Home História da Aviação ‘Thud’ battle damage

‘Thud’ battle damage

3343
31

Por Guilherme Poggio

O Republic F-105 Thunderchief, mais conhecido entre os seus pilotos simplesmente como ‘Thud’, foi o maior caça-bombardeio monomotor construído para a USAF (Força Aérea dos Estados Unidos) em toda a história.

Os primeiros exemplares de produção foram designados F-105B e a versão de dois assentos para conversão operacional (o F-105C) foi cancelada. A variante seguinte, o F-105D, tornou-se o primeiro avião a incorporar o conceito de aviônicos totalmente integrados, permitindo que o Thud se tornasse um caça para todo tempo. O F-105D evoluiu para a versão F, de dois assentos e dedicada a missões de supressão de defesas antiaéreas inimigas (missões “Wild Weasel”).

Durante o envolvimento dos EUA no Vietnã o Thud se tornou o principal caça-bombardeio da USAF, superando até mesmo o famoso F-4 Phantom II. Cerca de 75% das missões de bombardeio ar-solo forma executadas pelos F-105, perfazendo um total de 20.000 missões de combate. E em função desse emprego intenso o preço cobrado foi bastante alto.

Dos 705 Thud empregados ao longo de todo o conflito, 397 foram perdidos em acidentes ou em combate (mais que a metade). Mas o Thud não se entregava facilmente e por diversas vezes, mesmo duramente atingido, ele trouxe a tripulação de volta à base. As imagens abaixo testemunham o duro castigo sofrido por estes aviões.

Para maiores informações sobre a presença dos F-105 no Vietnã eu recomendo o livro “Thud Ridge”, escrito pelo coronel da USAF Jack Broughton. Um relato excepcional sobre as missões do Thud sobre o Vietnã do Norte. A foto que abre este artigo é do F-105D 62-4338, pilotado pelo próprio Broughton. O “buraco” na deriva da aeronave foi feito por um míssil durante uma das missões do dia 24 de julho de 1967. A aeronave voltou para a base aérea de Takhli, Tailândia, trazendo o seu piloto são e salvo.

O major W. McClelland “dentro” da avaria próximo ao bordo de ataque da asa direita de um F-105D. O dano em combate foi causado pela artilharia antiaérea norte-vietnamita enquanto McClelland executava uma missão de ataque a uma ponte no rio Kuih Bich Dong em 7 de julho de 1967.
Estilhaços de um míssil AIM-9B Sidewinder foram encontrados junto à cauda deste F-105D, mostrando que ele foi vítima de fogo amigo.
Dano no bordo de ataque da asas direita de um F-105D (62-4234) causado por artilharia antiaérea norte-vietnamita.
Ponto de saída do projétil antiaéreo disparado contra um F-105D . O projétil entrou pelo lado oposto.
Acionamento da espoleta de proximidade de um míssil SA-2 norte-vietnamita. O F-105 parece ter recebido danos por estilhaços do míssil
Subscribe
Notify of
guest
31 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Ricardo Bigliazzi
Ricardo Bigliazzi
7 meses atrás

397 aviões perdidos em 20.000 missões. Taxa de mortalidade de 1,99% por missão. É pouco ou é muito????

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
7 meses atrás

E nós voando F-8 Gloster Meteor em 1967…

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Guilherme Poggio
7 meses atrás

E os principais esquadrões de caça da FAB “já” voavam os moderníssimos AT-33 em 1967, porque só restava um punhado de F-8 Meteor pois a maior parte tinha acabado de ser condenada por fadiga nas longarinas das asas.

Nessa época a Força Aérea Argentina voava caças F-86 e jatos de ataque A-4.

E no ano seguinte o Peru receberia seus primeiros caças Mirage-5.

Rinaldo Nery
Rinaldo Nery
7 meses atrás

Bem grande em tamanho. Vi um num museu particular em Dallas. Adoraria tê-lo voado. Cavalo de batalha no Vietnã.

nonato
nonato
7 meses atrás

Ssi que houve uma série de matérias sobre esses wild weasel.
Mas alguém poderia explicar em quê consistia essa tática?
Porque, teoricamente, qualquer avião que entrasse no teatro de operações seria alvo dessas baterias antiaéreas.
Por sinal, esses mísseis russos se mostraram bastante precisos, inclusive contrato os B 1, enquanto os mísseis americanos se mostraram pouco eficazes no Vietnã.

Saldanha da Gama
Saldanha da Gama
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
7 meses atrás

O like negativo a uma resposta educada e composta de informações, só pode ser de um humorista ou doente ou assinante do sputinik. Vou aproveitar os links…..

Marcos Cooper
Marcos Cooper
Reply to  Guilherme Poggio
7 meses atrás

E também o ThunderJet,o F-84 de asas retas.

Clésio Luiz
Clésio Luiz
Reply to  Guilherme Poggio
7 meses atrás

Caças da Republic também tinham a fama de só decolar por causa da curvatura da Terra… (piada contada pelos pilotos).

JuggerBR
JuggerBR
7 meses atrás

“Dos 705 Thud empregados ao longo de todo o conflito, 397 foram perdidos em acidentes ou em combate (praticamente a metade)”

Quase a metade, tem certeza??

Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  JuggerBR
7 meses atrás

De fato, não foi quase a metade, foi mais da metade dos 705 empregados no conflito.

Pode-se dizer que foi quase a metade, isso sim, dos 800 e poucos fabricados.

Vilela
Vilela
Reply to  JuggerBR
7 meses atrás

Entendi diferente… 397 foram perdidos em acidente e quase metade (dos 397) em combate…

Clésio Luiz
Clésio Luiz
Reply to  JuggerBR
7 meses atrás

Olhando assim até parece que o caça era uma porcaria e os pilotos uns incompetentes, mas lendo sobre o assunto e vendo entrevistas com os pilotos logo se percebe o porque: a Guerra do Vietnã foi marcada pelo micro gerenciamento das missões, onde alvos de valor (bases aéreas, baterias de mísseis) eram intocáveis, afinal, os EUA não estavam em guerra com o Vietnã, pois não declarou a mesma… Depois, missões rígidas demais, incursão sobre o alvo vindas sempre da mesma direção. Obviamente os norte-vietnamitas esperavam com as armas apontadas naquela direção. Só no meio da guerra, com perdas assombrosas e… Read more »

paddy mayne
paddy mayne
7 meses atrás

O preço foi alto para os pilotos de F-105. Eram missões tão arriscadas que dois pilotos receberam a medalha de honra em missões distintas. Imagino que tinham uma sensação semelhante aos tripulantes das B-17 atacando a Alemanha.

Marcos Cooper
Marcos Cooper
Reply to  paddy mayne
7 meses atrás

Pior! Tinham que voar quase rente as árvores caçando sítios dr lançamento de SAM,ficando expostos à todo tipo de armas anti-aérea.

Mauricio Vaz
7 meses atrás

O bicho era guerreiro e fortinho eim…

Delfim
Delfim
7 meses atrás

Bicho grande e pesado como todo caça da Republic (tb era chamado “lead sled”, trenó de chumbo), tinha 2 características interessantes :
– asas pequenas para seu tamanho e peso, exigia uma pista bem grande para pousar e decolar;
– sua tomada de ar era semelhante à do F-35.

paddy mayne
paddy mayne
Reply to  Delfim
7 meses atrás

Esse desenho de tomada de ar do F-105 era chamado de “Ferri”, referência a Antonio Ferri, seu idealizador. O conceito recebeu modificações expressivas por conta de estudos de dinâmica de fluidos e alfuns avioes modernos apresentam entradas de ar relacionadas ao modelo Ferri original, inclusive o J-20, dizem alguns foristas.

Wagner
Wagner
7 meses atrás

Qual seria a diferença entre missões wild weasel e sead?

Diplomata92
Diplomata92
7 meses atrás

Dá matéria até os comentários Parabéns !
Isso sim ea triologia que gostamos.

Delfim
Delfim
7 meses atrás

Queria saber pq o F-105 foi escolhido para “wild weasel”.
Afinal era uma aeronave grande, em baixa velocidade e altitude um alvo fácil.
Também por conta do armamento, o Shrike foi o primeiro míssil ARM, tinha várias limitações.
A USAF não poderia usar o F-5A ou o A-7, menores e mais manobráveis ?

Clésio Luiz
Clésio Luiz
Reply to  Delfim
7 meses atrás

Alcance e carga paga, espaço para eletrônicos. Os mísseis estavam no Vietnã do Norte, longe das bases no sul. Na USN, quem era responsável era o A-6 Intruder (missão Iron Hand).

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  Delfim
7 meses atrás

Delfim, quando o F-105 apareceu primeiro sobre os céus do Vietnã do Norte, ele era a aeronave mais rápida de todo o teatro de operações até os Phantom aparecerem pela primeira vez. As primeiras versões dos MiG-21 (MiG-21F-13, salvo engano) tinham velocidade final mais baixa que os F-105, embora aceleração inicial fosse boa e usavam a vantagem de controle de terra para interceptações extremamente eficientes, mas em condições de combate visual, o F-105 conseguia escapar simplesmente acelerando. Obviamente o Thud também conseguia escapar dos MiG-17 simplesmente acelerando e seguindo adiante. E ainda obtiveram algumas vitórias com seu canhão Vulcan M61… Read more »

paddy mayne
paddy mayne
Reply to  Leandro Costa
7 meses atrás

Esse comentário do Leandro foi uma aula, e merecia ser uma matéria à parte para ter o devido destaque. Aprendi muito, obrigado.

Leandro Costa
Leandro Costa
Reply to  paddy mayne
7 meses atrás

Você é muito gentil, paddy. Mas matérias sobre o assunto já foram escritas e publicadas aqui no Poder Aéreo. O link o Nunão postou mais acima 🙂

Clésio Luiz
Clésio Luiz
7 meses atrás

Para conhecer mais a aeronave, aqui um detalhado walkaround por um piloto de “Thud”. Muitos detalhes interessantes, como o aumentador de retorno radar no trem dianteiro, pois a aeronaves tinha baixo RCS para a época:

https://www.youtube.com/watch?v=BrQy5IFszzQ