Home Aviação de Caça Alemanha vai substituir Eurofighters Tranche 1 por novos Tranche 3

Alemanha vai substituir Eurofighters Tranche 1 por novos Tranche 3

3971
108
Eurofighter Typhoon da Luftwaffe
Eurofighter Typhoon da Luftwaffe

O Jane’s noticiou que o governo alemão substituirá toda a frota de aeronaves de combate Eurofighter Tranche 1 sob um novo projeto revelado pela Airbus Defense and Space (DS) em 5 de novembro.

Falando nas instalações da empresa em Manching, perto de Munique, Kurt Rossner, Head of Air Combat, disse que a Airbus DS está perto de assinar um contrato com Berlim para substituir os 38 caças Eurofighter Tranche 1 da Luftwaffe sob um programa chamado Project Quadriga. Essas aeronaves iniciais seriam vendidas para o mercado internacional antes de serem substituídas no serviço da Luftwaffe pelas novas plataformas Tranche 3 que incluirão o radar E-Scan Mk 1 de varredura eletrônica ativa (AESA) e software atualizado.

“Eu diria que estamos a poucas semanas após da assinatura do contrato Quadriga com o governo alemão – estamos agora nos estágios finais”, disse Rossner, acrescentando que a venda dessas aeronaves Tranche 1 antecipadamente fornecerá a capacidade necessária para a Luftwaffe para substituí-los pelos modelos mais recentes. As 38 aeronaves são compostas por sete bipostos e 26 monopostos, com opções para outros cinco monopostos. Ainda não foi garantido nenhum cliente para a venda dessas aeronaves Tranche 1.

Enquanto o Eurofighter padrão Quadriga é voltado para a Luftwaffe, Rossner disse que a Suíça seria uma boa partida também, pois pode substituir suas antigas frotas de Northrop F-5E/F Tiger II e Boeing F/A-18 Hornet. A Airbus propôs até 40 Eurofighters para a Suíça, com a seleção de tipo pelo Conselho Federal prevista para o final de 2020/início de 2021.

108 COMMENTS

  1. A Alemanha está certíssima em apoiar e implementar projetos europeus.
    Não deve depender da OTAN.
    Hoje, o Presidente francês Macron considerou que a OTAN tem ‘morte cerebral’ ‘ e questiona o comprometimento dos EUA com a Organização

    • Kings, Macron nao sabe o que fala faz tempo. Mal consegue pagar suas obrigacoes para com a Amazônia. Desculpe os erros de português, mas o teclado esta com problemas.

      • Nei

        Ó Mundo está enfrentando tempos difíceis.
        Cada País tem seus problemas internos e Macron foi eleito com a esperança do povo francês de resolvê-los.
        Acredito que ele represente parte significativa de seu País que, queiramos ou não, ainda é uma potência de peso no cenário internacional.
        Principalmente pela capacidade da França de formar opinião.

      • A Bélgica contribuiu mais com o policiamento nos países do Báltico (Estonia, Letônia e Lituânia, Baltic air policing) que a França. E na Islândia? Apareceram uma única vez por lá… Quem é que não está comprometido?

        • Adriano, na realidade existe um rodizio e uma distribuição de tarefas a nivel geral, a França esta tendo outras atribuições, por exemplo, na África (Mali) e bem complicadas.

          • Kemen

            Essas seriam pequenas ações.
            Tenho certeza que quando a situação apertar (se apertar) com a Rússia e a China a OTAN vai se desfazer como uma miragem no deserto.

          • A K – Esperemos para confirmar se isso acontecer, mas uma coisa é certa, eles não estão seguindo muito os devaneios do presidente norte americano que é o pais que mais tem gastado na OTAN, o que eu tenho notado a tempos é um alinhamento mais intra europeu na própria OTAN, o que pode ser um êrro.

          • Kemen
            Exatamente.
            É isso que está acontecendo.
            Está ocorrendo um alinhamento entre os países europeus.
            Principalmente após a política celerada de Trump.

