quinta-feira, março 4, 2021

Gripen para o Brasil

O bombardeiro Boeing B-52 na Guerra do Vietnã

Destaques

Defesa aérea da Sérvia atingiu outro F-117 durante a Operation Allied Force

A história de como um jato de ataque stealth F-117 Nighthawk da Força Aérea dos Estados Unidos foi abatido...

HENSOLDT: Sistemas antidrone e de proteção de áreas críticas e estratégicas

Nos últimos anos, a venda de drones cresceu muito no mundo. Esses objetos voadores, cada vez mais comuns em...

FAB coordena Operação Escudo Antiaéreo

Operação aconteceu de forma conjunta entre a Marinha do Brasil, o Exército Brasileiro e a Força Aérea Brasileira No período...
Alexandre Galante
Jornalista, designer, fotógrafo e piloto virtual - alexgalante@fordefesa.com.br

Por Luiz Reis*, especial para o Poder Aéreo

O Boeing B-52 Stratofortress é um bombardeiro estratégico a jato de longo alcance, subsônico, tendo sido projetado e construído pela Boeing Company, que continua a fornecer suporte e atualizações até os dias de hoje. Operado pela Força Aérea dos Estados Unidos (USAF) desde a década de 1950, o pesado bombardeiro é capaz de transportar até 32 toneladas de bombas, mísseis, minas, entre várias configurações de sistemas de armas, tendo um alcance de combate típico de mais de quase 15 mil quilômetros sem reabastecimento em voo (REVO).

Veterano de várias guerras, o B-52 lançou apenas munições convencionais em combate, apesar de sempre ter sido capaz de lançar armas nucleares. Um dos primeiros e mais importantes conflitos no qual ele participou foi o brutal envolvimento norte-americano na Guerra do Vietnã, entre 1964 e 1973, onde a aeronave participou de forma intensa e decisiva em alguns momentos da guerra, lançando milhares de toneladas de bombas em mais de 126 mil surtidas, tanto em proveito da “Operação Arc Light” quanto em outras missões.

B-52 lançando bombas sobre o Vietnã

Adequações e modificações nas aeronaves

Com a escalada da situação no sudeste da Ásia, 28 bombardeiros B-52F foram equipados com suportes externos com capacidade para 24 bombas de 500 lb (227 kg) ou 750 lb (340 kg) sob o “Projeto South Bay”, em junho de 1964; 46 aeronaves adicionais receberam modificações semelhantes no “Projeto Sun Bath”. A partir do final de 1965, vários B-52D sofreram modificações no chamado “Projeto Big Belly”, que os preparou para permitir o transporte de mais seis toneladas de bombas convencionais. A modificação criou capacidade suficiente para um total de quase 60.000 lb (27.215 kg) usando até 108 bombas de 500 lb.

Assim modificados, os B-52D substituíram os B-52F, entrando em combate em abril de 1966, voando inicialmente da Base da Força Aérea de Andersen, Guam. Cada missão de bombardeio durava de 10 a 12 horas e incluiu um reabastecimento em voo dos Boeing KC-135 Stratotankers. Na primavera de 1967, os B-52 começaram a voar da Base da Marinha Real Tailandesa de U Tapao, para que o reabastecimento em voo não fosse necessário, diminuindo também o tempo de duração das missões, entre sete e nove horas. No final do conflito, o mais moderno B-52G também foi usado em combate juntamente com o B-52D.

Primeiras missões

Em março de 1965, os Estados Unidos iniciaram a “Operação Rolling Thunder”, uma campanha sistemática de bombardeio de alvos no Vietnã do Norte, para tentar estrangular a sua economia e infraestrutura. Durante a “Operação Arc Light” que durou entre 1965 a 1973, os Estados Unidos usaram a versão B-52F a partir de bases nos EUA em Guam e posteriormente na Tailândia para fornecer apoio aéreo próximo às operações de combate no Vietnã. As operações da “Arc Light” geralmente visavam campos de base inimigos, concentração de tropas e linhas de suprimento. Os B-52 foram empregados durante a Batalha de Ia Drang, em novembro de 1965, sendo tal ação notabilizada como o primeiro uso da aeronave em um papel de suporte tático e interdição no campo de batalha.

