terça-feira, junho 15, 2021

Gripen para o Brasil

‘Onde os Viggens vieram para morrer’

Destaques

Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Para descartar todos os caças Viggen aposentados de uma maneira ambiental e economicamente aceitável, uma linha especial de desmantelamento foi criada em 1993 pelo Försvarsmatens Återvinningscentral (Centro de Recuperação de Defesa da Suécia).

A linha de desmantelamento estava inicialmente localizada na F10 Ängelholm, mas quando essa ala foi fechada em 2002, mudou-se para Halmstad. O objetivo do desmantelamento era reutilizar o maior número possível de peças dos Viggens aposentados no restante dos Viggens ativos, gerando economia de manutenção.

A linha de desmontagem podia receber quatro Viggens de cada vez e, geralmente, durava de quatro a seis semanas por célula de aeronave. Até 350 peças eram removidas de cada estrutura de aeronave e cerca de 80% de todos os aparelhos eletrônicos podiam ser reutilizados nos Viggens operacionais.

Exemplos de peças reutilizáveis ​​incluíam motor, motor de partida, trem de pouso, aviônicos, canopy etc. Depois do desmantelamento, as estruturas vazias eram transportadas para um cortador de metal em Halmstad (Stena Metall ou Gotthard Nilsson). A maior parte do metal foi reutilizada na produção de latas de cerveja e refrigerante.

Halmstad era o lugar “onde os Viggens vieram para morrer”. Não era incomum ver vários Viggens alinhados em Halmstad, esperando a sua vez de serem desmantelados, uma visão que rapidamente ficou conhecida como “corredor da morte”. Cerca de 200 Viggens foram desmantelados.

FONTE/FOTOS: Saab 37 Viggen, The Ultimate portfolio – Nordic Airpower

- Advertisement -

92 Comments

Subscribe
Notify of
guest
92 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Willber Rodrigues

O avanço tecnológico não para. O que já foi o estado da arte, vai ficar obsoleto um dia.
Imagino que, pra um piloto, deva ser difícil ver o caça que ele já voou um dia indo pro desmanche.

Willber Rodrigues

Aproveitando:
A FAB já tem planos pro que fazer com os F-5 que forem sendo aposentados, conforme os Gripens chegarem e ficarem operacionais?

João Souza

Apostaria que irão para alguma empresa de serviço de treinamento “agressor” nos Estados Unidos. Eles tem usado bastante esse modelo e os nossos ainda são modernizados…

Palpite meu apenas.

nonato

Quem sabe.
Mais uns 20 anos atuando como agressors.

Rodrigo Martins Ferreira

Parte deles serão convertidos em QF16, que já estão em operação

ALISON L C SILVA

Bom palpite.

José Carlos de Oliveira

O Uruguai algum tempo atrás desejava F5 na sua Força Aérea

Camargoer

Olá Wilber. Acho que vai ser muito parecido ao destino dados aos Xavantes, Mirage III e Mirage 2000. Como vai ser um processo longo, quando os primeiros F5M completarem a sua vida útil, vão ser desmantelados e as pecas sobressalentes serão estocadas para os aparelhos remanescentes. As carcaças de alumínio serão picadas e vendidas como sucata, ou serão espetados em alguma pracinha. Motor, aviônicos, radar, assentos, trem de pouso, etc, vão tudo para a prateleira. Quando faltarem poucos F5M, eles serão leiloados para algum esquadrão agressor junto com os estoques de peças. O último irá pousar no Galeão em um… Read more »

Alex Faulhaber

Ué, é só pousar no Musal direto, não precisa ser de caminhão.

Camargoera

Olá Alex. O F5 precisa de uma pista longa. Por exemplo, eles ousam em Cumbica e depois são transportados de caminhão até o Parque de Manutenção no Campo de Marte que tem uma pista curta para pouso/decolagem do F5. Qual o tamanho da pista do Musal?

Alex Faulhaber

São 2000 metros e já vi vários pousos de F-5 lá em dias de Portões abertos(bons tempos)

waltergabe@hotmail.com

O Mirage 2000 que tem la tb fez o voo direto de Anapolis para o Musal.

Daniel

Lembrando que já houve também decolagem de F5-E no Campo de Marte.

Marcelo Andrade

Alex, já temos no MUSAL um F-5B , inclusive voado pelo Ayrton Senna. Mas vc está certo, o F-5EM pousa sim nos Afonsos e sim, o MUSAL deverá ficar com um exemplar desta histórica aeronave!