          • Sim a França esta no Mali mas não esta a conseguir dar conta do recado, esta em negociações com Portugal para que este envie uma força de tropas especiais conforme já tem na Republica Centro Africana e no Afeganistão. Espero que o Governo Português saiba pedir contrapartidas, se aceitar ir para uma zona de guerra que é o caso desse país, porque o armamento está a ficar caro e não é fácil financeiramente acompanhar as novas tecnologias

          • Dar recado naquela área tá ficando um pesadelo. A França lidera uma operação chamada Barkhane em conjuntos com os países da região com mais de 3000 homens, pra tentar deter a praga da proliferação de grupos jihadistas . O Reino Unido já ofereceu se aporte assim como à Dinamarca e vários outros. Se o Portugal aceitar é algo em prol da segurança do território europeu. É verdade que é uma área onde o legado e influência francês foi forte, porem apoiar os países da região a manter o controle e segurança desses territórios significa freiar fluxos de drogas,armas, seres humanos, migração .

          • E há até um episódio que vale a pena uma leitura onde os franceses foram os primeiros à responder um pedido de socorro de um grupo de forças especiais estadunidenses vítimas de uma emboscada por parte de jihadistas do estado islâmico . É bom uma pesquisada sobretudo para àqueles que questionavam onde estavam os franceses! Evidencia a ótima relação entre as duas força que apesar das “rivalidades ” são sempre aliadas .
            Daria uma ótima matéria para os editores do forte a emboscada de Tongo Tongo! Muito interessante, infelizmente 4 valorosos membros das forças especiais estadunidenses perderam a vida em uma situação de combate estarrecedora para qualquer comum mortal. O episódio daria tranquilamente um filme digno de Black Hawk Down .

      • “sobre o comprometimento dos europeus com a OTAN?”
        As 2000 horas dos NH-90 italianos lado a lado com os Chinook e Black Hawk yankees no Iraque e a recem concluída missão de defesa do espaço aéreo islandês efetuada com os F-35 da Lockheed ( indústria e$tadunidense), C-130J , KC-767 e P-72 ? Só para citar algumas recentes…
        Agora faço eu a mesma pergunta:
        Qual O comprometimento do estadunidenses com a Europa ?
        É só fazer o cowboy, atirar para todos os lados, jogar bombas, atiçar o fogo, pedir respaldo diplomático/político/militar e quando as coisas ficam feias se sair de fininho ? Como na Síria, no Iraque, na Líbia, no Afeganistão ? Será que o Trump ajudaria a resolver essas crises migratórias recebendo alguns milhões de migrantes ? Ou só deve sobrar para Europa que está pertinho resolver essas crises humanitárias? É só bombardear, as consequências que os outros resolvam

        • Os americanos passaram mais de 40 anos sendo babás dos europeus contra os soviéticos, se não fosse os Américanos os soviéticos teriam “invadido a retaguarda estratégica dos europeus”

          ha muito tempo

          • Elton, se os soviéticos tivessem invadido a retaguarda estratégica dos europeus , a “retaguarda” sucessiva seria aquela dos yankees, com um enorme pepino. Se a Alemanha tivesse conquistado a hegemonia na Europa a consequência seria um Big Stick teutônico no derrière do Tio Sam, inclusive na época os alemães tentaram atiçar os mexicanos contra os EUA, para abrir um novo front que ocupasse a atenção dos EUA no quintal de casa deles. Obviamente não tiveram êxito.
            Ah e sem França hoje não existiria um Estados Unidos da América. Não apenas participou ativamente lutando ao lado deles, mas chegou a comprometer sua dívida pública para financiar a guerra contra o Reino unido e cobrir os gastos dos yankees com generosos empréstimos. A independência dos Americanos presenteou a França uma recessão econômica resultante dos gastos neste conflito que ampliou o descontentamento da população com a monarquia francesa, contribuindo e atiçando o fogo da mais famosa Revolução (1789-1799)
            da História que aniquilou o ancien régime.

            Então meu amigo estamos mais que pagos, nada foi feito por bondade e sim, por interesses, estamos em outro contexto histórico e OTAN hoje responde em boa parte as os interesses estadunidenses, é necessária uma força alternativa e mais autonoma. Inclusive a própria Merkel já tinha declarado em passado , uma reação as declarações do Trump, que não podiam confiar mais nos EUA e que os europeus deveriam trilhar os próprios passos sozinho.
            Essa declaração de agora, evidentemente é troco para Macron não acelerar .