Investigações do Congresso dos EUA sobre atividades secretas da Agência Central de Inteligência dos EUA (CIA) no Sudeste Asiático após a guerra revelaram que os B-52 eram usados para bombardear sistematicamente alvos no Laos e no Camboja, sob a chamada “Operação Barrel Roll”, com o fracassado objetivo de bloquear a Trilha Ho Chi Minh.

Bombardeiros B-52D Stratofortress do Strategic Air Command alinhados para a decolagem, durante a Operação Linebacker, para atacar alvos em Hanoi e Haiphong

Após um período de suspensão, a “Arc Light” foi reativada no dia 8 de fevereiro de 1972, quando o presidente Richard Nixon retomou o bombardeio do Vietnã do Norte, em um esforço para avançar as negociações de paz. Mais de 15.000 homens foram enviados para a Base de Andersen em serviço temporário nos 90 dias seguintes. Com quartéis e outras instalações limitadas, foram montadas tendas para serem usadas por homens que trabalhavam 80 horas por semana!

No dia 22 de novembro de 1972, um B-52D (55-0110) proveniente de U-Tapao foi atingido por um míssil terra-ar (SAM) durante um ataque a Vinh. A tripulação foi forçada a abandonar a aeronave danificada sobre a Tailândia. Este foi o primeiro B-52 abatido por fogo hostil.

Bombas dos B-52 acertam posições das tropas comunistas na Operação Arc Light
Bombas dos B-52 acertam posições das tropas comunistas na Operação Arc Light

A operação Linebacker II

O auge dos ataques com B-52 no Vietnã foi a “Operação Linebacker II” (às vezes chamada de “Bombardeio de Natal”), realizada de 18 a 29 de dezembro de 1972, que consistia em grandes ondas de B-52 (principalmente modelos D, mas alguns G com uma carga menor de bombas). Durante 12 dias, os B-52 efetuaram 729 missões e lançaram 15.237 toneladas de bombas em Hanói, Haiphong e outros alvos. Originalmente 42 B-52 foram usados na operação; com a intensidade das surtidas, mais aeronaves (e reabastecedores KC-135) foram trazidas dos EUA, praticamente dobrando o número de bombardeiros operacionais. Eram tantas aeronaves que nem todas comportavam na base aérea, tendo algumas que ficar sempre no ar!

Durante a Operação Linebacker II, quinze B-52s foram abatidos, cinco foram pesadamente danificados (um caiu no Laos) e cinco sofreram danos menores. Um total de 25 tripulantes foram mortos nessas perdas, vários outros capturados e desaparecidos. O Vietnã do Norte afirmou que 34 B-52 foram abatidos.

Boeing B-52D-65-BO (S/N 55-0100) lançando bombas

Tripulação de um B-52 depois de uma missão de bombardeio no Vietnã

Notícia publicada no The Nation de Bangkok, Tailândia, em 10 de abril de 1972

Combate ar-ar

Durante a Guerra do Vietnã, os atiradores de cauda dos B-52D foram creditados por abater dois MiG-21 “Fishbeds” da Força Aérea do Vietnã do Norte (VPAF). No dia 18 de dezembro de 1972, o B-52D do atirador de cauda Sargento Samuel O. Turner havia acabado de executar um bombardeio para a Operação Linebacker II e estava se afastando, quando um MiG-21 da VPAF se aproximou rapidamente. Quando o caça ficou dentro do alcance, Turner disparou suas quatro metralhadoras de calibre .50. O MiG explodiu atrás do bombardeiro, com Turner recebendo uma Silver Star (Estrela de Prata) por suas ações. Seu B-52, número de cauda 56-0676, é preservado em exibição com as marcas do abate na Base da Força Aérea dos EUA Fairchild, em Spokane, Washington.

No dia 24 de dezembro de 1972, durante a mesma campanha de bombardeio, o B-52D “Diamond Lil” (55-0083) atacava a ferrovia Thái Nguyên quando o atirador de cauda Soldado de 1ª Classe Albert E. Moore avistou um MiG-21 da VPAF que se aproximava rapidamente. Moore abriu fogo com suas metralhadoras de calibre .50 a 4.000 m (3.700 m) e continuou atirando até o caça desaparecer de sua mira. Por suas ações, o “Diamond Lil”, desativado em 1983 com mais de 15 mil horas de voo e 200 missões de combate, foi preservado e está em exibição na Academia da Força Aérea dos Estados Unidos, no Colorado. Moore foi o último artilheiro de bombardeiro que se acredita ter abatido uma aeronave inimiga com metralhadoras em combate aéreo.

