª geração antes deste o detectar. Não interessa muito quem é o mais ágil, mais rápido ou que leva mais armas. O stealth vai ficar escondido do radar, vai atirar primeiro e vai ir embora. Quem está em desvantagem é o de 4ª geração, não vai ter briga a curta distância em 99% dos “encontros” entre caças 4ª e 5ª geração. Até porque não vai ter encontros, o de 4ª vai ficar vendido na brincadeira. Os F-35 ou F-22 tem muita vantagem sobre os SU-27,… Read more »

Rafael Oliveira
Rafael Oliveira
Reply to  Super Tucano
4 meses atrás

A taxa de acerto de mísseis BVR é bem mais baixa que 99%.

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
Reply to  Super Tucano
4 meses atrás

Super Tucano, é bem por aí. A “invisibilidade” não chega a ser a conceder uma imunidade total e irrestrita aos F-35 e F-22, permite apenas uma janela de disparo capaz de desbalancear qualquer conflito. Muitos torcedores teimam em não acreditar, mas pode ter certeza que Russos e Chineses conhecem muito bem o problema que tem pela frente. Tanto é que não param de lançar armamentos terra-ar, um mais sofisticado que o outro na tentativa vã de negar a superioridade aérea americana. Segue o jogo, onde todos são “alvos” mas os dos americanos são mais ágeis, difíceis de serem vistos e… Read more »

JCuritiba
JCuritiba
4 meses atrás

Interessante, pena que no caso do Gripen E nem sinal da Leonardo resolver os problemas do radar dele. Forças aéreas sueca e brasileira devem estar preocupadas.

Adriano RA
Adriano RA
Reply to  JCuritiba
4 meses atrás

Pode falar mais a respeito? Quais problemas?

Luis Fernando Curvo
Luis Fernando Curvo
Reply to  JCuritiba
4 meses atrás

Poderia especificar os problemas? Pois ainda não li em parte alguma sobre estes “problemas”.

Fabio Araujo
Fabio Araujo
Reply to  JCuritiba
4 meses atrás

A escolha do radar da Leonardo foi criticada pois ele ainda estava em desenvolvimento e havia dúvidas de que ele estaria pronto quando o caça estivesse pronto e que isso poderia atrasar o programa. Mas os Gripens que foram para a Finlândia para serem testados já estavam com o radar da Leonardo. Se eles foram enviados para estes testes temos que supor que o radar esta pronto e sem problemas!

Gustavo
Gustavo
4 meses atrás

o J-11 deveria ter sido modernizado, ele está estacionado no tempo. Simples. Radares incapazes e totalmente “fáceis de jammear” já não cabe para uma nação como a China.

Wellington Góes
Wellington Góes
4 meses atrás

Nada fora do normal ante as aeronaves e armamentos apresentados. Mas resta saber os resultados pós mudança das aeronaves chinesas e se eles, até o momento, não apresentaram, deve ser um indicativo de quê a coisa mudou (os chineses levam a cabo os ensinamentos de Sun Tzu).

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
4 meses atrás

” Seu interesse pela aeronave é semelhante ao interesse de especialistas em inteligência do PLA, cuja fixação no design e no desenvolvimento do Gripen é encarada como um modelo a ser seguido pela indústria da RPC”.

Isso já diz muito,fizemos a escolha certa e o armamento certo para nossa defesa,e se os chineses estão de olho no design do Gripen,ele tem seu valor,ao contrário do que os críticos da aeronave acha.

Tal coisa Vindo de uma potência nuclear e militar é um grande elogio.

Antunes 1980
Antunes 1980
4 meses atrás

Além da ótima manobrabilidade do pequeno Gripen, a doutrina ocidental mostra-se superior a sino-russa.
O futuro Gripen NG vai dar um baile no Su-35, correto?

nonato
nonato
4 meses atrás
GFC_RJ
GFC_RJ
4 meses atrás

Fala sério.

O Gripen E terá o F-414 bem mais capaz do que o Gripen Tailandês. Ademais, o Iris T (ou A-Darter) com HMD, os quais o Brasil já domina, equilibrariam esse WVR sem sombra de dúvidas.
Já o BVR seria até covardia. NBA contra NBB. Baixa assinatura, E-99, Link BR2, Raven AESA… Precisa nem gastar os Meteor! I-Derby já é suficiente pra uma lavada.

Queria mesmo que, no futuro, se desenvolvesse uma versão “growler” a partir do Gripen F. Seria irado!

Abraços.

Chuck Norris Do Paraguai
Chuck Norris Do Paraguai
Reply to  GFC_RJ
4 meses atrás

Esses exercícios foram em 2009, lá se vão quase 11 anos desde de então. No caso BVR tudo que você disse que você disse que daria “uma lavada”, os chineses também possuem similares o que na teoria no mínimo “equilibra as coisas”.

GFC_RJ
GFC_RJ
Reply to  Chuck Norris Do Paraguai
4 meses atrás

Amigo,

A matéria diz que o exercício foi em 2015, especificamente contra os SU27 e J-11.
Me baseio especificamente isso.