          • Elton, mais algo , os EUA não fizeram de babá, mas OCUPARAM fisicamente o território europeu! no contexto atual onde os EUA meteu o dedo só criou problemas que depois a Europa tinha resolver. Enxames de refugiados da Síria, do Afeganistão, do Iraque, da Líbia, onde antes havia pelo menos um estado que conseguia controlar os fluxos da África. Os EUA querem um pouco desess imigrantes ? NÃO né. Rsrsrs e cada uma . A Única vez que o art. 5 da Otan foi a ativado foi em favor dos EUA, convocado pela primeira e única vez após os ataques de 11 de setembro de 2001 contra os Estados Unidos- diga-se de passagem nenhum dos terroristas possuía
            nacionalidade afegã, as mentes e financiadores erão sauditas, o mesmo osama que ia apertar a mão do Bush filho alguns anos antes, sim Bush, o fantoche que já tinha na época os planos de DICK Cheney de atacar em seguida a Siria. A OTAN tem operado uma série de funções desde então, incluindo o envio de instrutores ao Iraque, auxílio em operações contra pirataria e a imposição de uma zona de exclusão aérea sobre a Líbia .
            Portanto como podes bem ver sempre a benefício da política americana. Se eles mantêm desde o fim da segunda guerra mundial bases na EUROPA é porque é conveniente para eles, as bases italianas são extremamente úteis para as operações no mediterrâneo e na África do norte.
            Além das bases, da ocupação, além de ter sido ao longo dessas decadas clientes da indústria bélica deles , de fornecer e apoiar politicamente as operações ao redor do mundo… Trumplandia quer mais o que? Uma fatia de bunda?

          • Simples…..se for assim, que todos os países europeus digam para os EUA se retirarem de seus territórios. Retirem suas bases, armas e contingentes. Se eles querem isso, de fato, façam o pedido formal aos EUA, encerrem os acordos e tratados. A pergunta é: os países europeus querem isso mesmo??? Ou estão berrando e choramingando porque os EUA pediu que eles contribuam mais com a OTAN?

          • Flanker, HOJE , com a UE que já uma realidade , a Alemanha que superou os onerosos custos da reunificação e possui já uma maior autonomia, pode -se cogitar uma alternativa mais em linha com os interesses europeus. Antes, por inúmeros fatores não era viável : imposição, obrigação, conveniência, convergência de interesses, ameaça comum… A OTAN era o caminho mas óbvio. MAS hoje não existe sempre essa comunhão de interesses, quando se bombardeia e destabiliza-se sem uma solução a Líbia, o Afeganistão, a Síria, o Iraque o resultado são Estados falidos, receptáculo de organizaçoes criminais, terrorismo, extremismo e tsunamis de migrantes… que logicamente o Aliado do outro lado do oceano não possui interesse de resolver Com uma organização europeia Sarkozy nunca teria conseguido o respaldo italiano e alemão de bombardear a Líbia, mas com EUA e o Reino a porta estava escancarada .

          • Volto a dizer: Peçam pra sair!!! Simples! Se não estão concordando com a presença dos EUA, péçam que ele sai….ou então desfaçam a OTAN!
            O que não pode é ficarem discordando e atritando com os EUA, mas não abrirem mão das forças militares dos yankees em seus territórios.

          • Não, eles é que se quiserem sair da Otan, que saiam, mas a NATO, é uma organização de defesa da Europa. Se eles já não querem fazer parte que saiam, agora, os Europeus não têm que os mandar embora, pois eles beneficiam a defesa Europeia, assim como eles beneficiam e muito com isso.

          • Também acho! Que os EUA saiam e deixem os europeus andarem com as próprias pernas! Mas, tu acha que os europeus querem? Nunca! Com os EUA bancando a maior parte dos custos e fornecendo a maior parte dos meios da OTAN, por que os europeus abeirao5mãp disso? Os discursos em contrário, são apenas retórica….doa dirigentes, tipo Merkel é Macron, e os “entendidos” daqui acreditam…hehehehehe

          • Não sei os entendidos, mas o pensamento de Brzezinski e outros estadistas estadunidenses que desenharam a geopolítica daquele país talvez permita melhor compreensão dos interesses yankees. Até parece que nao há mínimo interesse por trás da permanência americana no Velho Continente. Se pinta um lindo quadro de generosidade e altruísmo. Quem iniciou a treta e choradeira foi o machao Trump, logo ele está incômodado, então que se saia de fininho, se é tão simples, como fez na Síria. Sorte deles que aquela Nação é dirigida por aparatos muito bem preparados e que possuem uma visão clara dos reais e interesses estratégicos do país ao contrário do bufão.
            Os EUA são uma grande nação graça a nomes como Spykman, Brzezinski, Mahan, Kissinger…etc e etc. Não certamente por Trump e similares.