No entanto, os dois abates de atiradores de cauda B-52 não foram confirmados pela VPAF, mesmo com ambos os abates confirmados por outras aeronaves ao redor, e eles admitiram a perda de apenas três MiG, todos abatidos por caças de escolta McDonnell Douglas F-4 Phantom II. Fontes vietnamitas atribuíram uma terceira vitória aérea a um B-52, um MiG-21 abatido em 16 de abril de 1972. Essas vitórias tornam o B-52 a aeronave de maior porte creditada com abates ar-ar. A última missão “Arc Light” sem escolta de caça ocorreu no dia 15 de agosto de 1973, quando a ação militar dos EUA no sudeste da Ásia foi encerrada.

Entre junho de 1965 e agosto de 1973, 126.615 missões dos B-52 dos modelos D, F e G foram realizadas no Sudeste Asiático. Foi lançado um total de mais de seis milhões e trezentos milhões de toneladas de bombas sobre o território do Vietnã, ou seja, mais de três vezes a quantidade de bombas lançadas pelos Aliados durante a II Guerra Mundial na Alemanha! Durante essas operações, a Força Aérea dos EUA perdeu 31 bombardeiros, 18 por fogo hostil sobre o Vietnã do Norte e 13 por outras causas operacionais.

Vista interna da posição do tail gunner de um B-52 Stratofortress

Vista da artilharia de cauda de um B-52

Em 18 de dezembro de 1972 próximo de Hanoi, no Norte do Vietnã, o Staff Sgt. Daniel O. Turner, tail gunner de um B-52, derrubou um caça MiG-21. Por sua ação, o militar de 30 anos de idade recebeu a Silver Star

Após o Vietnã e além

Após a Guerra do Vietnã o B-52 foi usado em mais outros conflitos, como a Guerra do Golfo de 1991, a Guerra do Afeganistão, a Guerra do Iraque e mais recentemente contra o Estado Islâmico na Síria e no Iraque. Os modelos D, F e G foram desativados, respectivamente em 1983, 1973 e 1992, ocasionando uma grande diminuição da frota, e o único modelo que ainda está operacional é o H, que não participou do conflito no Sudeste Asiático, mesmo com a última unidade (61-0040) tendo sido entregue em 1962.

Em junho de 2019, 58 aeronaves B-52H estão em serviço ativo, 18 na reserva e cerca de 12 aeronaves estão em armazenamento de longo prazo no 309º Grupo de Manutenção e Regeneração Aeroespacial (AMARG) da USAF. Os bombardeiros voaram inicialmente sob o Comando Aéreo Estratégico (SAC) até que ele foi extinto em 1992 e suas aeronaves absorvidas pelo Comando de Combate Aéreo (ACC); em 2010, todos os bombardeiros foram transferidos do ACC para o recém-criado Comando de Ataque Global da Força Aérea (AFGSC).

Desempenho superior em altas velocidades subsônicas e custos operacionais relativamente baixos mantiveram o B-52 em serviço, apesar do advento de aeronaves mais avançadas, incluindo os supersônicos B-58 Hustler (já desativado), B-70 Valkyrie (cancelado) e o B-1 Lancer (de geometria variável) e o stealth B-2 Spirit. O B-52 irá completar 65 anos de serviço contínuo com sua operadora original em 2020. Após a atualização entre 2013 e 2015 e a provável atualização planejada para o início da próxima década, quando será elevado ao padrão B-52J, espera-se que continue voando até a década de 2050, quase cem anos depois do primeiro voo do seu protótipo.

FOTOS: U.S. Air Force


*Professor de História no Estado do Ceará e da Prefeitura de Fortaleza, Historiador Militar, entusiasta da Aviação Civil e Militar, fotógrafo amador. Brasiliense de alma paulista, reside atualmente em Fortaleza-CE. Articulista com artigos publicados em vários sites sobre Defesa.