Alex Faulhaber

Marcelo, além do F-5B também temos um F-5E que está pintado com essa nova camuflagem, o 4681

Marcelo Andrade

Puxa valeu!! É que não vou ao MUSAL há uns 2 anos, valeu!!!

Daniel

Alex?
Qual motivo da aposentadoria do 4681?

Flanker

Como o primeiro lote de 36 Gripen vai equipar o Adelfi (atualmente está oara ser reativado, logo não possui aeronaves) e o Jaguar (atualmente possui de 8 a 10 F-5), o número de F-5 a ser substituído pelo primeiro lore de Gripen não é muito elevado. Mesmo assim, os F-5 que forem dando baixa servirão como fonte de peças para os que continuarem operando.

Diego

O atual presidente bem que podia adquirir logo mais 2 lotes, aumentar a encomenda das Tamandaré de 5 para 12 e adquirir um iron dome ou algum SAM similar de médio e longo alcance

Wilson França

Disse que não tinha dinheiro nem pra fretar um avião para tirar os brasileiros de Wuhan.

Camargoera

Caro Diego. Antes, é preciso perguntar no Posto Ypiranga. Provavelmente, a FAB irá avaliar as primeiras unidades do Gripen antes de decidir pelo (tamanho do) segundo lote. Imagino que um segundo lote de 32 aeronaves será mais barato que o primeiro (chuto algo entre US$ 3,0 e US$ 3,5 bilhões. Provavelmente será financiado pela Suécia, como foi o primeiro lote.

marcus

Posto GuedesRanga.

marcus

Se as avaliações comprovarem que é um projeto eficiente, partam logo para um lote de 72 aeronaves.
Financiados em 20 anos no Carnê das lojas Tio Magnusson.

marcus

Brasil sela acordo com Suécia para financiamento de caças. Ministro da Defesa acertou acordo com o banco sueco SEK para financiamento dos Gripens Uma última reunião na manhã desta quarta-feira (29), no Ministério da Defesa selou, com o banco de fomento sueco SEK, os termos para assinatura do contrato de financiamento da compra dos 36 caças Gripen entre Brasil e Suécia. Pelo acordo, a direção do SEK aceitou a redução da taxas de juros de 2,54% ao ano para 2,19% ao ano para o financiamento de 100% do projeto, que é da ordem de 39 bilhões de coroas suecas, algo… Read more »

Luiz Trindade

Ué?!? E o 1º GDA? Não seria ele a ser equipado com os primeiros Gripens? Afinal ele vem substituir o Mirage!

Fernando "Nunão" De Martini

Se está falando do comentário do Flanker, 1º GDA = Jaguar

Clésio Luiz

Para efeito, os caças da USN todos tem que ter até 5 metros de altura. Por isso o A-5 Vigilante também pivotava metade da deriva:

comment image

Leandro Costa

Na minha opinião, o A-5 foi uma das aeronaves mais sexy à se elevar aos ares.

Clésio Luiz

Concordo. Esse inaugurou a tomada de ar em forma de rampa. E ainda serviu de inspiração para toda uma geração de interceptadores de grande porte que surgiram depois dele: MiG-25, F-14, F-15, MiG-31. Todos usando a configuração de asa alta, estabilizadores bem abaixo do nível da asa, fuselagem em formato de caixa (achatada no meio no caso do F-14), bimotor. De novidade apenas a deriva dupla.

paddy mayne

Sim, uma máquina imponente, já vi um pessoalmente. Mas confesso que não entendi o contexto do comentário sobre o A-5 aqui.

Clésio Luiz

O comentário acima foi postado de forma complementar a outro que foi comido pelo filtro de spam. Eu tinha dito que o Viggen possui uma deriva pivotada para caber nos tuneis das bases aéreas secretas dos suecos:

comment image

paddy mayne

Faz sentido. interessante.

douglas

e dava ré sozinho.

Ricardo Bigliazzi

Esse avião é lindo, lembro que montei um Kit Revell dele e o meu Pai e Tios sempre ficavam namorando o Vigilant.

Dr. Telêmaco

Imagens que me fizeram transpirar pelos olhos … grande Viggen, queria que essa aeronave tivesse operado na FAB.

Marcelo Andrade

Existe um história que a FAB queria o F-4 Phanton, os EUA negaram, aí tentaram o Lightning inglês mas o bicho é difícil de pilotar e manutenção cara. Tentaram o Viggen mas a Suécia na época não exportava ele. Aí ficamos como Mirage III mesmo que estava na vibe do momento. Sei lá, alguém poderia confirmar essa história!