Abraços.

MMerlin
MMerlin
Reply to  Chuck Norris Do Paraguai
4 meses atrás

Limitando o comparativo a misseis, PL-15 x Meteor, não digo que o primeiro não seja bom, mas o segundo está em outro patamar.

Plinio Jr
Plinio Jr
4 meses atrás

O interessante destas analises é imaginar os Su-30 venezuelanos que devem ter uma configuração e desempenho bem semelhante aos caças chineses e nós vamos de Gripen NG que é superior em desempenho a versão Charlie e com armas mais sofisticadas…

Fabio Araujo
Fabio Araujo
Reply to  Plinio Jr
4 meses atrás

Os SU-30 venezuelanos são mais modernos que os SU-27, e operam misseis ar-ar R-27, R73 e R77. Hoje só os F-16 chilenos podem fazer frente, mas os Gripens vão ser superiores tanto em sensores quanto em armamentos.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Fabio Araujo
4 meses atrás

Ok, vamos dar um exemplo histórico. Em todos os sentidos, um F-4 Phantom pode jantar uma aeronave de geração anterior como um MiG-17. Mas… se voado com o mínimo de competência, em um ambiente que lhe é favorável, contra pilotos mal treinados, o MiG-17 faz papinha de Phantom. E isso aconteceu inúmeras vezes até que se aprendesse a lição de que o que está no papel não significa nada se as condições para que aquela performance toda seja despejada sobre o inimigo com o máximo de eficiência possível, e o papel, muitas vezes, ‘mente,’ ou seja, certos dados de performance… Read more »

Fabio Araujo
Fabio Araujo
Reply to  Leandro Costa
4 meses atrás

Um dos problemas do F4 quando estes enfrentavam os Mig-17 é que os primeiros F4 só eram equipados com misseis e estes no calor do Vietnã não eram tão confiáveis, depois de lançar todos os misseis o F4 tinha que acelerar e ir embora pois não tinham canhão e um canhão fez muita falta aos F4, foi uma filosofia errada de que com os misseis os canhões não seria necessários e que não resistiu ao campo de provas de uma guerra real no Vietnã. E em baixa velocidade os Mig’s eram mais ágeis que os F4. O F-35 é um… Read more »

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Fabio Araujo
4 meses atrás

De novo, uma comparação simplista. Não é que os mísseis eram apenas não confiáveis, mas os pilotos os lançavam, na maioria das vezes, fora do envelope de vôo. Para todos os efeitos, por mais que os F-4 errassem seus alvos, eles não deveriam ser alvos para os MiG-17, já que tudo que precisavam fazer era acelerar e escapar usando velocidade, mas muitas vezes isso simplesmente não acontecia. Não era apenas uma questão da filosofia do projeto, mas também, e muito mais, uma questão de se saber utilizar o equipamento grandioso que se está utilizando, fora maneiras de se aumentar as… Read more »

Augusto L
Augusto L
Reply to  Fabio Araujo
4 meses atrás

Os J-11s não são muitos diferentes dos SU-30MKV da Venezuela em termos de radar e armamentos.

Plínio Jr
Plínio Jr
Reply to  Fabio Araujo
4 meses atrás

Os J-11 chineses podem transportar a mesma variedade de armas dos russos e inclui tbm armas chinesas….

ADRIANO MADUREIRA
ADRIANO MADUREIRA
Reply to  Plinio Jr
4 meses atrás

Versão Echo você quer dizer…

Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
4 meses atrás

Esses Su-27 são imbativeis… em paradas militares e shows aereos

Ilan
Ilan
4 meses atrás

Parece que o Jas-39 faz o dever de casa, também. E com certeza o NG fará melhor.
Bacana as imagens do J-11 e o J-10.
Belo post.

Peter nine nine
Peter nine nine
4 meses atrás

muito bom

Luiz Trindade
Luiz Trindade
4 meses atrás

É interessante saber que os J-11 estariam defasados em comparação aos Gripen C/D. Dae você entende porque a China evoluiu para o desenvolvimento de seus próprios caças. Seriam bem interessante saber como eles sairiam com o J-10. Pois há melhorias evidentes em relação do J-11. De qualquer forma, mostra que estamos bem servidos com o Gripen e assim que chegar não será mais a Venezuela a ter o caça mais avançado da América Latina.

Renato
Renato
4 meses atrás

Roberto Caiafa já explicou essa notícia.
A diferença gritante não é exatamente entre os caças e sim a estrutura e suporte que eles ostentam.
No caso do SU-27 os russos venderam somente a máquina (caça) a lojística e suporte não.
Já a SAAB colocou toda sua expertise em serviços e suporte nós GRIPEN.
O final não poderia ser outro.

GILBERT
GILBERT
4 meses atrás

O fato é que em ambas as situações os Gripens foram abatidos então precisamos de muito mais que 36 unidades