- Advertisement -

50 Comments

Subscribe
Notify of
guest
50 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
ersn

e ainda tem pessoal que pensa que o vietnam foi conflito de baixa intensidade:as tripulaçoes dos B52 da operação linebaker 2 tiveram taxas de atrito bem alto ,quase 20% das aeronaves perdidas,5% das tripulações mortas e uma perda a cada 25 missões em apenas 12 dias,era mais arriscado ser piloto de bombardeio na linebaker 2 do que esta combate com os B17 na Europa em 1944 que a media de perdas em combate era de 15 aeronaves por 1000 sortidas (fora as perdidas em acidentes)

sub urbano

5% de baixas é um índice de infantaria mesmo, bem alto.

Antoniokings

E imagine se a Força Aérea do Vietnã do Norte fosse maior e mais poderosa.
Seria um inferno voar no B-52.

Ricardo Bigliazzi

126000 missões e 31 perdas (nem todas por fogo hostil). Nada mal, queria estar dentro de um B-52 ao invés de estar no meio da água no delta do Mekong.

Ersn

Na operação linebaker 2 os B52 tiveram um número bem alto de perdas,mais de uma perda por dia ou a cada 49 missões e dos cerca de 500 tripulantes alocados mais de 25 mortos em apenas 12 dias .

Clésio Luiz

O maior sucesso do B-52 foi colocar uma pá de terra em todos os seus sucessores.
Parafraseando a propaganda do Bamerindus:

“O tempo passa, o tempo voa, o Buff continua numa boa.”

PS: O Buff também assistiu à passagem do banco…

gordo

Realmente um avião simplesmente fantástico, acho que o B1 sai de serviço antes dele. Com as modernizações deram a ele uma sobre vida muito boa, aviônica no estado da arte somada a novas armas (principalmente misseis de cruzeiro) fazem dele efetivo. O Tu-95 também se encaixa nessas características. O que impressiona nessas maquinas é que foram projetadas na prancheta, régua de calculo e compasso, engenharia Humana na essência.

nonato

Não entendo porque não fabricam novos, com a mesma base, mas mais modernos, tipo novos motores, materiais compostos. Manter a simplicidade e economia, melhorando o consumo, desempenho, velocidade, teto de serviço. Acho que o KC 390 também poderia desempenhar o papel de bombardeiro ou lançador de mísseis. Inclusive com a possibilidade de combate ar-ar. Se o B 52 conseguiu abater migs com metralhadoras, por que o KC 390 com um bom radar e mísseis ar-ar de longo alcance não poderia desempenhar essa tarefa, mesmo que de forma secundária? Tipo leva 10 toneladas de bombas, uns 8 mísseis de cruzeiro ou… Read more »

gordo

Olha não sou especialista nisso ai, mas acho que fabricar novos simplesmente não vale a pena, seria como fabricar um fusca com fibra de carbono etc… Note que o fusca é um excelente projeto, mas conceitualmente já não faz parte do nosso tempo, já que evoluímos (supostamente). Hoje em dia o mundo parece caminhar para drones e misseis de cruzeiros furtivos. Apesar de ser um bom projeto, muito da longevidade dele se dá em decorrência do “demérito” daqueles que deveriam substitui-lo, já que foram projetados ainda pensando em uma guerra contra o pacto de Varsóvia e acabaram não se adaptando… Read more »

OVNI

Apesar de ser possível manter o mesmo design, reativar a linha de montagem exigiria um projeto novo, praticamente do zero, devido aos componentes e sistemas atuais serem diferentes dos daquela época, sendo assim mais prático modernizar o que tem e investir em armas mais alinhadas com as doutrinas de guerra atuais.

Welt

Porque não é assim que o complexo militar fabril estadounidense funciona.
Senão como vai justificar gastar bilhões em novos projetos que as vezes fazem o que os projetos antigos já fazer ?

cwb

O buff(bug,uglly,fat,fellow)é um dos poucos aviões em que três gerações de uma família pilotaram,às vezes o mesmo avião….chega a ser fantástico um projeto dos anos 50 poder ser adaptado para levar um arsenal 50 anos mais novo com tecnologia mais recente.
O vulcan inglês não teve essa mesma sorte…

ersn

o vulcan foi vitima da decadencia britanica em meios dissuativos .tempos em que eles projetavam em construiam caças e bombardeiros 100% made in UK

Pedro

Credite ao B-52 o fim precoce do Vulcan (e do Victor também), pois na época achavam que o Reino Unido não precisava de uma força de bombardeios pois os EUA a tinham e poderiam fazer o serviço. Hj, certamente a RAF tem uma imensa inveja dos EUA e Russia por ainda terem seus bombardeios vivos, e ate mesmo da China com seu Tu-16 Botox, que querendo ou nao eh um bombardeio.

luiz antonio

O B-52, foi e ainda é uma lenda na história da aviação. Uma aeronave ainda em operação por tantos anos e ainda aterroriza.