          • A administração mais ridícula da história estadunidense, que ameaça e impõe sanções aos próprios aliados como se fossem Estados canalhas ou pior uma colônia rebelde. Como no caso italiano , mais de 7,5 bilhões de dólares gastos só no Afeganistão, respondendo a uma chamada do aliado, tendo em toda essa equação colocar a vida e incolumidade dos próprios homens em um teatro que não tem nada de estratégico para a Itália ao contrário da Líbia. Contínuas batalhas políticas e pressão social para justificar esses gastos além da aquisição dos F-35 e o sem noção de pompeo ainda tem coragem de afirmar que as sanções são merecidas . É capaz de ser mais ridículo que p próprio chefe.

          • E contribuir mais pra que ? Para comprar mais equipamentos deles ou para suportar as aventuras deles ao redor do mundo como no Afeganistão? Aí depois eles se saiem e deixam todos com c.. Na mão. Quando é que o Trump vai contribuir com sua bela parcela de migrantes ou por em ordem o boteco que eles deixaram no Mediterrâneo?

            Só reforçando : Além das bases, da ocupação, além de ter sido principal cliente ao longo dessas decadas da indústria bélica deles, de fornecer e apoiar politicamente as operações ao redor do mundo… Trumplandia quer mais o que? Uma fatia de bunda?

          • Choramingar, é com o teu adorado presidente, que até se rebaixa, e diz I love you Mr Trump, já a UE, têm sabido se fazer respeitar pelo Trump, que odeia a UE.

          • Elton – me permita um esclarecimento pois tenho visto isso seguidamente aqui no site, não existem mais as Repúblicas Socialistas Soviéticas, não são soviéticos, agora é Russia e não é de regime comunista, ou seja não tem mais a “cortina de ferro” o “muro de Berlim”, agora são conhecidos como russos e tem até a Coca Cola, Mc Donald´s, Fiat, Renault, etc lá. Devem ser saudades da guerra fria.

          • Acho que ele se referiu ao período da guerra fria quando escreveu “mais de 40 anos”…..então naquela época era URSS….passando a ser só Rússia a partir de 1991.

          • Os Americanos, ajudam a defender a Europa por interesse próprio, não por bondade, e antes disso, os Franceses ajudaram os Americanos a serem independentes do UK.

          • Isso….e depois, os ingleses e os norte-americanos, foram os principais atores a devolver aos franceses a França, que havia sido ocupada, sem esforço, pelos alemães na 2a GM.

    • Macron é tolo em dar este tipo de declaração porque ele levanta a bola para a Merkel dar uma cortada bem no peito do proprio Macron. O Macron nem tinha terminado de dar a declaração dele quando e Merkel afirmou o exato oposto: que a Otan e indispensável. A Merkel, que e muito inteligente, faz isso de proposito, para desautorizar o Macron e mostrar para os desavisados que a Zona do Euro é liderado pela Alemanha.

      • O Macron pode ser muitas coisas: superbo, arrogante, oportunista, dissimulado, porém com certeza não é tolo ou insensato. Esse garotinho é direta expressão da tradicional política republicana francês. Preparado pela Escola Nacional de Administração ( École nationale d’administration) uma das mais prestigiosas grandes écoles francesas . Essas suas declarações revelam a desproporcional ambição francesa, que pretende encabeçar a UE, através de uma instituição alternativa, independente, autonoma em relação a OTAN e a PESCO. Agora que a Brexit se aproxima, eles enxergam a possibilidade de ser a potência de referência na arquitetura da UE. So que a Alemanha NÃO tem intenção de ser mero telespetador de segunda fila .

        • Thiago, quando o Macron da uma declaração desta, e a Merkel o contradiz de forma inequívoca, e prevalece o ponto de vista dela – que nao e uma questao pessoal mas uma politica do Estado – o que o Macron faz é explicitar que na reorganização da UE pos Brexit tudo vai ficar do mesmo jeito que estava: a Alemanha comandando o grupo a partir de sua força econômica. E por isso que eu digo que é insensato fazer este tipo de comentário publicamente, que não altera o estado das coisas e, pior, explicita a liderança alemã.

          • A Merkel também não está entusiasmada com a OTAN e muito menos com a política externa anti-multilateralista de Trump.

