Home Aviação de Caça Dez regras para combate aéreo

Dez regras para combate aéreo

6430
37

  • Espere até ver o branco dos olhos dele. Dispare rajadas curtas de um a dois segundos apenas quando o alvo estiver “bem na mira”.
  • Ao atirar não pense em mais nada, firme bem o corpo, mantenha as mãos no manche, concentre-se na sua alça de mira.
  • Fique sempre muito atento. “Tire o dedo daí”!
  • A altura dá a você a iniciativa.
  • Vire-se sempre de frente e revide ao ataque.
  • Tome suas decisões depressa. É melhor agir rapidamente, mesmo que suas táticas não sejam as melhores.
  • Nunca voe reto e nivelado por mais de 30 segundos na área de combate.
  • Ao mergulhar para atacar, sempre deixe uma proporção da sua formação acima para ficar de guarda.
  • INICIATIVA, AGRESSIVIDADE, DISCIPLINA AÉREA e TRABALHO EM EQUIPE são palavras que têm SIGNIFICADO no combate aéreo.
  • Engaje rapidamente – Bata com força – Caia fora!

Adolph “Sailor” Malan, piloto da RAF de origem sul-africana, é o autor de “Minhas Dez Regras para Combate Aéreo”. Suas regras foram impressas em cartazes e expostos nos barracões dos campos de pouso das unidades de caça da RAF durante a Batalha da Inglaterra.

37
Deixe um comentário

avatar
16 Comment threads
21 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
26 Comment authors
mc1154AnthonyLucianoSR71Clésio LuizKemen Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Tamandaré
Visitante
Tamandaré

Qual a história desse piloto?? Chegou a comandar jatos ou morreu/parou antes disso?

Charles Dickens
Visitante
Charles Dickens

Faltou mais um mandamento: nunca seja atingido!

Fábio Bueno Vinholo
Visitante
Fábio Bueno Vinholo

Antes de se manifestar leia o artigo por inteiro e veja em que contexto foram feitas aquelas regras: “BATALHA DA INGLATERRA”. Te ajudei?!

Clésio Luiz
Visitante
Clésio Luiz

O começo da guerra, do ponto de vista das táticas de combate aéreo, foi complicado para a grande maioria dos que se opuseram à Luftwaffe. Enquanto os alemães tiveram o teatro da Guerra Civil Espanhola para refinar suas táticas e adotar a tática da formação “quatro dedos”, boa parte das outras forças voava a formação de 3 aeronaves, que era uma doutrina destinada a atacar formações de bombardeiros, para concentrar o fogo (de metralhadoras com calibre de fuzil) leve dos caças de então. Os britânicos aprenderam do jeito mas difícil que era uma tática inadequada. A princípio, acrescentaram uma 4ª… Read more »

Barba
Visitante
Barba

Regras que são válidas, mesmo que se passaram anos após a época de combatente dele!

Rinaldo Nery
Visitante
Rinaldo Nery

Faltou a mais importante: ¨quem vai te abater é aquele que você não vê¨. Por isso, no Vietnã, os norte americanos inventaram a Linha de Frente Tática, que provê melhor cobertura visual do setor traseiro.

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Coronel, um manual da USAF lá dos idos de 1971, dizia ao piloto que ‘Se você perdeu contato visual com um MiG, nivele seu avião por alguns poucos segundos e olhe para trás. Ele vai estar lá!’

Clésio Luiz
Visitante
Clésio Luiz

Por causa dos ataques de MiGs voando baixo sobre a copa das árvores, eles começaram a usar os EC-121 voando baixo sobre o mar, para tentar iluminar os caças de baixo para cima, compensando assim a inabilidade dos radares da época contra alvos voando rente ao solo.