Wardog1

Guerra do vietna e mais uma prova q bombardeio estretegico n funciona

PACRF

O resultado da guerra não deixa dúvida.

Otto Lima

PACRF, as Operações Linebacker I e II de fato levaram o Vietnã do Norte a negociar um acordo de paz com os EUA, mas isso não mudou o curso da guerra, ao contrário do que você pensa. Por força dos Acordos de Paris, em 1973, os EUA começaram a retirar suas tropas da região e deixaram o Vietnã do Sul sozinho. O Norte ganhou tempo para recompor seu exército e prepará-lo para desferir o golpe final contra o Sul, na Ofensiva da Primavera de 1975. Estrategicamente, os EUA perderam a guerra, pois o Vietnã foi unificado sob a bandeira vermelha… Read more »

Sérgio Luís

Como fica os B-17 contra a Alemanha então!?!
Descata!?

wardog1

Matou um monte d inocentes

E as fábricas so mudaram d lugar

Ps

Apenas invasoes terrestres q capturam a liderança politica do inimigo é que vencem guerras

Força area e uma invencao desnecessária q so serviu e serve p atrapalhar exércitos e marinhas mundo a fora

Antoniokings

A produção militar da Alemanha foi pouco afetada pelos bombardeios aliados.
Isso é um fato comprovado por historiadores.
Ao final, o País esgotou seus recursos e foi invadido.
O Japão continuou lutando até o lançamento da bomba atômica.
O Vietnã, como sabemos, venceu a Guerra.

ersn

os BOMBARDEIROS estrategicos tiveram um efeito bastente efetivo em atritar a luftwaffe que teve que mobilizar dezenas de milhares de avioes e pilotos para defesa aerea que poderiam ter feito a diferença na frente oriental no apoio aereo contra as ofensivas do exercito vermelho,ainda tem que se contar os recursos em termos de munição de artilharia antiaerea e canhoes 88mm que poderiam ter ajudado bastante as forças terrestres seja utilizados como artilharia de campanha ou tendo as instalações de produção usadas para fabricar tanques que na fase final da guerra determinou a falta de resistencia do heer na frente sovietica,os… Read more »

Victor Filipe

Fazer bombardeiro estratégico contra um pais que é 90% “mato” não adianta os EUA aniquilaram completamente a infraestrutura do Vietnã do Norte mas eles recebiam armas da Russia e China então o suprimento nunca acabou e eles continuavam lutando.

Contra um pais mais estruturado e independente bombardeios estratégicos são letais.

Augusto L

Não só contra a Alemanha mas contra o Japão e contra o próprio Vietnam na Linebacker II, a única verdadeira missão de bombardeio estratégico as outras foram de interdição.

Antunes 1980

Simplesmente milhares de toneladas que não mudaram o curso da guerra, para uma vitória vietnamita.
Cerca de 70% de bombas lançadas no vazio.
A tal inteligência de guerra norte-americana errava desde 1962 até os nossos dias atuais (Iraque e Afeganistão).

nonato

Qual o objetivo de se usar bombardeiros?
São presas fáceis para caças e SAMs.

Sérgio Luís

Ñ foi uma “guerra” pois ñ houve declaração formal de ambas as partes.

Clésio Luiz

Off Topic: Su-57 caiu na Rússia. Piloto ejetou e está bem. Aparentemente a aeronave era uma das que seria entregue à força aérea russa.
https://www.bbc.com/russian/news-50900546

Chris

Deve ser mentira…

Segundo o pessoal daqui do PA… Só o F-35 dá problema ! heheh

ScudB

Sim, a primeira. Ou seja : não se trata de avião de testes de fabrica como foi anunciado primeiramente. Deveriam entregar antes de 31/12. Um detalhe curioso amigo Clésio é que esta unidade estava com “seguro em dia” :).
Off-topic finalizei.