Heli

Pelo que lembro (duma Revista Força Aérea dos anos 90, tenho elas aqui em casa guardadas) os EUA, obviamente, colocaram mil dificuldades para os F-4 (temiam que ele desbalancearia o poder nessa região pois alem da FAB a FAA também o queria, se viessem dificilmente viriam com os AIM-7 Sparrow). O Lightning era um interceptador puro e estava meio que já em fim de vida pois a RAF já estava colocando o F-4 em seu lugar. Reza a lenda que tanto o Lightning quanto o F-4 eram pesados e tinham (principalmente o Lightning) uma pressão sobre o asfalto capaz de… Read more »

Guilherme Poggio

Heli, apenas uma correção. O Viggen nunca foi exportado. O Draken foi. Áustria, Dinamarca e Finlândia.

Marcelo Andrade

Valeu Heli, isso mesmo, devo ter esta revista no meio de muitas!!!

Paulo R.T. Fernandes

Há um desses Viggen com pintura camuflada no Museo del Aire, na base aérea Cuatro Vientos, pertinho de Madri. Visitei o museu há 2 anos e o avião impressiona visto de perto. É muito bonito e imponente.
Se a FAB conseguisse um desses para o MUSAL (aproveitando as boas relações entre os países e suas forças aéreas),seria uma aquisição e tanto…

Fabio Araujo

Os americanos armazenam enquanto podem os aviões que são retirados do serviço, mas eles caso não sejam negociados via FMS ou recolocados em serviço também são desmontados para retirada de peças e reciclagem.

Jorene

Vi na Flórida ao lado da freeway pistas forradas de aviões de combate armazenados ao ar livre.

Henrique

LENDA

douglas

e alvos aéreos principalmente em experimentos diversos.

Alfredo Araujo

Tem um Draken ali no meio dando mole…

Silas AC

Tem mesmo…

Mauricio R.

Tem um helicóptero também. No canto inferior esquerdo, da foto de abertura.

Flanker

Sim, é um HKP 4, designação sueca ao CH-46 Sea Knight, que foi operado pela Força Aérea e pela Marinha suecas.

Rafael M. F.

Viveram, envelheceram e morreram…

Delfim

Na Suécia a vida útil de qualquer produto ou maquinário é seguida à risca. Acabou, desmanche.
A estorinha que os suecos jogavam no mar automóveis com 12 anos de idade ? Verdade.
Mas que esses Viggen ainda dariam um bom caldo em outras Forças Aéreas, sem dúvida.
.
O que leva à interrogação: Quando os Gripen suecos forem encostados, como ficará o suporte aos Gripen brasileiros ?

João Moro

Nós temos a tecnologia para dar manutenção por conta própria. Algumas peças conseguimos com as empresas fabricantes (turbinas por exemplo).

Sergio

Para mim o caça mais bonito fabricado até hoje…
Bem que eles podiam mandar um para o MUSAL….
Transformá-los em latas de refrigerante me partem o coração….

Alex Faulhaber

Infelizmente o Musal só está com aeronaves que voaram nas cores do Brasil em algum tempo na história.

Camargoera

Olá Alex. Acho que o Musal tem aeronaves que operaram em outras forças. Lembro de um F104 italiano.

Tutu

Acho que tem um jaguar também.

pampapoker

Tem um sabre da fav

Alex Faulhaber

Todos já foram cedidos

Flanker

Quando???

Renato B.

Já o museu da TAM tinha até MIG.

Deckard

Enquanto isso, no porta-aviões USS Intrepid, ancorado em Nova York e servindo de museu aeronáutico, temos aviões soviéticos, franceses, ingleses, italianos e até um Concorde. Claro, a maioria são de clássicos americanos.

Marcelo Andrade

Alex, lá tem um F-86 da Venezuela. Tinha um F-104 da AMI, um Jaguar da RAF, mas estão cedidos para a Helisul no Aeroporto de Bacacheri, em Curitiba, mas são do MUSAL. O problema do Musal é que já está faltando espaço, são mais de 80 aeronaves em exposição!

Clésio Luiz

É, eu também fico todo sentimental quando vejo esses desmanches de aeronaves, especialmente caças exóticos como o Viggen.

Fosse sob meu comando, espalhava a maior quantidade possível em museus ao redor do mundo, para divulgar as proezas aeronáuticas suecas e quiçá, aumentar o respeito pelos produtos suecos que porventura venham a participar de futuras concorrências.

Valgo

País rico, é outra coisa, né?