          • Jacinto, entendo, realmente, Merkel jogou um balde de água fria no Macron. Por outro lado, mostra que a Alemanha tem medo de assumir essa liderança, e nenhum Estado ou instituição , que pretende exercer um papel regulador, pode ser limitado a esfera econômica. A Alemanha deu um puxão de orelha mas não propõe uma alternativa, pelomenos nada de pragmático e pior carece de uma tradição e visão geopolítica que a França possui. A França contínua á propor organizações alternativas como European Intervention Initiative EI2 e consegue empurrar os parceiros dentro. Uma organização dessa liderada pela França, provavelmente, seria uma dor de cabeça grande quanto a OTAN. Então que a Alemanha entenda isso e assuma uma posição mais assertiva.

          • Thiago a Alemanha tem um passado que precisa ser levado em consideração. A relutância alemã em assumir ostensivamente a liderança da UE esta enraizada nas duas guerras mundiais que, em grande parte, ocorreram para impedir uma Europa dominada militar e economicamente pela Alemanha. Uma liderança muito ostensiva faria crescer (mais) os movimentos nacionalistas nos demais países. E por isso, por exemplo, que a Alemanha é um pais relativamente fraco do ponto de vista militar: uma Alemanha militarmente forte assustaria a vizinhança. E é por isso também que a Alemanha vê a OTAN como fundamental. É a associação de uma Alemanha economicamente forte mas militarmente relativamente fraca, protegida pela OTAN que viabiliza a União Europeia.

          • Sim Jacinto, perfeito resumo, concordo totalmente, mesmo assim contínuo pensando que chegará a hora onde será necessário essa liderança, e seria bom que eles comecem de comum acordo construir os fundamentos para exercer esse papel.

          • Concordo, mas os países da UE, juntos militarmente, são uma grande potência, mesmo que o UK saia. Mas claro que a OTAN é o melhor, mas só se houver concordância entre os seus membros.

      • Não, o que o Macron disse é verdade, mas o que a Merkel disse de seguida, é outra verdade. E a NATO nunca acabará, nem que os USA queiram sair, o que eu não acredito, pois a OTAN é tanto (ou mais) importante para os USA, como para a Europa.

    • Quem é Macron?! Como se ele estivesse interessado na defesa dos interesses da organização. Quando as coisas apertam, desde sempre os franceses foram os primeiros a peidarem. A Alemanha 🇩🇪 aprendeu com os próprios erros do passado, no entanto não pode desconsiderar o seu instinto guerreiro!

      • Coitado de ti e dos teus, perto dos Franceses, sempre se ouvem noticias de cidadãos ocidentais, que são feitos reféns por grupos de terroristas, e sempre quem os salva, são as forças especiais Francesas, muitas vezes com a perda de seus próprios soldados, como há bem pouco tempo, salvaram, cidadãos franceses, Americanos e de outros países Africanos, onde dois soldados do comando Hubert, perderam a vida. A França não abandona os seus Aliados, ao contrário de uns outros por aí, uns saiem e abandonam os seus companheiros(parceiros) de guerra e outros pedem-lhes para mandarem soldados para um determinado país, para ajudarem outros países que já lá estão, mas esse certo país recusou, pois se fosse uma missão de paz, mandariam, assim para operações de combate, não mandaram. E depois ainda têm a lata de vir dizer o que dizem, da França, que em todos os momentos têm sempre soldados em operações.

    • A Europa se se tivesse preocupado em manter a parte na OTAN não teria que se preocupar com a parte dos EUA em vez disso escondiam se atrás deles e eles pagavam 70% da fatura no lugar dos EUA eu já tinha até abandonado

      • Leonel, não se abandona uma organização como a OTAN sem ter uma estrutura alternativa crível e efetiva. É necessário construi-la, serve tempo. Quanto aos 70% não entendo.
        As despesas operacionais da aliança atlântica são pagas por um orçamento comum, repartido da seguinte maneira: 22% EUA, 14% Alemanha, 10% França, 9,85 Reino Unido, 8% Itália, 5% Espanha, 4% Turquia … Etc.
        Então …

        • Nem todos cumprem com as despesas além de que todos se comprometeram a gastar 2% do seu PIB e a Alemanha gasta 1,2% a Inglaterra 1,8 e a maior parte dos outros países há volta de 1,5 enquanto os EUA gastam 3,2 quando a abandonar creio que estarás certo mas eles já deviam ter percebido que pelo andar da carruagem e uma vez que não cumprem um dia os EUA cairiam em cima