Antoniokings

Fique tranquilo que neste quesito o F-35 está bem à frente.
Deve estar uns 5 ou 6 x 1 para ele.

Paulo

Vamos aguardar asc’explicações’ do senhor Kings.

Antoniokings

Como dito, esses aviões ainda estão em testes.
E este em condições extremamente severas.
Aviões, a princípio, operacionais que caíram só mesmo o F-35.

Kommander

Esses caras tem fetiche no AntonioKings.

Antoniokings

Não era. Estava fazendo testes operacionais na taiga russa em condições de tempo, provavelmente, extremamente severas.

Foxtrot

Está aí uma arma estratégica que se tivéssemos uma verdadeira autonomia estratégica e politica adoraria ver 6 unidades na FAB.
Ainda mais agora com o advento do Micla-BR, bombas Acauã e o projeto Trocano (Filho de todas as bombas kkkk).
Isso colocaria o Brasil no patamar estratégico nunca antes visto.
Creio que bastaria pegar o projeto do E-192 E2 e baseado na plataforma, modificá-la.
Mas !!!!!!

OVNI

Apesar de ser um desejo nobre, não temos e não teremos nem no longo prazo a vontade política de usar a indústria bélica como fonte de de geração de empregos de alto nível e tecnologia de ponta. Junte-se a isto não há o suporte popular para supostas projeções de poder além das nossas fronteiras no longo prazo também. Creio que chegaremos na metade do século atual com os armamentos que chegarão até 2023.

Vivaldo José Breternitz

Convido-os para uma visita a https://tecnologianavidadiaria.blogspot.com/2018/04/1969-o-itau-vendia-seu-univac-1005.html. O B-52 levou a bordo um computador Univac 1005, algo extremamente inovador à época.

Kommander

Bacana, me formei em redes de computadores um tempo atrás, lembro de ter estudado bastante sobre os hardwares dos primeiros computadores.

Billy

Um alô especial para a traidora hanoi jane!

Welt

“Veterano de várias guerras, o B-52 lançou apenas munições convencionais em combate, apesar de sempre ter sido capaz de lançar armas nucleares. ”

Fiquei curioso. Tem alguma matéria aqui do começo da implementação das munições guiadas ?
Eu sei que não é disso que diz o texto mas fiquei curioso.

Fernando "Nunão" De Martini

Tem sim.
Sugestão: digitar B-52 bombas guiadas no campo busca da página inicial do blog.

Maurício.

As montanhas do Afeganistão sofreram nas “mãos” do B-52.

Carvalho2008

Mestres Nonato e Foxtrot, Um bombardeiro a partir de um Emb 190 ou 192 poderia fazer sentido se numa Vocação MPA. Mas daí provável não teria carga para um verdadeiro bombardeiro, teria de possuir uma baia bem grande. Também precisa possuir uma capacidade ou stealth ou guerra eletrônica bem robusta. Por outro lado, armas inteligentes e novos recursos surgem, o que concordo plenamente que seria possível desenvolver kits que agregam capacidade de bombardeiro a qualquer avião de carga com porta traseira. Seria uma capacidade secundaria muito interessante para aproveitar as dezenas de toneladas que transportam e a imensa autonomia que… Read more »

carvalho2008

comment image

carvalho2008

comment image

carvalho2008

comment image

carvalho2008

AN-32 Indiano

“A aeronave foi configurada para transportar 28 a 36 500 libras para bombardeio, e no dia a guerra começou com um ataque paquistanês em 3 de dezembro de 1971, seis aeronaves do 44 Squadron liderado pelo próprio comandante bombardeou em Changa Manga exército do Paquistão

Na próxima rodada, uma concentração de artilharia do Paquistão em torno da passagem Haji Pir foi atacado, e baseado em dados de inteligência, o GOC-em-C Lt Geral Sartaj Singh felicitou Wing Commander Vasisht e mais tarde disse-lhe que uma brigada de artilharia paquistanesa tinha sido dizimado ” …

Link http://www.indiastrategic.in/topstories1980_IAF_use_transporters_heavy_bombers.htm

carvalho2008
JuggerbBR

Avião projetado por uma Boeing que não existe mais, quando sabiam fazer aviões de verdade.
Aposentem os computadores e tirem as pranchetas do museu…

Combates Aéreos

- Advertisement -
- Advertisement -