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

O problema desses EC-121, Clésio, que inclusive tinham os ‘Combat Tree’ (interrogadores de IFF dos MiG) funcionando perfeitamente, era a disseminação da informação, que, devido à uma multitude de agências de informação, acabavam chegando aos pilotos com um delay grande demais, e na esmagadora maioria das vezes, a informação chegava depois de os Phantom terem sido atacados. Mudaram as vias com as quais a coleta e a disseminação dessas informações eram utilizadas, mas ainda assim se pensou em uma aeronave que pudesse fazer toda essa coleta de informações de maneira autônoma e providenciar um maior controle do campo de batalha… Read more »

DSC
Visitante
DSC

Também há a Dicta Boelcke, que é uma lista de regras para o combate aéreo aproximado formulada por Oswald Boelcke piloto alemão na 1ª guerra mundial: 1. Try to secure advantages before attacking. If possible, keep the sun behind you. 2. Always carry through an attack when you have started it. 3. Fire only at close range, and only when your opponent is properly in your sights. 4. Always keep your eye on your opponent, and never let yourself be deceived by ruses. 5. In any form of attack it is essential to assail your enemy from behind. 6. If… Read more »

Jota
Visitante
Jota

Dos aces alemães da WW2 , o Erich Hartmann foi o maior , sempre com a tatica “boom and zoom” : disciplina e taticas levadas ao extremo . Mas depois que li sobre o Hans-Joachim Marseille, me impressionou muito: entrava sozinho dentro de uma espiral com 16 caças inimigos e abatia 6 !!

Mauro Oliveira
Visitante
Mauro Oliveira

Pierre Clostermann falava de outras:
– Não pense em sua loura, se vc não ver chegar o avião que abaterá seu companheiro, você é um criminoso!
– É justamente aquele que você não viu que te abaterá

Clésio Luiz
Visitante
Clésio Luiz

Estas frases não são dele, mas avisos para pilotos novatos colocados nas paredes das bases. Mais uma:

– O boche está sempre ao sol.

FANTASMA
Visitante
FANTASMA

o que é o boche?

Renato B.
Visitante
Renato B.

O alemão.

Clésio Luiz
Visitante
Clésio Luiz

Existe uma lista de nomes (normalmente ofensivos), que o típico soldado, de qualquer nacionalidade, se refere ao inimigo. Como eu tipicamente li livros de origem britânica traduzidos aqui no brasil, a lista de apelidos dados pelos ingleses à militares alemães que vi foram: boche, huno, krauts, fritz , etc. Já os soldados brasileiros da FEB se referiam à eles como “tedescos”.

LucianoSR71
Visitante
LucianoSR71

Tedesco era como os italianos se referiam aos alemães, dai os brasileiros devem ter aprendido e usaram também a palavra.

mc1154
Visitante
mc1154

Tedesco não é ofensivo, é “alemão” na lingua italiana. Não se esqueçam que os italianos eram aliados dos alemães.

Denis
Visitante
Denis

Fico a imaginar como seriam as dez regras do combate aéreo moderno.

Rafael M. F.
Visitante
Rafael M. F.

Duas das regras de Malan foram diretamente retiradas da Dicta Boelcke.

Malan era um piloto admirado pela sua habilidade, didatismo e espírito de liderança, mas os alemães – em particular os pilotos de bombardeiro – tinham um ódio genuíno dele por conta de um certo hábito macabro que possuía: ele não atirava nos bombardeiros para abatê-los, e sim para causar o máximo número de mortos e feridos entre as tripulações, pois ele acreditava que um bombardeiro retornando para a base carregado de tripulantes mortos ou feridos derrubaria o moral do restante do esquadrão.

Delfim
Visitante
Delfim

Isso é muito legal mas apenas 5% dos pilotos da 2WW se tornaram ases, e um avião de caça atualmente é uma coisa muito séria e cara para se colocar na mão dos 95% que eram alvos.

Anthony
Visitante
Anthony

Po…. Cruelmente, verdade!

Clap! Clap! Clap!