          • Leonel, informações incompletas não permitem
            uma visão/avaliação correta .
            O 2% destinado para o setor da defesa é uma linha-guia ideal, estabelecida de comum acordo com prazo até o 2024. Estamos em 2019 ainda, certo ? A polêmica do Trump é estéril e oportunista. Nem tudo que um político fala você deve acreditar. Eu posso destinar 8% do PIB e ter uma força ineficiente e inexpressiva como Arábia Saudita , mas ser um ótimo cliente então ninguém irá reclamar!
            Lembre-se que o país dele ( Trump) é um dos principais exportadores de armas e OTAN um dos principais clientes, um aumento dos gastos se converte em uma ótima oportunidade para indústria bélica yankee, o que permitiria equilibrar a balança comercial ou pelomenos reduzir o déficit.
            Os gastos que cada Estado destina para seu aparato defensivo é algo delicado e que necessita uma discussão na própria sociedade , certo? Um decisão soberana, ou estou errado?
            Que os EUA destinem 3 % ou 10% no setor da defesa não significa que esses recursos serão empregados no TO europeu , ou da OTAN. Muito pelo contrário! Eles atuam em uma escala global , do Pacífico ao oceano indico, do Japão à Coreia do Sul, os inúmeros recursos destinados a a defesa de Israel… etc, etc.
            Além disso , a França, por exemplo, já alcançou a meta dos 2% , o Reino está próximo… A Alemanha ainda não, mas há ainda ha tempo daqui ao 2024 e ele não é o chief commander da Alemanha para colocar pressa ou ditar as regras, entenda que não está em um mercado, trata-se de uma questão delicada que está sendo tratada pela sociedade alemã, nem todo país é voltado a uma economia de guerra como eles .

          • Acho que se esquecem do mais importante. que é as vendas de armamento. Os Estados Unidos só são um enorme potencia porque tem quem compre e financie a pesquisa de novas armas, sem isso não sei se os Estados Unidos estavam no patamar em que estão. Eles estão na Europa porque lhes interessa. Quando não lhes interessar eles saltam fora como fizeram na Siria.

    • A Espanha também vai instalar esse AESA em alguns de seus Eurofigther. A U.E. se consolida cada vez mais, devido à retirada do R.U. e, às colocações do presidente norte americano a respeito da divisão de gastos da OTAN. Falaram até em criar um “exército europeu”, eu acho isso muito complicado, talvez seja uma pequena força de intervenção conjunta…

      • Não é preciso nenhum exército Europeu, muito menos uma pequena força conjunta, é preciso manter a NATO, nem que seja só com os Europeus.

    • O Macron parece estar tentando se segurar em todos os galhos para não escorregar para fora do Palácio do Eliseu. Tentou minar a soberania brasileira para se cacifar como um líder global, já passou a falar em endurecer a política de imigração para agradar os eleitores da direita francesa, agora quer se mostrar o líder da Europa ao atacar a OTAN.

      Alguns dizem que a reeleição dele é garantida, porque a oponente mais forte é a Marine Le Pen, e que os franceses não vão muito com a cara dela. Mas as atitudes do Macron mostram que ele não está assim tão confortável.

      Na realidade, em tempos em que convulsões sociais acontecem sem que se possam definir lideranças e objetivos claros e específicos, acredito que político nenhum no mundo democrático deveria se sentir muito seguro.

      • A tentativa de minar a soberania Brasileira, só aconteceu na tua cabeça, e na do teu presidente, ele sabe como um presidente de um país civilizado se deve comportar.

    • Se ele está questionando isso, realmente é um idiota hipócrita.
      O comprometimento dos EUA com a OTAN é, e sempre foi, superior ao comprometimento de todos os europeus juntos. Já passou da hora dos europeus assumirem suas responsabilidades perante a OTAN, afinal é deles que os Russos costumam ficar no cangote.

      • Isso é o que tu dizes, e quanto ao cangote, na Guerra fria, eles queriam era a cangote Americano. Aliás a Russia não é UE, mas é um país Euro-Asiático, e que as suas 3 maiores cidades, ficam no continente Europeu.

  2. Seria muito interessante saber o valor que a Alemanha quer nesses Tranche 1.
    Dependendo do valor, podem acabar até aqui na América do Sul, vejo possibilidades no Peru e na Colômbia para este Eurofighter Tranche 1.