José

Invés de verbas pra uísque e cerimônias pra oficiais o Ministério da Defesa poderia adiquir aeronaves como essa para serem expostas em museus
Mesmo que seja só a carcaça
Seria muito bom para nós que não tivemos a oportunidade de ver

Marcelo Andrade

José, antes de falar o que não sabe, visite no RJ o Museu Aeroespacial, um dos melhores do mundo em acervo.

Rodrigo M

“A maior parte do metal foi reutilizada na produção de latas de cerveja e refrigerante.”

Qual a marca? Viggen? ahaha

marcus

esbórnia

Lucianno

Bem triste a foto, o Viggen realmente era um caça lindo, especialmente os de ataque de pintura camuflada.

José Carlos David

a menina mais chata de todos os tempos…tenho pena do seu futuro marido!

Luis

considere-se positivado

Camargoera

Caro José. Uma pergunta que o pai de uma menina ás vezes faz: talvez seja melhor ela escolher uma esposa ou fica sozinha do que arranjar um marido mais preconceituoso e machista do que eu.

João Moro

Camargoer, Eu sou pai de menina e nunca fiz esta pergunta. E nem farei. Eu irei auxiliá-la na escolha. E dentro dos preceitos de Deus.

Dudu

Camargoer:
Ela é necessária.Relevante.
Mas é chata mesmo…

Rodrigo M

Engraçado né… Logo agora ela sumiu. Não era ela que queria salvar o mundo?

Tiago

O que é aquela estrutura diferente dos viggens a esquerda em cima ????

Flanker

É a fuselagem de um J-35 Draken, antecessor do Viggen.

Jagderband#44

Apenas um comentário:
As latas de bebidas são fabricadas em liga de alumínio AA 3000 H19, já o alumínio utilizado em estruturas aeroespaciais, tal como as dos viggens é ligada ao Cu AA 2000 ou Mg, AA 7000.

Camargoera

Olá Jag. Eu também estranhei dizer que a liga de alumínio seria usada para latinhas.

marcus

Essa conversão é mais fácil. O alumínio da fuselagem do Viggen é feita com uma liga de Alumínio, com um percentual de cobre. No forno de indução é possível modificar. O alumínio da fuselagem do Viggen tem 2% de cobre e o alumínio das latas tem 3%.
Basta adicionar cobre durante o processo de fundição. 1 tonelada do material fuselagem do Viggen tem 20 quilos de Alumínio, durante o processo a acrescenta-se 10 quilos de cobre.

Grozelha Vitaminada Milani

Poderiam ceder uns prós museos do Brasil.

Musal e o da TAM (na época estava ainda aberto) pelo menos.

Camargoera

O Museu da TAM fechou depois que o Com. Rolim morreu. Pode colocar na conta da LATAM.

Marcelo Andrade

Não, visitei o Museu da Tam (sai do RJ até São Carlos, 10 horas de viagem só para isso!) em 2015, muito depois do Cmte Rolim falecer. O Museu não acabou, a LATAM precisou do espaço para aumentar a sua área de MRO, o acervo pertence à Família Rolim e não à Latam. O acervo está sendo mantido. Sou a favor do Projeto de instalá-lo no Campos de Marte, mais perto e todo mundo terá acesso. São Carlos estava muito longe e a quantidade de visitas não pagava a sua manutenção! Uma pena!!

MGNVS

Um país organizado e com planejamento estrategico fica um nivel acima dos demais. Por isso admiro os países nórdicos. Suécia, Noruega e Dinamarca sao exemplos a serem seguidos.

Hermes

Falando em desmanche, tem alguma matéria sobre o desmantelamento do DC-3 histórico ex-Varig? Dei uma olhada rápida e não vi.

Jagderband#44

Ele está em exposição permanente no aeroporto de porto alegre.

Tutu

Ele está se referindo ao outro DC-3, o que foi picotado essa semana.

cwb

atenção museu aeroespacial!
vão ficar olhando essas aves virarem panelas ou vamos negociar com os suecos um desses no nosso museu.
abraço a todos

Marcos de Castro Queiroz

bem que poderiam doar um draken e um viggen para nossos museus aeroespaciais

Marcelo Andrade

kkkkkkkkkkk, essa foi muito boa! kkkkkkkk. Gente, essa menina me dá um medo da p… danado!!!

Dudu

Viraram lata de cerveja,bacana.

João Bosco

A Wallhalla de um guerreiro….

josé

Sem dizer que este caça foi o primeiro a fazer a manobra cobra “roubada pelo russo”

Reportagens especiais

Medindo o desempenho da tecnologia Stealth

Para os países além dos EUA que estão comprando o F-35 Joint Strike Fighter da Lockheed Martin, será sua...
- Advertisement -
- Advertisement -