Nonato valentino do nascimento
Visitante
Nonato valentino do nascimento

Pra mim ele se inspirou na Lista de regras da Dicta Boelcke. Aliás ela é a base de tudo na minha opinião.

Fábio Bueno Vinholo
Visitante
Fábio Bueno Vinholo

Bacana! Foi bom ler novamente estas regras de engajamento da aviação de caça da época da Segunda Grande Guerra! Parece que as doutrinas atuais de combate aéreo são “monótonas” e “fáceis” perante a loucura que foi nos dogfights do passado.

Kemen
Visitante
Kemen

Regras para aviões de combate da 2. guerra. Na 1. guerra a notoriedade aérea foi do ás alemão Manfred von Richthofen apelidado de “Barão Vermelho” o ás do céus, ninguém atingiu até hoje o seu número de abates, naquela ocasião imperava o cavalheirismo na guerra aérea, morreu em combate.

Wilson
Visitante
Wilson

Adolf Galland foi o primeiro que superou o número de abates do Barão Vermelho, e bom a uma lista até que grandinha de pilotos que o superaram. (a maioria foram alemães, mas tem japoneses e até um finlandês pelo que eu saiba).

C. Silva
Visitante
C. Silva

M. v. Richthofen foi o maior ás da IGM.
Com a IIGM, foi superado por um finlandês, um japonês e cerca de uma centena de alemães.
Observando-se que o número de abates alemães foi inflado pela baixíssima capacidade da Força Aérea Soviética (o que não obscurece a grande habilidade da Luftwaffe).

smichtt
Visitante
smichtt

Tally ho! À la chasse! Em em outras línguas (mi piace l’Italiano), como seria o “jägersprache”?

Antunes 1980
Visitante
Antunes 1980

Deveria considerar na matéria a surra que a Argentina levou dos limitados e lentos Harrier.
23 caças Argentinos abatidos e nenhum Av-8 Harrier perdido em combate aéreo.
Foi um massacre inglês nos céus das Falklands.

Leandro Costa
Visitante
Leandro Costa

Ok, algumas considerações aí. Primeiro que os Harrier utilizados nos enfrentamentos ar-ar nas Falklands foram os Sea Harrier FRS.1 da Royal Navy, enquanto que os Harrier Gr.3 da RAF focavam no ataque ao solo. Segundo que os Sea Harrier estavam equipados com os AIM-9L, mísseis ar-ar IR mas ‘all-aspect,’ ou seja, poderiam ser lançados mesmo frente à frente, algo que os Argentinos não sabiam que os ingleses estavam utilizando, e algo que os Argentinos não tinham. Terceiro que os Mirage, Daggers e Skyhawks Argentinos já chegavam sobre as ilhas no limite de seu combustível e simplesmente não tinham como utilizarem… Read more »

Clésio Luiz
Visitante
Clésio Luiz

Eu li um relato de um piloto australiano de Mirage (eles operavam o IIIE na época), onde ele dizia que, em condições normais de combate, o Mirage era muito superior ao Harrier, especialmente à grandes altitudes. Na opinião dele, o problema foi mais treinamento do que qualquer outra coisa.

Kemen
Visitante
Kemen

Antunes – os Sea Harrier tinham um excelente e superior radar, superiores armas, em velocidade se equiparam aos A-4, ao passo que os aviões argentinos estavam armados para atacar a frota britanica tentando evitar o desembarque, não estavam armados para combates aéreos, pois não tinham alcance para tal, o Porta Aviões se situou além das ilhas. Os Sea Harrier a partir da detecção pelos radares da Royal Navy, ou mesmo em patrulha, apareciam de surpresa para abate-los porque os A-4 geralmente voavam baixo tentando evitar os radares navais de maior alcance.

mc1154
Visitante
mc1154

E o ás Franco/Brasileiro Pierre Clostermann por quê ninguém lembra dele?

mc1154
Visitante
mc1154

Lembraram. Deve ter sido transmissão de pensamento. 😉