          • Substituídos por uma versão mais avançadas, uma avaliação baseada em retorno industrial- manter a linha de produção com novos pedidos- e econômico – provavelmente a não seria conveniente o retrofit da máquina comparado com uma célula novinha de fábrica com muitos mais anos de vida pela frente.

          • É um baita caça, substituído por uma versão mais avançada. É evidente que na avaliação o retrofit das aeronaves não compensava , já que um novo pedido mantêm a linha de produção aberta com um retorno econômico e industrial maior além de ter no final uma célula novinha, com muito mais anos de vida útil.

          • Então o Super F/A-18 C/D Hornet, não substituiu o F/A-18 E/F Super Hornet, e os f-15 ou f-16 não foram substituidos por modelos mais recentes? Também não prestavam?

          • Os Hornet C e D foram substituídos pelos Super Hornet E e F, além do G. E nem esses, assim como o F-15 e o F-16, tem comparação com o Typhoon Tranche 1…..o avião europeu, nessa versão, é muito mais limitado que os aviões citados por ti. O Tranche 1 realiza, exclusivamente, missões ar-ar.

      • Caro é caro , mão de obra e peças baseadas no mercado europeu( €uro ), para uma economia sulamericana não é brincadeira. Mas é lindo !

      • A Austria opera o Eurofighter e possui um orçamento militar 3x menor que a Colômbia.
        Aliás a Colômbia possui orçamento militar igual à países como Taiwan e Paquistão.
        Taiwan possui cerca de 300 caças/bombardeiros.
        Paquistão possui mais de 400 caças/bombardeiros.

        A Colômbia não consegue operar 38 Eurofighters?
        Claro que consegue. Ainda mais sendo caças Usados que custarão bem mais baratos que unidades novas.

  3. O delta-canard mais feio da história. Nada me atrai neste avião. Não consigo ver nenhum elemento diferencial nele que mereça destaque em relação aos outros da sua geração. É um avião competente, e só.

    • Tás muito enganado, em superioridade aerea, é o melhor de todos, tirando os de 5G, e como avião de ataque é dos melhores. Não sou eu só que digo, a RAF, diz o mesmo.

      • Tranche 1, objeto do tópico, não faz missões de ataque e nem reconhecimento…Só realiza missões ar-ar. Na realidade, Typhoon multifunção, só o Tranche 3.

  4. satisfeito com Gripen, a melhor opção para a nossa realidade .
    Mas não posso negar que adoraria ver essa linda máquina vestindo as cores da FAB.
    Custo flyaway do tranche 3 entre 52 /59 milhões, hora de voo 15/20 mil euro…

  5. A alemanha sabe bem o que faz comprar 40 novos caças a Airbus significa ajudar a empresa financeiramente em ajudando a manter em funcionamento as linhas de montagem até a produçao do novo caça de 5 geraçao com a frança que sera produzido em conjunto d’assaut Airbus (SACF) ja vi o prototipo bela maquina

  6. Pura lógica e pragmátismo Alemão. As prioridades:
    1-emprego e renda nacional
    2-tecnólogia nacional
    3-indepedência nacional
    4-atendimento das necessidades da defesa nacional.
    Para os Alemães, não faz falta ter um caça de 5° geração agora ou um caça capaz de lançar armas nucleares que nem dela são e cujo uso depende de autorização externa, logo….

      • Os argentinos não descuidam das Forças Armadas ?? Tá brincando, né? Quais caças eles tem hoje? A-4M, dos quais apenas algumas unidades estão operacionais. Nenhum caça supersônico há mais de 6 anos. A Armada Argentina recebeu recentemente 5 Super Etendard da Frnça, junto com peças para colocar alguns dos seus 11 caças do modelo em operação novamente.
        Então, hoje a Argentina opera menos de 15 A-4 modernizados e mais uns 10 Super Etendard, além de alguns treinadores a jato Pampa. Isso é não descuidar??
        Na Armada, quantos submarinos eles tem? E o acidente com o San Juan? Eles realmente não descuidam de suas Forças Armadas??

  7. Era uma boa compra de oportunidade para o Brasil pois são aviões duráveis feitos na Alemanha e teríamos um vetor a altura dos sukois da Venezuela em quantidade. E lembrando como os gripem possuem supercruse. e

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here